domingo, 3 de janeiro de 2016

Subsidio CPAD adolescentes Jesus é especial n.2

                     

                 JESUS UMA PESSOA MUITO ESPECIAL

                   SUBSIDIO  LIÇÕES ADOLESCENTES

                          1 TRIMESTRE 2016 LIÇÃO  N.2 



                                   Hebreus 1.1-8.

1 — Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho,
2 — a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo.
3 — O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da Majestade, nas alturas;
4 — feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles.
5 — Porque a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho?
6 — E, quando outra vez introduz no mundo o Primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.
7 — E, quanto aos anjos, diz: O que de seus anjos faz ventos e de seus ministros, labareda de fogo.
8 — Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos, cetro de equidade é o cetro do teu reino.

I. A CONCEPÇÃO DO FILHO DE DEUS E SEU NASCIMENTO VIRGINAL (Is 7.14; Mt 1.18-22)

1. O nascimento de Jesus. A Bíblia diz que Jesus foi concebido pelo Espírito Santo (Lc 1.31-35). O Verbo se fez carne e habitou entre nós (Jo 1.1). Ele tem as duas naturezas, a humana e a divina. Por isso, pode nos compreender, amar e nos aceitar e perdoar os nossos pecados e nos dar a vida eterna.
Por meio de seu nascimento, Jesus teve um corpo visível. Deus, o Pai, não pode ser visto (1Tm 1.17). O apóstolo João destaca que mesmo sendo invisível, Deus foi conhecido por meio de Jesus: “Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, este o fez conhecer” (Jo 1.18). A partir do nascimento de Jesus, Deus foi revelado de forma especial (Lc 7.16).
2. Jesus Cristo é Deus. Jesus é chamado na Bíblia de Filho de Deus. Ele faz parte da Trindade. Tem atributos divinos, como onisciência, onipresença e onipotência (Jo 2.24). Certa vez, quando questionado por seus acusadores sobre seus ensinos, Jesus citou Abraão como uma pessoa que viu o tempo da sua vinda e se alegrou. Seus acusadores questionaram Jesus novamente, dizendo que o Senhor tinha menos de 50 anos, e nem sequer poderia ter visto Abraão, ao que Jesus respondeu: “Antes que Abraão existisse, Eu Sou”. Essa expressão, “Eu Sou”, foi usada apenas por Deus no Antigo Testamento, e quando Jesus a utilizou, disse que era Deus. Portanto, Jesus sabia de sua natureza divina e não a escondeu daqueles que o perseguiam.

II. A OBRA SALVÍFICA DE JESUS CRISTO (Jo 1.41; 10.10; Lc 19.10)

1. Jesus fez obras prodigiosas. Ao longo de seu ministério, Jesus fez diversos milagres, o que comprova sua divindade e seu poder sobre a natureza, sobre as doenças e espíritos malignos. Ordenou uma pesca maravilhosa (Lc 5.4-6), multiplicou pães e peixes, curou diversas pessoas enfermas e ressuscitou mortos (Lc 7.11-16; 8.49-56). Todos os milagres realizados por Jesus tinham como objetivo levar o povo a crer e ser salvo. Ele declarou que veio ao mundo com a missão de salvar o que se havia perdido (Lc 19.10). Infelizmente, algumas pessoas querem ver milagres para crer no Filho de Deus, esquecendo-se de que bem-aventurados são aqueles que mesmo não vendo manifestações sobrenaturais creem no Filho de Deus (Jo 20.29).
2. Jesus morreu e ressuscitou por nossos pecados. Como um cordeiro a ser imolado, Jesus foi morto numa cruz. Ali Ele pagou a nossa dívida. Mas conforme as Escrituras afirmam, ao terceiro dia Ele ressuscitou. Essa vitória sobre a morte foi imprescindível para a nossa salvação, como diz Paulo: “E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados” (1Co 15.17). E da mesma forma que o Senhor ressuscitou, aqueles que morreram antes da sua segunda vinda hão de ressuscitar para estarem com Ele (1Ts 4.16-18).
3. Só Jesus Cristo salva. Devido ao seu pecado, o homem tornou-se inimigo de Deus e precisava de reconciliação com o Pai. Porém como se harmonizar com o Criador?
Somente o sacrifício de Jesus na cruz pode justificar o homem e aproximá-lo novamente de Deus. A sua morte expiatória trouxe salvação a todo aquele que crê. Essa salvação, que traz o perdão dos pecados e o retorno à comunhão com Deus, só poderia ser concretizada por meio do sacrifício de um cordeiro imaculado e perfeito, Jesus (Jo 1.36).

