sábado, 1 de outubro de 2016

Subsidio (2) Betel a centralidade da adoração n.2





         COMENTÁRIO INTRODUTÓRIO EXPLICATIVO
                                        Verse 1-2 Salmos 148

                                        Escritor Mauricio Berwald

Salmos 148: 1-2 . Louvai ao Senhor - Bishop Lowth, falando da origem dessa ode divina, observa, "que teve o seu nascimento a partir das afecções mais agradáveis da alma humana, alegria, amor, admiração." " Se contemplamos homem ", diz ele," recém-criado, como as sagradas Escrituras apresentam-lo para nós, dotado com o poder perfeito da razão e da fala; nem ignorantes de si mesmo, nem de Deus; consciente da divina bondade, majestade e poder; nenhum espectador indigno da bela tecido do universo, a terra, e os céus; podemos supor que, à vista de todas estas coisas, seu coração se não tão queimar dentro dele, que sua mente, levado pelo calor de seus afetos, que, por sua própria vontade, derramar-se diante do louvor da sua Criador, e brilhar em que impetuosidade de expressão, e que exultação de voz, que quase necessariamente segue tais emoções da mente. Esta parece ter sido exatamente o caso com o autor contemplativo desta bela salmo, em que todas as coisas criadas são chamados a celebrar juntos a glória de Deus. Louvai ao Senhor, & c., Um hino que nossa Milton, de longe o mais divina de poetas, depois de os sagrados, é quem mais elegante imitado, e muito apropriadamente dado a Adão no paraíso: ver paradise Lost, livro 5. ver. 153, & c. De fato, mal podemos conceber justamente desse estado primordial e perfeito do homem, a menos que permitir-lhe alguma utilidade da poesia, em que ele poderia dignamente expressar, em hinos e canções, sua piedade e carinho para com Deus. "Veja o 25º preleção. Louvado seja o Senhor dos céus - Deixe seus louvores ser iniciada pelo exército do céu, que ele particularmente expressa nos versos seguintes. Louvai-o nas alturas - Naqueles lugares altos e celestes. Louvai-o, todos os seus anjos - Ele convida os anjos aqui, e criaturas inanimadas depois, para louvar a Deus, e não como se o primeiro necessário, ou estes últimos eram capazes de receber a sua exortação, mas apenas por uma figura poética, a concepção de que era, que os homens, por este meio, poder estar mais animado para essa tarefa. Louvai-o, todos os seus exércitos - os anjos, quanto na cláusula anterior, chamado anfitriões, aqui e 1 Reis 22:19 , por causa de seu grande número, excelente ordem e perfeita sujeição à sua geral o Senhor dos exércitos.

Verse 3-4
Salmos 148: 3-4 . Louvai-o, sol e lua, & c. - Você eram adorados pelos pagãos cegos para deuses; você é, mas suas criaturas e, portanto, seria obrigado, se você fosse capaz disso, para adorar e louvá-lo por sua luz gloriosa e influências poderosas. "Os céus materiais, através de suas diversas regiões", diz Dr. Horne, "com as luminárias colocadas neles, e as águas sustentados por eles, embora eles não têm nem fala, nem palavras, e quer a língua dos homens, mas, pela sua esplendor e magnificência, seus movimentos e suas influências, todos regulada e exercida de acordo com o direito do seu Criador, que, de uma forma muito inteligível e marcante, declaram a glória de Deus; eles chamam-nos a traduzir suas ações em nossa língua, e copiar a sua obediência em nossas vidas; de forma que possamos, tanto por palavras e obras, glorifiquem, com eles, o Criador e Redentor do universo. " Louvai-o, todas as estrelas luzentes - Qual enfeitar com lentejoulas o firmamento, e constantemente queimar e brilhar a sua glória, atraindo, noite após noite, e de tempos em tempos, a atenção, e emocionante a admiração de toda a nação, e tribo, e língua, e povo. Louvai-o, céus dos céus - ó céus mais altos e mais gloriosos, o lugar do trono de Deus e gloriosa presença, como esta expressão parece significar, 10:14 ; 1 Reis 08:27 : ou melhor, o céu estrelado, que também podem ser chamados, porque eles estão acima do ar, que é muitas vezes chamado de céu nas Escrituras. E vós águas - Ye nuvens, que estão sobre os céus - acima de uma parte deles, acima dos céus aéreas: das quais veja nota em Gênesis 1: 7 .

Verse 5-6
Salmos 148: 5-6 . Louvem o nome do Senhor - "Quem nos pôs a sua sabedoria mais transcendente, poder e magnificência de tal variedade de obras estupendas, que não é o menor deles, mas ministros tais questão de louvor e admiração para aqueles que atentamente considerá-los, que eles não podem, mas desejo, com o salmista aqui, que cada um deles foram capazes de nos dizer quanta habilidade que ele tem mostrado em seu artifício; ., ou que nós fomos capazes de encontrá-lo e compreendê-lo " Ele ordenou, e eles foram criados - Eles devem sua existência inteiramente a sua vontade e prazer. Ele tem também estabeleceu-los para todo o sempre - Para o fim do mundo. Eles são, por sua superintendência e providência vigilante, sempre preservada e continuou. Ele fez um decreto, & c. - "Isto é, prescrito regras para o céu, as estrelas, e outras criaturas, quanto à sua situação, movimento e influência; que, apesar de inanimado, eles nunca transgredir. "- Dodd.

verso 7
Salmos 148: 7 . Louvado seja o Senhor da terra, vós, dragões, e todos os abismos - "Do céu acima do salmista desce para o profundezas, que, enquanto ele proclama o poder, observa as leis e decretos de quem feito isso, e derramou-lo no exterior. E o mesmo pode ser dito das suas enormes habitantes, que estão sob o comando do Senhor, e de ninguém, mas ele "By. Dragões aqui, nós pode tanto compreender serpentes, que habitam nas cavernas profundas ou buracos da terra; ou melhor, baleias, crocodilos e outros monstros marinhos, que habitam nas profundezas do mar ou de rios, e muitas vezes são destinados pela palavra תנינים , aqui prestados dragões.

