sábado, 24 de dezembro de 2016

Subsidio jovens origem da igreja n.1 2017

         


                       Mateus 16.16-18; Atos 4.11,12.

                                            Professor Mauricio Berwald

Mateus 16
16 — E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.
17 — E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus.
18 — Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.Atos 4
11 — Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina.
12 — E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens pelo qual devamos ser salvos.

Em agosto de 1911 foi realizada a primeira aula de Escola Dominical. As primeiras revistas, chamadas de Estudos Dominicais e comentadas por Samuel Nyströn, foram publicadas no jornal Boa Semente, na década de 20. Em 1930, foi lançada a revista Lições Bíblicas. No ano de 2007, a CPAD, sempre na vanguarda, publica o Novo Currículo da Escola Dominical.
O design moderno, a interatividade entre as seções da lição e o professor, os novos blocos didáticos e devocionais, fazem da LBM a melhor revista de estudos dominicais para professores de jovens e adultos. A nova LBM é o presente da CPAD para todos os mestres que têm ministrado incansavelmente a Palavra de Deus ao Corpo de Cristo. Feliz 2007, professor!


ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, a igreja é um organismo espiritual vívido! As Sagradas Escrituras empregam diversos símbolos com o intuito de descrever a natureza, caráter e missão da Igreja. Como já é de seu conhecimento, um símbolo é uma figura literária que apresenta uma verdade moral ou religiosa por meio da correspondência entre a figura e o conceito por ela representada. Nesta lição, de acordo com o Novo Testamento, elabore uma tabela com as principais analogias bíblicas concernentes à Igreja.

introdução

Palavra Chave Missão: Refere-se à função, autoridade e poder concedidos por Cristo à Igreja para cumprimento da obra de Jesus no mundo. Igreja


I. História pré-cristã do termo

II. Sua Adoção por Jesus

III. Seu uso no Novo Testamento

1. Nos Evangelhos

2. Em Atos

3. Nas Epístolas Paulinas

IV. As Notas da Igreja

1. Fé

2. Associação

3. Unidade

4. Consagração

5. Potência

V. Organização da Igreja

1. O Ministério Geral e Profético

2. O Ministério Local e Prático


A palavra "igreja", que é derivado de κυριακός ,Kuriakós", Ou pertencente ao Senhor", representa nas versões inglesas da Bíblia do Novo Testamento, a palavra grega ἐκκλησία ,Ekklēsıa; Latina, ecclesia . É com a significação desta palavraEkklēsia Como ele nos encontra no Novo Testamento, e com a natureza da sociedade que a palavra é usada para descrever, que o presente artigo está em causa.

I. História pré-cristã do termo

Embora Ekklēsia Logo se tornou uma palavra distintamente cristã, tem sua própria história pré-cristã; E para aqueles, judeus ou gregos, que primeiro ouviram isto aplicado à sociedade cristã viria com sugestões de coisas familiares. Em todo o mundo grego e até ao tempo do Novo Testamento (compare Atos 19:39 ),Ekklēsia Foi a designação da assembléia regular de todo o corpo de cidadãos em uma cidade-estado livre, "chamado" (grego Ek , "Fora", e Kaleın, "Chamar") pelo arauto para a discussão e decisão de negócios públicos. Os tradutores da Septuaginta, mais uma vez, usaram a palavra paraḲāhāl, Que no Velho Testamento denota a "congregação" ou comunidade de Israel, especialmente em seu aspecto religioso como o povo de Deus. Neste sentido do Antigo Testamento, encontramosEkklēsia empregado por Stephen no livro de Atos, onde ele descreve Moisés como "aquele que estava na igreja (a versão, a margem Revised" congregação ") no deserto" ( Atos 7:38 ). A palavra assim entrou na história cristã com associações iguais para o grego eo judeu. Para o grego sugeriria uma sociedade democrática auto-governada; Para o judeu uma sociedade teocrática cujos membros eram os súditos do Rei Celestial. A história pré-cristã da palavra teve uma influência direta sobre seu significado cristão,Ekklēsia do Novo Testamento é uma "democracia teocrática" (Lindsay, Igreja e Ministério nos Primeiros Séculos , 4), a sociedade daqueles que são livres, mas são sempre consciente de que a sua liberdade nasce da obediência ao seu Rei.

II. Sua Adoção por Jesus

De acordo com Mateus 16:18 o nome Ekklēsia Foi primeiramente aplicada à sociedade cristã pelo próprio Jesus, sendo a ocasião a de Sua bênção de Pedro em Cesaréia de Filipe. A autenticidade do enunciado tem sido questionada por alguns críticos, mas em bases que não têm apoio textual e são constituídas por pressuposições arbitrárias quanto à composição do Primeiro Evangelho. É verdade que Jesus até então descreveu a sociedade que Ele veio a considerar como o "reino de Deus" ou o "reino dos céus", uma designação que teve suas raízes no ensino do Antigo Testamento e que as expectativas messiânicas de Israel já haviam tornado familiares . Mas agora, quando ficou claro que ele estava a ser rejeitado pelo povo judeu (compare Mateus 16:21 ), e que Sua sociedade deve seguir em linhas independentes de seu próprio, era natural que ele deve empregar um novo nome para este novo Corpo que Ele estava prestes a criar, e Assim deve dizer a Pedro, com base na confissão crente do apóstolo: "Sobre esta rocha edificarei a minha igreja". A adoção deste nome, no entanto, não implicava qualquer abandono das idéias sugeridas pela concepção do reino. Nesta mesma passagem ( Mateus 16:19 ) "o reino dos céus" é empregado de uma maneira que, se não faz a igreja duas expressões e reino perfeitamente sinônimo, pelo menos, obriga-nos a considerá-los como estreitamente correlato e tão capaz De tradução em termos uns dos outros. E o desuso comparativo dos escritores apostólicos do nome "reino", juntamente com sua ênfase na igreja, longe de mostrar que os discípulos de Cristo haviam falhado em entender Sua doutrina do reino e substituíram a noção mais formal de A igreja, mostra apenas que eles tinham seguido a orientação de seu Mestre em substituir um nome e uma concepção que eram peculiarmente judeus, outro nome cujas associações lhes permitiriam elogiar sua mensagem mais prontamente ao mundo em geral.

