sábado, 17 de dezembro de 2016

Subsidio lições central gospel a inveja n.13







                                           DEFINIÇÃO

                           Professor Mauricio Berwald

Inveja ou invídia, é um sentimento de angústia, ou mesmo raiva, perante o que o outro tem e a própria pessoa não tem. Este sentimento gera o desejo de ter exatamente o que a outra pessoa tem (pode ser tanto coisas materias como qualidades inerentes ao ser).

A inveja pode ser definida como o sentimento de frustração e rancor gerado perante uma vontade não realizada de possuir os atributos ou qualidades de um outro ser, pois aquele que deseja tais virtudes é incapaz de alcançá-la, seja pela incompetência e limitação física, seja pela intelectual

Galartas 5.verso 24.-26 (1)

E os que são de Cristo , .... Nem todos ainda que estão secretamente assim, que são escolhidos nele, e por ele, são dados pelo Pai para ele em aliança, e quem ele comprou com o seu sangue, e considera como seu povo, suas ovelhas, e seus filhos, embora ainda não são chamados por sua graça; destes, por enquanto, o que se segue não pode ser dito, e, portanto, deve significar, como são abertamente Cristo, a quem ele prendeu como a sua própria na chamada eficaz, que tem o seu Espírito como um espírito de regeneração e santificação, que têm realmente acreditava em Cristo, e deram-se a si mesmos a ele.

crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências : pela carne se entende, não o corpo natural a ser macerado e aflitos com jejuns, vigílias, & c. mas a corrupção da natureza, o velho eo coração carnal. A versão latina da Vulgata lê, "sua própria carne"; e assim fazer as versões Siríaca e Etíope; sua preocupação encontra-se com os seus próprios, e não com as corrupções, afetos e desejos dos outros. "Pelas suas paixões e concupiscências" destinam-se, não os afetos naturais e paixões da alma, e os desejos dela; mas as suas paixões infames e desordenadas, as suas inclinações corruptas, maus desejos e concupiscências do engano; todos os que são "crucificado" primeiro "com Cristo", como a versão Árabe lê; veja Romanos 6: 6 e que são tão abolida, aniquilado, e destruídos, com o sacrifício de Cristo, que o poder de condenação deles sobre o seu povo é totalmente desaparecido. E, em consequência desta crucificação do corpo do pecado, com Cristo na cruz, quando ele terminou e fez uma final do mesmo, pecado, com as suas paixões e concupiscências, é crucificado pelo Espírito de Deus na regeneração e santificação; de modo que ele perde o seu poder de governo, e não tem o domínio que tinha antes: não, mas que a carne ou natureza corrupta, com suas afeições más e desejos carnais, ainda estão em estar, e estão vivos; como uma pessoa presa a uma cruz pode estar vivo, embora ele não pode agir e se movimentar como antes, estar sob restrições, de modo que o velho, embora crucificado, e sob as restrições da poderosa graça, e não pode reinar e governar como antes, ainda é vivo, e atos, e opera, e muitas vezes tem grande influência e influência; mas que ele é despojado de seu poder reinante, ele é dito para ser crucificado, e que este ato é atribuída a eles que são de Cristo, mas não como feito por eles em sua própria força, que não são capazes de lidar com uma corrupção, mas como sob a influência da graça de Cristo, e através do poder do seu Espírito; veja Romanos 8:13 .

verso 25

Se vivemos no Espírito , .... Ou "pelo Espírito", como todos fazem isso são espiritualmente vivo. Sin não só trouxe aos homens a morte corporal, e os fez passível de um eterno, mas tem também induziu sobre eles uma morte espiritual ou moral; eles estão mortos em delitos e pecados, nem podem-se acelerar, nem qualquer criatura dar-lhes a vida; não os ministros da palavra, nem os anjos no céu, somente o Espírito bendito é o espírito de vida, vindo Cristo; que entrar neles, liberta da lei do pecado e da morte, e implanta um princípio de vida espiritual neles, em que eles vivem uma vida de fé em Cristo, da santidade dele, e de comunhão com ele, e isso as marcas apóstolo utilização de, como um argumento com os crentes a caminhar segundo o Espírito,

andemos também no Espírito : ou "pelo Espírito"; por sua ajuda e assistência, de acordo com a regra da sua palavra, e sob sua influência e direção como um guia, para a qual ele tinha antes aconselhado em Gálatas 5:18 .

verso 26

Não sejamos vangloriosos , .... ambicioso de ser pensado mais sábio e mais rico, e mais valiosos do que outros; de ter a preeminência na gestão de todos os assuntos, e de ter honra, estima, e aplausos populares dos homens: esta pode muito bem ser chamado de glória vã, uma vez que é apenas em coisas externas, como a sabedoria, riqueza, força e honra, e não em Deus que dá a eles, e que podem facilmente levá-los longe; e, portanto, é, mas por um tempo, e está rapidamente se foi, e está apenas na opinião ea respiração dos homens.

Provocando um ao outro ; não para as boas obras, o que seria certo, mas a raiva e ira, que é contrário à caridade cristã, ou o verdadeiro amor; que, como se não se irrita, então, nem ele irá provocar os outros para o mal. A versão Siríaca verte por

מקלין , "Desprezo", ou "desprezar uns aos outros"; ea versão em árabe, "um insulto outra"; vícios a que os homens, e irmãos, mesmo cristãos na mesma comunhão, são muito propensas.

