quarta-feira, 22 de junho de 2016

Teoria pos-tribulação



          TEORIA DO ARREBATAMENTO PÓS-TRIBULAÇÃO 
                   OBS;NÃO ADOTAMOS ESTA TEORIA



Os que defendem essa teoria acreditam que os cristãos passarão pela Tribulação e que o arrebatamento ocorrerá simultaneamente ou imediatamente antes da vinda do Senhor Jesusem juízo. Elesafirmam que o arrebatamento da Igreja e a volta de Cristo para reinar são apenas aspectos diferentes de um único evento que acontecerá no final da Grande Tribulação, justamente antes da derrota da besta e seus seguidores e início do milênio.
O Arrebatamento meso-Tribulacionista é parecido ao pré-Tribulacionista, porém assume que o Arrebatamento ocorrerá no meio da Tribulação, tomando como base Mateus 24:15,21 e Apocalipse 11:12.
Neste ponto de vista, a Igreja passaria pela ira e a perseguição do anticristo na primeira metade da Tribulação. A posição meso-Tribulacionista usa a profecia das duas testemunhas em Apocalipse 11 para apontar que o Arrebatamento ocorreria no meio da Tribulação:

Apocalipse 11:12
"E [as duas testemunhas] ouviram uma grande voz do céu, que lhes dizia: Subi para aqui. E subiram ao céu em uma nuvem; e os seus inimigos os viram."  


Era da Igreja
Tribulação
Milênio
Eternidade 

3 1/2 anos
1/2 semana de Daniel 9:27
3 1/2 anos
1/2 semana de Daniel 9:27 

Primeira vinda de Cristo 

Arrebatamento ocorreria no meio da Tribulação (1 Ts 4:13-17)

A acordo do antricristo com Israel (Dn 9:27)

O aparecimento glorioso de Cristo (Ap 19:11) 
Porém, a posição meso-Tribulacionista tenta se justificar usando os seguintes argumentos:
O termo "Subi para aqui" de Apocalipse 11 seria o momento do Arrebatamento da Igreja, mas nesse versículo fica claro que quem sobe são somente as duas testemunhas, e não a Igreja como um todo
Apocalipse 12:14 estaria em seqüência cronológica a Apocalipse 11 quando diz "um tempo, tempo e metade de um tempo" (42 meses = 3,5 anos) e seria a justificativa de que após o Arrebatamento haveriam somente mais 3,5 anos de Tribulação. Tal conclusão é incorreta porque a Igreja já não é mencionada entre Apocalipse 4 e 18 (o Arrebatamento já ocorreu). Apocalipse 12 marca o meio da Tribulação, mas já sem a Igreja nesse cenário
A posição meso-Tribulacionista não é considerada biblicamente correta pois nega vários versículos bíblicos que garantem que Deus guardará a Igreja da Sua Ira durante a Tribulação2. Clique aqui para saber quais são estes versículos. Outro fator importante é que a Bíblia jamais afirma em lugar nenhum que o anticristo deveria vir primeiro para que o Arrebatamento acontecesse. Basta olhar o gráfico acima para concluir que se a Igreja fosse arrebatada no meio da Tribulação, o anticristo já estaria presente e governando.
Portanto, a posição meso-Tribulacionista para o Arrebatamento não é a mais correta de ser aceita.
O Arrebatamento pós-Tribulacionista2
No Arrebatamento pós-Tribulacionista, o Arrebatamento e o Aparecimento Glorioso de Cristo se fundem em um só evento. Em outras palavras, a posição pós-Tribulacionista não considera o Arrebatamento e o Aparecimento Glorioso de Cristo como dois eventos distintos.
O conceito do pós-Tribulacionismo se apóia na identificação incorreta da Igreja como sendo os santos da Tribulação3, sendo que os santos da Tribulação se referem aos convertidos após o Arrebatamento, quando não há mais Igreja sobre a terra. Ou seja, para a posição pós-Tribulacionista, a Igreja passaria por todo o período de Trbulação, mas em seu final seria arrebatada, com a segunda Vinda de Cristo. Não existe nenhuma passagem bíblica que justifique este argumento e por isso, esta posição tem sido freqüentemente refutada.

Era da Igreja
Tribulação
Milênio
Eternidade

3 1/2 anos
3 1/2 anos 

Primeira vinda de Cristo 
A acordo do antricristo com Israel (Dn 9:27) 
Arrebatamento ocorreria somente no fim da Tribulação (Ap 19:11) 

O pós-Tribulacionismo ensina que, como a Igreja é avisada de que sofrerá perseguições e tribulações, então fatalmente ela passaria pelo período de Tribulação2. Tal fato nega as promessas do Senhor de livrar a Igreja da Tribulação e além disso também não distingue a Igreja de Israel. Entre Apocalipse 4 e 18, a Igreja está claramente ausente e o foco de perseguição do anticristo passa a ser Israel.

Portanto, a posição pós-Tribulacionista não é biblicamente correta para ser aceita

        Os principais argumentos apresentados a favor dessa teoria são os seguintes:

1)    A volta de Cristo é descrita de várias maneiras, mas em ponto algum é citada como dois eventos separados por um intervalo de sete anos (ou três e meio) de tribulação. 
2)    A resposta de Jesus aos seus discípulos sobre os sinais dos fins dos tempos demonstrou que um período de tribulação incomparável (Mt 24.3-22) precederá sua vinda. Outras passagens também predizem tribulação para o povo de Deus (Jo 15.18,19; 16.33). 
3)    A ressurreição é identificada com o arrebatamento, todavia Apocalipse 20.4-6 coloca a “primeira ressurreição” após a volta de Cristo para reinar e justamente antes do milênio; portanto o arrebatamento e a revelação de Cristo deverão acontecer ao mesmo tempo. 