III. Seu uso no Novo Testamento

1. Nos Evangelhos

Para além da passagem acima referida, a palavra Ekklēsia ocorre nos Evangelhos em apenas uma outra ocasião ( Mateus 18:17 ). Aqui, além disso, pode-se questionar se Nosso Senhor está se referindo à igreja cristã, ou às congregações judaicas vulgarmente conhecidas como sinagogas (veja a Versão Revisada, margem). Esta última visão está mais de acordo com a situação, mas a promessa imediatamente dada aos discípulos de um poder de ligar e desligar ( Mateus 18:18 ) e a garantia de "Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles" ( Mateus 18:20 ) estão evidentemente significou para O povo de Cristo. Se, como éEkklesia de Mateus 18:17 é a Christian Ekklesia De que Cristo já havia falado a Pedro, as palavras mostram que Ele concebeu a igreja como uma sociedade possuindo poderes de autogoverno, em que as questões de disciplina deveriam ser decididas pelo julgamento coletivo dos membros.

2. Em Atos

Em Atos a Ekklēsia Tornou-se a designação regular para a sociedade dos crentes cristãos, mas é empregada em dois sentidos distintos. Pela primeira vez em um local de sentido, para designar o corpo de cristãos em um lugar ou distrito particular, como em Jerusalém ( Atos 5:11 ; Atos 8: 1 ), em Antioquia ( Atos 13: 1 ; Atos 15:22 ), em Cesaréia ( Atos 18:22 ) - um uso que reaparece no Apocalipse nas cartas às sete igrejas. Em seguida, em um mais amplo e que pode ser chamado um sentido universal, para denotar a soma total das igrejas locais existentes ( Atos 09:31 Versão Revisada (britânico e americano)), que são, portanto, consideradas como formando um corpo.

3. Nas Epístolas Paulinas

Nas Epístolas Paulinas ambos os usos são freqüentes. Assim, o apóstolo escreve de "a igreja dos tessalonicenses" ( 1 Tessalonicenses 1: 1 ), "a igreja de Deus que está em Corinto" ( 1 Coríntios 1: 2 ; 2 Coríntios 1: 1 ). Na verdade, ele localiza e particulariza a palavra ainda mais longe, aplicando-o a uma única família cristã ou para pequenos grupos de crentes que estavam acostumados a reunir em casas particulares para adoração e comunhão ( Romanos 16: 5 ; 1 Coríntios 16:19 ; Colossenses 4: 15 ; Filipenses 1: 2 ) - um emprego da palavra que lembra o ditado de Jesus em Mateus 18:20 . O universal uso, mais uma vez, pode ser ilustrado pelo contraste que ele traça entre judeus e gregos, por um lado e a igreja de Deus, por outro ( 1 Coríntios 10:32 ), e pela declaração de que Deus colocou nos apóstolos da igreja , profetas e mestres ( 1 Coríntios 12:28 ).

Mas Paulo em suas epístolas posteriores tem outro uso de Ekklēsia peculiar a si próprio, que pode ser descrito como o ideal utilização. A igreja, agora, é o corpo do qual Cristo é a cabeça ( Efésios 1:22 f; Colossenses 1:18 , Colossenses 1:24 ). É o meio pelo qual multiforme sabedoria de Deus e propósito eterno devem ser dadas a conhecer não só a todos os homens, mas para os principados e potestades nos lugares celestiais ( Efésios 3: 9-11 ). É a noiva de quem Ele é o Noivo celestial, a noiva pela qual se entregou em Seu amor, para purificá-la e santificá-la e poder apresentar-Lhe uma igreja gloriosa, uma igreja sem defeito, sem mancha ou ruga, nem qualquer coisa semelhante ( Efésios 5:25 ). Esta igreja claramente não é a igreja real como a conhecemos na terra, com suas divisões, suas manchas, suas falhas na fé e amor e obediência. É a igreja sagrada e católica que deve ser quando o Noivo tiver completado o processo de lustração, tendo totalmente "purificado pela lavagem da água com a palavra". É o ideal que a igreja real deve manter diante dela e esforçar-se depois, o ideal até o qual finalmente será guiado por aquele poder divino no trabalho que é capaz de conformar o corpo à cabeça, para fazer a noiva digna de o noivo, para que Deus possa receber na igreja a glória que é Sua ( Efésios 3:21 ).

IV. As Notas da Igreja

1. Fé

Embora uma doutrina sistemática da igreja não seja encontrada nem seja procurada no Novo Testamento, certas notas características ou características da sociedade cristã são trazidas à nossa frente a partir das quais podemos formar alguma concepção quanto à sua natureza. A nota fundamental é a fé . Foi a Pedro confessar sua fé em Cristo que a promessa veio, "Sobre esta pedra edificarei a minha igreja" ( Mateus 16:18 ). Até que Jesus encontrou um homem cheio de fé, Ele não poderia começar a construir Sua igreja; E a menos que Pedro tivesse sido o protótipo de outros cuja fé fosse como a sua própria, as paredes da igreja nunca teriam subido ao ar. Principalmente a igreja é uma sociedade não de pensadores ou trabalhadores ou mesmo de adoradores, mas de crentes. Assim, descobrimos que "crentes" ou "eles acreditaram que" é usado constantemente como um sinônimo para os membros da sociedade cristã (por exemplo, Atos 02:44 ; Atos 04:32 ; Atos 05:14 ; 1 Timóteo 4:12 ) . Daí, também, o rito do batismo, que desde o primeiro era a condição da entrada na Igreja apostólica e o selo da associação na mesma, foi reconhecido como o mais proeminente sacramento da fé e da confissão ( Atos 2:41 ; Atos 8: 12 , Atos 08:36 ; Romanos 6: 4 ; 1 Coríntios 12:13 ). Essa fé fundadora e edificadora da igreja, da qual o batismo era o selo, era muito mais do que um ato de assentimento intelectual. Era um porão colocação pessoal do Salvador pessoal, o vínculo de uma união vital entre Cristo eo crente que resultou em nada menos do que uma nova criação ( Romanos 6: 4 ; Romanos 8: 1 , Romanos 8: 2 ; 2 Coríntios 5 : 17 ).

