quarta-feira, 31 de maio de 2017

Estudo livro de Exôdo (27) ) מחקר שמות

I - ISRAEL PEREGRINA PELO DESERTO

 A oferta de manjares (w. 1-7).

 Os judeus não comiam muita carne, pois era caro demais abater seusanimais. A lei declarada nessa passagem proibia o povo de matar seus animais para alimento em qualquer local dentro ou fora do acampamento. Qualquer animal a ser usado como alimento devia ser levado para o altar e apresentado como oferta pacífica ao Senhor.
Essa lei cumpria vários propósitos.

 Em primeiro lugar, evitava que o povo oferecesse sacrifícios a ídolos secretamente nos campos. Se fossem descobertos e interrogados, podiam dizer que estavam apenas preparando o animal para um banquete. No entanto, se esse fosse o caso, deveriam ter levado o animal para o altar do tabernáculo. O sangue do animal deveria ser oferecido somente ao Senhor e somente em seu altar. Em segundo lugar, por essa lei, o Senhor dignificava refeições comuns, fazendo delas uma experiência sagrada. O animal abatido não era apenas um pedaço de carne, era um sacrifício apresentado ao Senhor. De acordo com o versículo 4, o abate de um animal em qualquer lugar que não fosse o altar era o mesmo que assassinar o animal, e Deus quer que tratemos sua criação com o maior respeito.
Quando à mesa agradecemos a Deus o alimento, não estamos apenas reconhecendo sua bondade, mas também santificamos a refeição e fazemos de sua ingestão uma experiência espiritual.

Em terceiro lugar, ao levar o animal para o altar, o ofertante providenciava para que o Senhor (Lv 3:1-17) e o sacerdote (Lv 7:11-18) recebessem a parte que lhes era devida. Sem dúvida, o ofertante não ficava com tanta carne para si e sua família, mas o princípio por trás de Mateus 6:33 o compensaria de outras formas. A refeição em comunhão na casa de Deus glorificaria ao Senhor e satisfaria as necessidades do ofertante e daqueles que comessem com ele.WIERSBE. Warren W. Comentário Bíblico Expositivo. A.T. Vol. I. Editora Central Gospel. pag. 365-366.

Lv 17.6,7 — Demónios eram as divindades pagãs em forma de bode, como os sátiros. 
Acreditava-se que tais ídolos habitavam o deserto. Provavelmente, Israel teve contato com a adoração aos sátiros quando o povo se estabeleceu em Gósen (Gn 47.1-6). A expressão após os quais eles se prostituem indica essa adoração de Israel a outros deuses e a posição do Senhor em relação a essa adoração. O adultério era um pecado muito grave; renunciar à fé no Senhor era ainda mais grave.

A apostasia fere Deus profundamente.

Outra pista que indica que as instruções não falavam do abate do animal para o consumo, e sim dos animais do sacrifício é estatuto perpétuo. Quando a adoração de Israel foi centralizada em Jerusalém, algumas famílias moravam há mais de 160 quilómetros do templo. Era praticamente impossível que tais indivíduos percorressem toda essa distância cada vez que matavam um animal para consumir. Contudo, as pessoas podiam viajar a Jerusalém para oferecer uma oferta em sacrifício.
EarI D. Radmacher: Ronald B. Allen: H. Wayne House. O Novo Comentário Bíblico Antigo Testamento com recursos adicionais. Editora Central Gospel. pag. 238.

2. Cuidado com a idolatria.
O Pecado da Idolatria

Curiosamente, o primeiro mandamento de Deus no Sinai, a primeira ordenança do Decálogo, foi: “Não terás outros deuses diante de mim” (Êx 20.3). Deus conhecia o coração do povo e sabia o quanto era propenso à idolatria, depois de anos vivendo no idólatra Egito.As Sagradas Escrituras nos advertem, em 1 João 5.21, contra o pecado da idolatria: “Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. Amém!”. E o apóstolo Paulo adverte o mesmo à igreja em Corinto, citando como exemplo negativo justamente o pecado do povo de Israel no deserto (1 Co 10.14,18-21).

A idolatria é um dos pecados mais terríveis listados na Bíblia, porque consiste em dar glória e veneração a algo ou alguém que não seja o próprio Deus, o único que é digno de toda honra, toda glória, todo louvor e toda adoração. Entretanto, apesar de tão claro, este é um dos pecados mais praticados e mais ignorados em nossos dias no meio evangélico. E triste dizer, mas está se tornando cada vez mais comum evangélicos que desenvolvem verdadeiros comportamentos idolátricos em relação a pessoas e coisas que, obviamente, não devem receber a nossa adoração.
Idolatria não é só se prostrar diante de um ídolo de pedra, barro ou metal. Coisas ou pessoas também podem se tornar ídolos em nossa vida, quando começam a ganhar em nosso coração um lugar que não deveriam ter.
Uma coisa é gostar, admirar e respeitar; outra bastante diferente é “endeusar”, idolatrar. Logo, segue o alerta: cuidado para que o mero gostar e admirar não dê lugar à adoração por pessoas e coisas. Não só a idolatria a pessoas tem feito muitos males na vida de muitos crentes. A idolatria a coisas também.
Qual foi a última vez que você gastou tempo com Deus em oração? Qual foi a última vez que abriu a Bíblia para estudá-la ou para lê-la devocionalmente para a sua edificação espiritual? Qual foi a última vez que você evangelizou alguém? Qual foi a última vez que dedicou tempo para ajudar as pessoas? Será que a maior parte do seu dia é dedicada a coisas que realmente valem a pena ou só a futilidades?
O apóstolo Paulo afirma em Colossenses 3.5: “Mortificai, pois, os vossos membros que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, ao apetite desordenado, a vil concupiscência e a avareza, que é idolatria”. Paulo se refere ao “apetite desordenado”, ou “afeição desordenada”, e chama a “avareza” claramente de “idolatria”. Avareza é apego às coisas materiais. Quando valorizamos mais os bens materiais do que o espiritual, estamos de cabeça para baixo espiritualmente. Estamos longe de Deus.
O profeta Samuel falou também sobre outro tipo de idolatria sutil no meio dos crentes. Disse ele, conforme registrado em 1 Samuel 15.23: “Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e o porfiar é como iniquidade e idolatria. Porquanto tu rejeitaste a palavra do Senhor, Ele também te rejeitou a ti...
Ora, o que significa a palavra “porfiar”? Ela quer dizer, segundo o Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, “discutir com calor”, “insistir”, “teimar”, “competir” e “disputar”. Ou seja, insubordinação, disputa entre irmãos, espírito de competição dentro da igreja, teimosia, arrogância, contenda, tudo isso, afirma Samuel é pecado de idolatria. Você já parou para pensar nisso?
Paulo afirma que uma das características do Anticristo, e que é própria do espírito do Anticristo, é se levantar “contra tudo o que se chama Deus ou se adora” e querer “se [assentar] como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus” (2 Ts 2.4). Não se engane: há muita gente que começa bem, mas acaba, infelizmente, perdendo a visão espiritual e, por isso, tem o seu coração cheio de altares. É gente que afirma que serve a um único Deus, mas possui um coração idólatra, repleto de “deuses”, quando também não adora a si mesmo.
O cristão não deve ser dominado ou escravizado por nada. Apenas Deus deve ser o Senhor soberano de sua vida.COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 65-66.


