sábado, 27 de fevereiro de 2016

Teologia Doutrina da Salvação



                               DOUTRINA DA SALVAÇÃO
                                      João 3.14-21.




Afirma Matthew Henry que a nossa “salvação é tão bem projetada, tão bem harmonizada, que Deus pode ter misericórdia dos pobres pecadores e estar em paz com eles, sem nenhum prejuízo de sua verdade e justiça”. Quem há de contestar o irmão Henry? Certo teólogo, aliás, chegou a declarar que o Plano de Salvação é tão eterno quanto o próprio Deus.
Neste domingo, veremos o que a Bíblia ensina acerca da salvação; é um tema que se estende do Gênesis ao Apocalipse.

I. O QUE É A SALVAÇÃO

1. Definição etimológica. Na língua original do Novo Testamento, a palavra sōtēria, além de salvação, traz as seguintes significações: “libertação de um perigo eminente. Livramento do poder e da maldição do pecado. Restituição do homem à plena comunhão com Deus” (Dicionário Teológico).
2. Definição teológica. Doutrina segundo a qual, Deus, em seu insondável amor, ofereceu o seu Unigênito para salvar pela graça, por intermédio da fé, os que o aceitam como o único e suficiente Salvador (Ef 2.8-10). A salvação é amorosamente inclusiva; contempla a humanidade por inteiro, visto que todos nós, em Adão, caímos no pecado pela transgressão da Lei de Deus; logo: todos precisamos ser resgatados por Cristo. Ler Rm 5.12,17,18; Gl 4.4,5; Is 43.27.

II. A GRAÇA DE DEUS NA SALVAÇÃO DO HOMEM

Agostinho realça a doutrina da graça divina: “A graça de Deus não encontra homens aptos para a salvação, mas torna-os aptos a recebê-la”. Nesta admirável definição, temos a essência do que é e do que representa a graça de Deus.
1. Definição etimológica.Tanto a palavra hebraica hessed, quanto a grega charis, trazem a idéia de favor imerecido. Esta é a mais universal e clássica definição de graça.
2. Definição teológica. A graça, portanto, é o favor imerecido que Deus, gratuitamente, concede à raça humana, capacitando-nos a compreender, a aceitar e a usufruir, de imediato, das bênçãos do Plano de Salvação (Ef 2.8,9).
3. Objetivos da graça de Deus. A graça tem por objetivos: 1) salvar o homem da condenação do pecado; e 2) restringir a ação deste, levando o ser humano a viver nas regiões celestiais em Cristo Jesus (Rm 5.2; Ef 2.8). A graça é operada mediante a fé.


III. ELEIÇÃO E PREDESTINAÇÃO

Conforme Efésios 1.4,5, a eleição (v.4) precede a predestinação (v.5) que, embora infinita e insondável, não é a salvação em si. A predestinação é “para a salvação” (2 Ts 2.13), a fim de sermos filhos de adoção (Ef 1.5)
1. Eleição (Ef 1.4,5). Antes mesmo de o Universo ter sido criado, nós já havíamos sido eleitos por Deus para usufruir plenamente da salvação. Leia também 1 Pe 1.1,2.
2. Predestinação. O apóstolo afirma que fomos não somente eleitos, mas igualmente predestinados à vida eterna (Ef 1.5).
Isto não significa, porém, que Deus tenha amado apenas uma parte da raça humana; amou-a por completo. Pois a promessa do Salvador foi feita em primeiro lugar a Adão — o pai de todas as famílias da Terra e representante de toda a humanidade (Gn 3.15). Portanto, basta o homem receber a Cristo para desfrutar, de imediato, dos benefícios da eleição e da predestinação. Em sua presciência, Deus elegeu, em seu Filho, aqueles que, aceitando o Evangelho, experimentam o milagre da regeneração.

IV. A REGENERAÇÃO

Neste tópico, entraremos a ver por que a regeneração é tão importante à união do ser humano com Deus. Vejamos, pois, o que é a regeneração?
1. Definição etimológica. A palavra regeneração significa gerar de novo, nascer outra vez.
2. Definição teológica. A regeneração é a obra fundamental e instantânea de Deus que concede gratuitamente ao pecador uma nova vida espiritual através dos méritos de Cristo. É a natureza divina operando no crente por intermédio da ação do Espírito Santo (2 Pe 1.1-5).
3. A necessidade da regeneração. É necessária para se entrar no céu (Jo 3.3); para se resistir ao pecado (1 Jo 3.9); para se ter uma vida de retidão (1 Jo 2.29).

