sábado, 18 de junho de 2016

O canon do novo testamento (5)


                     O CANON DO NOVO TESTAMENTO N.5




Agostinho

Agostinho foi bispo de Hipona no norte da África a partir de 395 dC até sua morte em 430 dC Ele foi um dos, se não omais, influente dos pais da Igreja. Ele foi um escritor prolífico e um dos maiores teólogos da Igreja primitiva. Ele é um dos poucos dado o título de "Doutor da Igreja". William Jurgens explica a sua importância:
Se fomos confrontados com a proposição improvável de ter que destruir completamente tanto as obras de Agostinho ou as obras de todos os outros Padres e Escritores, tenho poucas dúvidas de que todos os outros teriam de ser sacrificados. Augustine deve permanecer. De todos os Padres é Agostinho quem é o mais erudito, que tem as mais notáveis ​​conhecimentos teológicos, e que é efetivamente o mais prolífico. Se Orígenes ou Dídimo o Cego ou algum outro padre ou escritor escreveu mais de Agostinho, uma hipótese de modo algum certo-agora é de pouca importância, porque suas obras não sobreviveram ... escritos de Agostinho não são menos notável do que a vida. O corpus sobrevivendo de suas cartas é um dos mais instrutivo conhecida desde a antiguidade; eo corpus de seus sermões é o maior. Suas confissões, a fonte de tanta informação autobiográfica, é de uma forma bastante singular em seu tempo; e sua Cidade de Deus, o que poderia ser chamado de sua escrita grande e típica, constitui a mais antiga teologia conhecido da história. Mais uma vez, as suas correções é perfeitamente original, sendo um trabalho escrito no final de sua vida, em que ele pronuncia julgamento, geralmente bastante grave, sobre a eficácia individual de todos os seus escritos anteriores. De todos os Padres, nenhum escreveu tão bem ou tanto como Agostinho; e nos tempos modernos, nenhum outro foi muito escrito sobre isso. Ele era único em seu tempo, e ninguém como ele já foi visto. 
Agostinho não deixou dúvidas quanto à sua visão das Escrituras. Ele é clara e inequívoca. Seus escritos estão saturadas com citações diretas e alusões às Escrituras. Como ficará evidente no exame de seu ensino, ele acreditava que a Escritura para ser a base da Igreja e da suprema autoridade sobre ela. Poucos pais têm escrito com tanta força para o primado da Escritura, a principal razão é sua crença inequívoca na inspiração divina e infalibilidade da Bíblia.Sua posição é completamente consistente com os pais que examinamos até agora, demonstrando a opinião unânime dos primeiros Padres da Igreja para com a inspiração das Escrituras. As descrições habituais da Escritura de forma consistente enunciados pelos pais são reiteradas várias vezes por Agostinho, que ele muitas vezes é ainda mais fervorosa. Tomado como um todo, suas declarações são um poderoso testemunho da doutrina patrística de inspiração. Por exemplo, ele se refere às Escrituras escritas como santodivino, sagrado, divinamente inspirado, os oráculos divinos,  as Escrituras de Deus, falada por Deus, a palavra de Deus, Â a voz de Deus,  o rosto de Deus,  ea manifestação divina. Â  
    Sua crença na inspiração não foi principalmente porque a Igreja testemunhou para ele, mas por causa da evidência em si mesma Escritura, especialmente o cumprimento da profecia.  Essa crença implícita na inspiração das Escrituras levou à aplicação de uma série de princípios relacionados, ou seja, infalibilidade, autoridade e suficiência.Ele acreditava que tudo o que Deus tem revelado nas Escrituras é absolutamente verdadeira e completamente livre de qualquer erro, erros, contradições ou falsidades.  As Escrituras não pode errar em qualquer ponto. Eles são inspirados e infalíveis, carregam autoridade divina e, portanto, a autoridade suprema e suprema da Igreja, superando todas as outras:
Este mediador, tendo falado o que Ele julgou suficiente primeiro pelos profetas, em seguida, por Seus próprios lábios, e depois pelos apóstolos, tem além de produzido a Escritura que é chamado canônico, que tem autoridade suprema, e ao qual nos submetemos assentimento em todos os assuntos de que não devemos ser ignorantes, e ainda não é possível saber de nós mesmos.
