sábado, 18 de junho de 2016

O canon do novo testamento (4)



                          O CANON DO NOVO TESTAMENTO N.5

                        Orígenes (AD 185-253/254)



Orígenes sucedeu Clemente como chefe da escola catequética em Alexandria durante a primeira metade do século III. Foi sob sua direção que a escola ganhou a sua maior influência e importância. Ele era um homem de grande inteligência, e de longe o mais prolífico escritor da época patrística. Eusébio diz-nos que os seus escritos numeradas perto de seis mil. Ele tem sido chamado de o maior estudioso da antiguidade cristã, e teve enorme influência sobre pais, no Oriente e no Ocidente nos séculos subseqüentes.

Ver de Orígenes da Escritura

Tal como acontece com os pais que o precederam, Orígenes realizada à autoridade única da Bíblia. Ele descreve-o como santo,  sagrado e inspirado.  Porque a Escritura é inspirada por Deus é única autoridade para o estabelecimento da doutrina e da verdade:
Vamos agora verificar como essas declarações que temos avançado são suportados pela autoridade da Sagrada Escritura. Â 
Junto com Irineu, Tertuliano e Clemente de Alexandria, Orígenes reconheceu nenhuma outra fonte de doutrina do que a Escritura:
Mas que não podem aparecer para construir nossas afirmações sobre assuntos de tal importância e dificuldade no chão de inferência sozinho, ou para exigir a aprovação de nossos ouvintes para o que é apenas conjectural, vamos ver se podemos obter declarações da Sagrada Escritura , pela autoridade de que essas posições podem ser mais credível mantida.  Â 
Visto que a Escritura é a única fonte de doutrina, não pode haver ensinamento apostólico que é puramente oral na natureza:
Mas deixe este judeu de Celso, que não acredita que Ele previu tudo o que aconteceu com ele, pense em como, enquanto que Jerusalém ainda estava de pé, e todo o culto judaico comemorado na mesma, Jesus predisse que se abateria sobre ele das mãos dos romanos . Para eles não sustentam que os conhecidos e alunos do próprio Jesus proferiu seu ensinamento contido no Evangelho, sem comprometendo-se a escrita, e deixou os seus discípulos, sem as memórias de Jesus contidos em suas obras.  
Como Hanson escreveu:
O argumento mais convincente para a visão de que Orígenes acreditava que as Escrituras eram a única fonte de doutrina para si mesmo ou qualquer outro cristão é que (ao contrário de Clemente), ele nunca cita qualquer outra fonte de sua autoridade para ensinar, e, geralmente, assume, sem dúvida, que, em qualquer discussão o fator decisivo é a evidência da Bíblia.  Â 
Como Irineu e Tertuliano, Orígenes apelou para a autoridade da regra de fé da Igreja e listou seu conteúdo doutrinário.  Â Esta regra se referia como cânone da Igreja. Como os pais anteriores ele, Orígenes acreditava que a regra de fé resumiu as verdades fundamentais da fé cristã. Foi representante da pregação da Igreja em suas linhas gerais, foi dada pelos apóstolos, e, em suas doutrinas específicas, foi fundamentada nas Escrituras. Pode ser objecto de recurso como uma autoridade fora da Escritura, mas as doutrinas particulares tiveram que ser validado a partir das Escrituras. Eram autoridades, mas paralelo idêntico em conteúdo. Hanson observa:
Orígenes fez consideram regra de fé a € ™ s Churcha como separado da Escritura, mas não totalmente dissociado dele. Regra de fé da Igreja foi, de facto, a manipulação e interpretação das Escrituras a € ™ s Churcha, e seu conteúdo deve, portanto, ser idêntica e obter o seu apoio da Escritura. Mas porque a regra de fé é o que a Igreja ensina e prega, e porque deriva em continuidade ininterrupta desde o que a Igreja sempre ensinou e pregou desde o início, ele não pode ser exatamente o mesmo que os livros escritos da Bíblia, embora certamente não é pensado para constituir uma fonte separada da doutrina da Escritura. A regra de fé é tradição a € ™ s Churcha como a Igreja ensina, prega-lo e entrega-a a seus filhos fiéis. As Escrituras são a mesma tradição da Igreja, como está escrito para baixo para ser para todos os cristãos "a certeza das coisas que eles são instruídos", ea fonte do ensinamento da Igreja e pregação.  Â 
Em Não por Escritura Sozinho , Joe Gallegos cita declarações de Orígenes que aqueles que são verdadeiramente cristã permanecer fiel ao que ele chama de tradição eclesiástica e apostólica da Igreja. Ele dá a seguinte interpretação das palavras de Orígenes:
Um dos escritores mais prolíficos do século III é Orígenes de Alexandria. Como os Padres antes dele, ele testemunha em seu tratado dogmática sobre a fé cristã da necessidade de apegar-se à fé tradicional da Igreja. Esta fé é transmitida e preservada através da sucessão ordenada dos apóstolos:
Uma vez que muitos, no entanto, aqueles que professam crer em Cristo diferem umas das outras, não só em pequenas e insignificantes coisas, mas também sobre temas da mais alta importância, como, por exemplo, a respeito de Deus, ou o Senhor Jesus Cristo, ou o Espírito Santo; e não apenas em relação a estes, mas também em relação a outros que são criados existências, a saber, os poderes e as virtudes santas.; parece por conta disso necessário primeiro de tudo para fixar um limite definido e estabelecer uma regra inequívoca a respeito de cada um deles, e, em seguida, passar para a investigação de outros pontos. Porque, assim como deixamos de buscar a verdade (não obstante as profissões de muitos entre os gregos e os bárbaros para torná-lo conhecido) entre todos os que alegou que por opiniões errôneas, depois de termos chegado a acreditar que Cristo era o Filho de Deus, e crendo que temos de aprender a partir de Si mesmo; assim, vendo que há muitos que pensam que manter as opiniões de Cristo, e ainda alguns deles pensam de forma diferente de seus antecessores, mas como o ensinamento da Igreja, transmitida em ordenada sucessão dos apóstolos, e permanecendo nas Igrejas até o presente dia, ainda é preservada, que só deve ser aceito como verdade o que difere em nenhum aspecto da tradição eclesiástica e apostólica.  Â 
Sua implicação nestes comentários é que a Igreja Católica Romana adere à tradição eclesiástica e apostólica porque ela está diretamente descendentes dos apóstolos, a Igreja protestante tendo partido dele. Se não formos um com a Igreja então não somos um com o ensino apostólico. Mas o que Orígenes dizer com "a tradição eclesiástica e apostólica? Ele se referia às doutrinas específicas que compõem o credo. Os comentários de Orígenes vêm do prefácio de seu tratado sobre os primeiros princípios , que é uma explicação do e comentários sobre o credo. Assim, a Igreja Protestante concorda plenamente, em sua maioria, com a tradição eclesiástica e apostólica, tal como definido por Orígenes. Por outro lado, embora a Igreja Católica Romana afirma as mesmas doutrinas, ela não adota a mesma regra de fé definido por Orígenes e descrito como a tradição eclesiástica e apostólica. Ela acrescentou inúmeras doutrinas para a regra que lhe eram completamente desconhecidos para o início da Igreja, como os dogmas papais e marianas. Como Orígenes colocou, "que por si só deve ser aceito como verdade o que difere em nenhum aspecto da tradição eclesiástica e apostólica". Por padrão Origenâ € ™ s, as doutrinas distintamente romanos devem ser rejeitados, porque eles diferem da tradição eclesiástica e apostólica e portanto não são verdade. É a Igreja Católica Romana, e não o protestante, que se afastou de tradição, tal como definido por Orígenes.