verso 8
Salmos 148: 8 . Fire - Raios, raios, meteoros de fogo, em que Deus mostra seu poder maravilhoso, acendendo as chamas poderosos, mesmo em regiões frias, que são muito distantes fogos subterrâneos. E o barulho e os efeitos estupendos destes incêndios e, especialmente, de trovões e relâmpagos, são tais, que tenham sido justamente denominado, a voz de Deus, e as flechas do Todo-Poderoso. Granizo, neve e vapor - É realmente maravilhoso, que a partir dos mesmos lugares onde os relâmpagos flash quente, e de onde os raios são lançados, granizo e neve também deve descer: nem isso poderia acontecer, mas pelo poder e sabedoria de que o Ser que pode afetar todas as coisas. A palavra קישׂיר , aqui traduzida vapor, significa fumos, ou exalações quentes, como exalações frias são compreendidas sob o título de neve; e ambos, decorrente da terra, estão aqui apropriadamente mencionado como pertencentes a ele. vento tempestuoso - Que é de grande uso em agitando com veemência o ar e, assim, mantendo-o de estagnação e tornando-se prejudicial. Mas a expressão, סערה

רוח , deveria, talvez, em vez de ser prestados turbilhão, um vento que se move em uma direção espiral, bem como na horizontal, e é extremamente rápido e impetuoso: ver em Jó 37: 9 . Isso também exibe maravilhosamente o poder de Deus. Cumprindo sua palavra - Indo adiante como tantos mensageiros para executar suas ordens e efeito seus propósitos, seja de misericórdia para o conforto, ou de julgamento para a punição dos habitantes da terra. E eles todos os louvores e glorificar a Deus à sua maneira, enquanto eles realizar seu prazer.

versículos 9-10
Salmos 148: 9-10 . Montanhas, e todas as colinas - Estes são de grande utilidade na terra. A partir deles descendem os fluxos de execução para os vales, sem o qual os animais não poderiam viver. Sobre as montanhas crescer estas vastas árvores que são necessárias para o uso diário, de várias maneiras; e sobre as colinas e montanhas é forragem para vastas multidões de gado, em que os homens são fornecidos com alimentos e roupas. E todos os cedros - Sob o nome de cedros, como sendo o chefe, parece estar incluídos todos os tipos de árvores que não ostentem fruta. Um pouco de reflexão irá mostrar o quanto isso é um assunto para louvor a Deus que ele nos fez equipados com tantos tipos de árvores; alguns dos quais produzem para nós o mais delicioso, as frutas mais saudáveis e mais úteis; outros nos fornecem materiais para a construção de nossas moradas e navios, pelo qual o comércio para todas as partes do mundo; e para fazer nossos produtos domésticos, e vários tipos de ferramentas e instrumentos. Se todos estes foram querendo nós, dificilmente poderia subsistir; e se, mas uma grande parte deles estavam querendo, devemos levar uma vida muito mais trabalhoso e desagradável do que nós. Beasts, e todos os animais domésticos - Deixe os animais selvagens também da floresta, e todo o gado que se alimentam nos campos, fornecer matéria de louvor àquele que tem mostrado a sua multiforme sabedoria e bondade difusora e por todos eles. E, certamente, quem considera a forma como muitos fins úteis e benéficas da vida que estão empregados, de uma forma ou de outra, deve ver e reconhecer que eles forneçam um motivo poderoso para louvor ao grande Criador, para a grande multidão e vários tipos de -los, que ele formou para ser submetido ao domínio do homem. répteis -

Incluindo muitos animais nas águas, bem como na terra; e voando aves - nas várias formas, capacidades e instintos dos quais, assim como na bela plumagem de muitos deles, ea ampla provisão feita para todos eles , tanto da sabedoria, poder e bondade do Criador se manifesta.

Verse 11-12
Salmos 148: 11-12 . Reis da terra, e todas as pessoas - "Depois de toda a criação tem sido chamados a louvar o Senhor, o homem, para quem o todo foi feito; o homem, a última e mais perfeita obra de Deus; o homem, que tem sido desde redimidos pelo sangue do Filho de Deus encarnado, é exortado a juntar-se e encher-se o coro universal do céu e da terra, como estando relacionados com ambos os mundos, o que agora é, eo que está por vir . Pessoas de todos os graus, de cada sexo, e de todas as idades; reis, cujo poder de Deus fez uma imagem de seu próprio, e quem são os sóis de seus respectivos sistemas; juízes, e magistrados de todos os tipos, que derivam seu poder, como a lua e os planetas fazer a sua luz, de sua fonte original; rapazes e moças, na flor da saúde, força e beleza, os homens velhos, que realizaram sua guerra, e estão saindo da vida; as crianças, que são acabado de chegar para ele, e ver cada coisa nova antes deles; todos estes têm suas várias razões para louvar o Senhor. "- Horne.

Verse 13-14
Salmos 148: 13-14 . Louvem, & c. - Deixe-os reconhecer e celebrar a sabedoria, bondade e poder do Senhor; por seu nome sozinho é excelente - Pois quão grande soever quaisquer outros seres pode ser, não há ninguém igual a ele, cuja majestade mais excelente infinitamente supera a de todos outros seres; e cuja glória é acima da terra e do céu - . Acima de tudo que a terra ou no céu pode proferir dele Ele também exalta o poder do seu povo - E tão grande é abaixamento de Deus até nós, os filhos de Israel, que ele leva um peculiar cuidado de nós, nos tem concedido muitos benefícios peculiares, e nos ressuscitou ao mais alto grau de honra, especialmente para isso, que ele nos trouxe mais perto de si mesmo do que qualquer outro povo sobre a terra, e se colocou entre nós uma visível sinal de sua presença: estamos, portanto, estão sob obrigações peculiares a elogiá-lo por sua bondade singular.(notas Comentário do Antigo e Novo Testamentos de Joseph Benson).
Usamos a frase glória de Deus com tanta frequência que ela tende a perder sua força bíblica. Mas essa glória, como o sol, não é menos ardente – e nem menos benéfica – porque as pessoas a ignoram. No entanto, Deus odeia ser ignorado. “Considerai, pois, nisto, vós que vos esqueceis de Deus, para que não vos despedace, sem haver quem vos livre”. (Salmo 50.22). Então, vamos nos concentrar novamente na glória de Deus. O que é a glória de Deus e quão importante ela é?


