domingo, 27 de novembro de 2016

Subsidio juvenis o destino dos impios n.10




                                         Professor Mauricio Berwald

                                           APOCALIPSE 20.11-15

Em toda a Bíblia aceita-se que as pessoas são responsáveis perante Deus. As boas ações são elogiados e más ações são acusados. O dia do julgamento é o culminar de todo o processo. No final desta ordem mundial Deus julgará todas as pessoas e todas as ações. Nada será isento; cada coisa secreta, boa ou má, será levado a juízo ( Eclesiastes 0:14Eclesiastes 0:14 ). Às vezes, é claro, o julgamento é visto como uma atividade presente ( Ezequiel 7: 7-8Ezequiel 7: 7-8 ), mas também há forte ênfase no julgamento final, o julgamento no fim deste sistema mundial como a conhecemos, um julgamento que introduz o estado final de coisas. Este será um julgamento de todas as nações e todos os povos, para o Senhor "vem, porque vem julgar a terra. Ele julgará o mundo com justiça e os povos com a sua verdade" ( Salmo 96:13Salmo 96:13 ). Haverá julgamento sobre Israel ( Salmo 50: 4Salmo 50: 4 ) e também haverá julgamento sobre todo o mundo gentio ( Salmo 9: 8Salmo 9: 8 ; Romanos 14:10Romanos 14:10 ; cf. a imagem magnífica do juízo final em Apocalipse 20: 11-15Apocalipse 20: 11-15 ).

O dia do julgamento pode ser referido em qualquer uma de um número de maneiras. Pode ser falado estritamente como "dia do juízo" ( Matthew 10:15Mateus 10:15 ; 1 João 4:17 ), ou com referência a seu lugar cronológica como "último dia" ( João 6:39 ). Principalmente referências de João para o dia de hoje referem-se a captação de pessoas de Jesus, mas ele também nos diz que Jesus disse que a palavra que ele falou faria no último dia juiz qualquer um que o desprezou e se recusou a ouvir as suas palavras ( João 12:48 ). A forma mais comum de se referir a ele parece ser simplesmente "naquele dia" ( Lucas 21:34 ); o dia do juízo foi tão notável que nada mais era necessário chamar a atenção para ele. Na verdade, pode ser chamado de "o grande dia" ( Judas 6 ), ou simplesmente "the Day" ( Hebreus 10:25 ; 2 Pedro 1:19 ).1  João 4:17João 06:39João 12:48Lucas 21:34Hebreus 10:25

Às vezes o dia é caracterizado por o resultado de tudo isso. Assim, é "o dia da redenção" ( Efésios 4:30Efésios 4:30 ). Em um sentido de resgate é realizado aqui e agora, quando o pecador vem a confiar em Cristo, mas em outro sentido, o Dia de selos acórdão, todos. E, claro, para o pecador impenitente finalmente, é "o grande dia da sua ira" ( Apocalipse 06:17Apocalipse 6:17 ), "o dia da ira de Deus, quando o seu justo julgamento será revelada" ( Romanos 2: 5Romanos 2: 5 ).

Há outras maneiras de colocá-lo; Essa lista não é exaustiva. O ponto de tudo isso é que o dia em questão é o dia decisivo. O que acontece, então, é o ponto culminante da história do mundo. Um julgamento terá lugar a partir do qual não há apelação.

O Ensino de Jesus . Jesus enfatizou a importância do julgamento final. Ele disse aos Doze que eles eram para alertar seus ouvintes que seria "mais suportável para Sodoma e Gomorra" no dia do juízo, do que para eles ( Matthew 10:15Mateus 10:15 ). Ele próprio tinha uma mensagem semelhante para o povo de Corazim e Betsaida: Vai ser mais rigor para Tiro e Sidom no dia do julgamento do que para eles ( Matthew 11:22Mateus 11:22 ; Luke 10:14Lucas 10:14 ). Em ambas as ocasiões ele advertiu que o povo de Cafarnaum não deve pensar no céu como seu destino final; que preferiria ser Hades. "Os homens de Nínive" e "A Rainha do Sul" vai se levantar e condenar os ouvintes de Jesus no dia do juízo, porque eles reagiram à sabedoria de Salomão e a pregação de Jonas e esses ouvintes não ( Mateus 12: 41-42Mateus 12:41 -42 ). Devemos deixar claro que Jesus, sem hesitar, falou de dia do julgamento e do que aconteceria nele.

Jesus também relacionada com as palavras proferidas por seus ouvintes o que vai acontecer no dia do julgamento. É o que acontece em nossos corações que determina o que dizemos e, portanto, as nossas palavras são importantes; nossas palavras revelam o que somos. No dia do julgamento que será chamada a dar conta de "toda palavra frívola" temos falado e é isso que vai determinar a nossa absolvição ou a nossa condenação ( Mateus 12: 34-37Mateus 12: 34-37 ).

Fé e Obras . Quando pensamos sobre a realidade e a gravidade do dia do julgamento devemos estar em guarda contra a realização de que a nossa salvação final deve ser decidido com base no mérito. O Novo Testamento deixa bem claro que a salvação não é a recompensa das boas ações que as pessoas fazem. Ressalta-se tão fortemente como isso poderia ser possível que Cristo veio a este mundo para salvar os pecadores e que ele salvou mediante o estabelecimento de sua vida perfeita na cruz do Calvário. A salvação vem através do que Cristo fez e é aplicada ao indivíduo por sua fé. Não é qualquer mérito que podemos ter, mas nossa fé que é o canal através do qual a salvação de Cristo nos alcança. Que deve ser dada a ênfase mais forte. E que tem as suas consequências. "Não há condenação para os que estão em Cristo Jesus" ( Romanos 8: 1Romanos 8: 1 ). Para colocar nossa confiança em Cristo é passar da morte para a vida e, entre outras coisas para saber que vamos receber um veredicto favorável no dia do julgamento.

Mas a confiar em Cristo é passar por uma transformação. Justificação leva a santificação como crentes são transformados pelo poder de Deus. Enquanto os crentes podem olhar para a frente para o dia do juízo com calma, em vez de medo que fazê-lo por causa do que Deus tem feito por eles e não por causa de qualquer mérito próprio.

O crente eo descrente são ambos responsáveis ​​e dia do julgamento é a ocasião em que essa conta é processado. Não é então uma questão de saber se somos salvos ou não. É a emissão de um veredicto sobre o que temos feito; é a resposta para a questão do que os crentes ter feito com a sua salvação e que os incrédulos ter feito com suas vidas incrédulos. Todos serão obrigados a prestar contas de si mesmos a Deus.