Que Agostinho olhou para as Escrituras como a autoridade suprema para cada cristão, é visto em sua atitude para com os conselhos da Igreja e os escritos dos pais da Igreja. Ele nunca acreditou que a Igreja seja infalível. O único padrão infalível é Sagrada Escritura. Em seu trabalho, No Batismo , Agostinho escreveu que os Conselhos realizar autoridade apenas na medida em que estejam em conformidade com a verdade das Escrituras; eles podem ser corrigidos pelos Conselhos posteriores. Ele Conselhos claramente acreditavam poderia errar:
Você está acostumado, na verdade, para fazer subir contra nós as cartas de Cipriano, a sua opinião, seu Conselho; por que vos afirmar a autoridade do Cipriano para o seu cisma, e rejeita o seu exemplo quando se faz pela paz da Igreja? Mas quem pode deixar de estar ciente de que o cânon sagrado da Escritura, tanto do Antigo e do Novo Testamento, está confinado dentro de seus próprios limites, e que ele está tão absolutamente em uma posição superior a todas as cartas posteriores dos bispos, que sobre ele podemos realizar nenhum tipo de dúvida ou disputa se o que é confessadamente nele contido é certo e verdadeiro;mas que todas as cartas de bispos que foram escritos, ou estão sendo escritos, desde o fechamento do cânon, são susceptíveis de ser refutada, se há alguma coisa neles contidas, que se desvia da verdade, seja pelo discurso de alguém que passa a ser mais sábio no assunto do que eles, ou pela autoridade de maior peso e mais experiência aprendida de outros bispos, pela autoridade dos Conselhos; e, ainda, que os Conselhos próprios, que são realizadas nos vários distritos e províncias, deve produzir, além de qualquer possibilidade de dúvida, à autoridade dos Conselhos plenárias que são formados por todo o mundo cristão;e que mesmo dos Conselhos plenárias, quanto mais cedo são muitas vezes corrigidos por aqueles que os seguem, quando, por alguma experiência real, as coisas são trazidas à luz, que foram antes escondida, e que é conhecido que, anteriormente, se escondeu, e isto sem qualquer turbilhão orgulho de sacrilégio, sem qualquer sopro do pescoço através de arrogância, sem qualquer conflito de ódio invejoso, simplesmente com humildade santa, paz católica e caridade cristã? 
Ao referir-se Cipriano, do terceiro século pai Igreja Norte Africano, Agostinho estabeleceu uma distinção entre seus escritos e as Escrituras, dizendo que seus escritos eram para ser recebido como autoridade apenas quando poderia ser demonstrado que eles eram consistentes com a verdade das Escrituras. Ele claimed a liberdade de rejeitar quaisquer escritos que contradizem ou não pôde ser validado pela Escritura:
Nós não fazer injustiça a Cipriano quando fazemos uma distinção entre suas epístolas ea autoridade canônica das divinas Escrituras. Além das Sagradas Escrituras canônicas, podemos passar livremente juízo sobre os escritos de crentes e descrentes igualmente ... Por essa razão, as epístolas de Cipriano, que não têm autoridade canônica deve ser julgado de acordo com o seu acordo com a autoridade dos escritos divinos. Assim, podemos aceitar de Cipriano apenas o que concorda, e rejeitar com segurança o que não está de acordo com as Escrituras. 
Esta foi a sua posição sobre os escritos de todos os bispos da Igreja, incluindo o próprio:
Para os raciocínios de qualquer homem que seja, mesmo que eles sejam católicos, e de grande reputação, não estão a ser tratados por nós, da mesma forma como as Escrituras canônicas são tratados. Estamos em liberdade, sem fazer qualquer tipo de violência ao respeito que estes homens merecem, para condenar e rejeitar qualquer coisa em seus escritos, se por acaso veremos que eles têm entretido opiniões divergentes daquela que os outros ou nós mesmos temos, com a ajuda divina , descobriu-se a verdade. Eu lido assim com os escritos de outros, e eu gostaria que meus leitores inteligentes de lidar assim com o meu.
Tomás de Aquino reitera a mesma perspectiva, mesmo citando Agostinho de aprovação como uma autoridade de suas convicções.  É claro que Agostinho acreditava e ensinava que a autoridade da Igreja está subordinada à sua adesão à Escritura; onde ela se desvia do padrão que ela deve ser rejeitada. A verdadeira Igreja de Jesus Cristo é evidenciado pela conformidade à Escritura sozinho.  Escritura é o fundamento da Igreja:
Com a intenção de dizer, na dependência da graça de Deus, do dia do seu juízo final, e afirmá-la contra os ímpios e incrédulos, devemos antes de tudo, colocar, por assim dizer, na fundação do edifício, as declarações divinas. 
