sábado, 22 de outubro de 2016

Subsidio juniores bem aventurado os humildes n.5


                 SUBSIDIO CPAD JUNIORES FELIZES 

                                OS HUMILDADES N.4


                             Defenição   Humildade

                       Professor Mauricio Berwald

sinônimos
HU - mil'i - ti ( ענוה , 'Anawah ; Ταπεινοφροσύνη , tapeinophrosúnē ):

(1) O substantivo ocorre no Antigo Testamento somente em Provérbios 15:33 ; Provérbios 18:12 ; Provérbios 22: 4 , mas o adjectivo "humilde" aparece com freqüência como a tradução de'Ani , 'ānāw , shāphāl, Sentido também "pobres", "aflitos"; o verbo, como a tradução de'Aná "Afligir", "a humilde", e de Kana ' , "Ser ou tornar-se humilhado"; Cana ', "Ser humilde", ocorre em Miquéias 6: 8 . Para "humilde" ( Salmo 09:12 ; Sl 10:12 ) Versão Revisada (britânico e americano) tem "pobre"; Salmo 10:17 ; Sl 34: 2 ; Salmo 69:32 , "manso"; para "humilhou" ( Salmo 35:13 ), "aflitos" ( Isaías 02:11 ; Isaías 10:33 ), "humilhado"; para "Ele humilha" ( Isaías 2: 9 ) "está abatido," margem "humilha"; Salmo 10:10 , "se abaixar";tapeinophrosunē é traduzida como " humildade " ( Colossenses 2:18 , Colossenses 2:23 ; 1 Pedro 5: 5 ); em vários outros lugares, é traduzida como "humildade" e "humildade mental";tapeinós é traduzida como "humildes" ( Tiago 4: 6 ; 1 Pedro 5: 5 ; em outros lugares "humilde", etc .; 1 Pedro 3: 8 ,tapeinóphrōn ), A versão revista (britânico e americano) "humildes"; tapeinóō, "A humilde", ocorre com frequência ( Mateus 18: 4 ; Matthew 23:12 , etc.);tapeınōsis é "humilhação" ( Atos 8:33 ); para "corpo abatido" ( Filipenses 3:21 ) Versão Revisada (britânico e americano) dá "corpo de nossa humilhação."

(2) ( a ) No Antigo Testamento, bem como no Novo Testamento, a humildade é uma característica essencial da verdadeira piedade, ou do homem que está bem com Deus. Deus humilha os homens, a fim de trazê-los para Ele mesmo ( Deuteronômio 8: 2 , Deuteronômio 8: 3 , etc.), e é quando os homens se humilhar diante Dele que eles são aceitos ( 1 Reis 21:29 ; 2 Crônicas 7:14 , etc); a "andar humildemente com o teu Deus" completa os requisitos Divinos ( Miquéias 6: 8 ). No Salmo 18:35 ( 2 Samuel 22:36 ) A qualidade é atribuída ao próprio Deus: "Tua mansidão (ou condescendência) me engrandeceu." De "aquele que tem o seu assento nas alturas" diz-se, (hebraico) "humbleth (shāphēl) Se inclina para ver as coisas que estão no céu e na terra "( Salmo 113: 6 ). É no coração humilde que" o Alto eo Excelso, ... cujo nome é "habita Santo ( Isaías 57:15 ; comparar Isaías 66: 2 ).

