sexta-feira, 26 de maio de 2017

Parábola do fariseu e o publicano Lucas 18.9-14

9 E falou esta parábola a certos que confiavam em si mesmos que eram justos, e desprezavam os outros. 10 Dois homens subiram ao templo para orar um fariseu eo outro publicano. 1O fariseu levantou-se e orou assim consigo mesmo, Deus, eu te agradeço, que eu não sou como os outros homens , extorsionadores, injustos, adúlteros, ou mesmo como este publicano. 12 Eu jejuo duas vezes na semana, dou o dízimo de tudo o que possuo. 13 E o publicano, estando de longe, não levantava os seus olhos ao céu, mas batia no seu peito, dizendo: Deus seja misericordioso comigo, pecador. 14 Digo-vos que este homem desceu à sua casa, mais do que justificado ,

O escopo desta parábola também é prefixado a ele, e nos é dito ( Lucas 18: 9Lucas 18: 9 ) que eles eram quem foi nivelado, e para quem foi calculado. Ele o projetou para a convicção de alguns que confiaram em si mesmos que eram justos e desprezavam os outros. Eles eram como eles tinham, 1. Um grande orgulho de si mesmos e de sua própria bondade eles se julgavam santos como eles precisavam ser, e mais santos do que todos os seus vizinhos, e que poderiam servir de exemplo para todos eles. Mas isso não era tudo 2. Eles tinham uma confiança em si mesmos diante de Deus, e não só tinha uma alta opinião de sua própria justiça, mas dependia do seu mérito, sempre que se dirigiam a Deus, como sua súplica: Eles confiaram em si mesmos como sendo justos, eles pensaram que tinham feito de Deus seu devedor, e poderiam exigir qualquer coisa dele e, 3. Eles desprezavam os outros, e olharam para eles com desprezo, como não digno de ser comparado com eles. Agora Cristo, por meio desta parábola, mostraria tal loucura, e por isso eles se excluíram da aceitação com Deus. Isto é chamado uma parábola, embora não haja nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias. E olhava para eles com desprezo, como não digno de ser comparado com eles.
 Agora Cristo, por meio desta parábola, mostraria tal loucura, e por isso eles se excluíram da aceitação com Deus. Isto é chamado uma parábola, embora não haja nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias. E olhava para eles com desprezo, como não digno de ser comparado com eles. Agora Cristo, por meio desta parábola, mostraria tal loucura, e por isso eles se excluíram da aceitação com Deus. Isto é chamado uma parábola, embora não há nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias. Embora não haja nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias. Embora não haja nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias.

I. Aqui estão os dois dirigindo-se ao dever de oração no mesmo lugar e tempo ( Lucas 18:10 Lucas 18:10 ): Dois homens subiram ao templo (para o templo estava sobre uma colina) para orar. Não foi a hora da oração pública, mas eles foram lá para oferecer suas devoções pessoais, como era costume com as pessoas boas naquela época, quando o templo não era apenas o lugar, mas o meio de adoração, e Deus tinha prometido, Em resposta ao pedido de Salomão, que, seja qual for a oração feita de maneira correta em ou para aquela casa, deveria, portanto , ser aceita. Cristo é o nosso templo, e para ele devemos ter um olho em todas as nossas abordagens a Deus. Os fariseus e do publicano ambos foram para o templo para orar. Nota: Entre os adoradores de Deus, na igreja visível, há uma mistura de bom e mau, de alguns que são aceitos de Deus, e alguns que não são e assim foi desde que Caim e Abel trouxe sua oferta para o Mesmo altar. O fariseu, orgulhoso como ele era, não podia pensar-se acima da oração nem o publicano, humilde como ele era, pensa-se fechado fora do benefício dele, mas temos razões para pensar que estes foram com diferentes pontos de vista. 1. O fariseu foi ao templo orar porque era um lugar público , mais público do que os cantos das ruas, e por isso ele deveria ter muitos olhos sobre ele, que aplaudia sua devoção, Que talvez foi mais do que era esperado. O caráter que Cristo deu aos fariseus, que todas as suas obras que eles fizeram para ser visto dos homens, nos dá ocasião para esta suspeita. Note, Hipócritas manter os desempenhos externos da religião apenas para salvar ou ganhar crédito. Há muitos que vemos todos os dias no templo, que, é de temer, não veremos no grande dia à direita de Cristo. 2. O publicano foi ao templo porque foi nomeado para ser uma casa de oração para todos os povos, Isaías 56: 7 . O fariseu veio ao templo em um elogio, o publicano em cima do negócio o Pharisee para fazer sua aparência, o publican para fazer seu pedido.Isaías 56: 7