Agostinho também ensinou que a Escritura é suficiente como a fonte de toda a verdade e é o árbitro final em todas as controvérsias teológicas. Ele escreveu:
Para Sagrada Escritura põe uma regra para o nosso ensino, que não ousamos â € ~ ser sábio mais do que cabe a para ser sábio; â € ™, mas ser sábio, como o próprio diz, "até sobriedade, de acordo como até cada Deus atribuído a medida da fé '. Seja, portanto, não para mim, para ensinar-lhe qualquer outra coisa, exceto para expor-lhes as palavras do Mestre, e para tratar deles como o Senhor tem dado a mim.  Â 
De acordo com Agostinho, tudo o que é suficiente para a salvação está contida nas Escrituras, o que significa que não existem verdades necessárias para a salvação e transmitida de Cristo à Igreja através dos apóstolos que são independentes das Escrituras. Tudo o que Cristo desejou para nós saber, ele comandou a ser escrito, e que foi escrito é suficiente para a salvação. 
    vista Augustineâ € ™ s da suficiência das Escrituras é visto em sua exposição do credo para os catecúmenos. Nela, ele reiterou que Cirilo de Jerusalém, Irineu e Tertuliano ensinou, que a regra de fé é derivado e provou de estar sozinho Escritura:

Receba, meus filhos, a regra de fé, que é chamado de Símbolo (ou Credo). E quando vós recebestes dele, escrevê-lo em seu coração, e se diariamente dizendo que a vós mesmos; antes de vós lho sono, antes de vós sairá, armá-lo com o seu credo. O Credo ninguém escreve assim como ele pode ser capaz de ser lido, mas para o ensaio do mesmo, a fim de que o esquecimento por acaso obliterar o cuidado livrou, deixe a sua memória ser o seu recorde-roll: o que vocês estão prestes a ouvir, que tendes vós acreditar; e que haveis de ter acreditado, que está prestes a dar a volta com a língua. Para o Apóstolo diz: "Com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação." Pois este é o Credo que sois para ensaiar e repetir em resposta. Estas palavras que ouvistes estão nas Divinas Escrituras espalhados cima e para baixo, mas lá se reuniram e reduziu em um só, que a memória de pessoas lentas pode não ser angustiados; que cada pessoa pode ser capaz de dizer, capaz de segurar, o que ele acredita. 248 
As doutrinas específicas do símbolo ou o Credo são listados por Agostinho em seu sermão sobre fé e do Credo :
Cremos em Deus Pai todo-poderoso, o criador de todas € thingsâ | Em Jesus Cristo, o Filho de Deus, o Unigênito do Pai, isto é, seu único Filho, nosso Senhor ... Quem sob Pôncio Pilatos era crucificado e buriedâ € | No terceiro dia, ele se levantou novamente a partir do deadâ € | Ele subiu ao céu ... Ele está sentado à direita do Pai ... Ele virá dali e vai julgar os vivos e os mortos. .. Nós acreditamos no Espírito Santo; os santos Churcha € |. católica, a remissão dos pecados e na ressurreição da carne
São essas doutrinas que Agostinho reivindicados são a economia de verdades da fé católica e suficiente para a salvação.  Em suas exposições destas doutrinas ele não fez nenhum apelo a qualquer fonte de autoridade que não seja a Escritura. Depois de cobrir cada ponto, Agostinho fechou com estas observações:
Esta é a fé que em poucas palavras é dada no Credo para novatos cristãos, a ser realizada por eles. E essas poucas palavras são conhecidos aos fiéis, a fim de que em acreditar que pode ser sujeita a Deus;que está sendo submetido, eles podem, com razão, viver; que, vivendo corretamente, eles podem fazer o coração puro; que, com o coração feito puro, eles podem entender o que eles acreditam.
Agostinho considerou as Escrituras a fonte de todo-suficiente para a proclamação das verdades necessárias para a salvação. Não há nada no Credo, que Agostinho acreditava resumiu a essência da fé salvadora, que não contou com o apoio da Escritura. Como vimos, esta é a mesma perspectiva realizada por Cirilo de Jerusalém. Além disso, é uma visão também expressa por Niceta de Remesiana (335A € "415)  e João Cassiano.  Todos esses pais ensinaram que a tradição, transmitida pela Igreja como resumido no Credo, continha um conhecimento suficiente da salvação e todos os mistérios da fé, e foram, por sua vez derivado completamente a partir das Escrituras. Escritura, então, é a fonte de todo-suficiente da doutrina da fé. 
    Dada a sua autoridade e suficiência, Agostinho considerou evidente que todo o ensino que não pôde ser comprovado a partir das Escrituras era para ser rejeitada. Ele exigiu a prova das Escrituras todo o ensino.  Era a evidência ou prova da Escritura que determinou a fé da Igreja:

Nossa crença é determinado ... pelas declarações das Escrituras, descansando como fazem em bases da evidência mais forte e mais seguro. 
