sexta-feira, 8 de julho de 2016

Revista BETEL discipulado completo

              
                DISCIPULADO COMPLETO LIÇÕES BETEL




                LIÇÃO 1 - CONHEÇA A SUA BÍBLIA

                             I N T R O D U Ç Ã O

                      Escritor Mauricio Berwald

Você está tomando a maior decisão de toda a sua vida: entregar-se a Jesus Cristo. Essa decisão vai mudar toda a sua vida, e vai garantir seu destino após a morte. Essa é, sem dúvida, a mais importante decisão? O que conduz alguém a tomar essa decisão? Uma música, uma oração, uma pregação, um testemunho, uma cura, uma libertação espiritual, a solução de um problema, etc. Essas e outras podem ser as causas evidentes que levam alguém a entregar-se a Jesus. Como Deus está agindo em você? Sejam quais forem às causas que conduzam alguém a entregar-se a Jesus, sempre a Bíblia está envolvida nessas causas. Deus usa Sua Palavra para nos falar. Por isso vamos enfatizar a necessidade de conhecer a Bíblia.

I - DESCOBRINDO A BÍBLIA

A Bíblia é a Palavra de Deus a humanidade. Na Bíblia encontramos o plano divino para a salvação de todo aquele que crê em Jesus (João 20.30,31).
a) A Bíblia é o alimento espiritual de cada dia. – O apóstolo Pedro fala-nos dos benefícios que a Palavra de Deus trás para nós. “2 desejai afetuosamente como meninos recém-nascidos, o puro leite espiritual, não falsificado , para que ele vades crescendo”(I Pedro 2.2). Portanto, como você se alimenta diariamente, também diariamente medite na Palavra de Deus (Salmo 1.2) A meditação diária traz benefícios sobre nossa vida, nosso espírito , nossa alma e nosso corpo, porque nos faz descansar nas promessas de Deus.
b) A importância da Bíblia – A medida que se descobre a Palavra de Deus, ela se torna mais maravilhosa para nós. Leia Mateus 22.29 e verifique as duas causas porque as pessoas pensam e agem, erradamente: desconhecem as escrituras e o poder de Deus. Verifique em Hebreus 4.12 o importante trabalho realizado pela Bíblia em nossas vidas. O apóstolo Paulo descreve a Timóteo as utilidades da Bíblia. “Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça” (II Timóteo 3.16) Além dessas citações bíblicas, que esclarecem a importância da Palavra de Deus, toda esta lição vai conduzi-lo a verificar que a Bíblia é importantíssima.
c) A Bíblia é o maior de todos os livros. Nenhum outro “livro” pode substituir a Bíblia, a Palavra de Deus. Só ela tem a orientação para a vida espiritual e a sabedoria para a caminhada nesse mundo tão cheio de pecados. Portanto, abrace a Bíblia como sua amiga até o fim da vida. “Exalta-a, e ela te exaltará; e, abraçando-a tu, ela te honrará” ( Provérbios 4.8).

2 ABRINDO A BÍBLIA

A Bíblia se divide em duas partes: Velho Testamento e Novo Testamento. A Bíblia foi escrita num período de 1.600 anos. O V.Testamento 1.500 anos (No ano 1.500 a.C. Iniciou no monte Sinai. Escrevendo 2.500 anos antes).
Os trinta e nove livros que compõem o Velho Testamento, foram escritos a fim de preparar a humanidade para a vinda de Jesus, e sua morte salvadora na cruz. Com todos esses escritos de preparação, e com dois mil anos de história da humanidade e do povo de Israel, mesmo assim, Jesus ainda foi totalmente rejeitado. “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam” ( João 1.11)O Novo Testamento com vinte e sete livros escrito num período de 100 anos.

Alguns conselhos para estudar a Bíblia.

Estude a Bíblia com muita oração - Antes, durante o estudo e após. Através da oração recebemos a unção do Espírito Santo, tão necessária para o estudo da Palavra de Deus. Peça em oração a iluminação divina para o que você vai estudar. Durante o Estudo ore a Deus para eliminar as dúvidas. Após o estudo, peça para Deus ajuda-lo a aplicar a Bíblia em sua vida. “Escondi atua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti. (Salmo 119.11) Ao estudar a Bíblia, lembre-se de que o Espírito Santo é o “Autor” da Bíblia, e só ele pode ajudá-lo a conhecê-la. Inicie pelos evangelhos, através dos quais, você vai encontrar a vida de Jesus e o que ele diz diretamente para a salvação da alma.

Estude a Bíblia aplicando a Palavra de Deus à sua vida. Abandone os pecados que a Bíblia condena, a abrace as promessas da Palavra de Deus. Há mais de trinta e duas mil promessas na Bíblia. “Porque todas quantas promessas há de Deus, são Nele sim, e por Ele o Amém, para glória de Deus por nós” (II Coríntios 1:20). Estude a Bíblia usando as referências e com atenção. Ao ler um texto bíblico observe os pequeninos números de referencias e procure no rodapé das páginas as referencias daquele versículo ou palavra. Cuidado em se firmar num texto isolado. Verifique os ensinamentos relacionados aquele texto, em outros livros da Bíblia.

Ao Estudar a Bíblia, anote as dúvidas e consulte seu professor.

4 UM POUCO DA HISTÓRIA DA BÍBLIA

O LIVRO QUE TEMOS NAS mãos, a Bíblia , é resultado de longos anos de aperfeiçoamento. A forma de livros antigos era de rolos. Estes rolos eram feitos de papiro ou pergaminho.
Papiro, material primitivo – O papiro era derivado de uma planta que se encontrava nos lagos e rios do Egito e da Palestina. Do nome papiro deriva-se a palavra “papel” Pergaminho, derivado de animal – Já o “pergaminho” era de pele curtida de certos animais, que devidamente preparada serviam como folhas para serem escritas. Diz à história que Jerônimo foi o primeiro que possuiu uma biblioteca composta inteiramente de obras escritas em pergaminho.
A Bíblia ganhou formato de livro – Foi com a invenção da Imprensa por Gutenberg, em 1450, que começou a impressão da Bíblia como livro. A palavra Bíblia não consta nos Escritos Sagrados, mas significa “ Coleção de livros”.

CONCLUSÃO

Ao concluir esta primeira lição, esperamos que você tenha adquirido o desejo pela Bíblia, como alimento para seu espírito. Procure sempre na Palavra de Deus, com a ajuda do seu pastor, respostas para suas indagações. Vença todas as dificuldades com a Bíblia. A partir de agora, ela deverá ser seu livro (Revista Betel – Novos convertidos).


                          LIÇÃO 2 - CONHEÇA O SEU DEUS
                         TEXTO ÁUREO :Jr. 10.10 - 14


“Deus é Espírito, e importa que os que o adorem o adorem em espírito e em verdade.”João 4:24

I N T R O D U Ç Ã O

Muitas vezes as pessoas perguntam: “Deus existe? Como é Deus? Como conhecer Deus? O que Deus pode fazer por mim?” Estas e muitas outras perguntas sobre Deus pairam nas mentes humanas, sem que as pessoas encontrem as respostas certas. Os homens se confundem muito quando pensam sobre assuntos espirituais, principalmente sobre Deus.

1 A EXISTÊNCIA DE DEUS

A existência de Deus para o cristão, salvo em Jesus, é um fato consumado. O Salvo passou pela experiência da transformação, que só Deus pode fazer. Se toda a humanidade duvidasse da existência de Deus, mesmo assim o salvo não duvidaria: “Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte.. ( Tiago 1.6). Em Gênesis 1.1 a Bíblia simplesmente afirma: “No princípio criou Deus os céus e a terra.” . Isto para nós, os salvos, é suficiente. Esse Deus, que existe desde o princípio e criou todas as coisas, agora faz parte integrante de nossas vidas. ( Atos 17.28).
a) Nossa Compreensão de Deus. – de que Deus existe, compreendemos bem melhor o Universo que Ele criou, que temos diante de nós, do qual fazemos parte: “Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mão”.(Salmo 19.1). Todos os seres humanos admitem a existência dum Ser Superior, pois Deus criou o homem e está intimamente ligado a sua consciência.“ E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra.” (Gênesis 1.26) Todo homem sabe naturalmente que veio de Deus e terá que prestar contas a Deus de seus atos. Isso é implícito dentro de qualquer pessoa, por isso o homem teme a morte, pois sabe que vai prestar contas a Deus: “porquanto determinou um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que para isso ordenou; e disso tem dado certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.” (Atos 17.31)
b) Nossa fé em Deus –Em Hebreus 11.6 há uma determinação: A pessoa que busca a Deus deve crer que “Ele existe” e é “galardoador”. Não depende de provar que Deus existe, mas sim “crer”. Ao crer na existência de Deus, entregamo-nos a Ele. Observe João 20.30,31. Aquele que não crê na existência de Deus a Bíblia chama de “néscio” “que não sabe, ignorante”,( Salmo 14.1). Os versos 1 e 3 do mesmo Salmo mostram que a corrupção da humanidade é o resultado da “tolice” de não crer na existência de Deus.
c) Jesus revelação de Deus. Jesus veio ao mundo para ser a revelação completa de que “Deus existe”, sem deixar nenhuma dúvida: Deus nunca foi visto por alguém. O filho unigênito, que está no seio do Pai, este o fez conhecer” ( João 1.18) Aquele que recebeu a Jesus em seu coração pode chamar Deus de “Pai”: “9 Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome;” (Mateus 6.9)

2 A PESSOA DE DEUS

Sabemos que Deus existe. Mas, quem é esse Deus? Para responder a essa pergunta vamos tratar da natureza divina.

a) Os atributos de Deus – Deus é vivo e auto-existente. Isso significa que Deus não pode ser representado por ídolos mortos. I tesalonicesses 1.9 revela como é a conversão ao Deus vivo. Todos nós nascemos de nossos pais; mais Deus é vivo, independente, e por si mesmo: “Pois assim como o Pai tem vida em si mesmo, assim também deu ao Filho ter vida em si mesmo;
b) - Deus é espírito – Em João 4.24 Jesus revela a essência de Deus. Sendo Espírito, Deus não está sujeito à limitações às quais estão sujeitas os seres humanos dotados de corpo físico. Isto não implica que Deus leve uma existência sombria e irreal, pois Jesus se referiu a “Forma” de Deus ( João 5:37). Deus é uma pessoa real, mas de natureza tão infinita, que não se pode aprendê-lo plenamente pelo conhecimento humano, nem tampouco descrevê-lo em linguagem humana.
c) A Personalidade de Deus – Ele tem nome, como nós temos nossos nomes pessoais. Observe a resposta dada por Deus, Quando Moisés perguntou o seu nome (Êxodo 3.13.14. “Eu sou” significa “Jeová” (Salmos 83.18) Em várias citações bíblicas, esses “Eu sou” aparece completado com nossas necessidades humanas. O Jesus no Novo Testamento é o Jeová do Velho Testamento, que completam todas as necessidades humanas. Leia, João:6.48 e João 8.12. Muitos outros textos bíblicos explicam isso. Deus é onipotente – Pois tem o poder ( Gênesis 17.1) Sua onipotência significa, que Deus tem liberdade de poder para fazer tudo que esteja em harmonia com sua natureza. “ porque para Deus nada é impossível”( Lucas 1.37) A eternidade de Deus – (Salmos 90.2). Sem princípio e sem fim. Deus existe desde a eternidade e existirá por toda eternidade. O passado, o presente e o futuro são todos como o presente à Sua compreensão. Deus é imutável – Tudo muda, menos Deus ( Malaquias 3.6) Esta verdade conforta o crente, pois agora ele pode descançar na confiança de que “Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente”. Por isso, Ele será nossa habitação perpétua (Deuteronômio 33.27). Deus é onisciente – Pois sabe todas as coisas (Hebreus 4.13) Há um grande conforto quando conhecemos esta verdade acerca de Deus. Pois em todas as lutas da vida cristã o tem certeza de que o “vosso Pai Celestial sabe” (Mateus 6.8) Deus é onipresente – Pois pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo, desde que seja invocado. Claro que Deus não está ativo e participando em lugares pecaminosos. Mas, mesmo nesses lugares, Deus atua logo que é buscado pelo homem. E o liberta de tal situação (Salmos 139.7 e 10).