IDOLATRIA
Esboço:
I. Definições e Caracterização Geral
II. Os Ídolos e as Imagens
III. Deuses Falsos
IV. Ensinos Bíblicos sobre a Idolatria
V. A Idolatria na Igreja
I. Definições e Caracterização Geral

1. Essa palavra vem do grego, eldolon ídolo., e latreuein, «adorar». Esse termo refere-se à adoração ou veneração a ídolos ou imagens, quando usado em seu sentido primário. Porém, em um sentido mais lato, pode indicar a veneração ou adoração a qualquer objeto, pessoa, instituição, ambição, etc., que tome o lugar de Deus, ou que lhe diminua a honra que lhe devemos. Nesse sentido mais amplo, todos os homens, com bastante frequência, se não mesmo continuamente, são idólatras. Naturalmente, essa condição surge em muitos graus; e um dos principais propósitos da fé religiosa e do desenvolvimento espiritual é livrar-nos totalmente de todas as formas de idolatria.
Paulo, em Colossenses 3:5, ensina-nos que a cobiça é uma forma de idolatria. Isso posto, qualquer desejo ardente, que faça sombra ao amor a Deus, envolve alguma idolatria.

2. A idolatria consiste na adoração a algum falso deus, ou a prestação de honras divinas ao mesmo. Esse deus falso pode ser representado por algum objeto ou imagem. Esse termo usualmente inclui a ideia da dendrolatria, da litolatria, da necrolatria, da pirolatria e da zoolatria... O estado mental dos idólatras é radicalmente incompatível com a fé monoteísta. A idolatria é má porque seus devotos, em vez de depositarem sua confiança em Deus, depositam-na em algum objeto, de onde não pode provir o bem desejado; e, em vez de se submeterem a Deus, em algum sentido submetem-se às perversões de valor representadas por aquela imagem». (H)

3. Na idolatria há certos elementos da criação que usurpam a posição que cabe somente a Deus. Podemos fazer da autoglorificação um ídolo, como também das honrarias, do dinheiro, das altas posições sociais. Praticamente, tudo quanto se torne excessivamente importante em nossa vida pode tornar-se um ídolo para nós. A idolatria não requer a existência de qualquer objeto físico. Se alguém adora a um deus falso, sem transformar em deus a alguma imagem, ainda assim é culpado de idolatria, porquanto fez de um conceito uma falsa divindade.

4. Uma Rua de Mão Dupla de Trânsito. A antropologia tem mostrado amplamente que as religiões dos povos geralmente começam na idolatria, e então progridem para uma forma de fé mais pura, que finalmente, rejeita os tipos primitivos de conceitos que requeiram a presença de algum ídolo. Quando a fé de um povo vai-se tornando mais intelectual e espiritual, menor se vai tornando a necessidade de crassas representações materiais. Por outro lado, algumas vezes a idolatria resulta da degeneração de uma fé anteriormente superior. Vemos isso no Novo Testamento, em vários lugares, no tocante a Israel, a certas alturas de sua história. É admirável como a crueza domina essa questão. Em muitos lugares do' mundo, da Índia à Sibéria, da Melanésia às Américas, simples toras de madeira têm sido erigidas em memória de pessoas amadas ou de heróis já falecidos; e, então, essa tora de madeira ou pedra torna-se um objeto de adoração, porquanto muitos supõem que o espírito da pessoa retoma para residir ali. Um culto religioso então desenvolve-se, quando tal imagem é alvo de preces e oferendas, a fim de aplacar aquele suposto espírito. Na Escandinávia e nos países germânicos, os arqueólogos têm encontrado pedras e toras de madeira escavadas, com propósitos religiosos.
A tendência de atribuir uma residência material a alguma divindade, ou, geralmente, de prestar culto ao espírito, em termos tangíveis é algo tão comum que quase se torna um sinal universal da cultura humana.
A idolatria está presente na grande maioria das religiões do mundo, incluindo o hinduísmo e o budismo. Aparentemente, não é proibida pelo zoroastrismo. Mas é proibida pelo islamismo. O relato bíblico do povo de Israel, que adorou o bezerro de ouro, ao pé do monte Sinai, é uma prova de idolatria no judaísmo primitivo. Os mandamentos contra a adoração a outros deuses e contra o fabrico de imagens são injunções especificas contra a idolatria» (AM). Esse autor, que acabamos de citar, deveria ter incluído o fato de que o cristianismo é uma das grandes religiões que, em alguns de seus segmentos, pratica a idolatria. Por que motivo urna imagem de uso cristão seria prova menor de idolatria do que uma imagem venerada no hinduísmo ou no budismo?

5. A Vasta Extensão da Idolatria. Nosso artigo chamado Deuses Falsos apresenta um sumário do que se sabe acerca dos deuses falsos que têm sido adorados pelos homens; e a lista é tão extensa que chega a admirar. O panteão mesopotâmico compunha-se de mais de mil e quinhentos deuses. Os mais conhecidos dentre eles eram Samás, Marduque, Sin e Istar, a qual era a deusa do amor carnal. Nabu era o patrono da ciência e da erudição. Nergal era o deus da guerra e da caça. Quase todas as atividades e aspirações dos homens têm sido representadas por alguma prática idólatra.
6. Natureza Corrompida da Idolatria. Toda idolatria é corrupta. Paulo supunha que os ídolos representam forças demoníacas. Ver I Cor. 10:20. A religião dos cananeus era repleta de corrupções morais, que ameaçavam continuamente a Israel.
Havia todos os tipos de abusos sexuais, corno a prostituição sagrada, associados aos cultos de fertilidade, nos quais Baal e Astarte eram adorados, sem falarmos em cultos onde havia orgias de bebidas alcoólicas. Também havia o sacrifício de infantes na fogueira. A radicalidade dessa forma de idolatria foi a razão por detrás do mandamento da eliminação de toda forma de idolatria, com a destruição das imagens, colunas e estátuas, e com a destruição dos lugares altos, onde esses ritos eram efetuados. (Ver Deu. 7:1-5; 12:2,3).

ll. Os Ídolos e as Imagens

Um ídolo representa alguma divindade, ou é acento é aceito como se tivesse qualidades divinas por si mesmo. Em qualquer desses casos, aquele objeto recebe adoração. Contudo, é possível haver urna imagem, sem que essa seja adorada, como no caso dos querubins que havia no templo de Jerusalém. Sem dúvida, esses querubins não eram adorados, formando uma exceção acerca da proibição de imagens. Urna imagem também pode ser um amuleto que é concebido como dotado de alguma forma de poder de proteger, de ajudar ou de permitir alguma realização; mas um amuleto não é necessariamente adorado. Isso posto, apesar de representar alguma crença supersticiosa, um amuleto não é obrigatoriamente uma forma de idolatria. 
E, naturalmente, é possível a posse de uma imagem esculpida ou urna pintura, representando algum santo ou herói religioso, sem que a mesma seja adorada, por ser apenas um lembrete de que se deveria emular as qualidades morais e espirituais de tal santo. Por outro lado, quando tais imagens são «veneradas-, então é provável que, na maioria dos casos, esteja sendo praticada a idolatria. As estátuas dos mestres jainistas e confucionistas são comuns; mas nunca são veneradas corno deuses ou poderes divinos. Eles são relembrados como grandes mestres, e suas imagens são apenas memoriais desse fato. 
As divindades da natureza, com frequência, eram adoradas sem o uso de quaisquer objetos materiais; mas, quando os homens começaram a pensar nos deuses como espíritos, e esses habitando nos mais variados objetos, então todo tipo de objeto e representação material passou a ser adorado. Assim, o sol, a lua e as estrelas eram concebidos corno lugares de habitação de divindades, como se fossem as próprias divindades, razão pela qual eram adorados diretamente. Algumas vezes, as imagens só são adoradas mediante alguma forma de cerimônia, que, supostamente, lhes transmitiria vida, ou seja, fazem delas manifestações localizadas de alguma divindade.
O esforço por retratar os imaginários poderes de alguns deuses têm criado imagens fantasticamente grotescas. As religiões da Babilônia e do Egito levavam a sério a idéia de que um deus ou espírito divino podia residir em algum objeto material. O hinduísmo e o budismo têm feito intenso uso de ídolos para ajudar o povo comum a adorar. Os elementos mais intelectuais dessas religiões asseveram que as imagens de escultura são meras representações das divindades; mas, ao nível popular, essa delicada distinção inexiste, conforme se vê na Igreja Católica Romana e na Igreja Ortodoxa Oriental

III Deuses Falsos.