2. Associação

Se a fé em Cristo é a nota fundamental da sociedade cristã, o próximo é a comunhão entre os membros. Isso decorre da própria natureza da fé como acabamos de descrever; Pois se cada crente está unido vitalmente a Cristo, todos os crentes devem estar em uma relação viva uns com os outros. Na figura favorita de Paulo, os cristãos são membros uns dos outros, porque eles são membros em particular do corpo de Cristo ( Romanos 12: 5 ; 1 Coríntios 12:27 ). O fato de que a sociedade cristã foi reconhecida desde o início como uma comunhão aparece do nome "os irmãos", que é tão comumente aplicado aos que pertencem a ela. Em Atos o nome é de ocorrência muito frequente ( Atos 09:30 , etc.), e é empregado por Paulo nas epístolas de cada período de sua carreira ( 1 Tessalonicenses 4:10 , etc.). Testemunho semelhante reside no fato de que "aKoinōnia"(Versões em inglês" comunhão ") toma o seu lugar nas primeiras reuniões do lado da igreja a lado com o ensinamento dos apóstolos e na fração do pão e nas orações ( Atos 2:42 ). VejaCOMUNHÃO. oKoinōnia em primeiro lugar levou com ele uma comunidade de bens ( Atos 02:44 ; Atos 04:32 ), mas depois encontrou expressão na comunhão do ministério ( 2 Coríntios 8: 4 ) e, em tais atos de caridade cristã como são inspirados pela fé cristã ( Hebreus 13:16 ). Na Ceia do Senhor, o outro sacramento da igreja primitiva, a comunhão dos cristãos recebeu sua expressão mais marcante e mais sagrada. Pois, se o batismo era especialmente o sacramento da fé, a Ceia era distintamente o sacramento do amor e da comunhão - uma comunhão ou participação comum na morte de Cristo e seus frutos que levavam consigo uma comunhão de corações e espíritos entre os participantes.

3. Unidade

Embora congregações locais surgiram onde quer que o evangelho foi pregado, e cada um deles gostava de uma vida independente própria, a unidade da igreja foi claramente reconhecido a partir do primeiro. A relação sexual entre Jerusalém e Antioquia ( Atos 11:22 ; Atos 15: 2 ), a conferência realizada na antiga cidade ( Atos 15: 6 ), a mão direita de companheirismo dada pelos apóstolos mais velhos a Paulo e Barnabé ( Gálatas 2: 9 ), os incansáveis esforços feitos pelo próprio Paulo para forjar fortes laços de amor e serviço mútuo entre os gentios e judeus cristãos (2 Cor 8) - todas essas coisas servem para mostrar como totalmente percebeu-se que embora houvesse muitas igrejas, houve Mas uma igreja. Esta verdade chega a sua completa expressão nas epístolas da prisão de Paulo, com a visão da igreja como um corpo do qual Cristo é a cabeça, um corpo animado por um espírito, e tendo um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos ( Efésios 4: 4 ; Colossenses 1:18 ; Colossenses 3:11 ). E esta unidade, deve ser notada, é concebida como uma unidade visível. O próprio Jesus, evidentemente, concebeu assim quando Ele orou por seus discípulos que todos eles possam ser um, para que o mundo creia ( Jo 17,21 ). E a unidade de que Paulo escreve e para a qual ele se esforçou é uma unidade que encontra expressão visível. Não, é verdade, em qualquer uniformidade da política externa, mas através da manifestação de uma fé comum em atos de amor mútuo ( Efésios 4: 3 , Efésios 4:13 ; 2 Coríntios 9: 1-15 ).

4. Consagração

Outra nota dominante da igreja do Novo Testamento estava na consagração de seus membros. "Saints" é uma das designações mais freqüentemente recorrentes para eles que encontramos. Assim empregada, a palavra tem, em primeiro lugar, um significado objetivo; A santidade da sociedade cristã consistia em sua separação do mundo pela graça eletiva de Deus; A este respeito, sucedeu às prerrogativas de Israel sob a antiga aliança. Os membros da igreja, como Pedro disse, são "uma raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus" ( 1 Pedro 2: 9 ). Mas ao lado deste sentido de consagração exterior e sacerdotal, a chama "santos" trazia dentro dela o pensamento de uma santidade ética - uma santidade que consiste não apenas num estado determinado pela relação com Cristo, mas de uma forma real e prática Santidade, uma consagração a Deus que encontra expressão em caráter e conduta. Sem dúvida, os membros da igreja são chamados santos, mesmo quando as evidências vivas de santidade faltam. Escrevendo à igreja de Corinto em que ele encontrou tanto a culpa, Paulo se dirige seus membros por este título ( 1 Coríntios 1: 2 ; compare 1 Coríntios 6:11 ). Mas ele o faz por outras razões que não as formais - não apenas porque a consagração a Deus é a sua vocação externa e status como crentes; Mas também porque ele está certo de que uma obra de santificação real está acontecendo, e deve continuar a continuar, em seus corpos e seus espíritos que são Seus. Para aqueles que estão em Cristo é uma nova criação ( 2 Coríntios 5:17 ), e aqueles a quem veio a chamada separação e consagração ( 2 Coríntios 6:17 ) deve purificar-se de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus ( 2 Coríntios 7: 1 ). Paulo olha para os membros da igreja, assim como ele olha para a própria igreja, com um olhar profético; Ele os vê não como eles são, mas como eles devem ser. E na sua visão é "pela lavagem da água com a palavra", ou seja, pela progressiva santificação de seus membros, que a própria igreja deve ser santificada e purificada, até que Cristo possa apresentá-la a si mesmo uma igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante ( Efésios 5:26 , Efésios 5:27 ).

5. Potência

No entanto, uma outra nota da igreja era espiritual poder . Quando o nomeEkklēsia foi dado por Jesus para a sociedade Ele veio a fundar, Sua promessa de Peter incluiu a concessão do dom de poder ( Mateus 16:18 , Mateus 16:19 ). O apóstolo foi para receber o "poder das chaves", ou seja, ele foi para exercer o privilégio de abrir as portas do reino dos céus para os judeus ( Atos 2:41 ) e para os gentios ( Atos 10: 34-38 ; Atos 15: 7 ). Ele ainda teria o poder de amarrar e perder, ou seja, de proibir e permitir; Em outras palavras, ele deveria possuir as funções de um legislador dentro da esfera espiritual da igreja. Os poderes legislativos, em seguida, concedeu a Pedro pessoalmente, como a recompensa de sua confissão acreditando foram posteriormente conferido sobre os discípulos em geral ( Mateus 18:18 ; comparar Mateus 18: 1 e também Mateus 18:19 , Mateus 18:20 ), e na conferência em Jerusalém foram exercidas pela igreja como um todo ( Atos 15: 4 , Atos 15:22 ). O poder de abrir as portas do reino dos céus foi expandido para a grande comissão missionário: "Ide, pois, e fazei discípulos de todas as nações" ( Mateus 28:19 ) - uma comissão que foi entendido pela igreja apostólica de ser dirigida não apenas aos onze apóstolos, mas para todos os seguidores de Cristo, sem distinção ( Atos 8: 4 , etc.). Para a sociedade cristã, assim, pertencia o duplo poder de legislar para seus próprios membros e de abrir o reino dos céus a todos os crentes. Mas essas duplas funções de ensino e de governo foram claramente reconhecidas como dons delegados. A igreja ensinou as nações porque Cristo a tinha ordenado ir e fazê-lo. Ela estabeleceu leis para seus próprios membros, porque Ele tinha conferido a sua autoridade para amarrar e soltar. Mas em cada exercício de sua autoridade ela confiou em Aquele de quem a derivou. Ela acreditava que Cristo estava com ela para sempre, até o fim do mundo ( Mateus 28:20 ), e que o poder com o qual ela estava dotado foi o poder do alto ( Lucas 24:49 ).