3 A NATUREZA DE DEUS

Certo é que Deus age, conforme Sua natureza, que acabamos de estudar. Deus não age como o homem. Ele age como Deus.
Deus é santo, pois não admite pecado – Em Sua santidade Deus detém a pureza moral. Ele não pode pecar, nem tolerar o pecado. A palavra: “Santo” significa “separado”. Vemos então que a santidade é o que mantém a distinção entre Deus e a criatura. È a própria natureza divina “Porquanto escrito está: sede santo, porque eu sou santos” ( Pedro 1.16)
Deus é amor – Ele odeia o pecado mais ama o pecador: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3.16) Entre a santidade de Deus que odeia o pecado, e o amor de Deus que busca o pecador (a) perdido(a) esta a justiça de Deus.
c) A balança salvadora de Deus – O imensurável amor de Deus fez com que Ele decidisse enviar o seu filho ao mundo, a fim de resolver o problema do pecado humano. E assim poder conviver para sempre com o homem no céu: “Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós”. “Logo muito mais, sendo agora justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira”. (Romanos 5.8 e 9)

CONCLUSÃO

Você está apenas no início do conhecimento de Deus. Esse é o nosso Deus! É o Deus que o salvou e está realizando Suas obras em você. Prossiga em conhecer a Deus. Pois, quanto mais você conhecer, melhor cristão você será... Seja o lema de toda a sua vida o que está em Oséias 6.3. “Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra”. E Deus muito o abençoará.
Revista Betel – Novos convertidos


                        LIÇÃO 3 - CONHEÇA O SEU SALVADOR
                                                 TEXTO ÁUREO

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim”. João 14:6
TEXTOS DE REFERÊNCIA – Colossenses 1.16-20

                                 I N T R O D U Ç Ã O

Jesus Cristo é a figura principal da história. Por isso a história da humanidade divide em “antes de Cristo” e “depois de Cristo”. Ele é único. Você sabe por quê? “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4.12)

1 A PESSOA DE JESUS

a) Quem é Jesus?. – “Porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele”Colossenses 1.16). A vida de Jesus se divide em três períodos:
I - Desde a eternidade até o seu nascimento humano;
II - Desde o nascimento em Belém até sua ascensão ao Céu;
III – Desde a sua ascensão ao Céu até a eternidade.
Nesse período e em, todo o tempo, Jesus sempre foi, e sempre será uma pessoa: “Eu sou o que vivo; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre! e tenho as chaves da morte e do inferno”. (Apocalipse 1.18). Pode-se ter uma religião sem, seu fundador. Isto é, um confu-cionismo sem, Confúcio, um budismo sem Buda, um Mormismo sem joseph Smith, um espiritismo sem Alan Kardec. Mas, você nunca viverá um Cristianismo sem Jesus Cristo ( Gálatas 2.20)
b) A humanidade de Jesus – Sabemos que Jesus foi homem. “ Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo da lei”( Gálatas 4.4) Na sua humanidade sofreu todas as tentações como qualquer um (Hebreus 4.15). Jesus recebeu nome humano: “ela dará à luz um filho, a quem chamarás JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus Pecados”.( Mateus 1.21).
c) A Divindade de Jesus - O que é importantíssimo sobre a pessoa de Jesus, e que o diabo sempre nega, é que Jesus é uma pessoa Divina. É Deus. É o Filho de Deus, ( Mateus 16.15-17) . Jesus é o único Filho de Deus ( João 3.16).Nós somos filhos de Deus por “adoção em Jesus Cristo” (Romanos 8.14-17), mas Jesus foi o “primogênito” de Maria e o “unigênito” de Deus ( Lucas 2.7 e João 3.16). Muitos textos Bíblicos identificam Jesus Cristo como sendo Deus. Que maravilha é ter Jesus no Coração.

2 A NATUREZA DE JESUS

a) Jesus é santo, sem pecado – “ Àquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (II Coríntios 5.21). Muita Gente hoje em dia que não aceita Jesus, porque tem preocupação em voltar a praticar os antigos pecados, e desviar-se. Com isto poderia ocorrer, se é verdade que o Jesus Impecável habita dentro de você? “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive pecando; antes o guarda aquele que nasceu de Deus, e o Maligno não lhe toca” ( I João 5.18).
b) O amor de Jesus Toda nossa salvação acontece por causa desse tão grande amor. Jesus ama o Pai, e tudo fez e faz para agradá-lo ( João 14.31). Ele muito ama a sua Igreja ( Efésios 5.25). Ele ama casa de crente e de cada um cuida particularmente: “Antes da festa da páscoa, sabendo Jesus que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, e havendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim, ( João 13.1). Mas a morte de Jesus significa o extremado amor pelos pecadores rebeldes e condenados ao inferno: “Ide, pois, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifícios. Porque eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores”.(Mateus 9.13)
c) A mansidão de Jesus – Como expressão de seu amor, Jesus é manso: “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas”.( Mateus 11.29). Ele revela a mansidão perante seus inimigos ( Mateus 26.47-62. e em sua mansidão Jesus tem comportamento humilde. Em hipótese alguma poderia ser diferente, porque o orgulho não vem de Deus. “Semelhantemente vós, os mais moços, sede sujeitos aos mais velhos. E cingi-vos todos de humildade uns para com os outros, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.( I Pedro 5.5). A humildade é o resultado da mansidão ( Mateus 11.29). E isso só pode ser praticado se estiver no coração. Orgulho leva as pessoas a buscarem elogios e honras, mas Jesus é diferente ( João 8.50). Jesus sabia enfrentar seus perseguidores, humildemente, constituindo nisso toda a sua vitória ( Isaias 53.7). A humildade do cristão faz o ímpio sentir-se embaraçado com o seu orgulho: “ Antes, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça” (Romanos 12.20).

3 AS OBRAS DE JESUS

Quando lemos João 5.31-37; vemos Jesus declarar que: Ele não precisa dar testemunho acerca de Si mesmo pois outros d´Ele testificam”. E cita:
Deus Pai 5) Moisés
Deus Espírito Santo; 6) João
A Bíblia; 7) Nós os salvos; suas obras.
Os profetas;

Todos são testemunhos de Jesus Cristo.

a) O testemunho das obras – Entre os testemunhos de Jesus estão suas próprias obras. Suas obras tem o testemunho do Pai e d´Ele próprio: “Crede-me que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim; crede ao menos por causa das mesmas obras”.( João 14.11) As obras de uma pessoa refletem a personalidade dessa pessoa, e declaram o que ela é: “20 Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.(Mateus 7.20), Conhecendo Jesus por suas obras. Mas quais são estas obras? Jesus participou e participa com o Pai da Criação do mundo e de sua preservação
( João 1.1-4)
b) A obra redentora – A obra central e principal de Jesus é sua morte na Cruz para libertar o homem dos pecados e levá-lo a Deus. Através da sua morte ele atribuiu o poder do diabo: “Portanto, visto como os filhos são participantes comuns de carne e sangue, também ele semelhantemente participou das mesmas coisas, para que pela morte derrotasse aquele que tinha o poder da morte, isto é, o Diabo”. (Hebreu 2.14). A morte de Jesus é o assunto principal da Bíblia (I Coríntios 15.3-4). A morte de Jesus será tema principal dos louvores que todos nós a ele prestamos no Céu.: “E cantavam um cântico novo, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda tribo, e língua, e povo e nações” (apocalipse 5.9). Pela morte de Jesus Deus manifestou Seu amor a nós, libertando-nos da culpa e do poder do pecado (I Pedro 2.24). Por sua morte Jesus nos conduziu de volta a Deus: “18 Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obras e em verdade”. (I João 3.18).
c) A obra intercessora – Morto na cruz Jesus ressuscitou dos mortos e subiu para o Céu. (Atos 1.9-11). De lá Jesus enviou o Espírito Santo para trabalhar conosco aqui na terra até a sua volta: “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro ajudador, para que fique convosco para sempre ( João 14.16). Jesus é o que batiza com o Espírito Santo ( Mateus 3.11,12). Lá no Céu, ao lado do Pai, Jesus intercede por nós: “Quem os condenará? Cristo Jesus é quem morreu, ou antes quem ressurgiu dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós; ( Romanos 8.34).

CONCLUSÃO

A partir do momento em que entregamos nossa vida a Jesus Cristo, faz-se necessário que passemos a conhecê-lo melhor, a fim de que venhamos a compreender o Plano de Salvação, o que ele fez por nós e o que ainda faz. Conheçamos melhor a Jesus. Leia Efésios 2.1-6. Revista Betel – Novos convertidos
     

                    LIÇÃO 4 - CONHEÇA O SEU CONSOLADOR

TEXTO ÁUREO “E eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro ajudador, para que fique convosco para sempre” João 14:16.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

João 16.7 - Todavia, digo-vos a verdade, convém-vos que eu vá; pois se eu não for, o Ajudador não virá a vós; mas, se eu for, vo-lo enviarei.
João 16.8 - E quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo.
João 16.13 - Quando vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras.
João 16.14 - Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará.
João 16.16 - Tudo quanto o Pai tem é meu; por isso eu vos disse que ele, recebendo do que é meu, vo-lo anunciará.

                                               I N T R O D U Ç Ã O

Quem é esse “Consolador” que precisamos conhecer? Jesus falou dele em João 14.16,17. Você precisa conhecer o Espírito Santo. O apostolo Paulo afirma que ninguém consegue dizer que Jesus é o Senhor senão pelo espírito Santo. ( I Coríntios 12.3). Precisamos conhecer o Espírito Santo, pois é Ele quem nos leva a Jesus. O Espírito Santo habita no salvo e tudo o que fazemos é conseguido através do poder do Espírito Santo. Como podemos desconhecer Aquele que habita dentro de nós e dirige nossas vidas? “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus esses são filhos de Deus”. (Romanos 8.1- 4)

1 A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO

Insistimos em que Deus não é “uma influência, um fluido positivo”, como ensinam as falsas religiões. Deus é pessoal. Isso significa que o homem pode manter comunhão com Deus. Porque são duas “pessoas”.
a) A Pessoa do Espírito Santo – “Ao referir-se ao Espírito Santo, Jesus o identifica com tratamentos pessoais, como “Gente”( João 16.7, 8). Jesus se refere ao Espírito Santo como uma pessoa, distinta dele, e distinta do Pai. Deus é único: “ Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor” ( Deuteronômio 6.4).
b)- A Trindade constitui-se de três pessoas distintas – Existe a Pessoa de Deus Pai, existe a pessoa de Deus Filho e existe a pessoa de Deus Espírito Santo: “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor” I coríntios 13.13). É um só Deus revelado através de três pessoas distintas: “E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade ( I João 5.7)
c) As reações do Espírito Santo – Como pessoa o Espírito Santo reage. Observe que ele é inteligente. (Romanos 8.27), tem vontade (ICoríntios) 12.11), ama (Romanos 15.30), tem tristeza (Efésios 4.30), Fala (Atos 13.2), intercede (Romanos 8.6), ensina (João 14.26), e Guia (Romanos 8.14). Somente uma pessoa tem essas reações. Uma “influencia ou um fluido” não tem reações assim.

2 A DIVINDADE DO ESPÍRITO SANTO

Além de ter características pessoais, o Espírito Santo é Deus. Ele e Chamado “Deus” (Atos 5.3,4) e “Senhor” (II Coríntios 3.18). O Espírito Santo tem as qualidades de Deus tais como: Eternidade (Hebreus 9.14) , Onipresença (Salmos 139.7-10), Onipotência(Lucas 1.350 e, Onisciência (I Coríntios 2.10,11).
a) Seus Nomes – Toda pessoa tem um nome que o identifica. Os nomes dados ao Espírito Santo o identificam como Deus. Ele é chamado “Santo” ( Lucas 11.13), “Eterno” (Hebreus 9.14), “Deus” ( I Coríntios 3.16), Jeová” ( Isaias 51.1), “Espírito de Deus e de Cristo” (Romanos 8.9).
b) Suas Obras – Os nomes da pessoa do Espírito Santo o identificam com as obras que só Deus realiza. Ele é purificador (Isaias 4.4), faz promessas e cumpre as promessas de Deus Pai e de Deus Filho (Atos 1.4,5), produz vida ( Romanos 8.11) consola (João 14.26). Uma “influência ou um Fluido” não faz nada disso que a pessoa divina do Espírito Santo Faz.

