sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Subsidio (4) O Deus criador n.1 2017







                                    Professor Mauricio Berwald

Verso 1
1. No início. Explicar o termo "princípio" de Cristo é completamente frívolo. Pois Moisés simplesmente pretende afirmar que o mundo não foi aperfeiçoado no seu começo, da maneira como agora é visto, mas que foi criado um caos vazio do céu e da terra. Sua linguagem, portanto, pode ser assim explicada. Quando Deus no princípio criou o céu e a terra, a terra estava vazia e desperdiçada. (35) Ele, além disso, ensina pela palavra "criado", que o que antes não existia foi feito agora; para que ele não tenha usado o termo יצר , ( yatsar, ) o que significa para enquadrar ou formas, mas ברא , ( bara, ) o que significa criar. (36) Por conseguinte, o seu significado é que o mundo foi feito a partir do nada. Daí a insensatez daqueles que são refutados que imaginam que a matéria não formada existia desde a eternidade; E que não recolhem nada mais da narração de Moisés do que o mundo foi decorado com novos ornamentos, e recebeu uma forma de que foi antes destituído. Este fato era anteriormente uma fábula comum entre os pagãos, (37) que haviam recebido apenas um relatório de obscura da criação, e que, segundo o costume, adulterado a verdade de Deus com invenções estranhas; mas para os cristãos ao trabalho (como Steuchus faz (38) ) em manter este erro grosseiro é absurdo e intolerável. Deixe que este, em seguida, ser mantida, em primeiro lugar, (39) que o mundo não é eterno, mas foi criado por Deus. Não há dúvida de que Moisés dá o nome de céu e terra para que a massa confusa que, pouco tempo depois, ( Gênesis 1: 2Gênesis 1: 2 .) Denomina águas . A razão disso é que este assunto devia ser a semente do mundo inteiro. Além disso, esta é a divisão geralmente reconhecida do mundo. (40)

Deus. Moses tem Elohim , um substantivo do número plural. De onde se deduz a inferência, que as três Pessoas da Trindade são aqui anotadas; Mas, como prova de tão grande assunto, parece-me ter pouca solidez, não insistirá na palavra; Mas sim aconselhar os leitores a tomar cuidado com glosas violentas deste tipo. (41) Eles pensam que têm testemunho contra os arianos, para provar a divindade do Filho e do Espírito, mas, entretanto, eles se envolvem no erro de Sabellius, (42) porque Moisés subjoins depois que o Elohim tinha falado , e que o Espírito do Elohim descansou sobre as águas. Se supomos que três pessoas serão denotadas aqui, não haverá distinção entre elas. Porque seguirá, tanto que o Filho é gerado por si mesmo, e que o Espírito não é do Pai, mas de si mesmo. Para mim basta que o plural expresse os poderes que Deus exerceu na criação do mundo. Além disso, reconheço que a Escritura, embora recita muitos poderes da Divindade, contudo nos recorda sempre ao Pai, à Sua Palavra e ao espírito, como veremos em breve. Mas esses absurdos, aos quais aludi, proíbem com sutileza distorcer o que Moisés simplesmente declara a respeito do próprio Deus, aplicando-o às Pessoas separadas da Deidade. Isto, no entanto, considero que, além da controvérsia, a partir da peculiar circunstância da passagem em si, um título é aqui atribuído a Deus, expressivo daqueles poderes que antes estavam de alguma forma incluídos em sua essência eterna. (43)

Sobre a forma plural da palavra ele cita os rabinos judeus a afirmação, que se destina a significar ' Dominus potentiarum omnium ' 'O Senhor de todos os poderes ". Ele se refere a Calvino e outros como tendo oposto, embora sem efeito imediato, a noção mantida por Pedro Lombardo, que envolvia o mistério da Trindade. Ele repele a profana indicação de Le Clerc, e seus sucessores da escola de Noologia, que o nome se originou no politeísmo; E então prossegue mostrando que "há na língua hebraica um uso amplamente extendido do plural que expressa a intensidade da idéia contida no singular". Depois de inúmeras referências, que provam esse ponto, ele prossegue argumentando que "se , Em relação aos objetos terrenos, tudo o que serve para representar toda uma ordem de seres é trazido à mente por meio da forma plural, poderíamos antecipar uma aplicação mais estendida desse método de distinção nas denominações de Deus, em cujo ser E atributos há em toda parte uma unidade que abrange e compreende toda a multiplicidade. "" O uso do plural ", ele acrescenta," responde ao mesmo propósito que outro é realizado por uma acumulação dos nomes Divinos; como em Josué 22:22Josué 22:22 ; o três vezes santo em Isaías 6: 3Isaías 6: 3 ; e אדני אדנים em Deuteronômio 10:17Deuteronômio 10:17 . Ele chama a atenção para as infinitas riquezas e plenitude inesgotável contido em um Ser Divino, de modo que embora os homens podem imaginar inúmeros deuses, e investi-los com perfeição, mas todos estes estão contidos em um אלהים ( Elohim ). "Veja Dissertações , Pp.268-273.