V. A JUSTIFICAÇÃO

1. Definição etimológica. A palavra justificação é oriunda do hebraico tsādēq e do grego dikaios. Significa, declarar justo pelos méritos de Cristo.
2. Definição teológica. Justificação é um termo forense e traz esta rica conotação: declarar alguém justo, como se este jamais houvera cometido quaisquer iniqüidades. Logo: é mais do que absolvição; é colocar o pecador arrependido no lugar de justo.
3. Benefícios da justificação. Estes são alguns dos benefícios da justificação: 1) um novo relacionamento com a Lei (At 13.39); 2) um novo relacionamento com Deus (Rm 5.1,9); uma nova concepção sobre a própria culpa (Rm 8.33); uma nova perspectiva quanto ao futuro (Tt 3.7).

VI. A ADOÇÃO

Antes de aceitarmos a Cristo, éramos apenas criaturas; agora, co-herdeiros de Cristo Jesus com pleno acesso a todas as bênçãos que, nEle, reservou-nos o Pai Celeste (Ef 1.13; 1 Co 3.21). A adoção, portanto, é uma das mais belas e confortadoras doutrinas da Bíblia.
1. Definição etimológica. A palavra adoção, considerada literalmente, significa colocar na posição de filho.
2. Definição teológica. No Novo Testamento, o vocábulo descreve o ato pelo qual Deus recebe, como filho, alguém que, legal e espiritualmente, não desfruta do direito de tê-lo como Pai. A partir desse momento, passa esse alguém, mediante o sacrifício de Cristo no Calvário, a desfrutar de todos os privilégios que Deus preparou àqueles que aceitam a Cristo como único e suficiente Salvador. O termo adoção encontra-se apenas nas epístolas paulinas (Rm 8.15,23; 9.4; Gl 4.5; Ef 1.5).
3. Os privilégios da adoção. Adotado por Deus, o crente é considerado como filho do Pai Celeste (1 Jo 3.2); como irmão de Jesus (Hb 2.11); como herdeiro dos céus (Rm 8.17). De igual modo, é libertado do medo (Rm 8.15) e desfruta de segurança e certeza de vida eterna (Gl 4.5,6).

VII. A SANTIFICAÇÃO

A doutrina da santificação é uma das mais negligenciadas de nosso púlpito. Apesar disso, sua validade e reivindicações continuam tão eloqüentes hoje como nos tempos bíblicos. O que é, todavia, a santificação?
1. Definição etimológica. A palavra santificação, nos seus dois principais termos das Sagradas Escrituras (qōdesh, no A.T., e hagiazō, no N.T.), significam: separação do mundo e consagração a Deus.
2. Definição teológica. Tendo por base a graça divina, a santificação leva o crente a separar-se do mundo, de sua filosofia de vida e de suas vis concupiscências, a fim de consagrar-se totalmente a Deus e ao serviço de seu Reino.
3. A santificação é um processo. Se a regeneração é um ato instantâneo, a santificação é um processo, através do qual o homem, continuamente, torna-se, pela ação do Espírito Santo, mais parecido com Deus (Pv 4.18; Fp 3.12-14; 2 Co 3.18).
4. Os propósitos da santificação. Levar o homem a identificar-se com o seu Criador (Lv 19.2; Gl 2.19) e constranger o homem a dedicar-se ao serviço de Deus (Êx 19.6).
5. Os meios da santificação. Estes são os meios através dos quais Deus opera, em nós, a santificação: a Palavra (Jo 17.17); o sangue de Jesus (Hb 13.12); o Espírito Santo (2 Ts 2.13); a fé em Deus (At 26.18).
Como é maravilhoso experimentar a salvação em Cristo Jesus! Todavia, o melhor está por vir. Quando Ele voltar para buscar a sua Igreja, haveremos de experimentar a salvação em toda a sua plenitude. Conforme ensina o apóstolo Paulo, os salvos seremos transformados num abrir e fechar de olhos ante o toque da última trombeta. E, assim, estaremos para sempre com o Senhor. Aleluia! Você já experimentou a salvação? Aceite a Cristo imediatamente.

                                   O Alcance da Salvação

1. A salvação é para o mundo inteiro. Através do sacrifício perfeito de Cristo, todos os habitantes da Terra foram representados, e os seus pecados foram potencialmente perdoados. Cristo ‘é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro’ (1 Jo 2.2).
2. A salvação é para os que crêem. Apesar de Cristo haver morrido pelos pecados do mundo inteiro, há um sentido em que a expiação é uma provisão divina feita especialmente por aqueles que crêem. Paulo apresenta Jesus Cristo como o ‘Salvador de todos os homens, especialmente dos fiéis’ (1 Tm 4.10). Deste modo, apesar de a salvação estar à disposição de toda a humanidade, de forma experimental ela se aplica exclusivamente àqueles que crêem.

3. Alguns abandonarão a salvação. A Bíblia dá a entender que muitos daqueles pelos quais Cristo morreu, aceitarão a sua provisão salvadora, mas depois abandonarão, perdendo com isto o direito à vida eterna [...]”.(OLIVEIRA, R. As grandes doutrinas da Bíblia. 7.ed., RJ: CPAD, 2003, p.217-8.)fonte CPAD 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.