Há aqueles que vêem o dia do julgamento como apontando para a salvação pelas obras. Os veredictos sobre as ovelhas e os bodes à base do que eles têm feito ou deixado de fazer com "o mínimo" dos irmãos de Cristo ( Mateus 25: 31-46Mateus 25: 31-46 ) são disse para dizer que o veredicto é dado para aqueles que têm feito bom trabalho. Mas isso ignora uma série de fatos. Primeiro se eles são "ovelhas" ou "cabritos" já foi determinado. Então, devemos notar que as boas ações são feitas para de Cristo "irmãos". Nós somos salvos e não por atos de bondade, mas apenas por Cristo ( Atos 4:12Atos 4:12 ). Boas ações pode ser feito por descrentes, mas isso é devido a "graça comum" no trabalho em nossa sociedade caído, não é uma razão para a salvação.

A salvação é pela graça, mas o dia do julgamento registra o veredicto sobre o que temos feito ou deixado de fazer com a graça de Deus. Jesus não está dizendo que há algumas pessoas cujas boas ações merecer a salvação, mas que há alguns cujas boas ações são a prova da sua salvação. Escritura vê toda a raça como sob condenação ( Romanos 3: 22-23Romanos 3: 22-23 ). Incrédulos estão sob condenação antes mesmo de ouvir o evangelho para as suas vidas não estão à altura; eles são pecadores. Não estamos a pensar que é só quando eles rejeitam explicitamente o evangelho que eles estão condenados.

Dia do Julgamento é mais do que o julgamento atual . Que haverá um "dia do juízo" é significativo para a compreensão de uma boa dose de Escritura. Nestes dias, há muitos que estão prontos para aceitar o pensamento de prestação de contas, mas que rejeitam a idéia de dia do julgamento. Eles vêem isso como nada mais que um pedaço inútil de imagens e sustentam que o que a Bíblia realmente significa é que Deus está constantemente em atividade julgar seu povo. Há, evidentemente, uma verdade aqui. Deus não guardar o seu povo e nos acontecimentos de todos os dias ele disciplina deles. Isso é bíblico, mas não é a totalidade do ensino da Bíblia. Além de quaisquer julgamentos anteriores Escritura olha para a frente ao julgamento de Deus no fim dos tempos.

Paulo diz aos Romanos que o que a lei diz é escrita nos corações dos gentios e que a sua resposta a esta vai determinar o que vai acontecer com eles no dia do julgamento ( Romanos 2: 15-16Romanos 2: 15-16 ). É o que Deus fez por eles e não o que eles decidiram por si mesmos que forma o padrão. Para uma compreensão do dia do julgamento é importante ter em mente que Deus sabe o que se passa nos corações de todas as pessoas e ele sabe nesse sentido se eles estão respondendo como deveria à direção que ele lhes deu.

O Juiz . Muitas vezes, o dia está relacionada com Deus ou a Cristo. Assim, é "o grande dia do Deus Todo-Poderoso" ( revelação 16:14Apocalipse 16:14 ); ele é "o dia de Deus" ( 2 Pedro 3:12 ). O primeiro uso dessas imagens é quando Amos pronuncia um ai sobre "você que por muito tempo para o dia do Senhor" (5:18). Claramente os israelitas esperavam que dia seja um dia de libertação e bênção, mas Amos passa a assegurar-lhes que "Naquele dia será a escuridão, e não luz". "O dia em que ele (Deus nos visita" 1 Pedro 2:12 ) significa, claro, "o dia em que Deus visita" para que ele pertence aqui. Ela nos lembra que "visitação" de Deus no dia do juízo será um assunto sério. Então, é quando lemos sobre "o grande e glorioso dia do Senhor" ( Atos 2:20Atos 02:20 ). Isso ocorre em uma citação de Joel, então "o Senhor" é claramente o Senhor.

Em outros lugares, no entanto, "Senhor" pode referir-se ao Senhor Jesus Cristo (por exemplo, 1 Tessalonicenses 5: 2 ; 2 Pedro 3:10 ), e este é sem sombra de dúvida, quando lemos sobre "o dia de nosso Senhor Jesus Cristo" (1Col 1: 8; 5: 5). Dia do julgamento é o dia de Cristo ( Filipenses 1:10Filipenses 1:10 ) ou no dia do Filho do Homem ( Luke 17:24Lucas 17:24 ). Jesus ensinou que o Pai não julga as pessoas, mas que "ele confiou todo o julgamento ao Filho" ( João 5:22João 5:22 ;. Cf. v 27). Este é distintamente ensinamento cristão, para os judeus não parecem ter pensado do Messias como o Juiz. Ele traria libertação para o povo, mas foi Deus Pai, que seria o juiz.

O ponto de todas essas referências é que, no final, será um grande ato divino, quer enfatizar o Pai ou o Filho, que distingue o dia do julgamento. Paulo nos diz que no dia do julgamento, o Pai julgará todas as pessoas por meio de Cristo Jesus ( Romanos 2:16Romanos 2:16 ) e isso, talvez, apura-se as referências que ligam qualquer um dos dois com o julgamento final.

Para muitos teólogos modernos a doutrina do juízo final é uma relíquia do passado e colocar nenhuma ênfase sobre ele. Isto é curioso tendo em vista os fatos que nos tempos modernos, tem havido um grande aumento do interesse na escatologia e que o julgamento final é o cerne da escatologia bíblica. O testemunho da Escritura tanto no Antigo e Novo Testamento é clara: Somos todos responsáveis ​​e no final do tempo, vamos ser chamados a dar conta de nós mesmos diante de Deus.(notas Evangélica Dicionário de Teologia Bíblica de Baker).