II. Aqui está o discurso do fariseu a Deus (para uma oração que eu não posso chamá-lo): Ele se levantou e orou assim consigo mesmo ( Lucas 18: 11,12 ): de pé por si mesmo, orou assim, de modo que alguns leram que ele estava inteiramente atento Ele mesmo, não tinha nada em seu olho senão o próprio, seu próprio louvor, e não a glória de Deus, ou, estando em algum lugar visível, onde ele se distinguiu ou, colocando- se com uma grande quantidade de estado e formalidade, orou assim. Ora, o que ele deve aqui dizer é o que mostra,Lucas 18:11 , 12

1. Que confiava em si mesmo que era justo. Um monte de coisas boas ele disse de si mesmo, o que vamos supor para ser verdade. Ele estava livre de pecados grosseiros e escandalosos, não era um extorsionador, nem um usurário, nem opressivo para devedores ou inquilinos, mas justo e bondoso para com todos os que dependiam dele. Ele não era injusto em nenhum de seus negócios e não fez nenhum homem que ele pudesse dizer algo errado, como Samuel, cujo boi ou cujas bundas eu tomei? Ele não era adúltero, mas possuía seu vaso em santificação e honra. No entanto, não era tudo o que ele jejuava duas vezes na semana, como um ato parcialmente de temperatura, em parte de devoção. Os fariseus e seus discípulos jejuavam duas vezes por semana, segunda-feira e quinta-feira. Assim, ele glorificava a Deus com seu corpo; contudo, não era tudo o que ele dava o dízimo de tudo o que possuía, de acordo com a lei, e assim glorificava a Deus com sua propriedade mundana. Agora tudo isso era muito bom e louvável. Miserável é a condição daqueles que ficam aquém da justiça deste fariseu; contudo, ele não foi aceito e por que ele não foi? (1) O seu agradecimento a Deus por isso, embora em si mesmo uma coisa boa, ainda parece ser uma mera formalidade. 
Ele não diz: Pela graça de Deus eu sou o que sou, como fez Paulo, mas o desligo com um leve Deus, agradeço-te, o qual não é mais do que uma introdução plausível a uma orgulhosa ostentação vaidosa de si mesmo. (2) Ele se orgulha disto, e habita com deleite sobre este assunto, Isaías 58: 3Como se todos os seus negócios para o templo fosse dizer ao Deus Todo-Poderoso quão bom ele era e ele está pronto para dizer, com os hipócritas de que lemos ( Isaías 58: 3 ): Por que temos jejuado e não vês? (3) Ele confiou nele como uma justiça, e não só mencionou, mas implorou, como se por este meio ele tinha merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar. Com os hipócritas de que lemos ( Isaías 58: 3 ), por que temos jejuado, e não vês? (3) Ele confiou nele como uma justiça, e não só mencionou, mas implorou, como se por este meio ele tinha merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar. Com os hipócritas de que lemos ( Isaías 58: 3 ), por que temos jejuado, e não vês? (3) Ele confiou nele como uma justiça, e não só mencionou, mas implorou, como se por este meio ele tinha merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar. E não apenas o mencionou, mas o suplicou, como se por este meio ele tivesse merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar. E não apenas o mencionou, mas o suplicou, como se por este meio ele tivesse merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar.