III. HERESIAS A RESPEITO DA NATUREZA DE JESUS CRISTO

1. Jesus se casou e teve filhos? Uma das heresias modernas acerca de Jesus é a que diz que o Senhor se casou com Maria Madalena e teve filhos com ela. Essa ideia está baseada na descoberta de um papiro de origem copta do século IV d.C, que traz a informação de um suposto casamento entre Jesus e uma mulher, Maria Madalena.
A Bíblia não diz que Jesus se casou e teve filhos. Se analisarmos os evangelhos, veremos que Ele teve uma vida itinerante por causa do seu ministério. Ele defendeu o casamento e condenou o divórcio, mas nenhum registro foi feito de um suposto casamento do Senhor. Seus discípulos não registram tal fato, e os pais da igreja também não falam desse assunto. Mesmo os críticos do Cristianismo consideram errado acreditar nessa ideia por estar baseada em um fragmento de papel que nem sequer foi identificado ou considerado digno de crédito.
2. Jesus não foi apenas um grande mestre moral? Há pessoas que acreditam que Jesus foi apenas um grande mestre ou no máximo um profeta. Mas Ele afirmou que era Deus (Jo 14.9). Jesus disse que era igual ao Pai (Jo 5.17.18). Jesus recebeu adoração como Deus, e seus inimigos reconheceram o teor das suas afirmações (Jo 10.33). Portanto, não se pode dizer que Jesus Cristo foi apenas um grande mestre, pois Ele afirmou que era Deus, e nos desafiou a confiar nEle para a nossa salvação.
3. Jesus foi mesmo um homem? Ao longo da história da igreja, houve quem imaginasse que Jesus Cristo não foi realmente um homem de carne e osso. Como homem, Jesus teve uma profissão secular — era carpinteiro, como seu pai, José (Mt 13.55) e pagou o tributo exigido por Roma (Mt 17.24-27). A Bíblia diz que Jesus foi um homem de carne e osso (1Tm 2.5). Ele foi batizado por João Batista (Mt 3.13-17), sentiu sono e dormiu (Mt 8.23-26), teve fome (Mt 4.2), comeu e bebeu (Mc 2.16). Como homem, após a ressurreição, Jesus desafiou Tomé a colocar o dedo nas chagas que recebeu quando foi crucificado (Jo 20.26-30).
Jesus Cristo disse que era o Filho de Deus e demonstrou sua natureza com sabedoria e poder. Ele entregou sua vida na cruz por nossos pecados, mas não foi retido pela morte, como os demais mortais. Ele ressuscitou e está assentado à destra de Deus, e um dia virá nos buscar para que vivamos com Ele na eternidade.


                                  JESUS HISTÓRICO


“No século XIX, iniciou-se uma busca pelo Jesus histórico, na tentativa — sujeita às severas pressuposições antissobrenatural da alta crítica — de destilar fatos que os estudiosos liberais pudessem aceitar, para então compilar um quadro que fosse relevante e compreensível às pessoas modernas. Tal empenho acabou por forçar uma cunha entre o Jesus histórico — que supostamente poderia ser conhecido somente através da crítica racionalística e histórica dos evangelhos — e o Cristo da fé. Este último era considerado muito maior que o histórico, porque a fé que os escritores dos evangelhos depositavam nEle os levou a apresentá-lo com base no que era pregado — o querigma — mais do que em fatos históricos (conforme os liberais os definiam)” (HORTON, Stanley. Teologia Sistemática: Uma perspectiva pentecostal. 1ª Edição. RJ: CPAD, 1996, p.302).



Nenhum comentário:

Postar um comentário