domingo, 4 de junho de 2017

Subsidio Betel adultos a soberba e o orgulho n.11


    SUBSIDIO ADULTOS BETEL A SOBERBA E ORGULHO N.11


                         Professor Escritor Mauricio Berwald

Orgulho vai antes da destruição, e um espírito altivo antes de uma queda.11: 2 ; 17:19 ; 18:12 ; 29:23 ; Esther 3: 5 ; 6: 6 ; 7:10 ; Isaías 2: 11,12 ; Isaías 37: 10-13,38 ; Daniel 4: 30-37 ; 5: 22,24 ; Obadiah 1: 3,4 ; Mateus 26: 33-35,74 ; Romanos 11:20 ; 1 Timóteo 3: 6

                   PROVÉRBIOS 16.18 COMENTARIO NOTAS (1)

O orgulho vai antes da destruição ... Como fez nos anjos que pecaram, que, por meio do orgulho, caíram em condenação, não podendo suportar o pensamento de que a natureza humana, na pessoa do Filho de Deus, deveria ser Avançado acima deles; E, assim como nos nossos primeiros pais, que não se contentaram com o estado e as circunstâncias presentes, e ambiciosos de ser como deuses, sabendo o bem e o mal, arruinaram-se e toda a sua posteridade; E como tem feito em muitos de seus filhos, como em Hamã, Nabucodonosor e outros;E um espírito altivo antes de uma queda ; Ou "um espírito alto", ou "altura do espírito"F9; Um homem que carrega a cabeça alta; Olha para cima e não para as suas saídas, não vê o que ele pode tropeçar, e assim cai: além disso, quanto maior a pessoa ou coisa é, maior é a queda; E muitas vezes quando um homem atingiu o auge de suas riquezas e honra, e está inchado de orgulho e vaidade por causa disso, ele está no precipício da ruína, e sua queda é imediata; Que foi o caso de Nabucodonosor, que enquanto ele se expressava na altivez de seu espírito, estando no auge de sua glória, seu reino se afastou dele, Daniel 4:30 ; E este será o caso do homem do pecado, ou anticristo, Apocalipse 18: 7 .


PROVERBIOS 16.18 COMENTARIO NOTAS (2)

Nota: 1. Orgulho terá uma queda. Aqueles que são de um espírito arrogante , que pensam em si mesmos acima do que se encontra e olham com desprezo para os outros, que com seu orgulho afrontar Deus e inquietar os outros, serão derrubados, seja pelo arrependimento ou pela ruína. É a honra de Deus humilhar os soberbos, Jó 40:11 Job 40:11 , Jó 40:12 Job 40:12 . É o ato de justiça que aqueles que se levantaram devem ser baixos. Faraó, Senaquerib, Nabucodonosor, foram exemplos disso. Os homens não podem punir o orgulho, mas quer admirá-lo ou temê-lo, e, portanto, Deus tomará a punição dele em suas próprias mãos. Deixe-o sozinho para lidar com homens orgulhosos. 2. Os homens orgulhosos são freqüentemente mais orgulhosos e insolentes e altivos, pouco antes de sua destruição, De modo que é um certo presságio que eles estão à beira disso. Quando os homens orgulhosos definem os juízos de Deus em desafio, e se pensam a melhor distância deles, é um sinal de que eles estão na porta; Testemunhar o caso de Benhadad e Herodes. Enquanto a palavra estava na boca do rei, Daniel 4:31 . Portanto, não possamos temer o orgulho dos outros, mas tememos muito o orgulho em nós mesmos.Daniel 4:31


PROVERBIOS 16.18 COMENTARIO NOTAS (3)

Antes de relatar os castigos que Deus lhe enviara por causa do seu orgulho, Nabucodonosor menciona a justa advertência que havia recebido antes da sua chegada e o devido cuidado que poderia ter tomado para evitar esses castigos. Mas, antes que acontecessem esses castigos, o rei já havia sido avisado sobre a questão deles. Desse modo, quando realmente lhe fossem aplicados, ele poderia compará-los com a sua previsão e ver e dizer que eram obra do Senhor, e ser levado a crer que existe uma revelação divina no mundo, assim como uma divina Providência, e que as obras do Senhor fazem parte desse mundo e o beneficiam. Agora, no relato que está fazendo sobre o seu sonho, através do qual tomou conhecimento do que iria acontecer, podemos observar:

I O momento em que esse alarme lhe foi dado (v. 4).