3 O TRABALHO DO ESPÍRITO SANTO

Desde o princípio do mundo o Espírito Santo participou na criação (Gêneses 1.2).E o mesmo Espírito Santo preserva a vida das pessoas: “Envia o teu fôlego, e são criados; e assim renovas a face da terra”. ( Salmo 104.30).
a) Seu trabalho no mundo e na Igreja – O espírito de Deus trabalha com os incrédulos. Ele contende com os homens (Gênesis 6.3). Ele testifica aos incrédulos sobre Jesus (João 16.8). Foi o Espírito Santo quem levou você a Jesus. Sua conversão e transformação são obras do Espírito Santo. E agora o que faz é que o Espírito Santo faz por nós os salvos? Ele nos regenera, isto faz nascer de novo (João 3.3-6). Somos batizados com o Espírito Santos por Jesus. Isto é, Jesus nos batiza com o Espírito Santo, pois o Espírito Santo permite que Jesus utilize dele, para nele sermos mergulhados. Foi o que aconteceu no dia de Pentecostes quando os discípulos falaram línguas estranhas (Atos 2.4). O Espírito Santo habita no crente (ICoríntios 6.19). O Espírito Santo permite que o crente seja selado nele (Efésios 4.30). O Espírito Santo testifica em nosso espírito (Romanos 8.16). Ele guia o crente (Romanos 8.14). Ele enche o crente (Efésios 5.18). Ele liberta (Romanos 8.2). Ele ilumina o crente (Efésios 1.18). Ele chama o crente para trabalhar na obra de Deus (Atos 13.2) O Espírito Santo ressuscitará os salvos (Romanos 8.11,23).
b) - Trabalhando Com Jesus – Em todo esse trabalho, tanto com o incrédulo quanto com o crente, o Espírito Santo se baseia na via e na obra salvadora de Jesus, para levar-nos a Ele. “26 Mas o Ajudador, o Espírito Santo a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar-vos de tudo quanto eu vos tenho dito”. (João 14.26)
c)A ação do Espírito Santo – A Bíblia é produto do Espírito Santo ( II Pedro 1.20,21) As orações são movidas pelo Espírito Santo ( Romanos 2.26) A Adoração e o louvor são promovidos pelo Espírito Santo: “19 falando entre vós em salmos, hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração”. (Efésios 5.19). Tudo, portanto, é pelo Espírito Santo.

4 - O ESPÍRITO SANTO E O ARREBATAMENTO DA IGREJA

Uma das atividades do Espírito Santo na terra é preparar a Igreja para o arrebatamento. A esperança dos salvos é morar nos céus com Jesus. “Mandaram, pois, as irmãs dizer a Jesus: Senhor, eis que está enfermo aquele que tu amas”. (João 11.3)
a) – A renovação da Esperança – A Bíblia é um livro de esperança. Quando lemos a Palavra de Deus passamos a viver diferente, pensar diferente, agir diferente diante de situações, e acima de tudo, ter uma esperança diferente: “Na esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos eternos”. (Tito 1.2)
b) – O Espírito Santo e a Santificação – Para que a Igreja possa entrar no céu pelas portas (Apocalipse 22.14), é necessário santificação, “sem a qual, ninguém verá o Senhor” ( Hebreus 12.14).
- O Espírito Santo e o arrebatamento – O Apostolo Paulo disse aos coríntios que o rapto da Igreja será um mistério ( I coríntios 15.51) o Arrebatamento dos salvos, será num momento, num abrir e fechar de olhos (I Coríntios 15.52). Todo esse trabalho será realizado pelo poder do Espírito Santo. Ele mesmo estará conduzindo a Igreja a Cristo, até que ela encontre o Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor ( I Tessalonicenses 4.17). Tal qual Eliezer conduziu Rebeca até Isaque (Gênesis 24.61-67) o Espírito Santo conduzirá a Igreja para se encontrar com Jesus nas nuvens. Bendito aquele que tomarem parte no arrebatamento da Igreja.

CONCLUSÃO
Tudo na vida do crente depende do Espírito Santo. É ele quem cuida de todas as coisas quem nos aproxima de Deus. O Crente que não conhece a grande dádiva de Deus aos salvos. Permita que o Espírito Santo ocupe lugar em sua vida e você será um vencedor!
Revista Betel – Novos convertidos


                         LIÇÃO 5 - CONHEÇA SUA NOVA FAMÍLIA

TEXTO ÁUREO “Assim, pois, não sois mais estrangeiros, nem forasteiros, antes sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus,” Efésios 2.19
TEXTOS DE REFERÊNCIA
Mateus 16: 15 a 19

I N T R O D U Ç Ã O

A Igreja é um organismo Vivo é uma organização. Ela tem sua liderança, diretoria e departamentos, tudo fazendo parte de um organismo. Tudo isso administrado pelo Presidente, que lidera o Ministério. A Igreja tem sua administração como qualquer organização: compra, vende, paga compromissos, etc.

1 IGREJA, ORGANISMO VIVO E DIVINO

Acima de tudo a Igreja é um organismo vivo. A Igreja não é um clube, uma escola apenas, ou simplesmente um local de encontro. A Igreja tem vida em si mesma e produz vida espiritual para seus membros. De onde vem a vida da Igreja? Nesta lição você vai observar que a Igreja é de Deus, é divina. É a única organização divina existente em toda a terra. Não há outra. É a maior e mais importante organização em todo o mundo. Fazer parte da Igreja é privilégio que pouca gente tem. Nenhuma “autoridade’ humana, por mais competente que seja, é tão privilegiada e honrada quanto o “Simples membro” da Igreja de Deus. Já pensou nisto? Realmente a Igreja é o que pode ser chamado de “Alta sociedade”. Você vai ver isso. Para melhor compreender a elevadíssima importância da Igreja vamos demonstrar alguns tipos e símbolos que identificam a Igreja.
a) - A Igreja, um corpo?. – A Igreja é um “corpo”, um organismo. E organismo só pode ser vivo. A Igreja é o “Corpo de Cristo”, no qual Cristo é a cabeça e nós somos membros: “Também ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência”. Colossenses 1.18). Você já faz parte desse corpo?
b) - A Igreja, uma noiva – A Igreja é a noiva de Cristo. Quando Jesus vier buscar a sua Igreja ( Jo. 14.3), haverá um casamento, em que Jesus será o noivo e aIgreja será a noiva. Por isso você precisa assumir compromissos com esta Igreja, como a noiva e o noivo que se comprometem para o casamento: “Pois como o mancebo se casa com a donzela, assim teus filhos se casarão contigo; e, como o noivo se alegra da noiva, assim se alegrará de ti o teu Deus” (Isaias 62.5)
c) A igreja , um templo – A Igreja é como um “Templo”, edifício de Deus. Jesus é o alicerce desse edifício; nós, os membros da Igreja, somos as pedrinhas desse Edifício: “Vós também, quais pedras vivas, sois edificados como casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais, aceitáveis a Deus por Jesus Cristo”I Pedro 2.5.

2 O ESTABELECIMENTO DA IGREJA

A Igreja foi fundada por Jesus Cristo ( Mateus 16.18). Todas as religiões tem seus fundadores, só que estes fundadores estão mortos, enquanto que o fundador da Igreja está vivo: “Eu sou o que vivo; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre! e tenho as chaves da morte e do inferno” Apocalipse 1.18. Mas como foi fundada a Igreja? Como edificamos a Igreja Hoje?
a) A fundação da Igreja – Mateus 16.13.19 nos ajuda a responder essas perguntas. A Igreja foi fundada em cima de Jesus Cristo, que é a base (versos 16,18) A Igreja fundada é edificada através de nossa confissão de fé na pessoa de Jesus Cristo ( verso 16) Mas, si é válida para esta edificação da Igreja a nossa confissão, isto é a confissão dos salvos: “Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo. Pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.” (Romanos 10.9. 10)
b) A edificação da Igreja – A Igreja não depende do que o mundo sem Deus diz acerca dela e do seu Deus: “18 Porque a palavra da cruz é deveras loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus”, (I Coríntios 1.18). A Igreja foi fundada e edificada espiritualmente, e não como uma organização material. A Igreja tem lutas contra o “inimigo” da humanidade, e tem por parte de “Seu Fundador” a garantia e a promessa do futuro vitorioso: “18 Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. (Mateus 16.18). Por isso o diabo não consegue destruir a Igreja.
c) A igreja liga e desliga nos céus – Como está seu caso em relação à Igreja? ( Mateus 16.19) Você percebe que a Igreja não é uma “organização comum”? Verificou a importância de ser membro da Igreja? Que o Espírito Santo possa fortalecer sua vida, através destes ensinamentos espirituais. Mateus 18.18.

3 A EDIFICAÇÃO DA IGREJA

Como você pode observar em Mateus 16.18, Jesus usou o verbo no futuro: “Edificarei” a minha Igreja. A Igreja foi fundada por Jesus e continua sendo edificada por Ele, com o auxílio dos seus membros (I Coríntios 3.5-11). Essa edificação está sendo feita até “Aquele dia”, quando já estiver acabado: “E disse-me: “Não seles as palavras da profecia neste livro; porque próximo está o tempo” (Apocalipse 22.1)).
a) - O Valor da Igreja – Jesus fundou a sua Igreja pagando preço de sangue para readiquiri-la das garras de satanás:“Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais ,19 mas com precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha, o sangue de Cristo” ( I Pedro 1.18,19)
b) - A revelação da Igreja – Tudo estava encoberto à compreensão da humanidade até o dia quando houve a inauguração da Igreja. “ O qual em outras gerações não foi manifestado aos filhos dos homens, como se revelou agora no Espírito aos seus santos apóstolos e profeta” ( Efésios 3.5). O Espírito Santo foi derramado sobre toda carne e, agora, após o dia de pentecostes, todos podem conhecer “quem” é Jesus, e todos podem glorificar e invocar o seu nome. “Pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação”. (Romanos 10.13)
c) - A inauguração da Igreja – O Livro de Atos mostra a grandeza da inauguração da Igreja. Tudo aconteceu 50 dias após a ressurreição de Jesus, cumprindo-se o dia de pentecostes: “Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar”. Pentecostes era uma festa dos judeus, estabelecida por Deus, para levar os israelitas a adorá-lo como Senhor e trazer a oferta dos primeiros frutos (Êxodo 23. 16-19) Naquele dia de Pentecostes, quando houve a inauguração da Igreja, Jerusalém estava repleta de pessoas vindas de todo o mundo habitado da época: “Habitavam então em Jerusalém judeus, homens piedosos, de todas as nações que há debaixo do céu” (Atos 2.5). Foi uma festa pública Jesus ordenou aos discípulos que após sua ida para o Céu esperassem o Batismo com Espírito Santo. “E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; Ficai porem, em Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder”.( Lucas 24.49) A inauguração da Igreja foi promovida pelo Espírito Santo na Festa de Pentecostes, glorificando a Jesus que é cabeça da Igreja: “Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará” ( João 16.14) Houve línguas estranhas ( Atos 2.2-12), houve um poderoso sermão ( Atos 2.14-36), e foram batizados aproximadamente 3000 novos crentes: “De sorte que foram batizados os que receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas”. (Atos 2.41). Assim ficou inaugurada a Igreja, a qual você pertence hoje.


CONCLUSÃO
Você já faz parte da Igreja de Jesus cristo. Quando éramos pecadores sem Deus, vivíamos “perdidos”, mas agora que aceitamos Jesus, o que nos impede de entrar para a família de Deus? (Efésios 3.15)
Revista Betel – Novos convertidos



                    LIÇÃO 6 - CONHEÇA O BATISMO EM ÁGUAS

TEXTO ÁUREO “Agora por que te demoras? Levanta-te, batiza-te e lava os teus pecados, invocando o seu nome.,” Atos 22.16
TEXTOS DE REFERÊNCIA - MATEUS 3.13 A 17
I N T R O D U Ç Ã O
Você que já entregou a sua vida a Jesus, precisa tomar uma decisão. Refiro-me à importantíssima decisão do BATISMO em águas, que é a “Porta de entrada” para a igreja.