Temos dado um artigo separado sobre esse assunto, com esse título, mostrando a natureza muito abrangente da idolatria, juntamente com muita informação de interesse geral para os estudiosos da Bíblia.

IV. Ensino a Bíblico. Sobre a Idolatria

O segundo mandamento da lei de Deus proíbe qualquer forma de idolatria. Ver Êxo, 20:3-5. A idolatria dos hebreus, quando ocorria, não só incluía a adoração a deuses falsos, mediante imagens ou sem elas; mas também a adoração a Yahweh, embora através de símbolos visíveis (Osé. 8:5,6; 10:5). No Novo Testamento, qualquer coisa muito desejada, que suplante a comunhão com Deus ou a impeça, é considerada idolatria (I Cor. 10:14; Gãl. 5:20; Col. 3:5). A teologia moral cristã insiste em que qualquer desejo desordenado, que veia o objeto de tal desejo como a fonte última do bem e a base do bem-estar do individuo, é idolatria» (H)
1. Formas de Idolatria na Bíblia. A adoração a imagens (lsa. 44: 17), o oferecimento de sacrifícios a imagens (Sal. 106:38; Atos 7:41), a adoração a deuses falsos (Deu. 30:17; Sal. 81:9), o serviço prestado a outros deuses (Deu. 7:4), o temor a outros deuses (II Reis 17:35), a adoração ao verdadeiro Deus, mas por meio de alguma imagem (Êxo. 32:46 e Sal. 10:6,18,20), a adoração a demônios (Mat. 4:8,10; I Cor. 10:20), o manter ídolos no próprio coração (Eze. 14:3.4), a adoração aos espíritos dos mortos (Sal. 106:28). a cobiça (Efé. 5:5; Col. 3:5), a sensualidade (Fil. 3:19), a redução da glória de Deus em uma mera imagem (Rom. 1:23), a adoração aos corpos celestes (Deu. 4:19).

2. Descrições Bíblicas da Idolatria. Ali a idolatria é uma abominação (Deu. 7:25), é odiosa a Deus (Deu. 16:22), é vã e tola (Sal. 115:4-8), é destituída de proveito (Juí. 10:14; Isa. 46:7), é irracional (Atos 17:29; Rom. 1:21-23), é contaminadora (Eze. 20:7; 36:18).

3. Adjetivos Avitadores, Os ídolos e as imagens de escultura são deuses estranhos (Gên, 35:2), são novos deuses (Deu. 32:17), são deuses fundidos (Êxo. 34:17), são imagens de escultura (Isa. 45:20), são destituídos de sentidos (Sal. 115:5,7), são mudos (Hab. 2:18; I Cor. 12:2), são abomináveis (lsa. 44:19), são pedras de tropeço (Eze. 14:3), não passam de vento e confusão (Isa. 41:29), são como o nada (Isa, 42:24; I Cor. 8:4), são impotentes (Heb. 10:5), são, vaidades (ler. 18:15), são vaidades dos gentios (ler. 14:22).

4. Castigos Prometidos aos Idólatras, A morte judicial (Deu. 17:2-5), o banimento (Jer. 8:3; Osé. 8:5-8), a exclusão do céu (I Cor. 6:9,10; Efé. 5:5; Apo, 22:15), o julgamento da eternidade (Apo. 14:9-11; 21:8).
«Não houve nenhum período da história dos hebreus em que esse povo estivesse isento da atração exercida pelos ídolos. Raquel tomou os serafins (deuses domésticos, representados por figurinhas de barro) com ela, quando Jacó e seus familiares fugiram de Labão (Gên. 31:34). Os israelitas adoraram aos [dolos do Egito durante sua jornada ali, e não desistiram deles - nem mesmo quando foram tirados da escravidão por Moisés (1os. 24:14; Eze. 20:8-18). (Z) Esse autor continua a fim de mostrar a idolatria através de toda a história de Israel: no Sinai (Êxo. 32), em suas vagueações pelo deserto (Núm, 25:1-3; 31:16), imediatamente antes de entrarem na Terra Prometida (Deu. 4:15-19), no tempo dos juízes de Israel(Jui. 2:11-13; 6:25-32; 8:24-27), no tempo de Salomão, através da influência de suas muitas esposas estrangeiras (I Reis 11:1-8), no tempo de Jeroboão, quando houve a adoração ao bezerro de ouro (I Reis 12:25·33), durante o reinado de Reboão, em Judâ (I Reis 14:21-24), sob Acabe, em Israel (I Reis 16:32), o que levou Elias a desafiar tal idolatria (I Reis 14:21-24), nos dias do profeta Amós (Amôs 5:26), nos dias de Oséias(Osé. 2:16,17; 8:4-6), nos dias de Isaías (Isa. 2:8; 40:18-20; 41:6; 44:9-20), nos dias de Jeremias (1er. 2:23-25; 10:2-10; 11:13; 23:13,14).
 E talvez uma das razões pelas quais aqueles que retornaram do cativeiro babilônico tiveram de desfazer-se de suas esposas estrangeiras, com as quais se tinham casado, eram as práticas idólatras que elas haviam introduzido em suas famílias (Eze. 10:3,19).No Novo Testamento, Jesus estendeu os pecados até os seus íntimos motivos (MaL 5:21 ss). Assim, no caso da idolatria, qualquer coisa que ocupe excessivamente o nosso tempo, às expensas da espiritualidade, é uma manifestação de idolatria (Efé. 5:5; Col. 3:5; Fil. 3:19, onde a glutonaria é especificamente mencionada).