 Quando estava descansando em sua casa e florescendo no seu palácio. Fazia pouco que havia conquistado o Egito e, com isso, havia completado suas vitórias e terminado suas guerras, tornando-se rei de todas essas regiões do mundo. Isso aconteceu aproximadamente no trigésimo quarto ou trigésimo quinto ano do seu reinado (Ez 29.17). Então, ele teve esse sonho, que se cumpriu cerca de um ano depois. Sete anos durou sua perturbação mental, e foi depois de recuperado que escreveu essa declaração. No entanto, ele morreu dois anos depois, isto é, quando tinha quarenta e cinco anos. Ele sentiu um longo cansaço depois das suas guerras, havia realizado uma tediosa e perigosa campanha nos campos de batalha, mas agora estava finalmente descansando na sua casa, sem nenhum adversário ou qualquer concorrente maldoso. Note que Deus pode alcançar o maior dos homens com os seus terrores, mesmo quando eles se sentem mais seguros e acreditam estar descansando e florescendo.

II A impressão que o sonho causou sobre ele (v. 5): “Tive um sonho, que me espantou”. 

Poderíamos pensar que poucas coisas seriam capazes de assustá-lo, pois havia sido um homem de guerras desde a sua juventude,acostumado a enfrentar os perigos da guerra sem se alterar. No entanto, quando Deus quer, até mesmo um sonho é capaz de aterrorizar um homem como esse. Não há dúvida de que a sua cama era macia, confortável, e muito bem guardada. Apesar disso, os pensamentos que teve sobre essa cama trouxeram a ele grande preocupação. 

As visões da sua cabeça e as criaturas da sua própria imaginação, tudo isso o deixaram transtornado. Note que Deus pode fazer com que até mesmo os grandes homens se sintam preocupados, mesmo quando dizem à sua alma: “Não se importe. Coma, beba e alegre-se”. Ele pode fazer com que aqueles que perturbaram o mundo e atormentaram a milhares de pessoas sejam seus próprios algozes e atormentadores, e aqueles que foram o terror dos poderosos, se tornem um terror para eles mesmos. Pela consternação à qual foi levado por esse sonho, e pela impressão que lhe causou, ele percebeu que não se tratava de um sonho comum, mas que havia sido enviado por Deus com uma missão especial.

As consultas que, em vão, ele fez a seus mágicos e astrólogos a respeito do significado desse sonho. 

Ele não havia esquecido o sonho, como acontecera anteriormente, no capítulo 2. Esse sonho estava suficientemente claro em sua mente. Sendo assim, o rei queria saber a sua interpretação e o que estava sendo previsto através dele (v. 6). Todos os sábios da Babilônia foram imediatamente convocados, sim, todos aqueles que eram suficientemente tolos para fingir que eram mágicos, adivinhos, inspetores das entranhas dos animais, ou observadores das estrelas. Através de todas essas feitiçarias eles tentavam predizer as coisas futuras. Todos eles deveriam vir juntos para ver se algum deles, ou em conjunto, poderia fazer suas consultas e interpretar o sonho do rei. E provável que, em algum caso parecido, algumas dessas pessoas tivessem dado ao rei algum tipo de satisfação e que, através das regras da sua arte, tivessem respondido às perguntas do rei deixando-o satisfeito com respostas certas ou erradas, que mais tarde se cumpririam ou não. Mas agora as suas expectativas foram frustradas. Ele contou a respeito do seu sonho (v. 7). 
No entanto, eles foram incapazes de interpretá-lo, embora tivessem se gabado com grande segurança (cap. 2.4,7) de que caso tivessem sido consultados, seguramente teriam sido capazes de interpretá-lo. Mas a chave para esse sonho era uma profecia sagrada (Ez 31.3ss) onde, por causa do seu orgulho, os assírios, como Nabucodonosor, são comparados a uma árvore cortada. Esse era um livro que eles não tinham estudado e do qual não tinham tomado conhecimento. Caso contrário, poderiam ter penetrado no mistério desse sonho. A Providência havia organizado esse sonho de maneira que a princípio eles ficassem perplexos, e que a interpretação posterior de Daniel pudesse redundar em glória para o seu Deus. Havia se cumprido, agora, aquilo que Isaías havia previsto (cap. 47.12,13), isto é, que quando a ruína da Babilônia estivesse se aproximando, os seus encantos e feitiçarias junto com os seus astrólogos e leitores de estrelas, não seriam capazes de lhe prestar qualquer serviço.(HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Antigo Testamento Isaías a Malaquias. Editora CPAD. pag. 487.)