Os principais argumentos contra essa teoria são:

1)    O período de Tribulação não é um período da Igreja, mas a última semana da visão de Daniel relativo ao trato de Deus com Israel: “Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniquidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo” (Dn 9.24). Também em Daniel 9.25-27. É um período em que Deus irá ocupar-se de Israel e da sua ira contra as nações ímpias (Ap 6.15-17). O período de Tribulação é chamado de “tempo de angústia para Jacó” (Jr 30.4-7).

2)    Paulo declara, em relação à Igreja: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo” (1Ts 5.9). A Igreja tem sofrido e sofrerá muitas dificuldades e tribulações, mas não o grande dia da ira do Senhor Deus.
3)    O Senhor prometeu aos fiéis que eles serão excluídos dessa hora de ira: “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra” (Ap 3.10). (Veja também 2Pe 2.9).
4)    Se a Igreja estará na terra durante a Tribulação, por que o testemunho de Deus é atribuído apenas às duas testemunhas? (Ap 11.1-14).
5)    Com respeito à ressurreição registrada em Apocalipse 20.4,5 e referida como a “primeira ressurreição”, uma leitura cuidadosa revelará que os ressurretos mencionados são aqueles que foram decapitados durante a Tribulação, por não aceitarem servir ao Anticristo; nenhuma menção é feita aos santos de toda a era da Igreja, que devem ter sido ressuscitados por ocasião do arrebatamento, antes da Grande Tribulação. 



                      REFUTANDO A TEORIA DOS POS
                              TRIBULACIONISTAS.

