domingo, 28 de fevereiro de 2016

Jesus(Yechua) profeta das nações

                 

                         JESUS PROFETA DAS NAÇÕES
                                     Atos 3.18-26.

18 - Mas Deus assim cumpriu o que Já dantes pela boca de todos os seus profetas havia anunciado: que o Cristo havia de padecer.
19 - Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham, assim, os tempos do refrigério pela presença do Senhor.
20 - E envie ele a Jesus Cristo, que já dantes vos foi pregado,
21 - o qual convém que o céu contenha até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio.
22 - Porque Moisés disse: O Senhor, vosso Deus, levantará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim; a ele ouvireis em tudo quanto vos disser.
23 - E acontecerá que toda alma que não escutar esse profeta será exterminada dentre o povo.
24 - E todos os profetas, desde Samuel, todos quantos depois falaram, também anunciaram estes dias.
25 - Vós sois os filhos dos profetas e do concerto que Deus fez com nossos pais, dizendo a Abraão: Na tua descendência serão benditas todas as famílias da terra.
26 - Ressuscitando Deus a seu Filho Jesus, primeiro o enviou a vós, para que nisso vos abençoasse, e vos desviasse, a cada um, das vossas maldades.

PROFETA NO ANTIGO TESTAMENTO
HEBRAICO
TRADUÇÃO
SENTIDO

nābî
Porta-voz; profeta e pregador
Aquele que ferve com a inspiração divina, pronunciando palavras fervorosas por meio do Espírito de Deus: Êx 7.1; Dt 18.14-22.

Chōzeh
Vidente; aquele que vê e profetiza
Aquele que é sobrenaturalmente capacitado a ter visões e a ver aquilo que se encontra além do conhecimento comum: 1 Sm 9.9; 1 Cr 29.29; Jr 23.28.

‘Ish há ’Ĕlohîm
Homem de Deus; profeta

Título que se refere ao caráter santo do profeta e expressa a estreita comunhão dele com Deus: Dt 33.1; 1 Sm 2.26; 9.9; 1 Rs 13.1; 2 Rs 4.9.
A Bíblia ensina que Jesus exerceu, entre outras funções, a de profeta, como pode ser conferido na leitura diária desta semana. A função do profeta é revelar a vontade de Deus e instruir o povo; isso Jesus fez como nenhum outro poderia fazer. Nesta lição, estudaremos tanto o conceito bíblico de profeta, como o ministério e o ofício profético de Jesus.

I. OS PROFETAS NA BÍBLIA

1. Os profetas no Antigo Testamento. No Antigo Testamento, havia três classes de mediadores entre Deus e seu povo: o profeta, o sacerdote e o rei. Jesus, como o nosso perfeito Mediador (1 Tm 2.5), reuniu, em si, os três ofícios. Ele é o Cristo-Profeta que ilumina as nações através de sua doutrina e palavra de autoridade. O profeta era o “porta-voz” de Deus (Êx 7.1; 4.10-16). Era alguém que falava em nome do Senhor: “Serás como a minha boca” (Jr 15.19). O testemunho dos profetas revelava que o Messias seria um profeta para ser a luz do mundo, tanto para Israel como para os gentios (Is 42.1; Rm 15.8).
2. O fundador da ordem dos profetas. Por ser o primeiro profeta nacional (Nm 11.29; Dt 18.18), Moisés tornou-se um modelo para os demais profetas. Foi certamente sob sua influência que Samuel, mais tarde, viria a estabelecer as conhecidas escolas de profetas (1 Sm 19.18,20; 2 Rs 2.3, 5; 4.38; 6.1).
À semelhança de Moisés, Jesus, o Filho de Deus, proclamou a Palavra de Deus com coragem e veemência (Dt 18.15,18; Jo 1.45; 4.19,29; At 3.22,23, 7.37).
3. Os profetas no Novo Testamento. Jesus disse que “a Lei e os profetas duraram até João” (Lc 16.16). Teve este um papel especial como profeta. Aliás, ele foi o cumprimento de Malaquias 4.5, o “Elias do Novo Testamento”, o precursor do Messias.
Quanto ao Senhor Jesus, foi ele reconhecido nos Evangelhos como profeta que havia de vir (Mc 1.27; 6.4,15; Jo 4.19; 6.14; 9.17). No passado, o instrumento principal para a revelação divina eram os profetas, mas agora, Deus tem se revelado aos homens através de seu Filho (Hb 1.1,2).

II. O MINISTÉRIO DOS PROFETAS NO VELHO TESTAMENTO

1. Instruir o povo de Israel. Deus escolheu, preparou e inspirou seus servos, os profetas, para admoestar seu povo. Eles se utilizavam de métodos variados para ensinar (Os 12.10; Hb 1.1). Eram educadores ungidos pelo Senhor para ensinar ao povo a viver em santidade, tornando-lhe conhecida sua revelação e desvendando-lhe as coisas futuras (Nm 12.6; 1 Rs 19.16; Jr 18.18). Eles não hesitavam em enfrentar reis desobedientes, governadores, sacerdotes ou qualquer tipo de liderança que não seguisse a Palavra de Deus (1 Sm 1 Rs 18.18). Tinham, ainda, como missão: lutar contra a idolatria, zelar pela pureza religiosa, justiça social e fidelidade a Deus. Suas mensagens deveriam ser recebidas integralmente por toda a nação como palavra de Deus (2 Cr 20.20).
2. Anunciar a vinda do Messias (vv.18,21,24). Os profetas do Antigo Testamento vaticinaram a vinda do Profeta por Excelência. Sua Obra Redentora pode ser encontrada, tipológica e profeticamente, na Lei de Moisés e nos Profetas: “E todos os profetas, desde Samuel, todos quantos depois falaram, também anunciaram estes dias” (v.24). No texto em apreço, o apóstolo Pedro apresenta o perfil de Cristo no Antigo Testamento, provando, assim, que os últimos episódios eram o cumprimento das Escrituras.