     Exemplos negativos de pessoas que se tornaram soberbas

A Bíblia não conta apenas as vitórias e conquistas dos homens, mas revela suas fraquezas e derrotas para que se aprenda lições que envolvem nossas relações com Deus e com as pessoas.

Nabucodonosor é o grande exemplo do perigo da arrogância. Por esta causa ele perdeu seu trono e seu reino. A soberba é um dos pecados do espírito humano que afeta diretamente a soberania de Deus. Por causa da sua arrogância contra o Cetro do Deus Altíssimo, Nabucodonosor, assim como a árvore do sonho, foi cortado até a raiz (v. 18). A profecia cumpriu-se integralmente na vida de Nabucodonosor, e ele, depois de humilhado, perdeu a capacidade moral de pensar e decidir porque seu coração foi mudado, de “coração de homem”(v. 16) para “um coração de animal”. A punição levaria “sete tempos” (v. 16). Na linguagem bíblica, sete tempos equivalem a sete anos em que o monarca da Babilônia estaria agindo como um animal do campo em total demência racional. A estupidez da experiência amarga de Nabucodonosor foi demonstrada por uma licantropia, ou seja, ele foi dominado por uma insanidade sem precedente. Passou a agir como um animal do campo, tendo o seu corpo molhado pelo orvalho do céu e com um comportamento irracional, comendo a erva do campo (Dn 4.25). Esse estado de decadência do rei foi resultado de sua soberba que o levou a perder o reino e o trono e a Babilônia esteve em decadência política.

O Rei Hewdes é outro personagem que se destaca na Bíblia por sua soberba. Ele era neto de Herodes, o Grande, e seu nome era Agripa I que governou a Palestina nos anos 37-44 d.C., mas foi o imperador de Roma que lhe deu o título de rei sobre Israel. Ele não gozava de aprovação entre os judeus, porque era um homem altivo, presunçoso e teve um fim triste para a sua história. Em Atos dos Apóstolos está registrado que ele mandou matar Tiago, irmão de João, um dos apóstolos de Jesus Cristo para ganhar o coração de judeus inimigos dos cristãos naqueles primeiros dias da Igreja (At 12.1,2). Depois, percebendo que isto agradaria os judeus que não o recebiam bem, mandou prender outros cristãos e, principalmente Pedro, mandando-o para a prisão (At 12.3-11) quando foi libertado pelo anjo do Senhor de modo excepcional. Herodes não conseguiu matar Pedro. Mais tarde, a soberba de Herodes lhe rendeu desprezo do próprio povo (At 12.21,22). Para que todos entendessem que Deus não aceita que se zombe da sua soberania e justiça, enviou o seu anjo que “feriu-o..., porque não deu glória a Deus e, comido de bichos, expirou” (At 12.23). Ninguém usurpa a glória que só pertence a Deus, a glória de sua soberania.

O Rei Saul é outro exemplo negativo do significado da soberba.

 Foi o primeiro rei de Israel. Saul começou bem o seu reinado, até que se deixou dominar por inveja, ciúmes e, então, começou a agir irracionalmente. A presunção de se achar superior a tudo, o levou a agir com atitudes arbitrárias dentro do Palácio e nos assuntos do reino. Foram atitudes que feriam princípios morais, políticos e espirituais de Israel. Sua arrogância o fez praticar ações que não competiam à sua alçada e, por isso, foi lhe tirado a graça de Deus na sua vida. Então passou a agir irrefletidamente dominado pela soberba que fez Deus rejeitá-lo, porque sua desobediência era fruto da soberba (1 Sm 9.26; 10.1; 15.2,3,9; 15.23).
A soberba é como vírus contagiante.

A soberba é o orgulho excessivo que uma pessoa demonstra e não tem nenhum senso de autocrítica

A soberba é como uma doença contagiosa que se aloja no coração do homem e ele perde a capacidade de admitir que para viver no mundo dos homens ele precisa lembrar que o outro existe. A falta do senso de autocrítica o faz agir irracionalmente (SI 101.5; 2 Cr 26.16). A soberba é contagiosa porque contamina todo o homem (Mc 7.21-23). A Bíblia nos mostra que a soberba torna os olhos altivos (Pv 21.4) e cega a vista (1 Tm 3.6; 6.4).

A soberba foi o pecado de Lúcifer

A história de Lúcifer infere-se em dois textos proféticos de Isaías e Ezequiel nos quais, encontramos em linguagem metafórica, a história literal da queda de Lúcifer, perdendo sua posição na presença de Deus. Ele é identificado na Bíblia como Diabo, Satanás (Is 14.13-16; Ez 28.14,16). Essas duas escrituras revelam que Lúcifer perdeu seu status celestial na presença de Deus por causa da sua soberba. Por isso, a soberba é um pecado do espírito humano, que afeta diretamente as relações verticais do homem com Deus.Elienai Cabral. Integridade Moral e Espiritual. O Legado do Livro de Daniel para a Igreja Hoje. Editora CPAD. pag. 73-75.