Subsidio(1) Betel adultos jovens adoração n.2


                   JOVENS BETEL 4 TRIMESTRE 2016




Usamos a frase glória de Deus com tanta frequência que ela tende a perder sua força bíblica. Mas essa glória, como o sol, não é menos ardente – e nem menos benéfica – porque as pessoas a ignoram. No entanto, Deus odeia ser ignorado. “Considerai, pois, nisto, vós que vos esqueceis de Deus, para que não vos despedace, sem haver quem vos livre”. (Salmo 50.22). Então, vamos nos concentrar novamente na glória de Deus. O que é a glória de Deus e quão importante ela é?
O que é a glória de Deus?
A glória de Deus é a santidade de Deus colocada em exposição. Isto é, o valor infinito de Deus manifestado. Perceba como Isaías muda de “santo” para “glória”: “E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória” (Isaías 6.3). Quando a santidade de Deus enche a terra para que as pessoas a vejam, ela é chamada de glória.
O significado básico de santo é “separado do comum”. Assim sendo, a santidade de Deus é a sua infinita “separação” de tudo o que é comum. É isso que o faz ser o único infinito – como o diamante mais raro e mais perfeito do mundo – só que não existem outros deuses-diamantes. A singularidade de Deus como sendo o único Deus – Sua “Divindade” – o faz infinitamente valioso e santo.
Ao falar da glória de Deus, a Bíblia admite que este valor infinito teve sua entrada na criação. Brilhou, assim como era. A glória de Deus é o resplendor da sua santidade, a irradiação do seu valor infinito. E quando ela flui, é vista como bela e grandiosa. Ela tem tanto a qualidade de ser infinita quanto a magnitude. Desta forma, podemos definir a glória de Deus como a beleza e a grandeza da sua multiforme perfeição.
Digo “multiforme perfeição”, porque a Bíblia diz que aspectos específicos do ser de Deus contêm glória. Por exemplo, lemos sobre a “gloriosa graça” (Efésios 1.6) e “a glória do seu poder” (2 Tessalonicenses 1.9). O próprio Deus é glorioso, pois ele é a perfeita união de todas as suas multiformes e gloriosas perfeições.
Mas esta definição deve ser qualificada. A Bíblia também fala da glória de Deus antes de ser revelada na criação. Por exemplo, Jesus orou: “e, agora, glorifica-me, ó Pai, contigo mesmo, com a glória que eu tive junto de ti, antes que houvesse mundo” (João 17.5). Portanto, quero sugerir a seguinte definição: A glória de Deus é o esplendor externo da beleza intrínseca e grandeza da sua multiforme perfeição.
Estou ciente de que palavras apontam para uma definição muito pobre. Eu substituí uma palavra inadequada – glória – por duas palavras inadequadas – beleza e grandeza. No entanto, Deus se revelou a nós em palavras como “a glória de Deus”. Portanto, elas não são palavras sem sentido.
Devemos constantemente nos lembrar de que estamos falando de uma glória que está além de qualquer comparação na criação. “A glória de Deus” é como designamos a beleza e a grandeza infinita da Pessoa que existia antes de qualquer coisa. Essa beleza e grandeza existem sem origem, sem comparação, sem analogia, sem serem julgadas por qualquer critério externo. A glória de Deus é definitiva, o padrão absolutamente original de grandeza e beleza. Toda a grandeza e beleza criadas vêm dela e aponta para ela, mas não podem reproduzi-la de forma adequada e em sua abrangência.
“A glória de Deus” é uma forma de dizer que há uma realidade objetiva e absoluta para a qual apontam todas as maravilhas, respeito, veneração, louvor, honra, elogio e adoração dos seres humanos. Nós fomos feitos para encontrar o nosso mais profundo prazer em admirar o infinitamente admirável – a glória de Deus. Essa glória não é a projeção psicológica do desejo humano insatisfeito sobre a realidade. Pelo contrário, o desejo inconsolável do ser humano é a evidência de que fomos feitos para a glória de Deus.
Quão central é a glória de Deus?
A glória de Deus é o objetivo de todas as coisas (1 Coríntios 10.31;Isaías 43.6-7). A grande missão da Igreja é declarar a glória de Deus entre as nações. “Anunciai entre as nações a sua glória, entre todos os povos, as suas maravilhas”. (Salmo 96.1-3; Ezequiel 39.21; Isaías 66.18-19).
Qual é a nossa esperança?
Nossa máxima esperança é ver a glória de Deus. “E gloriamo-nos na esperança da glória de Deus” (Romanos 5.2). Deus irá “vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória” (Judas 24). Ele irá “conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão” (Romanos 9.23). Jesus, em toda a sua pessoa e obra, é a encarnação e revelação máxima da glória de Deus (João 17.24; Hebreus 1.3).
Além disso, não somente veremos a glória de Deus, mas também teremos participação, em algum sentido, em sua glória. “Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada” (1 Pedro 5.1). “Aos que justificou, a esses também glorificou” (Romanos 8.30). A esperança que é verdadeiramente conhecida e estimada tem um efeito decisivo sobre os nossos valores, escolhas e ações hoje.
Valorizando a Glória de Deus
Conheça a glória de Deus. Estude a glória de Deus, a glória de Cristo. Estude sua alma. Conheça as glórias pelas quais você é seduzido e porque você valoriza glórias que não são a glória de Deus.
Estude a sua própria alma para saber como fazer as glórias do mundo desmoronarem como Dagom, em pedaços miseráveis, no chão dos templos do mundo (1 Samuel 5.4). Tenha fome de ver e compartilhar mais da glória de Cristo, a imagem de Deus.
fonte adorando.com

Lição adultos a provisão de Deus n,2




                                   4 TRIMESTRE 2016


TEXTO ÁUREO

E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre." (1 Jo 2.17)

VERDADE PRÁTICA

A Igreja de Jesus Cristo é o farol para um mundo em trevas e decaído

                                             LEITURA DIÁRIA

- Segunda - Jo 10.10; Vida abundante em meio a um mundo em crise
- Terça - 2 Co 9.8: Toda a suficiência em meio a um mundo em crise
- Quarta - Ef 3.20: O poder abundante de Deus em meio a um mundo em crise
- Quinta - Fp 4.19: Deus suprirá todas as coisas em meio a um mundo em crise
- Sexta - Sl 132.15: Deus farta de pão o necessitado em meio a um mundo em crise
- Sábado - Jo 10.11: O Bom Pastor cuida de suas ovelhas em meio a um mundo em crise