                   COMENTARIO BIBLICO   Apocalipse 20.11-15.
11 - E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu, e não se achou lugar para eles.
12 - E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros. E abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.
13 - E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras.
14 - E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.
15 - E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.
verso 11
E vi um grande trono branco , .... Esta visão não se refere à dispensação do Evangelho, a partir da exaltação de Cristo à sua segunda vinda; quando ele sentou-se no seu trono à mão direita de Deus, e foi declarado Senhor e Cristo; quando houve um abalo dos céus e da terra, a remoção da economia mosaica, e as ordenanças da lei cerimonial na Judéia, e do paganismo no mundo gentio; quando o evangelho foi pregado a todas as nações, e os mortos em pecados foram acelerou, e levantou-se e pôs-se diante do trono da graça; quando os livros das Escrituras foram abertos e explicou, eo livro da vida também foi aberto; e pela conversão de alguns, e não outros, sabia-se que foram escritos nele e que não eram, e os homens foram julgados por estar vivo ou morto em um sentido espiritual, de acordo com a influência da abertura desses livros tinha sobre eles ; e os poderes do mundo, comparáveis a um mar, e da morte e do inferno, não foram capazes de segurar os mortos em pecado, quando foram chamados à vida, a respeito das quais a morte eo inferno foram destruídos; nem o Evangelho, o cheiro de morte a qualquer mas para tal que não foram escritos no livro da vida. Isto, por outras palavras, é a soma de sentido de esta visão de Cocceius; mas este caso vai acabar, e todos os eleitos de Deus reunidos em pela pregação do Evangelho, antes que esta visão tem lugar: nem respeitar a restauração dos judeus, que são agora tão morto, como ossos secos de Ezequiel, mas a desta vez ser vivificado, e ficar nos seus pés um exército grande em extremo, e serão recolhidas a partir de vários elementos, se tiverem como morto; e quando ele vai ser conhecido por sua conduta e comportamento que são eleitos de Deus entre eles, e que não são; que é a interpretação de Brightman da visão, mas esta, como vimos, vai acontecer de acordo com a visão no capítulo anterior, antes de os mil anos começam; Considerando que esta visão não vai começar a ser realizado até que sejam terminou: é melhor, portanto, para compreendê-lo do julgamento geral no último dia, que é o senso comum de intérpretes antigos e modernos; embora pareça apenas para considerar o julgamento dos ímpios, não por outro são feitos menção nele: o "trono" visto aqui é um trono de julgamento; ele é chamado de "grande", porque uma grande Pessoa sentou-se em cima dela, a Palavra de Deus, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, aquele que é o grande Deus e Juiz de toda a terra; e por causa do grande trabalho que serão transaccionados em cima dele, o julgamento de todos os ímpios; este será o maior assize que já foi realizado; É o chamado julgamento do grande dia, e o grande e terrível dia do Senhor, Juízes 1: 6Juízes 1: 6 , Malaquias 4: 5Malaquias 4: 5 esse trono é também disse ser um "branco" um; assim como a mesma pessoa é dito para se sentar em cima de uma nuvem branca, e montar em cima de um cavalo branco, Apocalipse 14:14Apocalipse 14:14 pode ser em alusão tanto para uma nuvem branca e sereno, ou a um trono de marfim, um tal como Solomon feita, 2 Crônicas 9:172 Crônicas 9:17 e este é ou expressiva da majestade e esplendor, ele sendo um trono de glória, ou um trono glorioso, Matthew 25:31Matthew 25:31 ou então ele pode denotar a pureza ea justiça dele que fica em -lo, segundo a qual ele irá proceder em juízo, e terminá-lo; seu personagem é justo juiz, e o julgamento que ele irá executar será justo juízo:

eo que estava assentado sobre ele ; o trono não estava vazio, um estava sentado sobre ela, que não é outro senão o Filho de Deus; a quem todo o julgamento está comprometido, e que é ordenado para ser juiz dos vivos e dos mortos; e é todos os sentidos apto para isso, sendo de grande conhecimento, sabedoria e sagacidade, e de grande integridade e fidelidade, como homem e Mediador, e sendo, como Deus, onisciente e onipotente, e assim capaz tanto de passar uma sentença de direito , e de executá-la; ao qual podem ser adicionados, sua grande majestade e glória, necessário encontrar um temor, e comandar uma atenção a ele:

de cuja presença a terra e os céus fugiram, e não se achou lugar para eles ; que deve ser entendida não no sentido figurado, como em Apocalipse 6:14Apocalipse 06:14 , onde em um lugar é descrito a destruição do paganismo, e na outra a destruição do papado, e todos os poderes anticristãos; mas literalmente, e não do presente terra e do céu, como são agora, pois estes serão queimados pelo fogo no início dos mil anos, mas do novo céu e nova terra, ao fim deles; e as frases de fugir para longe, e local, sendo encontrado não mais para eles, mostrar toda a aniquilação ea abolição absoluta deles; depois disso não haverá lugar em ser, mas o céu dos anjos e santos, e no lago de fogo, em que são os demônios e espíritos malditos, mas que isso seja mencionado aqui, não será até depois do julgamento é longo; por quanto o contrário vai mortos ter um lugar para ficar na diante do trono, ou o inferno, que é a sepultura, e também o mar, desistir de seus mortos, Apocalipse 20:12Apocalipse 20:12 , mas observa-se aqui, embora posteriormente feito, para definir fora a majestade do juiz sobre o trono, em cuja vista, e por cujo poder, isso vai ser efectuada.

verso 12
E vi os mortos , .... Uma conta que está sendo dado do juiz, ao lado das pessoas a serem julgados são descritas, e nesta cláusula, pelo estado e condição em que se encontravam; por isso não pode ser pensado que eles estavam mortos quando estavam diante do trono, mas foram ressuscitou dentre os mortos; para este personagem não é descritivo deles como mortos em delitos e pecados, embora sejam tais como morrem em seus pecados, e elevar-se neles, que são entendidos, mas como tendo sido corporalmente mortos; estes são os outros mortos, os ímpios, que não reviveram, até que os mil anos se completassem, Apocalipse 20: 5Apocalipse 20: 5 como para os justos, eles serão julgados após a sua ressurreição dos mortos no início do dia do Senhor ; e será declarado justo e abençoado, e ser chamado e introduziu para herdar o reino preparado para eles, que eles devem ter possuído mil anos, quando estes ímpios mortos serão levantados: quem se diz ser pequeno e grande; que pode se referir tanto à sua idade, sendo as crianças e os adultos; ou para a sua condição, sendo reis e camponeses, altos e baixos, ricos e pobres; ou para seus personagens, como maior ou menor pecadores; e esta descrição respeita-los como eles estão neste mundo, e é projetado para mostrar que nenhuma consideração qualquer que seja, da idade, condição ou caráter, vai excluí-los do julgamento geral. Esta é uma forma de falar usada entre os judeusF8, quem disse,

"no mundo das almas, הגדולים וחקטנים ," o grande eo pequeno ", diante de Deus. '