Invejar um ao outro ; seus dons e habilidades, naturais e espirituais; sua classificação e da estação no mundo, ou na igreja. Estes eram pecados Gálatas, muito provavelmente, foram objecto de; e onde prevalecem, há confusão e toda má obra, e são, portanto, de ser vigiado e guardado contra.

Todo ser humano almeja se realizar profissionalmente, no ministério, em família e nas diversas áreas da vida. Esta busca é normal e legítima. Ela faz com que venhamos a trabalhar, estudar, casar, ter filhos, nos leva a correr em busca dos nossos sonhos e projetos. Todavia, a realização pessoal se torna pecado quando ela é colocada acima de Deus. A Palavra de Deus é bem clara quanto a isto: “Mas buscai o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33). Deus deseja que venhamos ter uma vida abundante, de realizações, mas não podemos deixar de levar e apresentar a Ele todos os nossos projetos. Se nossos alvos são alcançados, não é por merecimento próprio, mas porque Deus assim permitiu pela sua graça e bondade infinitas. Não seja arrogante ou autossuficiente, mas se humilhe perante o Senhor e Ele o exaltará.

GALARTAS 5.Versículo 22-26 (2)

22. Mas o fruto (93) do Espírito. Na primeira parte da descrição, ele condenou toda a natureza do homem como produzindo apenas frutos malignos e sem valor. Ele agora nos informa que todas as virtudes, todas as afeições próprias e bem reguladas, procedem do Espírito, isto é, da graça de Deus e da natureza renovada que derivamos de Cristo. Como se ele tivesse dito: "Nada, senão o que é mau, vem do homem; Nada bom vem senão do Espírito Santo ". Muitas vezes apareceram em homens não-renovados exemplos notáveis ​​de gentileza, integridade, temperança e generosidade; Mas é certo que todos eram apenas disfarces enganosos. Curius e Fabrieius foram distinguidos para a coragem, Cato para temperance, Scipio para a bondade ea generosidade, Fabius para a paciência; Mas era apenas à vista dos homens, e como membros da sociedade civil, que eles eram tão distintos. À vista de Deus nada é puro, mas o que procede da fonte de toda pureza.

A alegria não aqui, creio eu, denotar que a "alegria no Espírito Santo" (Romanos 14:17), de que ele fala em outro lugar, mas aquele comportamento alegre para com os nossos semelhantes que é o oposto da morosidade. Faith significa verdade, E é contrastada com astúcia, engano e falsidade, como a paz é com brigas e contenções. A longanimidade é a mansidão da mente, que nos permite levar tudo em boa parte, e não ser facilmente ofendido. Os outros termos não requerem explicação, pois as disposições da mente devem ser aprendidas com a conduta externa.

Mas, se os homens espirituais são conhecidos pelas suas obras, que julgamento se nos fará de homens ímpios e idólatras, que exibem uma ilustre semelhança de todas as virtudes? Pois é evidente por suas obras que eles eram espirituais. Eu respondo, como todas as obras da carne não aparecem abertamente em um homem carnal, mas sua carnaltry é descoberto por um ou outro vício, assim uma única virtude não nos autorizará a concluir que um homem é espiritual. Às vezes se torna evidente, por outros vícios, que o pecado reina nele; E esta observação pode ser facilmente aplicada a todos os casos que tenho enumerado.

Versículo 23

23 tal não há lei. Alguns entendem estas palavras como significando simplesmente que a lei não é dirigida contra boas obras, "de maus modos têm surgido boas leis". Mas o verdadeiro significado de Paulo é mais profundo e menos óbvio; A saber, que, onde o Espírito reina, a lei não tem mais domínio. Ao moldar nossos corações para a sua própria justiça, o Senhor nos livra da severidade da lei, de modo que nossa relação com ele não é regulada por sua aliança, nem nossas consciências ligadas por sua condenação. No entanto, a lei continua a ensinar e exortar, e assim realiza seu próprio ofício; Mas a nossa sujeição a ela é retirada pelo Espírito de adoção. Ele ridiculariza assim os falsos apóstolos, que, enquanto eles se sujeitavam à lei, não estavam menos ansiosos para libertar-se do seu jugo. A única maneira, ele nos diz, em que isso é realizado, é, quando o Espírito de Deus obtém o domínio, a partir do qual somos levados a concluir que eles não tinham consideração adequada à justiça espiritual.

Versículo 24

24 E os que são de Cristo. Ele acrescenta isso, para mostrar que todos os cristãos renunciaram à carne e, portanto, desfrutam da liberdade. Enquanto faz essa declaração, o apóstolo lembra aos gálatas o que é o verdadeiro cristianismo, no que diz respeito à vida, e assim os guarda contra uma falsa profissão do cristianismo. A palavra crucificada é empregada para indicar que a mortificação da carne é o efeito da cruz de Cristo. Este trabalho não pertence ao homem. Pela graça de Cristo"Fomos plantados juntos na semelhança da sua morte" (Romanos 6: 5)

Para que não vivamos mais para nós mesmos. Se estivermos enterrados com Cristo, pela verdadeira abnegação e pela destruição do velho, então desfrutareis do privilégio dos filhos de Deus. A carne ainda não está inteiramente destruída; Mas não tem direito de exercer domínio, e deve ceder ao Espírito. A carne e as suas luxúrias são uma figura de linguagem exatamente da mesma importância com a árvore e seus frutos. A própria carne é a depravação da natureza corrupta, da qual procedem todas as ações malignas. (Mateus 15:19) Portanto, segue-se que os membros de Cristo têm motivo para queixar-se, se ainda estão presos à escravidão da lei, da qual todos os que foram regenerados pelo seu Espírito são Libertar

Versículo 25

25. Se vivemos no Espírito. De acordo com seu costume costumeiro, o apóstolo extrai da doutrina uma exortação prática. A morte da carne é a vida do Espírito. Se o Espírito de Deus vive em nós, que ele governar nossas ações. Haverá sempre muitas pessoas ousadas o suficiente para fazer um falso boast de viver no Espírito, mas o apóstolo os desafia a uma prova do fato. Como a alma não permanece ociosa no corpo, mas dá movimento e rigor a cada membro e parte, para que o Espírito de Deus não possa habitar em nós com você.


