quarta-feira, 20 de julho de 2016

Lição BETEL adultos Jesus venceu a tentação n.4


Jesus venceu a tentação e o tentador
JESUS VENCEU A TENTAÇÃO E O TENTADOR



(Lição 4 – 24 de Julho de 2016)


TEXTO ÁUREO
“Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.” (Hb 4.15).

VERDADE APLICADA
Jesus obteve vitória decisiva na tentação no deserto. Do mesmo modo, o cristão deve vencer suas tentações.

OBJETIVOS DA LICÃO

* MOSTRAR que Jesus em tudo foi tentado;
* APRESENTAR as três investidas do tentador em relação a Jesus;
* RELEMBRAR como Jesus enfrentou e venceu a tentação.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Mt 4.1 - Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.
Mt 4.2 - E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome;
Mt 4.3 - E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.
Mt 4.4 - Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.
Mt 4.11 - Então o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos, e o serviam.

INTRODUÇÃO

Sabemos que Satanás tentou Adão e Eva no jardim do Éden, mais uma vez querendo impedir os planos de Deus, ele tentou Jesus no deserto. Temos ciência que o diabo é um ser real, um anjo caído e rebelde, não um símbolo ou uma ideia. Ele luta constantemente contra Deus e contra aqueles que seguem e obedecem ao Senhor. Jesus foi o principal alvo das tentações do diabo. Este obteve sucesso contra Adão e Eva, e esperava ser bem-sucedido em sua investida contra Jesus, mas foi frustrado. Lembre-se de que Satanás escolhe situações adequadas para seus ataques. Precisamos estar alerta tanto nos períodos de vitória quanto nos de desânimo.

1. CONDUZINDO A TENTAÇÃO

Após seu batismo Jesus foi conduzido ao deserto, mas não por vontade própria. O Espírito Santo que habitava nele com toda a plenitude impelia-o com força irresistível. No deserto Jesus foi ininterruptamente perseguido pelo diabo durante quarenta dias e noites. As tentações de Satanás são constantes; ele está sempre tentando fazer-nos viver a seu ou ao nosso modo, ao invés de ao modo de Deus.

1.1. Local da tentação

As tentações que o Senhor Jesus teve de superar no deserto eram muito mais graves que as dos primeiros seres humanos. No início, Adão e Eva encontravam-se no esplêndido paraíso, eram visitados por Deus e não sabiam nada a respeito das terríveis tribulações e dos assédios de Satanás. Aqui, Jesus estava no inóspito deserto, onde havia apenas areia e pedras, na verdade Jesus passava por uma prova final de preparação antes de iniciar seu ministerio público. Jesus, embora cheio de poder divino, venceu como humano todas as investidas de Satanás na dependência do Pai e do Espírito Santo. Jesus demonstrou tanto a importância como a eficácia de se conhecer e aplicar as Escrituras para combater a tentação. Este tempo de prova mostrou que Jesus verdadeiramente era o Filho de Deus, capaz de vencer o diabo e suas tentações.

1.2. Tentação e tentador

Ciente que Jesus um dia reinará sobre toda a criação, o diabo tentou fazer com que Ele antecipasse seu reinado. Se Jesus tivesse cedido às astúcias de Satanás, sua missão terrena em morrer por nossos pecados, a fim de nos salvar e dar-nos a oportunidade de ter a vida eterna — estaria perdida. Esta tentação por parte de Satanás evidencia a humanidade de Jesus. Ela foi uma oportunidade para Jesus reafirmar o plano de Deus quanto a seu ministério. Também nos indica o que fazer quando formos tentados. A tentação de Jesus também foi uma demonstração importante de sua pureza, pois Ele não pecou, enfrentou a tentação e venceu. Quando as tentações parecerem especialmente fortes ou quando você imaginar que pode ponderar e ceder, cogite a eventualidade de Satanás estar tentando obstruir os desígnos de Deus para a sua vida ou para a vida de outra pessoa. Não ceda, permaneça confiando firmemente em Deus, assim, poderás dizer igual ao apóstolo Paulo: “Posso todas as coisa em Cristo que me fortalece” (Fp 4.13).