2. Que desprezava os outros. (1.) Ele pensou mal de toda a humanidade, mas ele mesmo: Eu te agradeço que eu não sou como os outros homens são. Ele fala indefinidamente, como se fosse melhor do que qualquer outro. Podemos ter razão para agradecer a Deus que não somos como alguns homens são, que são notoriamente perverso e vil, mas para falar aleatoriamente, assim, como se nós só éramos bons, e todos, além de nós, eram réprobos, é julgar por atacado. (2) Ele pensou de modo particular em um modo particular deste publicano, que ele tinha deixado para trás, é provável, no tribunal dos gentios, e cuja companhia ele tinha caído como ele veio ao templo. Ele sabia que ele era um publicano e, portanto, muito carinhosamente concluiu que ele era um extorsionador, injusto, e tudo isso não é nada. Suponhamos que tivesse sido assim, e ele soubesse, que negócio teria ele de tomar conhecimento disso? Não podia dizer suas orações (e isso era tudo o que os fariseus faziam) sem censurar seus vizinhos? Ou isso era uma parte de seu Deus, eu te agradeço? E ele estava tão satisfeito com a maldade do publicano como com sua própria bondade? Não poderia haver uma evidência mais clara, não só da falta de humildade e caridade, mas de orgulho reinante e malícia, do que isso. Eu te agradeço E ele estava tão satisfeito com a maldade do publicano como com sua própria bondade? Não poderia haver uma evidência mais clara, não só da falta de humildade e caridade, mas de orgulho reinante e malícia, do que isso. Eu te agradeço E ele estava tão satisfeito com a maldade do publicano como com sua própria bondade? Não poderia haver uma evidência mais clara, não só da falta de humildade e caridade, mas de orgulho reinante e malícia, do que isso.

III. Aqui está o endereço do publicano a Deus, que era o inverso do fariseu de, tão cheio de humildade e humilhação como a sua era de orgulho e ostentação tão cheia de arrependimento pelo pecado, e desejo para Deus, como seu era de confiança em si mesmo e sua Própria justiça e suficiência.

1. Ele expressou seu arrependimento e humildade no que fez e seu gesto, quando se dirigiu a suas devoções, expressava grande seriedade e humildade, e a roupa adequada de um coração quebrado, penitente e obediente. (1.) Ele ficou de longe. O fariseu, de pé, mas cheia até o mais alto que podia, para a extremidade superior do tribunal, o publicano mantidos a uma distância sob um senso de sua indignidade de se aproximar de Deus, e talvez por medo de ofender o fariseu, a quem ele observou Para olhar com desprezo sobre ele, e de perturbar suas devoções. Por este meio ele possuía que Deus poderia justamente contemplá-lo longe, e enviá-lo para um estado de eterna distância dele, E que era um grande favor que Deus se agradou de admiti-lo assim perto. (2) Ele não levantaria tanto quanto seus olhos para o céu, muito menos suas mãos, como era usual na oração. Ele elevou seu coração a Deus nos céus, em desejos santos, mas, por meio da vergonha e humilhação prevalecentes, não levantou os olhos em santa confiança e coragem. Seus iniqüidades são ido sobre a sua cabeça, como um fardo pesado, de modo que ele é não é capaz de olhar para cima, Salmos 40:12 Salmo 40:12 . O abatimento de seus olhares é uma indicação do abatimento de sua mente ao pensar no pecado. (3) Ele feriu em seu peito, em uma santa indignação de si mesmo para o pecado: "Assim que eu iria ferir esse coração maligno da mina, a fonte envenenada do qual fluem todas as correntes do pecado, se eu poderia vir para ele." O coração do pecador o feriu pela primeira vez em repreensão penitente, 2 Samuel 24:10 .
 O coração de David o feriu. Pecador, que fizeste? E então ele fere o coração de remorso penitente: Miserável homem que eu sou? Efraim é dito a ferir em sua coxa, Jeremias 31:19 . Os grandes pesarosos são representados alimentando seus seios, Nahum 2: 7 . Que fizeste? E então ele fere seu coração com remorso arrependido: Ó homem miserável que eu sou? Efraim é dito a ferir em sua coxa, Jeremias 31:19 . Os grandes pesarosos são representados alimentando seus seios, Nahum 2: 7 . Que fizeste? E então ele fere o coração com remorso arrependido: Ó homem miserável que eu sou? Efraim é dito a ferir em sua coxa, Jeremias 31:19 . Os grandes pesarosos são representados alimentando seus seios, Nahum 2: 7 .2 Samuel 24:10 Jeremias 31:19 Naum 2: 7