Cirilo de Jerusalém

Cyril foi bispo de Jerusalém, de 348 dC a 386 dC Seu tratado, As Leituras Catequéticas, é importante historicamente porque esta é a mais antiga documentação que possuímos da catequese da Igreja primitiva. Neste trabalho, Cyril dá uma exposição da fé cristã para aqueles que estão sendo preparados para o batismo; uma defesa sistemática e explicação do "cânone da verdade" e "a regra de fé." Este é um tratado exaustivo sobre o que foi ensinado aos iniciados na fé cristã, em meados do século IV. É, com efeito, o Creed. Seguindo o exemplo dos grandes pais que o precederam, Cirilo escreveu com convicção da inspiração divina e autoridade absoluta tanto do Antigo e Novo Testamentos. Ele se referiu a eles algumas vezes quinze como santo, Â twentyâ € "nove vezes como divino.três vezes mais sagrado,  e quatro vezes como divinamente inspirados pelo Espírito Santo.  Â  
    Porque ele acreditava que as Escrituras sejam escritos divinamente inspirados, Cyril ensinou que eles são a autoridade final para a Igreja e a única fonte de doutrina e de verdade. Ao longo de suas palestras , Cirilo defende cada ponto do Credo com as Escrituras, enfatizando repetidamente a necessidade de cada doutrina deve ser validada e comprovada a partir das Escrituras. Ele é enfático ao dizer que não é o ponto mínimo da doutrina deve ser entregue sem a prova das Escrituras:

Terás sempre em tua mente este selo, que para o presente foi levemente tocado em meu discurso, em jeito de resumo, mas devem ser indicados, se o Senhor o permitir, para o melhor de meu poder com a prova das Escrituras. Por sobre os mistérios divinos e sagrados da fé, nem mesmo uma declaração informal devem ser entregues sem as Sagradas Escrituras; nem devemos ser desviados por mera plausibilidade e artifícios de linguagem. Mesmo para mim, que te dizer estas coisas, dar crédito não é absoluta, a menos que recebam a prova das coisas que eu anuncio a partir das Escrituras Divinas. Por esta salvação que acreditamos não depende de raciocínio engenhoso, mas em demonstração das Sagradas Escrituras. 
Tal como acontece com Ireneu e Tertuliano, Cirilo usou a forma verbal da palavra tradição ( paradivdosqai - paradidosthai) para se referir à transmissão da fé, dizendo que nenhuma doutrina da fé é para ser entregue ou 'traditioned' além das Escrituras. Ele é insistente que se uma doutrina não está escrito que não pode ser conhecida e deve ser rejeitado. Ele rejeitou a especulação teológica sobre assuntos não escrito nas Escrituras.  Â Além disso, ele afirmou que suas palestras continha a totalidade da fé, sem nada omitir. Portanto, a totalidade da fé se fundamenta nas Escrituras:
Mas na aprendizagem da Fé e em professar-lo, adquirir e manter isso apenas, que agora é entregue a ti pela Igreja, e que foi estruturado fortemente de todas as Escrituras .... Nós compreendem toda a doutrina da Fé em poucas linhas .... Para os artigos da Fé não foram compostos conforme pareceu bem aos homens; mas os pontos mais importantes recolhidos de toda a Escritura constituem um ensino completo da Fé . E assim como a semente de mostarda em um pequeno grão contém muitos ramos, assim também esta Fé adotou em poucas palavras todo o conhecimento da piedade no Antigo e Novo Testamentos. 
Não há nada na regra de fé que não está escrito nas Escrituras. Assim, não existe nenhuma tradição oral, que tem autoridade para estabelecer e confirmar a fé de cada um dos membros da Igreja. Cyril certamente sabia de nenhuma tradição. Cyril, no entanto, falar de tradição. Por exemplo seu Palestras estado:
Acautelai-vos, pois, irmãos, e guarda-as tradições que vos agora recebem, e gravá-los em cima da mesa do seu coração.
O que Cyril dizer com "tradição" aqui? Apologistas católicos romanos afirmam que ele está se referindo aos ensinamentos orais proferidas à Igreja pelo Apóstolo Paulo. Eles argumentam que a insistência protestante que todas as citações acima de Cyril que parecem sugerir a confiança nas Escrituras somente como fonte e norma da verdade doutrinal são comprovados falacioso por esta referência à tradição. Eles cobram que os protestantes distorcer o ensinamento de Cirilo por negligenciar a ter em conta o seu ensino completo, tendo seus comentários fora de contexto. Robert Sungenis dá expressão a este ponto de vista:
Finalmente, para mostrar o quão perigoso pode ser para citar um Pai sem examinar o contexto de sua citação, ou tudo o que ele diz sobre um determinado assunto, vamos observar um caso de citação seletiva, que se não for examinado, parece apoiar a sola scriptura posição. O mesmo apologista protestante (Eric Svendsen) cita Cyril dizendo:
Para esses artigos da nossa fé não eram compostos de opinião humana, mas são os pontos principais recolhidos de toda a Escritura para completar uma única formulação doutrinal da fé.
A implicação do apologista está tentando tirar dessa citação é que só a Escritura, e não a tradição humana, tem sido acumulado em todas as suas peças para formar as estipulações doutrinárias da nossa fé. Esta parece ser uma interpretação plausível, ou seja, até que lemos o resto do número de Cyril eo início do próximo parágrafo:
Acautelai-vos, pois, irmãos, e guarda-as tradições que vos agora recebem, e gravá-los em cima da mesa do seu coração. Guarde-os com reverência, para que por acaso o inimigo despojar qualquer que cresceram folga; ou que algum herege perverter qualquer das verdades entregues a você ( Leituras Catequéticas 5.12)
Aqui Cyril está parafraseando a famosa passagem em 2 Tessalonicenses 2:15 ("Portanto, irmãos, sede firmes e segure com os ensinamentos passados ​​para você, se de boca em boca ou por carta ') que estipula tanto oral (' palavra de boca ") e escrita (" por Letter ') como revelação divina ea Tradição Paulo queria que os tessalonicenses preservar. Citação de Cirilo de 2 Tessalonicenses. 02:15 vem apenas duas frases após a citação extraída pelo apologista protestante, que ele usou para ensinar que Cyril acreditava nasola scriptura . Devemos assumir que este apologista não se preocupou em ler todo parágrafo de Cirilo, ou, mais provavelmente estava citando uma fonte secundária, cuja objetividade ele não questionou. O que se torna claro é que o único que tem realmente distorcida escritos de Cirilo, citando citações fora do contexto, é Sungenis. Por seu uso da palavra tradição Cyril não está se referindo a tradição oral. O contexto de sua afirmação revela que este seja o caso:
Assim, para o presente ouvir enquanto eu simplesmente dizer o Credo, e cometê-lo para a memória; mas na época adequada esperar a confirmação de Sagrada Escritura de cada parte do conteúdo. Para os artigos da Fé não foram compostos conforme pareceu bem aos homens; mas os pontos mais importantes recolhidos de toda a Escritura constituem um ensino completo da Fé. E assim como a semente de mostarda em um pequeno grão contém muitos ramos, assim também esta Fé adotou em poucas palavras todo o conhecimento da piedade no Antigo e Novo Testamentos. Acautelai-vos, pois, irmãos, e guarda-as tradições que vos agora recebem, e gravá-los em cima da mesa do seu coração.  
O contexto é muito importante aqui. Cyril está se referindo às doutrinas da fé que ele diz que está passando para os catecúmenos. Ele diz que eles são incorporados no Credo e todos foram coletadas fora das Escrituras. Além disso, ele diz que ele cometeu a fé a eles em sua totalidade. Assim, por "tradição", Cyril significava as doutrinas fundamentais do Estado de fé que foram derivados da Escritura e transmitida pela Escritura. Cyril não estava se referindo a tradição oral, quando ele usou o termo "tradição". Não há nenhuma menção de qualquer doutrina na totalidade dasPalestras que foi derivado de uma tal tradição. Em vez de ler o contexto completo de Cirilo de Palestras , de modo a interpretar as demonstrações individuais dentro desse contexto mais amplo, Sungenis isolado uma declaração, impondo sua própria teologia preconcebida sobre as palavras de Cirilo. Sungenis insiste que Cyril está se referindo tanto a tradição oral e ensino bíblico. Cyril exortou os catecúmenos para escrever as tradições ele proferidas a eles em seus corações. Onde estão as supostas tradições orais mencionado em suas palestras ? Não há nenhum. Todo ensino ou tradição que Cyril deu foi derivada a partir das Escrituras, de forma conclusiva proving que o uso de Cyril do termo "tradição" significava ensino repassado pela Igreja, radicada e provada pelas Escrituras. Por aludindo a 2 Tessalonicenses 2:15, Cyril demonstrou sua crença de que a tradição apostólica é preservada e transmitida através das Escrituras escritas. Como ele disse, é "traditioned 'através das Escrituras. 
    A documentação acima do ensino de Cirilo é um forte endosso do princípio da sola Scriptura . Apologistas católicos romanos Mesmo são forçados a admitir que as palavras de Cirilo são favoráveis 
​​a este princípio, embora eles tentam diminuir o vigor e as implicações de suas palavras como se vê a partir dos seguintes comentários de Philip Blosser e Patrick Madrid:

Um bom exemplo deste uso indevido protestante dos Padres da Igreja é feita por James White. Ele geralmente começa sua incursão dos Padres, em busca de evidências de sola scriptura com uma citação de Cirilo de de Jerusalém Leituras Catequéticas , em que ele diz: 'não menos parte [dos mistérios da fé] pode ser transmitido sem o Espírito Escrituras ... Mesmo para mim, que dizem essas coisas, não dão crença pronto, a menos que você recebe das Sagradas Escrituras a prova das coisas que eu anuncio.Tomado isoladamente a passagem pode parecer levemente promissor para os protestantes, mas a questão chave aqui é o significado bíblico 'prova'. O termo está aberto a significados largas e estreitas. Não podemos, em sentido estrito, "provar" muitas doutrinas das Escrituras (por exemplo, a Trindade, ou o batismo infantil). Mas em um sentido mais amplo, a Igreja que ensina essas doutrinas pode procurar 'provas' de Escrituras. O que quer dizer com Cyril 'prova'? Como Patrick Madrid aponta:
Se Cyril foi de fato o ensino sola scriptura [nesta passagem], os protestantes têm um grande problema. De Cirilo catequético Palestras são preenchidos com o seu ensinamento forte no magistério infalível da Igreja Católica (18:23), a Missa como um sacrifício (23:6-8), o conceito de purgatório ea eficácia das orações expiatórios para os mortos (23:10), a presença real de Cristo na Eucaristia (19:07; 21:03; 22:1-9), a teologia dos sacramentos (23:23), a regeneração batismal (1:3, 3: 10â € "12; 21:3-4), na verdade uma variedade espantosa de doutrinas especificamente" católica ". Fica claro, portanto, que Cyril não quis dizer bíblico "prova" no sentido estrito, e ele certamente não estava ensinando sola scriptura .  
Blosser e Madrid têm descaradamente deturpou este pai Igreja. Como vimos, Cyril não exigir prova bíblica para cada doutrina no sentido estrito. Ele afirma explicitamente. Muito de seus Palestras catequese é dado a provar a doutrina da Trindade a partir das Escrituras, ao contrário da afirmação de Blosser que não se pode, em sentido estrito, "provar" a doutrina desta maneira. 
    Dizem-nos que os protestantes que apelar para Cyril em apoio de sola Scriptura tem um grande problema porque Cyril também ensinou muitas coisas que são de apoio do dogma católico romano. Algumas dessas afirmações são verdadeiras, mas alguns não são. Somos informados por Madrid, por exemplo, que Cyril ensinou a infalibilidade da Igreja no Livro 18:23 de suas palestras, mas este é realmente um erro de tradução. Ele não disse que a Igreja ensina infalivelmente, mas sim que ela ensina "completamente" ou "com precisão." 
    Por outro lado, alguns dos ensinamentos de Cirilo são favoráveis 
​​a doutrina católica romana. O que vamos fazer com isso? Apologistas católicos romanos implica que, se aceitarmos uma tenent particular de ensino de Cirilo, que são então obrigados a aceitar tudo o que ele ensinou. Devemos fazer um importante-a distinção distinção entre o princípio da sola Scriptura eo princípio da interpretação. Apesar de concordar com certos aspectos dos ensinamentos de Cirilo, tais como o princípio fundamental da autoridade suprema e final da Escritura e sua suficiência, este não necessita de nossa aceitação de cada conclusão que ele chega ao sobre o significado das Escrituras. Toda doutrina que ele proclamou, mesmo aqueles listados pelos apologistas católicos romanos como apoio de seus próprios ensinamentos, ele buscou derivar e defender pela Escritura. Do ponto de vista protestante, podemos concordar com Cyril em sola Scriptura e ainda ter problema com algumas das suas interpretações dessas mesmas Escrituras. Esta é a mesma atitude dos pais si detidas em direção ao outro. Um exemplo notável é a atitude de Agostinho para Cipriano e outros bispos da Igreja:

Para os raciocínios de qualquer homem que seja, mesmo que eles sejam católicos, e de grande reputação, não estão a ser tratados por nós, da mesma forma como as Escrituras canônicas são tratados. Estamos em liberdade, sem fazer qualquer tipo de violência ao respeito que estes homens merecem, para condenar e rejeitar qualquer coisa em seus escritos, se por acaso veremos que eles têm entretido opiniões divergentes daquela que os outros ou nós mesmos temos, com a ajuda divina , descobriu-se a verdade. Eu lido assim com os escritos de outros, e eu gostaria que meus leitores inteligentes de lidar assim com o meu.  
Apologistas católicos romanos provam ser completamente inconsistente em sua própria prática. Eles sugerem que, se apelar para Cyril sobre um determinado assunto, somos obrigados a aceitar tudo o que ele ensina. Por que, então, há ensinamentos endossadas por Cyril que são rejeitados por estes mesmos apologistas romanos hoje? Por exemplo ,Cyril lista dos livros específicos do cânon das Escrituras, que segundo ele foram proferidas pela Igreja.  No entanto, Cyril rejeitou a maioria dos livros do Antigo Testamento Apócrifos do cânon das Escrituras. Em Não por Escritura Sozinho, Joe Gallegos faz referência ao ensino de Cirilo no cânone no contexto da promoção da autoridade da Igreja. Ele propositalmente engana seus leitores, dando a impressão de que Cirilo e os dias atuais Igreja Romana estão de acordo:
Foi a Igreja que decidiu quais livros foram e não foram incluídos no cânon das Escrituras ... Cirilo de Jerusalém discute onde se encontra o autêntico cânon da Bíblia em suas palestras sobre a fé: "Aprendei também diligentemente, e da Igreja , quais são os livros do Antigo Testamento, e quais os do Novo ".  
Isso é tudo, diz Gallegos. Ele não consegue dar todos os comentários de Cirilo no cânon. Por razões óbvias, ele propositadamente omite o catálogo de livros que diz Cyril foram autoritariamente determinado pela Igreja como canônico. A Igreja Católica Romana rejeitou a opinião de Cirilo, o que demonstra a contradição inerente entre as reivindicações dos apologistas romanos e os fatos da história. Se a Igreja nos dias de Cyril autoritariamente definiu o canon e Gallegos apela a que Igreja em apoio à autoridade da atual Roma, como ele pode rejeitar o que aquela Igreja ensinada autorizadamente na pessoa de Cirilo de Jerusalém? Gallegos quer apelar para Cirilo de Jerusalém em um ponto fundamental de autoridade, mas rejeita o ensinamento que ele diz é ilustrativo dessa autoridade. Isso é falso. Se ele tem a liberdade de rejeitar os ensinamentos de pais da Igreja, ao mesmo tempo apelar à autoridade da Igreja, em seguida, os protestantes têm a liberdade de rejeitar tudo o que os ensinamentos que acreditamos não estar de acordo com as Escrituras. Como vimos, essa era a prática geral da Igreja primitiva e sua abordagem para os escritos dos Padres da Igreja. 
    Em suas palestras , Cyril abordou a questão de sua autoridade como professor e bispo. Ele deixou claro para os catecúmenos que sua autoridade era dependente de sua fidelidade à Palavra de Deus escrita. Sua autoridade como professor deveria ser desconsiderada se ele ensinou alguma coisa que não pode ser provado a partir das Escrituras:

Mesmo para mim, que te dizer estas coisas, dar crédito não é absoluta, a menos que recebam a prova das coisas que eu anuncio a partir das Escrituras Divinas. Por esta salvação que acreditamos não depende de raciocínio engenhoso, mas em demonstração das Sagradas Escrituras ... Agora mente não minhas argumentações, pois talvez sejas enganado, mas a menos que recebam o testemunho dos profetas em cada assunto, não acredito que eu dizer:. a menos que tu aprender com as Sagradas Escrituras sobre a Virgem, eo lugar, o tempo ea forma, não recebo testemunho de homem 
Assim, a questão principal em relação a autoridade não era a posição eclesiástica, mas a conformidade com a verdade das Escrituras. Pedimos, se a Igreja Romana mudou a doutrina da Igreja antes, o que vai impedi-la de mudar ensinamentos fundamentais que ela abraça hoje? Na verdade, isso ocorreu em várias ocasiões ao longo da história do catolicismo romano. A Igreja Protestante está de acordo fundamental com a regra de fé ensinada pelos pais da Igreja primitiva. Isso não significa, porém, que nós aceitamos todos os treinos e interpretação da Escritura da época patrística mais do que fez a Igreja primitiva a si mesma ou a moderna Igreja Católica Romana.