V. A Idolatra na Igreja

Os intelectuais cristãos, tal corno seus colegas budistas, dizem que as imagens de escultura são apenas memórias de qualidades dignas de emulação, de santos ou heróis espirituais, o que, presumivelmente, - ajudaria os religiosos sinceros a copiarem tais virtudes.
Entretanto, o povo comum não é sofisticado o bastante para separar a imagem da adoração à divindade ou santo. E nem significa grande coisa a autêntica distinção entre adoração e veneração. O resultado disso é que a idolatria tornou-se muito comum na Igreja cristã, tanto no Oriente quanto no Ocidente. E, apesar dos grupos protestantes e evangélicos terem removido as formas mais crassas de idolatria, de seu culto, ainda assim há muitas formas sutis de idolatria que ali são cultivadas. Quem não se mostra ocasionalmente cobiçoso? Quem não tem desejos desordenados? Quantos escapam da idolatria sob a forma de glutonaria ou sensualidade? Além disso, há variedades religiosas de idolatria, como a bibliolatria (vide). Uma forma comum de idolatria consiste em idolatrar o credo denominacional, o que, geralmente, se faz com uma atitude arrogante. O coração humano, fora da Igreja ou dentro dela, no Oriente ou no Ocidente, pende para a idolatria, e uma parte do crescimento espiritual consiste na eliminação gradual de todas as formas de idolatria, até as mais sutis.CHAMPLIN, Russell Norman, Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 3. Editora Hagnos. pag. 206-209

IDOLATRIA
Definição

Esta é uma transliteração da palavra gr. eidololatria, cujo significado entendemos ser "a adoração a ídolos; a adoração a imagens como divinas e sagradas". Veja Imagens de Escultura. Esse vocábulo gr. é uma composição de dois termos: O primeiro é eido (cf. o latim video), significando "ver" e "saber"; assim ele traz em si o conceito básico de "saber por ver". Com base nesse termo foi formada a palavra eidolon, "imagem", que veio a significar especificamente uma imagem de um deus como um objeto de adoração, ou um símbolo material do sobrenatural como tal objeto. O segundo termo é latreia, significando "culto" ou, mais especificamente, "culto ou adoração aos deuses". Idolatria, então, é prestar honras divinas a qualquer produto de fabricação humana, ou atribuir poderes divinos a operações puramente naturais.
Descrição
Como uma criatura ligada ao tempo e ao espaço, o homem tem estado especialmente inclinado a prestar adoração a algum tipo de símbolo visível de divindade. Ele parece anelar por manifestações tangíveis da presença divina. Durante a história humana, esta atitude tomou várias formas e manifestações. Mesmo que o homem tenha abandonado a adoração ao verdadeiro Deus, ele não renunciou à religião, mas procurou substituir o verdadeiro Deus por um deus falso que estivesse de acordo com seu próprio gosto.
O animismo era a adoração ou a reverência aos objetos inanimados, tais como pedras, árvores, rios, fontes e outros objetos naturais. Também havia a adoração a coisas animadas, tais como aos animais: touros ou bezerros sagrados, símbolos do princípio da reprodução e procriação; a serpente, como símbolo de renovação anual, uma vez que ela troca sua pele velha por uma nova; e pássaros, tais como o gavião, a águia e o falcão, como símbolos de sabedoria e conhecimento interior. Estas formas animais eram às vezes combinadas com formas humanas como objetos de adoração - o teriomorfismo. Havia divindades astrais, tais como o sol, a lua e as estrelas. Os elementos e as forças da natureza também eram reverenciados e adorados: tempestades, ar, fogo, água e terra. Consequentemente, os deuses da vegetação e o genii loci recebiam uma posição importante.
O princípio da fertilidade era frequentemente divinizado como uma deusa-mãe (veja Diana), como as imagens de Éfeso indicam. Isso envolvia a adoração ao sexo e a glorificação da prostituição.
Havia a tendência comum da adoração aos heróis, que também incluía os ancestrais mortos da tribo ou do clã. O totemismo representava não apenas a atividade em artes e ofícios, mas a adoração ao deus ou à deusa que eram patronos do clã, qualquer que fosse a imagem sob a qual a divindade tivesse sido concebida. Geralmente este era um animal selvagem ou um pássaro, ou ainda a combinação de uma das formas animais com a humana. O idealismo envolvia a adoração a conceitos abstratos tais como a sabedoria e a justiça. A adoração ao imperador deve ser incluída. Os reis, por terem o poder da vida e da morte sobre seus súditos, passaram a ser divinizados. "Ave César" significava mais que um desejo de "vida longa ao rei", assim como "Heil Hitler" ("Salve Hitler"); estes eram, na verdade, atos de adoração. Somente o homem possui o dom de fazer imagens. Assim fazendo, ele busca a reprodução de impressões oculares que desaparecem, ou objetos sagrados imaginados. Assim a idolatria fica estreitamente relacionada ao avanço do homem em artes e ofícios. Sua história está repleta de tentativas de dar formas materiais a ideais e ideias religiosas. 
Uma vez que estes se tornassem objetos concretos, então a reverência e a adoração poderiam ser expressas em favor deles através da queima de incenso, curvando-se os joelhos, beijando-se a imagem, recobrindo-a com prata e ouro, adornando-a com jóias e pedras preciosas, ou vestindo-a com trajes suntuosos. Tudo isto consistia apenas em um outro passo para consultá-la como um oráculo de sabedoria divina e um meio de predizer o futuro de uma pessoa, ou o resultado de algum projeto militar ou político. Uma estátua de culto era, portanto, um objeto de adoração e deleite porque a imagem visível dava evidência da presença da divindade. Ela era regularmente guardada em algum santuário, e um completo culto para sua adoração era desenvolvido. Veja Imagens de Escultura; Imagens. Em um sentido mais amplo, a idolatria em formas teóricas pode incluir as vãs filosofias dos homens, pois ela tira parte da glória de Deus (Rm 1.23) e confere honras divinas a outrem. Assim, o naturalismo, o humanismo, e o racionalismo são tipos de idolatria. Da mesma forma, ligar-se a horóscopos e qualquer prática oculta de feitiçaria e espiritualismo deve ser condenado como idolatria.

A Idolatria dos Vizinhos de Israel

Práticas pagãs entraram em Israel principalmente por intermédio dos egípcios, dos cananeus e das nações assírio-babilônicas. A antiga arte e escrita egípcia deixaram evidências de milhares de divindades. Os próprios faraós eram considerados encarnações de alguma divindade. Além dos seres humanos, pensava-se que um touro, um crocodilo,
um peixe, uma árvore, um gavião etc. também poderiam ser habitados por um espírito e, portanto, divinizados. Havia muitas divindades com cabeça de animal ou pássaro, porém com corpos de seres humanos. Entre os cananeus, os muitos baalins com seus respectivos cultos de fertilidade eram os promotores de adorações orgiásticas da natureza e do princípio da produtividade. A principal entre as divindades dos babilónios e assírios era a deusa imoral da luxúria e da procriação, a mesopotâmia Ishtar. Os babilónios pareciam estar dispostos a importar deuses de muitos vizinhos, ou de nações que eles haviam conquistado e sujeitado ao pagamento de tributos. Sendo assim, eles tinham um deus para quase tudo: aprendizado, guerra, fogo, maternidade, virgindade, fertilidade, céu, vento, água, terra, e o mundo dos mortos, juntamente com o habitual sol, lua e estrelas. O povo assírio era tão idólatra quanto o babilónio e, além disso, ganhou a reputação nada invejável de ser a mais cruel e mais sádica de todas as nações antigas do Oriente Próximo.

A História da Idolatria Entre os Israelitas

Abraão viveu em um mundo de idolatria. Sua viagem para oeste tinha a finalidade de abandonar a idólatra Ur dos caldeus e procurar um novo lar no qual poderia adorar ao único Deus verdadeiro. E significativo notar que de seus descendentes tenham surgido as três grandes religiões monoteístas do mundo: o Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo. A proibição da idolatria é um dos poucos conceitos absolutos e imutáveis no sistema judaico de ética (juntamente com o incesto e o assassinato). A adoração sem a imagem de Jeová anunciava não meramente que Ele era maior do que a natureza, mas que também não era limitado por ela. No AT, há muitos termos heb. usados como escárnio à idolatria, indicando sua infâmia e obscenidade, bem como seu absoluto vazio. Todas as camadas da lei judaica dão testemunho da oposição a se fazer um retrato de Deus. Os dois primeiros mandamentos proíbem a adoração de imagens, bem como a adoração a qualquer outro deus (cf. Êx 20.1ss.; Dt 5.7,8; Lv 19.4). A idolatria era classificada como uma ofensa de estado e cheirava a traição, devendo ser punida com a morte (Dt 17.2-7).