Agora. Com agora (de) o apóstolo muda radicalmente o tema do capítulo 1 "Ele vira-se agora de lado (de) para corrigir todos os erros que sua menção a este dia pode ter ocasionado, para acalmar quaisquer desejos febris que podem ter animado. " (Lightfoot) De é "usado para conectar uma cláusula com outra quando se considera que há algum contraste entre eles" (BAG)
O apóstolo agora se move a partir de discutir a segunda vinda de Cristo para o juízo, ea glória Ele trará em relação aos seus santos, para a questão do arrebatamento de novo. A empresa (de) tem-lhe voltando à questão arrebatamento ele tratou tão completamente com em 1 Tessalonicenses, mas a partir dessa carta, ele quer trazer algo de volta se ele havia discutido anteriormente. AT Robertson provavelmente apontaria para a enfático, intensivo significado de . A palavra faz com que os leitores de re-foco: . Tocando a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo (AT Robertson) Com de "., o apóstolo passa, assim, a [sua] tema principal da epístola" (Videira) A abertura do verso pode ler Agora eu realmente quero trazer algo mais se eu já discutimos antes!
Solicitamos. Paul está usando uma das palavras mais comuns para pedir, pedido ( erotao, presente indicativo ativo) de uma forma mais forte do que é habitual. Erotao é mais apropriado com exortação e sua urgência é agravada (Milligan), embora seja também dada em um espírito bondoso. (Lenski) "Paul pede que seus leitores não deve ser jogado em consternação ou mantidos em uma vibração de entusiasmo com que o assunto da Parusia, ou 'vir'." ( PCH ) Agora nós realmente queremos ser pedindo-lhe sobre outro assunto.
Irmãos. O apóstolo usa repetidamente adelphos nas epístolas Tessalonicenses, porque sentiu tal camaradagem com aqueles crentes que sofrem naquela cidade.
No que diz respeito à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. que diz respeito ( huper ) para a "vinda" ( parousia ) introduz o assunto em mãos. Em 1 Tessalonicenses 4: 13-5: 10, Paul tinha escrito sobre a distinção entre o arrebatamento da igreja e no dia do Senhor, porém, falsos profetas começaram a confundir os cristãos, ensinando eles tinham perdido o "catching up" (4 : 17) e já estavam na hora do terror. Em huper Barnes traduz a frase pela vinda, respeitando a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.
Quase todos os comentaristas, não-dispensacionalistas e de outra maneira, amarre essa frase eo que se segue, com 1 Tessalonicenses 4:17 e do arrebatamento. "Paul é, naturalmente, referindo-se ao caso de 1 Tess. 4:16, o arrebatamento." (Ritchie)
E a nossa reunião com ele. não é sinônimo com a primeira cláusula? Nossa reunião com ele se encaixa com o arrebatamento e não a segunda vinda. Esta é a opinião da maioria dos comentaristas gregos. Ambos Alford e Robertson ver "a vinda" e "a reunião com Ele", como a mesma coisa. A gramática provavelmente bem apoia este através da utilização de um preposição huper (sobre, a respeito), que controla os dois substantivos "a vinda" e "o encontro de confraternização." Assim, ele seria "No que diz respeito à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo , mesmo à nossa reunião com Ele ".
"Em referência ao nosso ser ajuntaram a ele." (Barnes) Vine concorda fortemente e escreve
o artigo aparece antes parusia e não é repetido antes
episunagoge, indicando que estes são elementos complementares
em um evento.
Ellicott diz a reunião refere-se à reunião junto dos mortos e vivos como os encontrados em 1 Tessalonicenses 4: 14-15, 17 AT Robertson acrescenta: "Paul está se referindo ao arrebatamento, mencionada em 1 Tessalonicenses 4.: 15 a 17 eo ser para sempre com o Senhor depois. "
Reunindo é realmente três palavras ( epi-syn-ogoge) combinados para fazer one epi (sobre), syn (junto), e atrás (para levar), ou, "para levar em cima juntos." A locução prepositiva último a Ele, Alford diz melhor lê, "se a Ele".
Apesar de ser momentaneamente confusa sobre esses eventos, os tessalonicenses tinham sido bem ensinado. Eles sabiam que o seu sofrimento será recompensado na vinda de Cristo para a Sua Igreja. Seus olhos se contemplá-Lo no ar como eles são capturados longe deste mundo pecaminoso. Se eles morreram antes do arrebatamento, eles ainda tinham esperança de experimentar este evento e receber um novo corpo, eterna. Paul
suplica-los por este evento, pois se seus corações poderia, mas pega o
fato de que a sua "reunião com ele," o seu ser tomadas para
céu, e, assim, ser "para sempre com o Senhor" (1 Tess. 4:17), significou
eles seriam libertados da ira vindoura na terra, então todo o medo
deve desaparecer. (Ritchie)
2: 2 que você não pode ser rapidamente abalada desde a compostura ou ser
perturbado ou por um espírito ou uma mensagem ou uma carta como se fosse de
nós, no sentido de que o dia do Senhor havia chegado.
Que você não pode ser rapidamente abalada a partir de sua compostura. A chave para toda esta passagem pode ser encontrada em que (eis a). Os eis que introduz uma cláusula de objeto, como ocorre em 1 Tes. 2:12; 3:10. Os eis a estados o conteúdo do pedido. (Lenski) AT Robertson diz eis que com o infinitivo é expressão favorita de Paulo para a finalidade, como em 1:11 ( eis ho). Milligan traduz a passagem: "Para o fim que você não ser prontamente expulso de seu sentido sóbrio, como um navio do seu ancoradouro seguro. " Alford escreve, "a fim de que você não pode ser abalado." Em certo sentido os crentes de Tessalônica eram impotentes para parar a ansiedade, porque eles foram informados por falsos mestres que estavam no dia do Senhor.