                         ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, para iniciar o primeiro tópico da lição, escreva no quadro a primeira parte do versículo um do capítulo quatro de Tiago: “Donde vêm as guerras e pelejas entre vós?”. Peça que os alunos discutam e respondam esta indagação. Em seguida explique que as disputas entre crentes são sempre prejudiciais. Nestas contendas não existem vencedores. Toda a igreja sofre, pois em geral as discussões e disputas são resultado de desejos egoístas e perversos. Explique que a cura para os desejos egoístas e malignos é a humildade. Encerre lendo com os alunos 1 Pedro 5.5,6.


INTRODUÇÃO

Palavra Chave
Autorrealização: Ato ou efeito de realizar a si próprio.

Realização profissional, pessoal e o desejo de uma melhor qualidade de vida são anseios legítimos do ser humano. Entretanto, o problema existe quando esse anseio torna-se uma obsessão, um desejo cego, colocando o Senhor nosso Deus à margem da vida para eleger um ídolo: o sonho pessoal. Ao concluirmos o estudo dessa semana veremos que não se pode abrir mão de Deus para realizarmos os nossos sonhos, pois os dEle devem estar em primeiro lugar!

I. A ORIGEM DOS CONFLITOS E DAS DISCÓRDIAS (Tg 4.1-3)

1. Que sentimentos são esses? Tiago abre o capítulo 4 perguntando: “Donde vêm as guerras e pelejas entre vós?”. Em seguida, responde retoricamente: “Porventura, não vêm disto, a saber, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam?” (v.1). Aqui, o líder da igreja de Jerusalém denuncia o tipo de sabedoria que estava predominando na igreja: a terrena, animal e diabólica. Por quê? Ora, entre aqueles crentes havia “guerras e pelejas” e “interesses dos próprios deleites”, enquanto os menos favorecidos estavam à margem dessas ambições. Estava nítido que eles não semeavam a paz.
2. A origem dos males (Tg 4.2). “Combateis e guerreais” (v.2), é a afirmação do meio-irmão do Senhor em relação àquelas igrejas. Tiago não mascara o que está no coração humano: a cobiça e a inveja. Estas são as predisposições básicas da nossa natureza para desenvolver uma atitude combativa e de guerra contra as pessoas, até mesmo em nome de Deus (Jo 16.2). Quem procede assim ainda não entendeu o Evangelho e nem mesmo atina para a verdade de que Deus não tem compromisso algum com os desejos egoístas, mas atenta à pureza e a verdadeira motivação do coração (1Sm 16.7; Lc 18.9-14).
3. O porquê de não recebermos bênçãos (Tg 1.3). O texto sagrado mostra o porquê de as pessoas que agem assim não receberem as bênçãos de Deus, apesar de muitas vezes aparecerem “profetas” profetizando o contrário. Em primeiro lugar, Deus não é um garçom que está diuturnamente ao nosso serviço. Segundo, como vimos, Ele não têm compromisso com os nossos interesses mundanos. E, finalmente, quando pedimos, o pedimos mal, pois não é a vontade divina que está em nosso coração, mas o desejo egoístico da natureza humana pedindo a Deus para chancelá-lo.As guerras e pelejas entre os crentes são frutos dos desejos egoístas e carnais que carregamos em nosso interior.



II. A BUSCA EGOÍSTA (Tg 4.4,5)

1. Adúlteros e amigos do sistema mundano (Tg 4.4). Tiago chama de “adúlteros e adúlteras” os crentes que flertaram com o sistema do mundo. Mas a qual sistema mundano o escritor da epístola se refere? Olhando para o contexto anterior da passagem em apreço, veremos que Tiago se refere às más atitudes (a inveja, a cobiça, o deleite carnal, as pelejas e as guerras, isto é, o egoísmo do coração humano) que caracterizam o sistema presente deste mundo. Os que flertaram com tal sistema fizeram-se inimigos de Deus.
2. “Inimigos de Deus”. O líder da igreja de Jerusalém faz esta afirmação baseado nas duas imagens linguísticas usadas por ele para configurar a amizade dos crentes com o sistema mundano: “adúlteros e adúlteras”. Quando Tiago usa essas duas imagens, ele quer mostrar que da mesma forma que Israel procurou estabelecer acordos não só com o Deus de Abraão, mas também com Baal, Asera e outras divindades de Canaã, os leitores de Tiago também procuraram estabelecer tanto a amizade com o mundo, quanto com Deus. Todavia, Tiago mostra que a amizade com Deus e com o mundo, transformará as pessoas em “inimigas de Deus”.
3. O Espírito tem “ciúmes” (Tg 4.5). O Espírito Santo que em nós habita é zeloso. Ele é o selo que marca-nos como propriedade exclusiva de Deus (2Co 1.21,22; 1Pe 2.9). No versículo cinco do capítulo quatro, os leitores de Tiago aparecem como o objeto dos “ciúmes do Espírito”. Por isso, o autor sagrado os confronta chamando-os de “adúlteros e adúlteras”. Tal advertência é a admoestação de Deus para o seu povo. Aqui, também cabe lembrar-nos de uma promessa registrada na Primeira Epístola Universal de João: temos um advogado à destra de Deus (2.1,2).Os crentes que estão divididos entre a igreja e o mundo são denominados por Tiago de “adúlteros e adúlteras”. O crente jamais deve flertar com o sistema do mundo.