A profecia heb. mostra, da mesma forma, uma hostilidade intransigente à idolatria. Qualquer imagem é uma mera obra das mãos do homem (Am 5.26; Os 13.2; Is 2.8), uma imitação das criaturas (Dt 4.16ss.) formada a partir de matéria sem vida (Os 4.12; Is 44.9,10; SI 115). Portanto, sua adoração é absolutamente uma loucura. Só Deus deve ser adorado, visto que somente Ele é o Criador vivo de todas as coisas, e um Espírito que não pode ser retratado de nenhuma forma. Contudo, mesmo entre os israelitas pode ser notada a adoração a Jeová sob a forma de alguma imagem ou símbolo; muitos deles se comportavam como se a adoração aos deuses das nações vizinhas sob qualquer símbolo fosse apropriada; e, além disso, adoravam as próprias imagens e símbolos (por exemplo, a serpente de bronze, 2 Rs 18.4). A história da idolatria entre os hebreus começa com o relato do roubo - por parte de Raquel - dos ídolos do lar que pertenciam a Labão (Gn 31.19), que eram provavelmente estatuetas de deuses da família. Estes naturalmente não eram considerados como o Deus de Abraão e Naor (Gn 31.53). No entanto, Raquel pode não ter tido interesse pelos ídolos do lar por motivos de adoração, porque descobertas em Nuzu indicam que com a posse de um ídolo do lar vinha a chefia da família. Ela pode ter tentado transferir a chefia patriarcal da família de seu pai para seu marido.

Os anos no Egito resultaram na fascinação de Israel pelos ídolos egípcios (cf. Js 24.14; Ez 20.7,8), e assim Moisés considerou imperativo desafiar os deuses do Egito (Nm 33.4). Durante a ausência de Moisés do acampamento ao pé do monte Sinai, os israelitas clamaramjaor alguma representação visível de Jeová (Êx 32.1). Somente uma mente completamente acostumada ao profundo respeito prestado aos touros sagrados do Egito poderia inventar uma representação tão estranha de Jeová (Êx 32.4; veja JerusB). As pessoas que não estivessem familiarizadas com essa prática egípcia não poderiam ter respondido tão prontamente como fizeram esses israelitas^. A festa que Arão proclamou para Jeová (Êx 32.5), que resultou no povo cantando e dançando nu diante do ídolo (32.6,18,19,25), era como a festa de Ápis; isto levou o povo à indecência - de uma forma pública ou privada (a palavra "divertir-se" ou "folgar", saheq, em 32.6 implica em gestos ou atos sexuais; cf. "acariciava", Génesis 26.8). Portanto, a grande ira do Senhor e de Moisés é compreensível (32.4,8). Arão chamou ao bezerro de Senhor (32.5), mas representá-lo desse modo era idolatria (SI 106.19,20).
Houve uma apostasia temporária em Sitim quando os homens de Israel, cedendo aos encantos das filhas de Moabe, deram lugar ao baalismo (Nm 25).
Ao entrar na Palestina, Israel teve contato com várias formas de idolatria. E embora tivessem recebido ordens expressas para destruir todos os ídolos (Dt 12.2,3), a ordem não foi obedecida integralmente em todos os casos (Jz 2.12,14).O pai de Gideão havia levantado ou tomado posse de um altar a Baal, o qual Gideão foi obrigado a destruir (Jz 6.25-32). O éfode de Gideão pode ter sido uma oferta de voto aJeová, mas ele tornou-se um laço para todo o Israel, bem como para toda a sua casa (Jz 8.27). Assim que Gideão morreu, Israel retornou à sua adoração idólatra a "Baal-Berite" (Jz 8.33; 9.4).O episódio de Mica em Juízes 17 e 18 revela evidências de uma idolatria secreta por parte de muitas pessoas (Jz 17.1-6). Neste caso, um levita de todo o povo torna-se um sacerdote de imagens (cf. Dt 27.15). Samuel, ao assumir o ofício de juiz de Israel, considerou necessário repreender o povo pela posse de deuses estrangeiros (1 Sm 7.3,4). Salomão já havia estabelecido o cenário para uma grande apostasia e idolatria por sua importação de tantas esposas estrangeiras, e com elas as suas respectivas formas de adoração pagã, cada uma com seu falso deus. 
Havia Astarote dos sidônios, Quemos dos moabitas, Milcom dos amonitas, só para citar alguns. Três dos cumes do monte das Oliveiras foram coroados com postes-ídolos para essas divindades, respectivamente, e o quarto ficou conhecido como o monte da corrupção (1 Rs 11.5-8; 2 Rs 23.13,14). O filho de Salomão, Roboão, tinha uma mãe amonita, cuja religião introduziu algumas das piores características de idolatria licenciosa (1 Rs 14.21-24). Jeroboão, recém-saído de seu exílio no Egito, erigiu touros sagrados em homenagem a Jeová em Dã e Betei (1 Rs 12.26-33). Na prática, porém, a adoração parece ter sido dirigida aos animais de ouro ao invés de ser oferecida ao próprio Senhor (cf. Am 4.4,5). Esta adoração aos bezerros é tratada por Oséias como o "pecado de Israel" (Os 10.5-8).
Um dos maiores promotores da idolatria na história hebraica foi o rei Acabe, influenciada por sua esposa, a princesa sidónia Jezabel (1 Rs 21.25,26). Ele não só construiu um templo e um altar para o Baal dos sidônios -Melcarte, como se envolveu na perseguição ativa aos profetas de Jeová (1 Rs 16.31-33). Diante dos profetas de Baal e Asera, Elias proclamou seu famoso discurso em defesa do Deus verdadeiro (1 Rs 18). A história do Reino do Norte então se torna, sucessivamente, com cada um de seus reis, um restabelecimento do pecado de Jeroboão. Isto veio a ser conhecido como o "caminho dos reis de Israel" (2 Rs 16.3; cf. 17.7-18). Assim houve uma longa linhagem de apóstatas reais na nação de Israel, o que não cessou até a conquista daquele reino pelos assírios. Um propagador da idolatria no Reino do Sul foi o rei Acaz. Ele construiu um altar de acordo com o modelo que havia visto em Damasco, bem no local do altar de bronze do Templo judeu (2 Rs 16.10-15). 