1 BATISMO, UMA NECESSIDADE ESPIRITUAL

Observemos alguns exemplos bíblicos acerca do batismo em águas: “João Batista apareceu batizando” e “todos eram por ele batizados no Rio Jordão” ( Marcos 1.4, 5).
a) – Jesus foi batizado por João Batista – Seu batismo ocorreu em cumprimento à justiça divina: “E aconteceu naqueles dias que veio Jesus de Nazaré da Galiléia, e foi batizado por João no Jordão” (Marcos 1.9). Na inauguração da Igreja, no dia de Pentecoste, após ouvirem o grandioso sermão pelo apóstolo Pedro: Atos 2.41 - De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas.
b) - A exigência do batismo é confirmada na Bíblia – Além desses textos bíblicos citado acima, há muitos outros que mostram a necessidade do batismo nas águas. Às vezes, é impossível a realização do batismo em águas, por causa das circunstancias que envolvem a pessoa. Veja o exemplo: O ladrão na cruz (Lucas 23.42-43), convertido a Jesus, não foi batizado. Nem poderia sê-lo por causa da sua situação, entretanto ele creu. E foi salvo.
c) O Crente convicto deseja batizar-se – Em condições normais, é muito difícil um crente, genuinamente convertido, não pedir o batismo. A menos que não compreenda o BATISMO BÍBLICO e, por isso, vamos explicá-lo.

2 ANTECENDENTES DO BATISMO

Em Atos 8.26-38, encontramos alguns itens importantes que antecederam o batismo daquele eunuco. Quais são estes “antecedentes” Para batizar alguém?
a) Acompanhemos o texto bíblico de Atos 8.26-38 – Há sempre a atuação divina em orientar a oportunidade da conversão de alguém (versos 26.29, 39). Tem que haver interesse por parte do convertido. Donde vinha o eunuco? O que fazia ele ao viajar? (versos 27, 28). Tem que haver estudo da Bíblia antes de ser batizado (verso 28). Tem que haver entendimento e aprendizado da Palavra de Deus antes de ser batizado (verso 30).
b) O novo convertido deve ser discipulado por alguém experiente – Tem que haver alguém interessado em discipular o convertido, explicando-lhe a Bíblia (verso 31, 35). Tem que haver espontaneidade do candidato, para ele mesmo pedir o Batismo (verso 36).
c) O novo convertido tem que tornar pública sua fé em Cristo – Tem que haver confissão de fé decidida em Jesus (verso 37). Tem que haver gesto de obediência (verso 38). Geralmente, esses “Antecedentes” acompanham todo o batismo.

EXIGÊNCIA PARA ALGUEM SER BATIZADO

João Batista recebia o povo que vinha para ser batizado. Ao pregar o arrependimento, vinha em seguida à confissão dos pecados, uma exigência divina: “E saíam a ter com ele toda a terra da Judéia, e todos os moradores de Jerusalém; e eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados”. (Marcos 1.5). Conforme Atos 18.8; Crispo e sua família ao crer no Senhor Jesus Cristo foram batizados, muitos dos coríntios ao ouvirem da conversão de Crispo também creram e foram batizados.
a) - Os frutos do arrependimento – Ao analisar as exigências de Mateus 3.8, dada por João Batista aos que vinham ao Batismo, encontramos o seguinte mandamento: “Produzir”. O Candidato ao Batismo tem que estar consciente do que está fazendo, pois a partir de agora ele precisa produzir na obra de Deus. O batismo consciente produz no crente um desejo pela Obra de Deus, e leva-o a uma vida de testemunho.
b) - Produzindo esses frutos – A mudança de vida é obra do Espírito Santo em nós, que passa a produzir “frutos do Espírito” (Gálatas 5.22) em nosso coração. “Portanto, pelos seus frutos os conhecereis” (Mateus 7.20). Arrependimento é a versão ao pecado e mudança de vida; e essa mudança tem que ocorrer antes do batismo: “... Portanto qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tiago 4.4b). O candidato ao Batismo deve estar disposto a viver uma vida “digna” de cristão: “Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados” (Efésios 4.1).
c) - Crer em Jesus é a exigência principal para o batismo – Quando em Atos 8.36, o eunuco perguntou: “Eis aqui água; que impede que eu seja batizado?”, “Filipe respondeu: É lícito, se crês de todo o coração”! Observemos que crer em Jesus é a exigência principal. Por isso a Bíblia não autoriza batizar crianças, pois ainda não podem crer. “Responderam eles: Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa”.(Atos 16.31). Mas é crer de coração ( Marcos 7.6). Pois Deus não aceita coração dividido: “Buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração”. (Jeremias 29.13)

4 A FORMA DO BATISMO

Qualquer bom dicionário da língua portuguesa vai dizer que, Batismo significa imersão, imergir, mergulho. O que for diferente disso, não é batismo. Mesmo que leve o nome “batismo”, não é batismo, se não houver imersão, mergulho total na água.
Exemplos Bíblicos - Em Marcos 1.5 “e eram por ele batizado no rio Jordão, confessando os seus pecados.” Em marcos 1.9: “... Jesus de Nazaré da Galiléia, foi batizado por João no Jordão.”. Que “significa “no”? Significa dizer “dentro “ do rio Jordão, João Batista batizava dentro do ” rio Jordão. Para que isso, se não fosse mergulho? Em Marcos 1.10: “ E logo, quando saía da água...”. Em Atos 8.39: “E quando saíram da água...” Ninguém sai da água se não tiver entrado dentro da água”. Isto é imersão. Em João 3.23: "João batizava também em Enom, junto a Salim, porque havia ali muitas águas”. Não fosse mergulho, bastaria uma bacia apenas para batizar. Em Romanos 6.4: “De sorte que fomos sepultados em Cristo através do Batismo...” Em Colossenses 2.12 : “ Sepultados com Ele no Batismo...” Não há sepultamento jogando um pouquinho de terra no defunto. Sepulta-se em baixo da terra, bem coberto mesmo.
b) Na inauguração da Igreja – (Em Atos 2.14-36) houve um poderoso sermão, e foram batizados aproximadamente 3000 novos crentes: “De sorte que foram batizados os que receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas”. (Atos 2.41).

CONCLUSÃO

Você já faz parte da Igreja de Jesus cristo. Quando éramos pecadores sem Deus, vivíamos “perdidos”, mas agora que aceitamos Jesus, o que nos impede de entrar para a família de Deus? “Do qual toda a família nos céus e na terra toma nome” (Efésios 3.15)
Revista Betel – Novos convertidos


                LIÇÃO 7 - CONHEÇA SUA NOVA MANEIRA DE VIVER

TEXTO ÁUREO
“Porque fostes comprados por preço; Glorificai pois a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” I Co.6.20.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

I JO. 2.15 - Não ameis o mundo, nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.
I JO. 2.16 - Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não vem do Pai, mas sim do mundo.
I JO 2.17 - Ora, o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus, permanece para sempre

I JO 3.2 - Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifesto o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é, o veremos.
I JO - 3.33 E todo o que nele tem esta esperança, purifica-se a si mesmo, assim como ele é puro.

I N T R O D U Ç Ã O

Nosso relacionamento com a sociedade em que vivemos depende dos cuidados e atitudes pessoais. Nossa vida cristã é toda marcada por decisões e atitudes. As atitudes e decisões são pessoais. Particularmente mesmo! Ninguém pode tomar uma atitude pelo outro. Se Essas atitudes pessoais e particulares forem negligenciadas, o cristão negligente estará naturalmente confuso, em sua relação com a sociedade.

1 ATITUDES GERAIS

Deus é o doador de tudo, por isso devemos dar graças a Ele nos momentos das refeições (Mateus 6.9-13). Por que devemos orar nas refeições? 1) para agradecer a Deus. “Em tudo dai graças; porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (I Tessalonicesses 5.18). Para expulsar certas influências e envolvimentos malignos nos alimentos. “Porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada” (I timóteo 4.5). O que se pode comer? Orando antes das refeições, geralmente comemos tudo o que normalmente nos é dado a comer ( I coríntios 10.25,26).
a) – A bebida do crente. – Que diz a Bíblia sobre beber vinho? O vinho, uma das mais antigas bebidas da terra é considerada bebida forte: “O vinho é escarnecedor, e a bebida forte alvoroçadora; e todo aquele que neles errar não é sábio” (Provérbios 20.1) Deus sempre alertou o homem para esse tipo de bebida que tira razão: “Ai dos que se levantam cedo para correrem atrás da bebida forte e continuam até a noite, até que o vinho os esquente!” (Isaias 5.11) O mandamento divino é desprezar o vinho que produz contendas, e na presença do Senhor vivermos uma vida cheia do Espírito.” E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito”. (Efésios 5.18).
b) – O crente, o jejum e seu vestuário – E sobre o jejum, o que diz a Bíblia? O Jejum é a abstinência de alimentos na vida do crente, com um objetivo. É um sacrifício pessoal em busca de uma determinada vitória. “Mas esta casta de demônios não se expulsa senão à força de oração e de jejum.” (Mateus 17.21). E Mateus 6.16-18 Jesus ensina como proceder quando estamos jejuando. Deus rejeitou as túnicas de folhas de figueira e fez para Adão e Eva túnicas de pele (Gêneses 3.7, 21) porque com as túnicas de pele eles ficavam bem cobertos. A vestimenta de pele foi produzida com sangue ( Hebreus 9.22), símbolo da nossa redenção. Nossa vestimenta tem que referenciar o sangue de Jesus. Doutra forma estaremos considerados por Deus como “nus” (Apocalipse 3.18) O sábio Salomão descreveu as vestes dos salvos (Eclesiastes 9.8). A brancura da roupa é relacionada, não propriamente a cor em si, mas a pureza da vida, externada pela roupa. O exterior mostra o interior, ( Zacarias 3.1-5)
c) O procedimento e companheirismo do cristão – O crente não deve preocupar-se demasiadamente com suas vestes materiais. Isso faz parte do cuidado de Deus para a nossa vida (Mateus 6.31,32). Como deve o cristão vestir-se diante da sociedade? “Quero, do mesmo modo, que as mulheres se ataviem com traje decoroso, com modéstia e sobriedade, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos custosos (alto custo) e preciosos” (I Timóteo 2.9) Do mesmo modo estão os homens crentes comprometidos a ter cuidado com as vestes. Como crentes precisamos ter cuidado no companheirismo com os incrédulos. De um modo geral não devemos nos associar com eles (Salmos 1.1). Em termos de formar uma sociedade com incrédulos devemos observar o mandamento bíblico ( II Coríntios 6.14). A Bíblia apresenta o casamento com incrédulos (Gênesis 6.2-4) como a causa da degeneração da raça humana, vindo como o castigo e dilúvio. Em Juizes 3.5-8 temos os resultados do casamento com incrédulos, onde Israel, o povo de Deus, sofreu a ira de Deus. Mas deve haver o companheirismo com incrédulos, a fim de evangelizá-los como fez Jesus (Lucas 15.1,2). Há também a necessidade de conviver com os incrédulos nos trabalhos do dia-a-dia e isso, com bastante cuidado para não se deixar levar pela corrupção das práticas pecaminosas: Não peço que os tires do mundo, mas que os livres dop mal”. (João 17.15).

2 ATITUDES COM OS MEMBROS DO CORPO


a) Os olhos e ouvidos do crente – Os olhos do crente devem ser bons para que tudo o corpo conseqüentemente seja bom ( Mateus 6.22,23) Devem ser os olhos do crente elevado para o céu, e não para o mundo ( Salmos 121.1) Os olhos do crente devem valorizar o Criador, olhando para Jesus: “2 fitando os olhos em Jesus, autor e consumador da nossa fé, o qual, pelo gozo que lhe está proposto, suportou a cruz, desprezando a ignomínia, e está assentado à direita do trono de Deus”. (Hebreus 12.2). O ouvido do crente deve estar atento à Palavra de Deus ( Romanos 10.17). Ele ouve as palavras e conselhos do conhecimento ( Provérbios 23.12). Está sempre inclinado a ouvir a voz do Senhor. “Então veio o Senhor, e ali esteve, e chamou como das outras vezes: Samuel, Samuel. E disse Samuel: Fala porque o teu servo ouve” ( I Samuel 3.10).

b) A LINGUA E OS PÉS DO CRENTE – Nossas palavras revelam nosso coração, ( Mateus 12.34). O crente deve aprender como falar. “O meu coração trasborda de boas palavras; dirijo os meus versos ao rei; a minha língua é qual pena de um hábil escriba”. (Salmos 45.1). Devemos ter cuidado com as palavras que não produzem edificações espirituais (Efésios 4.29). O mau uso da língua desagrada a Deus porque, às vezes, a língua promove contendas que incendeiam a vida do próximo (Tiago 3.6) A língua deve ser guardada do mal (Provérbio 21.23), saudável (Provérbios 15.4), sábia ( Provérbios 23.26) banda (Provérbios 25.15 e refreada (Tiago 1.26). Deus deseja usar nossa língua para glória do Seu nome. Deve estar calçados no Evangelho da paz e firmados para não vacilarem. E calçados os pés na preparação do Evangelho da paz” ( Efésios 6.15) . são formosos os pés que anunciam esta paz maravilhosa.
c) As mãos do crente – Devem ser limpas, competentes e ativas (Eclesiastes 9.10). Devem ser diligentes e usadas para glória de Deus (Atos 5.12), e santificadas para esse fim: “Quero, pois, que os homens orem em todo lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda”.(I Timóteo 2.8).