As disputas dos escolásticos, sobre a idade e estatura em que a humanidade vai subir e ser julgado, são vãs e tolas: estes João viu diante de Deus; isto é, Cristo, que é Deus e Juiz de todos; antes de seu assento de julgamento e trono, a fim de ser julgado; pois vai ficar não como ministrar a ele, nem como ter confiança diante dele; Nesse sentido, eles não subsistirão no juízo, Salmo 1: 5Salmo 1: 5 , mas como culpadas pessoas, para receber sua sentença de condenação. A cópia Alexandrina, a Vulgata Latina, e todas as versões Orientais ler, "diante do trono"; o sentido é o mesmo; pois se eles estavam diante do trono, eles devem estar diante de Deus, que estava assentado sobre ele; e os livros foram abertos; o livro da onisciência de Deus, que contém todas as ações dos maus, em que todos os seus pecados são tomadas aviso de, e agora será trazido à luz; eo livro de sua lembrança, em que são todos escritos como com um ponteiro de ferro e com a ponta de diamante; eo livro das criaturas, que abusaram, e que irá testemunhar contra eles; eo livro da providência, as riquezas de cuja bondade foram desprezado por eles; eo livro das Escrituras, tanto da lei e Evangelho, assim como o livro da natureza, da luz da natureza, veja Romanos 2:12Romanos 2:12 ao qual podem ser adicionados, o livro de consciência; a consciência dos homens serão despertados, e acusá-los, e testemunhar contra eles, e ser tão bom como milhares de testemunhas:

e outro livro foi aberto, que é o livro da vida : o mesmo que é mencionado no Apocalipse 3: 5Apocalipse 3: 5 o livro da eterna eleição, Veja comentários sobre Apocalipse 3: 5Apocalipse 3: 5 , Veja Gill em Apocalipse 13: 8Apocalipse 13: 8 , Veja comentários sobre Apocalipse 17: 8Apocalipse 17 : 8 . Nenhum outro uso parece ser feita deste livro no julgamento dos ímpios, não apenas para observar cujos nomes não foram escritos em que, como resulta do Apocalipse 20:15Apocalipse 20:15 referência parece ter-se em Daniel 7:10Daniel 7:10 . É uma noção que obteve entre os judeusF9, aquele

"no início do ano (ou dia de cada ano novo) ג ספרים נפתחין ," três livros são abertos ", um dos mais perfeita mau, outro do perfeito justo, e um terço das pessoas entre ambos; o perfeito justos são escritos e imediatamente selados para a vida; o perfeito ímpios são escritos e imediatamente selados para a morte; as do meio estão em suspense, e continue a partir do início do ano até o dia da expiação; se eles são dignos, eles são escritos para a vida, se não dignos, eles são escritos para a morte: '

e no mesmo tratadoF11, Eles representam Deus ao mesmo tempo do ano como um

"Rei, sentado em um trono do juízo, e os livros dos vivos, e os livros dos mortos, פתוחין ," aberto ", antes dele: '

isso com eles foi um prelúdio e uma figura do julgamento futuro:

E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras ; ou seja, eles foram sentenciados à condenação eterna ea morte, de acordo com o demérito apenas de suas más obras; por nenhuma outra são feitas por homens ímpios, nem qualquer outro ser nos livros, uma vez que eles estão sem Deus e de Cristo, e destituídos do Espírito, não têm princípio da graça para agir a partir, nem qualquer bom fim em vista em qualquer ação deles. Então os judeus dizemF12,

"Todas as obras que um homem faz neste mundo estão" escrito em um livro ", e eles entram em pensamento diante do Rei Santo, e eles são manifestas diante dele."

verso 13
E deu o mar os mortos que nele havia , .... O que não deve ser interpretado metaforicamente do mundo, e os homens dele, que são como o mar agitado; mas, literalmente, do mar, e de todas essas que foram afogados nas águas do mesmo, assim como o Faraó e seu exército; ou morreram nas águas poderosas, e foram lançados eles, e devorado pelos peixes; e especial seja tido em conta para os homens do velho mundo, afogado pela inundação; estas devem ser levantadas a partir dali; o mar, os livrará; agora isso, eo que é expressa na cláusula seguinte, não será feito após o julgamento está definido, os livros são abertos, e a sentença, mas antes de tudo isso, e para isso, como a última cláusula deste versículo mostra:

ea morte eo inferno deram os mortos que neles havia ; a "morte", o que está aqui representado como uma pessoa, e em outros lugares como um rei, reinando e ter poder sobre os homens, significa a morte em geral, e todo o tipo de morte do que os homens tenham morrido, seja natural ou violenta, sobre os quais ele vai agora não têm mais domínio, mas será obrigado a entregar-se todos os seus súditos; e "inferno" significa a sepultura, que agora vai ser aberto, e entregar-se todos os seus prisioneiros, todos os que foram enterrados na terra; veja Jó 26: 5Jó 26: 5 a versão Etíope acrescenta, "ea terra entregou os que estavam mortos nela": mas isso parece desnecessária após o ex-:

e foram julgados cada um segundo as suas obras ; alguns a maior, alguns a menor punição, como suas obras pecaminosas merecia.

verso 14
E a morte eo inferno foram lançados para dentro do lago de fogo , .... A morte não pode ser tomado corretamente, nem o inferno ser o lugar de tormento, por demônios e espíritos malditos; uma vez que é o lago de fogo, para, em seguida, sentido seria, o inferno é lançar no inferno; mas quer por estes o diabo se destina, que tem o poder da morte, e é o príncipe do inferno, se não fosse o vazamento de ele para este lago é mencionado antes em Apocalipse 20:10Apocalipse 20:10 ou denota a destruição e eliminação de a morte ea sepultura, que a partir de agora em diante não mais deveriam ter poder sobre os homens, nem tem qualquer sob o seu domínio, e em suas mãos; e assim o que foi prometido será agora totalmente realizada, Oséias 13:14Oséias 13:14 ver Apocalipse 21: 4Apocalipse 21: 4 ou melhor, os ímpios mortos, que ele tiver entregue, e será julgado e condenado à morte eterna, Apocalipse 20:13Apocalipse 20:13

esta é a segunda morte ; ou a destruição da alma e do corpo no inferno, que consistirá em uma separação eterna de ambos de Deus, e em um sentido contínuo de sua ira e descontentamento. A cópia Alexandrina ea edição Complutense ler ", esta segunda morte é o lago de fogo"; e assim a versão Árabe ", e esta é a segunda morte, mesmo no lago de fogo"; e não muito diferente é a versão Etíope, "a segunda morte, que é o fogo do inferno".

verso 15
E aquele que não foi achado inscrito no livro da vida , .... Após a abertura do mesmo, Apocalipse 20:12Apocalipse 20:12 , como todos os que adoram a besta, ea maravilha depois dele, Apocalipse 13: 8Apocalipse 13: 8 e todos os homens maus, cada um deles :

foi lançado para dentro do lago de fogo ; onde está o diabo, besta e falso profeta, Apocalipse 19:20Apocalipse 19:20 . É uma frase de R. IsaacF13,

"Ai do ímpio, que não estão escritos בפתקא ", no livro ", para perecerão no inferno para sempre e sempre: '

e no Targum em Ezequiel 13: 9Ezequiel 13: 9 diz-se dos falsos profetas,

"que בכתב חיי עלמא ," na escrita de vida eterna "(ou no livro da vida eterna), que é escrito para o justo da casa de Israel, eles não devem ser escritos."

