segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Subsidio(2) CPAD jovens o jugo desigual 6/3/2016





   Subsidio JOVENS CUIDADO COM O JUGO DESIGUAL

                            2 Coríntios 6.14-18; 7.1,8-10.





               SUBSIDIO JOVENS CUIDADO COM O JUGO DESIGUAL
                                         2 Coríntios 6.14-18; 7.1,8-10.


Todo crente compromissado com o Senhor deseja viver em santidade. A santificação é um processo, longo, é realizada paulatinamente por meio do Espírito Santo naqueles que a buscam com um coração sincero e puro. Paulo amava os coríntios, por isso, os advertiu a viver uma vida de santidade na presença de Deus. O apóstolo, com amor e zelo, advertiu os irmãos a respeito do jugo desigual e da parceria com os incrédulos. Ele enfatizou o fato de que é preciso haver separação entre “luz e trevas”, “justiça e iniquidade”, “templo de Deus” e “templo de ídolos”.

ORIENTAÇÃO
Professor, divida a classe em dois grupos. Depois que já estiverem formados, entregue a cada grupo uma das seguintes questões: O que é jugo desigual? É correto o relacionamento do cristão com os não-crentes? Cada grupo terá três minutos no máximo para discutir seu tema e dois minutos para expor sua opinião à classe. Ouça com atenção a cada exposição. Em seguida, peça aos alunos que leiam as seguintes referências: 2 Co 7.1; 1 Pe 1.15,16; 1 Ts 4.3-8 e Rm 6.19. Conclua explicando que a Palavra de Deus nos exorta a termos uma vida de pureza.

Santificação: Separação do mal e do pecado, e dedicação total e exclusiva a Deus.Antes da ida de Tito a Corinto, os crentes daquela localidade estavam irredutíveis quanto à rejeição a Paulo. O apóstolo havia escrito uma carta pesada e grave, censurando a atitude dos coríntios por se deixarem influenciar por um grupo rebelde. Porém, ao escrever a segunda carta, além de defender seu ministério perante aquela igreja, Paulo regozija-se por ter havido arrependimento da parte daqueles cristãos. Entretanto, seu zelo com a vida de santidade não foi omitido nesta nova missiva. Ele, mais uma vez, apela à comunhão dos crentes em Cristo, e incentiva-os a viverem em santificação, rejeitando todo envolvimento com as coisas imundas.
I. PAULO APELA À RECONCILIAÇÃO E COMUNHÃO (6.11-13)

1. Paulo apela ao sentimento fraterno dos coríntios (v.11). Paulo sabia ser terno quando se fazia necessário, especialmente, depois do desgaste causado pela primeira carta. Ele interrompe sua defesa apostólica apelando, com veemência, ao afeto mútuo que deve ser nutrido entre um pai e seus filhos (1 Co 4.15). As expressões empregadas pelo apóstolo, no versículo 11, (“nossa boca está aberta para vós” e “o nosso coração está dilatado”) denotam que seus atos e palavras são a expressão verdadeira do seu sentimento. Isso, entretanto, não significa que ele arrefeceria sua postura para com os falsos mestres.
2. Paulo dá exemplo de reconciliação. Após ter expressado seu desejo de reatar os laços estreitos que havia entre ele e os coríntios, Paulo, que já havia exposto as motivações de seu ministério, esperava que fosse compreendido e amado fraternalmente em Cristo. Ele declara que o seu coração tem sido alargado para amar a todos os crentes e que ele e seus companheiros não têm limites nem restrições para amar a todos.
3. Paulo demonstra seu afeto e espera ser correspondido (vv.12,13). Paulo percebeu que o afeto dos coríntios era limitado. Não havia espaço para que eles verdadeiramente amassem seus ministros. No versículo 13, ele dá ênfase ao verbo “dilatar” (o mesmo que alargar). Ao utilizar o imperativo, Paulo insiste com os coríntios que, de igual forma, dilatem (ou alarguem) seus corações, a fim de que recebam o amor que estava no coração do apóstolo. Dessa forma, Paulo visava acabar com os pensamentos negativos a seu respeito.Paulo demonstra seu afeto pelos coríntios e espera ser correspondido.
II. PAULO EXORTA OS CORÍNTIOS A UMA VIDA SANTIFICADA (6.14-7.1)