ATITUDES PROFUNDAS

O cristão precisa tomar muito cuidado em suas áreas mais profundas. É impossível controlar os membros do corpo (olhos, ouvidos, língua, pés e mãos), sem controlar o interior.
a) - Conhecendo o interior – Existem em cada um de nós áreas mais profundas, as quais precisam ser vigiadas pelo crente, por exemplo: a mente: “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.” (Filipenses 4.8)
- O coração é o intimo do ser. – Veja o que diz Salomão: “Guarda com toda a diligência o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida”. ( Provérbios 4.23).
- Vigiando contra o pecado. – A Palavra de Deus nos mostra de maneira bem simples e definida as atitudes particulares e pessoais que o crente precisa tomar em relação ao pecado. Ele deve “considerar-se” morto para o pecado (Romanos 6.11), para que não obedeçamos às concupiscências pecaminosas (Gálatas 5.16).)

CONCLUSÃO

Uma vida Cristã produtivas é aquela que se considera viva para Deus. Devemos, como crentes em Cristo Jesus, apresentarmo-nos a Deus diariamente em oração, santificando nossos membros a Ele, como instrumentos da justiça, para que Ele seja glorificado em nós. Que Deus te abençoe em sua vida particular!
Revista Betel – Novos convertidos


             LIÇÃO 8 - CONHEÇA SEUS NOVOS RELACIONAMENTOS


TEXTO ÁUREO
“Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.” Mateus 5.16.
TEXTOS DE REFERÊNCIA
I Pedro 2.11-Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências da carne, as quais combatem contra a alma;
I Pedro 2.12 - Tendo o vosso procedimento correto entre os gentios, para que naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, observando as vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação.
I Pedro 2.13 - Sujeitai-vos a toda autoridade humana por amor do Senhor, quer ao rei, como soberano,
(Parte 4 de 6)
I Pedro 2.14 - Quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem.
I Pedro 2.15 - Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo o bem, façais emudecer a ignorância dos homens insensatos,
I N T R O D U Ç Ã O
O homem é por natureza um ser social. Mas há muita diferença nas relações sociais entre o incrédulo e o crente. O apóstolo Paulo estabelece as características da sociedade em, que todos nós vivemos, e as características do relacionamento do crente em essa sociedade. ( Filipenses 2.15).
1 NOSSA SOCIEDADE

a) – É uma geração perversa - Uma geração inteira sendo destruída pela perversidade, e acima de tudo tentando nos influenciar (Atos 2.40). Essa geração é o que chamamos de “mundo” (I João 2.15), que jamais deve ser amado pelo crente. É uma geração corrompida (Gênesis 6.12), perversa (Mateus 17.17) entenebrecida, que vive em trevas (Efésios 5.11).
b) O Cristão e a sociedade. – Qual deve ser o relacionamento do crente com essa sociedade? Sem dúvida estamos no meio da sociedade entre os mundanos do mundo ( João 17.150. Mas temos que ser irrepreensíveis ( Efésios 5.27).“Irrepreensíveis, no agir, proceder e falar”
c) O Cristão e a sua sinceridade – Temos que ser sinceros (Filipenses -1.10). Precisamos dar testemunhos de que somos realmente “filhos de Deus” diante dos “filhos deste mundo” (IJoão.3.1). Temos que ser inculpáveis (João 8.46). Temos que ser identificados como “astros luminosos” (Filipenses 2.15). Devemos resplandecer nesse escuro mundo (Mateus 5.16). Sua vida tem sido assim? Pois bem, procure absorver o ensino da Bíblia, porque só ela nos mostra como o crente deve relacionar-se na sociedade atual.

2 NOSSO LAR

No lar do cristão deve haver o culto doméstico diário. Devemos cultuar a sós com Deus, com nossa família reunida e junto com toda a Igreja. Os problemas familiares estão ficando cada vez mais complicados por falta do culto familiar. “De tarde e de manhã e ao meio dia orarei; e clamarei, e ele ouvirá a minha voz” (Salmo 55.17). Obs. Pra ele ouvir precisa ter depósito.
a) A harmonia no lar – No lar deve haver harmonia entre marido e mulher, pais e filhos (Colossenses 3.18-21) Os filhos devem ser criados cuidadosamente: “Instrui ao menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele.”
b) A Santidade no lar – Acima de tudo, o lar deve ser santo no Senhor (Hebreus 13.4) temos que ter muito cuidado com nosso comportamento costumeiro dentro do lar em tudo o que fazemos e falamos, porque nosso lar tem“hospedes especiais,” os quais estão sempre nos visitando: Os anjos ( Salmos 34.7)., os obreiros de Deus ( Atos 16.15).
c) A igreja começa do lar – Podemos ainda hospedar a Igreja do Deus em nossa Casa. “E a nossa irmã Áfia, e a Arquipo, nosso companheiro, e à Igreja que está em tua casa”. (Filemom:1.2)

3 NOSSA ESCOLA

Nós e nossos filhos freqüentamos as escolas. Todos sabem que a escola é uma necessidade primordial. Porém também sabemos que as escolas estão minadas de corrupção ideológicas, práticas duvidosas entre a juventude e vícios. Que fazer? Devemos freqüentar a escola mas tomarmos certas atitudes de proteção à nossa vida espiritual.
a) O crente deve guardar-se da corrupção – Todos sabem que Moisés foi instruído na cultura do Egito, mas tomou uma atitude correta (Hebreus 11.24,25). O mesmo aconteceu a Daniel na Babilônia (Daniel 1.8). Sabemos que estas atitudes até hoje têm nos trazido grandes lições espirituais. Da mesma forma aconteceu ao apostolo Paulo: “Mas o que para mim era ganho reputei-o perda para Cristo”(Filipenses 3.7)
b) Os pais cristãos devem orientar seus filhos no temor do Senhor – Que fazer para nos preservarmos dos perigos da corrupção nas escolas? Ensinar nossos filhos: “E as intimirás a teus filhos, e delas falarás assentando em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te” (Deuteronômio 6.7).
c) O Maior legado que os pais podem deixar aos filhos é o caráter – Devem fazer dos seus filhos discípulos de Jesus ( Mateus 28.19). Mas, para que isso aconteça, devem revelar Cristo através do seu diário ( I Timóteo 5.8; II Coríntios 5.17).

4 – NOSSO TRABALHO

É da vontade de Deus que todos trabalhem: “E Jesus lhes respondeu: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também”. (João 5.17).
O trabalho é uma dádiva de Deus aos homens – ( gênesis 2.15). Ao trabalhar, quais as corretas atitudes que devemos tomar?
b) Como devemos comportar no trabalho? – Veja a resposta de Paulo: “Vós, servos, obedecei em tudo a vossos senhores segundo a carne, não servindo somente à vista como para agradar aos homens, mas em singeleza de coração, temendo ao Senhor” (Colossenses 3.22). Esse é o dever do trabalhador cristão, principalmente se o patrão é crente ( ITimóteo 6.2). Da mesma forma a Bíblia tem mandamento para os que são Senhores.
Como deve agir o patrão? – Paulo também traz informações específicas a este respeito: “E vós, senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaças, sabendo que o Senhor tanto deles como vosso está no céu, e que para com ele não há acepção de pessoa”. (Efésios 6.9).

5 – NOSSO DINHEIRO

O dinheiro deve ser uma bênção para o crente, e nunca maldição.
a) O crente deve ser honesto com o dinheiro – Deve utilizá-lo para cumprir seus compromissos de cidadão terreno e celestial: “ Dizem-lhe eles: De César. Então ele lhes diz: Daí pois a César o que é de César e a Deus que é de Deus”. ( Mateus 22.21)
b) O crente deve trabalhar com honestidade – Precisa de dinheiro, obviamente, para manter-se e honrar seus compromissos evitando assim receber o título pejorativo de caloteiro. Não deve ser ambicioso, mas despretensioso: “Mas os que querem tornar-se ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, as quais submergem os homens na ruína e na perdição” (I Timóteo 6.9).
c) O crente deve confiar sua vida e futuro a Deus – Não devemos estar preocupados com o futuro demasiadamente: “Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós”. (I Pedro 5.7) Como o cristão deve se comportar em relação a empréstimos (Romanos 13.8)? Eis uma séria advertência de Jesus às riquezas materiais: “E disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui” (Lucas 12.15).

6 – OS TRIBUNAIS E AS AUTORIDADES

Na medida do possível devemos evitar as ações judiciais, procurando os “acordos consensuais” (Lucas 11.2.4): “E se pecar contra ti sete vezes no dia, e sete vezes vier ter contigo, dizendo: Arrependo-me; tu lhe perdoarás”. (Lucas 17.4).
O crente e os tribunais – Como deve ser nosso comportamento caso tenhamos que ir aos Tribunais? “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” (Êxodo 20.16) E como ficam os “casos de justiça”. Entre irmãos? “Ousa algum de vós, tendo uma queixa contra outro, ir a juízo perante os injustos, e não perante os santos?”. Deus estabeleceu as autoridades (Romanos 13.1,15)
Crente resolve no ministério da igreja.
b) O que devem os cristãos fazer pelas autoridades? – o cristão deve interceder e colocar diante de Deus as autoridades de seu país ( I Timóteo 2.1-3)
c) Deus também estabeleceu as autoridades da Igreja. – Elas devem ser respeitadas, honradas e amadas por todos os cristãos. Veja a recomendação bíblica a esse respeito. “Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas como quem há de prestar contas delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil”. ( Hebreus 13.17).
CONCLUSÃO
Acima de tudo, nosso comportamento com a sociedade descrente deve basear-se no exemplo, em todas as áreas de nossa vida, quer seja espiritual ou material. Tem sido assim com você? Que o Espírito Santo lhe ajude neste mundo que jaz no maligno.
Revista Betel – Novos convertidos


               LIÇÃO 9 - CONHEÇA SUAS BENÇÃOS ESPIRITUAIS

TEXTO ÁUREO
“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestes em Cristo;.” (Efésios 5.16).

VERDADE APLICADA

As bênçãos celestiais são alcançadas depois que estamos em Cristo.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Efésios 2.4 - Mas Deus, sendo rico em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,
Efésios 2.5 - Estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos),
Efésios 2.6 - E nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus,
Efésios 2.7 - Para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça, pela sua bondade para conosco em Cristo Jesus.
Efésios 2.8 - Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; Mas Deus, sendo rico em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,

I N T R O D U Ç Ã O

Sua decisão por Jesus Cristo, recebendo-o como seu Salvador, traz para você bênçãos extraordinárias (Efésios 1.3). Conforme Mateus 5.45, Deus o Criador de toda a humanidade, “faz que o sol se levante sobre maus e bons, bem como a chuva desça sobre justos e injustos”!. Isso significa que só pelo fato de serem criaturas de Deus, todos tem direito aos benefícios naturais (sol, chuva, ar etc.), físicos (saúde) e materiais (dinheiro, casa , alimentação, vestuário, etc.) Não é dessas bênçãos naturais, físicas e materiais que estamos tratando. Estamos estudando as bênçãos espirituais, que tão somente os salvos desfrutam, e ninguém mais. Quais são estas bênçãos?

1 A BENÇÃO DA REGENERAÇÃO

Regeneração é o novo nascimento espiritual. Não o nascer do ventre materno, e sim o nascer do Espírito de Deus: “Jesus respondeu: Na verdade, na verdade, te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus”! (João 3.5)
a) – O novo nascimento é promovido pela Palavra semeada no coração - Reconhecendo a Bíblia no coração, o homem se torna “filho de Deus,” por adoção em Jesus Cristo: “ Mas , a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome” ( João 1.12; salmos 119.11; Tiago 1.18).
b) Em Cristo somos novas criaturas – Como “irmãos de Jesus“ nos tornamos “novas criaturas” por adquirir a natureza divina: “Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo ( II Coríntios 5.17; I Pedro 1.3; II Pedro 1.4).
c) Como filhos de Deus herdamos preciosas promessas – O Crente é o herdeiro das promessas de Deus que o mundo não conhece: “e, se é filho, também é herdeiro, herdeiro de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificado. (Romanos 8.17) . Escapamos da condenação do diabo, do pecado, do mundo e da carne: “Porque o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé”(I João 5.4).

