sábado, 29 de outubro de 2016

Lições jovens a instituição da adoração n.6








                                   LIÇÕES JOVENS

TEXTO DO DIA

Assim nós, teu povo e ovelhas de teu pasto, te louvaremos eternamente; de geração em geração cantaremos os teus louvores.

OBJETIVOS

• EXPLICAR as razões da institucionalização da adoração em Israel
• APRESENTAR as principais repercussões da institucionalização sobre a adoração e o louvor do povo de Israel.

• DISCUTIR aspectos gerais da institucionalização na Igreja contemporânea.



INTERAÇÃO

Nossa aula tem como foco principal buscar compreender os efeitos da institucionalização da adoração e do louvor em Israel. Apesar de aparentemente muito complexo, nosso tema pode suscitar excelentes debates. Por isso, não perca a oportunidade de aproximar seus educandos dessa temática atualíssima. Partindo do exemplo histórico de Israel procure desmistificar a imagem de que toda instituição é uma máquina burocrática e, por isso, alheia às necessidades das pessoas. Construa em sala de aula um espaço de discussão construtivo, de modo que ao final da aula. seus educandos percebam que apesar de institucionalizada, a Igreja é um organismo vivo, o próprio corpo de Cristo.


ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

O objetivo principal da atividade proposta a seguir é demonstrar aos membros de sua sala de aula a necessidade mínima de organização prévia, ou porque não dizer institucionalização para o desenvolvimento de qualquer atividade em grupo. Inicie sua aula propondo a seus educandos que um deles vai ministrar o conteúdo em seu lugar e que este será escolhido aleatoriamente; depois da óbvia celeuma que vai se constituir, tome o contexto mais complexo ainda, afirme que cada um dos presentes será responsável pela apresentação de uma parte da lição. Provavelmente, depois de instantes de insegurança e apreensão para alguns deles, revele que tudo não passa de um experimento.
Finalize essa ação introdutória destacando a importância da existência de uma estrutura institucional em sua igreja local, e especialmente, na Escola Dominical, por meio da qual cada um dos participantes da turma pode reconhecer seu papel.


                                           TEXTO BÍBLICO

Deuteronômio 12.1-7

1 Estes são os estatutos e os juízos que tereis cuidado em fazer na terra que vos deu o SENHOR. Deus de vossos pais, para a possuirdes todos os dias que viverdes sobre a terra.
2 Totalmente destruireis todos os lugares onde as nações que possuireis serviram os seus deuses, sobre as altas montanhas, e sobre os outeiros, e debaixo de toda árvore verde;
3 e derribareis os seus altares, e quebrareis as suas estátuas, e os seus bosques queimareis a fogo. e abatereis as imagens esculpidas dos seus deuses, e apagareis 0 seu nome daquele lugar.
4 Assim não fareis para com o SENHOR, vosso Deus.
5 mas buscareis o lugar que o SENHOR, vosso Deus. escolher de todas as vossas tribos, para ali pôr o seu nome e sua habitação; e ali vireis.
6 E ali trareis os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta alçada da vossa mão. e os vossos votos, e as vossas ofertas voluntárias, e os primogênitos das vossas vacas e das vossas ovelhas.
7 E ali comereis perante o SENHOR, vosso Deus. e vos alegrareis em tudo em que poreis a vossa mão, vós e as vossas casas, no que te abençoar o SENHOR, vosso Deus.


INTRODUÇÃO

Ao salvar Israel da opressão da terra do Egito, o Senhor Deus investiu sistematicamente na reeducação espiritual do povo. transmitindo-lhe seus estatutos e mandamentos especialmente com relação ao louvor e a adoração Percebemos assim, a partir da saída do Egito até a chegada em Canaã. Um esforço de Jeová em criar instituições, normas e regras que conduzissem Israel a uma adoração genuína e livre das influências estrangeiras Por isso. É criado todo um sistema de sacrifícios - com significados e razões próprias É confeccionado um centro de adoração móvel, através do qual o povo pudesse crer que a presença divina não lhes abandonara. É separada toda uma tribo para cuidar dos elementos do culto e uma família inteira para o oficio sacerdotal
Esta série de prescrições devocionais exigidas de Israel deve levar-nos à reflexão a respeito da seriedade com que encaramos nossos momentos de louvor e adoração em nossas igrejas.

I ISRAEL UM POVO CUJO ESTILO DE VIDA RESUME-SE EM ADORAÇÃO

1. A pormenorização dos elementos devocionais em Israel Após a saída do povo do Egito.
Deus tratou rapidamente de transmitira Moisés, que retransmitiria ao povo os preceitos centrais da adoração que deveria ser apresentada por Israel a Deus. Era necessário garantir que a influência de 430 anos no Egito não geraria prejuízos espirituais no povo (Êx 24-31)- Aquilo que para alguns pode parecer um exagero detalhista era. na verdade, expressão do amor zeloso de Deus por seu povo. As orientações a Moisés, que eram jurídicas, cerimoniais, sociais e devocionais. tinham como objetivo último orientar a descendência de Abraão na fuga do politeísmo e na dedicação a uma vida exclusivamente voltada a Jeová.