Parece haver alguma alusão na frase usada aqui, e no verso anterior, e em outra parte deste livro, para o lago asfaltitas, um lago sulfuroso, onde Sodoma e Gomorra se levantou, que os judeus chamam o mar sal, ou a betuminosa lago; e tudo o que era inútil, ou rejeitado, ou abominável, ou maldito, eles costumavam dizer, para mostrar a sua rejeição e ódio dele, deixá-lo ser lançado ao mar de sal, ou o lago betuminoso; Assim, por exemplo,

"quaisquer embarcações que tinham sobre eles a imagem do sol, nem da lua, ou de um dragão, יוליכם לים המלח ", deixá-los lançando-os no mar de sal ", ou lago betuminosoF14. '

 Professor, estamos próximo ao término do trimestre. Sua classe tem crescido na graça e no conhecimento conforme nos adverte a Bíblia? Como sua turma tem se comportado durante as lições? Estão motivados? Interessados? Estão participando ativamente por meio de perguntas e colocações. Faça uma avaliação! Elabore um questionário com perguntas sobre as lições anteriores. Recapitule. A recapitulação é sumamente importante para garantir o encadeamento de ideias e um elevado nível de retenção dos conteúdos de ensino. Quando pontos mais importantes são revistos, reforça-se o aprendizado de conceitos-chaves.
O vocábulo grego traduzido por “tribunal” no Novo Testamento é “bema”, cujo significado literal é “passo”, representando “uma medida pequena”. A expressão em Atos 7.5 “bema podos” traduzido por “julgarei” é no grego “o espaço de um pé”, referindo-se à plataforma oficial de onde se proferia discursos (At 12.21), juízos e sentenças (Jo 19.13), ou onde o réu comparecia (At 25.6). Portanto, a palavra se refere ao “tribunal” ou a um “trono de julgamento”. O Novo Testamento menciona três tipos de tribunais: humano (1 Co 4.3), de Cristo e de Deus (2 Co 5.10; Rm 14.10), bem como cinco categorias de julgamentos: das nações (Mt 25.31-40), de Israel (Ez 20.34-38; Ml 3.2-5), dos crentes nos céus (2 Co 5.10), dos anjos (1 Co 6.3; 2 Pe 2.4; Jd v.6) e do Grande Trono Branco (Ap 20.11-15). Neste último, serão julgados todos os homens não inscritos no Livro da Vida (Ap 20.12,15). Após o julgamento, o destino ou estado final destes são identificados como “fogo e tormento eterno”(Mt 25.41,46) e, “segunda morte” (Ap 21.8).

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA.Professor, para esta aula sugerimos a utilização de um Quadro Didático que exponha os principais tipos de julgamentos mencionados na Bíblia. Desenhe o modelo abaixo num quadro-de-giz ou cartolina. Não faça letras muito pequenas. O tamanho deve ser proporcional à distância da qual o cartaz será lido.

Terminada a Segunda Guerra Mundial, os aliados reuniram-se na cidade alemã de Nuremberg, a fim de julgar os líderes nazistas por haverem estes cometido o mais hediondo crime contra a humanidade. Apesar de vários assessores de Hitler serem punidos com a morte, outros criminosos, igualmente culpáveis, conseguiram fugir ao julgamento, e refugiarem-se em confortáveis anonimatos.
No Julgamento Final, entretanto, ninguém escapará à justiça divina. Contra esta não há casuísmo nem brechas jurídicas. Os culpados serão, severamente, lançados no lago de fogo, onde serão atormentados pelos séculos dos séculos.
Nesta lição, estaremos considerando o Julgamento Final. Veremos por que este será instaurado e como atuará.

I. O JULGAMENTO FINAL

1. Definição. O Julgamento Final é a sessão judicial que terá lugar na consumação de todas as coisas temporais que, conduzido pelo Todo-Poderoso, retribuirá a cada criatura moral o que esta tiver cometido através do corpo durante a sua vida terrena.
2. No Antigo Testamento. Embora seja o Julgamento Final tratado, implicitamente, do primeiro ao último livro do Antigo Testamento, foi o profeta Daniel que discorreu, de forma mais explícita, acerca deste ato que haverá de realçar a supremacia e a singularidade da justiça divina: “Naquele tempo, livrar-se-á o teu povo, todo aquele que se achar escrito no livro. E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Os sábios, pois, resplandecerão como o resplendor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça refulgirão como as estrelas, sempre e eternamente” (Dn 12.1-3).
3. No Novo Testamento. No Sermão Profético, o Senhor deixa bem claro que o Julgamento Final não é uma mera hipótese; é uma realidade: “E, quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os santos anjos, com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas” (Mt 25.31-41).
Paulo, Pedro e João tratam do Julgamento Final como algo integrante do plano redentivo de Deus. Na presente era, o Todo-Poderoso, através de seu Filho, oferece gratuitamente a salvação a todos os que creem, mas, na vindoura, haverá de condenar a quantos rejeitaram o Senhor Jesus e a graciosa salvação que ele consumou na cruz (2 Tm 4.1; 1 Pe 4.5; Ap 20.4).
4. Nosso Credo. O Credo das Assembleias de Deus no Brasil afirma de forma bem clara e irrespondível: “Cremos no Juízo Vindouro que justificará os fiéis e condenará os infiéis”.