Também fez seu filho passar pelo fogo (2 Rs 16.3) e ofereceu sacrifícios aos deuses de Damasco (2 Cr 28.23). Um dos reinados mais longos e mais idólatras em Judá foi o do ímpio Manasses, que, embora tenha se voltado para o Senhor pouco antes de sua morte (2 Cr 33.10-17), não pôde desfazer os resultados de uma vida de apoio a encantamentos, adivinhações, feitiçaria, profanação dos pátios do Templo com altares às divindades astrais e uma imagem de Asera no Lugar Santo (2 Rs 21.1-9; Jr 32.34). Consequentemente, pouco antes de seu arrependimento e morte, seu próprio filho restaurou os altares de Baal e as imagens de Asera. Contudo, como nos dias de Elias no Reino do Norte (1 Rs 19.18), também durante os reinados dos reis ímpios de Judá Deus parece ter conservado um remanescente justo que se recusou a dobrar os joelhos diante de Baal. O tipo de idolatria mais deplorável era aquele dirigido pelos falsos profetas, que como líderes da apostasia juntaram-se a sacerdotes corruptos (2 Rs 23.5) e profetizavam por Baal e seguiam "coisas de nenhum proveito", isto é, ídolos desprovidos de qualquer poder (Jr 2.8, cf. 2 Cr 15.3). Parece ter havido algumas tentativas de adorar ao Deus verdadeiro sob imagens idólatras e uma contaminação da verdadeira adoração com rituais idólatras (2 Rs 17.32; 18.22; Jr 41.5). Naturalmente, o casamento com pessoas oriundas de nações idólatras era quase sempre o primeiro passo em direção à idolatria (Êx 34.14-16; Dt 7.3,4; Ed 9.2; 10.18; Ne 13.23-27).
Ezequiel descreve um recinto de imagens em Jerusalém (Ez 8.7-12) que era sem dúvida alguma proveniente do Egito. A serpente de bronze parece ter se tornado um ídolo, e o povo lhe oferecia incenso (2 Rs 18.4). Até mesmo a adoração a Moloque foi algumas vezes restaurada (2 Rs 17.17), embora a prática de lançar seus filhos ao fogo fosse basicamente revoltante para a mente do povo hebreu. O exílio babilónico veio como uma repreensão direta à idolatria do povo hebreu (Jr 29.8-10), como Deus havia prevenido nos dias de Ezequias (Is 39.6).
Nos tempos pós-exílicos, especialmente sob o governo de Alexandre e seus sucessores, os judeus mais uma vez depararam com a questão da idolatria (1 Mac 1.41-50,54-64). É bom lembrar, para crédito deles, que muitos judeus desse tempo escolheram a morte ao invés da idolatria (1 Mac 2.23-26,45-48). Mais tarde, a águia de ouro de Herodes, colocada acima de uma das portas do santuário, provocou uma tempestade de protestos (Josefo, Ant. xvii.6.3).

A Avaliação do Novo Testamento

Os primeiros cristãos inevitavelmente entraram em contato com a idolatria gentílica (At 17.16). Assim, eles frequentemente tinham que encarar questões relacionadas aos alimentos e à carne oferecida aos ídolos durante as festividades (At 15.20; 1 Pe 4.3; Ap 2.14,20), especialmente em Corinto (1 Co 8; 10). Idólatra é o nome dado àquele que adora deuses pagãos e ídolos pessoais no NT (1Co 5.10,11; 6.9; 10.7; Ap 21.8; 22.15). A idolatria é especificamente equiparada à cobiça, que faz do dinheiro um deus, e torna o homem infiel em sua mordomia (Mt 6.24; Lc 16.13; Cl 3.5; Ef 5.5). As advertências contra a concupiscência maligna certamente não se referem apenas à idolatria no ambiente dos primeiros cristãos, mas também à nossa era, que é obcecada por sexo (Gl 5.19,20; Fp 3.19; cf. Rm 16.18). A fonte da idolatria é basicamente um coração impuro e uma vontade impura (Rm 1.21). Paulo concorda com Isaías quando diz que o homem degenerou-se no paganismo ao invés de se desenvolver e abandoná-lo (cf. Rm 1; Is 44). Portanto, ele ordena que os cristãos fujam da idolatria (1 Co 10.14). João faz a mesma advertência (1 Jo 5.21).PFEIFFER .Charles F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 944-948.

I João 5. 21. Em sua última sentença, em lugar de alguma despedida formal, João emprega outra vez a sua terna e afetuosa forma de tratamento, “filhinhos, que não ocorria desde 3:8. A sua exortação final se baseia nas três grandes certezas que acabou de exprimir. O dever, guardai-vos dos ídolos, surge naturalmente da condição e caráter do verdadeiro cristão, que ele esteve expondo. O Filho de Deus o guardará (18), mas isto não o isenta da responsabilidade de guardar-se. Quanto a estas duas formas de guarda, a dele e a nossa, ver Jd 21,24. De fato, o verbo aqui não é tSrein (como no v. 18), mas phulassein. Significa propriamente “vigiar”, “proteger” (assim na RV), e David Smith demonstra que ele é empregado com referência a proteger “um rebanho (Lc 2:8), um depósito ou encargo (1 Tm 6:20; 2 Tm 1:12,14), um prisioneiro (At 12:4)”.
A que ídolos João se refere só podemos conjeturar. Talvez esteja proferindo somente uma advertência geral de que o conhecimento do verdadeiro Deus e a comunhão com Ele são incoerentes com o culto a ídolos. Ou talvez esteja empregando a palavra “ídolos”, como o fez Platão, com referência às ilusões dos sentidos em oposição à realidade última. Neste caso, João está dizendo: “Não abandoneis o real pelo ilusório” (Blaiklock). Mas a posição do artigo definido (apo tõn eidõlõn, “dos ídolos” ou “dos vossos ídolos”) sugere que ele tinha em mente algum perigo particular. Talvez estivesse pensando nas idolatrias pagãs de que Éfeso estava repleta naquela época. (Assim Barclay.) É mais provável, porém, que a alusão seja às “errôneas imagens mentais modeladas pelos falsos mestres” (Brooke), que, por seu falso conceito do Filho, e portanto do Pai, constituíam monstruosa idolatria. Isto pode explicar o “peremptório imperativo aoristo” (Brooke, phulaxate). J oão estava escrevendo em tempo de crise. “A heresia de Cerinto era um ataque desesperado, exigindo uma repulsa decisiva” (Smith). O que é certo é que todos os “substitutos de Deus” (Dodd) são propriamente “ídolos”, que deles o cristão deve guardar-se vigilantemente.
O culto a ídolos, irreal e morto, é incoerente e incompatível com aquele conhecimento do verdadeiro Deus, que é a vida eterna, exatamente como o pecado e o egoísmo são incompatíveis com o conhecimento de Deus que é luz e amor. É esta incompatibilidade, esta incongruência, do pecado, falta de amor e erro, com o verdadeiro cristão, que constitui o tema subjacente à epístola. Que o cristão reconheça de uma vez quem ele é, o que veio a ser, “nascido de Deus”, “de Deus”, que tem conhecimento de Deus, que está “em Deus”, que é possuidor da “vida eterna” em Cristo (todas estas expressões características ocorrem nestes versículos finais), e certamente levará uma vida coerente com a sua posição cristã e digna dela.John R. W. Stott. I II III João Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 168-169.

Aviso de João de concluir, Filhinhos, guardai-vos dos ídolos, reflete a importância crucial de adorar o verdadeiro Deus exclusivamente. O perigo da idolatria era especialmente grave em Éfeso (onde João provavelmente escreveu esta epístola), centro do culto da deusa Ártemis (Diana). Algumas décadas antes, o ministério do apóstolo Paulo teria iniciado um motim por seus adoradores zelosos (Atos 19:23-41). Mas o perigo não estava confinado a Éfeso, como a advertência de Paulo aos Coríntios: "Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios, você não pode participar da mesa do Senhor e da mesa dos demônios" (1 Cor. 10:21), indica. Embora poucos em nossa cultura contemporânea adoram ídolos físicas, a idolatria é generalizada, no entanto. Qualquer coisa que as pessoas elevar acima de Deus é um ídolo do coração. Cada "coisa sublime que se levante contra o conhecimento de Deus" (2 Coríntios. 10:5) deve ser destruída, e só Cristo exaltado.
Em um mundo escuro cheio de incertezas, os cristãos têm a certeza gloriosa com base em revelação divina "a palavra profética fez mais certeza ... uma lâmpada que brilha em lugar escuro" (2 Pedro 1:19). Enquanto o mundo tropeça cegamente na escuridão (Jr 13:16), a Palavra de Deus é para os santos "lâmpada para os pés [sua] e luz para o [seu] caminho" (Sl 119:105), porque "o mandamento é uma lâmpada e do ensino é luz "(Provérbios 6:23).JOHN MACARTHUR, JR. Novo Testamento Comentário I II II João Comentário Expositivo.