2. A institucionalização da adoração.

Até aquele momento histórico, os filhos de Israel utilizavam-se das mesmas práticas tradicionais compartilhadas pelas sociedades do oriente antigo para prestarem o seu culto a Jeová. Inicia-se então um longo processo de aprendizagem onde o Senhor, pacientemente. vai fundando as instituições que regulamentarão a adoração do povo de Israel. Se antes todo tipo de oferta e sacrifício era feito aleatoriamente, segundo o desejo de cada adorador; agora o Senhor institui o sacerdócio, e através da corporação de homens dedicados exclusivamente a Deus. institui regras, dias, horários e exigências para àqueles que desejam prestar-lhe um culto autêntico (Êx 281-29) A adoração deixa de ser algo episódico e isolado, e passa a relacionar-se com tudo o que se cultiva, cria. trabalha, ou seja o louvor a Deus conecta-se diretamente com a vida cotidiana.

3. Tudo é do Senhor.

Uma das características fundamentais do culto que passa a ser estabelecido no meio do povo liberto do Egito é a gratidão. As ofertas, celebrações e rituais apontam para o grande amor de Jeová, que foi importantíssimo no tempo da escravidão e que continuará absolutamente relevante durante toda a história do povo.
As três grandes festas judaicas eram festividades estabelecidas para desenvolver continuamente uma consciência grata ao Senhor (Êx 34.22-24). Deste modo, deve-se compreender que a institucionalização da fé judaica teve como objetivo estabelecer um conjunto de garantias que assegurariam o desenvolvimento de uma fé saudável e equilibrada entre o povo de Deus.

O Pense!

Se Deus não tivesse estabelecido um conjunto mínimo de normas e cerimoniais para a organização do culto a Ele, como comportar- se-ia aquela multidão de pessoas que caminhava no deserto no momento de adorara Deus?

O Ponto Importante

A institucionalização parece ser um processo inevitável para todo agrupamento de pessoas que cresce numericamente.

II  CRITÉRIOS. NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A ADORAÇÃO EM ISRAEL

1. Ofertas e sacrifícios específicos.

Aquele que desejava trazer algo como sinal de sua adoração deveria observar uma série de exigências Se fosse um sacrifício animal, havia animais puros e impuros (Lv 11.47). Dependendo da cerimónia o sacrifício deveria ser feito com um animal próprio àquele momento (Nm 715-17). O ofertante deveria ainda ter ciência de que algumas partes do animal seriam descartadas enquanto outras seriam valorizadas (Lv 4-4-12). O animal sacrificado não poderia ter falhas ou doenças (Dt 15.19-23). Se, ao invés de animal a oferta fosse vegetal ou de produtos de origem vegetal, o adorador deveria ter atenção quanto é quantidade a ser trazida e a qualidade do que era trazido (Lv 620: Nm 5.15; Dt 18.4). Essa série de requisitos exigia da aquele que iria adorar a Deus um cuidado continuo, o que o levaria a pensar em Deus diariamente. enquanto envolvido em seus afazeres cotidianos.

2. Lugares especiais.

A adoração cerimonial foi concentrada em um lugar comunitário, através do qual homens e mulheres, ricos e pobres, todos podiam adorar ao mesmo Deus. Num contexto multipolitesta, a designação de um só local para adoração oficial reforçava, nos corações e mentes dos israelitas, que só havia um Deus a ser reverenciado Inicialmente este 'local* foi o tabernáculo, o ambiente de adoração portátil que o Senhor ordenou que Moisés construísse (Êx 25.8.9). Posteriormente este local de adoração foi ‘fixado" no Templo em Jerusalém (2 Cr 7).

3- Pessoas separadas.

Um outro aspecto significativo da institucionalização da adoração em Israel foi a separação de uma tribo inteira para os serviços relativos ao louvor e adoração e mais especificamente de uma família para o exercício do sacerdócio (Nm 3.6-10). É claro que isso era um enorme privilégio, contudo, não se pode negar o grande sacrifício que estava ligado a essa honraria. Os filhos de Levi não teriam parte na herança que todo o povo receberia (Dt 10.9; 12.12; 14 27: Js 18.7). Se todo o povo vivia impulsionado pela fé. muito mais os levitas. Basta levar em consideração que em tempos de crise, quando a colheita era escassa, consequentemente as ofertas também eram reduzidas e em última instância a alimentação dos levitas e sacerdotes estava comprometida. Assim sendo, além das honras havia muitos sacrifícios.

O Pense!
Você estaria disposto a abrir mão de todo conforto e bem-estar pessoal para viver inteiramente para o serviço de Deus?
O Ponto Importante
Como acabamos de estudar, a institucionalização do judaísmo fortaleceu os vínculos sociais e enfraqueceu o politeísmo.