Atanásio

Atanásio de Alexandria conseguiu Alexander como Bispo de ver que em 328 dC Ele é conhecido como o campeão indomável de Nicéia ortodoxia eo principal teólogo responsável pela doutrina de Nicéia da Trindade. Ele era um dos bispos mais influentes e importantes do século IV. Seus pontos de vista das Escrituras são claramente articulada em seus muitos tratados e cartas. Eles são compatíveis com os dos pais que examinamos até agora. Ele segurou a uma visão elevada da inspiração, primazia, suficiência e autoridade das Escrituras. Em seus escritos, ele chamou o Antigo eo Novo Testamento inspirado,  santo,  e divina. Atanásio ensinava há apenas uma revelação de Deus, as Escrituras escritas e inspirados do Antigo e Novo Testamentos. Eles são a única fonte de verdade para o cristão, o critério final contra o qual todo o ensino doutrinário deve ser medido, eo juiz final e final em todas as controvérsias doutrinárias. Em sua primeira carta aos Serapião, Atanásio escreveu:
Uma vez que, portanto, tal tentativa é loucura fútil, ou melhor, mais do que loucura!, Deixe ninguém fazer tais perguntas mais, ou então deixá-lo apenas o que está nas Escrituras aprender. Para as ilustrações contêm que incidem sobre este assunto são suficientes e adequados.  Â 
Ele enfatizou repetidamente em outras cartas que a fé da Igreja é derivado e conhecidos das Escrituras.  Em uma de suas cartas festivas depois de dar um catálogo dos livros canônicos da Bíblia, ele escreveu que esses livros compreendem a fonte de onde se deriva dos ensinamentos de salvação e santidade.  Ou seja, a Escritura é suficiente como uma revelação para todo o ensino relacionado à fé e moral. 
    Uma das aplicações de sua crença na suficiência das Escrituras era que, se a verdade não pode ser demonstrada a partir das Escrituras, que não era verdade e não podia ser conhecido.  Desde que ele considerava as Escrituras para ser tudo o suficiente, a fonte de toda a verdade e os únicos critérios e juiz em todas as controvérsias, Atanásio exigiu prova bíblica para todos os ensinamentos. Em toda a sua argumentação, ele apelou às Escrituras só para a validação da sua doutrina. Ele exigiu mandado exatamente o que Cirilo de Jerusalém exigiu-bíblica para cada doutrina. Â  
    Esta perspectiva é evidente em suas quatro cartas a Serapião, onde ele defende a doutrina da Trindade, a divindade de Cristo e da plena divindade do Espírito Santo completamente a partir das Escrituras. Uma e outra vez, quando afirma verdades sobre as pessoas específicas da Divindade, diz ele, 'está escrito', e ele passa a citar as Escrituras. É evidente a partir das citações acima que Atanásio considerados Escritura a melhor fonte e autoridade para a fé cristã. Também é digno de nota que ele descreveu a Escritura como a Tradição Apostólica. Do seu ponto de vista, o ensinamento dos apóstolos foi consagrado exclusivamente nas Escrituras. Qualquer ensinamento alegando autoridade apostólica tinha que estar de acordo com o que foi escrito. Archibald Robertson dá o seguinte resumo da posição Athanasiusâ € ™ da Escritura:

Sobre a suficiência das Escrituras para a criação de toda a doutrina necessária Atanásio insiste repetida e enfaticamente ... e ele segue-se preceito por exemplo. Suas obras são um apelo contínuo à Escritura. Não há nenhuma passagem em seus escritos que reconhece tradição como completando Escritura, isto é, como sanção artigos de fé não contidas nas Escrituras.  
Alguns podem argumentar que este é um overexaggeration desde o termo Atanásio utilizado para a defesa da divindade do Filho foi não bíblica. Enquanto verdade, Atanásio defendeu o uso do termo afirmando que transmitiu a mensagem essencial da Escritura como um todo. Ele escreveu:
Em vão, em seguida, que eles correm sobre com o pretexto de que eles exigiram Conselhos para o bem da fé; para a Escritura divina é suficiente sobre todas as coisas; mas se um Conselho seja necessário no momento, há os trabalhos dos Padres, para os Bispos de Nicéia não negligenciar este assunto, mas afirmou a doutrina tão exatamente, que as pessoas que lêem as suas palavras, honestamente, não pode deixar de ser lembrado por eles do religião para Cristo anunciou na Escritura divina. 

Atanásio e Tradição

Atanásio também falou da tradição. Em sua primeira epístola a Serapião, ele escreveu:
Estas palavras a respeito do Espírito Santo, por si só, mostram que, em natureza e essência, ele não tem nada em comum com ou apropriado para as criaturas, mas é distinto de as coisas se originam, própria, e não a partir de alienígena, a divindade ea essência do Filho ; em virtude da qual essência e natureza, ele é do Espírito Triad, e coloca sua estupidez de vergonha. Mas, para além destas palavras, vamos olhar para a própria tradição, ensinamento e fé da Igreja Católica, desde o início, que o Senhor deu, os Apóstolos pregavam, e os Padres mantido. Após isso, a Igreja é fundada, e aquele que deve cair a partir de que não seria um cristão. e não deve ser chamado. Há, então, uma Tríade, santo e completa, confessou ser Deus Pai, Filho e Espírito Santo, não tendo nada estranho ou externo misturado com ele, não é composta por um que cria e que é originado, mas todos criativa; e é consistente e de natureza indivisível, e sua atividade é de € oneâ | E para que saibam que esta é a fé da Igreja, deixá-los saber como o Senhor, quando enviando os apóstolos, ordenou-lhes para colocar essa base para da Igreja, dizendo: "Ide e fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Mt 28:19). Os Apóstolos foram, e, assim, eles ensinaram; e esta é a pregação que se estende a toda a Igreja que está sob o céu. Desde então, a Igreja tem esse fundamento da fé, deixe esses homens dizem-nos mais uma vez e deixá-los fazer resposta, Deus é tryad ou díade?  
A tradição Atanásio se refere é o ensinamento de Cristo em Mateus 28, que constitui a base para os vários credos da Igreja e, portanto, a fé da Igreja. Isso, diz ele, é o que Cristo passou para os apóstolos, que por sua vez, pregou e os pais têm mantido. Em relação à doutrina da pessoa de Cristo, Atanásio fala da tradição dos pais como uma confirmação da fé verdadeira. Ele diz:
Mas a nossa fé é certa, e começa a partir do ensinamento dos Apóstolos e da tradição dos pais, sendo confirmada tanto pelo Novo Testamento e do Antigo.  
Atanásio enfatiza que a fé é derivado do ensinamento dos apóstolos, por que ele quis dizer a Escritura ea tradição ou ensinamento dos pais, que, segundo ele, é confirmada pela Escritura. Em outras palavras, a prova de que o ensinamento dos pais era verdadeiramente apostólico é a conformidade com as Escrituras. 
    Em seu tratado, A Defesa do Credo de Nicéia , Atanásio explica o que ele quis dizer com a fé que está sendo derivada da tradição ou ensinamento dos pais. Ao defender o uso de homoousios- porque não era um termo bíblico-Atanásio escreveu que seu uso teve precedente histórico nos escritos dos quatro pais:. Dionísio de Alexandria, Theognostus, Orígenes e Dionísio of Roma  Ele apelou aos dois bispos e dois chefes da escola catequética de Alexandria, chamando-os de todos os pais, incluindo Orígenes. No entanto, ele não aceitou o seu ensino de forma acrítica; ele aceitou apenas porque poderia ser confirmada pela Escritura. Assim, não há duas fontes de conhecimento, mas um, as Escrituras Sagradas. Depois de fornecer uma extensa documentação das Escrituras em sua defesa da doutrina do Espírito Santo, Atanásio fez este apelo àqueles que haviam distorcido o ensino bíblico sobre o Espírito Santo, 'Harken com as Escrituras. " 
    Outra referência de Atanásio utilizado pelos apologistas católicos romanos em suas tentativas para aumentar a autoridade do seu tradição da Igreja e sobre a primazia das Escrituras diz respeito ao seu uso do termo 'santos'. Por exemplo, Atanásio escreveu:

Mas depois ele e com ele são todos os inventores de heresias ilegais, que na verdade se referem às Escrituras, mas não possuem tais opiniões como os santos ... entregaram para baixo, e recebê-los como as tradições dos homens, erre, porque eles fazem não justamente conhecê-los, nem seu poder. 
Apologistas romanos saltar para a conclusão de que o uso Atanásio dos santos termo aqui refere-se aos pais da Igreja que o precederam. Eles assumem que ele está reconhecendo a sua autoridade em entregar-se opiniões corretas ou ensino direita. O termo transmitida é outra maneira de dizer a tradição, SOA eles usam esta afirmação para apoiar a afirmação de que os pais olhou para a Igreja e sua tradição como a autoridade final sobre as Escrituras. Mas, conforme o contexto revela, em seu uso da palavra santos, Atanásio não referindo-se a pais da Igreja, mas para os escritores da Bíblia.  Ele os chama de santos e padres, e refere-se a seus escritos como a tradição apostólica.Devemos ser seguidores dos santos, isto é, dos apóstolos, seguindo o que eles escreveram:
Destes a palavra (divina) teria nos discípulos, e estes devem ser de direita nossos professores, e para eles só é necessário dar atenção, para deles só é "a palavra fiel e digna de toda a aceitação; ' estes não ser discípulos porque eles ouviram de outros, mas sendo testemunhas oculares e ministros da Palavra, aquilo que eles tinham ouvido falar dele já que proferida. 
Esta palavra 'santos' também é encontrada em cartas Atanásio a Serapião. Ele escreve:
As divinas Escrituras, então, mostram consistentemente que o Espírito Santo não é uma criatura, mas é próprio da Palavra e à divindade do Pai. Assim, o ensino dos santos se junta para estabelecer a Traid santa e indivisível; ea Igreja Católica tem uma só fé, mesmo este.
Shapland dá a este esclarecimento sobre o uso da palavra santos:
O ensinamento dos santos , ou seja, das Escrituras ... a {Gioi (hagioi) em Atanásio geralmente se refere a personagens bíblicos ou escritores, seja de Novo Testamento ou Velho Testamento. Assim, em Inc. de 57,de Fug . 15.
Assim, por Atanásio, as Escrituras são a base para a fé da Igreja. Eles são uma fonte de todo-suficiente de conhecimento do que Deus havia revelado à Igreja eo padrão final contra o qual todos os ensinamentos devem ser medidos. A autoridade de um Conselho ou bispo é dependente da conformidade com o ensinamento das Escrituras.
João Crisóstomo
João Crisóstomo detém a distinção de ser não só um pai prominent Igreja, mas também um dos maiores pregadores da Igreja primitiva grego e um de seus escritores mais prolíficos. Possuímos mais de seus escritos do que qualquer outro pai Igreja. Como Bertrand de Marjerie observou:
Como J. Quasten observou com razão, nenhum Padre da Igreja deixou para trás uma herança literária (e poderíamos acrescentar, uma herança exegética) como significativo no volume como é a de Crisóstomo.Ele é o único Antiochian cedo cujos escritos sobreviveram quase em sua totalidade. 
Os escritos de Crisóstomo são importantes também porque muitos eram sermões entregues à sua congregação e respirar um espírito pastoral. Sua ênfase não era polêmico em sua maior parte, mas a sua principal preocupação era com o crescimento espiritual e maturidade das pessoas para quem ele era o responsável. Portanto, temos, em Crisóstomo, aquele que lidou com os assuntos práticos da vida diária na vida da Igreja. Seus sermões são significativos, pois, em revelar o que ele achava as prioridades da vida cristã deve ser. Ao longo de seus escritos, uma verdade é enfatizado repetidamente: a primazia das Escrituras escritas. Ele ensina que eles são a fonte de todo-suficiente da verdade, os meios indispensáveis ​​de santificação, ea arma muito importante para a guerra espiritual na vida cristã. Crisóstomo não se cansa de exortar sua congregação para ler, estudar, meditar e obedecer as Escrituras.Essas exortações e admoestações foram enraizadas em sua crença na inspiração plena das Escrituras. Ele se refere a eles como divino, santo,  sagrado, Â os oráculos divinos.Para ouvir ou ler as Escrituras é ouvir Deus falar. São declarações do Espírito Santo. Ele acreditava que tanto o Antigo e Novo Testamento foram inspirados por Deus e infalível,  e porque eles são inspirados, eles carregam autoridade divina. Não há nada de inútil ou supérfluo neles, cada palavra tem um propósito. Como resultado dessa autoridade divina, Crisóstomo operado com base em uma série de princípios e convicções fundamentais. Em primeiro lugar, a Escritura é a Alla € "fonte suficiente de verdade; não há outra revelação de Deus. Ele nunca citou tradição para apoiar um argumento doutrinário ou para defender a fé:
"Para mim, já estou para ser oferecido" (2 Timóteo 4:6), diz ele. Por esta razão, ele escreve: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça. Tudo o que a Escritura? tudo o que a escrita sagrada, ele quer dizer, de que eu estava falando.Isto é dito do que ele estava discursando de; sobre o qual ele disse: "A partir de uma infância sabes as sagradas Escrituras." Tudo isso, então, "é dada por inspiração de Deus '; por isso, ele quer dizer, não duvido; e é "útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra. 
    "Por doutrina". Para  saberemos, se devemos aprender ou ser ignorante de qualquer coisa. E daípodemos refutar o que é falso, e daí podemos ser corrigido e levado a um juízo, pode ser confortado e consolado, e se alguma coisa é deficiente, podemos tê-lo adicionado a nós. 
'que o homem de Deus seja perfeito . Porque esta é a exortação da Escritura dado, que o homem de Deus seja perfeito prestados por ele; sem esta, portanto, ele não pode ser perfeito. Tu tens as Escrituras, diz ele, em vez de mim. Se queres aprender alguma coisa, tu possas aprender com eles. E se ele assim escreveu a Timóteo, que estava cheio do Espírito Santo, quanto mais para nós! 

Note-se que Crisóstomo ensinou que é a partir da Escritura inspirada por si só que aprendemos a verdade. Não há outra fonte. No lugar dos Apóstolos, que nos deu a revelação inspirada de Deus, temos as Escrituras. Assim, se a Escritura não ensina algo que não pode ser conhecido.
     Em segundo lugar, Crisóstomo ensinou que todos os argumentos devem ser comprovado a partir de e apoiados pela Escritura, mais eles são mera conjectura humana e raciocínio:

Estes, então, são as razões; mas é necessário estabelecer todos eles a partir das Escrituras, e para mostrar com exatidão de que tudo o que foi dito sobre este assunto não é uma invenção do raciocínio humano, mas a própria sentença das Escrituras. Pois assim será o que dizemos ser ao mesmo tempo mais merecedor de crédito e afundar o mais profundo em suas mentes.
Em terceiro lugar, Crisóstomo apelou consistentemente e constantemente as Escrituras para apoiar seus ensinamentos. Ele era um forte defensor do princípio de que a Escritura interpreta a Escritura.Robert Charles Colina faz estes comentários:
Esses lapsos são poucos em comparação com a freqüência de sua referência às Escrituras para apoiar seu ensino. No lugar de exegética convicção suas palavras são reforçadas com testemunhos bíblicos e sua própria racionalização ea teologia subjacente da Palavra .... Em suma, é uma dieta rica bíblica sua congregação é alimentado ... 
Em quarto lugar, o único verdadeiro mestre da parte de Deus, o "verdadeiro chefe de família", como Crisóstomo chama ele, é o único que tem um conhecimento profundo das Escrituras e ensina de acordo com ela.  Escritura é o instrumento utilizado pelos servos de Deus para a edificação da sua Igreja. É pela fidelidade às Escrituras que as ovelhas Willa discernir os verdadeiros pastores do falso. Aquele que não ensina de acordo com as Escrituras que ele chama de um ladrão, um ladrão e um falso profeta. O verdadeiro cristão é aquele cuja profissão ea prática está de acordo com as Escrituras. 
    Em quinto lugar, Crisóstomo constantemente exortados a sua congregação para preencher suas mentes e corações com as Escrituras. Em parte, o argumento contra a sola Scriptura foi a insinuação de que não poderia ter sido a aplicação prática deste princípio na vida da Igreja nos primeiros séculos por causa do analfabetismo generalizado ea indisponibilidade de bíblias. Tais afirmações são refutadas, no entanto, pelas próprias advertências de Crisóstomo.Ele exortou os seus ouvintes (repetidamente) para adquirir bíblias (pobreza ser nenhuma desculpa) e dar-se diligentemente para a sua leitura.   
    Os benefícios que ele enumera, acompanhados pelas constantes exortações que ele deu, sublinhado a sua crença na autoridade, suficiência e primazia das Escrituras para membros individuais da Igreja. Alguns dos benefícios que podem ser derivados da Escritura ele listados como: eles são a porta para o reino de Deus, eles são uma ajuda todo-suficiente para a santificação;  eles guardam o cristão e mantê-lo a salvo dos ataques dos hereges e falsos mestres; eles dão discernimento;Â eles são alimento da alma e segurança;  aderindo às Escrituras Cristo se torna nosso piloto e guia; através deles podemos agradar a Deus e receber recompensa;  através deles aprendemos doutrina certa e uma vida perfeita;  eles são a nossa arma espiritual;  eles armar a cristã contra os hereges;  eles são uma grande ajuda contra o pecado; saciam orgulho, calmaria desejo de dormir, pisar aos pés o amor ao dinheiro, inspirar confiança, dar paciência e permitir que o crente a desprezar dor; eles expelem desânimo, gerar prazer, extirpar o vício, fazer virtude criar raízes no coração, trazer estabilidade para a vida; eles derrubar falsas doutrinas, confirmar a verdade, ajudar a viver uma vida santa;  eles completamente extinguir os dardos do diabo;  banir todas as influências satânico; Â transformar nossas almas para insuperável beleza;  e santificar-nos. Era convicção de Crisóstomo que nenhum homem poderia ser salvo, que não deu atenção diligente a leitura consistente e aplicação da Escritura:

Devemos apagar completamente os dardos do diabo e vencê-los fora por leitura contínua das divinas Escrituras. Pois não é possível, não é possível para qualquer um para ser salvo sem tomar continuamente vantagem de leitura espiritual. 
Assim, dada a importância da Sagrada Escritura e os benefícios espirituais que revertam para aqueles que as aplicam, Crisóstomo exortava continuamente os membros de sua congregação para saturar suas mentes e corações com a palavra de Deus: estudar as Escrituras com atenção e diligência;  sinceramente e continuamente lê-los; procurá-los;  levá-los totalmente para si e mantê-los em suas mentes; ser ouvintes diligentes deles; continuamente habitar sobre eles; dar atenção a eles; deixá-los ser os temas de seu atendimento sério e constante em suas mãos;  gravá-las no seu coração; e aplicar-se às Escrituras com grande exatidão.   
    Em sexto lugar, Crisóstomo enumerou os males espirituais derivadas de uma negligência dos escritos divinos. Esta negligência, escreveu ele, torna um incapaz de resistir ao pecado;  ela é a causa de todos os males;  que incapacita uma pessoa em guerra espiritual, deixando-o indefeso e desprovido do Espírito Santo;  torna um escravo e prisioneiro do mundo. A ignorância das Escrituras é a causa da praga da heresias, vidas negligentes, trabalho que resulta em nenhuma vantagem, e muito pecado.  É um grande mal a ser ignorante das Escrituras; uma traição da salvação;  e torna a salvação impossível. 
    Crisóstomo freqüentemente repreendeu sua congregação por sua negligência das Escrituras. Era um tema recorrente em seus sermões. Ele instruiu que as crianças devem ser ensinadas a apreciar a disciplina da leitura bíblica e meditação, e exortou os pais a dar o exemplo. Crisóstomo exortou sua congregação para ler, estudar e meditar sobre as Escrituras que eles mighta entender e obedecê-la. Como veremos no capítulo três, ele estava convencido de que as Escrituras eram formalmente suficiente e poderia ser entendido pelo indivíduo comum, se certas condições foram cumpridas. 
    Está claro que Crisóstomo realizou ao princípio da sola Scriptura englobando tanto o seu material e formal de suficiência . Alguns argumentam contra isso, alegando que Crisóstomo afirmou a existência de tradições transmitidas pelos apóstolos independentes das Escrituras. Os comentários a seguir o que ele fez em 2 Tessalonicenses 2:15 são frequentemente citados em apoio desta tese:

"Assim, pois, irmãos, estai firmes e conservai as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa." Por isso, é manifesto, que não entregar todas as coisas por epístola, mas muitas coisas ainda não escrita, e de igual modo, tanto um quanto o outro são dignos de crédito. Portanto, vamos pensar a tradição da Igreja, também digno de crédito. É uma tradição, procurar mais longe. 
É esta evidência que Crisóstomo não era adepto da Sola Scriptura ? A chave, mais uma vez, está no significado de suas palavras. Quando ele fala da tradição, ele está se referindo a costumes e práticas eclesiásticas. Ele assumiu que, se uma prática tinha sido usado por muitos séculos era apostólica na origem. No entanto, em nenhum lugar, na totalidade de seus escritos, ele faz um apelo a uma tradição que é independente das Escrituras na defesa de uma doutrina ou como prova para apoiar qualquer ensinamento. Só a Escritura é a fonte da verdade e carrega dentro de si a sua própria autoridade normativa. Â 
Os Cappadocians
O Cappadocians é um título geral para três dos pais da Igreja mais influentes e importantes do século IV: Basílio de Cesaréia (também conhecido como Basílio, o Grande), seu irmão, Gregório de Nissa, e Gregório de Nazianzo.Ocasionalmente, a irmã de Basílio e Gregório, Macrina, também é incluído como o "quarto da Capadócia. Gregório de Nissa referiu a ela como o Mestre. Os três Capadócios foram responsáveis ​​por, finalmente, formular a doutrina trinitária ortodoxa que finalmente debelada a heresia ariana e essas heresias reunidas contra a pessoa do Espírito Santo. Eles são chamados os Cappadocians porque nasceram e bispados realizada na região da Capadócia, no centro da Ásia Menor, Turquia agora moderna. A sua importância é evidente a partir dos seguintes comentários:
Gregório de Nissa : Sua obra teológica ele ganhou grande respeito no Concílio de Nicéia (787), que lhe outorgou o título . Pai dos Pais 
Gregório de Nazianzo : Os Cinco Orations Teológicos de Gregório de Nazianzo, uma defesa da doutrina trinitária contra os Eunomians e macedônios, ele ganhou o título de O Teólogo. Diz-se desses discursos: "Em algumas páginas, e em poucas horas, Gregory resumiu e fechou a controvérsia de um século inteiro."
Basílio de Cesareia (Basílio Magno): Basil é contabilizado o fundador do monaquismo oriental; e com São João Crisóstomo, ele é um dos dois pilares da Igreja Oriental. 