3. A idolatria no coração.
CORAÇÃO
I. Uso Geral

Coração. Nas páginas da Bíblia, tanto no Antigo como no Novo Testamentos, é o vocábulo mais completo para indicar todas as faculdades humanas, como os sentimentos (ver Rom. 9:2), a vontade (ver I Cor. 4:5) e o intelecto (ver Rom. 10:6). e assim apontado o homem interior, o homem essencial, aquela porção da personalidade humana que possui os meios naturais através dos quais todo o homem deveria elevar seu conhecimento de Deus a níveis mais altos, em gratidão. Todavia, é justamente o coração que se toma obscurecido. O «coração» pode ser o lar do Espírito Santo (ver Rom, 5:5), ou a maldade pode dominar ali (ver Rom, 1:24). A passagem de Mar. 7:21 e ss , alista os vicias que podem proceder do homem interior, ali também chamado de -coração».

II. A Prevenção de

Rom. 1:21 descreve de forma abreviada como as faculdades naturais do homem, que lhe permitem vir a conhecer a Deus e a ter comunhão natural com ele, foram pervertidas, através de uma degeneração progressiva, mediante a rejeição proposital do conhecimento de Deus e da distorção da verdade, tudo o que faz parte do misterioso e primeiro deslocamento do homem para fora da harmonia original que ele desfrutava com Deus.
O homem só tem razão quando pensa corretamente, e só pensa corretamente se está em harmonia com o Criador.Antes se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, Rom, 1:21. A palavra nulos, neste caso, significa «inúteis» «vãos", «vazios». «A compreensão humana foi reduzida a trabalhar em um 'vácuo'. De certo modo se tomou fútil•. (Godet em Rom, 1:21).

Ou, conforme diz Vincent. «Suas ideias perderam o valor intrínseco, correspondente à verdade». O vocábulo vaidade, nos contextos judaicos (o que também deve ser verdade nos escritos de Paulo), diz respeito as práticas e tendências idólatras dos homens, os quais loucamente, em lugar do Deus vivo, colocam alguma outra coisa, usualmente uma imagem de escultura, feita por seus pr6prios dedos, ainda que isso também possa ser expresso na forma da adoração aos corpos celestes, em lugar de adoração ao próprio criador dos corpos celestes, Raciocínios. - Alguns intérpretes preferem a tradução alternativa - imaginações - o que se referia à intranquilidade da mente depravada, que começa por inventar ideias, por especular, por raciocinar, mas tudo com resultados negativos, pervertendo tão somente qualquer luz à verdade que porventura já possua. ~ a «verdade humana» que os homens substituem pela «verdade de Deus». A verdade dos homens leva os homens à perversão moral, conforme se vê tão patentemente no nosso mundo atual. Os males, portanto, exercem um efeito cumulativo, e isso concorda com a experiência humana.
Tudo isso esclarece por quais razões e como os homens são inescusáveis. Os pr6prios homens fizeram descer o dilúvio sobre eles, e isso deu inicio a um espírito de ingratidão.«A injustiça deles consiste nisso – imediatamente afogaram, por sua própria depravação, a semente do correto conhecimento, antes que esta pudesse amadurecer•. (Calvino).
Quanto a essa verdade bíblica podemos examinar um trecho paralelo no livro ap6crifo de Enoque 99:8,9, onde também se reflete a ideia e a mentalidade judaica sobre essa questão: «E eles 'os homens' tornar-se-ão limpos em razão da insensatez de seus corações e seus olhos serão cegos pelo temor que haverá em seus corações, bem como através das visões de seus sonhos. Mediante essas coisas se tomarão ímpios e temerosos, porquanto fazem todas as suas obras na mentira, e adoram um pedra.

III. A Variedade de uso da Palavra

1. Como paralelo de «inteligência» (ver Rom. 1:21: II Cor. 3:15; 4:6 e Efé. 1:18).
2. Como equivalente a -escolhe morab (ver I Cor. 7:37 e n Cor. 9:7).
3. Como algo que dá impulso e caráter às ações (ver Rom. 6:17; Efé. 6:6: I Cor. 3:3; I Tim. 1:5 e 11 Tiro. 2:22). A obra da lei está escrita no coração do homem (ver Rom. 2:15). A igreja em Corinto foi inscrita como epístola de Cristo, em corações de carne (ver II Cor. 2:23).
4. Especificamente, o coração é a sede do Espirito divino (ver Gál. 4:6; Rom. 5:5; 11 Cor. 1:22). Essa é a esfera das diversas operações, orientações, consolos e confirmações do Espírito Santo (ver Fil. 4:7;: Cal. 3:15: I Tes. 3:13; 11Tes. 2:17 e 3:5). O coração igualmente a sede da fé e o 6rgão do louvor espiritual'.
(ver Rom. 10:9;'Efé. 5:19; Col. 3:16).
5. O coração equivale ao homem interior (ver Efé. 3:16,17).
Assim, pois, podemos falar sobre o homem essencial, o homem real, que é a alma humana, em contraste com o mero homem físico, o homem animal.CHAMPLIN, Russell Norman, Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 1. Editora Hagnos. pag. 899.

Ez 14.3 Filho do homem. O profeta é assim chamado por Yahweh, cada vez que uma mensagem é dada. Ver este título em Eze. 2.1.Estes homens levantaram os seus (dolos dentro em seu coração. Os líderes que consultaram o profeta não tinham coração puro. De fato, retinham uma idolatria doentia no espírito, mesmo que não adorassem ídolos crassos em lugares públicos. Não se tinham voltado para o culto de Yahweh. Não obedeceram à lei de Moisés, o guia de Israel (Deu. 6.4 ss.). Não eram distintos das nações pagãs (Deu. 4.4-8). Ainda amavam seus ídolos, as bolas de esterco, expressão usada 39 vezes neste livro. O amor aos ídolos foi um impedimento para aqueles ímpios, que continuaram pecando aberta e vergonhosamente. Eles viviam uma farsa, pois os terrores da Babilônia não os curaram. Cf. Eze. 7.19-20 e Amós 4.4-5. Ver também Jer. 2.25. Como a esposa de Ló, eles também desejaram os velhos caminhos pecaminosos. Não receberam nenhuma comunicação divina. Yahweh não podia recebê-los ou abençoá-los. Aqueles homens eram doentes, espiritualmente falando; eram rebeldes, idólatras, apóstatas e reprovados.
Ez 14.4 Assim diz o Senhor Deus: Qualquer... que levantar os seus ídolos dentro em seu coração. Adonai-Yahweh (o Soberano Eterno) deu respostas duras àqueles atores. Eles eram idólatras de coração: sem coragem de estabelecer cultos públicos de idolatria, mantinham altares idólatras em seu íntimo. O Soberano, no exercício de Sua providência negativa, castigaria sem misericórdia esses tais. A espada os tinha seguido até o cativeiro (Jer. 9.16). Ver também Eze. 12.14.