Consequentemente, se alguém ensina alguma coisa além do que é recebido nas Escrituras, especialmente no que diz respeito ao evangelho, ele é um anátema:
Além disso, quer a respeito de Cristo, ou sobre a Sua Igreja, ou qualquer outro assunto que assumam, que está conectado com a sua fé e de vida, para não falar de nós mesmos, que não são de forma a ser comparado com ele, que disse: "Embora nós," em Seja como for, como ele passou a dizer: "Ainda que um anjo do céu vos anuncie outro evangelho a vós do que aquele que 'recebestes na Escritura legal e evangélica," seja anátema ". 
Este princípio de não violar o silêncio das Escrituras, promovendo doutrinas que não podem ser provadas a partir das Escrituras foi praticado de forma consistente pelos pais. Como vimos, é ensinado por Irineu, Tertuliano, Atanásio, Cirilo de Jerusalém, João Crisóstomo, Gregório Nazianzeno e Gregório de Nissa. Também é ensinado por Cesário de Arles, Próspero de Aquitânia,  Teodoreto e Salvian o Presbítero.
    De acordo com Agostinho, o evangelho que o apóstolo Paulo entregou à Igreja foi proferida nas Escrituras, e ai daquele que ensina tudo o que distorce ou modifica a mensagem. Por isso, em todas as controvérsias doutrinárias, dada a, natureza infalível, autoritária e suficiente inspirada da Escritura, é o árbitro final. Em sua controvérsia com os donatistas afirma este princípio de forma sucinta, quando ele diz, com efeito: "Vamos olhar para a Escritura sozinho ':

Não vamos trazer saldos fraudulentos, a que pode travar o que pesos vamos e como vamos, dizendo-nos adequar, 'Isso é pesado e isso é luz'; mas vamos apresentar o equilíbrio sagrado fora da Sagrada Escritura, como fora de casa do tesouro do Senhor, e vamos pesá-los por isso, para ver qual é o mais pesado; ou melhor, não vamos pesá-los para nós mesmos, mas ler os pesos, conforme declarado pelo Senhor.
Em sua controvérsia com os pelagianos, não era a autoridade da Igreja, mas a autoridade das Escrituras, que se estabeleceram as questões doutrinais para Agostinho:
Além disso, nos livros sagrados do cânon, a autoridade desta doutrina é vigorosamente afirmada da forma mais clara e mais completa. Os apóstolo exclama: "Por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte; e por isso passou a todos os homens, em que todos pecaram ". Agora, a partir dessas palavras, não pode certamente ser dito, que o pecado de Adão foi ferido até mesmo aqueles que cometem nenhum pecado, pois a Escritura diz: 'Em que todos pecaram. " 
Posição de Agostinho sobre a autoridade e suficiência das Escrituras é encapsulada na seguinte declaração do seu tratado, Sobre a Unidade da Igreja : '. Estas são as provas, estas fundações, estes suportes de nossa causa " 
    A evidência anterior demonstra suficientemente que Agostinho era um crente firme no princípio da Sola Scriptura, ou seja, na autoridade suprema, suficiência e primazia das Escrituras. Apesar disso, os apologistas católicos insistem que Agostinho realizada a um conceito tríplice de autoridade: a Igreja (como a autoridade máxima), Tradição e Escritura. Por exemplo, em Não por Escritura Sozinho , Joe Gallegos menciona o debate entre Maximino o Arian e Agostinho, em que Maximino sustentou que qualquer uso de termos não-bíblicos (como homoousion ) era ilegítimo, porque eles não foram encontrados nas Escrituras. Todos argumentação teve de se basear expressamente na Escritura sozinho. Gallegos argumenta que Maximino era um forte promotor da sola Scriptura e tentativas de equiparar a posição protestante com a heresia ariana. Ele diz:

Maximino insistiu em aderir à Escritura sozinho, ao longo do debate. Ele não permitiu que as fórmulas tradicionais, como o Credo de Nicéia ou 'homoousion', desde que ele não encontrá-los nas Escrituras.Portanto, o debate oral, entre Maximino e Agostinho foi baseada nas Escrituras, uma vez que esta era a única autoridade comum entre eles. No debate e das respostas de acompanhamento, Agostinho transmitiu a compreensão eclesial da Escritura e nunca vacilou da fé católica tradicional. Não surpreendentemente, Maximino concedeu a sua própria compreensão da Escritura e Arian rejeitou tradição católica. Maximino não só exibiu uma grande facilidade em lidar com as Escrituras, ele também possuía grandes habilidades de oratória. Sua destreza nas Escrituras lhe permitiu derrotar Heráclito, um discípulo de Agostinho, em debate. Esta derrota levou o bispo de Hipona a aposentadoria para debater Maximino. A primeira série de passagens inferiores são de Maximinus. Essas passagens mostram claramente insistência e confiança nas Escrituras somente Maximino ', além de qualquer marco tradicional. Ele mesmo apelos para 2 Timóteo 3:16, uma passagem favorita frequentemente usado pelos apologistas protestantes hoje, na defesa do conceito de escritura sozinho. 