"Rapidamente" poderia ser traduzido por "não ser às pressas, prontamente" abalado. Muitos dos crentes parece ter sido esmagada, jogado em choque. Tacheos ("rapidamente") também poderia ser traduzido como "depois de tão pouco tempo" (Lightfoot), ou seja, tão rapidamente depois que Paulo lhes havia ensinado sobre esses assuntos. Alguns falsos mestres deve ter jogado a montagem literalmente em uma rodada.
Da sua compostura na verdade significa "de sua mente" (apo tou noos). Noos refere-se à "mente, razão, sentido sóbrio, compostura" ou "inteligência". Eles estavam perdendo suas mentes, a sua capacidade de raciocínio foi abalada em relação à sua forma de pensar que estavam no Dia do Senhor. "Isso veio como um choque para a mente e, em seguida, deixou-os na maior agitação mental. Note-se que os cristãos devem manter a cabeça contra o erro e noções fanático". (Lenski)
Ou seja perturbado. Esta é a palavra mais emocional Paulo usa nesta discussão. Disturbed ( throeo, infinitivo presente passivo) é uma palavra forte e poderoso em grego que é usado somente aqui e em dois outros lugares no Novo Testamento (Mateus 24. : 6; Marcos 13: 7). Significa "a chorar em voz alta", como na dor ou tumulto. Com a presente voz tensa e passiva que pode ser traduzida como "para ser colocado em [a] um estado de choque", como se o dia do Senhor está acontecendo agora (Robertson). Eles estavam constantemente perturbado, agitado, mas eles não eram para se alarmar tão facilmente. (NTC) É interessante que a palavra throeo é usado em Mattew 24: 6 e Marcos 13: 7 no mesmo contexto sobre a tribulação, ou o Dia do Senhor, com a mesma advertência por Cristo que Paulo usa. "Parece justo concluir que Paulo está praticamente citando Jesus [aqui em Tessalonicenses]." (Lenski)
. A fim de que o Dia do Senhor veio Vine coloca desta forma:
a fim de que essas são palavras de estar conectado com "rogamos
você. "Na carta anterior, ele tinha lhes assegurou a respeito do futuro
de seus falecidos entes queridos e [o arrebatamento], aqui ele tranquiliza-los a respeito
suas próprias experiências atuais; as aflições foram duradouros foram
Não evidência de que o dia do Senhor havia se estabelecido.
Apesar de seus problemas (1: 4), esses novos crentes não estavam no Dia do Senhor, como eles pensavam e como eles foram informados. É importante compreender corretamente a expressão "estando reunidos a Ele". Isso indica que eles não poderiam ser tão envolvido com esse período terrível, que estavam sendo deixados para trás nele. "Na verdade, a sua" reunião com ele ", será o evento que marca o [início do Dia do Senhor]." (EBC)
O dia do Senhor chegou. Veio é o indicativo ativo perfeita de enistemi ("colocar no lugar"). É interessante que Paulo aqui usa o tempo perfeito. A questão que gostaria de levantar é: Até que ponto pode a força do tempo perfeito ser tomadas aqui? Poderia ser parte da chave para a compreensão do problema que estamos tratando com os posttribulationists?
Dana e Mantey nos lembram que "É melhor assumir que há uma razão para o [tempo] perfeito onde quer que ocorra." (200) Eles acrescentam,
O perfeito é o tempo de ação completa. Seu significado basal é o progresso de um ato ou estado a um ponto culminante ea existência de seus resultados finais. Isto é, ela exibe acção como um produto acabado. Implica um processo, mas vê esse processo como tendo alcançado a sua consumação e existente em um estado acabado. No indicativo acção tão completo a partir do ponto de vista de hoje, as significa perfeitos. (200)
O tempo perfeito aqui com o verbo enistemi Deve notar-se cuidadosamente. Podemos ler o versículo, junto com os pensamentos que seguem: Não pense que o dia do Senhor tem sido progressivamente a ser instaurados, e chegou finalmente, com os eventos da tribulação caindo em cima de você. declaração de Paulo exige claramente uma resposta negativa. Ele não tem!
2: 3 Porque [o Dia do Senhor] não pode [vir] [exceto, a menos que] a apostasia vem em primeiro lugar, e [então] o homem ilegal [o Rebel, Ellicott ] deve ser revelado diante.
A menos que a apostasia vem em primeiro lugar é um terço do subjuntivo classe com a condição negativa, eo aoristo. "Ela expressa o que não é realmente ocorrendo, mas que provavelmente acontecerá no futuro." (Summers) A apostasia (o arrebatamento, ou a apostasia religiosa), ainda não tenha ocorrido. Este é mais futuro. Nem tinha o homem ilegal chegou.
Lightfoot diz que a ordem das coisas aqui é importante. " O [Vindo] do Senhor não acontecerá a menos que venha a apostasia em primeiro lugar. " Quando isso vai acontecer?
O tempo desta apostasia de Cristo, do qual o apóstolo fala
não é indicado. Os séculos que as palavras foram escritas não têm
produzido a pessoa aqui descrito como exibindo completamente a
características da apostasia. A conclusão de que a profecia espera
cumprimento parece inevitável. (Videira)
Colocando tudo isso junto seção poderia ler:
Agora nós pedimos-vos, irmãos, em referência ao [assunto] da
vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, mesmo à nossa reunião até
Ele, pensando que você não seja abalado que a terrível Dia
do Senhor tinha chegado já! Não tem!
Ou,
Pedimos que você não seja abalada ao pensar que o dia do Senhor
Chegou, pois, quando lhes falamos antes sobre a vinda do
Senhor te levar para casa, que indicou que não iria ao abrigo
a ira que se seguiria!
2: 4 que se opõe e se exalta acima de todos os deuses chamada ou