1.3. Instrumentos da tentação

Jesus não foi tentado dentro do Templo ou em seu batismo, mas no deserto, onde se sentia cansado, só e faminto, quando estava mais vulnerável. É exatamente nestas condições que Satanás aproveita para nos tentar, quando estamos sob tensão física ou emocional (solitários, cansados, ponderando grandes decisões ou em dúvida). Mas é importante salientar que Satanás, também nos tenta em nossos pontos fortes. Essa era a intenção de Satanás, induzir Jesus a usar seus poderes divinos. Observe a afirmação do diabo: “Se és o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães" (Lc 4.3). O diabo é um mestre das coisas aparentemente lógicas. Jesus estava faminto; ele tinha poder para transformar as pedras em pão. O diabo simplesmente sugeriu que ele tirasse vantagem de seu privilégio especial para prover sua necessidade imediata. De fato, era verdade que Jesus necessitava de alimento para sobreviver. Todavia, a questão era como ele obteria. Lembre-se de que foi Deus quem o conduziu a um deserto sem alimento. O diabo aconselhou Jesus a agir independentemente e encontrar seus próprios meios para suprir sua necessidade. Confiará ele em Deus ou se alimentará a seu próprio modo? Há  aqui, também, uma questão mais básica: Como Jesus usará suas aptidões? Ou será que o grande poder que Jesus tinha seria usado a fim de satisfazer seus desejos pessoais? A tentação era ressaltar demais os privilégios de sua divindade e minimizar as responsabilidades de sua humanidade. E isto era crucial, porque o plano de Deus era que Jesus enfrentasse a tentação na área de sua humanidade, usando somente os recursos que todos nós temos a nossa disposição: a Palavra de Deus. Veja a resposta de Jesus Cristo: Está escrito: “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus" (Lc 4.4). Em cada teste, Jesus se voltava para as Escrituras, usando um meio que nós também podemos empregar para superar a tentação.

2. ESFERA DA TENTAÇÃO

O escritor aos Hebreus diz que Jesus em tudo foi tentado, mas sem pecado. “Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado”(Hb 4.15). Jesus sabe em primeira mão o que experimentamos, Ele está disposto e é capaz de ajudar-nos em nossas lutas. Quando você for tentado, recorra a Ele, peça-lhe forças.

2.1. Carências de natureza física

O diabo ataca as nossas fraquezas. Ele não se acanha em provar nossas áreas mais frágeis, ele tentou Jesus fazer alimento de uma maneira não autorizada. Satanás escolhe justamente aquela tentação à qual somos mais vulneráveis, no momento. De fato, as tentações são frequentemente ligadas a carências de natureza física (sofrimento ou desejos físicos). É verdade que Jesus estava com fome e fraco depois de jejuar por quarenta dias, mesmo assim, preferiu não usar seu poder divino para satisfazer o seu desejo natural por comida. Comer quando se está faminto é bom, todavia, o momento era errado. Jesus estava no deserto para jejuar, não para fazer uma refeição. Jesus não fez uso de seu poder divino, a fim de experimentar completamente a humanidade, Jesus não usou seu poder para transfomar as pedras em pão como Satanás queria, mas fez uso da Palavra de Deus “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus" (Mt 4.4). Precisamos confiar em Deus. Jesus precisava de alimento, sim. Porém, mais do que isso, precisava fazer a vontade do Pai. É sempre certo fazer o certo e sempre errado fazer o errado. Deus proverá o que ele achar melhor; meu dever é obedecer-lhe. É melhor morrer de fome do que desagradar ao Senhor.

