quarta-feira, 30 de março de 2016

Lições antigas parabola de Jesus (6)

                      

                     Lição 6 - Parábolas - LANÇAI A REDE

              2º Trimestre 2005 - As Parábolas De Jesus


TEXTO ÁUREO: “Igualmente, o Reino dos céus é semelhante a uma rede lançada ao mar e que apanha toda qualidade de peixes” (Mt 13.47).

O REINO... SEMELHANTE A UMA REDE. A parábola da rede revela, mais uma vez, a verdade que Cristo tanto enfatizou, i.e., que nem todos que estão no reino, na sua presente fase visível aqui na terra, são verdadeiramente filhos de Deus. As igrejas locais e denominações cristãs nem sempre são sinônimos do genuíno povo de Deus, que consiste de todos os salvos pela graça de Deus, mediante a fé e que vivem em santidade e justiça (cf. 24.11, 24; Gl 5.19-21; ver Lc 13.21).

VERDADE PRÁTICA: Somente no final dos tempos, no momento determinado por Deus, ocorrerá a separação entre o bom e o mau, entre o justo e o injusto.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE:

MATEUS 13.47-51; = Igualmente, o Reino dos céus é semelhante a uma rede lançada ao mar e que apanha toda qualidade de peixes.E, estando cheia, a puxam para a praia e, assentando-se, apanham para os cestos os bons; os ruins, porém, lançam fora. Assim será na consumação dos séculos: virão os anjos e separarão os maus dentre os justos.
E lança-los-ão na fornalha de fogo; ali, haverá pranto e ranger de dentes. E disse-lhes Jesus: Entendestes todas estas coisas? Disseram-lhe eles: Sim, Senhor.
13.47 O REINO... SEMELHANTE A UMA REDE. A parábola da rede revela, mais uma vez, a verdade que Cristo tanto enfatizou, i.e., que nem todos que estão no reino, na sua presente fase visível aqui na terra, são verdadeiramente filhos de Deus. As igrejas locais e denominações cristãs nem sempre são sinônimos do genuíno povo de Deus, que consiste de todos os salvos pela graça de Deus, mediante a fé e que vivem em santidade e justiça (cf. 24.11, 24; Gl 5.19-21; ver Lc 13.21).
13.49 SEPARARÃO OS MAUS DENTRE OS JUSTOS. Na parábola da rede (vv. 47-50), que trata da volta de Cristo para julgar o mundo depois da tribulação, a ceifa dos ímpios e a dos justos está na mesma ordem mencionada na parábola do joio e do trigo (vv. 30,41,43): os ímpios são ceifados primeiro, e os justos, em segundo lugar (cf. Ap 19.11;20.4). Tal seqüência mostra, claramente, que a separação dos ímpios dentre os justos terá lugar no fim da tribulação (24.29-31; Ap 19.11; 20.4), e não no arrebatamento da igreja, ocasião em que o povo peculiar do Senhor é retirado do mundo (1 Ts 4.13-18). Nesta parábola, Cristo volta a ressaltar o fato de que entre o povo de Deus há muitos que não são verdadeiramente leais a Ele e à sua Palavra. Os maus dentre os justos (v. 49).

ROMANOS 2.5-11 = Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus, o qual recompensará cada um segundo as suas obras, a saber: a vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, e honra, e incorrupção; mas indignação e ira aos que são contenciosos e desobedientes à verdade e obedientes à iniqüidade; tribulação e angústia sobre toda alma do homem que faz o mal, primeiramente do judeu ge também do grego; glória, porém, he honra e paz a qualquer que faz o bem, primeiramente ao judeu e também ao grego; porque, para com Deus, não há acepção de pessoas.
2.7 GLÓRIA, E HONRA, E INCORRUPÇÃO. No próprio início do seu tratado sobre a salvação, Paulo esclarece uma verdade fundamental no tocante ao modo de Deus lidar com a raça humana no seu todo. Deus castiga os malfeitores e recompensa os justos (ver Jo 5.29 notas; Gl 6.7,8). (1) Os justos são os que foram justificados pela fé em Cristo (1.16,17; 3.24) e que perseveram em fazer aquilo que é certo, segundo o padrão divino (vv. 7,10; cf. Mt 24.13; Cl 1.23; Hb 3.14; Ap 2.10). Dão muito valor à glória que vem de Deus (1.23; 5.2; 8.18) e buscam a vida eterna (8.23; 1 Co 15.51-57; 1 Pe 1.4; Ap 21.1-22.5). (2) Aqueles que buscam a imortalidade, fazem-no pela graça, mediante a fé (3.24,25; Ef 1.4-7; 2.8-10; 2 Tm 2.1; ver Fp 2.12,13). Os fiéis terão "honra e incorrupção", na vida futura, mediante a "perseverança" em fazer o bem (cf. Mt 24.12,13), pela graça eficiente que Cristo aqui lhes concede (ver Mt 7.21). (3) Aqueles que praticam o mal são egoístas, desobedecem à verdade, e têm prazer na iniqüidade. Colherão ira e tribulação (1.28-32; 2.8,9)