objeto de adoração, de modo que se assenta no santuário de Deus,
mostrando-se como sendo Deus.
A auto-exaltação terá lugar no meio da tribulação. Este ilícito, ou rebelar, a besta do livro de Apocalipse 13, vai falar palavras arrogantes e blasfemas (v. 5), blasfemar contra Deus, seu nome e do seu templo, e todos os que estão no céu (v. 6) . Enquanto ele faz o seu movimento contra o mundo e contra Deus no meio da tribulação, é preciso lembrar que ele começa este período terrível quando, descrito como "o príncipe" em Daniel 9:26, faz com que o pacto sete anos que acaba por ser o período de sete anos da tribulação (v. 27).
O anticristo é, então, logo no início, quando o pacto é feito. Essa aliança, creio eu, é a tribulação de sete anos, e no Dia do Senhor. Portanto, a igreja não vai ver qualquer uma das atividades do anticristo, nem ela vai passar o Dia do Senhor, ou seja, a tribulação ea ira. Também deve ser lembrado que ele é revelado "no seu tempo" (2 Tessalonicenses 2:. 7). Ou, ". Na época dele" Temporada é kairos. Acredito que o anticristo kairos faz parte do Dia do Senhor Paulo fala em 1 Tessalonicenses 5: 1-2.
Anticristo está para vir apenas no direito e período adequado da história do mundo, ou seja, a sua temporada. a iniqüidade dos gentios serão empilhados, eo julgamento através de sua maldade será devido sobre as nações. "Como houve uma época exata para Cristo aparecer, então também está lá para falso cristo de Satanás Ele é apenas um homem;.. [Mas] Deus vai determinar sua temporada permitido" (Ritchie)
Novamente, não há nenhuma evidência de que os crentes "em Cristo" (a expressão técnica para a igreja) vai ver o anticristo em ação, embora possamos vê-lo assim que algum militar carismático e talentoso ou figura mundo político. Mas antes do arrebatamento da igreja eu não acredito que nós vamos reconhecer sua verdadeira identidade.
Não há evidência alguma de que a igreja vai experimentar o período da tribulação de sete anos. Tente como eles podem, posttribulationalists não pode fazer seu trabalho esquema.
Os argumentos acima faz sentido para a maioria dos pré-milenaristas em demonstrar o fato de que a igreja não vai passar a "ira" da tribulação, por isso, os santos da igreja não verá a revelação do anticristo e da tribulação. No entanto, estes argumentos não são suficientes para posttribulationalists porque não observar cuidadosamente o suficiente as configurações contextuais de Mateus 24 e do Sermão do Monte. Isto também é verdade de como eles vêem a questão dos "santos" na terra, e os "santos" no céu, no livro do Apocalipse, e, assim, os acontecimentos proféticos descritos que estão acontecendo nas duas cartas de Tessalônica.
A questão do contexto torna-se uma das ferramentas mais importantes para responder posttribulationism.
As questões contextuais
Bob Gundry quer fazer uma distinção entre a ira de Deus e os sete anos de tribulação. Ele argumenta que "Nenhuma pessoa salva pode sofrer [a ira de Deus] - que é muito claro Então, quem são [no livro do Apocalipse], santos da tribulação não vai ter as taças da ira de Deus derramada sobre eles.. a ira cairá apenas sobre os infiéis. " (51) Ao argumentar desta forma, Gundry pode afirmar que a igreja não será arrebatada até a tribulação está completa. No entanto, em sua opinião, a igreja vai evitar a ira.
Mas então Gundry fica em silêncio. Ele não faz nenhum esforço honesto para explicar como tudo isso funciona. Ele não tem nenhum argumento a respeito de porque não existem passagens nos escritos paulinos que nos dizem como se preparar para os atos diabólicos do anticristo. Gundry simplesmente luta com toda a sua força contra pretribulationalism, como nós falamos sobre isso, e depois vem a um beco sem saída, como o que a tribulação será como para a igreja.
Além de colocar a Igreja em Mateus 24, Bob Gundry vê a igreja na tribulação do livro do Apocalipse. Ele escreve: "O livro do Apocalipse coloca salvou pessoas da tribulação. Muitos deles, na verdade." (47) Por isso ele quer dizer a igreja salva. Ele então cita Apocalipse 7: 9-10, 11-17 e acrescenta: "Em outra parte do livro do Apocalipse chama essas pessoas 'santos' (ver especialmente 13: 7, que relata que a besta vai fazer guerra aos santos e vencê-los, isto é, persegui-los para o martírio, também 5: 8; 8: 3, 4; 11:18; 13:10; 14:12 e 16: 6, 17: 6; 18:20, 24, 19: 8). " (48)
Bob Gundry continua a misturar alhos com bugalhos e se recusa a ver, neste contexto Apocalipse 7, que a igreja já subido ao céu no arrebatamento pré-tribulacional (1 Tessalonicenses 4: 13-18.), Antes do dia do Senhor (5 : 1-on).
Apesar de como Bob Gundry discute e tenta colocar a igreja no período da ira, há um silêncio esmagador sobre a igreja estar nos eventos da tribulação de Mateus 24 (Walvoord e Ryrie apontaram isso.) Com o argumento de silêncio Quero dizer que não há nada que indique que os crentes da igreja estão a ser abordadas no contexto do Sermão do Monte, e no livro do Apocalipse. Vemos crentes judeus lá, o genérico você , aqueles que são capturados na tribulação, que são esclarecidos e que confiam o seu Messias.
Para mim, Paul parece claro sobre isso quando ele diz que , o que implica o mundo , vai dizer "paz e segurança", com a destruição virá sobre eles (1Ts 5:. 1-3). Apesar do que os Gundrys dizer, Paul não avisa os crentes da igreja que eles vão ver o filho da perdição entrar no templo e declarando-se Deus (2 Tessalonicenses 2: 4-9.), Nem diz os crentes da igreja serão enganados, ou mesmo estar por perto, quando o Senhor envia a operação do erro sobre eles , o mundo (vv. 10-12).