1. Uma abrupta interrupção de exortação (vv.14-18). Apesar de Paulo haver expressado seu sentimento de afeto e amor pelos coríntios, era preciso corrigir alguns problemas de ordem espiritual. Assim, ele interrompe o assunto discutido anteriormente, e assume um tom mais grave na discussão.
2. O perigo que ameaça a fé: o jugo desigual. Ele usa uma linguagem objetiva para falar de uma relação que não podia existir na vida de um crente. Tal relação é denominada de “jugo desigual”, que é uma alusão à proibição veterotestamentária de se lavrar a terra com dois animais diferentes, sendo um mais forte que o outro (Dt 22.10). Isso para mostrar que deve haver separação entre “luz e trevas”, “justiça e iniquidade”, “templo de Deus” e “templo de ídolos”.
Assim como água e óleo não se misturam, a comunhão dos santos com os infiéis equivale a um jugo desigual. No versículo 16 ele declara que não há consenso entre Deus e os ídolos, pois se cada crente é templo do Deus vivo, não pode haver em seu interior imundícias que profanem a vida cristã.
A grande lição que Paulo quer que os coríntios aprendam é que a cultura do mundo exterior, extremamente pagã, não deve interferir na vida dos cristãos. Assim, devemos abster-nos de todo tipo de relacionamento que nos leve a transigir nossa fé ante o paganismo. Evitemos, pois, relacionamentos pessoais, matrimoniais e outros que nos induzam a abandonar a fé e a pureza de nossa vida espiritual (2 Co 11.3).
3. O correto relacionamento do cristão com os não-crentes. O apelo de Paulo para o crente não se colocar sob um jugo desigual com o incrédulo não é um incentivo à discriminação social. Numa sociedade, as circunstâncias levam-nos a comunicar-nos com os mais variados tipos de pessoas. Todavia, não devemos praticar, jamais, as obras dos ímpios e inimigos da fé. Pois as ações do crente devem influenciar as pessoas de fora, não o contrário.
A pureza moral e espiritual, no trato com os descrentes, objetiva evitar a contaminação da carne e do espírito (2 Co 7.1). Esta expressão, envolvendo carne e espírito, não se refere a duas categorias de pecados, mas à contaminação da pessoa como um todo, física e espiritualmente (1 Ts 5.23).A cultura do mundo exterior, extremamente pagã, não deve interferir na vida dos cristãos.

III. PAULO REGOZIJA-SE COM AS NOTÍCIAS DA IGREJA DE CORINTO (7.2-16)

1. Paulo reitera seu amor para com os coríntios (vv.2-4). Como já dissemos (6.1-3), Paulo não perdera seu afeto pelos coríntios. Uma vez que sua consciência e a de seus companheiros estavam limpas, pois não haviam defraudado a ninguém, ou prejudicado a qualquer irmão em Cristo, mais uma vez ele recomenda aos crentes que abram o coração (7.2). Ele tinha razões para escrever desse modo - com ousadia - por causa das boas notícias que obteve da igreja através de Tito, seu companheiro (vv.6,7).
2. Paulo alegra-se com as notícias trazidas por Tito (vv.5-7). A diversidade de assuntos tratados na carta evidencia que ela não foi escrita de uma só vez, mas em várias etapas. Paulo havia viajado de Éfeso para Trôade, depois foi a Macedônia, e em seguida para o Ilírico (atuais Albânia e Iugoslávia - Rm 15.19).
Durante essas viagens, ele ia escrevendo suas cartas, a exemplo dessa segunda aos coríntios. Foi em uma dessas viagens, quando estava na Macedônia, que Tito veio ao seu encontro (v.6). O jovem pastor era portador de boas notícias: o amor demonstrado pelos coríntios ao receberem Tito com carinho e hospitalidade era a principal delas. O jovem pastor trouxe informações da mudança de atitude dos coríntios para com o apóstolo e, por isso, Paulo louva a mudança de coração daquele povo, que soube reconhecer-lhe o zelo pela igreja.
3. A tristeza segundo Deus (vv.8-16). Mesmo enfrentando a sua própria reprovação apostólica manifesta nos atos rebeldes praticados pelos opositores de seu ministério, Paulo se sentia consolado porque, ao reprovar tais atitudes, produziu arrependimento e bem-estar em todos. A tristeza provocada pela repreensão paulina gerou arrependimento e concerto (vv.10-12). Se antes as palavras “tristeza” e “entristecer” estiveram nos lábios e pena do apóstolo, agora, nos versículos 13 a 16, “consolar” e “encorajar” são os novos termos que passaram a constar no vocabulário da carta. Tais verbos revelam o sentimento mútuo que passou a dominar o coração de Paulo e da igreja de Corinto.Mesmo tendo enfrentado a reprovação apostólica através dos atos rebeldes praticados por opositores ao seu ministério, Paulo se sentia consolado porque, ao reprovar tal atitude, produziu arrependimento e bem-estar em todos.
Apesar de a relação entre Paulo e a igreja de Corinto ter sido estremecida, a inteireza da fé e a paciência do apóstolo contribuíram para que houvesse uma restauração entre ambos. Assim, após a operação do Espírito Santo na vida da igreja, Paulo pôde então dizer: Regozijo-me de em tudo poder confiar em vós (v.16).

     “Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento...

A palavra traduzida como ‘tristeza’ é lupe em cada caso. Esta palavra grega, também traduzida como ‘pesar’ e ‘dor’ no NT, é um termo amplo que abrange todos os tipos de aflições físicas e emocionais. Aqui, no entanto, a ênfase de Paulo está no fato de que a reação de uma pessoa lupe será ‘segundo Deus‘ ou ’segundo o mundo’. Quando a tristeza leva ao arrependimento - aquela mudança no coração e na mente nos coloca no caminho que leva à salvação - esta tristeza cai na categoria das tristezas ‘segundo Deus’. É importante recordar que ‘salvação’ é frequentemente usada no sentido da liberação atual. Aqui, o que Paulo quer dizer é que o arrependimento reverte nossa corrida para o desastre, e redime a situação, de modo que somos libertos das consequências associadas às escolhas anteriores, e erradas, que fizemos. Por outro lado, a tristeza é ‘do mundo’, se tudo o que ela produz é pesar, ou até mesmo um reconhecimento de que estivemos errados - mas, sem nos levar ao arrependimento”.(RICHARDS, L. O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed. RJ: CPAD, 2007, p.378) FONTE CPAD 




Nenhum comentário:

Postar um comentário