É, talvez, necessário aqui afirmar, que quaisquer tesouros de aprendizagem bíblica que os escritos deste célebre autor contenha, e eles são, sem dúvida, grande, o leitor ainda precisará estar em sua guarda em estudá-los. Pois, apesar da oposição generalizada do autor ao sobrenaturalismo de seus compatriotas, ele não escapou completamente do contágio que ele está tentando resistir. Ocasiões podem ocorrer em que será certo aludir a alguns de seus erros. - Ed .

Verso 2
2. E a terra era sem forma e vazia. Eu não deve ser muito solícitos sobre a exposição destes dois epítetos, תוהו , ( tohu, ) e בוהו , ( bohu. ) Os hebreus usá-los quando eles designar qualquer coisa vazia e confusa, ou vão, e nada vale a pena. Sem dúvida, Moisés os colocou em oposição a todos os objetos criados que pertencem à forma, ao ornamento e à perfeição do mundo. Se nós agora tirássemos, digo eu, da terra tudo o que Deus acrescentou depois do tempo aqui aludido, então nós deveríamos ter esse caos rude e impuro, ou um pouco informe. (44) Por isso eu considero que ele imediatamente subjoins que "havia trevas sobre a face do abismo", (45) como parte desse vazio confuso: porque a luz começou a dar alguma aparência externa para o mundo. Pela mesma razão, ele chama o abismo e águas , uma vez que em que a massa da matéria nada era sólido ou estável, nada distinto.

E o Espírito de Deus Intérpretes ter arrancado esta passagem de várias maneiras. A opinião de alguns que significa o vento, é muito fria para exigir refutação. Aqueles que entendem por ela o Espírito Eterno de Deus, façam justamente; Contudo, todos não alcançam o significado de Moisés na conexão de seu discurso; daí surgem as diversas interpretações do particípio מרחפת , ( merachepeth .) Eu quero, em primeiro lugar, estado que (na minha opinião) Moses pretendido. Já ouvimos que antes que Deus tivesse aperfeiçoado o mundo, era uma massa não digerida; Ele agora ensina que o poder do Espírito era necessário para sustentá-lo. Pois essa dúvida pode ocorrer à mente, como tal pilha desordenada poderia estar; Vendo que agora vemos o mundo preservado pelo governo ou pela ordem. (46) Portanto, ele afirma que essa massa, porém confuso que seja, foi proferida estável, para a época, pela eficácia segredo do Espírito. Ora, há duas significações da palavra hebraica que se adequam ao lugar presente; Ou que o espírito moveu-se e agitou-se sobre as águas, por causa de pôr adiante o vigor; Ou que Ele meditou sobre eles para os acalentar. (47) Na medida em que faz pouca diferença no resultado, o que dessas explicações é o preferido, o juízo do leitor ser deixado livre. Mas se esse caos exigia a inspiração secreta de Deus para impedir sua pronta dissolução; Como poderia esta ordem, tão justa e distinta, subsistir por si mesma, a não ser que obtivesse força em outro lugar? Portanto, aquela Escritura deve ser cumprida,

"Enviai o vosso Espírito e tudo será criado, e tu lhe renovar a face da terra," ( Salmos 104: 30Salmos 104: 30 ;)

assim, por outro lado, assim que o Senhor tira seu Espírito, todas as coisas voltam ao seu pó e desaparecer, ( Salmos 104: 29Salmos 104: 29 ).

Verso 3
3. E Deus disse a Moisés, agora, pela primeira vez, introduz Deus no ato de falar , como se ele tivesse criado a massa do céu e da terra sem a Palavra. (48) No entanto, John testemunha que

'sem ele nada foi feito das coisas que foram feitas, "( João 1: 3João 1: 3 ).

E é certo que o mundo tinha sido iniciado pela mesma eficácia da Palavra pelo qual foi concluída . Deus, no entanto, não apresentou a sua Palavra até que ele procedeu a originar a luz; (49) porque no ato de distinção (50) sua sabedoria começa a ser visível. O que só é suficiente para confundir a blasfêmia de Servetus. Este caviler impura afirma, (51) que o primeiro princípio da palavra foi quando Deus ordenou que a luz seja; Como se a causa, verdadeiramente, não fosse anterior ao seu efeito. Entretanto, pela Palavra de Deus, as coisas que não vieram de repente, devemos inferir a eternidade de Sua essência. Portanto, os Apóstolos provam corretamente a Deidade de Cristo, daqui, que, sendo ele a Palavra de Deus, todas as coisas foram criadas por ele. Servet imagina uma nova qualidade em Deus quando começa a falar. Mas, longe de outra forma devemos pensar a respeito da Palavra de Deus, a saber, que ele é a sabedoria que habita em Deus, (52) e sem a qual Deus nunca poderia ser; Cujo efeito, entretanto, se tornou aparente quando a luz foi criada. (53)