II. OBJETIVOS DO JULGAMENTO FINAL

Tem o Julgamento Final vários objetivos conforme revelam-nos as Sagradas Escrituras:
1. Mostrar que a justiça de Deus deve ser observada e acatada por todos. Quando intercedia por Sodoma e Gomorra, indaga Abraão ao Senhor: “Não faria justiça o Juiz de toda a terra?” (Gn 18.25). Esta mesma pergunta é feita ainda hoje por milhões de seres humanos inconformados com a situação a que este mundo chegou. No Julgamento Final, contudo, mostrará Deus que a sua justiça haverá de prevalecer de forma absoluta tanto sobre os vivos como sobre os que já tiverem morrido. Nosso Deus não compactua com a impunidade.
2. Punir os que rejeitaram a Cristo Jesus e sua tão grande salvação. Os que aceitam a Cristo Jesus são automaticamente justificados pela fé diante de Deus. Todavia, aqueles que rejeitam a sua justiça, hão de ser lançados no lago de fogo (Ap 20.15; Mt 25.41). Jamais entraremos nos céus fiados em nossa justiça que, aos olhos de Deus, não passa de trapos de imundície (Is 64.6).
3. Destruir a personificação do mal. Afirma Paulo aos irmãos de Corinto que iremos julgar os anjos: “Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida?” (1 Co 6.3). O apóstolo refere-se, logicamente, aos anjos que acompanharam o ungido querubim em sua estúpida rebelião contra Deus; aos tais reservou o Senhor o lago de fogo (Mt 25.41). E, assim, estará sendo destruída, de uma vez por todas, a personificação do mal. Aliás, o Diabo há de ser lançado no eterno tormento antes mesmo da instauração do Julgamento Final (Ap 20.10-12).

III. OS FUNDAMENTOS DO JULGAMENTO FINAL

Se os falhos e imperfeitos julgamentos humanos têm os seus fundamentos, o que não diremos do Julgamento Final que será efetuado pelo justíssimo Deus. Vejamos, pois, em que consistem os fundamentos do Julgamento Final.
1. A natureza justa e santa de Deus. Em sua primeira carta, João oferece-nos uma das mais belas definições essenciais do Todo-Poderoso: “Deus é amor” (1 Jo 4.8). Contudo, não podemos esquecer-nos de que Deus possui uma natureza santa e justa. Todas as vezes que a sua santidade é ferida, sua justiça reclama, de imediato, uma reparação. Por conseguinte, estes dois atributos de Deus: a justiça e a santidade acham-se a fundamentar o Julgamento Final. Neste, todos os que porfiaram em menosprezar a santidade de Deus terão de se haver ante a sua justiça (Rm 2.5-10).
2. A Palavra de Deus. Além da natureza santa e justa de Deus, o Julgamento Final terá como fundamento a Palavra de Deus. Os que hoje a desprezam, serão por ela julgados conforme realçou o Senhor Jesus Cristo: “Quem me rejeitar a mim e não receber as minhas palavras já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia” (Jo 12.48).
3. A consciência das criaturas morais. Os impenitentes também serão julgados por sua própria consciência que, embora falha, não deixa de ser um dos fundamentos do Julgamento Final: “Os quais mostram a obra da lei escrita no seu coração, testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os” (Rm 2.15). A lei moral divina acha-se gravada na consciência de todo o ser humano. É um dos “livros” a ser aberto no dia do juízo (Ap 20.12).

IV. COMO SE DARÁ O JULGAMENTO FINAL

O Julgamento Final terá início logo após o Milênio. O Apocalipse mostra que, terminados os mil anos, Satanás será temporariamente solto, e sairá a seduzir as nações, buscando induzi-las a se revoltarem contra o Cristo de Deus. Mas eis que sairá fogo do céu, e destruirá por completo os que se houverem levantado contra o Senhor (Ap 20.7-10).
Em seguida, terá início o Julgamento Final, que o Livro de Apocalipse descreve de forma vívida:
“E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros. E abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo” (Ap 20.11-15).Hoje, através de Cristo Jesus, somos justificados por Deus. A partir do momento em que, pela fé, recebemos a Jesus como o nosso único e suficiente Salvador, passamos a ser vistos por Deus como se jamais tivéssemos cometido qualquer pecado; passamos a ser vistos como santos.
Se você ainda não recebeu a Jesus, faça-o agora mesmo! Somente Ele pode justificar-nos.
Querido Jesus, agradecemos-te, porque morreste na cruz, para que fôssemos plenamente justificados. E, agora, com base no teu precioso sangue, nenhuma condenação pesa sobre nós. Como a tua graça é maravilhosa! Tu nos livraste da ira vindoura.


 “Este será o grande dia: o Juiz, o Senhor Jesus Cristo, vestido de majestade e terror. As pessoas que serão julgadas são os mortos, pequenos e grandes, jovens e velhos; altos e baixos; ricos e pobres. Ninguém é tão vil que não tenha talentos dos quais deverá prestar contas; e ninguém é tão grande que possa se livrar da prestação de contas; não somente os que estiverem vivos quando Cristo vier, mas todos os mortos também. Há um livro de memórias para o bem e o mal; o livro da consciência dos pecadores, mesmo que antes secreto, então será aberto. Cada homem recordará todos os seus atos passados, ainda que muitos os tenham esquecido há muito tempo. Outro livro será aberto, o livro das Escrituras, a regra da vida; representa o conhecimento do Senhor sobre o seu povo e suas declarações de arrependimento, a fé e as boas obras deles, mostrando as bênçãos do novo pacto. Os homens serão condenados ou justificados pelas suas obras; Ele provará seus princípios por suas práticas... Esta é a segunda morte, a separação final entre os pecadores e Deus. Que o nosso grande desejo seja observar se as nossas Bíblias nos justificam ou nos condenam agora; Cristo julgará os segredos de todos os homens conforme o Evangelho. Quem habitará com as chamas devoradoras?” (HENRY, M. Comentário Bíblico de Matthew Henry. 3 ed., RJ: CPAD, 2003, pp.1113-4).


Lucas 16.19-26.

19 — Ora, havia um homem rico, e vestia-se de púrpura e de linho finíssimo, e vivia todos os dias regalada e esplendidamente.
20 — Havia também um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia cheio de chagas à porta daquele.
21 — E desejava alimentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as chagas.
22 — E aconteceu que o mendigo morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico e foi sepultado.
23 — E, no Hades, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão e Lázaro, no seu seio.
24 — E, clamando, disse: Abraão, meu pai, tem misericórdia de mim e manda a Lázaro que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama.
25 — Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro, somente males; e, agora, este é consolado, e tu, atormentado.
26 — E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá, passar para cá.

Mostrar que os salvos vão aguardar a ressurreição no Paraíso de Deus e os ímpios a esperam no Hades.

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.