2. Ele expressou o que ele disse. Sua oração era curta. O medo e a vergonha o impediram de dizer muitos suspiros e gemidos engolindo suas palavras, mas o que ele disse foi para o propósito: Deus, tenha misericórdia de mim, um pecador. E abençoado seja Deus que temos esta oração registrada como uma oração respondida, e que estamos seguros de que aquele que orou foi para sua casa justificado e assim nós, se orarmos, como ele fez, por meio de Jesus Cristo: Deus, tem misericórdia de mim, pecador, o Deus de infinita misericórdia seja misericordioso para comigo, pois, se ele não for, eu sou para sempre desfeito, para sempre miserável ... Deus tenha misericórdia de mim, pois fui cruel comigo mesmo. (1) Ele próprio é um pecador por natureza, pela prática, culpado perante Deus. Eis que sou vil, como te responderei? O fariseu nega-se a ser um pecador, nenhum dos seus vizinhos pode acusá-lo, e ele não vê razão para se auto-acusar, com qualquer coisa errado , ele é puro do pecado. Mas o publicano não dá a si mesmo outro caráter senão o de um pecador, um criminoso condenado na barra de Deus. (2) Ele não tem dependência, mas sobre a misericórdia de Deus, que, e só isso, ele confia. 
O fariseu insistiu sobre o mérito de seus jejuns e dízimos, mas o pobre publicano desmente todo pensamento de mérito e voa para a misericórdia como sua cidade de refúgio, e toma o chifre daquele altar. "Justiça me condena nada vai me salvar, mas misericórdia, misericórdia." (3.) Ele sinceramente ora para o benefício de que a misericórdia: " Ó Deus, sê propício, seja propício, me perdoe meus pecados ser reconciliado para me levar-me em teu favor me receber graciosamente me amar livremente." Ele vem como um mendigo para uma esmola, quando ele está pronto para perecer por causa da fome. Provavelmente, ele repetiu esta oração com afetos renovados, e talvez disse mais com o mesmo propósito, fez uma confissão particular de seus pecados, e mencionou as misericórdias particulares que ele queria, e esperou por Deus, mas ainda assim essa era a carga do canto: Deus , Tenha misericórdia de mim, um pecador.

IV. Aqui está a aceitação do publicano com Deus. Vimos quão diferente esses dois se dirigiam a Deus, agora vale a pena inquirir como eles aceleraram. Havia quem gritasse o fariseu, por quem iria a sua casa aplaudido, e que olharia com desprezo para este publicano choramingando furtivamente. Mas nosso Senhor Jesus, a quem todos os corações estão abertos, todos os desejos conhecidos, e de quem nenhum segredo está escondido, que está perfeitamente familiarizado com todos os procedimentos no tribunal do céu, nos assegura que esta pobre penitente, publicano, com o coração partido foi Para sua casa justificada, e não a outra. O fariseu pensou que se um deles deve ser justificado, e não o outro, certamente ele deve ser ele e não o publicano. "Não", diz Cristo, " A razão dada para isso é porque a glória de Deus é resistir aos soberbos e dar graça aos humildes. 1. Os homens orgulhosos , que se exaltam, são rivais com Deus, e , portanto , certamente serão humilhados . Deus, em seu discurso com Jó, apela a essa prova de que ele é Deus, que olha para todo o que é orgulhoso, e o abaixa , Jó 40:12 . 2. Homens humildes, que abaixam-se, estão sujeitos a Deus, e eles serão exaltados . Deus tem preferência na loja para aqueles que vão levá-lo como um favor, e não para aqueles que exigem isso como uma dívida. Ele será exaltado no amor de Deus, e a comunhão com Ele será exaltada em uma satisfação em si mesma, e exaltada por fim tão alta como o céu. Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína.
 E a comunhão com ele, será exaltado em uma satisfação em si mesmo, e exaltado por fim tão alto quanto o céu. Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E a comunhão com ele, será exaltado em uma satisfação em si mesmo, e exaltado por fim tão alto quanto o céu. Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E exaltado por fim tão alto como o céu.
 Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E exaltado por fim tão alto como o céu. Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. 
Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E da grandeza de seu pecado foi trazida a grandeza de seu arrependimento do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E da grandeza de seu pecado foi trazida a grandeza de seu arrependimento do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. Jó 40:12 (notas Mathew Henrys),
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.