Haja luz ele nós apropriado que a luz, por meio do qual o mundo era para ser adornada com tanta beleza excelente, deve ser criada pela primeira vez; e este foi também o início da distinção, (entre as criaturas. (54) ) Ele não fez, no entanto, acontecer a partir de desconsideração ou por acidente, que a luz precedido do sol e da lua. Nada somos mais propensos do que amarrar o poder de Deus aos instrumentos que ele emprega. O sol e a lua nos fornecem luz: E, de acordo com nossas noções, nós incluímos este poder para dar luz neles, que se fossem tirados do mundo, pareceria impossível que qualquer luz permanecesse. Portanto, o Senhor, pela própria ordem da criação, dá testemunho de que ele segura em suas mãos a luz que ele pode nos dar sem o sol e a lua. Além disso, é certo do contexto, que a luz foi criada para ser trocada com a escuridão. Mas pode-se perguntar se a luz e a escuridão sucederam-se, por sua vez, em todo o circuito do mundo; Ou se a escuridão ocupava metade do círculo, enquanto a luz brilhava no outro. Não há, no entanto, dúvida de que a ordem de sua sucessão era alternada, mas se estava em todo o dia ao mesmo tempo, e em toda a noite também, eu preferiria deixar indeciso; Nem é muito necessário ser conhecido. (55)

Tendo dado, na melhor das hipóteses, uma explicação do raciocínio de Calvino, a verdade me obriga a acrescentar que parece ser um argumento envolvido e insatisfatório para provar -

1 st , que a segunda pessoa da Trindade é claramente referido no segundo verso deste capítulo; e,

2 nd , que Ele é verdadeiramente embora não, obviamente, o Criador do céu e da terra mencionado no primeiro verso.

Fornece ocasião mais para arrependimento do que para surpresa, que as mentes mais poderosas são às vezes encontradas tentando sustentar uma boa causa por um raciocínio inconclusivo. - Ed .

Verso 4
4 E Deus viu a luz Aqui Deus é introduzido por Moisés como examina seu trabalho, que ele poderia ter prazer nele. Mas ele faz isso por nossa causa, para nos ensinar que Deus não fez nada sem uma certa razão e design. E não devemos entender as palavras de Moisés como se Deus não soubesse que sua obra era boa, até que fosse consumada. Mas o significado da passagem é que a obra, tal como a vemos agora, foi aprovada por Deus. Portanto, nada resta para nós, mas para aceitar este julgamento de Deus. E essa admoestação é muito útil. Por enquanto o homem deve aplicar todos os seus sentidos para a contemplação de admiração das obras de Deus, (56) vemos o que ele realmente licença permite-se em diminuir a partir deles.

Versículo 5
5. E Deus chamou à luz Isto é, Deus quis que deve haver uma vicissitude regular de dias e noites; Que também seguiu imediatamente quando o primeiro dia foi terminado. Pois Deus removeu a luz de vista, aquela noite poderia ser o começo de outro dia. O que Moisés diz no entanto, admite uma dupla interpretação; Ou que esta era a noite e a manhã pertencentes ao primeiro dia, ou que o primeiro dia consistia na noite e na manhã. Seja qual for a interpretação escolhida, não faz diferença no sentido, pois ele simplesmente entende que o dia foi composto de duas partes. Além disso, ele começa o dia, de acordo com o costume de sua nação, com a noite. É inútil disputar se esta é a melhor e a legítima ou não. Sabemos que a escuridão precedeu o próprio tempo; Quando Deus retirou a luz, ele fechou o dia. Não duvido que os pais mais antigos, aos quais a noite futura era o fim de um dia e o começo de outro, seguiram esse modo de calcular. Embora Moisés não pretendesse aqui prescrever uma regra que seria criminoso violar; Contudo (como dissemos agora) acomodou seu discurso ao costume recebido. Portanto, como os judeus condenam tolamente todos os cálculos de outras pessoas, como se Deus tivesse sancionado só isso; Assim também são igualmente idiota que afirmam que este modesto cálculo, que Moisés aprova, é absurdo.