Há uma diferença entre o tipo de orgulho que Deus odeia (Provérbios 8:13) e o tipo de orgulho que sentimos por fazer algo bem feito.

 O tipo de orgulho que surge de sermos justos aos nossos próprios olhos é pecado e Deus odeia isso porque atrapalha a nossa aproximação dEle. Salmo 10:4 explica que os orgulhosos estão tão cheios de si que seus pensamentos estão longe de Deus: “Pela altivez do seu rosto o ímpio não busca a Deus; todas as suas cogitações são que não há Deus”. Esse tipo de orgulho arrogante é o contrário do espírito de humildade que Deus procura: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mateus 5:3). Os “pobres de espírito” são aqueles que reconhecem sua falência espiritual e sua falta de habilidade de se aproximar de Deus se não fosse por Sua divina graça. Os orgulhosos, por outro lado, são tão cegos por causa de seu orgulho que acham que não precisam de Deus ou pior, que Deus deve aceitá-los do jeito que são porque eles merecem a Sua aceitação.

"A soberba precede a ruína, e a altivez de espírito precede a queda" Pv.16:18.

 Com essas palavras inspiradoras Salomão dá um xeque-mate no nosso orgulho muitas vezes escondido sobre a couraça da nossa reputação. É difícil acreditar que se é orgulhoso, mas muitas vezes se é e não se assume. Dizem que os humildes geralmente não sabem que o são, penso que o mesmo pode se aplicar aos orgulhosos.Viver numa sociedade onde o orgulho é caracterizado como um sentimento medíocre e ao mesmo tempo valorizado na nossa cultura, ainda que de forma velada, como uma característica de pessoas fortes e bem sucedidas é outro ponto que favorece tanto o desenvolvimento do orgulho, quanto o hábito de escondê-lo por debaixo de palavras insinceras.
Reconhecer o orgulho que habita em nossos corações enganosos é uma tarefa árdua e penosa. Não temos o hábito de perscrutar o nosso interior em busca de encontrar a hipocrisia inerente ao ser humano na sociedade atual. É preferível à nossa consciência deixar o hipócrita velado, escondido em falsas crenças e ações desprovidas de um significado mais profundo. Não é fácil reconhecer que se é altivo, afinal, ninguém quer assumir que acredita ser superior aos outros na presença das pessoas em questão.
Somente em certas circunstâncias é que deixamos o espírito de altivez se mostrar sem dó nem piedade. Geralmente ocorre em momentos regados pela raiva e pela decepção. E o pior é que a hipocrisia do orgulho é muitas vezes disfarçada como um combate à injustiça. Como se o nosso sentimento de injustiça justificasse nossa atitude de nos acharmos melhor que os outros. Pura hipocrisia!Por isso o sábio pontuou bem que a soberba precede a ruína e a altivez a queda. São sentimentos que nos deixam cegos em meio ao que está evidente e ainda mascaram as nossas ações como algo digno em nossos enganosos corações. Deixam aflorar o hipócrita que residia no nosso interior antes de aceitarmos a Cristo e nos lançam numa série de atitudes inconsistentes e desapontantes ao nosso Deus. Por isso a ruína anda ao derredor dos orgulhosos. Deus nos ajude a sermos humildes!
A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda." Provérbios 16:18.Pensamento: Hoje em dia, a busca pelo poder, a ambição desmedida, o desejo de levar vantagem em tudo, tornaram-se marca registrada da natureza humana. É só olhar à nossa volta. O pecado de orgulho é a força motora de todos os outros pecados. A soberba manobra o coração do adúltero; o orgulho comanda as intenções do mentiroso; a altivez dirige a vida do ladrão. Mas não se engane, atente para o que diz as escrituras, o orgulho leva à destruição, e o espírito arrogante, à ruína.Oração: Senhor Deus, não permita que a soberba e o orgulho em nenhum momento estejam presentes em minha vida. Me perdoa se eu cometi um destes pecados, e livra-me da queda. Me ajuda, a cada dia, ser mais parecido com cristo, que foi exemplo de humildade, e mesmo sendo Deus, chegou a lavar os pés da sua propria criação. Obrigado Deus. Eu oro em nome de Jesus. (Coment.Albert Barnes).
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.