V. Organização da Igreja

Parece evidente no Novo Testamento que Jesus não deu a Seus discípulos nenhuma prescrição formal para a organização da igreja. Nos primeiros dias depois do Pentecostes, eles não pensavam em se separar da vida religiosa de Israel e não perceberiam a necessidade de qualquer organização distinta. O templo culto ainda era respeitado ( Atos 2:46 ; Atos 3: 1 ), apesar de ter sido completado pelo ensino apostólico, pela oração e comunhão, e no partir do pão ( Atos 2:42 , Atos 2:46 ) . Organização era uma coisa do crescimento gradual sugerido por necessidades emergentes e a diferenciação de funções entre os que foram atraídos para o serviço da igreja deveu-se à diferença entre os dons concedidos por Deus sobre os membros da igreja ( 1 Coríntios 12:28 ) . No início, o Twelve-se, como os companheiros imediatos de Jesus todo o seu ministério e as testemunhas principais dos fatos cristãos e, especialmente, da ressurreição (compare Atos 1:21 , Atos 01:22 ), eram os líderes naturais e professores da comunidade . Para além disto, as primeiras evidências de qualquer coisa como organização é encontrada na distinção feita pela Twelve-se entre o ministério da Palavra e do ministério de mesas ( Atos 6: 2 , Atos 6: 4 ) - uma distinção que foi integralmente reconhecido por Paulo ( Romanos 12: 6 , Romanos 12: 8 ; 1 Coríntios 1:17 ; 1 Coríntios 9:14 ; 1 Coríntios 12:28 ), embora ele ampliou o último tipo de ministério de modo a incluir muito mais do que os cuidados de Os pobres. Os dois tipos de ministério, como eles nos encontram no primeiro, podem ser amplamente distinguidos como o geral e profético, por um lado, o local e prático do outro.

1. O Ministério Geral e Profético

De Atos 6: 1 , vemos que os Doze reconheceram que foram divinamente chamados como apóstolos para proclamar o evangelho; e Paul repetidamente faz a mesma afirmação para si mesmo ( 1 Coríntios 1:17 ; 1 Coríntios 9:16 ; 2 Coríntios 3: 6 ; 2 Coríntios 4: 1 ; Colossenses 1:23 ). Mas navio apóstolo era de modo algum confinada aos Doze ( Atos 14:14 ; Romanos 16: 7 ; comparar Didaqué 11 4ff); e um ministério itinerante da palavra foi exercida em diferentes maneiras pelos profetas, evangelistas e professores, bem como pelos apóstolos ( 1 Coríntios 0:28 , 1 Coríntios 12:29 ; Efésios 4.11 ). O fato de que o próprio Paulo é descrito como um apóstolo, um profeta, um professor ( Atos 13: 1 ; Atos 14:14 ; 1 Timóteo 2: 7 ; 2 Timóteo 1:11 ) parece mostrar que o ministério profético não um era Ministério de escritório declarado, mas um de dons especiais e funções. O apóstolo levou as boas novas de salvação para o ignorante e descrente ( Gálatas 2: 7 , Gálatas 2: 8 ), o profeta (no sentido mais específico da palavra) era um mensageiro à igreja ( 1 Coríntios 14: 4 , 1 Coríntios 14:22 ); e enquanto o professor explicou e verdade que já estava possuído (aplicado Hebreus 05:12 ), o profeta foi reconhecido por aqueles que tinham discernimento espiritual ( 1 Coríntios 02:15 ; 1 Coríntios 14:29 ; 1 João 4: 1 ) como o meio divinamente empregada de revelações frescas ( 1 Coríntios 14:25 , 1 Coríntios 14:30 , 1 Coríntios 14:31 ; Efésios 3: 5 ; comparar Didaqué 4 1).

2. O Ministério Local e Prático

Os primeiros exemplos disso são o Sete de Jerusalém que foram confiados aos cuidados do "ministério diário" ( Atos 6: 1 ). Com o crescimento da igreja, no entanto, surgiram outras necessidades, e o ministério local é visto se desenvolvendo em duas direções distintas. Primeiro, há o presbítero ou ancião, também conhecido como o bispo ou superintendente, cujas funções, enquanto ainda local, são sobretudo de uma forma espiritual ( Atos 20:17 , Atos 20:28 , Atos 20:35 ; 1 Timóteo 3: 2 , 1 Timothy 3: 5 ; Tiago 5:14 ; 1 Pedro 5: 2 ). Veja BISPO . Em seguida, há o diácono e a diaconisa ( Filipenses 1: 1 ; 1 Timóteo 3: 8-13 ), cuja obra parece ter permanecido em grande parte na casa em casa visitação e um ministério prático para os pobres e necessitados ( 1 Timóteo 5: 8 -11 ). As necessidades do governo, da disciplina e da instrução regular e instruída tinham assim levado a cabo que dentro de tempos do Novo Testamento algumas das funções do ministério geral de apóstolos e profetas foram descarregadas por um ministério local. O ministério geral, no entanto, ainda era reconhecido como o mais alto dos dois. Paul aborda o presbítero-bispos de Éfeso em tom de autoridade espiritual elevada ( Atos 20:17 : ff). E de acordo com a Didaqué , um verdadeiro profeta quando ele visita uma igreja deve ter precedência sobre os bispos residentes e diáconos ( Didaqué 10 7; 13 3).

As lições deste trimestre têm por objetivo estudar a doutrina da Igreja sob o aspecto prático, ou seja, a Igreja no cumprimento da sua missão na Terra. Apesar de abordarmos alguns aspectos teológicos fundamentais, nosso enfoque estará no desenvolvimento da missão da Igreja no mundo.
Como podemos depreender do texto bíblico base da lição, a Igreja não é apenas uma organização, mas um organismo vivo e divino que tem como encargo precípuo a salvação dos pecadores e a congregação dos salvos a caminho da glória.
A Igreja não é obra humana (Mt 16.18), mas criação especial de Deus mediante Cristo, seu Filho Amado.
Jesus, como cabeça da Igreja (Ef 1.22,23), amou-a e se entregou por ela (Gl 2.20).