Embora seja verdade que há santos mencionados em Apocalipse 6-18 (8: 3, 4; 11:18, 13: 7, 10, 14:12 e 16: 6, 17: 6; 18:20, 24, 19: 8, 20: 9), depois do capítulo 3, não se vê as expressões "os de Cristo", "o corpo de Cristo", "cristão", ou a palavra "igreja".
Enquanto argumentando a partir do silêncio deve ser manuseado com cuidado na interpretação, o silêncio ainda é um princípio hermenêutico atraente que pode ser levado em consideração. Nas passagens da Escritura onde os posttribulationalists querem colocar a igreja (como em: as passagens Sermão do Monte, 1 Tessalonicenses 5: 2-3; 2 Tessalonicenses 2: 1-12, eo livro de Apocalipse), boa observação hermenêutica nestes passagens não venha com a igreja, o corpo de Cristo. Paulo nunca diz que a igreja está sendo avisado sobre a vinda do anticristo, nem são "aqueles em Cristo" visto como ir sob a ira e os terrores do Dia do Senhor. Lembre-se, as expressões "em Cristo", "o corpo de Cristo" são expressões técnicas para a dispensação da igreja.
Paulo escreve: "vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como um ladrão de noite" (1 Tessalonicenses 5:. 2). Paulo lembra a igreja de Tessalônica que ele havia ensinado sobre isso antes (v. 1). Em 2 Tessalonicenses 2: 5 acrescenta: "Você não se lembra de que, enquanto eu estava com você, eu estava a dizer estas coisas?" O apóstolo continua e escreve que a igreja de Tessalônica " sabia "o que foi agora restringindo o anticristo (v. 6), e que em sua época ("kairós"), que é especial para ele (v. 6b), ele seria descoberto, revelado ("apokalupto").
A um ilícito irá então ("bolsa") "em algum momento futuro ser descoberto" após o "limitador", que eu acredito que é o Espírito Santo, vai passar para além de sua obra de contenção (v. 7). Ellicott escreve: "O Espírito deve ficar fora do [uma] esfera para outra", ou "Aquele que detém desaparece do meio." Alford diz: "Aquele que dificulta serão removidos." "O Espírito Santo está presente, a fim de salvar os perdidos durante a tribulação, mas Ele não vai mais restringir o pecado;. Sua atividade de restrição vai mas cessar" (Treinador)
A questão permanece Will Go Igreja na tribulação?
Enquanto Paulo escreve sobre o dia do Senhor, no versículo 2, ele não implica que a igreja vai viver durante este período. Aqui posttribulationalists usar o silêncio em sentido inverso. Gundry diria: "A igreja deve estar passando o período do Dia do Senhor, porque Paulo não disse que não faria isso!"
Bob Gundry tenta usar o argumento de silêncio contra pretribulational-rapturists. Ele escreve: "'O que é bom para o ganso é bom para o ganso": Se a ausência de' igreja 'de cenas terrestres [no livro do Apocalipse] eram que implica a ausência da igreja aqui em baixo, então a ausência de "igreja" de cenas celestiais implicaria a ausência da igreja lá em cima. " (84)
Como podemos responder a esta acusação?
Bob Gundry parece ter-nos em um porão calço hermenêutico! Nós argumentamos que a palavra "igreja" não é mencionado após Apocalipse 3, e, especificamente, ela não é vista na terra nos capítulos sobre a tribulação. Ele iria argumentar contra nós, que não podemos chamar a grande empresa celeste em 5: 8-14 a igreja arrebatada.
Gostaríamos de responder de volta da seguinte maneira:
1 Esta grande companhia de toda tribo, língua, povo e nação no capítulo 5 é visto no céu antes da tribulação começa no capítulo 6 É importante observar que esta grande multidão não é descrito como mártires. (. Embora certamente há mártires durante a era da igreja), como o livro de Apocalipse se desenvolve, todas as outras referências a grandes empresas de adoradores celestiais saíram da tribulação como mártires (7: 9-8: 6; 14: 1- 5, 15: 1-8).
2 Gostaríamos de aumentar ainda mais: um a priori argumento é legítimo na hermenêutica. Com isto quero dizer, para resolver a questão com Apocalipse 5 Gundry, podemos voltar a anteriores passagens do Arrebatamento claras e hermeticamente fechados. As grandes passagens do Arrebatamento nos dizer a igreja será entregue "de (longe) da ira vindoura" (1 Ts. 1:10), "seremos arrebatados para o céu ao encontro do Senhor nos ares" (04:17 ), "não é destinado para a ira" (5, 9), e é ainda hoje "procurando a bendita esperança até mesmo o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo "(Tito 2:13). Tais versos definir a direção para outros contextos posteriores que vêm junto, dizer em Apocalipse.
Como pretribulational-rapturists, não colocamos o nosso peso cheio de argumentos em Apocalipse 5: 8-14. Mas que esta passagem parece ser melhor para representar a igreja no céu aqueles que morreram, e até mesmo a igreja arrebatada; tal argumento parece fazer mais sentido. A teologia de som é construído, colocando todas as peças doutrinárias juntos. O arrebatamento pré-tribulacional da igreja parece fazer sentido completo quando todas as evidências é examinado.
O Fracasso posttribulational Contextual
Um dos maiores problemas Bob Gundry e outros posttribulationalists parecem ter é que eles não conseguem entender completamente a natureza única deste dispensação da igreja. Gundry admite que existem pessoas salvas na tribulação, como todos os pretribulationalists fazer. Mas depois ele fica chateado quando pretribulationalists argumentam que os santos da igreja serão arrebatados antes da tribulação, mas que aqueles que se tornam crentes durante a tribulação não são poupados da ira, e são martirizados. Ele percebe que eles estão adorando o Senhor (Ap 7, 9-17) com uma barraca de propagação celeste sobre eles (v 15)..