III - A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA FÉ HOJE

1. A inevitável institucionalização.

Assim como Israel - que cresceu vertiginosamente no Egito - as igrejas evangélicas brasileiras multiplicaram-se de maneira notável durante o século XX. De denominações que se reuniam em casas, geralmente da periferia, tornaram-se em grandes instituições espalhadas em todo o território nacional, presentes inclusive nas mídias. A partir do momento em que as igrejas deixaram de realizar apenas atividades espirituais e precisaram atuar civilmente - na aquisição de imóveis, contratação de pessoal, compra de bens móveis - sua institucionalização foi algo irreversível A natureza essencial da Igreja é espiritual, por isso mesmo, quando ela trata de assuntos materiais deve fazer tudo com ética, lisura e justiça (Mt 22.17-21: Tt 3.1:1 Pe 2.13-15).

2. "Na minha igreja, só quem canta e prega são os oficiais".

Infelizmente esta frase sintetiza a realidade de muitas igrejas locais; aquilo que aparentemente é fruto de uma maior organização e pre paro. muitas vezes é apenas formalidade. A Bíblia deixa bem claro que através da obra de Cristo somos todos sacerdotes da Nova Aliança (Ap 1.6: 20.6). por isso universalmente capacitados para falar de Cristo. A beleza do pentecostalismo sempre foi a espontaneidade da participação leiga, isto é, daqueles que, sem uma formação especifica, mas cheios de Deus. anunciam publicamente as obras de Jesus.

3. Perigos contemporâneos da igreja enquanto instituição.

A relação Igreja-Estado-Sociedade Civil torna-se perniciosa quando existe troca de favores, deixando de obedecer a Palavra de Deus. Nesse caso, a ética cristã é ferida, priorizando mais os homens que o Reino de Deus. Tais relações trazem escândalos e são uma das principais causas de abandono da fé.Algumas pessoas, erroneamente, chegam a afirmar que a estrutura ‘igreja’ já faliu e está ultrapassada. Discordamos absolutamente deste ponto de vista, a vida em comunidade é a essência do Cristianismo (Jo 1722).

O Pense!

Sem dúvida alguma os ’desigrejados"não possuem fundamento real para suas argumentações, isto porque a razão de nossa fé é Cristo e ninguém mais.
O Ponto Importante

A natureza espiritual e o aspecto legal são duas faces inegáveis desse plano amoroso criado por Deus para a humanidade denominado Igreja. Já houve um tempo, quando as instituições civis eram menos desenvolvidas, que a Igreja não necessitava de estrutura institucional, hoje isso não é mais possível.

SUBSÍDIO 1

O Tabernáculo

Além dos lugares sagrados onde Deus se revelara, um lugar central de adoração passou a existir. Durante o período do Êxodo, ele podia ser melhor descrito como uma tenda-templo, que era a estrutura mais conveniente para o povo que estava viajando ou acampado na região de Cades-Barneia (Nm 13.26; 14.38) A tenda-templo era conhecida como Tabernáculo.

santuário central era feito de tábuas revestidas de ouro. apoiadas por um sistema de vigas. encaixes e pesadas bases de prata firmadas no chão. Isso formava uma estrutura de três lados com trinta cóvados (15m) de comprimento e quinze côvados (7m) de largura, aberta para o céu em sua extremidade mais estreita a leste. O teto era provido por cortinas de linho branco, bordadas com figuras de querubins, protegidas por várias camadas de pano de saco. peles vermelhas de carneiro e peles de cabra (Êx 26.1-30). No interior, o aposento de 30 côvados (15m) era dividido em dois por uma cortina pendurada em pilares dourados, a fim de criar o 'Santo dos Santos' (5 x 5 x 5m) e um ‘Lugar Santo' comprido. Uma cortina do mesmo material era pendurada sobre a entrada para impedir que olhos curiosos vissem o interior (Êx 26.31-36) (GOWER. R. Novo Manual dos Usos e Costumes dos Tempos Bíblicos. 1.ed.Rio de Janeiro: CPAD. 2002. pp. 239. 240).

SUBSÍDIO 2

As estipulações especificas ocupam grande parte do restante de Deuteronômio (12.1-26.15). Os propósitos são claramente para elucidar mais o principio básico do concerto dos capítulos 5 a 11 e definir precisamente os termos do concerto pertinentes ás relações morais, sociais/interpessoais/inter-raciais e de culto.
A razão para o atual arranjo canônico do material é difícil de se compreender, mas as considerações apresentadas a seguir honram, razoavelmente bem, as exigências literárias e teológicas

A exclusividade do Senhor e a sua adoração (12.1-16.17)- O conjunto de regulamentos expresso nesta seção começa com a atenção a um santuário central (12.1-14). um lugar separado em contraposição aos santuários oponentes que não só tinham de ser evitados, mas destruídos, porque representavam a suposta propriedade da terra por soberanos oponentes (vv. 4.5.13.14) Em relação ao santuário estão as ofertas e os sacrifícios. Particularmente significativo é o sangue (vv. 15-28), cuja sacralidade coloca-se em contraste radical com as noções pagãs de vida, sua fonte e seu sustento. A vida é comum aos homens e animais; o seu meio — o sangue — é comum a todos" (ZUCK. Roy B. Teologia do Antigo Testamento 1.ed. Rio de Janeiro CPAD. 2009. p 95).



Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.