Pintando Maximino como defensor da Sola Scriptura , Gallegos está procurando identificar os protestantes com o movimento herético Arian. Ele sugere que Maximino apelou às Escrituras sozinho para além de qualquer "marcos tradicionais", enquanto Agostinho apelou à tradição e à autoridade da Igreja. Mas, na verdade, Gallegos tem deturpado tanto Maximino e Agostinho. Era não Maximino que insistiu em aderir à Escritura sozinho, mas Agostinho.Embora tanto os homens recorreram a tradição, apelando para a autoridade dos Conselhos, foi Agostinho quem percebeu como isso era contraproducente e insistiu em apelar à Escritura sozinho. Aqui estão os seus comentários:
Eu não deveria, no entanto, introduzir o Concílio de Nicéia de prejudicar o caso em meu favor, nem deve apresentar ao Conselho de Ariminum assim. Eu não sou limitado pela autoridade de Ariminum, e você não é obrigado pelo de Nicéia. Pela autoridade das Escrituras que não são propriedade de ninguém, mas as testemunhas comuns para nós dois, vamos fazer a batalha com posição posição, caso a caso, a razão com a razão. 
Roland Teske, o tradutor das obras de Agostinho na série Rotelle, confirma que de fato era Agostinho, e não Maximino, que insistiu na adesão à Escritura sozinho:
Logo no início do debate, quando Maximino apela ao Conselho de Ariminum, Agostinho insiste em que ambas as partes deixar de lado os recursos para os conselhos e continuar o debate sobre a base da Escritura que ambos aceitam mais do que na base das autoridades conciliares sobre as quais eles são divididos. Maximino tinha apelado ao Conselho de Ariminum (Rimini), onde, em 359 um credo Arian foi ratificado por 330 bispos ocidentais. Foi deste conselho que Jerome escreveu: "O mundo gemeu e ficou surpreso ao encontrar-se Arian. Assim, Agostinho concorda em não apelar para o Concílio de Nicéia, como Maximino desiste de apelar para que de Ariminum, de modo que o debate continua sobre a base da Escritura comum a ambas as partes. 
Os Padres da Igreja em geral não discordar Maximino e os arianos no princípio da autoridade e suficiência das Escrituras. Como já foi documentado, os dois lados acreditavam que a Escritura continha a plenitude da revelação de Deus e que toda a formulação doutrinal deve ser validado a partir dele. No entanto, os pais não concordou com os seus adversários arianos argumentando que era não ilegítimo usar termos não bíblicos, como homoousion ea Trindade porque, embora não explicitamente encontrado nas Escrituras, os termos transmitiu conceitos claramente ensinadas lá. A verdadeira batalha na heresia ariana não tinha acabado sola Scriptura, mas sobre a interpretação. Os arianos isolado passagens bíblicas, interpretá-los fora do contexto do ensinamento mais amplo da Escritura. Eles não interpretar a Escritura à luz da sua total extensão (como Atanásio colocá-lo). Portanto, em nome da Escritura, eles introduziram ensinamentos que minaram o seu verdadeiro significado. 
Os termos introduzidos pelos pais presentes em Nicéia tornou-se tradicional e padrão para expressar a mensagem bíblica. É importante notar que esses bispos fez um grande esforço para justificar o seu uso desses termos, demonstrando que eles poderiam ser apoiada pelas Escrituras. Consequentemente, a Igreja os citou como autoritário. A interpretação dada pela Igreja foi aceita pelos pais posteriores, como Agostinho, só porque os termos foram encontrados para ter uma base bíblica sólida. Este, então, é como devemos entender o apelo dos pais, como Agostinho para a autoridade da tradição da Igreja. Gallegos tenta traçar um contraste entre Maximino e Agostinho.No entanto, a evidência histórica demonstra o contrário. Agostinho não seguir cegamente a Igreja. Ele concordou com o que havia se tornado o entendimento da Igreja da Santíssima Trindade, porque ele estava convencido de que era ensinado nas Escrituras. Voltamos novamente para a afirmação de Basílio sobre os pais:

Mas nós não descansar apenas no fato de que essa é a tradição dos Padres; pois eles também seguiu o sentido da Escritura, e começou a partir da evidência de que, algumas frases para trás, eu deduzido da Escritura e colocou diante de você.