III. A BUSCA DA AUTORREALIZAÇÃO (Tg 4.6-10)

1. Humilhando-se perante Deus (Tg 4.6,7). Uma vez admoestados pelo Espírito Santo, temos a promessa de que Ele nos dará “maior graça”. Tal maior graça é o fato de que “Deus resiste aos soberbos”, mas “dá, porém, graça aos humildes”. Se acolhermos a advertência do Senhor, a tão almejada realização humana acontecerá de maneira completa em Deus. Humilharmo-nos diante do Senhor é reconhecermos quem somos à luz da sua admoestação. É acolher com humildade o confronto do Senhor. O arrogante, o soberbo e o ganancioso nunca terão esta atitude e, por isso, serão abatidos. E ainda, à luz do ensino de Tiago, resistir ao Diabo significa não desejar as mesmas coisas que a falsa sabedoria nos oferece: egoísmo, orgulho, soberba etc. É não almejarmos a posição dos mestres orgulhosos e soberbos, mas contentarmo-nos com a vocação de servirmos ao Senhor, voluntária e espontaneamente, em espírito e em verdade (Jo 4.23).
2. Convertendo a soberba em humildade (Tg 4.8,9). Se o orgulhoso e o soberbo decidirem-se por se achegarem a Deus, o Senhor lhes será propício. A mão de Deus “não está encolhida, para que não possa salvar; nem o seu ouvido, agravado, para não poder ouvir” (Is 59.1). O que precisa acontecer é um verdadeiro arrependimento! A exortação bíblica de Tiago a essas pessoas é que o “riso” e a “aparente felicidade” delas, produzidos pela amizade do mundo, convertam-se em “choro”, “lamento” e “miséria” (v.9; cf. 2Co 7.10), assim que elas perceberem-se como “inimigas de Deus”. Esta é a atitude genuína de um verdadeiro arrependimento.
3. “Humilhai-vos perante o Senhor” (Tg 4.10). Ao abrir mão de nossa autorrealização sob as perspectivas mundanas do egoísmo, do individualismo, da soberba e da inveja, seremos pessoas satisfeitas e realizadas com o Dono da vida. Como poderemos ser felizes sem a presença do Doador da vida (Jo 12.25)? A exaltação do Senhor ser-nos-á dada mediante a sua graça e bondade infinitas. Humilhemo-nos, portanto, debaixo da potente mão de Deus (1Pe 5.6)!Como criaturas, precisamos nos humilhar diante do nosso Criador, reconhecendo que sem Ele nada somos e nada podemos fazer.A partir dos ensinamentos do Senhor Jesus, desfrutaremos da verdadeira felicidade em Deus. Que venhamos atentar para o ensinamento desta lição, humilhando-nos na presença de Deus através de Cristo Jesus.


Subsídio Teológico

“Guerras e pelejas
Essas ‘guerras e pelejas’ dentro do indivíduo, que levam à ‘guerras e pelejas’ dentro da comunidade, poderiam ser evitados se as pessoas simplesmente pedissem a Deus as coisas que necessitam, particularmente a ‘sabedoria’ ou a ‘palavra’, que conformaria seus desejos à vontade de Deus. Pois, mesmo quando realmente pedem, seus motivos divinos e pecaminosos (manifestado aqui pelo desejo de ‘gastar em vossos deleites’) representam a certeza de que não ‘receberão do Senhor alguma coisa’.
Existem entre os comentaristas uma acentuada tendência para interpretar a exortação de Tiago ‘combateis e guerreais’ (4.2), como uma simples figura de retórica. De acordo com estes estudiosos, Tiago está acompanhando a precedência de Jesus quando se referiu ao ódio como assassinato (veja Mt 5.21,22). Porém, pode existir um aspecto pelo qual Tiago acredita que essa alegação seja apropriada dentro de um sentido mais literal” (Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Volume 2. 4ª Edição. RJ, CPAD: 2009, p. 877).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

Subsídio Bibliológico

“A expressão que Tiago usa para chamar a audiência de ‘adúlteros e adúlteras’ (v.4), provavelmente se originou não só de uma anterior associação com os mandamentos que condenam o assassinato e o adultério (2.11), como também da associação usual de ‘deleites’ (4.3) com o desejo sexual. Isso lembra duas poderosas imagens do Antigo Testamento: uma delas é a descrição do ‘caminho da mulher adúltera’ que ‘come’ (um eufemismo para as relações sexuais) e depois diz, ‘não cometi maldade’ (Pv 30.20). Sua declaração está de acordo com aquela atitude de impunidade e de vulgaridade, à qual Tiago acusa de levar seus leitores a cometer pecados.
Outra imagem é a tradição profética que considerava Israel como a esposa infiel de Deus (Jr 3.20; Ez 16; Os 2.2-5; 3.1). Da mesma forma como Israel procurou estabelecer acordos não só com o Deus de Abraão, mas também com Baal, Asera e outras divindades de Canaã, os leitores de Tiago também procuraram estabelecer tanto a ‘amizade com o mundo’, quanto com Deus. Mas tão certo como o adultério destrói o relacionamento entre os casais, o desejo ambivalente pelo bem e pelo mal — amizade com Deus e com o mundo — ao final transformará as pessoas em ‘inimigos de Deus’” (ARRINGTON, French L; STRONSTD (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Volume 2. 4ª Edição. RJ, CPAD: 2009, p.877).