( B ) A palavra tapeinophrosunē não é encontrado em grego clássico (Lightfoot); no Novo Testamento (com exceção de 1 Pedro 5: 5 ) é Pauline. Em escritores pré-cristãos gregostapeinos é, com algumas excepções em Platão e escritores platônicos, usado em um sentido ruim ou inferior - como denotando algo mal ou indigno. O destaque que ganhou no pensamento cristão indica a nova concepção do homem em relação a Deus, a si, e aos seus companheiros, o que é devido ao cristianismo. Ele não implica a escravidão ou servidão; nem é incompatível com uma estimativa direito de si mesmo, os dons ea vocação de Deus, ou com a auto-afirmação adequada quando chamado para. Mas o quadro habitual da mente de uma criança de Deus é a de alguém que não se sente apenas que ele deve a todos os seus dons naturais, etc., para Deus, mas que ele tem sido o objeto do amor redentor imerecida, e que se considera como sendo não a sua própria, mas de Deus em Cristo. Ele não pode exaltar-se, pois ele sabe que ele não tem nada de si mesmo. A mente humilde é, portanto, na raiz de todas as outras graças e virtudes. Auto-exaltação estraga tudo. Não pode haver verdadeiro amor sem humildade . "Love", disse Paul, "não é em si trata com leviandade, não se ensoberbece" ( 1 Coríntios 13: 4 ). Como disse Agostinho, a humildade é o primeiro, segundo e terceiro no cristianismo.
( 100 ) Jesus não só impressionou fortemente seus discípulos com a necessidade de humildade , mas era em si mesmo o seu exemplo supremo. Ele se descreveu como "manso e humilde ( tapeinos ) De coração "( Mateus 11:29 ). A primeira das bem-aventuranças era" pobres de espírito "( Mateus 5: 3 ), e foi" mansos "que deve" herdarão a terra ". A humildade é o caminho a verdadeira grandeza: quem deve "tornar humilde como esta criança" deve ser "o maior no reino dos céus"; "quem se exaltar será humilhado; e qualquer que a si mesmo se humilhar será exaltado "( Mateus 18: 4 ; Mateus 23:12 ; Lucas 14:11 ; Lucas 18:14 ) Na verdade mente humilde é revelado (. Mateus 11:25 ; Lucas 10:21 ). Jesus deu um exemplo comovente de humildade em Sua lavar os pés dos discípulos (Jo 13, 1-17).

( D ) Paul, por isso, faz um apelo sincero de cristãos ( Filipenses 2: 1-11 ) que eles deveriam valorizar e manifestar o Espírito de seu Senhor humildade - "em humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo", e aduz o exemplo supremo da auto-esvaziamento (kenose ) De Cristo: "Tende em vós, que houve também em Cristo Jesus", etc. A prestação de Heauton ekenosen ( Filipenses 2: 7 King James Version) "humilhou-se" deu origem à designação da Encarnação como "a humilhação de Cristo".

( E ) Existe uma falsa humildade que Paulo adverte contra, a, "voluntária auto-procurou humildade " ( Colossenses 2:18 , Colossenses 2:23 ). Isso ainda existe em muitas formas, e tem que ser protegida contra. Não é genuína humildade quando nos humilhamos com a sensação de que somos maiores do que outros, mas somente quando nós não pensamos de auto em tudo. Não é só o sentido do pecado que deve criar o espírito humilde: Jesus não tinha pecado. Ela pertence não apenas à criatura, mas até mesmo para um filho em relação a Deus. Não pode ser muito auto-satisfação, onde pecado é confessado. Podemos estar orgulhosos da nossa humildade . É necessário também sempre tomar cuidado com "o orgulho que imita a humildade ."

“A palavra grega prautês transmite o conceito de ternura humilde que tem mais solicitude pelo próximo que consigo mesmo. Jesus disse: ‘Bem-aventurado os mansos, porque eles herdarão a terra’ (Mt 5.5). A palavra cognata praus significa ‘meigo’, ‘humilde’, ‘manso’, ‘suave’. Aristóteles a descreve como o meio-termo entre a disposição excessiva à ira e a incapacidade de irar-se. A pessoa meiga tem o espírito disciplinado. Potencialmente, todas as bênçãos espirituais estão à disposição de tal pessoa. Esse espírito meigo, apesar de a própria palavra ‘mansidão’ não ser empregada em Romanos, é descrita em 12.12-14 — a capacidade de perseverar na aflição e na perseguição, servindo fielmente na oração e nos cuidados práticos com o próximo. A mansidão sabe que Deus está cuidando de tudo, e por isso não toma a vingança nas próprias mãos (Rm 12.17-21; Ef 4.26). Ao invés de sermos grosseiros, egoístas e facilmente provocados à ira, demonstremos mansidão, protejamos o próximo e perseveremos (1 Co 13.5,7). Nossa atitude uns para com os outros deve ser completamente humilde, suave, sem arrogância (2 Co 10.1; Ef 4.2).