2 A BENÇÃO DO ARREPENDIMENTO

O novo nascimento é obra de Deus no íntimo do homem. Esse novo nascimento, no interior do crente, é demonstrado pelo arrependimento exterior. É mudança de vida: “Produzi pois frutos dígnos de arrependimento” (Mateus 3.8).
a) O arrependimento e a longaminidade – A longaminidade de Deus, esperando o arrependimento do homem, tem tardado sua ação contra este mundo mau e perverso: “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se. ( II Pedro 3.9).
b) O arrependimento e a confissão – O arrependimento se externa através da confissão do pecado. O pecador reconhece sua condição pecaminosa e confessa seus pecados: “13 O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Provérbios 28.13). O problema é que existe uma tendência do ser humano em não reconhecer nem confessar seus pecados, continuando assim a sofrer sob o peso dos pecados inconfessos ( Salmo 32.4,5). Observamos esta exigência de Deus na mensagem do apostolo Pedro: “Pedro então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo”. (Atos 2.38).
c) Os resultados do arrependimento – Há alegria no céu quando um pecador se arrepende: “Digo-vos que assim haverá maior alegria no céu por um pecador que se arrepende, do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento” (Lucas 15.7). O arrependimento produz perdão dos pecados: “arrependei-vos, pois , e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor” ( Atos 3.19). Arrependa-se, confesse os seus pecados a Jesus e, pela fé, mude de vida.

3 A BENÇÃO DA FÉ

Pelo arrependimento o pecador abandona o pecado. Pela fé o pecador se volta para Jesus: E eles disseram: “Crê no Senhor Jesus Cristo e será salvo tu e a tua casa” ( Atos 16.31)
a) A Bíblia e o Cristão – A Bíblia foi escrita para produzir fé, isto é, para as pessoas se voltarem para Jesus: “De sorte que a fé é pelo ouvir e o ouvir a palavra de Deus”(Romanos 10.17).
b) A fé e o cristão - A fé é a exigência de Deus para se adquirir a vida eterna (João 3.36). Ninguém vai adquirir a vida eterna por seus esforços, pois a fé não vem do homem; a fé é dádiva de Deus (Efésios 2.8,9; Tito 3.5). O que impede o homem de crer em Jesus? "Como podeis vós crer, recebendo honra uns dos outros, e não buscando a honra que vem só de Deus?" (João 5.44).
c) Os milagres da fé e o cristão - Sim, é a fé em Jesus que leva o homem à salvação (Atos 16.31). Mas além da salvação, a fé em Jesus oferece muitas outras bênçãos, tais como: 1) cura física (Mateus 9.22,29); 2) resposta às orações (Mateus 21.22); 3) adquirir poderes para resolver problemas praticamente impossíveis (Marcos 9.23).

4 AS BENÇÃOS DA JUSTIFICAÇÃO E RECONCILIAÇÃO

O ímpio pecador está condenado ao inferno, debaixo do jugo de Satanás: "Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor" (Romanos 6.23).
a) Regeneração é obra do Espí rito Santo - Pela regeneração, o crente resgata a imagem de Deus que antes estava tão deteriorada pelo pecado. Através do Espírito Santo, ele alcança o arrependimen to para a salvação, sendo transfor mado pela fé em Cristo (II Coríntios 3.13). É aí que aparece a bênção da justificação (Romanos 5.1-5).
b) Justificação, um ato de Deus - Deus, o Pai, considerando a atitude do pecador arrependido em relação a Jesus Cristo, decreta que esse pe cador, agora está salvo, isto é, ab solvido da condenação do inferno e livre para conviver harmoniosamen te com Deus: "Sendo pois justifica dos pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Ro manos 5.1). Como é feita essa justificação? Não é pelas obras e pelo es forço próprio de ninguém: "Saben do que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo" (Gálatas 2.16a). Para nossa justificação, o Pai leva em conta a retidão de Jesus Cristo, sen do ele o "Justo" e "Justificador" (Ro manos 3.26). Essa justificação é de creto de Deus, o Pai: "Quem inten tará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica" (Romanos 8.33). O Pai baseia-se no sangue de Jesus "que nos purifica de todo o pecado" (Romanos 5.9). Somos justificados ao aceitar Jesus como nosso Salvador, pela fé (Roma nos 5.1). Recebemos a justificação de Deus gratuitamente e sem ne nhum merecimento nosso: "Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus" (Romanos 3.24).
c) Reconciliação e comunhão O resultado de todas essas bênçãos é a nossa reconciliação com Deus. É o sentido da verdadeira religião. É a volta à comunhão íntima com Deus, o que foi perdida lá no Jardim do Éden: "E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim e temí, por que estava nu, e escondi-me" (Gênesis 3.10). Agora reconciliados com Deus temos acesso direto ao Pai, sem temores e com liberdade de comunhão entre Filho e Pai: "Segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor, no qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé Nele" (Efésios 3.11,12).
CONCLUSÃO
Entregue-se integralmente e definitivamente a Jesus Cristo e desfrute de todas as bênçãos espirituais que ele tem para você! Lembre-se, sua vida cristã está apenas começando. Já pensou no que as pessoas estão perdendo por não se entregarem a Jesus?
Revista Betel – Novos convertidos


              LIÇÃO 10 - CONHEÇA SEUS DEVERES ESPIRITUAIS

TEXTO ÁUREO
Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abun dantes na Obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor. I Coríntios 15.58

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Romanos 12.9 - O amor seja não fingi do. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem.
Romanos 12.10 - Amai-vos cordialmen te uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.
Romanos 12.11 - Não sejais vagarosos no cuidado: Sedes fervorosos no espírito, servindo ao Senhor;
Romanos 12.13 - Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade;
Romanos 12.14 - Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis

INTRODUÇÃO

Desde que você se entregou a Jesus você passou a ser cuidado por sua Igreja. Mas agora que você já compreendeu o batismo bíblico e tomou a decisão de ser batizado, passou a ser parte integrante como membro da nova família espiri tual, da Igreja de Jesus Cristo. Você já aprendeu que a Igreja de Deus é a maior, melhor e mais importante organização de toda a Terra, principalmente porque é um organismo vivo. Ser mem bro da Igreja de Jesus Cristo é ter elevado privilégio! Há muitos direitos e pri vilégios que o membro da Igreja pode desfrutar. Mas todo direito é adquirido através do cumprimento de deveres. Quais são os deveres que tenho como membro da Igreja?

O DEVER DA COMUNHÃO

A comunhão se expressa pela freqüência e assiduidade aos cultos. O membro ausente está fora da comunhão. Você nunca deve estar fora da comunhão: "E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações" (Atos 2.42).
a) A participação - A participação nos cultos dá alegria e bem estar: "Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor" (Salmos 122.1). Os membros da Igreja devem sempre estar presentes nos cultos: "E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo" (Atos 5.42).
b) A unanimidade - A participação deve ser acompanhada de unanimidade. Que é isso? A Bíblia nos explica: "E perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração" (Atos 2.46). Sim, a Igreja deve ser unida para tomar e obedecer as decisões tomadas pelo Ministério (Atos 15.28-31). A divisão e a rebeldia vem do diabo: "Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria" (I Samuel 15.23). Assim, freqüentes na casa do Senhor e unânimes, todos são edificados uns com os outros: "Porque nenhum de vós vive para si, e nenhum morre para si" (Romanos 14.7).
c) O aprendizado mútuo - Te mos que aprender uns com os outros e corrigir-nos uns aos outros quando houver desacordos: "Sujeitai-vos uns aos outros no temor de Deus" (Efésios 5.21). Deus não aceita um culto com desarmonias: "Mas faça-se tudo de centemente e com ordem" (I Coríntios 14.40

O DEVER DA COOPERAÇÃO

O que é cooperação? É operar juntos, trabalhar unidos. Na Igreja devemos cultuar juntos. Mas além de estarmos unidos no culto, temos que tornar nosso culto como um serviço à Deus, e prestarmos, juntos, outros serviços relacionados ao culto. Sem pre em comunhão (Salmo 133.1).
a) A cooperação na Igreja - A Igreja é como um "edifício". Vejam este edifício em Efésios 2.20, 22. Nós somos edificados juntos, sobre o alicerce Jesus. A Igreja é como um corpo. Aliás, a Igreja não é apenas um corpo; ela é o próprio "Corpo de Cristo" (Efésios 1.22,23). Este corpo tra balha ligado e ajustado: "Do qual todo o corpo, bem ajustado, e li gado pelo auxílio de todas as jun tas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do cor po, para sua edificação em amor" (Efésios 4.16).
b) A comunhão da igreja - Para que haja comunhão na Igreja, o Corpo de Cristo, é nosso dever manter a unidade espiritual como membros da Igreja: “Assim, nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros” ( Romanos 12.5).
c) O Corpo de Cristo, a igreja - O Corpo de Cristo jamais pode estar dividido (I Coríntios 3.1.9). Temos que trabalhar na Obra de Deus para edificar o “edifício” e fazer crescer o “Corpo”. Mas temos que operar tudo isto em perfeita comunhão: “Estai em mim, e eu em vós: como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também, vós, se não estiverdes emmim" (João 15.4).

O DEVER DO TESTEMUNHO

Testemunhar é mais que cooperar, mais que trabalhar. Testemunhar é estar pronto a dar a vida pela causa que de fende.
a) O crente é uma testemu nha de Cristo - Somos testemu nhas de Jesus: "Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusa lém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra" (Atos loS). Há pelo me nos dois sentidos quanto ao de ver de testemunhar.
b) O testemunho pessoal do crente - Temos que honrar o Evangelho de Jesus e a Igreja de Deus através de nosso modo de Viver. É horrível quando um crente envergonha o Evan gelho: "Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor: andai como filhos da luz" (Efésios 5.S). A Igreja de Tessalônica nos dá o exemplo de tes temunho e vida cristã: "De ma neira que fostes exemplos para to dos os fiéis da Macedônia e Acaia" (I Tessalonicenses 1. 7).
c) O dever de evangelizar do crente - Mas, além desse teste munho que devemos dar com nosso modo de viver, temos que testemunhar, anunciando o Evangelho. A Igreja existe para isso: "E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura" (Marcos 16.15).

3 O DEVER DA CONTRIBUIÇÃO

Muita gente ainda não aprendeu o elevadíssimo privilégio e as bênçãos especiais para quem contribui fi nanceiramente para o sustento da Obra de Deus. Verifique o que Deus faz ao fiel sustentador de Sua obra (Provérbios 3.9,10). Experimente estas bênçãos em sua vida. Faça prova de Deus!
a) Investindo na Obra de Deus - Duas coisas precisam ser esclarecidas quanto às finanças, em relação ao salvo: 1)O ímpio gasta seu dinheiro com vícios, prostituição, jogos, bebidas alcoólicas etc. O convertido deve ser grato ao Se nhor por essa economia com coi sas pecaminosas. Deve cumprir a Palavra de Deus em sua vida, in vestindo financeiramente na Obra de Deus. 2) Os ímpios pro gridem financeiramente em suas impiedades. E Satanás tem inte resse nisso, para segurá-los e sustentá-los em suas impiedades. Convertendo-se o ímpio, Satanás não tem interesse em ampará-lo financeiramente. Deus protege e faz progredir o crente fiel, enqua to Satanás empobrece o crente in fiel. Como fica a situação do cren te infiel a Deus
b) Tipos de contribuição - O primeiro tipo de sustento da Igreja é o "dízimo". É bem antigo o dízimo (Gênesis 14.18-20). Abraão, nosso pai na fé, nos deu o exemplo de um dizimista fiel. Por isso ele era um homem abençoado (Gênesis 13.2). Deus instituiu o dízimo a fim de abençoar e fortalecer o ministério em Sua casa Que seria da casa de Deus sem a contribuição sistemáti ca do seu povo? "Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Se nhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não der ramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança" (Malaquias 3.10). Outro tipo de sustento da Igreja é a "oferta", oferta alçada ou oferta levantada: "Quem pois está dis posto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao Se nhor?" (I Crônicas 29.5b). Há quatro coisas a serem consideradas acerca da oferta para a obra do Se nhor: 1) Devemos ofertar com ale gria (II Coríntios 9.7), a oferta é um serviço à causa de Deus; 2) Devemos manter a comunhão com nos sos irmãos enquanto ofertamos (Mateus 5.23,24); 3) Devemos ofertar com dignidade ao Senhor, e não com menosprezo (Malaquias 1.14).
c) As ofertas voluntárias – Deus, só aceita ofertas voluntárias (I Crônicas 29.9). Muitos têm perdido as bênçãos de Deus porque não aprenderam a dar para a Obra de Deus (Lucas 6.38).
CONCLUSÃO
Geralmente as pessoas não gostam de cumprir deveres. Desejam pensar nos privilégios e nas bênçãos. Esquecem que o cumprimento dos deveres é que produz as bênçãos. Quanto mais cumprirmos nos sos deveres espirituais, mais re cebemos as bênçãos de Deus. Ele tem celeiros ricos para galardoar seus fiéis!Revista Betel – Novos convertidos


                        LIÇÃO 11 – CONHEÇA UMA VIDA FRUTÍFERA

TEXTO ÁUREO

''Mas a vereda do justo é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais, até ser dia perfeito.” Provérbios 4.18
TEXTOS DE REFERÊNCIA

João 15.1 - Eu sou a videira verdadeira, e meu pai é o lavrador.
João 15.2 - Toda a vara em mim, que não dá fruto, ele a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.
João 15.3 - Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.
João 15.4 - Estai em mim e eu em vós: como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.
João 15.5 - Eu sou a videira, vós as varas: quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.