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

O perigo da busca pela Autorrealização Humana

Por que existem conflitos, discórdias e males entre as pessoas cristãs? Tiago, o meio-irmão do Senhor, retoricamente, pergunta: “Porventura, não vêm disto, a saber, dos vossos deleites que nos vossos membros guerreiam?” (v.1). Esta é a origem dos conflitos e das discórdias que o autor da epístola descreve na seção bíblica 3.1-3. Quão enganoso e destrutivo é o coração humano!
No terceiro capítulo, Tiago demonstra que a maioria das nossas desavenças e tramas perversas é fruto da ambição, ignomínia e sede de vermos o nosso desejo realizado. E qual o objetivo desta realização? O deleite! O líder da igreja de Jerusalém expõe a nudez da alma humana. Daí é que surgem muitas frustrações espirituais e da própria alma. O indivíduo tem uma relação com Deus não segundo a vontade divina, mas a sua própria, pois colocaram em sua cabeça que as bênçãos de Deus são para os seus deleites e prazeres. Neste ponto, Tiago é taxativo: “Cobiçais e nada tendes; sois invejosos e cobiçosos e não podeis alcançar; combateis e guerreais e nada tendes, porque não pedis. Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites” (4.2,3).
“Porque não pedis”, Tiago destaca esta expressão para compará-la, logo em seguida, com a outra posterior: “Pedis e não recebeis”. Porque alguém pede a Deus e não recebe, já que o nosso Senhor prometeu dar-nos tudo o que pedíssemos em seu nome? Esta é uma pergunta que só pode ser respondida à luz de um autoexame sincero, pois a Palavra responde com clareza: “Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites”. Temos de ter o cuidado, para não confundirmos a vontade de Deus com a nossa própria. Não podemos usar o nome de Deus para realizar as vontades e os prazeres particulares. Deus não se usa!
Portanto, desafie a classe para um autoexame honesto, sincero e transparente à luz da Palavra de Deus. Nada é melhor que o homem desnudar-se na presença do Altíssimo. O nosso Pai sabe o que está em nosso coração e qual a nossa verdadeira motivação de vida diante dEle. Num tempo dominado pelas ambições e prazeres humanos, a palavra ensinada por Tiago chega a uma ótima hora e desafia-nos a olharmos para nós e perguntarmo-nos: o que há em meu coração?

AUXÍLIOS COMPLEMENTARES


INTRODUÇÃO

Palavra Chave
Autorrealização: Desenvolvimento pleno das nossas habilidades a ponto de nos sentirmos realizados como pessoa.

A grande potencialidade da mente humana deve fazer com que ele não se conforme nem se acomode com a vida que leva, levando-o a compreender que existe sempre a possibilidade de crescimento interior, aperfeiçoamento e realizações pessoais, profissionais ou ministeriais. Definitivamente, o ser humano não é um produto existirá sempre a possibilidade de crescimento. Quem não gostaria de se destacar na atividade que executa? De ter o devido reconhecimento. Uma citação de seu nome em público, um elogio, uma aparição, mesmo que momentânea? Isso irá adular seu ego e alimentar sua auto-estima. Na vida profissional ou ministerial, essa pessoa esforça-se para ser a melhor em sua especialidade. Isso chama atenção do público para si e reforça sua auto-estima. O problema nessa fase é a facilidade que o sucesso pessoal tem em inchar o ego. A pessoa pode tornar-se um ególatra. Isso a impede de ir para frente em seu desenvolvimento espiritual, pois Deus e os irmãos começam a ficar de lado, e ele em seu objetivo cego passa a valorizar mais a coisas do que a pessoas. O fato é que quem não estiver preparado para resolver essas questões existenciais e espirituais entrará num estado de queda, e com o passar do tempo sua vida de cristão estará em um profundo colapso. Por isso se faz necessário o estudo desta lição.