O primeiro dia Aqui o erro daqueles é manifestamente refutada, que sustentam que o mundo foi feito em um momento. Pois é violento demais dizer que Moisés distribui a obra que Deus aperfeiçoou de uma só vez em seis dias, com o mero propósito de transmitir instrução. Vamos concluir que o próprio Deus tomou o espaço de seis dias, com o propósito de acomodar suas obras à capacidade dos homens. Passamos sobre a glória infinita de Deus, que aqui brilha; De onde surge isso, mas de nossa excessiva nostalgia ao considerar sua grandeza? Nesse meio tempo, a vaidade de nossas mentes nos leva para outro lugar. Para a correção desta falha, Deus aplicou o remédio mais apropriado quando distribuiu a criação do mundo em porções sucessivas, para fixar nossa atenção e nos compelir, como se tivesse colocado a mão sobre nós, para fazer uma pausa e Refletir Para a confirmação do brilho acima aludido, uma passagem de Ecclesiasticus é citada unskilfully. "Aquele que vive para sempre criou todas as coisas ao mesmo tempo," ( Sirach 18: 1Eclesiástico 18: 1 ). Para o advérbio grego κοινὣ que o escritor utiliza, significa que não há tal coisa, nem se refere ao tempo, mas a todas as coisas universalmente. (57)

Versículo 6
6 Haja um firmamento (58) O trabalho do segundo dia é proporcionar um espaço vazio em torno da circunferência da terra, que o céu ea terra não podem ser misturados entre si. Pois, como o provérbio, "misturar céu e terra", denota o extremo da desordem, esta distinção deve ser considerada de grande importância. Além disso, a palavra רקיע ( Rakia ) compreende não só toda a região do ar, mas o que está aberto acima de nós: como a palavra céu é por vezes entendida pelos latinos. Assim, o arranjo, bem dos céus como da baixa atmosfera, é chamado רקיע ( Rakia ), sem discriminação entre eles, mas às vezes a palavra significa em conjunto às vezes somente tanto um lado, como se verá mais claramente em nosso progresso. Não sei por que os gregos escolheram para tornar a palavra ςτερέωμα , que os latinos ter imitado no prazo, firmamentum ; (59) para, literalmente, significa expansão . E a esta David alude quando diz que "os céus são esticados para fora por Deus como uma cortina," ( Salmos 104: 2Salmos 104: 2 ). Se qualquer um deve perguntar se este vazio não existia anteriormente, eu respondo, porém verdadeira, pode ser Que todas as partes da terra não foram transbordadas pelas águas; Mas agora, pela primeira vez, uma separação foi ordenada, enquanto uma mistura confusa existia anteriormente. Moisés descreve o uso especial dessa extensão, para dividir as águas das águas das quais a palavra surge uma grande dificuldade. Pois parece contrário ao senso comum, e bastante incrível, que deve haver águas acima do céu. Daí alguns recorrer à alegoria, e filosofar a respeito dos anjos; Mas muito ao lado do propósito. Pois, na minha opinião, esse é um certo princípio, que nada é tratado aqui senão a forma visível do mundo. Aquele que iria aprender astronomia, (60) e outras artes recônditos, deixá-lo ir para outro lugar. Aqui o Espírito de Deus ensinaria todos os homens sem exceção; E, portanto, o que Gregório declara falsamente e em vão respeitando estátuas e quadros é verdadeiramente aplicável à história da criação, a saber, que é o livro dos não-instruídos. (61) As coisas, portanto, que a ele diz respeito, servir como a guarnição de que o teatro que ele coloca diante de nossos olhos. De onde eu concluo, que as águas aqui significadas são tais como o rude e unlearned pode perceber. A afirmação de alguns de que eles abraçam pela fé o que leram sobre as águas acima dos céus, não obstante sua ignorância em relação a eles, não está de acordo com o desígnio de Moisés. E verdadeiramente um inquérito mais longo sobre uma matéria aberta e manifesta é supérfluo. Vemos que as nuvens suspensas no ar, que ameaçam cair sobre nossas cabeças, ainda nos deixam espaço para respirar. (62) Os que negam que esta é efectuada pela maravilhosa providência de Deus, são em vão inflado com a loucura de suas próprias mentes. Sabemos, de fato, que a chuva é produzida naturalmente; Mas o dilúvio mostra suficientemente como podemos ser rapidamente esmagados pelo rebentar das nuvens, a menos que as cataratas do céu fossem fechadas pela mão de Deus. Nem David precipitadamente contar isto entre seus milagres, que Deus ajunta as vigas das suas câmaras, nas águas, ( Salmos 104: 31Salmos 104: 31 ;) e ele em outros lugares chama sobre as águas celestes para louvar a Deus, ( Salmos 148: 4Salmos 148: 4 ). Desde então, Portanto, Deus criou as nuvens, e lhes atribuiu uma região acima de nós, não deve ser esquecido que eles são contidos pelo poder de Deus, para que, jorrando com súbita violência, eles devem engolir-nos: e especialmente desde que não Outra barreira se opõe a eles do que o ar líquido e maleável, que facilmente cederia, a menos que essa palavra prevalecesse: "Que exista uma extensão entre as águas". No entanto, Moisés não colocou na obra deste dia a nota que Deus viu que era boa: talvez porque não havia vantagem dela até que as águas terrestres fossem reunidas em seu devido lugar, o que foi feito no dia seguinte e, portanto, É lá repetido duas vezes. (63)

Verso 9
9. Que as águas ... ser reunidos Isso também é um milagre ilustre, que as águas de sua partida ter dado uma morada para os homens. Pois mesmo os filósofos permitem que a posição natural das águas cubra toda a terra, como Moisés declara que fizeram no princípio; Primeiro, porque sendo um elemento, deve ser circular, e porque este elemento é mais pesado que o ar, e mais leve do que a terra, deve cobrir o último em toda a sua circunferência. (64) Mas que os mares, estando reunidos como em montões, deve dar lugar para o homem, é aparentemente sobrenatural; E portanto a Escritura freqüentemente exalta a bondade de Deus neste particular. Ver Salmos 33: 7Salmos 33: 7 ,

"Ele reuniu as águas juntos em uma pilha,
e colocou-os nos seus tesouros."