I. O QUE É A IGREJA

1. Definição. A palavra “igreja”, no grego, ekklēsia, significa “chamados para fora”. Originalmente, os cidadãos de uma cidade eram chamados mediante o toque de uma trombeta, que os convocava para se reunirem como assembléia em determinado local, a fim de tratarem de assuntos comunitários. Da mesma forma, a Igreja é um grupo de pessoas chamadas para fora do mundo, para formar um povo seleto, especial, pertencer a Deus e servi-lo (1Pe 2.9,10; 1Ts 1.9).
2. A visão cristológica da igreja. Certa ocasião, Jesus interrogou os seus discípulos acerca do que as pessoas pensavam a respeito dEle. Após ouvir suas várias respostas, o Mestre lhes fez uma derradeira pergunta: “E vós, quem dizeis que eu sou?” (Mt 16.15). Pedro, inspirado pelo Espírito Santo, respondeu-lhe imediatamente: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (v.16). A partir desta resposta, Jesus fez uma enfática declaração revelando aos seus discípulos a edificação, a jornada e o futuro da sua Igreja na Terra. O Senhor afirmou a Pedro: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16.18).
Quando o Mestre enunciou: “edificarei a minha igreja”, identificou-se como seu Arquiteto, cuja edificação estender-se-ia até “à consumação dos séculos” (Mt 28.20). O fundamento sobre o qual Ele edifica a Igreja está indicado nas palavras do texto: “sobre esta pedra”. A pedra não se refere a Pedro e, sim, à verdade que este acabara de afirmar: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (v.16). Jesus não disse: “sobre ti edificarei a minha igreja”, mas declarou que sobre a confissão revelada pelo Espírito Santo a Pedro, a igreja seria edificada.
O próprio Pedro afirma que Jesus é a Pedra sobre a qual a Igreja é edificada — “pedra angular, eleita e preciosa” (1Pe 2.5; At 4.11). A referência a Cristo como a “pedra angular” (1Pe 2.5 — ARA), figura um edifício construído com pedras espirituais, isto é, vidas regeneradas ao longo da existência da Igreja na Terra (1Co 3.9; Ef 2.22).A Igreja, o conjunto de todos os salvos em Cristo, foi edificada por Jesus para anunciar a salvação em Cristo e triunfar sobre o pecado, a injustiça e o mal.



II. AS DIMENSÕES DA IGREJA NA TERRA

1. Universal. A Igreja universal é o conjunto de todos os salvos em Cristo. É citada no Novo Testamento no singular — “igreja” — nos textos de At 20.28; 1Co 12.28; Ef 1.22; 5.27; 1Tm 3.15; Hb 12.23. No plano eterno de Deus, a Igreja universal foi arquitetada por Ele antes da fundação do mundo (Ef 1.4,9,10), e, tem um caráter geral porque inclui todos os cristãos remidos por Cristo, dentre todos os povos.
2. Local. A palavra igreja, em sentido literal, abrange o conceito de “congregar” e “reunir”, pois se trata da reunião dos fiéis em um local específico. A Bíblia emprega o plural “igrejas”, a fim de referir-se às igrejas locais (At 9.31; 16.5; Rm 16.4; 16.19; 2Co 8.1; Gl 1.2). No entanto, quando o termo está no singular, cita-se a região na qual a igreja local encontra-se (At 14.23; Rm 16.1; 1Co 1.2; 4.17; 1Ts 1.1).
A perspectiva local da igreja fortalece o fato de que o trato e relacionamento de Deus com ela não é só universal, mas local, congregacional e direto.A Igreja universal, o Corpo místico de Cristo, é invisível e constituída por todos os saí-vos em Cristo. A igreja local é visível e composta por todos os crentes regionais que se reúnem visivelmente.



III. A ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DA IGREJA

1. A organização administrativa da igreja. A Igreja é tanto um organismo espiritual quanto uma organização que necessita do trabalho de pessoas nos vários órgãos funcionais da igreja local. Organização funcional da igreja refere-se à administração dos recursos materiais e humanos de que ela dispõe, para que não haja interrupções no seu crescimento quantitativo e qualitativo.
2. A organização ministerial da igreja. Esta forma de organização diz respeito ao governo da igreja local através de homens vocacionados e capacitados por Deus para o exercício do santo ministério eclesiástico.
Ao longo da trajetória da igreja, temos várias formas de governo eclesiástico: local, distrital, regional e nacional. Por meio do Novo Testamento, verificamos que a autoridade administrativa e espiritual da igreja local é competência do pastor. Todos os demais cargos e funções submetem-se à autoridade pastoral.
Na igreja também há cargos de caráter espiritual, conforme expõe a Escritura em Ef 4.11: apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres.
3. A organização espiritual da igreja. Essa organização refere-se, essencialmente, à sua liturgia. Trata-se da ministração do culto, da adoração coletiva, das ordenanças deixadas por Jesus, como a Ceia do Senhor e o batismo em águas (Mt 28.19,20; Lc 22.16-20). Mesmo que não haja uma forma prescrita e específica de liturgia dos cultos, devemos primar em manter os princípios ensinados por Jesus, no sentido de promover a comunhão com Deus e com os irmãos. Na realização do culto, deve-se evitar tanto o formalismo que engessa a liberdade da adoração a Deus em “espírito e em verdade” (Jo 4.23,24), quanto à espontaneidade individual sem limites, que vulgariza e profana o “culto racional” que devemos prestar continuamente a Deus (Rm 12.1; Sl 95.1-6).A igreja é tanto um organismo espiritual vívido como uma organização administrativa. A organização funcional da igreja é formada pelos líderes locais e por meio dos recursos espirituais, materiais e humanos.




Nesta lição, estudamos as características fundamentais da doutrina da Igreja, a fim de compreendermos suas dimensões terrena e celeste. Você faz parte da Igreja no seu âmbito universal? Está integrado e exerce o ministério que Jesus lhe confiou na igreja local? Trabalhemos enquanto é dia!