Gallegos tem deturpado Agostinho ao não levar em conta o seu ensinamento completo sobre a Igreja e os conselhos.Agostinho acreditava que a Igreja tinha autoridade porque seu ensinamento concordou com o depósito apostólica transmitida na Escritura. Isso Agostinho e os norte-africanos não servilmente seguir a autoridade da Igreja é demonstrado de forma conclusiva no conflito entre os bispos do Norte Africano e Zósimo, o bispo de Roma, durante a controvérsia pelagiana. Em um ponto, Zósimo afirmou a ortodoxia de Pelágio e Celestius após sua condenação pelos norte-africanos por heresia, exigindo que os norte-africanos retrair sua posição e receber Pelágio e Celestius como ortodoxa. Eles se recusaram a submeter-se ao bispo de Roma, convencido de que os ensinamentos de Pelágio e Celestius foram herética porque contradiz a Escritura. Eles se recusaram a ceder à autoridade da Igreja Romana, porque, naquele momento, a autoridade da Igreja (como representado pelo bispo de Roma) estava em desacordo com as Escrituras. A autoridade das Escrituras tinha precedência sobre a autoridade do bispo de Roma. 
    Gallegos constrói um argumento espantalho contra sola Scriptura em citar Maximino. A Igreja Protestante não discordar com argumentos de Agostinho contra Maximino. Na verdade, ele rejeita os argumentos de Maximino si mesmo, ainda mantém firmemente o princípio da sola Scriptura . Onde no ensino da Trindade é que a Igreja protestante contradizer o que Agostinho chama a fé da Igreja Católica de sua época? Sola Scriptura não proíbe o uso de termos não-bíblicos para expressar o ensino das Escrituras. Os evangélicos concordam completamente com Agostinho, Atanásio e outros grandes teólogos da época patrística, que defendeu o princípio som de interpretação, que as passagens individuais devem ser interpretadas à luz de toda a Escritura. Este é o princípio da Reforma, a analogia da fé. O que fazemos rejeitar, no entanto, é a noção promovida pelos apologistas romanos que não há correlação direta entre a Igreja da época patrística e da Igreja de Roma hoje; que tudo o que a Igreja da época patrística é, Roma é e, portanto, tudo o que Roma ensina deve ser verdade. Só porque a Igreja estava certo em certas questões nos séculos IV e V, não significa que devemos seguir cegamente a Igreja de Roma, em tudo o que ela ensina hoje. A lógica aqui é distorcida. Se apologistas romanos foram consistentes eles se tornariam ortodoxos porque a tradição Agostinho citado como autoridade originou, não com Roma eo Ocidente, mas com a Igreja do Oriente, através do Conselho de Nicéia, Atanásio e, finalmente, os Capadócios. 
    Quanto a Maximino e os arianos, que é a Igreja Católica Romana, e não o protestante, que segue o seu exemplo hermenêutica. Em muitos de seus ensinamentos dogmáticos, Roma isolou Escritura de seu contexto mais amplo e dado uma interpretação dessas passagens que é antitético ao ensino geral da Escritura. Além disso, em nome da tradição e da autoridade da Igreja, Roma introduziu novos ensinamentos que são contrárias tanto a Escritura ea tradição da Igreja primitiva. Ela apela para o princípio da tradição como justificativa para seus ensinamentos atuais que realmente contradizem a tradição passado. Como Maximino, que usou o princípio da Escritura somente para apresentar os ensinamentos que eram contrárias às Escrituras, de modo que a Igreja de Roma agrada a tradição de apresentar ensinamentos que são contraditórios com tradição e Escritura. 
    Isso Agostinho acreditava na suficiência e suprema autoridade do Escrituras é também evidenciado em sua descrição de sua função e a resposta ao que ele chamou de seus ouvintes sobre eles. Quanto à função, Agostinho ensinou que o guarda Escrituras contra o erro,  habilitar os fiéis a superar a iniqüidade,  e curar as doenças da alma.  Ele exorta os seus ouvintes e leitores a conhecer os livros da Escritura, para lê-los, comprometê-los para a memória e diligentemente estudá-los. Â Eles estão a ser acreditado, sem dúvida ou hesitação,  considerado como o padrão autoritário,  recebido como verdadeiro e submetidos a como a autoridade suprema;  e abraçaram.  Agostinho acreditava que as Escrituras sejam a autoridade final para a Igreja. ADR Pohlman comenta:

Desde os seus primeiros escritos em diante, Santo Agostinho era clara e plenamente convencidos da autoridade divina da Sagrada Escritura, e reconhecida nenhuma autoridade acima dele. Em seu famoso debate com Jerome, ele observou que a Escritura deve ser colocado no mais alto pináculo da autoridade. 