INTRODUÇÃO

Estamos a caminho de uma vida cristã vitoriosa, tendo a nossa disposição todos os recursos de Deus para uma vida poderosa. Podemos, mesmo com esses recursos divinos a nossa disposição, escolher uma vida frustrada e fracassada. O livre arbítrio é o grande problema da humanidade! Temos que escolher o tipo de vida que desejamos. Por isso focalizaremos nesta lição como avançar para uma vida cristã sempre vitoriosa. Uma vida frutífera na presença de Deus, qual árvore frondosa que produz frutos e sombra.

1 - O PERIGO DA NEGLIGÊNCIA

O homem tem liberdade de acei tar ou rejeitar a salvação de Deus, escolhendo ir para o céu ou para o inferno: "Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela" (Mateus 7.13). Toda a pessoa salva tem a liberdade de permanecer com a salvação de Deus ou desprezá-la:
"Mas desejamos que cada um de vós mostre o mesmo cuidado até ao fim, para completa certeza da esperança" (Hebreus 6.11). E aquele que foi batizado com o Espírito Santo pode desenvolver o dom celestial recebido ou simplesmente negligenciar a bênção de Deus. Veja a advertência em Jeremias 48.10: "Maldito aque le que fizer a obra do Senhor fraudulenta e relaxadamente". O Espírito Santo é uma pessoa di vina e precisamos aprender a nos comportarmos com ele, a fim de vivermos vitoriosamente na sua dependência.
Quais são esses diferentes comportamentos? - Podemos nos rebelar contra o Espírito Santo (Isaías 63.10), podemos entristecer o Espírito Santo (Efésios 4.30), podemos mentir para o Espírito Santo (Atos 5.3) e podemos blasfemar contra o Espírito Santo (Mateus 12.31). Esse tipo de comportamento negativo anu la a atuação do Espírito de Deus em nossas vidas, condicionando-nos ao fracasso espiritual, mesmo depois de convertidos e batizados com o Espírito Santo.
b) Comportamentos positivos com o Espírito Santo - Podemos conhecer o Espírito Santo (João 14.17), podemos hospedar o Espírito Santo (I Coríntios 3.16), podemos ser batizados com o Espírito Santo (Mateus 3.11), podemos ser cheios do Espírito Santo (Efésios 5.18), podemos viver em comunhão com o Espírito Santo e de pender da Sua orientação em nossas decisões (Atos 16.6,7).
c) A vida vitoriosa do cristão - Para termos uma vida cristã vi toriosa, temos que "operar a nos sa salvação com temor e tremor", acrescentando sempre as virtudes cristãs a nossa salvação e ao batismo com o Espírito Santo que recebemos (Filipenses 2.12).

2 - VIDA DEVOCIONAL PROFUNDA

Para prosseguirmos com uma vida cristã vitoriosa, precisamos preencher alguns requisitos:
Estudo diário da Palavra de Deus - "Ora estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim" (Atos 17.11).
b) Louvor e oração a Deus _ Vejam as recomendações do salmista: Sete vezes no dia te louvo pelos juízos da tua justiça. (Salmo 119.164). E era viúva, de quase oitenta e quatro anos, e não se afastava do templo, servindo a Deus em jejuns e orações, de noite e de dia. (Lucas 2.37) Era Ana a profetiza. De tarde e de manhã e ao meio dia orarei; e clamarei, e ele ouvirá a minha voz. (Salmo 55.17).
c) Consagração com jejum e freqüência à casa de Deus Ana, personagem do Novo testamento, constitui-se um grande exemplo de fé e dedicação – E era viúva , de quase oitenta e quatro anos e não se afastava do templo, servindo a ?Deus em jejuns e orações, de noite e de dia” Lucas 2.37) Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida , para contemplar a formosura do Senhor , e apreender no seu templo.”( Salmos 27.4)

3 A NECESSIDADE DE UMA VIDA FRUTÍFERA

o trabalhador que não vê o resultado do seu trabalho tende a desanimar. Não é diferente na obra de Deus. Somos medidos e valorizados pelos resultados do nosso trabalho (Mateus 25.14-30).
a) Fomos chamados por Deus para dar frutos - Quando não damos frutos na vida cristã estamos demonstrando que não estamos em Jesus e corremos o perigo de sermos cortados da Videira: "Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem" (João 15.6). Fica até mesmo difícil orar a Deus, quando o crente não dá frutos espirituais (João 15.7).
b) Deus é glorificado através de nossos frutos - Porque Deus é glorificado quando da mosfrutos espirituais (João 15.8). Uma vida cristã infrutífera está fadada ao fracasso. E a vida frutífera é uma vida vitoriosa. Que tipo de vida es tamos vivendo?
c) O Fruto do Espírito na vida do crente - O apóstolo Paulo em Gálatas 5 mostra a luta entre a carne e o Espíri to, na vida espiritual do cren te. São contraditórios e não podem viver pacificamente a carne e o Espírito (Romanos 8.6). Uma vida cristã carnal leva à derrota: "Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus" (Romanos 8.8). O normal para um crente é produzir o fruto do Espírito (Gálatas 5.22). Fruto gerado dentro do cristão. Fruto que co meça por ocasião do novo nasci mento, quando ocorre a conver são. Fruto que revela e manifes ta o que está no interior do cren te (Mateus 7.16,17). Cada vez mais o crente vai progredindo na vida cristã. E esse progresso é manifestado pelos frutos que esse crente apresenta: "Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfei to" (Provérbios 4.18).

4 - OS DONS DO ESPÍRITO SANTO

Há uma diferença entre o "fruto" do Espírito e os "dons" do Espírito. Fru to e dons procedem do mesmo Espírito de Deus, mas são diferentes. Os dons são concedidos pelo Espírito de Deus, enquanto o fruto é gerado dentro de nós, onde habita o Espírito (I Coríntios 12.4). Os dons espirituais vêm após o Batismo com o Espírito Santo, enquanto o fruto inicia com a obra do Espírito Santo na conversão (Gálatas 5.22).
a) Os dons e os frutos - Os dons espirituais vem do alto, enquanto os frutos vem do interior do crente. Os dons espirituais são doados pelo Espírito Santo, como dons perfeitos; enquanto os frutos do Espírito dependem de aprimoramento lento e progressivo por parte do crente. Os dons espirituais são capacitações de Deus para o serviço cristão por parte do crente, enquanto os frutos fazem par te da vida de Cristo no interior do crente.
b) Conhecendo os dons - Mas que dons espirituais são esses? É necessário estudar separadamente cada um desses dons espirituais (I Coríntios 12.8-10). Não podemos ignorar os dons espirituais (ICorínti os 12.1). Precisamos "procurar com zelo, os melhores dons" (I Coríntios 12.31).
c) Para que servem esses dons? - Pelos dons espirituais tomamos pos se das bênçãos colocadas por Deus a nossa disposição (Efésios 1.3). As vezes o crente não usufrui das bênçãos que tem direito. É através do exercício espiritual dos dons que ele experimenta tais bênçãos. Os dons espiri tuais embelezam a Igreja, tornando-a festiva. Como "noiva" de Cristo a Igreja precisa viver em constante festa espiritual: "Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos." (Filipenses 4.4). Através do exercício dos dons espirituais melhor servimos à obra de Deus (Pedro 4.10). Praticando os dons espirituais "Deus está no meio da Igreja" (I Coríntios 14.25).

CONCLUSÃO

Precisamos buscar os dons espiri tuais cada vez mais. É necessário que a Igreja conheça os dons espi rituais, pedindo a Deus os dons que serão utilizados para glória do Seu nome, envolvendo o exercício dos dons espirituais com muito amor (I Coríntios 12.31). Assim, sua vida cristã será sempre vitoriosa, e será cumprida a vontade de Deus em sua vida.
Revista Betel – Novos convertidos


             LIÇÃO 12 - CONHEÇA UMA VIDA CRISTÃ VITORIOSA

TEXTO ÁUREO

 "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo". João 16.33

TEXTOS DE REFERÊNCIA

I Coríntios 9.23 - E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele.
I Coríntios 9.24 - Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.
I Coríntios 9.25 - E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível.
I Coríntios 9.26 - Pois eu assim corro, não como a coisa incerta: assim combato, não como batendo no ar.
I Coríntios 9.27 - Antes subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.

1 PERTURBAÇÕES E DÚVIDAS INTERNAS

A dúvida é uma necessidade lógica, que leva a pessoa a busca de conhecimento; e essa dúvida é positiva (João 8.32). Mas há dúvidas perturbadoras e malignas que precisam ser eliminadas e vencidas: sobre a Bíblia, sobre Deus, sobre a Igreja, sobre a Salvação, sobre o fim do mundo e várias outras. "Mas Jesus,
conhecendo os seus pensamentos, disse: Por que pensais mal em vossos corações?" (Mateus 9.4).
a) Que fazer com essas dúvidas? - Expulse esse tipo de dúvidas de sua mente (I Reis 18.21), dê lugar ao Espírito Santo em seu coração e em todo o seu ser (Efésios 5.18). Satanás entra através da concupiscência do nosso corpo (Tiago 1.13-15), por isso temos que definir bem a quem entregamos os membros do nosso corpo (Romanos 6.13). Temos que dar lugar ao Espírito de Deus que já habita em nós: "Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?" (I Coríntios 3.16).
Mantenha sua mente limpa - O corpo tem cinco sentidos: visão, olfato, audição, paladar e tato. A mente também tem sentidos: emoção, imaginação, vontade, inteligência e memória. Pois bem, através dos cinco sentidos do corpo, Satanás entra e penetra até à mente, atuando nos sentidos mentais e gerando pecado: "Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo" (I João 2.16). Temos então que manter limpa nossa mente cuidando o melhor possível dos sentidos mentais. A "quem" nossa mente está servindo? "Pois quem conheceu a men te do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo" (I Coríntios 2.16).
Trabalhe bastante para Deus e preencha a mente com a Bíblia - O trabalho é positivo e ajuda a vencer as dúvidas. O trabalho dignifica e enobrece. O trabalho ocupa o tempo vago e disciplina a mente desocupada. O trabalho de Deus preenche a mente com as coisas de Deus: "Medita estas coisas; ocupa-te nelas, para que o teu aproveita mento seja manifesto a todos" (I Timóteo 4.15). Tomemos o exemplo do Salmo 1, e meditemos na Palavra de Deus de dia e de noite. Através da Bíblia adquira bons pensamentos: "Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai" (Filipenses 4.8). Ja mais deixe a mente vaguear nesse tipo de perturbações e dúvidas malignas. Confie no policiamento de Deus à sua mente. Para barrar as setas que vêm de fora, os anjos estão em nossa volta: "O anjo do Senhor acampa-se ao re dor dos que o temem, e os livra" (Salmo 34.7). Para guardar a mente do crente o Espírito de Deus atua com a Paz de dentro para fora: "E a paz de Deus que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus" (Filipenses 4.7).