2.2. Prazer nas coisas religiosas

A afirmação do diabo: "Então, o diabo o levou à Cidade Santa, colocou-o sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se és filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e: Eles te sustentarão em suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra" (Mt 4.5-6). Observe que Satanás cita as Escrituras; ele põe como isca no seu anzol os versículos da Bíblia. Pessoas frequentemente aceitam qualquer ensinamento, se está acompanhado por um bocado de versículos. Mas cuidado! O mesmo diabo que pode disfarçar-se como um anjo celestial (2Co 11.13-15) pode, certamente, deturpar as Escrituras para seus próprios propósitos. Aqui o diabo fez três enganos: Primeiro - não tomou todas as Escrituras. Jesus replicou com: ”Também está escrito". A verdade é a soma de tudo o que Deus diz, por isso precisamos estudar todos os ensinamentos das Escrituras a respeito de um determinado assunto para conhecer verdadeiramente a vontade de Deus; Segundo - ele tomou a passagem fora do contexto. O Salmo 91, no contexto, conforta o homem que confia e depende do Senhor, ao homem que sente necessidade de testar o Senhor nada é prometido aqui; Terceiro - Satanás usou uma passagem figurada literalmente. No contexto, o ponto não era uma proteção física, mas uma espiritual. Cuidado! Satanás é versátil. Jesus venceu em uma área, então o diabo se mudou para outra. Temos que estar sempre em guarda (1Pe 5.8). Jesus pôde resistir a todas as tentações do diabo porque não apenas conhecia as Escrituras, mas também as obedecia. Em Efésios 6.17, é dito que devemos usar o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus. A Palavra de Deus é uma espada que deve ser utilizada no combate espiritual. Conhecer os versículos bíblicos é um importante passo para nos ajudar a resistir aos ataques do diabo. Porém, é fundamental obedecer a Palavra de Deus. Veja que Satanás havia memorizado as Escrituras, mas não obedecia. Conhecer e obedecer a Palavra nos ajuda a fazer a vontade de Deus, ao invés de satisfazer a vontade do Diabo.

2.3. Ambição pelo poder

O Diabo teria poder para dar as nações do mundo a Jesus? Será que Deus, o Criador do mundo, não teria o controle sobre elas? O diabo pode ter mentido sobre a grandeza de seu poder ou fundamentado sua oferta no controle temporário que tem do mundo, por causa do pecado do homem, aqui Jesus foi tentado a tornar-se o governante político das nações naquele exato momento, Satanás desejava frustar o plano de Deus para salvar a humanidade do pecado, estava tentando encobrir a visão de Jesus, para que Ele enfocasse o poder terreno, não o plano do Deus. Hoje Satanás tenta as igrejas a usar atalhos para ganhar poder e converter pessoas. O caminho de Deus é converter ensinando o evangelho (Rm 1.16). Exatamente como ele tentou Jesus para corromper sua missão e ganhar poder através de meios carnais, assim ele tenta nestes dias. O diabo ofereceu o mundo inteiro a Jesus, desde que Ele “apenas’’ se ajoelhasse e o adorasse. O ardil de Satanás continua do mesmo jeito, ele nos oferece o mundo, tentando envolver-nos pelo materialismo, na busca pelo poder. Podemos resistir às tentações do mesmo modo que Jesus o fez. Se você não almeja algo que o mundo oferece, cite as palavras de Jesus ao diabo: "Vai-te Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele serviras". (Mt 4.10).

3. O TRIUNFO SOBRE A TENTAÇÃO

A ousadia do diabo não tem limites, ele foi capaz de tentar o Filho de Deus oferecendo-lhes atalhos. Ele oferece o mais fácil, o mais curto caminho ao poder e à vitória. Jesus foi tentado, mas triunfou sobre as investidas de Satanás, recusou todas as prospostas oferecidas pelo diabo; O reino de Jesus seria ganho pelo modo que o Pai tinha determinado.