Também Salmos 78:13Salmos 78:13 ,

- Ele recolheu as águas como uma garrafa. (65)

Jeremias 5:22Jeremias 05:22 ,

Não temerás a mim? vós não vai tremer na minha presença,
que pus a areia como o limite do mar? '

Jó 38: 8Jó 38: 8 ,

'Quem fechou o mar com portas? Não o rodeei com portões e bares?
Eu disse,
Até aqui tu deverás proceder; Aqui serão quebradas as tuas ondas inchadas.

Sabemos, pois, que estamos em terra seca, porque Deus, por seu mandamento, removeu as águas para que não transbordem toda a terra.

Versículo 11
11. Que a terra produza relva Até agora a terra estava nua e estéril, agora o Senhor a fecunda por sua palavra. Pois, embora já fosse destinada a produzir frutos, contudo, até que a nova virtude saiu da boca de Deus, ela deve permanecer seca e vazia. Pois não era naturalmente capaz de produzir qualquer coisa, nem germinou princípio de qualquer outra fonte, até que a boca do Senhor foi aberta. Pois o que Davi declara a respeito dos céus, também deve ser estendido à terra; Que era

'feita pela palavra do Senhor e foi adornada e decorado pelo sopro da sua boca, "( Salmos 33: 6Salmos 33: 6 ).

Além disso, não aconteceu fortuitamente, que ervas e árvores foram criadas antes do sol e da lua. Agora vemos, de fato, que a terra é vivificada pelo sol para fazer com que ela produza seus frutos; Nem Deus estava ignorante desta lei da natureza, que ele ordenou desde então: mas para que pudéssemos aprender a encaminhar todas as coisas para ele, então ele não usou o sol ou a lua. (66) Ele nos permite perceber a eficácia que ele infunde-los, tanto quanto ele usa sua instrumentalidade; Mas, como costumamos considerar como parte de sua natureza as propriedades que derivam de outra parte, era necessário que o vigor que agora parecem transmitir à Terra se manifestasse antes de serem criados. Reconhecemos, é verdade, em palavras, que a Primeira Causa é auto-suficiente, e que as causas intermediárias e secundárias têm apenas o que pedem emprestado desta Primeira Causa; Mas, na realidade, imaginamos Deus para nós mesmos como pobre ou imperfeito, a menos que seja assistido por causas secundárias. Quão poucos são os que subem mais alto do que o sol quando tratam da fecundidade da terra? O que, portanto, declaramos que Deus fez de maneira projetada, era indispensavelmente necessário; Que possamos aprender a partir da ordem da própria criação, que Deus age através das criaturas, não como se ele precisasse de ajuda externa, mas porque era seu prazer. Quando ele diz: "Produza a terra a erva que produz a semente, a árvore cuja semente está em si mesma", ele significa não só que ervas e árvores foram criadas, mas que, ao mesmo tempo, ambas foram dotadas de O poder de propagação, para que suas diversas espécies pudessem ser perpetuadas. Visto que, portanto, vemos diariamente a terra derramar-nos tantas riquezas do seu colo, visto que vemos as ervas produzindo semente, e esta semente recebida e acarinhada no seio da terra até que brota, e desde que vemos árvores atirando De outras árvores; Tudo isso flui da mesma Palavra. Se, portanto, perguntamos como é que a terra é fecunda, que o germe é produzido a partir da semente, que os frutos chegam à maturidade, e seus vários tipos são reproduzidos anualmente; Nenhuma outra causa será encontrada, mas que Deus uma vez falou, isto é, emitiu seu decreto eterno; E que a terra, e todas as coisas que procedem dele, rendem a obediência ao comando de Deus, que eles sempre ouvem.

Versículo 14
14. Haja luzes (67) Moses passa para a frente para o quarto dia, em que foram feitas as estrelas. Deus criou antes a luz, mas agora institui uma nova ordem na natureza, que o sol deve ser o dispensador da luz diurna, ea lua e as estrelas devem brilhar à noite. E Ele lhes atribui este ofício, para nos ensinar que todas as criaturas estão sujeitas à sua vontade, e executar o que ele lhes ordena. Pois Moisés não relata nada além de que Deus ordenou certos instrumentos para difundir através da Terra, por mudanças recíprocas, aquela luz que havia sido previamente criada. A única diferença é que a luz estava antes dispersa, mas agora procede de corpos lúcidos; Que em servir este propósito, obedecer ao comando de Deus.