Uso Os Cappadocians 'e visão da Escritura está em conformidade em todos os sentidos para que os pais que estudamos até agora. Eles ensinaram que a Escritura é santo, divino, sagrado, inspirado, e aquele revelação autorizada possuímos de Deus. Escritura é autoritário como o juiz de todas as controvérsias e suficiente para declarar a plenitude da fé cristã. Em um diálogo com Gregório de Nissa, sua irmã Macrina fez a seguinte observação, com a aprovação de Gregory:
Nós não têm direito a essa licença, quero dizer que de afirmar o que nos agrada; fazemos as Sagradas Escrituras a regra ea medida de cada dogma (dogma); nós necessariamente fixamos nossos olhos sobre isto, e aprovamos somente aquilo que pode ser feito para harmonizar com o sentido de tais escritos .
Basil escreveu em muito a mesma linguagem insistindo que somente a Escritura é a pedra de toque da fé e da salvaguarda contra o erro. Ele afirmou que tudo o que não é expressamente ensinada nas Escrituras deve ser rejeitado e todo o ensino deve ser demonstrado e provado a partir das Escrituras:
Mas se "o Senhor é fiel em todas as suas palavras" e "Todos os seus mandamentos são fiéis, confirmou para sempre e sempre, feito em verdade e da equidade", para apagar tudo o que está escrito para baixo ou para interpolar qualquer coisa não está escrito quantidades para abrir deserção da fé e faz com que o infrator sujeito a uma acusação de desacato. Por nosso Senhor Jesus Cristo diz: "As minhas ovelhas ouvem a minha voz", e, antes disso, Ele disse: ". Mas um estranho que não seguir, mas voar a partir dele, porque não conhecem a voz dos estranhos" E o Apóstolo, usando um paralelo humano, mais fortemente proíbe a adição ou remoção de qualquer coisa, desde a Sagrada Escritura com as seguintes palavras: 'ainda uma prova manâ € ™ s se for confirmado, ninguém o despreza nem acrescenta doutrina a ele'.
Gregório de Nissa ecoaram os mesmos sentimentos:
Tudo o que não é suportado pelo testemunho da Escritura nós rejeitamos como falsa. 
Então, se a Escritura não ensina uma doutrina particular, não pode ser verdade. Tudo especulação que ultrapassa a revelação das Escrituras deve ser rejeitado como "inativo". Não se pode saber o que a Bíblia não revela.  Em matéria de controvérsia, a Escritura é o árbitro final entre a verdade eo erro. Ele tem precedência sobre a tradição eo costume. Em sua controvérsia com o Pneumatomachi (aqueles que negavam a divindade do Espírito Santo), Basílio foi acusado de introduzir novos ensinamentos, que alegou serem anti-histórica porque contradisse sua tradição. Basil rejeitou o argumento da tradição e defendeu a Escritura como o único recurso para o julgamento final:
Sua queixa é que o costume não aceita isso, e que a Escritura não concordo. Qual é a minha resposta? Eu não considero justo que o costume que obtém entre eles deve ser considerado como uma lei e regra da ortodoxia. Se o costume é para ser tomado como prova do que é certo, então é certamente competente para me apresentar ao meu lado o costume que obtém aqui. Se eles rejeitam isso, claramente, não são obrigados a segui-los. Portanto, que a Escritura inspirada por Deus decidir entre nós; e em qualquer lado ser encontradas doutrinas em harmonia com a Palavra de Deus, em favor de que lado será o voto de verdade. 
Gregório de Nissa fizeram a mesma afirmação:
Alegam que, enquanto confessamos três pessoas, dizemos que há um Deus, e um poder, e uma divindade.E nesta afirmação que não vão além da verdade; para nós dizemos assim. Mas a razão da sua queixa é que o costume não admite isso, e que as Escrituras não apoiá-lo. Qual é então a nossa resposta? Nós não pensamos que é certo para fazer o seu costume que prevalece a lei ea regra da sã doutrina. Porque, se costume é aproveitar para a prova de solidez, também nós, com certeza, pode avançar nosso costume que prevalece; e se eles rejeitam isso, estamos certamente não obrigado a seguir a deles. Deixe a Escritura inspirada, então, ser o nosso árbitro, eo voto da verdade certamente será dada para aqueles cujos dogmas são encontrados a concordar com as palavras divinas.
Ao se referir aos escritos e ensinamentos dos pais que o precederam, Basil afirmaram que possuíam uma autoridade definitiva. No entanto, enquanto que lhes respeito e autoridade, ele qualificou a sua autoridade como secundária e contingente na natureza. Eles tinham autoridade apenas porque os seus ensinamentos conforme a Escritura. Ele nunca recebeu o ensinamento dos pais como autônomo ou co-igual com as Escrituras:
O que nossos pais disseram, o mesmo dizer que, para que a glória do Pai e do Filho, é comum; Portanto, oferecemos a doxologia ao Pai com o Filho. Mas nós não descansar apenas no fato de que essa é a tradição dos Padres; pois eles também seguiu o sentido da Escritura, e começou a partir da evidência de que, algumas frases para trás, eu deduzido da Escritura e colocou diante de você. 
Ele alertou que é dever de todos os professores que tomar cuidado para que eles não ensinam nada além da vontade de Deus, como é revelada nas Escrituras, tornando-se, assim, falsas testemunhas e falsos mestres:
O que mente deve ter um prelado nas coisas que ele comanda ou nomear? Para que a resposta seja, em direção a Deus, como servo de Cristo, e um dispensador dos mistérios de Deus, temendo que ele deveria falar ou pedir qualquer coisa além da vontade de Deus, conforme declarado nas Escrituras, e encontrar um falso testemunho de Deus, ou sacrílego, em qualquer introdução de qualquer coisa estranha à doutrina do Senhor, ou omitindo alguma coisa aceitável a Deus. 
Basil deu uma advertência semelhante à de Cirilo de Jerusalém, exortando seus leitores a examinar cada professor e de rejeitar qualquer ensinamento que não se conformava com a Escritura:
Quanto aos ouvintes: que esses ouvintes que são instruídos nas Escrituras deve examinar o que é dito pelos professores, recebendo o que está em conformidade com as Escrituras e rejeitar o que se opõe a eles; e que aqueles que persistem em ensinar tais doutrinas devem ser rigorosamente evitados.
Esta perspectiva também foi enunciada por Agostinho que disse que iria receber o ensinamento dos pais apenas como eles conformados com o ensino das Escrituras. Muitos séculos depois, Tomás de Aquino reafirmou a posição expressa por Basílio, Cirilo e Agostinho:
Todos os intermediários através dos quais a fé vem a nós são acima de qualquer suspeita. Acreditamos que os profetas e apóstolos, porque o Senhor tem sido o seu testemunho através da realização de milagres, como Mark (16:20) diz: "... e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram." E acreditamos que os sucessores dos apóstolos e profetas apenas na medida em que eles nos dizem as coisas que os apóstolos e profetas deixaram em seus escritos. 
Estes pais nunca ensinou uma aceitação cega do ensinamento da Igreja, mas que todo o ensino deve ser ratificado pela Escritura. Para requote Basil:
Regra Vinte e seis:. Que cada palavra e ação devem ser ratificados pelo testemunho da Sagrada Escritura para confirmar o bom e causa vergonha aos ímpios
Um dos escritos de Basil é um tratado intitulado concernentes à fé . Ele escreveu em suas observações introdutórias que tinha a intenção de expor as doutrinas essenciais da fé como ele lhes tinha aprendido com as divinas Escrituras.Ele afirmou que a Escritura é a fonte da doutrina da fé e que é ilegal a acrescentar nada para ele não está escrito nas Escrituras.  Basil seguiu precisamente o padrão que presenciou com Cirilo de Jerusalém. Ele expôs o credo, dando prova de cada doutrina da Escritura. Ele exortou seus leitores a fundamentar suas convicções em sua verdade.A totalidade da fé, no que se refere à doutrina e moral, é, de acordo com Basílio, comunicada através das Escrituras, um sentimento também expresso por Gregório de Nissa. As Escrituras, então, são uma regra suficiente para a proclamação da verdade. Tudo o que é necessário para ser acreditado para a salvação é revelada neles, e nada aí não revelado deve ser rejeitado, pois está fora da fé. Basil avisou que o verdadeiro cristão é caracterizado pela adesão estrita ao ensino das Escrituras:
Qual é a marca de um cristão? A fé pela caridade. Qual é a marca da fé? A certeza de convicção da verdade das palavras inspiradas, para não ser abalada por qualquer processo de raciocínio, nem pela alegando dos requisitos naturais, nem pelas pretensões de falsa piedade. Qual é a marca de uma alma fiel? Para ser nestas disposições da aceitação plena sobre a autoridade das palavras [da Escritura], não se aventurando a rejeitar nada nem fazer adições. Pois, se "tudo o que não é de fé é pecado", como diz o Apóstolo, e "a fé vem pelo ouvir, eo ouvir pela palavra de Deus," tudo fora Sagrada Escritura, de não ser de fé é pecado. 
Precisamos observar aqui que, quando Basílio disse que era ilegal a acrescentar nada à fé que não está na Escritura, ele não quis dizer o uso de termos não encontrado nas Escrituras, como homoousios ou Trindade, mas que todos os termos utilizados devem refletir o sentido geral das Escrituras-sua abrangência geral ou intenção. Como Macrina colocou:
Nós fazemos as Sagradas Escrituras a regra ea medida de cada dogma (dogma); nós necessariamente fixamos nossos olhos sobre isto, e aprovamos somente aquilo que pode ser feito para harmonizar com o sentido de tais escritos.
Gregório de Nazianzo expressa uma opinião semelhante:
Mais uma vez, onde é que você começa a sua Não-Gerado e não originado, essas duas cidadelas de sua posição, ou que o nosso imortal? Mostre-me isso em tantas palavras, ou vamos ou retirá-las ou apagá-las como não contida nas Escrituras; e você está morto por seu próprio princípio, os nomes que dependem de ser derrubado, e com isso a parede de refúgio em que você confiou. Não é evidente que eles são devido a passagens que eles implicam, embora as palavras realmente não ocorre? O que são essas passagens?-Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e antes de mim não havia Deus, nem haverá depois de mim. Por tudo isso depende de que Am faz para o meu lado, pois ela não tem começo nem fim. Quando você aceita isso, que nada é diante dEle, e que Ele não é uma causa mais velho, você implicitamente lhe dado os títulos não-gerado e não originado.
O Cappadocians, mantendo tenazmente à primazia e suficiência das Escrituras, não enfatizar uma adesão servil às palavras literais da Bíblia, mas para o seu significado. Eles empregaram lógica e raciocínio para expressar a verdade das Escrituras, mas ambos foram sempre sujeitas à palavra de Deus. Eles argumentaram a partir das Escrituras a conclusões bíblicas. Como Gregório de Nissa escreveu:  
Assim que a nossa razão, sob a orientação da Escritura, colocar não só o Unigênito, mas o Espírito Santo, bem acima da criação, e levar-nos de acordo com a ordem de nosso Salvador para contemplar Ele pela fé no mundo abençoado da vida dando e existência incriado, e assim esta unidade, que nós acreditamos, acima de criação e compartilhamento na natureza suprema e absolutamente perfeito ... 
O argumento para a supremacia, primazia e autoridade das Escrituras em todas as discussões teológicas é bem defendida por Gregório de Nissa e sua irmã Macrina. Em seu diálogo com o outro sobre a natureza da alma e da realidade da ressurreição, Macrina mantida, como vimos acima, que a Escritura é a regra de cada inquilino ou dogma. Aqui queremos dar um contexto mais completo para seus comentários. Elas foram feitas em referência às especulações filosóficas gregas, em particular, as de Platão e Aristóteles. Ela enfaticamente afirmou que o cristão nunca é dar pleno reinado de especulação intelectual sobre a realidade. Todo o raciocínio deve ser colocada sob a autoridade das Escrituras:
Quanto a nós, se a filosofia gentílica, que trata metodicamente todos estes pontos, fosse realmente adequada para uma demonstração, com certeza seria supérfluo adicionar uma discussão sobre a alma a essas especulações. Mas enquanto o segundo passou, sobre o assunto da alma, tanto na direção das conseqüências como o pensador agradaram, não têm direito a essa licença, quero dizer que de afirmar o que nos agrada; fazemos as Sagradas Escrituras a regra ea medida de cada princípio; nós necessariamente fixamos nossos olhos sobre isto, e aprovamos somente aquilo que pode ser feito para harmonizar com o sentido de tais escritos. Devemos, portanto, negligenciar a carruagem platônica eo par de cavalos de forças desiguais atrelados a ele, e seu motorista, segundo o qual o filósofo alegoriza esses fatos sobre a alma; devemos negligenciar também tudo o que é dito pelo filósofo que o sucedeu e que seguiu para fora probabilidades pelas regras da arte, e diligentemente investigada a própria questão agora diante de nós, declarando que a alma era Mortala em razão desses dois princípios; devemos negligenciar tudo antes e desde o seu tempo, se filosofou em prosa ou em verso, e vamos adotar, como o guia de nosso raciocínio, a Escritura, a qual estabelece que estabelece como um axioma que não há excelência na alma que não é uma propriedade bem da natureza divina .... Se, por outro lado, qualquer um vai aceitar uma discussão que está em uma forma unsyllogistic nu, vamos falar sobre esses pontos, fazendo nosso trabalho deles tanto quanto pudermos seguir a cadeia da tradição bíblica. O que é, então, que nós afirmamos? 
Macrina então começou a explicar sobre a natureza da alma usando argumentação lógica, sem qualquer recurso específico para a Escritura. Gregory admoestou ela, lembrando-lhe que, apesar de ele concordar com suas conclusões e seu processo de raciocínio, que havia determinado a apoiar todos os seus ensinamentos e conclusões a partir das Escrituras. Um processo de raciocínio desprovido de testemunho bíblico não era suficiente. Ela deve aderir a seus próprios princípios básicos, apoiando suas conclusões a partir da Escritura:
Muito comovido com essas palavras, eu disse: Para qualquer um que reflete, de fato, a sua exposição, avançando como faz desta maneira consecutiva, embora simples e sem verniz, tem bastante sobre ela o selo de correção e atinge a verdade. E para aqueles que são especialistas apenas nos métodos técnicos de prova uma mera demonstração suficiente para convencer; mas, quanto a nós, foram acordados de que há algo mais confiável do que qualquer uma destas conclusões artificiais, ou seja, que os ensinamentos da Sagrada Escritura a ponto: e por isso eu considere que é necessário para saber, para a 
Macrina concordou com esta advertência. Ela respondeu com:
E quem, ela respondeu, poderia negar que a verdade pode ser encontrada apenas em que em que o selo do testemunho bíblico é definido? Assim, se é necessário que alguma coisa a partir dos Evangelhos deve ser apresentado em apoio da nossa visão, um estudo da parábola do joio e do trigo não vai estar aqui fora do lugar.
Jaroslav Pelikan resume a posição dos Cappadocians ':
Quando o Cappadocians interpretado Deus, o mundo, eo homem como tópicos dogmática ortodoxos, que poderiam e que pressupõem, como pressupostos óbvios, alguns pontos de vista de Deus, o mundo, eo homem que havia chegado a eles a partir de sua herança na cultura clássica. Claramente eles alegou estar atribuindo prioridade oficial para o ensino bíblico. Na doutrina de Deus, eles declararam, a encarnação doLogos , que não veio para complementar, mas para corrigir todos os pressupostos existentes sobre a natureza divina. Na doutrina da imortalidade, Gregório de Nissa reconheceu que filosófico 'exposição, avançando como fez desta maneira consecutiva, "de Macrina foi convincente em termos puramente naturais. Mas, então, ele imediatamente passou a identificar a Escritura como â € ~ mais confiável do que qualquer um destes artificial conclusionsâ € ™; e, portanto, ele exigiu dela: "É preciso perguntar, para além do que já foi dito, se este ensino inspirado harmoniza com tudo isso." 
De acordo com o Cappadocians, então, as Escrituras são materialmente suficientes. Além disso, de acordo com Basílio, eles são formalmente suficiente através do ministério de iluminação do Espírito Santo. Ao escrever a uma viúva, ele encorajou-a com estas palavras:
Desfrutando de como você faz a consolação das Sagradas Escrituras, você está na necessidade nenhuma de minha ajuda, nem da de qualquer outra pessoa para ajudá-lo a compreender o seu dever. Você tem o conselho e orientação todo-suficiente do Espírito Santo para levá-lo para o que é certo. 
Em todas as suas controvérsias a Cappadocians aterrado seus argumentos sobre o ensino das Escrituras, exigindo prova de seus adversários para qualquer e todos os ensinamentos. Gregório de Nissa é representativa nestes comentários contra Eunomius:
Que ele nos dizer onde ele tem essa ousadia de afirmação. Pelo que inspirou enunciação? O evangelista, o apóstolo jamais proferiu tais palavras? O profeta, o legislador, o patriarca, que outra pessoa de todos os que foram divinamente inspirados pelo Espírito Santo, cujas vozes são preservados por escrito, nunca originou tal declaração como esta? 
Precisamos dizer uma palavra aqui sobre a tradição porque Basil é citado mais do que qualquer outro pai em apoio do princípio da tradição oral apostólica extra-bíblica. Apologistas católicos romanos rejeitam as conclusões que têm atraído sobre o ponto de vista da Capadócia do primado e suficiência das Escrituras, devido aos comentários de manjericão em tradição. Vamos analisar esta questão em detalhe no próximo capítulo, mas basta dizer aqui que Basil, de fato, acreditam na tradição apostólica independente das Escrituras. No entanto, quando seu ensino é examinado dentro do contexto de seus escritos em geral, o que fica claro é que a sua posição na tradição não diminuiu sua crença na suficiência de material e formal e primazia das Escrituras. Ele escreveu que havia muitas práticas da Igreja que foram enraizados na tradição e não foram mencionados nas Escrituras.  Ele deu exemplos específicos de tradições que ele acreditava serem proferidas pelos apóstolos além da Escritura.  É importante lembrar que quando Basil referido tradições não escritas, ele estava se referindo especificamente a práticas e costumes eclesiásticos e não doutrina. Toda esta questão surgiu quando ele foi criticado por usar um termo nonscriptural para defender a divindade do Espírito Santo, que tinha uma longa história de uso na Igreja. Mas, mesmo com o apelo ao uso tradicional de uma palavra, Basil não contam com o argumento da tradição em um sentido exclusivo. Ele afirmou que o uso da palavra era aceitável apenas porque estava em harmonia com o ensino geral da Escritura.  Além disso, as práticas que Basil mencionados foram claramente desnecessário para a fé, porque a maioria deles não são mais praticados demonstrando que eles são de importância secundária. A autoridade máxima ainda era Escrituras.(notas Traduzido por Edimilson Teixeira, 2009.) 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.