Examinamos o ensino dos apologistas, Irineu, Tertuliano, Clemente de Alexandria, Orígenes, Atanásio, Cirilo de Jerusalém, João Crisóstomo, Basílio de Cesaréia, Gregório de Nissa, Gregório Nazianzeno e Agostinho. Vimos conclusivamente que tudo parecia às Escrituras como a autoridade final para a Igreja. As Escrituras eram a única fonte da verdade para a fé da Igreja e para o depósito de todo-suficiente da tradição apostólica. A tradição oral pregado pelos bispos da Igreja foi idêntico em conteúdo para o ensino das Escrituras. Nem uma doutrina necessária para a salvação tinha sido transmitida oralmente pelos apóstolos, que era independente das Escrituras. Eles foram e são, portanto, materialmente suficientes. Estes pais universalmente ensinado que todo o ensino doutrinário deve ser comprovada e validada a partir das Escrituras. Qualquer doutrina que não pode ser provado a partir das Escrituras foi rejeitado como uma falsa tradição, mesmo que possa reivindicar autoridade apostólica. Jerome resume a atitude visão geral dos Padres da Igreja, quando diz:
As outras coisas, também, que eles encontram e fingem, de si mesmos, sem a autoridade e testemunhos das Escrituras, como que por tradição apostólica, a espada de Deus [a palavra de Deus nas Escrituras] derruba. 
Escritura foi o último juiz e árbitro em todas as controvérsias doutrinárias. Os pais concordaram que a autoridade da Igreja dependia sua conformidade com as Escrituras. Além dos pais citados, há outros cujos escritos refletem essa mesma crença na autoridade, primazia e suficiência das Escrituras. Estes incluem Hipólito, Cipriano, Epifânio, Mário Vitorino, Hilário de Poitiers, Ambrósio, Jerônimo, Teófilo de Alexandria, Niceta de Remesiana, João Cassiano, Teodoreto, João Damasceno, Cirilo de Alexandria, Salvian o Presbítero, Cesário de Arles, Vicente de Lerins, Gregório Magno e Cosmus de Indicopleustus.  Anteriormente, citamos Philip Blosser:
A doutrina de que a Escritura  é suficiente para funcionar como a regula fidei â € "a regra infalível para a fé em curso e na vida da Churcha €" é da ortodoxia altamente improvável, uma vez ... não tinha zagueiro para os primeiros treze séculos da Igreja. Ele não pertence ao cristianismo histórico.
A documentação acima demonstra a falácia da afirmação de Blosser. Tais declarações manifestar uma ignorância da perspectiva patrística e medieval sobre a autoridade das Escrituras. Somente a Escritura como a regra infalível para a vida permanente e fé da Igreja era a crença universal e prática da Igreja de todos os tempos patrísticos e medievais. JND Kelly afirma isto da seguinte soma dos ensinamentos dos pais sobre a autoridade, primazia e suficiência das Escrituras:
A autoridade doutrinária supremo permaneceu, é claro, a revelação original dada por Cristo e comunicada à Igreja por seus apóstolos. Esta foi a divina ou apostólica 'tradição' (paradosis; traditio), no sentido estrito da palavra. Foi com referência a isso que Cipriano no terceiro século podia falar, de "a raiz ea fonte da tradição dominical", ou da "cabeça-fonte e origem da tradição divina", e que Atanásio no quarto poderia apontar para 'a tradição ... que o Senhor deu e proclamaram os apóstolos ", como pedra fundamental da Igreja. Que este foi incorporado, no entanto, na Sagrada Escritura, e encontrou uma saída paralela no ensino não escrito geral da Igreja e da vida litúrgica, foi tida como certa, eo uso do termo "tradição", com ou sem essas qualificações como 'eclesiástico' ou "dos pais", para descrever este último meio agora tornou-se cada vez mais comum. 
    Há pouca necessidade de me debruçar sobre a autoridade absoluta concedido a Escritura como norma doutrinária. Era a Bíblia, declarou Clemente de Alexandria por volta do ano 200, o que, tal como interpretado pela Igreja, era a fonte de ensino cristão. Seu maior discípulo Orígenes foi um biblista completo curso que apelou de novo e de novo para a Escritura como o critério decisivo de dogma. A Igreja puxou o material catequético, afirmou, desde os profetas, os evangelhos e escritos dos apóstolos; sua fé, ele sugeriu, foi reforçada pela Sagrada Escritura apoiado pelo senso comum. "As Sagradas Escrituras e inspirados", escreveu Atanásio um século mais tarde, "são totalmente suficientes para a proclamação da verdade '; enquanto seu contemporâneo, Cirilo de Jerusalém, estabeleceu que "no que diz respeito aos mistérios divinos e de poupança de fé nenhuma doutrina, porém trivial, pode ser ensinado sem o apoio das divinas Escrituras ... Porque a nossa fé salvadora deriva a sua força, . não de raciocínios caprichosas, mas pelo que pode ser provado da Bíblia ' 
    Mais tarde, no mesmo século João Crisóstomo pediu sua congregação procurar nenhum outro professor do que as palavras de Deus; tudo era simples e clara na Bíblia, ea soma ou conhecimento necessário pode ser extraído. No Ocidente Agostinho declarou que "no ensino básico das Escrituras, encontramos tudo o que diz respeito à nossa crença e conduta moral '; enquanto um pouco mais tarde, Vicente de Lerins (â € c. 450) tomou isso como um axioma o cânon das Escrituras era "suficiente, e mais do que suficiente, para todos os efeitos '... O símbolo mais evidente do prestígio desfrutado por [Escrituras] é o fato de que quase todo o esforço teológico dos Padres, se seus objetivos eram polêmicos ou construtivos, foi gasto sobre o que equivalia à exposição da Bíblia. Além disso, foi em todos os lugares um dado adquirido que, para qualquer doutrina para ganhar aceitação, teve primeiro a estabelecer a sua base bíblica.