Para dividir o dia da noite Ele significa o dia artificial, que começa na nascente do sol e termina na sua configuração. Para o dia natural (que ele menciona acima) inclui em si a noite. Daí deduz que o intercâmbio de dias e noites será contínuo; porque a palavra de Deus, que determinou que os dias sejam distintos das noites, dirige o curso do sol para este fim.

Sejam eles para sinais Deve ser lembrado, que Moisés não fala com acuidade filosófica sobre mistérios ocultos, mas refere-se aquelas coisas que estão em todos os lugares observados, até mesmo pelo inculta, e que são de uso comum. Uma vantagem dupla é percebida principalmente do curso do sol e da lua; Uma é natural, a outra aplica-se a instituições civis. (68) De acordo com a natureza prazo, eu também compreendem a agricultura. Pois, embora a semeadura ea colheita exijam a arte e a indústria humanas; Isto é, no entanto, natural, que o sol, por sua aproximação mais próxima, aquece a nossa terra, que ele introduz a estação vernal, que ele é a causa do verão e do outono. Mas que, para ajudar a sua memória, os homens são entre si anos e meses; que destes, eles formam lustra e Olimpíadas; Que mantêm dias declarados; Isto digo, é peculiar à política civil. De cada uma dessas menções é feita aqui. Devo, no entanto, em poucas palavras, indicar a razão pela qual Moisés os chama de sinais; Porque certas pessoas inquisidoras abusam dessas passagens para dar cor a suas previsões frívolas: chamo esses homens caldeus e fanáticos, que adivinham tudo a partir dos aspectos das estrelas. (69) Porque Moisés declara que o sol ea lua foram nomeados por sinais , julgam-se o direito de extrair de lhes qualquer coisa que quiserem. Mas a confutação é fácil: porque eles são chamados sinais de certas coisas, não sinais para denotar o que é de acordo com a nossa fantasia. O que Moisés afirma ser significado por eles, exceto as coisas pertencentes à ordem da natureza? Para o mesmo Deus que aqui ordena sinais testemunha por Isaías que ele vai dissipar os sinais dos adivinhos, "( Isaías 44:25Isaías 44:25 ;) e nos proíbe de ser" consternado com os sinais do céu, "( Jeremias 10: 2Jeremias 10: 2 . ) Mas como é manifesto que Moisés não se afasta do costume ordinário dos homens, desisto de uma discussão mais longa. A palavra מועדים ( moadim,) que traduzem 'determinados momentos', é diversamente compreendido entre os hebreus: pois significa não só tempo e lugar, e também os conjuntos de pessoas. Os rabinos comumente explicam a passagem como se referindo a suas festas. Mas estendi-la ainda mais para significar, em primeiro lugar, as oportunidades do tempo, que em francês se chamam saisons, e então todas as feiras e assembléias forenses. (70) Por fim, Moisés comemora a bondade sem limites de Deus na causa do sol e da lua, não só para nos iluminar, mas para nos proporcionar várias outras vantagens para o uso diário da vida. Resta que nós, desfrutando pura e simplesmente das recompensas multiplicadas de Deus, devemos aprender a não profanar tais excelentes dons por nosso abuso absurdo deles. Entretanto, admiremos este maravilhoso Artífice, que organizou tão bem todas as coisas acima e abaixo, para que possam responder uns aos outros em concerto mais harmonioso.

Versículo 15
15. Sejam para luzes é bem outra vez para repetir o que já disse antes, que não é aqui filosoficamente discutido, como é grande o sol está no céu, e quão grande ou quão pouco, é a lua; Mas quanta luz nos vem deles. (71) Para Moses aqui dirige-se aos nossos sentidos, que o conhecimento dos dons de Deus que desfrutamos não pode deslizar afastado. Portanto, a fim de apreender o significado de Moisés, é sem propósito subir acima dos céus; Vamos apenas abrir nossos olhos para contemplar esta luz que Deus enkindles para nós na terra. Por este método (como eu tenho observado antes) a desonestidade desses homens é suficientemente repreendida, que censura Moisés por não falar com maior exatidão. Pois, como se tornou um teólogo, ele tinha respeito a nós e não às estrelas. Nem, na verdade, ele era ignorante do fato de que a lua não tinha brilho suficiente para iluminar a terra, a menos que tomou emprestado do sol; Mas julgou suficiente declarar o que todos nós podemos perceber claramente, que a lua é um dispensador de luz para nós. Que é, como os astrônomos afirmam, uma opaca corpo, eu permito que para ser verdade, enquanto eu negá-lo para ser um escuro corpo. Pois, primeiro, uma vez que é colocado acima do elemento de fogo, deve ser necessariamente um corpo ardente. Daí resulta que é também luminoso; Mas vendo que não tem luz suficiente para penetrar em nós, toma emprestado o que falta do sol. Ele a chama de luz menor em comparação; Porque a porção de luz que nos emite é pequena em comparação com o esplendor infinito do sol. (72)