Mas Gundry então levanta algumas questões e escreve: tomar os santos da tribulação
que sair desse período. Que tipo de salvação
eles estão comemorando, se não uma salvação da ira de Deus? Lavados
branquearam no sangue do Cordeiro ainda sofrendo a ira de Deus
porque perdeu o arrebatamento prétribulacionismo? (49)
Embora seja verdade que um dos anciãos no céu diz a João que os crentes vestidos "são os que vêm da grande tribulação" (7:14), o foco desta seção do Apocalipse é sobre o seu martírio, quando morava em que grande tribulação. O foco do contexto não é que eles estão celebrando "a salvação da ira de Deus." Apocalipse 8 estende a idéia do capítulo 7 e enfatiza o sofrimento dos santos abaixo pelo mundo. Suas orações chegar a Deus, e um censor está cheio de ira ardente que é jogado para a terra, acompanhada de raios e trovões, e com um grande terremoto (8: 3-7). Essa retribuição traz mesmo horror mais espetacular abaixo sobre o mundo impenitente (vv. 7-11).
Na minha opinião há uma outra área onde o ensino posttribulational falha! Crentes era da igreja são aqueles que sofreram como nunca antes a graça pessoal de Deus. Esta dispensação é sem paralelo. Pelo testemunho do indivíduo, eo ministério surpreendente do Espírito Santo dentro do crente, o evangelho de Cristo se espalhou pelo mundo. Infelizmente, os santos da tribulação será abençoado e ter um lugar profundo no plano de Deus! Mas eles vão encontrar-se no cadinho e caldeirão do período mais amaldiçoada na história humana.
Enquanto os santos da Igreja têm sido perseguidos, e ainda somos, nós somos agora um corpo de crentes espalhados por todas as nações para um propósito distinto que vai acabar com o arrebatamento. Embora a verdade da salvação sairá no período da tribulação, as grandes forças do pecado e do mal, e calamidades humanas e naturais, vai esmagar a alma eo espírito humano. Os homens buscarão a morte, se esconder debaixo da terra, maldição e matar, roubar e anestesiar a consciência com pharmakeia.
Os crentes em Cristo não pode se gabar de que temos abençoado nesta dispensação da igreja; Nesta dispensação da igreja nos abençoou!
Posttribulationalists misturar santos da igreja com os santos da tribulação. Eles parecem falhar em reconhecer as características únicas desta dispensação da graça de Deus na mensagem do evangelho. Em Efésios 2-3, vemos como o apóstolo Paulo eleva às alturas propósitos gloriosos de Deus para os fiéis santificados nesta era da igreja, nesta era de graça! Embora estes versos em si não apresenta um caso contra posttribulationalism, eles fazem esta dispensação da igreja uma peça central da história do mundo, ativado e animada pelo Espírito Santo. Não há nenhuma indicação de que esta dispensação será colocado sob a terrível ira de Deus. O corpo de Cristo também é a noiva de Cristo e não serão "punidos", sob a ira vindoura.
Dispensationalists certamente argumentar que depois que a igreja tenha sido arrebatada, ea tribulação começa, muitas pessoas serão salvas durante esse período. Mas os santos da tribulação não são designados o corpo de Cristo. E um grande exército deles vai morrer a morte do mártir. Eles, sem dúvida, sofrer com a ira cair do alto, mas que o sofrimento é interpretado em termos de uma grande tempestade de perseguição.
Comparação Contextual
Abaixo está um gráfico que pode trazer luz para o fim da guerra contextos. Observando cuidadosamente os contextos é importante para responder às posttribulationists.
Para quem Jesus está Falando?
Mateus 24: 3. discípulos judeus pedir a Cristo questões judaicas sobre "o sinal" de Sua vinda, e do fim dos tempos. As perguntas tinham a ver com Israel e as esperanças messiânicas. As respostas Jesus dá tem a ver com relativamente perto de profecias, e com eventos longe proféticos.
Quem É O Você no contexto?
. Mateus 24: 4-on Jesus responde às perguntas discípulos sobre a destruição do templo, e sobre Seu retorno longe, usando o que eu chamo de genérico Você. Para alguns, Jesus estava falando perto de eventos; para os outros, Ele estava falando sobre eventos distantes. O "genérico" Você é um pronome que deve ser levado em contextos específicos, e esses contextos poderia estar perto ou longe.
. Deuteronômio 28-30 Por exemplo, Moisés diz a geração prestes a entrar em Canaã, que você vai ser espalhados entre as nações (Deut 28:. 64-on), mas então ele diz que você deve ser restaurado a partir de seu cativeiro (30: 3) . Claramente, esta recuperação e retorno é abordar outro você futura geração. A história de toda a nação está em vista. Jesus faz isso também no contexto Sermão do Monte. Ele se dirige a você, a geração que vai ver a destruição do templo. E Ele se dirige a você, que é uma outra geração que verá o Abomination estando no templo (Mateus. 24:15).
1 Tessalonicenses 5:. 3 Em um pouco diferente, Paulo escreve algo similar. Ele diz que o dia do Senhor cairá sobre eles, o que estava perdido ", e eles não escaparão "(1 Tessalonicenses 5:. 3). É um futuro deles e não aqueles a quem Paulo está escrevendo.
Em quem será o Tribulação Fall?
Mateus 24:. 6, 8 Falando aos judeus, o Senhor diz que início dos eventos da tribulação vai assustar ( throeo ) uma medida futura geração de judeus, os quais ele se dirige como você. Mas Jesus continua e diz que há mais: " o fim ainda não chegou "(v. 6). No entanto, o que você vai ver é apenas "o início da dores de parto" (v. 8).