2 – EMBARAÇOS EXTERNOS

Há vários embaraços em volta do crente no meio-ambiente: "Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta" (Hebreus 12.1).
a) Adaptação ao novo tipo de vida - Assim como "os ímpios não permanecerão na congregação dos justos" (Salmo 1.5), o justo não mais se adapta aquele ambiente dos ímpios (Efésios 5.8), exatamente por ser "nova criatura". "Assim que, se alguém está em Cristo nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo" (ll Coríntios 5.17). Se o crente tentar viver ao mesmo tempo no ambiente da Igreja e no ambiente do mundo, também não dá certo (Tiago 4.4). Se o crente misturar a Igreja com o mundo, ele cria mais embaraços ainda, tais como: confusão para o próprio crente dividido, preocupação para os irmãos da Igreja e escândalos para os ímpios. A atitude de um crente tem que ser "sim ou não": "Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim, Não, não, porque o que passa disto é de procedência maligna" (Mateus 5.37).
b) Pressões de todos os lados Parentes descrentes, vizinhos, colegas, todos tentarão de alguma forma desviar o crente do seu objetivo espiritual: "Se o mundo vos aborrece, sabei que, primeiro do que a vós, me aborreceu a mim" (João 15.18).
c) Os problemas que surgem - Problemas criados pelo diabo, problemas criados pelas próprias circunstâncias das pressões exteriores, problemas inventados na mente do próprio novo convertido, isto é, problemas imaginários e inexistentes, problemas criados pelo tipo de Igreja que o novo convertido freqüenta, às vezes igrejas frias espiritualmente ou com problemas administrativos. Há ainda os problemas criados quando o novo convertido não é bem cuidado e ensinado, como uma criança sem cuidados especiais. Esses problemas devem ser reconhecidos, identificados e corrigidos (Romanos 5.3). Sempre aparecem "enganadores", heresias ou ensinamentos falsos para fazer desviar o novo convertido. Com a sabedoria de Deus é possível conhecer bem como são esses falsos mestres religiosos: "Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrina de demônios" (I Timóteo 4.1). Somente através da Bíblia saberemos o que devemos fazer e como nos comportar, perante falsos ensinadores: "Amados não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus; porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo" (I João 4.1).

3 - SATANÁS

Sabemos que todo tipo de embaraço que imobiliza a vida do crente vem de Satanás.
a) Conhecendo as armas sutis de Satanás - Entre suas táticas ele ataca com: preguiça, negligência, comodidade, incredulidade, descrença, idolatria, e coisas que desanimam seguir a Jesus ou impedem de realizar a obra de Deus, tais como: esfriamento e desinteresse espiritual, egoísmos e vaidades, queixas e ressentimentos, medo e indecisões, confusões doutrinárias e bíblicas, etc. Se você está incluído em algum desses ataques, clame pelo nome de Jesus e repreenda essas influências malignas de sua vida.
b) Como Satanás atua? - Atua como "adversário", inimigo da obra de Deus. Satanás anda, corre a Terra (Jó 1. 7). Anda em derredor como espião. Entretanto não está dentro do coração do crente, está ao der redor (I Pedro 5.8). No descrente a tentação é de dentro para fora, por que Satanás mora no centro do seu coração. Com o crente é diferente, a tentação é de fora para dentro porque o Espírito Santo é quem ha bita no crente (I Coríntios 3.16). "Bramando como leão", ele assusta e amedronta. "Buscando a quem possa tragar" essa é a tática do di abo. Portanto, feche a porta para Ele (Efésios 4.27). Você não é o único a sofrer a tentação do maligno, leia 1 Pedro 5.9.
c) Como vencer Satanás? - Peça ao Senhor em oração prudência. Pro cure conhecer as ciladas de Satanás (Efésios 6.11). Vigie sempre (Mateus 26.41). O crente deve ficar firme na fé (Efésios 6.13), resistindo ao diabo ele fugirá (Tiago 4.7).

CONCLUSÃO

Como você percebeu, todos os embaraços que você tem como cristão, estes, embaraços vão se desfazendo à medida que você expulsa Satanás. Faça isso em nome de Jesus! Você tem a autoridade sobre Satanás (Marcos 16.17). Cite a Bíblia para expulsá-lo (Mateus 4.10). Ore, jejue e seja vitorioso! (Romanos 8.37).
Revista Betel – Novos convertidos

                                                                                               
                      LIÇÃO 13 - CONHEÇA SUA FONTE DE PODER


TEXTO ÁUREO

"E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ele vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo". Mateus3.1l

TEXTOS DE REFERÊNCIA

Atos 2.1- E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar;
Atos 2.2 - E de repente veio do Céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados.
Atos 2.3 - E foram vistas por eles, línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.
Atos 2.4 - E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.
Atos 2.5 - E, em Jerusalém estavam habitando judeus, varões religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu.
Ninguém é capacitado para vencer os embaraços da vida cristã, a não ser pelo poder de Deus (Efésios 6.10). Nenhum recurso humano, por mais sofisticado que venha ser, dá resultados para vencer obstáculos espirituais. Porque a vitória tem que ser do Espírito Santo. É de origem espiritual a causa dos embaraços e das lutas que surgem na vida do cristão (Efésios 6.12). Vamos focalizar o poder de Deus a nossa disposição, que é o que nos garante vitória sobre Satanás e os embaraços por ele criados. Estudemos sobre o Batismo com o Espírito Santo, uma realidade para hoje.

1 PROMESSA DO BATISMO COM O ESPÍRITO

O batismo com o Espírito Santo foi prometido em, Joel 2.28,29. A mesma promessa foi repetida por João Batista em Mateus 3.11. Jesus Cristo reiterou essa promessa em João 7.38,39 e, Lucas 24.49.
a) O cumprimento da promessa – A promessa do Batismo com o Espírito Santo foi predita por Joel, João Batista e Jesus, e se cumpriu em Atos 2.1-13.
b) O Espírito Santo na Igreja Primitiva - Além do dia de Pentecostes, o Espírito Santo continuou sua Obra entre os crentes em Samaria: "Então lhes impuseram as mãos, e receberam o Espírito Santo" (Atos 8.17). Saulo, um perseguidor da Igreja, quando convertido, foi cheio do Espírito Santo em Damasco (Atos 9.17). .
c) O Espírito Santo no lar - Na casa de Cornélio, um lar temente a Deus, foi derramado o Espírito Santo: "E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a Pala vra" (Atos 10.44). Sobre os discípulos em Éfeso na chegada do apóstolo Paulo: "E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas, e profetizavam" (Atos 19.6). O Batismo com o Espírito Santo é uma necessidade para todos os crentes em todos os tempos (Atos 2.39).

2 - O QUE É O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO?

Temos que definir e conceituar o Batismo com o Espírito Santo e sua necessidade nos dias de hoje para cada crente.
a) O Espírito Santo hoje Regozijamo-nos quando todas as promessas de Deus são cumpridas em nossas vidas. A Palavra de Deus mostra o Batismo com o Espírito Santo para "toda a carne", para todos nós também (Atos 2.17). A Bíblia ainda diz que o batismo com o Espírito Santo é para nós e nossos filhos, chamados por Deus, agora alcançados pela promessa do revestimento espiritual (Atos 2.39). O batismo com o Espírito Santo marcou a inauguração da Igreja, com a dedicação a Deus de quase três mil frutos colhidos (Atos 2.41). Jesus disse em João 15.16 que somos escolhidos para "dar frutos". Como aconteceu no dia de Pentecostes, deve acontecer conosco. Através do batismo com o Espírito Santo produziremos cem por cento (Mateus 13.23). Ninguém consegue frutos para Deus, sem o poder do próprio Deus (João 15.5).
b) O Espírito Santo e a santificação - O poder do Espírito Santo nos dá vigor para uma vida de santidade na presença de Deus, da Igreja e do mundo: "Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça, e paz vos seja multiplicada" (I Pedro 1.2). O batismo com o Espírito Santo amplia dentro de nós a obra confortadora, "Consolador" para termos vitória nas lutas nos momentos de fraquezas e ainda nos ajuda nas orações e da mesma maneira o espírito ajuda as nossas fraquezas: porque não sabemos o que havemos de pedir como convém mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis ( Romanos 8.26)
“O Espírito Santo e a Obra de Cristo vista e ouvida" _ O batismo com o Espírito, abre em nossa mente a compreensão da obra de Cristo (João 16.13-15). Percebemos que os discípulos tinham a mente fechada para compreender a obra de Jesus, após o Pentecoste estavam esclarecidos e podiam testemunhar sobre ele (Atos 5.30-32). O batismo Espírito Santo dá poder para falar de Jesus aos outros (Atos 1.8). Antes do Dia de Pentecostes os discípulos estavam de portas fechadas com medo dos Judeus. Chegada pois a tarde daquele dia o primeiro da semana e cerrada as portas onde os discípulos com medo dos Judeus que tinham ajuntado, chegou Jesus e pôs-se no meio e disse-lhes: “ Paz seja convosco” ( João 20.19) Após o pentecostes falaram corajosamente e publicamente de Jesus, enfrentando as autoridades porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido (Atos 4.20) Batizado com o Espírito Santo o Crente fica “Cheio do Espírito” ( Atos 2.4) A Mente fica “Cheia do Espírito” consistindo nisto a vitória sobre aqueles embaraços criados pelo diabo no corpo e na mente do cristão. ( Atos 4.29-31) Através do Batismo com o Espírito Santo o Crente se deleita no Banquete espiritual. Usufruindo das riquíssimas bênçãos de Deus, “Nos rios de Águas vivas”. (João 7.37-39).

3 - A EVIDÊNCIA DO BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

A manifestação externa verificada por todos no Dia de Pentecostes foi as “Línguas Estranhas” (Atos 2.2-4). Mas que línguas eram essas? Eram línguas faladas através do poder do Espírito Santo e não pela sabedoria humana ( I Coríntios 14.2). Lendo Tiago 3.1-12 verificamos que as línguas humanas podem estar envolvidas com malignidade e corrupção. As coisas de Deus precisam ser declaradas em “língua espiritual e divina” ( I Coríntios 14.22).
a) As línguas são dádivas de Deus – Em Atos 2.11 vemos que essas línguas eram divina, pois só Deus poderia capacitá-los para esse ato maravilhosos.
b) Uma Língua celestial – Não foi um processo lento de aprendizado humano. Mesmo porque “eram homens sem letras e indoutos” ( Atos 4.13) As línguas vieram do Céu, junto com o som. Que som era esse? (Apocalipse 1.10, 11, 15, 14.2) Os vozeiros das línguas estranhas é festa espiritual!
c) As línguas são evidências do Batismo com o Espírito Santo – As línguas estranhas são a evidência externa, visível e audível do Batismo com o Espírito Santo. “Foram cheios do Espírito ... conforme o Espírito Santo lhe concedia que falassem”. “Falavam das grandezas de Deus. “As grandezas de Deus são faladas por línguas espirituais ( I Coríntios 14.2) Dificilmente línguas humanas podem glorificar a Deus com perfeição ( João 16.14). Pois o Espírito de Deus é quem glorifica a Jesus.

4 - COMO RECEBER O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

Além de crer em Jesus como Salvador, é preciso crer na Pessoa e na Obra do Espírito Santo. Na Igreja de Éfeso o batismo com o Espírito Santo só veio após esta rem convictos sobre Jesus e o Espírito Santo (Atos 19.1-6). É preciso também "conviver com Jesus" para ser batizado com o Espírito Santo (Atos 4.13).
a) Precisamos crer nas pro messas de Deus - Crer que a promessa do Espírito Santo é para todos os salvos (Atos 2.39). É preciso esperar, com "perseverança", "até que seja revestido do poder do Alto" (Lucas 24.49).
b) Como esperar o batismo com o Espírito Santo? - Esperar "em oração e súplicas", esperar "unanimente”. Isto é, suplicando o recebimento do Batismo com o Espírito Santo em avivamento espiritual coletivo, junto aos irmãos em Cristo: “E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar” (Atos 2.1). Conhecendo a manifestação sobrenatural do Espírito Santo – Então, o batismo com o Espírito Santo é a manifestação de Poder de Deus à sua disposição, para você ter uma vida cristã vitoriosa. E a evidência externa audível é o dom de línguas estranhas.

CONCLUSÃO

Se você ainda não foi batizado com o Espírito San to, busque esse batismo até recebê-lo, como ordena Jesus em Lucas 24.49. Ele é o re vestimento de poder que o cristão precisa para ser ven cedor

Revista Betel – Novos convertidos


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.