Com demasiada frequência, as manifestações espirituais têm sido expressas de modo rigoroso e absolutista, com a manipulação das pessoas. Esse método, ao invés de encorajar o próximo no ministério dos dons, chega mesmo a sufocá-lo, mormente o ministério que provém do Corpo inteiro. Quão importante é aprendermos a resguardar a dignidade e os brios morais uns dos outros! Seja meigo!” (Teologia Sistemática, CPAD, pag. 491,492)

Entre os ensinos de Jesus, certamente os que se referem à humildade têm nEle um exemplo inigualável. Sendo Deus, fez-se homem, sujeitando-se às tentações, ao sofrimento, “humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz” (Fp 2.8b). Sendo rico, fez-se pobre para nos enriquecer eternamente; sendo onipotente, onisciente e onipresente, “aniquilou-se a si mesmo, tomando forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens” (Fp 2.7).
I. REVELAÇÃO AOS PEQUENINOS
1. Coisas ocultas aos sábios e entendidos (v.25b). Jesus, elevando sua voz aos céus, dirigiu-se a Deus, e agradeceu-Lhe por haver ocultado “estas coisas aos sábios e instruídos”. “Estas coisas” a que se referia Jesus eram as profundas verdades, a “Palavra de Deus; o mistério que esteve oculto desde todos os séculos e em todas as gerações e que, agora, foi manifesto aos seus santos”, “...são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória” (Cl 1.25-27). Quando Ele falou aquelas palavras, o mundo já tinha conhecido Sócrates, Platão, Sófocles, e tanto outros filósofos da antiguidade, sem contar os muitos sábios, ensinadores e mestres no reino de Herodes. Entretanto, desde o nascimento de Cristo na manjedoura, até à sublimidade de sua morte, nada foi revelado aos grandes daquele tempo. Da mesma forma, hoje, as verdades do evangelho estão ocultas àqueles que se consideram grandes, sábios e entendidos. A esses, falta a condição indispensável para ter acesso aos arquivos dos céus — a humildade.
2. A revelação aos pequeninos (v.25b). No momento em que agradecia ao Pai por haver ocultado as verdades dos céus aos “sábios e instruídos”, Jesus se alegrava por haver Deus as revelado “aos pequeninos”. Sem dúvida, naquele contexto, Ele se referia aos humildes, que se sentiam pequeninos diante de Deus. Os Evangelhos comprovam esse fato. Havia tantas virgens em Israel, mas só Maria recebeu o anúncio da encarnação de Jesus (Lc 1.28-35); havia muitos rapazes em Israel, mas só José foi escolhido para ouvir sobre a vinda do “Emanuel” (Mt 1.19-23); havia muitos pastores em Belém, mas somente alguns poucos tiveram a visão dos anjos, anunciando o sublime evento (Lc 2.10-14). Eles eram pequeninos. Agora, também, só os humildes, sejam eles pobres ou ricos; sábios ou ignorantes; só a eles, os que temem a Deus, o evangelho é revelado pelo Espírito Santo.

II. CONVITE GLOBAL

1. “Vinde a mim, todos...” (v.28a). O convite de Jesus aos homens não é excludente, mas é inclusivo, pois é feito a “todos” que estão “cansados e oprimidos”, ou seja, aos pecadores, sofridos e oprimidos, sob o fardo do pecado, que lhes é imposto pelo Diabo. Infelizmente, a maioria das pessoas encontra-se assim. Jesus, que não amou só a Israel, mas “...o mundo, de tal maneira... para que todo aquele que nele crê não pereça...” (Jo 3.16), mandou pregar o evangelho não só aos “eleitos”, mas “por todo o mundo”, “a toda criatura” (Mc 16.15). Podemos dizer que o evangelho, no plano de Deus, é globalizado. Aliás, os homens estão muito atrasados. Só agora falam de “globalização”. A globalização de Deus já foi prevista, antes mesmo da criação do mundo. Ainda assim, mesmo sendo um convite a “todos”, só têm condições de se beneficiar dele os que são “pequeninos”, os “pobres” ou “humildes de espírito” (vide Mt 5.3). Há muitos cansados do pecado, mas não têm condições de atender ao convite de Jesus, pelo fato de se considerarem “grandes” perante Deus. Há ricos humildes e pobres orgulhosos. Os primeiros tornam-se pequeninos e têm acesso às coisas reveladas por Deus. Os últimos, mesmo pobres, tornam-se grandes, distantes do evangelho.
2. Convite ao alívio divino (v.28b). Jesus convidou a todos os cansados e oprimidos, prometendo-lhes alívio para suas vidas. O cansaço e a opressão do pecado têm efeito terrível sobre as pessoas, a ponto de levar muitas à depressão, à angústia profunda e até ao suicídio. Os que se embriagam, os que usam drogas, os que se prostituem, os homossexuais, um dia acabam cansando. Muitos, porém, não têm forças para romper os grilhões do pecado. Falta-lhes a força da humildade para receberem o alívio prometido pelo Senhor. Quantos que enchem as salas dos psiquiatras, dos psicólogos e clínicas de repouso, buscando alívio para seus males espirituais e emocionais, pagando caro por tratamentos demorados, muitas vezes sem sucesso. Quantos gostariam que fosse anunciada a descoberta de um comprimido, uma pílula, que, tomada, propiciasse alívio para alma, dando-lhes paz. Mas, infelizmente, a paz não vem em comprimidos. Só Jesus, o “Príncipe da Paz” (Is 9.6) pode conceder a paz e o alívio aos corações. Para isso é necessário que atendam ao convite de Jesus. E só podem fazê-lo os “pequeninos” ou os humildes a quem o Senhor se referiu.