I. A ORIGEM DOS CONFLITOS E DAS DISCÓRDIAS (Tg 4.1-3)

1. Que sentimentos são esses? (v.1). Tiago inicia esse ponto com uma pergunta: De onde procedem guerras e contendas que há entre vós? O objetivo dele é levá-los a refletir sobre a origem dos conflitos que aconteciam entre os que aspiravam ser mestres. Muito embora a expressão “que há” não esteja no original, é requerida pela construção da frase e aponta para a realidade dos conflitos. Tiago havia tomado conhecimento de tais conflitos e desejava ajudar seus leitores a cessá-los. Mas, para isso, era necessário identificar a sua origem. Nosso autor menciona “guerras” e “contendas”. O termo guerras significa literalmente “conflito armado” (cf. Mt 24.6). Não devemos pensar, contudo, que a situação havia chegado a esse ponto naquelas igrejas. O termo é usado aqui como um estado geral de hostilidade e antagonismo entre pessoas. O outro termo é contendas, que literalmente significa uma “luta corpo a corpo” ou mesmo uma “peleja com armas”. Mais uma vez, não pensemos que a situação havia degenerado a tal ponto; contudo, havia combate de palavras entre eles. Eles se opunham uns aos outros como se estivessem lutando uns contra os outros. Os termos fortes do questionamento de Tiago despertam as igrejas para a seriedade da atitude de hostilidade que havia eles. A unidade da igreja deveria ser o fator que mais deveríamos valorizar. Deus abençoa uma igreja unida. A maioria das igrejas têm um enorme potencial, mas nunca alcançam o que Deus deseja, porque os seus membros gastam o seu tempo a lutarem uns com os outros. Toda a energia que possuem está centrada no seu interior. A Bíblia fala mais sobre a unidade da igreja do que sobre o céu ou o inferno. Isto demonstra a importância deste assunto. As igrejas são formadas por pessoas e não há pessoas perfeitas. Por isso as pessoas entram em conflitos umas com as outras. Os pastores precisam aprender a lidar com estas situações. Especificamente, os líderes são chamados a fazer seis coisas quando a desunião ameaça as suas igrejas. A Bíblia ensina que à medida que a igreja cresce, Satanás fará todo o possível para trazer divisão. Até mesmo pessoas dóceis, crentes fervorosos, podem ser ferramentas nas mãos de Satanás para prejudicarem o corpo de Cristo. O Salmo 133.1 diz: “Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!”. Certamente, os irmãos deveriam viver unidos, em harmonia, mas muitas vezes eles vivem em guerra. Por isso é preciso que vigiemos.
Também enguemos um muro de intolerâncias e de divergências que do campo teológico (pensamento) ergueu-se para dentro de nós e isso estabeleceu um embate pessoal (comportamento) de tradicionais contra pentecostais; de evangelicalismo contra fundamentalismo, de calvinismo contra arminianismo e etc. É preciso estarmos unidos.
Não me refiro a convergência interpretativa das denominações cristãs do Brasil em aspectos gerais da teologia; mas o que a igreja não pode se conformar é com posicionamentos divisionistas que tanto mal fazem à unidade do povo de Deus neste século de incredulidades. Não serão apenas conselhos, alianças cristãs, acordos cooperativos entre representantes maiores das denominações que resolverão o problema. Será necessário levar essa mensagem de união fraterna para dentro de nossas igrejas. Precisamos da demonstração deste amor que une, de compreensão que nutre e de santidade que revela quem é o povo Deus; carecemos levar essa mensagem de agregação para as nossas ministrações a fim de conscientizarmos os nossos ouvintes a perceberem a necessidade desta ignorada realidade bíblica, necessitamos de viver a essência dos sentimentos evangélicos de irmão para irmão, tais como: compreensão e fraternidade. Precisamos alçar nossa visão e atuação para além de nossa comunidade fechada e mostrarmos a esse mundo cão o que é o verdadeiro amor cristão. Quebremos essas placas mentalizadas e fixadas no coração; destruamos essas barreiras de orgulho religioso afirmadas em nosso comportamento; destruamos a barreiras dos paradigmas interpretativos que nos fizeram isolacionistas; humilhemo-nos diante de Deus e ouçamos a voz do Espírito Santo para estes últimos dias — é tempo de união em torno da vontade de Deus para sua igreja militante.
2. A origem dos males (Tg 4.2). Tiago escolhe dois termos para descrever os conflitos e discussões que prevalecem na comunidade. “Guerras” (Gr. polemon, conflitos) seriam rixas que se travam pelos interesses pessoais. “Combates” (Gr. machai) significa batalhas e inimizades que separam as pessoas. A pergunta, “De onde vem?”, tem sua resposta na frase “das paixões” (Gr. ek ton hedonon, dos prazeres procurados com intenso desejo). “Guerreiam” (Gr. strateuomenon) criam e manejam a guerra quando os desejos pelo prazer de alguns entram em conflito com os desejos dos outros. Contendas entre maridos e mulheres, entre pais e filhos e entre irmãos na igreja sempre se levantam porque os indivíduos estão procurando alguma vantagem, algum prazer que corrompe ou prejudica.
Ele afirma que “Combates e guerras” se evidenciam entre eles; e, se o zelo cobiçoso não é refreado, o perigo de violência real torna-se concreto. Então, com uma perspicácia penetrante, Tiago fornece-nos uma poderosa análise do conflito humano. Argumentos verbais, violência particular ou conflito nacional — a causa de tudo isto pode ser encontrada no desejo frustrado de querermos mais do que temos, de cobiçarmos aquilo que é dos outros, seja os cargos das pessoas ou suas posses.
3. O porquê de não recebermos bênçãos (Tg 1.3). Se as orações de uma pessoa são simplesmente para pedir coisas que satisfaçam seus desejos carnais, então essas orações são essencialmente carnais e egoístas e, portanto, não é possível que Deus as responda favoravelmente porque essa resposta não seria outra coisa senão prover o homem de meios para pecar. O verdadeiro propósito da oração quer dizer a Deus: “Seja feita tua vontade”; mas a oração do homem que está dominado pelo desejo de prazeres é: “Sejam satisfeitos os meus desejos”. Então, se quando uma pessoa ora, sua petição é só pelas coisas que podem ajudá-la a satisfazer seus próprios desejos, nesse caso dirigiu a Deus uma oração que Ele não pode responder. Um dos atos mais desalentadores é que o homem egoísta dificilmente pode orar dirigindo-se a Deus em forma correta. Nunca poderemos orar como é devido até que não arranquemos nosso ego do centro de nossa vida e ponhamos a Deus ali.