LEITURA DIÁRIA
Segunda – Ml 3.17,18 O que serve a Deus é diferente no seu
Terça – Lc 17.34-37 Os fiéis serão separados dos infiéis
Quarta – Mt 24.31 Os escolhidos serão reunidos pelos anjos
Quinta – Mt 25.34 O final glorioso dos justos
Sexta – 1 Co 4.5 As boas e as más obras serão manifestas
Sábado – Mc 16.15-18 O evangelho não faz acepção de pessoas

OBJETIVOS: Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a:
Interpretar as cinco figuras principais da parábola.
Relacionar a parábola da rede com a do Trigo e do Joio.
Identificar a aplicação escatológica implícita na parábola.

PONTO DE CONTATO: Nesta lição, o Reino dos Céus é comparado a uma grande rede que apanha peixes bons e ruins, úteis e inúteis. Esses peixes representam duas classes de crentes que convivem no Reino: os autênticos, e os que mantêm uma vida cristã de aparências. Assim como os peixes são apanhados na rede e somente mais tarde são separados, a rede divina recolhe todas as pessoas indistintamente, para depois selecioná-las. Diga a seus alunos que ninguém tem o direito de acusar ou discriminar qualquer irmão na igreja. Pois, só o Senhor Jesus Cristo tem capacidade e autoridade para julgar com justiça e separar os bons dos maus! E isso o fará, no final dos tempos.

SÍNTESE TEXTUAL: Esta é a sétima parábola acerca do Reino dos Céus registrada em Mateus 13. Sua mensagem não difere muito da do joio, visto que o resultado final é o julgamento, isto é, a separação entre os bons e os maus.
No original, percebe-se claramente que aquela rede de pesca era enorme; das que são manejadas por diversos homens e que recolhem grande quantidade de peixe de uma só vez. Em virtude dessa capacidade, variedades de peixes eram colhidos. Alguns usados como alimento ou comercializados com outros fins. Outros eram considerados inúteis, sem qualquer valor. Isto ilustra perfeitamente o que acontece com a pregação do evangelho. Alguns aceitam a mensagem e desenvolvem uma fé autêntica, tornando-se verdadeiros discípulos de Jesus. Outros são apenas recolhidos pela rede da Palavra, mas depois mostram-se infiéis e indignos de Cristo.
O Reino dos céus recolhe a todos sem qualquer distinção. Todavia, santos e ímpios não estarão juntos para sempre! Como o pescador separa o peixe bom do ruim, assim será na consumação dos séculos (Mt 13.49).
ORIENTAÇÃO DIDÁTICA: A parábola da Grande Rede nos ensina a “lançar” o evangelho sem discriminação. Nós, pescadores de homens, não devemos escolher a quem evangelizamos. A Bíblia é clara e enfática: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura” [grifo nosso]. Diante disso, proponha à sua turma a realização de um evangelismo após o encerramento da Escola Dominical, ou em outro horário que melhor se adapte à realidade de sua classe. Divida a turma em grupos, distribua uma determinada quantidade de folhetos para cada grupo, orem todos juntos e saiam pelas ruas próximas à igreja falando do amor de Deus. Estabeleça um horário para todos retornarem à igreja. Dê oportunidade aos alunos a fim de relatarem as experiências obtidas durante esta atividade.