III. TOMANDO O JUGO DE JESUS

1. Conceito de jugo. A palavra jugo designa um antigo instrumento de trabalho que se colocava sobre uma junta de bois, para que os mesmos trabalhassem juntos; é equivalente à canga, representada por uma madeira curva, que se punha sobre o pescoço do boi, para mantê-lo preso ao carro ou ao arado (Aurélio); também significa, figuradamente, opressão, sujeição.
2. O jugo de Jesus. “Tomai sobre vós o meu jugo...” (v.29a). A palavra jugo dá ideia de algum tipo de peso, de instrumento de opressão. O jugo de Jesus, no entanto, é diferente. Não é pesado, nem opressor. Ele próprio afirmou: “Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve” (v.30). Contudo, uma pessoa só pode aceitar o jugo de Jesus se for humilde, após ter passado pelo teste da renúncia e de ter tomado a cruz de cada dia (Lc 9.23). Os pobres ou humildes de espírito (Mt 5.3) aceitam o jugo de Jesus, mesmo sabendo que isso implica ficar muitas vezes em desvantagem perante o mundo, pelas consequências da decisão, em seguir ao Senhor. Já vimos que podem perder pais, mães, irmãos, amigos e até bens, por causa do nome de Jesus. Contudo, a visão espiritual, resultante do quebrantamento diante de Deus e de sua palavra, os torna humildes o suficiente para aceitarem o jugo do Senhor.

IV. CONVITE AO APRENDIZADO

1. “Aprendei de mim...” (v.29). Existiram muitos mestres e ensinadores no passado e ainda hoje. Contudo, ninguém jamais se igualou ao Mestre Jesus. Os estranhos lhe reconheciam como mestre (Mt 9.11; 17.24); seus discípulos reconheciam sua maestria; Ele próprio se apresentou como Mestre (Mt 23.8; Jo 13.13). Em sua ressurreição, Maria lhe chamou de “Raboni”, que quer dizer Mestre! (Jo 20.16b).
2. “Que sou manso e humilde de coração” (v.29). Jesus demonstrou ser o Mestre por excelência. Quando convidou os discípulos para aprenderem com Ele, tinha autoridade para isto. Na noite que antecedeu sua morte, deu uma profunda lição de humildade. Assumindo a posição de um escravo, tomou uma bacia com água, e pôs-se a lavar os pés dos discípulos (Jo 13.5). Nenhum rabi (mestre) fizera aquilo antes. Jesus lhes indagou: “Entendeis o que eu vos tenho feito?”. E acrescentou: “Vós me chamais Mestre e Senhor e dizeis bem, porque eu sou” (Jo 13.12b,13), e lhes disse que deveriam seguir o seu exemplo de humildade. Hoje, se alguém, na igreja, precisa aprender a ser humilde, basta matricular-se na escola de Jesus. Ele ensina, e não cobra nada, a não ser a obediência à sua Palavra. Suas aulas não são teóricas, mas práticas, ou seja, “espírito e vida” (Jo 6.63).
3. Os humilhados são exaltados. É um ensino revolucionário o de Jesus. Enquanto para os homens os exaltados são os grandes, os poderosos, o Mestre contrariou todos os conceitos, e afirmou que o maior entre seus seguidores é servo dos outros, e que “o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado” (Mt 23.11,12), constituindo-se um verdadeiro paradoxo para a mente humana.
Jesus em seu viver foi um exemplo em tudo. Diferente de muitos mestres, que ensinavam o que não faziam, e faziam o que não ensinavam, Ele provou ao mundo que seus ensinos e sua doutrina estavam muito acima das filosofias humanas, inspiradas no intelecto limitado e falho dos mortais. Seus ensinos sobre a humildade foram por Ele vividos a cada dia no seu ministério, quando “humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz”.



Nenhum comentário:

Postar um comentário