Com a graça de Deus, chegamos ao final de mais um trimestre. Esperamos que as lições tenham implantado nos corações de seus alunos a esperança de que Jesus voltará a qualquer momento. Essa é a nossa real espera. Na lição de hoje, estudaremos a respeito do destino final dos crentes e dos ímpios que já morreram. A Palavra de Deus nos assegura que os mortos em Cristo ressuscitarão para a vida eterna ao lado do Salvador. Esse é o destino final dos crentes. Porém, os ímpios, vão ressuscitar para o desprezo eterno. Seu destino final é o inferno, onde haverá dor, vergonha e tristeza. Que possamos anunciar o Evangelho, ganhando pessoas para Cristo e livrando-as da condenação eterna.

Na lição de hoje estudaremos o destino final dos ímpios e dos salvos em Jesus Cristo.
A Palavra de Deus nos garante que não será em vão a nossa esperança em Jesus Cristo, pois pela fé já temos assegurado um futuro glorioso ao seu lado. Para os ímpios, que não se arrependeram, é reservado o sofrimento e a condenação eterna, pois suas escolhas enganosas os levaram a desprezar a salvação de Deus.Os crentes que dormem no Senhor vão ressuscitar para a vida eterna e os ímpios para o castigo eterno.


I. O ESTADO INTERMEDIÁRIO

1. O que é? É o estado entre a morte física e a ressurreição, tanto dos salvos, como dos ímpios. Os salvos terão um destino diferente dos ímpios: “Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal, para a ressurreição da condenação” (Jo 5.28,29). A Palavra de Deus afirma que não existe purgatório e que também não há o “sono da alma”, nem tampouco a reencarnação, como creem alguns. Depois da morte segue-se o juízo divino.
2. O Sheol e o Paraíso. Sheol é um termo hebraico que pode significar sepultura ou “lugar ou estado dos mortos”. Em o Novo Testamento, Sheol é traduzido por Hades. Normalmente o Hades é visto como um lugar destinado aos ímpios. Deus livra o justo do Sheol ou da sepultura (Sl 49.15). O Sheol (inferno) é lugar de punição para os ímpios que não se arrependeram dos seus pecados e não entregaram suas vidas a Jesus Cristo (cf. Sl 9.17).
O vocábulo “paraíso” é de origem persa e significa um parque ou jardim de paz e harmonia. Foi usado pelos tradutores da Septuaginta para significar o Jardim do Éden (Gn 2.8). Aparece apenas três vezes no Novo Testamento (Lc 23.43; 2Co 12.4; Ap 2.7).
3. O lugar dos mortos. Os Teólogos entendem que “o lugar dos mortos”, o Hades, estava dividido em duas partes. Estes tomam como base o texto de Lucas 16.19-31, no texto que se refere a Lázaro e ao rico. O primeiro, fiel a Deus, foi levado para o “Seio de Abraão”, ou ao Paraíso, estando em repouso e felicidade. O rico, orgulhoso e incrédulo foi para o Hades, onde experimenta angústia e sofrimento atroz. Myer Pearlman diz que Cristo desceu ao Sheol (Sl 16.10; 49.15), “ao mundo inferior dos espíritos” (Mt 12.40; Lc 23.42,43), e libertou os santos do Antigo Testamento levando-os consigo para o paraíso celestial (Ef 4.8-10). O lugar ocupado pelos justos que aguardam a ressurreição foi trasladado para as regiões celestiais (Ef 4.8; 2Co 12.2). Desde então, os espíritos dos justos sobem para o céu e os espíritos dos ímpios descem para a condenação (Ap 20.13,14). Segundo os textos bíblicos, o Paraíso estaria em cima (Pv 15.24a) e o Hades embaixo (Pv 15.24b).Os salvos em Jesus Cristo e os ímpios terão um destino final diferente.




“Seol
O Antigo Testamento usa a palavra hebraica Seol 65 vezes para descrever a residência dos mortos. A Septuaginta traduz esta palavra em grego como ‘hades’, e o Novo Testamento refere-se a isto diversas vezes (Lc 16.23). Nas traduções do Antigo Testamento para o inglês, a palavra aparece variadamente como ‘inferno’, ‘cova’ e ‘sepultura’. Seol pode ter diferentes significados, em diferentes contextos, trazendo alguma confusão e diferentes interpretações a respeito da natureza exata do seu significado. Seja a sepultura ou o mundo dos mortos, Seol fala das mais das profundezas, a antítese dos mais altos céus (Jó 11.8; cf. Pv 9.18). Seol também se refere a um lugar de punição do qual somente Deus tem o poder de libertar” (LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2008, p.417).







II. A SITUAÇÃO DOS MORTOS

Qual é a real situação daqueles que já morreram? O texto de Lucas 16 nos mostra a diferença entre o estado dos ímpios e dos justos após a morte. Vejamos:
1. O estado intermediário dos salvos. Na história do rico e Lázaro (Lc 16), vemos o estado intermediário dos salvos. O justo ao morrer é conduzido pelos anjos até o Paraíso (v.22). Que privilégio, que honra têm os salvos ao morrer, e serem recepcionados pelos anjos. Ao ladrão da cruz Jesus disse: “Hoje estarás comigo no Paraíso” (Lc 23.42,43). O espírito e a alma deixam o corpo e permanecem no lugar de espera (Paraíso), aguardando a ressurreição na Vinda de Jesus.
2. Os justos são recebidos pelo Senhor. É o próprio Senhor Jesus quem recebe o espírito dos justos após a morte. Tomemos como exemplo o caso de Estevão que está narrado em Atos 7.59. Para espanto dos ímpios, eles verão Jesus recepcionar gloriosamente os que o aceitaram como Salvador.
Os que morreram em Cristo, bem como os ímpios, vão manter sua identidade pessoal, sua personalidade e consciência depois da morte. Moisés, tendo sido sepultado por Deus, aparece, falando com Jesus no Monte da Transfiguração (Mt 17.3; Lc 9.30-32), ao lado de Elias, que foi arrebatado. Note-se que são os mesmos nomes, Moisés e Elias.
A despeito de tudo o que foi dito, devemos lembrar que, para o salvo, a morte é um ganho: “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho”. Paulo tinha o “desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor” (Fp 1.21,23).
3. O estado intermediário dos ímpios. Eles vão para o Sheol ou Hades, ou seja, o inferno, que é o seu destino final (Sl 9.17). Nesse “estado intermediário”, aguardam seu julgamento final.
O Hades é um lugar “embaixo”, ou seja, oposto ao céu (“seio de Abraão”). O rico “ergueu os olhos”, vendo “ao longe Abraão e Lázaro, no seu seio” (v.23): “Para o sábio, o caminho da vida é para cima, para que ele se desvie do inferno que está embaixo” (Pv 15.24).
Fato é que os ímpios sofrerão e estarão conscientes. O rico ímpio estava em “tormentos” (v.23) e clamava pedindo misericórdia (v.24). Os ímpios que morreram sem Cristo estão “em prisão” (1Pe 3.19) e ali eles vão se lembrar dos que ficaram na Terra (v.28). As Escrituras Sagradas afirmam que estes não podem ser consolados por ninguém: “E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá, passar para cá” (v.26).
Fica, pois, evidente que aqueles que descem ao Hades não podem se comunicar com os vivos. Eles são lembrados de que em vida tiveram oportunidade de ouvir as Escrituras, mas desprezaram as suas advertências (vv.27-31).
“O Estado Final dos Ímpios
A Bíblia descreve o destino final dos ímpios como algo terrível e que vai além de toda a imaginação. São as ‘trevas exteriores’, onde haverá choro e ranger de dentes por causa da frustração e do remorso ocasionados pela ira de Deus (Mt 22.13; 25.30). É uma ‘fornalha de fogo’ (Mt 13.42,50), onde o fogo pela sua natureza é inextinguível. Causa perda eterna, ou destruição perpétua (2Tm 1.9), e ‘a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre’ (Ap 14.11; cf. 20.10). Jesus usou a palavra Gehenna como termo aplicável a isso.
Depois do juízo final, a morte e o Hades serão lançados no lago de fogo (Ap 20.14), pois este, que fica fora dos novos céus e da nova terra (cf. Ap 22.15), será o único lugar onde a morte existirá. É então que a vitória de Cristo sobre a morte, como o salário do pecado, será final e plenamente consumada (1Co 15.26). Mas nos novos céus e terra não haverá mais morte (Ap 21.4)” (HORTON, Stanley. Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 1ª Edição. RJ: CPAD, 1996, pp.642,43).