“Tipos da Igreja
A Igreja de Cristo é apresentada de diferentes formas pelos escritores sagrados, mostrando-lhe a natureza, a missão e os recursos com os quais foi dotada pelo Senhor.
1. Virgem imaculada. Tendo em vista a sua pureza e candura, provenientes do sangue vertido por Cristo, o apóstolo Paulo denomina-a uma virgem imaculada (2Co 11.2).
2. Esposa do Cordeiro. A igreja é assim conhecida, em virtude da aliança que o Senhor Jesus com ela estabeleceu por intermédio do sangue do Novo Testamento (Ap 21.9).
3. Corpo de Cristo. Sendo o Filho de Deus a sua cabeça, a igreja é conhecida como o Corpo de Cristo, pois dEle recebe toda orientação e governo (1Co 12.27).
4. Edifício. Edificada por Deus através de Jesus, tem ela como fundamento a doutrina dos apóstolos e dos profetas (1Co 3.9).
5. Nação santa. Separada do mundo e consagrada para o serviço de Deus, a Igreja é assim vista pelo apóstolo Pedro (1Pe 2.9).
6. Castiçal. Luz do mundo, tem a Igreja como missão acabar com as trevas espirituais e morais deste mundo (Ap 1.20).
7. Israel de Deus. Já que Abraão é o nosso Pai na Fé, somos hoje o Israel de Deus. Afinal, a parede que nos separava da comunidade espiritual dos hebreus foi derribada (Gl 6.16).
8. Universal assembléia. Refere-se o apóstolo à Igreja de Cristo como universal e invisível (Hb 12.22).
9. Família de Deus. Sendo os crentes filhos de Deus por adoção, reunimo-nos, todos os que aceitaram a Cristo, como a família de Deus (Ef 2.17-22)”.(ANDRADE, C. Verdades centrais da fé cristã. RJ: CPAD, 2006, p.209-10.)A Igreja não é constituída por cimentos, tijolos e ferros, mas por aqueles que experimentaram o novo nascimento e amam a Jesus de todo o coração.
O valor da Igreja não é resultado de sua arquitetura, de suas obras sociais ou da quantidade de filiais que possui, mas do precioso sangue de Cristo. Embora classificada em universal e local, a Igreja de Cristo é apenas uma. É um só corpo constituído por membros de todas as nações, raças e línguas. A verdadeira Igreja de Cristo é indivisível - pois não há duas Igrejas de Cristo -; militante, porque é composta por todos os salvos vivos; triunfante, visto ser caracterizada por aqueles que já se encontram na glória com o Senhor.
Essas verdades são bálsamos para a vida de cada cristão, pois veremos na glória àqueles que, triunfantes, partiram para estar para sempre com o Senhor. Enquanto não alcançamos essa gloriosa promessa, nós, os crentes militantes em Cristo, seguimos a nossa marcha triunfal até o maravilhoso encontro com o Senhor da Igreja. Exaltemos, pois, a Jesus que nos resgatou e constituiu-nos seu corpo místico!

COMENTARIO BIBLICO
Versículo 16

E Simão Pedro, respondendo, disse , .... Ou por sua própria vontade, e para si mesmo, ser um homem caloroso, zeloso, e para a frente; Um que amava muito a Cristo, realmente acreditava nele, e estava pronto para confessá-lo; Ou, como a boca do resto, em seu nome, e com seu consentimento; Ou, pelo menos, tão bem conhecendo os sentimentos de suas mentes. Tu és Cristo, o Filho do Deus vivo: uma confissão breve, mas muito cheia de fé, contendo os seguintes artigos: como que há um Deus, que há um só Deus; Que ele é o Deus vivo, tem a vida em si mesmo, é a fonte da vida para os outros, e por isso se distingue dos ídolos dos gentios: que Jesus é o Cristo, o Cristo de Deus, o verdadeiro Messias, que foi prometido Por Deus, profetizado por todos os profetas, desde o princípio do mundo, e esperado pelo povo de Deus: um caráter que inclui todos os seus ofícios de profeta, sacerdote e rei, aos quais é ungido por Deus; E que este Messias não era um mero homem, mas uma pessoa divina, o Filho de Deus; Não por criação, como anjos e homens, nem por adoção, como santos, nem por ofício, como magistrados, mas por natureza, sendo seu próprio Filho, seu próprio Filho, o unigênito do Pai, da mesma natureza com ele , Sendo um com ele, e igual a ele. Esta confissão, como é uniforme, e toda de um pedaço, e consistente consigo mesmo, e é o que todos os discípulos de Cristo concordaram em, por isso é muito superior ao mais que pode ser feito dos diferentes sentimentos do povo juntos. Eles o tomaram, um e todos, para ser apenas um homem; Seus mais exaltados pensamentos sobre ele não se elevaram; mas nisto ele é reconhecido como o Filho de Deus, uma frase expressiva de sua natureza divina e personalidade distinta: eles pensavam que ele era um homem morto trazido à vida; Mas aqui ele é chamado o Filho do Deus vivo, como tendo a mesma vida nele que o Pai tem: eles realmente o julgaram como um profeta, mas não aquele profeta que estava para vir, superior a todos os profetas; Mas aqui ele é possuído por ser o Cristo, que não só leva em seu ofício profético em um sentido mais elevado do que eles entendiam, mas todos os seus outros ofícios, e declara que ele é o Messias prometido; Que os que pensavam, e falou o mais honrosamente dele, não podia permitir.

Versículo 17
E Jesus, respondendo, disse-lhe , .... Sem esperar por qualquer outra declaração a partir deles; Mas tendo isso para ser o sentido de todos eles, disse ele,

bendita és tu Simon Bar Jona , ou filho de Jonas, ou Jonas, como em João 1:42 . O nome de seu pai era Jonas, de onde ele era assim chamado: então lemosF9 De R. Bo bar Jonah, e de um Rabino deste mesmo nomeF11, Ø שמעון בר יונא , bar rabino Simeon Jona; Porque Simão e Simeão são um, e o mesmo nome. Alguns o leram Bar Joanna, o mesmo com John; Mas a leitura comum é melhor; Bar Jona significa "o filho de uma pomba", e Bar Joanna significa "o filho de um que é gracioso". Nosso Senhor, por esta denominação, coloca Pedro em mente de seu nascimento e parentesco, mas não o pronuncia abençoado por isso: nenhuma verdadeira bem-aventurança vem por descendência natural; Os homens são, por natureza, filhos da ira, sendo concebidos no pecado, e formados em iniqüidade; embora ele fosse Bar Jona, filho de uma pomba, e seu pai pudesse ser um homem bom, e responder ao seu nome, e ser de uma pomba Como espírito; Contudo, tal espírito não era transmitido dele a Pedro por geração natural; e embora ele pudesse ser, de acordo com a outra leitura, Bar Joana, ou filho de um homem gracioso, contudo a graça não lhe era comunicada assim; para ele não era "nascido do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus", João 1:13 . Ele era um homem abençoado, não pelo seu primeiro, mas pelo seu segundo nascimento; E o motivo pelo qual nosso Senhor faz menção de seu pai, é observar-lhe que ele era o filho de um homem malvado, e tinha tido, mas uma educação média, e, portanto, sua bem-aventurança em geral não era da natureza, mas de Graça, e este ramo em particular; O conhecimento que ele tinha do Messias, não era devido a seu pai terrena, ou a vantagem de uma educação, mas à revelação que ele tinha do Pai de Cristo que está no céu, como é afirmado mais adiante. Ele é pronunciado "abençoado", como tendo um verdadeiro conhecimento de Deus, e de seu Filho Jesus Cristo, a quem conhecer é a vida eterna; E todos como ele são assim, parecem ser os favoritos de Deus, ter um interesse em Cristo e em todas as bênçãos de sua graça; São justificados pela sua justiça, perdoados pelo seu sangue, são aceitos nele, têm comunhão com o Pai, o Filho e o Espírito, e viverão eternamente com eles no futuro.