Versículo 16
16. A maior luz já disse, que Moisés não faz aqui descant astutamente, como filósofo, sobre os segredos da natureza, como pode ser visto nestas palavras. Primeiro, ele atribui um lugar na expansão do céu aos planetas e estrelas; Mas os astrónomos fazem uma distinção de esferas e, ao mesmo tempo, ensinam que as estrelas fixas têm seu lugar próprio no firmamento. Moisés faz dois grandes luminares; Mas os astrónomos provam, por razões conclusivas, que a estrela de Saturno, que por causa da sua grande distância parece o menos importante, é maior que a lua. Aqui reside a diferença; Moisés escreveu em estilo popular coisas que sem instrução, todas as pessoas comuns, dotadas de bom senso, são capazes de compreender; Mas os astrónomos investigam com grande trabalho o que a sagacidade da mente humana pode compreender. No entanto, este estudo não deve ser reprovado, nem esta ciência a ser condenada, porque algumas pessoas frenética não costumam corajosamente rejeitar o que é desconhecido para eles. Pois a astronomia não é apenas agradável, mas também muito útil para ser conhecida: não se pode negar que esta arte desdobra a admirável sabedoria de Deus. Portanto, como os homens engenhosos devem ser honrados que têm gasto trabalho útil sobre este assunto, para que aqueles que têm lazer e capacidade não deve negligenciar este tipo de exercício. Nem Moisés realmente desejava retirar-nos desta busca por omitir coisas que são peculiares à arte; Mas porque ele foi ordenado um professor, bem como dos deserdados e rude como dos sábios, ele não poderia cumprir o seu cargo do que descendo a este método mais grosseiro de instrução. Se ele tivesse falado de coisas geralmente desconhecidas, os não instruídos poderiam ter invocado em desculpa que tais assuntos estavam além de sua capacidade. Por fim, uma vez que o Espírito de Deus abre aqui uma escola comum para todos, não é de surpreender que ele escolha principalmente os assuntos que seriam inteligíveis para todos. Se o astrônomo questionar sobre as dimensões reais das estrelas, ele achará a lua menor que Saturno; Mas isso é algo abstruso, pois para a visão ele aparece de forma diferente. Moisés, portanto, adapta seu discurso ao uso comum. Pois, como o Senhor se estende, por assim dizer, a sua mão para nos fazer desfrutar do brilho do sol e da lua, quão grande seria a nossa ingratidão se fechássemos os olhos contra a nossa própria experiência? Não há, portanto, nenhuma razão para que os janglers devem ridicularizar o unskilfulness de Moses em fazer a lua o segundo luminary; Porque ele não nos chama para o céu, ele só propõe coisas que estão abertas diante dos nossos olhos. Que os astrônomos possuam seu conhecimento mais exaltado; Mas, entretanto, aqueles que percebem pela lua o esplendor da noite, são condenados por seu uso de ingratidão perversa, a menos que reconheçam a beneficência de Deus.

Para governar (73) Ele não atribui tal domínio para o sol ea lua como deve, no mínimo grau, diminuir o poder de Deus; Mas porque o sol, na metade do circuito do céu, governa o dia, ea lua a noite, por turnos; Ele, portanto, atribui a eles uma espécie de governo. Mas lembremo-nos de que é um governo tal que implica que o sol ainda é um servo ea lua uma serva. Enquanto isso, descartamos o devaneio de Platão, que atribui a razão e a inteligência às estrelas. Vamos contentar-nos com esta simples exposição de que Deus governa os dias e as noites pelo ministério do sol e da lua, porque os tem como condutores para transportar luz adequada à estação.

Versículo 20
20. Que as águas trazer adiante ... a criatura em movimento (74) No quinto dia, os pássaros e os peixes são criados. A bênção de Deus é acrescentada, para que eles mesmos possam produzir descendência. Eis aqui um tipo de propagação diferente da das ervas e das árvores: porque ali o poder da frutificação está nas plantas, eo de germinar está na semente; Mas aqui a geração acontece. Parece, no entanto, pouco concordante com a razão, que ele declara que os pássaros procederam das águas; E, portanto, isso é capturado por homens capciosos como uma ocasião de calúnia. Mas, embora não pareça haver outra razão senão que agradou a Deus, não estaria se tornando em nós concordar em seu julgamento? Por que não seria lícito para ele, que criou o mundo a partir do nada, tirar os pássaros da água? E que maior absurdo, peço eu, tem a origem das aves da água do que a da luz das trevas? Portanto, aqueles que tão arrogantemente assaltam seu Criador, procurem o Juiz que os reduza a nada. No entanto, se devemos usar o raciocínio físico no concurso, sabemos que a água tem maior afinidade com o ar do que a terra tem. Mas Moisés deveria antes ser ouvido como nosso professor, que nos transportaria com admiração de Deus pela consideração de suas obras. (75) E, natureza verdadeiramente, o Senhor, embora ele é o Autor da natureza, mas de nenhuma maneira tem seguido como seu guia na criação do mundo, mas tem vez escolhido para levar adiante tais demonstrações de seu poder como deve restringir Para nos perguntar.