                                     LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Êxodo 16.1-15
1 - E, partidos de Elim, toda a congregação dos filhos de Israel veio ao deserto de Sim, que está entre Elim e Sinai, aos quinze dias do mês segundo, depois que saíram da terra do Egito.
2 - E toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e contra Arão no deserto.
3 - E os filhos de Israel disseram-lhes: Quem dera que nós morrêssemos por mão do SENHOR na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar! Porque nos tendes tirado para este deserto, para matardes de fome a toda esta multidão.
4 - Então, disse o SENHOR a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos céus, e o povo sairá e colherá cada dia a porção para cada dia, para que eu veja se anda em minha lei ou não.
5 - E acontecerá, ao sexto dia, que prepararão o que colherem; e será o dobro do que colhem cada dia.
6 - Então, disse Moisés e Arão a todos os filhos de Israel: À tarde sabereis que o SENHOR vos tirou da terra do Egito,
7 - e amanhã vereis a glória do SENHOR, porquanto ouviu as vossas murmurações contra o SENHOR; porque quem somos nós para que murmureis contra nós?
8 - Disse mais Moisés: Isso será quando o SENHOR, à tarde, vos der carne para comer e, pela manhã, pão a fartar, porquanto o SENHOR ouviu as vossas murmurações, com que murmurais contra ele (porque quem somos nós?). As vossas murmurações não são contra nós, mas sim contra o SENHOR.
9 - Depois, disse Moisés a Arão: Dize a toda a congregação dos filhos de Israel: Chegai-vos para diante do SENHOR, porque ouviu as vossas murmurações.
10 - E aconteceu que, quando falou Arão a toda a congregação dos filhos de Israel, e eles se viraram para o deserto, eis que a glória do SENHOR apareceu na nuvem.
11 - E o SENHOR falou a Moisés, dizendo:
12 - Tenho ouvido as murmurações dos filhos de Israel; fala-lhes, dizendo: Entre as duas tardes, comereis carne, e, pela manhã, vos fartareis de pão, e sabereis que eu sou o SENHOR, vosso Deus.
13 - E aconteceu que, à tarde, subiram codornizes e cobriram o arraial; e, pela manhã, jazia o orvalho ao redor do arraial.
14 - E, alçando-se o orvalho caído, eis que sobre a face do deserto estava uma coisa miúda, redonda, miúda como a geada sobre a terra.
15 - E, vendo-a os filhos de Israel, disseram uns aos outros: Que é isto? Porque não sabiam o que era. Disse-lhes, pois, Moisés: Este é o pão que o SENHOR vos deu para comer.

OBJETIVO GERAL

Mostrar que Deus tem provisão, mesmo em um mundo em crise, para aqueles que creem.

HINOS SUGERIDOS: 35, 467, 609 da Harpa Cristã

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I.      Reconhecer a provisão divina em um mundo em crise;
II.     Compreender que o mundo atual está caótico;
III.    Explicar as características do mundo atual.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Prezado professor, na lição de hoje vamos estudar a respeito da crise econômica que o mundo atual enfrenta, em especial o Brasil. Segundo os especialistas a crise econômica brasileira é resultado da crise política. Mas sabemos que ela é na verdade consequência da ganância e da corrupção dos homens que não temem a Deus. É resultado da Queda. Contudo, não importa o tamanho e a extensão da crise que estamos enfrentando; Deus tem sempre a provisão para o seu povo. O Senhor supriu as necessidades dos israelitas durante quarenta anos no deserto. Supriu as necessidades do profeta Elias em Querite, enviando pão e carne. Deus não mudou. Ele continua abençoando e suprindo as necessidades dos seus filhos. Toda crise é ruim, mas em meio a elas podemos ver o agir de Deus. Em meio às crises nossa fé é fortalecida.

INTRODUÇÃO

Estamos vivendo em um mundo em crise. Mas o Reino de Deus não está em crise. Não podemos nos esquecer que não estamos sozinhos nesse mundo tenebroso. O Senhor Jesus prometeu estar conosco até a consumação dos séculos. Mesmo vivendo em um mundo decaído, podemos contar com a proteção, provisão e cuidado do Pai Celeste.

PONTO CENTRAL

Podemos ver a provisão de Deus mesmo vivendo em um mundo em crise.

I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO CAÓTICO

1. A provisão de Deus no deserto.
Temos um Deus que supre as nossas necessidades. Durante quarenta anos o Senhor sustentou o seu povo no deserto. Todos os dias, com exceção do sábado, os israelitas recebiam o maná e cordonizes para o seu sustento (Êx 16). A provisão era diária. Não faltou água, alimento, roupa e calçado até o dia em que chegaram à Terra Prometida.  Porém, no meio do povo de Deus sempre há pessoas incrédulas e murmuradoras. Os israelitas não demonstraram gratidão pela provisão divina; diante de alguma dificuldade, logo murmuravam e reclamavam de Deus. Qual tem sido sua atitude diante das crises?

2. A provisão de Deus para Elias em Querite (1 Rs 17.1-6).

Certo dia, Elias profetizou para o rei Acabe dizendo que não choveria por um bom período de tempo. Acabe sabia que a falta de chuva ia mexer com a economia do seu reino. Haveria um período difícil de escassez. Então, Deus mandou que o profeta Elias se escondesse junto ao ribeiro de Querite (v. 3). Elias obedeceu a Deus. A obediência nos faz experimentar a provisão de Deus. Quem está em desobediência dificilmente desfrutará da provisão divina. O servo do Senhor bebia das águas do ribeiro, e a cada manhã comia da comida que os corvos lhe traziam. Elias experimentou a provisão de Deus.

3. A provisão de Deus para Elias em Sarepta (1 Rs 17.8-16).

Elias não podia aparecer publicamente, pois Acabe estava à sua procura. Depois que o riacho de Querite secou, Deus ordenou que o seu profeta se dirigisse à aldeia de Sarepta. Perto dos portões da cidade, ele encontrou uma viúva que recolhia gravetos. Como no ribeiro de Querite, a provisão de Deus veio de forma inusitada. Deus havia utilizado corvos para alimentar o profeta. Agora uma viúva deveria cuidar de Elias. Em geral, as viúvas dependiam dos seus filhos e parentes para sua sobrevivência. Ao chegar à casa da viúva, Elias lhe pede água e pão. A mulher respondeu que não tinha pão. Em sua casa, havia apenas um punhado de farinha e um pouco de azeite. Então, o profeta desafia aquela mulher a assar primeiro um pão para ele.  A mulher acreditou na palavra do profeta. Para ver a provisão divina é preciso crer. A provisão de Deus veio para Elias e para viúva que o acolheu. A farinha e o azeite da mulher não se acabaram até o dia em que as chuvas voltaram a cair.

SÍNTESE DO TÓPICO I
Podemos experimentar a provisão divina mesmo vivendo em um mundo caótico.

SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO

Não há que duvidar que o tempo todo Deus sabia como alimentaria os israelitas no deserto. Quando murmuraram, o Senhor revelou seu plano de fornecer pão dos céus para colherem a porção para cada dia. Até no fornecimento de pão Deus faria uma prova: Queria ver se o povo andaria em sua lei ou não. No sexto dia, as pessoas achariam quantidade suficiente de pão para durar dois dias, em cumprimento  da lei do sábado.
Deus queria que estes israelitas soubessem que aquele que os tirou do Egito ainda estava com eles. À tarde sabereis e amanhã vereis. A glória mencionada no versículo 7 diz respeito à realização da mão de Deus no suprimento do pão, ao passo que a glória referida no versículo 10 era a manifestação especial de Deus na nuvem.
Moisés repreendeu os israelitas por murmurarem contra ele e Arão, pois nada significavam - era Deus quem os conduziriam. Quando Deus lhes desse carne e pão para comer, eles saberiam que o Senhor ouviria as murmurações feitas contra ele. De certo modo, fornecer comida desta maneira era uma repreensão. Deus não forneceu comida só porque reclamaram; Ele queria que soubessem que Ele era o Senhor e que não estava contra seus servos, mas contra quem murmurava.