     
COMENTÁRIO: INTRODUÇÃO

Nesta Parábola os peixes ruins representam os que são apenas nominais, pertencem à "igreja" ou ao conjunto de pessoas que se dizem "igreja" (o Reino dos céus), porém sabemos que temos alguns que realmente pertencem à Igreja legítima de salvos em CRISTO (o Reino dos céus) e que Lhe são fiéis, porém também sabemos que existem muitos que, apesar de professarem o mesmo nome de Igreja, na verdade estão apenas participando de uma sociedade, sem qualquer vínculo com seu dono, JESUS CRISTO
 A parábola da Rede revela mais uma vez a verdade que Cristo enfatizou, isto é, que nem todos que estão no reino, na sua presente fase visível aqui na terra são verdadeiramente filhos de Deus. As igrejas locais e denominações cristãs nem sempre  são sinônimos de genuíno povo de Deus, que consiste de todos salvos pela graça de Deus, mediante a fé e que vivem em santidade e justiça.  Na parábola da Rede que trata da volta de Cristo para julgar o mundo depois da tribulação a ceifa dos ímpios e a dos justos está na mesma ordem mencionada na parábola do joio e do trigo: os ímpios são ceifados primeiro, e os justos , em segundo lugar.  Tal seqüência mostra claramente , que a separação dos ímpios entre os justos terá lugar no fim da tribulação , e não no arrebatamento da igreja, ocasião em que o povo peculiar do Senhor é retirado do mundo. Nesta parábola Cristo volta a ressaltar o fato de que entre o povo de Deus há muitos que não são verdadeiramente leais a Ele e à sua Palavra.


Lição 6 - LANÇAI A REDE  - Parábola da Rede

I. A REDE (MT 13.47)

1. A malha dessa rede.
2. A rede não discrimina os peixes.
II. O MAR (MT 13.47)
1. O mar representa a humanidade.
III. OS PESCADORES (MT 13.48)
1. A convocação dos doze pescadores de homens.
2. Incontáveis pescadores de homens.
3. Cada crente, um pescador de homens.
IV. OS PEIXES (MT 13.47)
1. Os peixes que caem na rede.
2. Os peixes bons e ruins.
V. O PAPEL DOS ANJOS NO FINAL DOS TEMPOS (MT 13.49,50)
 Juízo

Temos nesta parábola alguns elementos que devemos saber discernir:
1- Reino dos Céus - Representado pela Salvação que pregamos em JESUS CRISTO.
2- Barco - A Igreja (Que aqui é representada por todos os que professam a fé cristã) A Igreja que é dirigida pelo capitão JESUS
3- A Rede - Que representa o reino dos céus que pregamos, onde DEUS é o PAI, JESUS CRISTO é o salvador e único caminho para se chegar ao PAI e onde o ESPÍRITO SANTO é a marca do verdadeiro cristão, da verdadeira Igreja de CRISTO.
4- Lançar - Pregar o evangelho - responsabilidade da Igreja
5- Mar - O mundo com seus habitantes diversos.
6- Arrastar ou puxar - Esforço da Igreja em conduzir seus membros para a salvação, ensinado-os e admostando-os.
7- Praia - Lugar de decisão, Lugar de Juízo Final, Lugar de anjos agirem ao comando de DEUS.


Lição 6 - LANÇAI A REDE  - Parábola da Rede - Resumo prático
I. A REDE (MT 13.47) = A Igreja (O reino dos céus)
1. A malha dessa rede. Bem grossa para apanhar todo o tipo de peixe. A Igreja deve procurar evangelizar de todas as maneiras possíveis, tanto com o evangelismo pessoal, como com o evangelismo em massa.
“…A rede seine tinha cerca de três metros de largura e vários metros de comprimento. Ela ficava suspensa na água como uma cerca, sendo mantida flutuando por meio de rolhas, e pedras eram colocadas nas beiradas para mantê-la na vertical. Um único barco fazia um círculo com a rede, ou dois barcos suspendiam a mesma entre eles e faziam uma varredura em direção à praia. Quando a rede ficava num círculo apertado, era possível puxar a corda inferior para que se formasse uma enorme bolsa, da qual os peixes não podiam escapar…”

2. A rede não discrimina os peixes. A Igreja deve pregar a todos os povos, todas as nações, todas as raças, todas as tribos. Todas as Etnias. O importante é arrebanhar os peixes, depois é educá-los e cuidar dos mesmos.
Não há distinção de raça, cor, condição financeira ou religião. Todos foram chamados.
Ap 5.9 E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação;

II. O MAR (MT 13.47) =

Os seres humanos
1. O mar representa a humanidade.