2 Tessalonicenses 2: 1-3. Devido às suas perseguições, os cristãos de Tessalônica também pensei que eles estavam no dia do Senhor , o fim dos tempos. Esses crentes estavam assustados ( throeo ), mas Paulo lembra-lhes que a apostasia deve vir em primeiro lugar antes de o homem ilegal vem (v 3.). Paul nunca diz aos cristãos de Tessalônica para observar essas coisas como se fossem vê-los; seu silêncio sobre esta questão diz muito, eles não estão a sofrer o dia do Senhor!


                   A ABOMINAÇÃO DO TEMPLO

A Profecia: O príncipe fará um pacto firme com muitos por uma semana.
Na asa das abominações virá o assolador "(Dn. 9:27).
Mateus 24:15. "Quando você vê a abominação da desolação estar no lugar santo fugir."
2 Tessalonicenses 2: 4. "[A um ilícito] toma seu lugar no templo de Deus, apresentando-se como Deus."
Paulo nunca diz que santos da igreja vai ver isso acontecer.
A Grande Tribulação
As profecias. "Grande é aquele dia; angústia de Jacó [tribulação]" ("gad'ol tzah" rah ")
(Jeremias 30: 6-7.), E "um momento de aflição [tribulação", tzah'rah "] (Daniel 12:. 1).
Mateus 24:21. A futura geração de judeus vai ver "uma grande tribulação (" thlipsis megale "), uma vez que nunca ocorreu desde o princípio do mundo."
Apocalipse 7:14. Os mártires da tribulação "são os continuamente vindo (hoi erchomai, particípio presente ativo) a partir (" ek ") a tribulação o grande (" thlipseos tas tas megalas ")." Eles estão na mesma e eles estão saindo com ele!
A Igreja não é visto nem representado nesses versículos.
Posttribulationalists dizer a palavra "eleito" Sempre significa que a Igreja.
Eles colocam a Igreja no contexto de Mateus e fazer
Versos média específica The Rapture.
Mateus 24 Os eleitos no contexto deste capítulo são os judeus que são instruídos por Cristo a fugir no sábado (v. 20), que vai ouvir falar de falsos cristos (messias) (vv 23-24.), E quem vai ser dito "o Cristo" pode ser no deserto (26 v.).
Mas o Filho do Homem (a título messiânico nunca usado em referência à igreja) será visto por todas as tribos da terra que vêm do céu. Ele reunirão os seus eleitos (escolhidos, eklektos) de "uma extremidade do céu para o outro" (v. 30-31). Pelo contexto, esta é a eleição de Israel não da igreja.
As profecias sobre o "eleito" de Israel, que estão sendo reunidos:
. "Meus (os escolhidos, bah'gheer) eleitos herdarão [a terra]" (Isaías 65:. 9).
. "Eu mesmo reunirei o resto das minhas ovelhas de todas as terras para onde as tiver afugentado e deve trazê-los de volta à sua pastagem, e eles serão fecundos e multiplicai" (Jer 23:. 3).
. "Eu vou reunir-vos [Israel] de todas as nações para onde vos lancei e eu vou trazê-lo de volta ao lugar de onde vos mandei para o exílio" (29:14).
. Além disso, "eu os congregarei da parte remota da terra uma grande companhia voltarão para aqui" (31, 8).
. "Desde os confins da terra, a partir daí o Senhor teu Deus te recolherei [Israel], e de lá ele vai trazer você de volta" (Deut 30:. 4).
. "Aquele que espalhou a Israel o congregará" (Jer. 31:10).
. "Vou reuni-los a partir das partes mais remotas da terra devem voltar aqui" (v. 8).
O Arrebatamento da Igreja não está em Mateus 24! o encontro
dos eleitos não é sobre o arrebatamento da igreja!
A questão da dores de parto
A Profecia. "Naquele grande dia de tribulação de Jacó, um som de medo e não de paz,
são as dores de parto de Jacó "(Jeremias 30:. 6).
1 Tessalonicenses 5: 3. "Quando andarem dizendo: Paz e segurança! 'então repentina destruição virá sobre eles de repente, como as dores de parto à mulher
com a criança, e de modo nenhum escaparão. "
Nunca é dito que as dores de parto cair sobre a Igreja
Uma comparação de Mateus 24:13 e 1 Tessalonicenses 5: 9
Posttribulationalists usar Mateus 24: 8 a argumentar que a Igreja deve percorrer as dores do parto. Novamente, eles usam os versículos que tratam de um futuro distante geração de judeus e aplicar essas palavras à igreja. Eles, então, citar o versículo 13 que diz: "Mas aquele que perseverar até o fim, esse será salvo." Quando as dores do parto (Mateus 24: 8). Vir até a conclusão, "o único que permaneceu sob (" hupomone ", particípio ativo aoristo) [que], [em] em (" eis ") no final (" telos ") , deverá, no futuro, ser salvo, entregues, poupado ("Sozo," futuro passivo indicativo) (v. 13).
Trabalhar a partir de Mateus 24:13, os posttribulationalists ir até 1 Tessalonicenses 5: 9 e amarre as duas passagens juntos. Alguns alegam que a igreja passará pela tribulação, mas não vai sofrer a ira de Deus. Os santos da igreja serão poupados e serão arrebatados antes do fim, ou no final.
Mas como é que 1 Tessalonicenses 5: 9 diferem de Mateus 24:13?
Em 1 Tessalonicenses 5, lemos que: "O ladrão não vem à noite (vv. 2, 4), mas não estamos em noite / escuridão (v. 5), somos filhos da luz e do dia (v. 5) . uma vez que somos do dia, podemos colocar em "um capacete, a antecipação (esperança) de libertação (" sotarias ")" (v. 8). por isso, Paulo está indicando que não pertencem à noite do dia do Senhor; que serão entregues a partir daquele dia, e das dores de parto (. vv 2, 3).
A razão pela qual são entregues
"Porque Deus não se colocou, posicionado * (tithemi, meio aoristo indicativo)-nos em (" eis ") [Sua] ira (The Tempest de), mas (" alla ", em contraste) [Ele próprio colocou-nos] em ("eis") a ("peripoiasin", "para fazer um cerco" **) A libertação manteve-safe, preservada ("sotarias"). Esta libertação é a salvação da ira. Paul não está falando sobre a salvação espiritual por sE. Ele argumenta que os santos de hoje estão, atualmente, colocado em um modo de segurança, e de modo algum ir para o período, a tempestade da ira e da ira de Deus.
* "Não nos destinou a ser uma presa de ira", "um guarda-safe" (Alford)
** "Traga sobre, fazer seguro, preservar." (BAG). "Manter a segurança." (L & S)
Precisamos continuamente lembrar que passagens bíblicas sobre nossa escapar da ira de Deus, devem ser amarrados juntos para formar um total de ensino. As duas passagens acima deve ser colocado no contexto de 1 Tessalonicenses 1: 9b-10. A partir do texto grego estes versos dizia: "Você virou de ídolos
estar servindo a Deus vivo e verdadeiro, e estar à espera de Seu Filho
do céu, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, que é Jesus, que
é o nosso Libertador (Alford) ou Salvador * (Robertson), que nos livra
da ira vindoura. ** "
* Libertador, Salvador (ruomai):
. "Aquele que está resgatando" (particípio presente ativo)
.Para Arrastar para longe, salvar amigos (L & S)
.Para Desenhar um longe do perigo, o mal (Vincent)
.A Aquele que vai nos arrastar [a Ele]
(O particípio presente, provavelmente, tem a força de um futuro profético. Couch)
** Ira vindoura (Orges erchomai):
. [Esta passagens] ensina a alma para esperar a sua vinda (Barnes)
.Wrath Vindo (particípio presente ativo)
.A Certeza de um evento futuro (Lightfoot)
.A Wrath, o absolutamente vindo (Vincent)
.A Ira está a caminho (Ellicott)
________________
Resumo e Conclusão
Posttribulationalism ensina:
A igreja estará na terra durante a tribulação.
O arrebatamento ea segunda vinda são facetas de um mesmo evento no final da tribulação.
Os santos da tribulação são os mesmos que os santos da igreja.
Alguns ensinam, a ira não é derramado até que depois da tribulação e do arrebatamento da Igreja antes desse derramamento.
Como Moo faz, que a igreja e Israel devem ser mantidos separados, mas eles são de alguma forma colocar de volta juntos sob a expressão: "O povo de Deus."
Iminência não é mais "bem-aventurada esperança."
Passagens do Arrebatamento estão misturados com "observando e esperando" passagens de Mateus 24-25.
Moo detém os crentes da igreja pode evitar a "ira", vivendo uma vida religiosa.
Moo vê o dia do Senhor como a parusia e do arrebatamento da igreja.
Diga Paulo está dizendo que os crentes sejam vigilantes e sóbrios para a vinda do anticristo.
Respondendo Posttribulationalism:
Passagens críticas, como 1 Tessalonicenses 5: 1-11 e 2 Tessalonicenses 2: 1-12 nunca dizem que a Igreja vai para o dia do Senhor.
O argumento do silêncio é um argumento válido quando utilizado adequadamente. O que os apóstolos Paulo e João não diz sobre a igreja na tribulação deve ser levado em consideração.
O conceito técnico "a igreja" não é visto na Terra a partir de Apocalipse 4-on.
Palavras como "santo, eleito, testemunha" deve sempre ser interpretado no seu contexto.
A implicação avassalador das passagens-chave arrebatamento implica claramente a Igreja não passará pela tribulação ea ira.
Nenhum onde Paulo diz que a igreja vai ver o anticristo.
Posttribulationalists não pode criar um cenário bíblico a respeito de como a igreja deve ir sob a ira de Deus e sobreviver.
Ao dizer cristãos devem ser "ver" para o anticristo e viver uma vida santa para a sobrevivência, é um argumento pobre e fraco que até mesmo a maioria dos Posttribulationalists evitar.

Posttribulationalists deve ser forçado a ter mais cuidado em observar que a passagem está realmente dizendo em seu contexto.

FONTE PRE-TRI.ORG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.