A carne eo sangue não revelou a ti : nada é mais frequente para serem cumpridas nos com escritos judaicos, do que a frase de "carne e sangue", como projetar homens na distinção de Deus: assim que o primeiro homem é ditoF12 ser

"a obra do Deus bendito, e não a obra דבשר ודם ," de carne e osso ".

Mais uma vezF13, בשר ודם , "carne e sangue", que não conhece os tempos e as estações, & c. Mas o Deus santo e abençoado, que conhece os tempos e as estações, etc. Instâncias deste modo de falar são quase sem número: em conformidade, o sentido aqui é que esta excelente confissão de fé, que Pedro tinha entregue, não foi revelado a ele, nem ensinado por qualquer homem simples; Ele não a tinha de seus pais imediatos, nem de qualquer de seus parentes, ou conterrâneos; Nem alcançou o conhecimento do que nele se expressa, à força da natureza, pela força da razão carnal, ou pela força de sua própria capacidade e habilidades:

mas o meu Pai que está nos céus ; De quem tanto a revelação externa e interna dessas verdades vêm; Embora não à exclusão do Filho, por cuja revelação o Evangelho é ensinado e recebido; Nem do Espírito Santo, que é um Espírito de sabedoria e revelação, mas em oposição e distinção de qualquer mera criatura. Nem o Evangelho, nem qualquer parte dele, é um dispositivo ou descoberta humana; Não é segundo o homem, nem segundo a razão carnal do homem; Está acima da razão mais exaltada e refinada dos homens; Tem nele o que o olho não viu, nem o ouvido ouviu, nem entrou no coração do homem para conceber: suas verdades são as coisas profundas de Deus, que o Espírito de Deus procura e revela: e que os homens, à esquerda À luz da natureza e da força da razão, deve ter sido para sempre ignorante e nunca poderia ter descoberto. O Evangelho é uma revelação, consiste em verdades reveladas; E que devem ser recebidos e acreditados sobre o testemunho e crédito do revelador, sem entrar em raciocínios carnal e disputas sobre eles; E é a mais alta razão, e o uso mais nobre da razão, abraçá-la imediatamente, como vindo de Deus; Porque esta revelação é do céu e do Pai de Cristo; Particularmente a divindade, filiação e messianidade de Cristo, são doutrinas de revelação pura: que há um Deus, é descoberto pela luz da natureza; E que ele é o Deus vivo, e dá o ser, ea vida, eo fôlego, e todas as coisas, às suas criaturas; Mas que ele tem um Filho da mesma natureza com ele, e igual a ele, que é o Messias, eo Salvador dos pecadores perdidos, isso nunca poderia ter sido descoberto por carne e sangue: ninguém conhece o Filho, Pai, e a quem ele revela; Ele dá testemunho dele, e declara que ele é seu Filho, em quem ele é bem satisfeito, E felizes são aqueles que são abençoados com a revelação exterior de Jesus Cristo no Evangelho, mas mais especialmente aqueles a quem o Pai revela Cristo neles a esperança da glória!

Versículo 18
E eu também te digo , .... Ou além do que ele já tinha dito sobre a sua felicidade; Ou, como o pai havia revelado algo grande e valioso, assim também faria; Ou na medida em que ele tinha livremente dito e declarado quem, e o que ele era, da mesma maneira ele também diria o que Pedro era, tu és Pedro: intimando, que ele foi justamente chamado Pedro, ou Cefas, por ele, quando ele se tornou um seguidor dele, Mateus 04:18 , que as palavras significam a mesma coisa, uma pedra, ou pedra; Por causa de sua firmeza e solidez, e por ter sido posto sobre o firme fundamento, e construído sobre a rocha de Cristo, e era uma pedra muito adequada para ser colocado no edifício espiritual. A aptidão deste nome para ele é fácil de ser vista em sua plena certeza de fé, como a pessoa de Cristo, e sua livre, aberta, e intrépida confissão dele.