II. A BUSCA EGOÍSTA (Tg 4.4,5)

1. Adúlteros e amigos do sistema mundano (Tg 4.4). A palavra grega kosmos foi empregada em um sentido ético, para indicar uma sociedade corrupta, ou o princípio do mal que opera sobre os homens. O mundo aqui é a sociedade humana com seus valores, princípios e filosofia vivendo à parte de Deus. Esse sistema que rege o mundo é anti-Deus. Se o mundo valoriza a discórdia, começamos a valorizar a discórdia também. Se o mundo valoriza os deleites, começamos a valorizar os deleites. Se o mundo valoriza a inveja começamos a valorizar a inveja. Se o mundo valoriza a cobiça, começamos a valorizar a cobiça. Temos a tendência de assimilar esses valores do mundo.
Um crente pode tornar-se amigo do mundo gradativamente: primeiro, sendo amigo do mundo (4.4). Segundo, sendo contaminado pelo mundo (1.27). Terceiro, amando o mundo (1Jo 2.15-17). Quarto, conformando-se com o mundo (Rm 12.2). O resultado é ser condenado com o mundo (1Co 11.32). Tiago mostra que amizade com o mundo é uma espécie de adultério espiritual. O crente está casado com Cristo (Rm 7.4) e deve ser fiel a Ele (Is 54.5; Jr 3.1-5; Ez 23; Os 1-2; 1Co 11.2). Não dá para ser amigo do mundo e de Deus ao mesmo tempo. Temos que tomar cuidado com as pequenas coisas. O mundo envolve as pessoas pouco a pouco. Ninguém se torna um viciado em álcool do dia para a noite. Ninguém se lança de cabeça nas aventuras loucas das drogas no primeiro trago ou na primeira picada. Ninguém começa uma vida licenciosa num primeiro flerte. A sedução do mundo é como uma fenda numa barragem, começa pequena, mas pode conduzir a um grande desastre.
2. “Inimigos de Deus”. Manter a amizade com o mundo é “ter boas relações com poderes e coisas que são pelo menos indiferentes para com Deus, caso não sejam abertamente hostis ao Criador”. Ser cristão é a sumir um compromisso de amar o que Deus ama e aborrecer o que Deus aborrece. Como ser amigo de Deus tornando-se amigo daquilo que Deus não é?
O mundo aqui, como em outras partes do Novo Testamento, significa tudo que as pessoas pensam e fazem que desconsidera Deus e é contrário à sua vontade. Por meio de palavras retumbantes, Tiago declara que o povo de Deus deve tomar uma decisão clara entre Deus e todas as atitudes não-cristãs. Se pertencemos a Deus, a amizade do mundo precisa nos deixar. Se nos agarramos a qualquer caminho errado, nutrindo-o como um amigo, nos tornamos inimigos de Deus e não temos mais uma base bíblica para crer que estamos em um relacionamento de salvação com Ele.
3. O Espírito tem “ciúmes” (Tg 4.5). Tiago terminou a sua purificação da conduta má e começa o seu apelo ao arrependimento. Quando fomentamos a amizade com o mundo, podemos nos desviar e deixar Deus fora da nossa vida. Mas isso não ocorre facilmente. Deus é um Deus zeloso, que não tolera rivais. Quando nos convertemos, Ele nos deu um novo espírito. Deus se enternece por essa nova vida na alma. Ele procura de todas as formas nos analisar quando começamos a nos descuidar. Ele quer que essa vida cresça, porque deseja que sejamos totalmente seus. Não há nenhuma passagem específica no Antigo Testamento que corresponda à última parte do versículo . As palavras diz a Escritura, que Tiago cita, não são uma citação, “mas um resumo dos ensinamentos do Antigo Testamento: Deus quer a pessoa inteira, nossa lealdade completa” (Berk., nota de rodapé). Deus fica condoído com a nossa simpatia dividida e nossa amizade com o mundo que resulta disso. Ele deseja que a plenitude do seu Espírito controle a nossa vida; Ele nos convida a chegarmos a Ele e nos submetermos ao seu ministério. Deus dá essa ajuda especial àqueles que humildemente a aceitam.
O Espírito que passou a habitar em nós tem ciúme. O termo grego que consta para “ciúmes” expressa o desejo amoroso de ter inteiramente a pessoa amada. Essa maneira de entender esse texto no original pressupõe que o Espírito seja o Espírito Santo. Ele certamente não fomenta inveja nos indivíduos no quais ele habita. Buscar a amizade do mundo é o mesmo que viver debaixo da sua influência, dependência e segurança como se isso fosse o mais importante de tudo. Esse tipo de namoro com o mundo, esse andar de mãos dadas, não é apenas perigoso, mas é fatal, pois a infidelidade leva à apostasia. Nenhum marido ou esposa se contentaria com menos do que exclusividade total em seu relacionamento conjugal. Assim, Deus jamais tolerará qualquer tipo de divisão entre ele e o mundo. Pois Deus é “ciumento” quando se trata de sua “esposa” ou “noiva”, a igreja.