Teólogo católico romano, Louis Bouyer, também confirma isso, ao escrever:
... É direito de insistir que este "biblicismo" estreita é de modo algum deve ser confundido com a afirmação de que a Bíblia, e em certo sentido, somente a Bíblia, é a "Palavra de Deus" mais directa e integralmente do que qualquer um suas outras expressões, uma vez que por si só é tão inspirados por Deus como para tê-lo para o seu autor. Ao fazer a sua própria esta afirmação, e dando-lhe o vigor ea ênfase tão característica da sua doutrina, os reformadores protestantes não foi além do veredicto unânime do judaísmo no Antigo Testamento, uma vez constituído, e dos Padres e teólogos sobre a Bíblia como um todo. As reservas cautelosas introduzidas pela modernos escritores católicos, como resultado das controvérsias do século XVI, não pode disfarçar o fato de que os protestantes, nas declarações positivas que nos referimos, não diga mais nada do que a tradição eclesiástica unânime ... 
    Os Padres da Igreja, Santo Agostinho, acima de tudo, eles mesmos praticaram aquela devoção derivados da Escritura, cujo ideal protestantes constantemente mantida; que mal conhecia qualquer outro. Sem dúvida, eles eram muito mais cuidado do que muitos protestantes não isolar a Palavra de Deus na sua forma resolvida da Escritura a partir de sua forma de vida na Igreja, particularmente na liturgia.Mas, essa reserva além ... eles não eram menos entusiasta, ou insistente, ou formal, em recomendar este uso da Escritura e na realmente promovê-lo. Especialmente a partir de São João Crisóstomo, pode-se montar exortações e injunções redigida em termos mais forçadas; eles têm sido muitas vezes lembrada por aqueles protestantes, a partir do século XVI em diante, a melhor fundamentada na antiguidade cristã.Seria impossível de encontrar, mesmo entre os protestantes, as declarações mais abrangentes do que aqueles em que São Jerônimo abunda: Ignoratio Scripturarum, ignoratio Christi é sem dúvida o mais lapidar, mas não necessariamente a mais explícita. 
    Além disso, neste caso, assim como quando a autoridade das Escrituras é visto como o fundamento da teologia, a prática constante da Igreja, na Idade Média, bem como nos tempos patrísticos, é um testemunho mais eloqüente do que todos os médicos. Da mesma forma que os papas, Conselhos, teólogos, sempre recorreu ao argumento bíblico como o realmente fundamental, a prática dos grandes escritores espirituais de todas as épocas atesta o carácter plenamente tradicional de uma devoção baseada na Bíblia. Escritores como eminente e influente como Orígenes, no Oriente e no Ocidente Agostinho igualmente provar a veracidade disto. Toda a sua espiritualidade em ambos os casos é apenas uma imensa meditação sobre as Escrituras. O mesmo acontece com os grandes mestres da Idade Média, que muitas vezes são discípulos de ambos, como foi São Bernardo. Podemos aplicar a eles tudo o que disse sobre o melhor da espiritualidade protestante: não só eles conhecem a Bíblia e fazer uso abundante de disso, mas eles se mudaram nele como em um mundo espiritual que formou o universo habitual de todos os seus pensamentos e sentimentos. Para eles, não era simplesmente uma fonte, entre outros, mas a fonte por excelência , em um sentido único.

Este ponto de vista é igualmente confirmada pelo historiadores GL Prestige, Â HEW Turner,Heiko Oberman, Jaroslav Pelikan, Philip Schaff, Â Ellen Flesseman-van Leer, RPC Hanson,  e Geoffrey Bromiley. (notas Traduzido por Edimilson Teixeira, 2009.)

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.