O mar é bem característico de representar todos os seres humanos, pois possui locais de águas rasas (Pouca religiosidade), de águas profundas (muito conhecimento de DEUS), de águas escuras (seitas e heresias), de águas claras (Igreja de CRISTO), nele acontecem tormentas (Tribulações da vida) e nele acontecem calmarias (Vida de comunhão com o ESPÍRITO SANTO e adoração a DEUS), nele habita ou se aproveitam seres de todos os tipos e de todas as raças (Convivência da Igreja em meio a todos os outros seres humanos que procuram por DEUS e os que não procuram e ainda os que não se interessam pelo supremo ser, nosso PAI.
O mar tem o significado de humanidade, ou povo habitante da Terra, que por sinal têm muita afinidade com o mar, pois possuem a terça parte de seus corpos formados por água, assim como o mar ocupa a terça parte do planeta Terra. Assim como em Apocalipse 13 o mar é a população do mundo.
Ap 13.1 E EU pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia.
Em Is.23:11, é dito que o Senhor estendeu Sua mão sobre o mar e os reinos se turbaram, ou seja, o mar confunde-se com os reinos do mundo. Os ímpios são comparados ao mar bravo que não se aquieta e cujas águas lançam de si lama e lodo, em Is.57:20. Em Dn.7, o mar simboliza o conjunto das nações, de onde se levanta cada um dos grandes impérios mundiais (Dn.7:3), o que também é reproduzido no livro do Apocalipse, ao se descrever o surgimento do Anticristo (Ap.13:1). Por fim, em Ap.17:10, um grande volume de águas é identificado como sendo as nações que estarão sob o domínio da grande prostituta durante a Grande Tribulação.

III. OS PESCADORES
(MT 13.48) = Os salvos

1. A convocação dos doze pescadores de homens.
A chamada de JESUS para os apóstolos e para nós é para sermos pescadores de homens (de almas).
Jesus escolheu seus apóstolos dentre homens rudes e entre a população, não escolheu Escribas, ou Fariseus, ou Saduceus, não escolheu entre os líderes religiosos e nem entre os líderes políticos.
Foram chamados para pescarem homens, pescarem almas no mar de gente que encontrariam pela frente.
Ora, quando falamos em pescadores, logo nos lembramos de boa parte dos discípulos de Jesus, dos quais pelo menos sete eram dessa profissão, “…Pedro, André, provavelmente Filipe, que também veio de Betsaida (em aramaico, ‘casa de pesca’) às margens do mar da Galiléia, Tiago, João, Tomé e Natanael (Mt.4:18,21; Jo.1:44; 21:2)…”

2. Incontáveis pescadores de homens.

Hoje somos milhões de pescadores, já temos mais de 1 bilhão de cristãos no mundo.
Hoje a Igreja é formada por incontáveis pescadores, que com estratégia espiritual, semeiam a isca (Palavra de DEUS) a todos os peixes (descrentes) do Mar (povos).

3. Cada crente, um pescador de homens.
Cada um salvo foi chamado para pregar este evangelho. A responsabilidade é individual.
Cada um terá que prestar contas com o dono e capitão (JESUS) do barco (Igreja).

IV. OS PEIXES (MT 13.47) = Todos os que confessam a JESUS como Senhor e Salvador.
Salvos e não salvos dentro da "Igreja" (Denominações que se dizem cristãs)

1. Os peixes que caem na rede. Todo tipo de gente se auto-denomina cristão. Devemos acolhê-los a todos, sabendo que cada um vai prestar contas diante de DEUS por seus atos e que o juízo pertence a DEUS.
Depois que caem na rede são denominados crentes da Igreja de CRISTO.
Existem peixes de diversos tamanhos (condição financeira), de diversas cores (Raças - negros, amarelos, vermelhos, brancos), de de diversos recifes (denominações), de diversos formatos (diplomados e ignorantes).