III. A BUSCA DA AUTORREALIZAÇÃO (Tg 4.6-10)

1. Humilhando-se perante Deus (Tg 4.6,7). Desnecessário é mencionar que Deus está infinitamente acima de nós em tudo. Desta forma podemos entender que as pessoas de coração humilde têm um lugar especial no coração de Deus. O próprio mestre disse: “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5.3 — ARA). Em Tiago 4.6-10, o apóstolo estabelece uma relação entre a humildade, a sujeição a Deus e a resistência ao nosso inimigo. De fato, só podemos nos sujeitar a Deus se formos humildes, e só podemos resistir ao diabo se tivermos humildade suficiente para identificarmos, em nós mesmos, os reflexos das setas que nos foram lançadas por ele.
Ainda no texto de Tiago, é dito que “Deus dá graça aos humildes”. Mas que graça seria esta? A graça que Deus nos concede é a força para, nos sujeitando a Ele, resistirmos ao inimigo de nossas almas. É graça para, nos chegando a Ele, termos sua presença conosco. É graça para sermos purificados, termos nossos corações limpos, e termos o bálsamo curador derramado sobre nossos corações. Ainda no texto de Tiago, é dito que “Deus dá graça aos humildes”. Mas que graça seria esta? A graça que Deus nos concede é a força para, nos sujeitando a Ele, resistirmos ao inimigo de nossas almas. É graça para, nos chegando a Ele, termos sua presença conosco. É graça para sermos purificados, termos nossos corações limpos, e termos o bálsamo curador derramado sobre nossos corações. O homem nunca perdeu bênçãos pela humildade, ainda mais diante do Senhor Deus. Mas a humilhação é um ato interno, uma atitude conhecida somente pelo próprio Deus, pois Ele sonda os corações e pensamentos, e saberá exatamente se o orador esta mesmo sentindo-se como manifesta. E não faltou conselhos e advertências sobre essa posição a ser tomada. Quando nos humilhamos diante de Deus, estamos deixando de lado todo o nosso ego, tudo que achamos que sabemos, toda a nobreza que julgamos ter, e nos colocamos diante do Senhor como não merecedores do Deus que temos (Ler 2Cr 7.14; 34.27; Dn 10.12; Mt 23.12; 1Pe 5.6).
2. Convertendo a soberba em humildade (Tg 4.8,9). Um dos piores pecados para vida do cristão é o pecado do orgulho espiritual. Poderíamos definir o orgulho espiritual como sendo uma atitude de tão grande que despreza os outros irmãos. Seria abrigar a sensação de se achar possuidor de uma visão superior. Seria o desenvolvimento de uma atitude de rejeição do aprendizado, contrária à humildade que Deus requer dos seus servos. Seria achar que se é conhecedor de uma faceta de compreensão que os demais irmãos ainda não alcançaram. A amizade com o mundo pode deixar o homem nesse estado espiritual. Por isso Tiago faz esta exortação: “Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações. Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai: converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza”. Tiago os convida ao arrependimento através de uma evidente demonstração de uma tristeza de coração. A tristeza dos hipócritas evidencia-se somente em sua face. “Desfiguram o rosto” (Mt 6.16). Mostram um rosto melancólico, mas a tristeza deles não vai além disso, como o orvalho que umedece a folha, mas não penetra a raiz. O arrependimento de Acabe foi uma exibição exterior. Seus vestidos foram rasgados, mas não o seu espírito (1Rs 21.27). A tristeza segundo Deus avança mais além; é como uma veia que sangra internamente. O coração sangra por causa do pecado — “Compungiu-se-lhes o coração” (At 2.37). Assim como o coração tem a parte principal no ato de pecar, o mesmo deve acontecer no caso do entristecer-se humildemente. Paulo lamentava por causa da lei em seus membros (Rm 7.23). Aquele que lamenta verdadeiramente o pecado se entristece por conta das incitações do orgulho e da concupiscência. Ele se entristece por causa da “raiz de amargura”, embora ela nunca prospere até ao ponto de levá-lo a agir. Só a humildade pode nos fazer lamentar os pecados do coração e os que estão em plena evidência.
3. “Humilhai-vos perante o Senhor” (Tg 4.10). Temos a tendência de tratar o nosso pecado de forma muito leve e condescendente. Tiago exorta-nos a enfrentar seriamente o nosso pecado (4.9). A porta da exaltação é a humilhação diante de Deus (4.10). Deus não despreza o coração quebrantado (Sl 51.17). Deus olha para o homem que é humilde de coração e treme diante da Sua Palavra (Is 66.2). Quando estamos em paz com Deus, temos paz uns com os outros e então, uma fonte de paz começa a jorrar de dentro de nós!
Humildade é a condição para Deus trabalhar, para desfrutar de tudo o que Ele quer nos dar. A verdadeira humildade consiste em estabelecer uma relação de submissão a Deus, resistência ao Diabo e aos nossos próprios desejos egoístas. Viver em comunhão com Deus se dá através da Palavra, oração e adoração. Quando sua razão de viver for a exaltação, a honra e a satisfação do Senhor, Ele fará algo novo em nossa vida.

Ao estudarmos os textos desta lição percebemos que grande parte das desavenças e problemas existentes em nossas igrejas locais são frutos da ambição e da sede desonrosa de termos todos os nossos desejos realizados, e quando esses desejos não se tornam concretos vem a frustação e o desânimo, abalando as emoções do cristão. Nossos desejos e ambições só serão legítimos quando seu objetivo final não é o deleite.

Vivemos em uma época onde a ambição e os prazeres humanos tem se apoderado da vida e do coração de muitas pessoas, portanto é necessário fazermos uma reflexão a fim de saber até que ponto essas coisas tem atingido nossas vidas nos levando a uma decadência espiritual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.