Eu, o Senhor... lhe responderei segundo a multidão dos seus ídolos. Adonai- Yahweh daria a eles uma resposta severa que eles não gostariam de ouvir. Era a palavra da aniquilação. O Targum fala aqui da palavra de misericórdia, mas esta interpretação não faz sentido no presente contexto. Os idólatras tolos sofreriam por causa de sua tolice. As palavras de terror se tomariam experiências de terror.
Ez 14. 7 Qualquer homem da casa de Israel, ou dos estrangeiros que moram em Israel, que se alienar... Este versículo é uma duplicata do vs. 4, onde há uma exposição. Aqui, todavia, aprendemos que os adeptos do judaísmo incluíram “estrangeiros”. Esta palavra se refere aos prosélitos do judaísmo, que eram das nações pagãs. Qualquer homem, nativo ou estrangeiro (convertido), que se apresentasse como seguidor de Yahweh, mas praticasse a idolatria, seria rejeitado por Ele. Um julgamento angustiante cairia sobre os nativos e estrangeiros. Todos eram hipócritas, ímpios e depravados. Adonai-Yahweh, o Soberano Eterno, acabaria com todos. Ver Lev. 17.8-9, que fala dos prosélitos do judaísmo. A condição de conversão era a obediência à lei de Moisés. Nem mesmo os judeus nativos cumpriram essa condição, no tempo de Ezequiel.CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 3231-3232.

Estas palavras foram dirigidas a um grupo específico de anciãos que se assentaram diante de Ezequiel (cf. 8:1; 20:1). Tinham chegado, presumivelmente, na esperança de ouvir algum oráculo acerca da duração do seu exílio, ou acerca da situação da pátria, em Jerusalém. O oráculo foi dado, mas não foi aquilo que esperavam.
3. Note a expressão de desprezo: estes homens. A acusação contra eles é que se deixaram afetar pelo seu meio-ambiente babilônio e com os atrativos da sua religião idólatra. Nada mudara extremamente na sua lealdade ao Senhor, mas tomaram ídolos dentro em seu coração e, ao assim fazerem, colocaram diante de si mesmo a pedra de tropeço que os levaria a cair na iniqüidade. A frase: tropeço para a iniqüidade, é peculiar a Ezequiel (7:19; 14:3, 4, 7; 18:30; 44:12) e geralmente se refere aos ídolos, os quais o profeta reconhecia como sendo supremamente “a ocasião para pecado” ao seu povo. O Senhor exige uma lealdade exclusiva, interna quanto externamente, da parte do Seu povo, e aqueles que O consultam ou oram a Ele, enquanto acalentam outros deuses no seu coração, não serão ouvidos (cf. SI 66:18).
4. Em lugar de uma resposta, Deus dá ao profeta um oráculo de julgamento que coloca em termos gerais (Qualquer homem da casa de Israel que...) aquilo que acontecerá quando o homem de lealdade dividida inquirir de um profeta verdadeiro. Nenhum oráculo será dado, mas eu, o SENHOR... lhe responderei, com ações e não com palavras. As palavras têm um som sinistro, e o v. 8 narra mais acerca do seu significado, mas o alvo final é expressado de modo positivo nos w. 5 e 11.0 Senhor pretende captar os corações do Seu povo alienado, de modo que este possa tornar-se Seu povo na realidade.John B. Taylor. ÊXODO Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag.  115.

Êx 20.3 Primeiro Mandamento:

Não terás outros deuses. Temos aqui a regra do monoteismo (ver a respeito no Dicionário). Neste ponto, o monoteismo substitui todas as outras possíveis noções de Deus. Todavia, não basta acreditar na existência de um Deus. Esse Deus único precisa ser reconhecido e obedecido como a autoridade moral de todos os atos humanos. Também só há um Deus no atinente à questão da adoração e do serviço espirituais. O Deus único merece toda honra. Isso labora contra 0 panteísmo e todo 0 seu caos. Este último adiciona muitas informações àquilo que comentamos aqui. Ver também Êxo. 23.13.
A nação de Israel estava cercada por povos que eram leais a um número impressionante de divindades. As pragas do Egito tinham mostrado que só Yahweh é Deus (ver Êxo. 5.2 e 6.7). Há uma profunda verdade na ideia que um homem só pode adorar a um Deus. Jesus abordou essa questão em Mateus 6.24. Os homens adoram aquelas coisas que lhes parecem importantes, incluindo o dinheiro. Há deuses externos e internos. Mas todos eles são deuses falsos.
Os vss. 4-6 descrevem e ampliam o primeiro mandamento. Os católicos-romanos e os luteranos (e também muitos intérpretes judeus) pensam que esses versículos formam, conjuntamente, o primeiro mandamento. Mas a maioria dos outros grupos protestantes e evangélicos fazem desses versículos um mandamento distinto.

Yahweh é um Deus zeloso que não tolera rivais (vs. 5; 34.14). Naturalmente, temos nisso uma linguagem antropomórfica. Ver no Dicionário 0 artigo Antropomorfismo. Divindades rivais seriam algo contrário ao caráter único de Deus. E um deus que não é único não é 0 verdadeiro Deus. Ver os vss. 22,23. A desobediência ao primeiro mandamento foi a principal razão dos cativeiros (ver a esse respeito no Dicionário) que, finalmente, Israel sofreu.CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 388.

Reconhecendo o único e verdadeiro Deus (w. 1-3). A expressão "o Senhor, teu Deus" é repetida cinco vezes nessa passagem (vv. 2, 5, 7, 10, 12), a fim de lembrar o povo da autoridade por trás desses mandamentos.Moisés não está relatando "dez opiniões" que ouviu de um conselheiro amigável, mas sim dez mandamentos proferidos pelo Deus Todo-Poderoso. Os hebreus viviam num mundo de nações cegas e supersticiosas, que adoravam a muitos deuses, algo que Israel presenciou durante séculos no Egito. Israel devia ser testemunha do verdadeiro Deus vivo (S I 115) e convidar os povos vizinhos a confiar nele. A expressão "diante de mim" pode significar "em oposição a mim". Para os israelitas, adorar a outro Deus seria o mesmo que declarar guerra a Jeová e atrair sobre si a ira de Deus. A cada manhã, o judeu fiel declara: "Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor " (Dt 6:4).WIERSBE. Warren W. Comentário Bíblico Expositivo. A.T. Vol. I. Editora Central Gospel. pag. 289.

O Primeiro Mandamento: Não Ter Outros Deuses (20.3)

O versículo 2 é a introdução do primeiro mandamento. Deus identifica quem tirou os filhos de Israel da servidão egípcia: O SENHOR. Visto que ele os libertara e provara que era supremo, eles tinham de torná-lo seu Deus. Não havia lugar para competidores.

Todos os outros deuses eram falsos.

Diante de mim (3) significa “lado a lado comigo ou além de mim”. Deus não esperava que Israel o abandonasse; Ele sabia que o perigo estava na tendência de prestar submissão igual a outros deuses. Este mandamento destaca o monoteísmo do judaísmo e do cristianismo.
“O primeiro mandamento proíbe todo tipo de idolatria mental e todo afeto imoderado a coisas terrenas e que podem ser percebidas com os sentidos.”21 Não existe verdadeira felicidade sem Deus, porque Ele é a Fonte de toda a alegria. Quem busca alegria em outros lugares quebra o primeiro mandamento e acaba na penúria e em meio a acontecimentos trágicos.Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 189. estudaalicao.blogspot.com
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.