Os filhos de Israel seriam humilhados diante de Deus. Arão os reuniu, dizendo: Chegai-vos para diante do Senhor, porque ouviu as vossas murmurações. Quando se aproximaram e olharam para o deserto, de repente a glória do Senhor apareceu na nuvem. A prova inconfundível da presença de Deus na coluna de fogo autenticou as palavras de Moisés e preparou o povo para a glória mais encoberta de milagre que ocorreria.

A glória do Senhor deu a estes fracos seguidores de Deus de ver o mal dos seus corações quando contemplassem a fidelidade de Deus para com eles. Com a realização do milagre da carne e do pão, eles saberiam que o Senhor era o seu Deus. Ele teve paciência com estes crentes fracos, cuja fé necessitava de crescimento; em outra época, depois de terem tempo para amadurecer (Nm 14.11,12), eles foram punidos por causa da permanência na incredulidade" (Comentário Bíblico Beacon. 1.ed. Vol 1. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp. 175,76).

CONHEÇA MAIS

Uma grande estiagem
Baal e Aserá eram deidades da natureza, suspeitos de controlar as chuvas e a fertilidade da terra. Ao anunciar uma estiagem no nome do Senhor, Elias demonstrou conclusivamente que Iahweh, e não Baal, é supremo. Para conhecer mais leia, Guia do Leitor da Bíblia, CPAD, p.234.

II - UM MUNDO CAÓTICO

1. O mundo jaz do Maligno.

João, o apóstolo de Jesus Cristo, declarou qual é a situação deste mundo: "Sabemos que somos de Deus e que todo o mundo está no maligno" (1 Jo 5.19). Satanás é o deus deste século. Ele é o responsável pelas diferentes tragédias que assolam a humanidade. Muitos podem dizer que as tragédias e as crises são resultado apenas da ação do homem, mas não podemos nos esquecer de que Satanás usa os homens para matar, roubar e destruir (Jo 10.10).

2. O mundo globalizado.

Com certeza você já deve ter ouvido falar a respeito da globalização. Mas sabe o que significa?  Existem vários conceitos para definir esse termo. Vejamos o conceito segundo o dicionário Houaiss: "Ato ou efeito de globalizar (-se). Espécie de mercado financeiro mundial criado a partir da união dos mercados de diferentes países e da quebra das fronteiras entre esses mercados." A ideia de globalização surgiu da consolidação do sistema capitalista, e um dos seus objetivos é a padronização de ideias e valores.
3. Tempo de mudanças.
Ao longo da sua história, a humanidade experimentou diferentes transformações na área tecnológica, científica, econômica e social. Essas mudanças acabaram trazendo crises de ordem social, econômica e política.
A era moderna foi marcada pelo avanço do conhecimento científico, pelo advento da industrialização, pela predominância da luta ideológica e, especialmente, pela expansão da fé cristã, como também pela proliferação das seitas e das religiões orientais.
Na atualidade, temos experimentado o progresso cientifico e tecnológico, mas também crises econômicas e éticas sem precedentes. O apóstolo Paulo, profeticamente, falou a respeito desses tempos, referindo-se a eles como trabalhosos e difíceis.

SÍNTESE DO TÓPICO II

O mundo está caótico, estamos vivendo tempos difíceis.

SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ

Novo Cenário Mundial

A unificação das duas Alemanhas; o desmantelamento do império soviético; o fim oficial da política do Apartheid na África do Sul; as disputas étnicas e territoriais em regiões como a Bósnia Ezergovina; o conflito entre judeus e árabes pelo reconhecimento de um Estado Palestino; a Guerra do Golfo, que, com o final da guerra fria entre os Estados Unidos e a União Soviética, fez nascer um novo oponente para os americanos; a luta por reconhecimento por parte do povo e a democratização das antigas ditaduras latino-americanas são apenas alguns dos exemplos das mudanças que têm ocorrido no cenário mundial.
Com a formação de blocos de países, como o MCE - Mercado Comum Europeu (conhecido também como Unidade Europeia); o NAFTA - North American Free Trade Agreement, ou Acordo de Livre Comércio da América do norte e o MERCOSUL (do qual o Brasil é importante membro), entre outros, as relações entre os países deixaram de ser meramente bilaterais.
Elas passaram a fazer parte de um contexto muito maior, no qual a globalização de mercados é a principal prioridade. Em blocos, os países menos fragilizados diante de potências economicamente mais forte, e com maior poder de barganha" (AYRES, Antônio Tadeu. Reflexos da Globalização sobre a Igreja: Até que ponto as últimas tendências mundiais afetam o Corpo de Cristo? 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p.20).

III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL

1. Uma sociedade centrada no homem.

Vivemos em uma sociedade em que o antropocentrismo prevalece. A palavra antropos significa "homem", e antropocentrismo traz a ideia do homem como o centro de tudo. Certo filósofo pré-socrático declarou que "o homem é a medida de todas as coisas".
Tal ideia faz do homem o centro do Universo. Sabemos que o homem é falho e finito. Deus, o Criador, é o soberano. Deus, o Pai, tornou seu Filho Jesus, a razão e o centro de toda a criação. Paulo, escrevendo aos Colossenses afirmou: "Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele" (Cl 1.17). Os humanistas, na verdade são "amantes de si mesmos"(2 Tm 3.2). O humanismo deve ser repudiado pela  liderança da igreja e por seus membros.

2. Uma sociedade relativista.

O relativismo ético e moral nega a existência de verdades absolutas, especialmente, os princípios e ensinos imutáveis da Palavra de Deus. O certo e o errado se confundem, pois as verdades passam a ser relativas. Aqui há a negação de qualquer lei superior para orientar a vida das pessoas. Por isso cremos que o relativismo tem causado danos aos crentes em nossos dias.

3. Uma sociedade secularizada.

Segundo o pastor Claudionor de Andrade o secularismo é a "doutrina que ignora os princípios espirituais na condução dos negócios humanos". Essa doutrina também perverte os nossos valores cristãos. Ela corrompe as verdades bíblicas para perverter a igreja e desviá-la da fé cristã, pois o secularismo valoriza a forma em detrimento do conteúdo.