2. Os peixes bons e ruins.  Caem na rede significa todos os que professam a fé cristã, porém nem todos são salvos, nem todos são convertidos, nem todos nasceram de novo.
Peixes Bons = Crentes fiéis e espirituais
Peixes Ruins= Crentes infiéis e Carnais (desviados dentro da Igreja)
O barco é a Igreja que tira do mundo os que querem o reino dos céus.

V. O PAPEL DOS ANJOS NO FINAL DOS TEMPOS (MT 13.49,50) = PRAIA =

 Local de Juízo, Separação entre bons (salvos) e ruins (condenados ao Lago de Fogo)
No juízo final saberemos o resultado de nosso trabalho no Senhor, Todos aqueles que estiverem no Juízo Final, sendo julgados, são os peixes que perdemos, foram sufocados pelas falsas religiões e muitos deles morreram sem ar para respirarem, ou seja morreram por falta do ESPÍRITO SANTO em suas vidas.
Não cabe a nós a condenação final e sim a admoestação ou exortação, a doutrinação, o ensino, a reconciliação; enquanto aqui vivermos, pois é agora que temos que agir para evitar que os ruins caiam nas mãos dos anjos de juízo.
Somos falíveis em nossa pressa, e poderemos arrancar trigo juntamente com o joio, ou lançar fora bons peixes (Mt 13.28,29)
Deixemos o juízo para DEUS.
A praia é fora do mar, assim também, depois de conduzirmos o rebanho até o final dos tempos, será a hora dos anjos agirem, como os pescadores que arrastavam a rede para a praia e separava os peixes bons e os ruins. 

AUXÍLIOS SUPLEMENTARES: Subsídio Teológico

“Igualmente o reino dos céus é semelhante a uma rede’. Tinha o Senhor em mente a rede de arrastão, que não deixa nada escapar. À pouca distância da praia, os botes de pesca lançam a rede. Há pesos na borda inferior, para arrastá-la no leito do lago; a borda superior tem bóias. Ao avançar, torna-se um muro circular, uma prisão de malhas na praia. Reúnem-se os pescadores e ajuntam os bons peixes nos cestos; os maus são lançados fora.
É o dever da Igreja lançar a rede do evangelho tão largamente quanto possível, para que haja o maior número de pessoas dentro do limite de suas malhas. Assim, é inevitável que sejam trazidos alguns cristãos não genuínos. Todavia, não há de se preocupar o cristão com a mistura na Casa de Deus, porque está além do poder humano a purificar. A seu tempo, Deus retirará da Igreja seus membros indignos, deixando-a sem mancha ou ruga.
Não podemos esperar uma igreja perfeita deste lado do céu. As parábolas do joio e da rede advertem-nos quanto à presença de elementos bons e maus dentro da igreja.
Na parábola do joio, atribui-se à ação do inimigo a introdução de pessoas mundanas entre o povo de Deus.
A parábola da rede descarta a possibilidade de seleção prévia; a separação dos peixes ocorre mais tarde. Da mesma forma a rede do evangelho, lançada em esforços evangelísticos, reúne todo tipo de pessoas, o que não exclui os elementos ruins. Até o evangelista Filipe pescou um ‘peixe’ que se estragou logo que saiu da água! (At 8.13-24).
Zelosos idealistas proclamam: ‘Vamos purificar a igreja!’ As intenções são boas e há lugar para a disciplina na igreja. Todavia, somos falíveis em nossa pressa, e poderemos arrancar trigo juntamente com o joio, ou lançar fora bons peixes (Mt 13.28,29).” (PEARLMAN, Myer. Mateus: O Evangelho do Grande Rei. Coleção Myer Pearlman. RJ:CPAD, 1995, p. 107-8.) Leia mais Revista Ensinador Cristão CPAD, nº 22, pág. 39.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.