III. O OFÍCIO PROFÉTICO DE CRISTO

1. Muito mais que profeta. Em o Novo Testamento, Jesus foi aclamado profeta em diversas ocasiões (Mt 21.11; Mc 6.15; Lc 7.16). Aliás, Ele mesmo assim se considerava (Mt 13.57; Lc 4.24; 13.33). Certa feita, afirmou, categoricamente, ser Ele mesmo o cumprimento das profecias (Lc 24.44), uma vez que estas nEle se convergem (Lc 24.27). Todavia, Jesus não é apenas um profeta, como ensinam os muçulmanos. Ele é Deus em forma humana, o amado Emanuel - Deus conosco e Unigênito de Deus (Mt 1.23).
2. O Profeta semelhante a Moisés (v.22). A promessa de um grande Profeta feita a Israel cumpriu-se em Jesus (v.22). Ele reunia todas as condições necessárias ao exercício do ministério profético. Ou seja, o Mestre estava apto para exercer, de modo singular, todas as funções proféticas do Antigo Testamento.
Jesus não era apenas mais um profeta, mas o Legislador do Reino de Deus, cuja missão era estabelecer os “tempos do refrigério”. Um dos assuntos principais da prédica de Jesus era: “Arrependei-vos, porque é chegado o reino de Deus” (Mt 4.17).
3. “Toda alma que não escutar esse profeta será exterminada dentre o povo” (v.23). A ameaça de se cortar alguém dentre o povo, conforme o discurso de Moisés, mencionado pelo apóstolo Pedro, pode ser interpretada como o julgamento escatológico. Isto porque, mostra claramente que os incrédulos serão cortados do convívio do povo de Deus; trata-se de uma expressão que designa a perdição eterna dos que rejeitam a Cristo. Como profeta, Jesus desvenda-nos o futuro, revelando o triunfo de sua causa e de seu reino na consumação de todas as coisas (Mt 24 e 25).
O ministério profético de Jesus continua através de Seu corpo, a Igreja, a qual prometeu inspiração (Jo 14.26), e concedeu o dom de profecia (1 Co 12.10). Por intermédio da inspiração do Espírito Santo, os crentes de hoje recebem mensagens de edificação, exortação e consolação (1 Co 14.3) tendo sempre como alicerce a Palavra de Deus.

 “Cristo, o Profeta

O ministério profético de Cristo foi o mais proeminente de toda a Bíblia. Deus o levantou (At 7.22); e o ungiu (Lc 4.18), para este sublime ofício durante seu ministério terreno; e, por extensão, em parte de seu ministério celestial (Lc 23.42,43; 24.19). Por essa razão, seu ministério profético é predito em muitas passagens do Antigo Testamento (Dt 18.18; Is 42.1-11; 49; 50.4; 61). Essas profecias e textos tiveram realmente seu cumprimento na pessoa única de Cristo Jesus, como é expresso em Lc 4.18,21 e At 3.22; 7.37. Ao mesmo tempo, seu ministério profético foi prefigurado por uma série de profetas do Antigo Testamento, de Moisés a Malaquias.
Em seu ministério terreno, Cristo não apenas permitiu que os homens o considerassem um profeta (Lc 7.16; Jo 4.19), mas Ele próprio se apresentou como tal (Lc 4.17-21; 13.33). O procedimento do Messias, seja em palavras seja em ações, trazia a marca de que Ele não era apenas um profeta enviado por Deus, mas o Profeta de Deus. A tarefa profética de Jesus não estava limitada ao tempo de duração de sua vida terrena, como os demais antes dEle, mas por meio do Espírito Santo e de sua vitoriosa e profética Igreja, o seu ministério profético continuou depois da crucificação”.(SILVA, S. P. A vida de Cristo. RJ: CPAD, 1990, p.78.)
“Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo” (Lc 24.19). Jesus demonstrou em seu ofício profético todos os atributos pessoais de um profeta. Assim como os verdadeiros profetas no Antigo Testamento, Ele foi reconhecido e aclamado como tal (Mt 21.11; Jo 4.19 cf. 1 Sm 3.20). As maravilhas operadas pelo Senhor Jesus confirmava-lhe o ministério profético: na ressurreição do filho da viúva (Lc 7.11-17 cf. 1 Rs 17.17-23); na multiplicação de víveres (Lc 9.10-17 cf. 1 Rs 17.13-16); na autoridade do ensino (Mt 7.28,29 cf. Dt 18.18,19); na resposta imediata das orações (Jo 11.41-45 cf. 1 Rs 18.37-39), entre outros extraordinários eventos. Ele era o Messias, o Profeta de Deus (Jo 6.14; 7.40).
fonte CPAD 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.