SÍNTESE DO TÓPICO III

O antropocentrismo, o relativismo e a secularização são características do mundo atual.

SUBSÍDIO BÍBLICO TEOLÓGICO

Professor, é importante que o conceito de antropocentrismo, relativismos e secularismo sejam bem trabalhados nesse tópico. Se desejar, copie no quadro e leia as definições para seus alunos. Leia com atenção as definições:
Antropocentrismo - "[Do gr. antropos, homem; do gr. kentron, centro + ismo]. Perspectiva teológica-filosófica que coloca o homem como centro do universo, descartando, na prática, a ideia de um Deus bom, justo e que se interessa pelos negócios humanos. O  antropocentrismo leva sempre em consideração o que declarou o filósofo grego Portágoras: 'O homem é a medida de todas as coisas.'
Relativismo - [Do lat. relativas]. Concepção filosófica segundo a qual nada é definitivamente certo nem absoluto, por depender de contingências e condicionamentos. Sob esta ótica, caem por terra os princípios éticos da verdade. O relativismo moral tem sido utilizado pelos ditadores para destruir os princípios da liberdade e da fé em Deus.
Secularismo -  [Do lat. seculu+ismo]. Doutrina que ignora os princípios espirituais na condução dos negócios humanos. O secularismo, ou materialismo, tem o homem, e somente o homem, como a medida de todas as coisas. Pode  ser considerado sinônimo de humanismo" (ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Dicionário Bíblico Teológico. 8.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, pp. 45,253,261).

CONCLUSÃO

Mesmo vivendo em um mundo em crise, podemos contar com a provisão de Deus. Vivemos neste mundo, mas não podemos concordar com a sua maneira de pensar (Rm 12.2). Temos que priorizar e manter sempre o fundamento do Evangelho que recebemos.

PARA REFLETIR

A respeito da provisão de Deus em tempos difíceis, responda:
1. O que Deus enviou para sustento do seu povo no deserto?
Deus enviou o maná (pão)  e as codornizes (carne)
2. Quem todos os dias levava provisão para o profeta Elias?
Os corvos.
3. Depois de Querite, Elias foi enviado para qual lugar? Quem o sustentou ali?
Elias foi para Sarepta e foi sustentado por uma viúva.
4. Defina, de acordo com a lição, globalização?
Segundo o dicionário Houaiss, globalização é o "ato ou efeito de globalizar(-se). Espécie de mercado financeiro mundial criado a partir da união dos mercados de diferentes países e da quebra das fronteiras entre esses mercados."
5.Cite três características do mundo atual.

Antropocentrismo, relativismo e secularização.

Subsidio (2) adultos a provisão de Deus n.2





                                       Escritor Mauricio Berwald

Êxodo 16  verso 1
Êxodo 16: 1 . Veio para o deserto do Pecado - Não imediatamente, pois não há outra etapa de sua viagem pelo mar Vermelho, mencionado Números 33:10 , (em que capítulo, ao que parece, Moses designedly estabelecidas todas as suas estações, ), mas omitido aqui, porque nada de extraordinário aconteceu nele.

Este foi um grande deserto entre o Mar Vermelho e monte Sinai, diferente e muito distante do que Zin mencionado Números 20: 1 , que estava perto da terra de Edom.

verso 2
Êxodo 16: 2 . Toda a congregação murmurava - Por falta de pão, tendo consumido toda a massa ou farinha que trouxeram do Egito. Prestação de um mês, ao que parece, o exército de Israel levaram com eles do Egito, quando eles chegaram lá no dia 15 do primeiro mês, que até o dia 15 do segundo mês foi todo gasto. Contra Moisés e Arão - vice-regentes de Deus entre eles. Quão fraco e perversa é a natureza humana! Eles tinham acabado de ver as águas amargas instantaneamente feitas doce para aliviar a sede, e um pouco antes tinha sido milagrosamente salvo no mar Vermelho, quando parecia haver nenhuma maneira possível para a sua fuga; e tão longe eram de aprender a confiar em que a divina, todo-poderoso Providence, que tinha tão maravilhosamente e tão evidentemente forjado para eles, que na primeira dificuldade e sofrimento que eles sair em a maioria dos murmúrios desanimados!

verso 3
Êxodo 16: 3 . Quisera Deus que haviam morrido - Eles tão subestimar sua libertação, que eles desejam que tinha morrido no Egito; nay, e morreu pela mão do Senhor também. Isto é, por algumas das pragas que cortam os egípcios; como se não fosse a mão do Senhor, mas de Moisés somente, que os trouxeram a este deserto! É comum que as pessoas dizem de que a dor ou doença de que não veja as causas secundárias, que é o que agrada a Deus, como se isso não fosse assim também que vem pela mão do homem, ou algum acidente visível. Nós não podemos supor que eles tinham qualquer grande abundância no Egito, como em grande parte soever eles agora falar das panelas de carne, nem poderiam medo de morrer por falta no deserto enquanto eles tinham seus rebanhos e manadas com eles; mas o descontentamento aumenta o que é passado, e vilipendia o que está presente, sem levar em conta a verdade ou razão. Nenhum falar mais absurdamente que resmungadores.

verso 4
Êxodo 16: 4 . Homem que está sendo feito da terra, seu Criador sabiamente ordenou-lhe comida para fora da terra, <19A414> Salmos 104: 14 . Mas o povo de Israel tipificando a igreja dos primogênitos , que estão inscritos nos céus, recebendo seus estatutos, leis e comissões do céu; do céu também que recebeu a sua comida. Veja o que Deus planejou para tornar esta disposição para eles, que eu possa prová-los, se anda em minha lei ou não - Se eles iriam confiar e servi-lo, e ser sempre fiel ao tão bom um mestre.