Verso 21
21. E Deus criou aqui uma pergunta surge da palavra criado . Porque antes dissemos que, porque o mundo foi criado, foi feito do nada; Mas agora Moisés diz que as coisas formadas de outra matéria foram criadas. Aqueles que afirmam de forma verdadeira e correta que os peixes foram criados porque as águas não eram de modo algum suficientes ou adequados para a sua produção, só recorrem a um subterfúgio: pois, entretanto, permaneceria o fato de que o material de que foram feitos existia antes; Que, em estrita propriedade, a palavra criada não admite. Eu, portanto, não restringir a criação aqui falada para a obra do quinto dia, mas sim supor que se refere à massa informe e confuso, que foi como a fonte do mundo inteiro. (76) Deus, então, diz-se, criado baleias (balaenas) e outros peixes, não que o início de sua criação está a ser contado a partir do momento em que recebem a sua forma; Mas porque estão compreendidos na matéria universal que foi feita do nada. De modo que, em relação às espécies, a forma só foi então adicionada a eles; Mas a criação é, no entanto, um termo verdadeiramente usado respeitando tanto o todo como as partes. A palavra baleias comumente prestados ( Cetos vel CETE ) pode, na minha opinião não ser indevidamente traduzido thynnus ou atum , como correspondendo com a palavra hebraica thaninim. (77)

Quando ele diz que "as águas produziram", (78) , ele passa a elogiar a eficácia da palavra, que as águas ouvir tão prontamente, que, embora sem vida em si mesmos, de repente eles teem com a descendência viva, mas a linguagem da Moisés expressa mais; A saber, que os peixes são inúmeros são produzidos diariamente das águas, porque essa palavra de Deus, pela qual ele uma vez comandou, está continuamente em vigor.

Versículo 22
22. E Deus os abençoou Qual é a força desta benção ele logo declara. Porque Deus, segundo a maneira dos homens, não ora para que sejamos abençoados; Mas, pela íntima revelação de seu propósito, efetua o que os homens procuram por súplica séria. Ele, portanto, abençoa suas criaturas quando lhes ordena que cresçam e cresçam; Isto é, ele infunde neles a fecundidade pela sua palavra. Mas parece inútil para Deus lidar com peixes e répteis. Eu respondo, esse modo de falar não era outro senão o que poderia ser facilmente compreendido. Pois o próprio ensaio ensina que a força da palavra dirigida aos peixes não era transitória, mas, ao contrário, infundida na sua natureza, enraizou-se e produz continuamente frutos.

Versículo 24
24. Que a terra produza Ele desce para o sexto dia, em que os animais foram criados, e então o homem. "Que a terra, diz ele, crie criaturas vivas". Mas de onde tem vida um elemento morto? Portanto, há, neste aspecto, um milagre tão grande como se Deus tivesse começado a criar a partir do nada as coisas que ele ordenou para proceder da terra. E ele não tira o seu material da terra, porque ele precisava dele, mas que ele poderia combinar melhor as partes separadas do mundo com o próprio universo. No entanto, pode ser perguntado, por que Ele não aqui também adicionar a sua bênção? Eu respondo que o que Moisés antes expressou em uma ocasião semelhante também está aqui para ser compreendido, embora ele não o repita palavra por palavra. Eu digo, por outro lado, é suficiente, para efeitos de significar a mesma coisa, (79) que Moisés declara os animais foram criados 'de acordo com as suas espécies:' para esta distribuição trazia consigo algo estável. Pode até mesmo inferir-se que a prole dos animais foi incluída. Pois, para que fim existem espécies distintas, a menos que os indivíduos, por seus vários tipos, possam ser multiplicados? (80)

Gado (81) Alguns dos hebreus, assim, distinguir entre "gado" e "feras da terra", que o gado se alimentar de forragem, mas que os animais da terra são os que comem carne. Mas o Senhor, um pouco depois, atribui ervas a ambos como seu alimento comum; E pode-se observar que, em várias partes da Escritura, essas duas palavras são usadas indiscriminadamente. Na verdade, eu não tenho dúvida de que Moisés, depois que ele havia chamado Behemoth , (gado) acrescentou outro, por uma questão de explicação mais completa. Por "répteis, ' (82) neste lugar, compreender aqueles que são de natureza terrena.(comentário Calvino , de Genesis).



Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.