3.1. Sujeitando-se a Deus

Jesus Cristo era humilde e estava disposto a renunciar a seus direitos em obediência a Deus e servir ao povo, Jesus poderia ter vencido todas as tentações usando de seu poder divino, mas preferiu sujeitar-se a Deus em obediência: “Mas, aniquilou-se, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.” (Fp 2.7,8).Jesus não desistiu de sua divindade, mas deixou de lado o direito e a glória e poder em sinal de submissão à vontade do Pai. Foi como humano e na dependência de Deus Pai, que Jesus resistiu e venceu todas as investidas de Satanás. Um princípio que nos garante a vitória sobre a tentação é a dependência de Deus. Tiago 4.7 diz: "Submetam-se a Deus". E no verso 10 recomenda: "Humilhem-se diante do Senhor, e ele vos exaltará". No fundo este é o resumo de tudo o que já dissemos. Você não pode viver dependendo da sua própria força, da sua própria capacidade, da sua disciplina pessoal. Você só será vitorioso se depender do poder de Deus! Humilhar-se significa reconhecer sua impotência, suas fraquezas, suas áreas vulneráveis. Tiago está dizendo: "Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará". Não tente dar uma de forte dizendo que não precisa de ajuda. Você precisa da ajuda de Deus para vencer a tentação. Seja humilde e reconheça! O livro da sabedoria concorda, dizendo: "A soberba do homem o abaterá, mas o humilde de espírito obterá honra" (Pv. 29.23). Você quer ser vitorioso nas tentações? Reconheça que precisa de Deus e dependa dele para viver.

3.2. Resistindo ao diabo

A tentação é uma experiência constante para todos nós, é um desejo incontrolável que nasce no coração e, se for alimentada, transforma-se em pecado. Mas, o diabo não pode ser ignorado ou desprezado. "Sejam sóbrios e vigiem. O diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão que ruge, procurando a quem possa devorar. Resistam-lhe, permanecendo firmes na fé" (1Pe 5.8). Satanás vai usar todos os recursos e estímulos para alimentar e potencializar os desejos errados do seu coração. Foi isso o que ele fez com Eva no Éden. Despertou e estimulou o desejo latente por poder e independência: "Vocês não querem ser como Deus?", (Gn 3.1-6). O diabo usou a mesma estratégia com Jesus, o Filho de Deus, no deserto, alimentando desejos que não podiam ser satisfeitos daquela forma. Portanto, devemos tomar uma atitude firme em relação ao diabo na luta contra a tentação. É preciso conhecer o inimigo e suas estratégias e estar preparados para se defender com as armas adequadas. Nos dois exemplos acima fica evidente que Eva não estava preparada para responder aos argumentos do diabo e, por isso, deixou-se iludir. (Gn 3.6). Ela não se lembrava com exatidão o que Deus lhe havia dito e não soube responder corretamente ao diabo. Por outro lado, Jesus estava extremamente preparado para responder às propostas do diabo. Ele sabia manejar com destreza a sua principal arma, a Palavra de Deus, (Mt 4.1-11).

3.3. Ser servido pelos anjos

Jesus resistiu adequadamente todas as tentações do diabo, observe o que diz o texto: “Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás. Então o diabo o deixou, e os anjos vieram e o serviram" (Mt 4.10,11). Jesus com onipotente autoridade,ordena Satanás sair de de sua presença, e logo em seguida, eis que vieram anjos, e o serviram. A expulsão do inimigo foi completa. Foi estabelecida a gloriosa supremacia do Senhor, não somente sobre o homem, mas também sobre o mundo espiritual. E os anjos vieram e agiram como seus servos, não, primeiramente, em lhe trazer comida, mas em dar-lhe a confirmação do solidário apoio e suporte divino. A tentação do Senhor chegou ao fim. Ao vencedor servem os anjos de Deus. A arma com que Jesus conquistou a vitória foi tão somente a palavra de Deus: “Está escrito”. O maligno estava derrotado. A Bíblia é e sempre será a academia dos lutadores de Deus, o arsenal espiritual.

CONCLUSÃO


Satanás está constantemente trabalhando contra Deus e contra aqueles que o seguem, ele tentou Eva no jardim do Éden e a convenceu a pecar. Com o propósito de impedir o plano de salvação de Deus para a humanidade, Satanás tentou Jesus no deserto, mas não conseguiu induzí-lo a ceder. Portanto, ser tentado não é pecar. Pecar é ceder a tentacão e/ou levar os semelhantes ao erro. Quando enfrentarmos Satanás e formos forçados a lidar com suas tentações, bem como com toda a desordem que estas causam, devemos nos lembrar de Jesus. Ele usou a Palavra de Deus contra Satanás e foi o vencedor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.