Verse 5-6
Êxodo 16: 5-6 . Eles devem preparar - Deite-se, moagem, assar ou ferver. O Senhor te tirou do Egito - e não nós, como você sugere, pelo nosso próprio conselho.

versículos 7-9
Êxodo 16: 7-9 . Vereis a glória do Senhor - Ou esta obra gloriosa de Deus em dar-lhe o pão do céu, ou melhor, a aparição gloriosa de Deus na nuvem, como é mencionado em Êxodo 16:10 . Venha perto diante do Senhor - antes de a coluna de nuvem, onde Deus estava especialmente presente.

verso 12
Êxodo 16:12 . Então sabereis que eu sou o Senhor, teu Deus - Isso deu prova de seu poder como o Senhor, e seu favor particular a eles como seu Deus, quando Deus afligiram os egípcios, era fazê-los saber que ele é o Senhor; quando ele fornecida para os israelitas, foi para fazê-los saber que ele era seu Deus.

verso 13
Êxodo 16:13 . As subiram codornizes - tão mansos que poderiam ser tomadas, como muitos como quisessem. Embora Ludolph tem oferecido vários argumentos em seu etíope. Hist. (l. 1. c. 13) para provar que a palavra hebraica שׂלו , Selav, aqui utilizado, este deve ser prestado gafanhotos; é certo, de Salmos 78:27 , que as aves de algum tipo são destinadas: Ele chover carne sobre eles, como poeira, e aves de penas como a areia do mar. Buxtorf torna a palavra coturnices, codornas. e Parkhurst, derivando a palavra de שׂלה , para ser tranquilo, ou para descansar, considera-o como significando uma espécie de ave que viveu notavelmente em termos de facilidade e abundância entre o milho. E, ao que parece, entre os egípcios uma codorniz era um emblema de facilidade e abundância. Também foi estimada uma guloseima, e provavelmente preferiria ser enviada neste momento do que os gafanhotos, que, embora usado para o alimento, dificilmente poderia ser denominado carne. De acordo com Josephus, "há mais deste tipo de aves sobre o Golfo Pérsico do que quaisquer outros. E voando sobre o mar ", diz ele," e sendo cansados, e chegando mais perto da terra do que outras aves, tomaram para si com as mãos, como o alimento preparado para eles de Deus ". Mas a representação de Josephus da questão de nenhuma maneira vem até o ponto de vista dela dada por Moisés, ( Números 11:31 ), que diz que um vento saiu do Senhor e trouxe-os a partir do mar, e as espalhou ao redor do arraial, a jornada de cada lado , e que eles colocam "dois côvados sobre a face da terra."

Na parte da manhã jazia o orvalho - Hebreus שׁכבת השׂל . hattal shick-banho, uma camada ou leito de orvalho Com isso, ao que parece, o maná foi coberto: a qual a expressão, o maná escondido, ( Apocalipse 2:17 ), parece aludir.

verso 14
Êxodo 16:14 . Quando o orvalho se levantou - a saber, para o ar; ou se desapareceu, estava uma coisa miúda, redonda - De acordo com Números 11: 9 , houve um orvalho que caiu antes do maná; pois é dito, quando o orvalho caiu no meio da noite, o maná descia sobre ele. Mas ele aparece aqui, que havia também um orvalho sobre ela, que subiu quando o sol se levantou. Assim que o maná estava como se fosse fechado. Isso pode ser projetado para mantê-lo puro e limpo.

verso 15
Êxodo 16:15 . Eles disseram uns aos outros: É maná - As palavras originais, מן הוא , homem hu, certamente deve ter sido prestados aqui, como eles literalmente dizer, ? O que é ou o que é isto? Pois é claro , a partir do que se segue, que não poderiam dar-lhe um nome, para que eles não sabiam o que era - deve ser observado que, embora ele veio para baixo das nuvens, não só com o orvalho, mas em uma espécie de orvalho, derretida , mas foi de tal coerência, a servir para fortalecer a comida sem qualquer outra coisa. Foi agradável de alimentos: os judeus dizer que foi palatável a todos, de acordo como os seus gostos eram. Foi comida saudável, luz de digestão. Por esta dieta livre e simples que são todos uma lição de temperança, e proibida a desejar guloseimas e variedades.

verso 16
Êxodo 16:16 . De acordo com sua comer - Tanto quanto é suficiente. Um gômer é a décima parte de um efa: cerca de seis litros, medida vinho. Este foi certamente um subsídio muito liberal, e como pode abundantemente satisfazer um homem da maior força e do apetite. Com efeito, afigura-se muito, se não fosse que era alimento muito leve e fácil de digestão.

verso 17
Êxodo 16:17 . Alguns mais, outros menos - De acordo como suas famílias eram mais ou menos numerosos; ou como os coletores eram mais ou menos forte e ativo na coleta-lo.

verso 18
Êxodo 16:18 . Aquele que muito colheu, não sobrou - Comentaristas interpretar isso de maneiras diferentes. Alguns supõem que Deus operou um milagre neste caso, e por isso pedi-lo, que quando eles vieram para medir o que haviam adquirido, a loja dele que haviam se reunido demasiado foi milagrosamente diminuiu para o número exato de omers ele deveria ter se reuniram , ea loja dele que não havia se reunido a devida quantidade, foi milagrosamente aumentado. Houbigant, no entanto, supõe que este foi apenas aplicável ao primeiro momento de encontro, "Deus admoestando-os, por este evento, que deve depois fazer o que ele próprio já tinha aperfeiçoado por sua própria agência imediato." Mas outros supor que tinha sido esse o caso, uma vez que era um milagre de igualdade com qualquer outra gravada, ela teria sido mencionado que o Senhor tinha feito isso. E eles pensam, portanto, tudo o que se quer dizer é que aquele que não haviam se reunido uma quantidade suficiente para fazer um gômer para cada um na sua família, se tivesse constituído a ele de que os outros estavam reunidos, que tinha mais do que suficiente , e que eles caritativamente assistida uns aos outros. Este sentido da passagem parece ser tolerada por São Paulo, 2 Coríntios 8: 13-15 . Se entendida no primeiro mencionado sentido, o apóstolo, na aplicação do mesmo como um argumento para incentivar a caridade, deve ser considerada como significando que Deus, de uma maneira extraordinária, no curso de suas providências, vai abençoar e prosperar os que na caridade ajudar os seus irmãos.

verso 19
Êxodo 16:19 . Ninguém deixe dele para amanhã - Para a prestação do dia seguinte, como desconfiando cuidado e bondade de Deus em dar-lhe mais. Não que cada um foi obrigado a comer a totalidade do que ele havia se reunido; mas eles foram para dissolver ou queimá-lo, como fizeram os restos de alguns sacrifícios, ou para consumi-lo de alguma outra forma. Assim, eles estavam a aprender a ir para a cama em silêncio, embora eles não tinham um pedaço de pão em suas tendas, nem em todo o seu acampamento, confiando em Deus com o dia seguinte para trazê-los de seu pão de cada dia. Nunca houve tal mercado de disposições como esta, onde tantas centenas de milhares de homens foram diária mobilado , sem dinheiro e sem preço: nunca houve uma casa tão aberta mantido como Deus manteve no deserto por quarenta anos juntos, nem tal entretenimento gratuito e abundante dado. E a mesma sabedoria, poder e bondade que agora trouxe comida diária fora do nuvens, Acaso, no curso constante da natureza, trazer comida anual da terra, e nos dá todas as coisas ricamente para desfrutar.