III. O DESTINO FINAL DOS MORTOS

Após passarem pelo “estado intermediário”, os mortos ressuscitarão. Os salvos irão para a “vida eterna” e os ímpios, “para desprezo eterno” (Jo 5.28,29).
1. O estado final dos salvos. Após a primeira ressurreição (Rm 8.11), os salvos vão para as Bodas do Cordeiro, passarão pelo Tribunal de Cristo, e viverão com Deus por toda a eternidade. Esse é o destino final dos salvos. Seus corpos ressuscitarão e se tornarão incorruptíveis (cf. 1Co 15.42-44). O mesmo corpo que morreu será transformado por Deus e ressuscitará “em glória”, semelhante ao corpo de Jesus ao ressuscitar (Fp 3.21).
2. O estado final dos ímpios. Os ímpios ressuscitarão para “vergonha e desprezo eterno” (Dn 12.2). Seu destino final é o lago de fogo (Ap 20.15), onde “haverá pranto e ranger de dentes” (Mt 22.13). Ali os ímpios desfrutarão da companhia do Diabo, do Anticristo e do Falso Profeta (Ap 20.10; 21.8). Atualmente, muitos ímpios ficam impunes, mas no inferno estes receberão o castigo eterno por tudo o que fizeram de mal (2Ts 1.9).O salvo em Jesus Cristo ao morrer é conduzido ao céu e os ímpios, ao inferno.

“O Estado Final dos Justos
A nossa salvação traz-nos a um novo relacionamento que é muito melhor do que aquele que Adão e Eva desfrutavam antes da Queda. A descrição da Nova Jerusalém demonstra que Deus tem para nós um lugar melhor do que o Jardim do Éden, com todas as bênçãos do Éden intensificadas. Deus é tão bom! Ele sempre nos restaura a algo melhor do que aquilo que perdemos. Desfrutamos da comunhão com Ele agora, mas o futuro reserva-nos a ‘comunhão intensificada com o Pai, o Filho e o Espírito Santo e com todos os santos’. A vida na Nova Jerusalém será emocionante. Nosso Deus infinito nunca ficará sem novas alegrias e bênçãos para oferecer aos redimidos. E posto que as portas da cidade sempre estarão abertas (Ap 21.25; cf. Is 60.11), quem sabe o que os novos céus e terra terão para explorarmos?” (HORTON, Stanley. Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 1ª Edição. RJ: CPAD, 1996, p.645).O estudo da Escatologia é um dos mais edificantes para a Igreja em todos os tempos, principalmente no presente século, quando muitos sinais dão a entender que a vinda de Jesus poderá acontecer a qualquer momento.
Que você possa prosseguir com o estudo da Escatologia Bíblica. Leia a Palavra de Deus, ore, jejue e esteja aguardando o maior acontecimento escatológico de todos os tempos: O arrebatamento da Igreja do Senhor Jesus Cristo.

O destino final dos mortos
A vida após a morte dá margem para muitas especulações. Na religião, essas especulações chegaram a graus absurdos. Para se ter ideia das especulações que proliferaram ao longo da história da humanidade, dê uma olhada na tabela abaixo, sugiro que o prezado professor a reproduza para introduzir o assunto, o Estado Intermediário, no primeiro tópico:



Após apresentar essas teorias, exponha o que a Bíblia diz sobre o estado chamado de “intermediário”, conforme está na lição: situação após a morte, que não significa um estado de purificação, ou retorno “eterno” ou de uma inconsciência sem fim. A Palavra de Deus diz que quando nos encontrarmos com o Senhor estaremos imediatamente com o Ele num estado de descanso (Ap 14.13), de serviço (Ap 7.15) e de santidade (Ap 7.14).

O Estado Eterno
As Escrituras mostram com clareza que na morte não termina a vida; se inicia outra. Há uma crise humana em lidar com a morte e a finitude da vida. Inconscientemente, o ser humano.tem a “consciência” da eternidade. Portanto, ouçamos a pergunta de Jesus, na parábola do rico insensato, e meditemos: “Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma, e o que tens preparado para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros e não é rico para com Deus” (Lc 12.20,21; cf. 12.13-21).

O Destino dos ímpios
São os perversos em natureza, sem amor no coração, que vivem a vida com o objetivo de fazer o mal e a perversidade para o outro, para a tristeza eterna, ouvirão do Senhor: “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos” (Mt 25.41; cf. 25.42-46; Dn 12.2; Ap 20.12; 21.8; 22.15).

O Destino dos Justos
Mas aqueles que pela fé foram alcançados pela graça de Deus, deram lugar a uma nova natureza, com o amor no coração, vivendo com o objetivo de fazer o bem para o outro, ouvirão do Senhor: “Vinde, benditos do meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mt 25.34; cf. 25.35-40; Dn 12.2; Ap 21.5-7; 22.12-14).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.