verso 20
Êxodo 16:20 . Alguns deles deixaram dele até a manhã - De qualquer desconfiança providência de Deus, para uma oferta futura, ou por curiosidade para saber a natureza deste maná, e sobre o que fariam se a ocasião necessário; criou bichos e fedia - Não tanto de sua própria natureza, que era pura e durável, a partir de julgamento de Deus. Assim, será que ser corrompido em que não confiamos em Deus, e que não empregam para a sua glória.

verso 21
Êxodo 16:21 . O derretia - Como muito do que como foi deixado em cima da terra, e não, ao que parece, a partir da sua própria natureza, que era tão sólida que pudesse suportar o fogo; mas que não pode ser corrompido, ou pisada, ou desprezado, e que eles podem ser obrigados, por assim dizer, a toda a dependência mais em Deus.

verso 22
Êxodo 16:22 . No sexto dia colheram pão em dobro - Considerando presente providência de Deus em causando a sua queda em dobro proporção, e lembrando que o dia seguinte era sábado o dia que Deus tinha abençoado e santificado ao seu próprio imediato serviço, ( Gênesis 2: 3 ), e que, portanto, não era para ser empregado em trabalhos servis, como o recolhimento do maná era, eles concluíram, com razão, que os mandamentos de Deus ( Êxodo 16:16 ; Êxodo 16:19 ) atingiu apenas para dias normais, e devem, em toda a razão, dar lugar para a lei mais antiga e necessária do sábado. os governantes disse a Moisés - ou para familiarizar-lo com este aumento do milagre, ou para tomar o seu rumo para a sua prática, porque eles encontraram dois comandos aparentemente colidindo uns com os outros.

verso 23
Êxodo 16:23 . Isto é o que o Senhor tem falado - Ou a Moisés, por inspiração, ou para os antigos patriarcas, em uma ocasião semelhante. É agradável ao ex-palavra e lei de Deus a respeito do sábado. Amanhã é o resto do sábado santo - Aqui está uma sugestão simples da observação do sábado do sétimo dia, não só antes da promulgação da lei sobre o monte Sinai, mas antes da propositura de Israel do Egito, e, portanto, . desde o início Se o sábado já tinha sido previamente instituído, como poderia Moisés ter entendido o que Deus disse a ele ( Êxodo 16: 5 ), relativa a uma porção dupla a ser recolhida no sexto dia, sem fazer qualquer menção expressa do sábado? E como poderia o povo tão prontamente levado a dica, ( Êxodo 16:22 ), mesmo para a surpresa dos governantes, antes de Moisés havia declarado que foi feito em relação ao sábado, se eles não tinham tido algum conhecimento do Sabbath antes? A definição para além de um dia em sete para o trabalho santo, e, a fim de que para o descanso santo, era um compromisso divino desde que Deus criou o homem sobre a terra.

verso 29
Êxodo 16:29 . O Senhor vos deu o sábado - tem dado a você e aos seus pais o grande privilégio dele, eo comando para observá-lo. Vamos ninguém saia do seu lugar - fora de sua casa ou tenda em o campo para recolher o maná, como se depreende da ocasião e razão do preceito aqui antes mencionados. Caso contrário, eles podem e devem sair de suas casas para as assembléias públicas, Levítico 23: 3 ; Atos 15:21 ; e levar seu gado para rega, ou para ajudá-los a sair de um poço, Lucas 13:15 ; e da jornada de um sábado foi permitido, Atos 1:12 .

verso 31
Êxodo 16:31 . Era como semente de coentro - Em tamanho, não na cor, pois isso é de cor escura, mas isso era branco, como é dito aqui, ou como bdellium ou pérola, Números 11: 7 ; eo seu sabor como wafers - ou little bolos feitos com mel; isto é, quando ele estava em carne viva, para quando ele estava vestido, era como óleo fresco. O leitor deve ser informado, no entanto, que a palavra hebraica usada aqui, e rendido semente de coentro, é de interpretação bastante duvidosa. Pode, eventualmente, significar alguma outra pequena semente.

Verse 33-34
Êxodo 16: 33-34 . Toma um vaso - Um pote de ouro, Hebreus 9: 4 . Para todos os vasos do santuário eram de ouro. Coloque-se diante do Senhor - Isto é, no tabernáculo, e junto à arca, quando eles devem ser construídos: Antes do testemunho - A arca do testemunho, ou testemunha, porque nela foram as tábuas da aliança, ou a lei de Deus, que foi um testemunho da autoridade de Deus e vontade, e de sujeição do homem e do dever, ou da aliança feita entre Deus eo homem. A preservação deste pote de maná do desperdício e corrupção, foi um milagre de pé; e, portanto, o memorial mais adequada deste alimento milagroso. O maná é chamado de alimento espiritual, ( 1 Coríntios 10: 3 ,) porque era típico de bênçãos espirituais. O próprio Cristo é o verdadeiro maná, o pão da vida, da qual que era uma figura, João 6: 49-51 . A palavra de Deus é o maná pelo qual nossas almas são alimentadas, Mateus 4: 4 . O conforto do Espírito são maná escondido, Apocalipse 2:17 . Estes confortos vêm do céu, como o maná fez, e são o suporte da vida divina na alma, enquanto estamos no deserto deste mundo: é alimento para israelitas, somente para aqueles que seguem a coluna de nuvem e fogo : deve ser recolhida; Cristo na palavra é para ser aplicado à alma, e devem ser utilizados os meios de graça: temos de cada um de nós se reúnem para nós mesmos. Houve maná suficiente para todos, o suficiente para cada um, e nenhum tinha muito; assim também em Cristo há uma suficiência completa, e sem supérfluo. Mas, os que comeram o maná fome de novo, morreu no passado, e com muitos deles Deus não se agradou: enquanto os que se alimentam de Cristo pela fé não terá fome, e não deve mais morrer, e com eles Deus será para sempre bem satisfeito. O Senhor sempre nos dá este pão!

verso 35

Êxodo 16:35 . Israel comeram o maná quarenta anos - Ou seja, salvar um mês, como se depreende Joshua 5: 11-12 . Como Moisés não viveu para ver a cessação do maná, alguns supõem que as palavras deste versículo foram adicionados por Ezra. Mas, embora Moisés não entrou em Canaã, mas ele veio para as fronteiras dele, e ele conhecia perfeitamente, tanto da natureza da coisa, e por revelação de Deus, que o maná seria imediatamente cessar após a sua entrada em Canaã; e, portanto, poderia muito bem escrever desta maneira.(NOTAS Comentário do Antigo e Novo Testamentos de Joseph Benson).