E sobre esta pedra edificarei a minha igreja : pela igreja, se entende, não um edifício de madeira, pedras, & c. Mas uma assembléia e congregação de homens; E que não de qualquer espécie; Não uma assembléia desordenada e tumultuosa, em que sentido esta palavra é às vezes tomada; Nem concebe os fiéis de uma família, que às vezes é a importação dela; Nem uma igreja congregada em particular, mas os eleitos de Deus, a assembléia geral ea igreja dos primogênitos, cujos nomes estão escritos no céu; E especialmente aqueles que estavam reunidos e construídos sobre Cristo, dentre os judeus e gentios. Os materiais deste edifício são tais, como são pela natureza não melhor, ou mais aptos para ele, do que outros: estas pedras encontram-se original na mesma pedreira com outro; São escolhidos e separados do resto, segundo a soberana vontade de Deus, pela graça poderosa e eficaz; E são quebrados e cortados pelo Espírito de Deus, em geral, sob o ministério da palavra, e são por ele feitos pedras vivas; E sendo pessoas santas e espirituais, são edificadas uma casa espiritual; e estas são as únicas pessoas que constituem a verdadeira e invisível igreja de Cristo na questão e são apenas aptas para serem membros da igreja visível; E todos esses deveriam estar em estado de igreja evangélica, e participar dos privilégios dele: estes materiais são de tipos diferentes, e têm um lugar diferente, e têm uma utilidade diferente neste edifício; Alguns são apenas como pedras comuns, e madeira; Outros são como pilares, vigas e vigas; E todos são úteis e úteis; E sendo postos e unidos, crescem como um templo santo ao Senhor; e são chamados por Cristo, "minha" igreja, por terem sido dados pelo Pai; E os adquiriu com seu próprio sangue; São construídos por ele, e sobre ele; Habitado por ele, e de quem ele é a cabeça, rei e governador; Embora não à exclusão do Pai, cuja casa eles também são; Nem do Espírito que habita neles, como no seu templo. Esta igreja Cristo promete "construir". Embora seus ministros sejam construtores, eles são apenas construtores; Eles são qualificados, empregados, dirigidos, encorajados e sucedidos por ele; Ele é o sábio, capaz e principal construtor de mestres. Este ato de construção parece ter uma consideração especial para a conversão dos eleitos de Deus, tanto entre os judeus e os gentios, particularmente o último; E às conversões diárias deles em todas as idades; E à edificação de santos na fé e santidade; Cada um dos quais aparecerá mais manifestamente no último dia; E ambos são geralmente efetuados através da palavra, e ordenanças, como meios, o Espírito de Cristo abençoando-os. Pela pedra sobre a qual Cristo edifica a sua igreja, significa, não a pessoa de Pedro; Porque Cristo não diz sobre ti Pedro, mas sobre esta rocha, referindo-se a algo distinto dele; porque, embora o seu nome signifique uma rocha, ou uma pedra, e possa haver alguma alusão a ela; E ele é assim chamado por causa de sua confiança e confiança no Senhor, em quem ele foi construído; mas não porque ele era o alicerce sobre o qual todos os outros, e especialmente toda a igreja, foram construídos: é verdade, ele pode ser chamado de fundação, como o resto dos doze apóstolos do Cordeiro são, Efésios 2:20 , sem qualquer Distinção deles, e preferência a eles; Eles e ele concordando em colocar doutrinariamente e ministerialmente Cristo Jesus como o fundamento da fé e da esperança, mas não no sentido tal como ele é; Nem ele, nem eles, são o fundamento sobre o qual a igreja é construída, que é Cristo, e ele só. Além disso, o que é dito a Pedro nestes, e as seguintes palavras, não é dito a ele pessoalmente e separadamente do resto dos apóstolos, mas é projetado para eles, assim como ele, como parece, comparando-os com Mateus 18: 18 . Como ele falava em nome de todos eles, para Cristo; Assim lhe falou Cristo, incluindo-os a todos. Pedro não tinha preeminência sobre o resto dos apóstolos, que ele nem assumiu, nem foi concedido; Nem teria sido conivido por Cristo, que muitas vezes mostrou seu ressentimento com tal espírito e conduta, sempre que havia qualquer aparência em qualquer um deles; veja Mateus 18: 1 e, apesar de Peter, com Tiago e João, teve alguns favores particulares conferido a ele por Cristo; Como para estar na criação da filha de Jairo, e na transfiguração de Cristo no monte, e com ele no jardim; E apareceu a ele somente depois de sua ressurreição, e antes de ser visto pelo resto dos discípulos; Contudo em algumas coisas era inferior a eles, sendo deixado para negar seu senhor e mestre, eles não fizeram; E em outro relato é chamado Satanás por Cristo, o qual eles nunca foram; Para não mencionar outras enfermidades dele, que mostram que ele não é a rocha: e, afinal, o que é isso para o papa de Roma, que não é sucessor de Pedro? Pedro, como apóstolo, não teve sucessor em seu ofício; Nem era bispo de Roma; Nem o papa de Roma nem o seu ofício, nem a sua doutrina; mas aqui, pela rocha, quer dizer, ou a confissão de fé feita por Pedro; Não o ato, nem a forma, mas a matéria dela, que contém os artigos primitivos do cristianismo, e que são tão imobilizáveis ​​como uma rocha; Ou melhor, Cristo mesmo, que aponta, por assim dizer, com o dedo para si mesmo, e a quem Pedro fizera tão gloriosa confissão; E que era prefigurado pela rocha, os israelitas bebiam água do deserto; E é comparável a toda a rocha para a altura, o abrigo, a força, a firmeza, ea duração; E é o único e único fundamento da sua igreja e do seu povo, e de quem depende inteiramente a sua segurança, salvação e felicidade. Cristo é uma rocha que é mais alta do que eles, onde eles encontram segurança em tempos de angústia, ea sombra deles é refrescante para eles; E por isso se ajuntam a ele como abrigo, e onde estão seguros da ira de Deus, e da raiva dos homens: ele é a rocha dos séculos, em quem há força eterna; E é o fundamento seguro, firme e eterno sobre o qual a igreja e todos os verdadeiros crentes são postos: ele é o fundamento de sua fé, esperança e felicidade eterna, e continuará sempre; E as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Os judeus falam das portas do inferno: às vezes da porta do inferno, no número singularF16; E às vezes das portas do inferno, no número plural. Eles dizemF17, aquele" o inferno tem três portas ", uma no deserto, uma no mar e outra em Jerusalém.

Eles falamF18 do"um anjo que está nomeado על תרעי דגיהנם ," ao longo dos portões do inferno ", cujo nome é Samriel; que tem três chaves em suas mãos, e abre três portas '.

E em outro lugar19 eles disseram aquilo"Aquele que for nomeado para o inferno seu nome é Dumá, e muitas miríades de destruir os anjos estão com ele, e ele está על פתחא דגיהנם ", no portão do inferno ", e todos os que guardam o santo concerto neste mundo, ele Não tem poder para trazê-los.

Nosso Senhor pode aludir a estas noções dos judeus, e seu senso é que todos os principados e potências infernais, com toda a sua astúcia e força unidas, nunca poderão extirpar seu Evangelho, destruir seu interesse, demolir sua igreja Em geral, ou arruinar qualquer alma particular que seja edificada sobre ele. Novamente, as portas do "Hades", ou inferno, às vezes parecem projetar ninguém além das portas da morte, e do túmulo, e as pessoas entrando no estado de morte; veja Jó 38:17 , onde a Septuaginta usa a mesma frase como aqui; E então o sentido é que nem a morte, nem o túmulo, finalmente prevalecerão sobre o povo de Deus e membros de Cristo; Mas eles serão ressuscitados de tal estado, e viverão gloriosamente com ele para sempre. Por aqui não se entende o próprio Pedro; Embora seja verdade para ele, que Satanás e sua multidão de demônios que o assediam, não prevaleceram contra ele, para destruir sua graça, ferir sua herança e impedir sua salvação; nem a morte, em todas as suas aparições terríveis , Impedi-lo de segurar, e pregar, e manter a doutrina de Cristo; E embora a morte eo sepulcro tenham agora poder sobre ele, contudo eles nem sempre o deterão; mas sim, projeta a doutrina de que Pedro fez a confissão; A qual, embora possa ser combatida pelo inferno e pela terra, por Satanás e seus emissários, pela força aberta dos perseguidores e pela fraude secreta dos hereges, pode ser desprezada pelas vidas escandalosas dos professores; E embora os verdadeiros professores dela possam morrer, contudo a verdade em si sempre vive e desafia o poder da morte e do túmulo: ou então a igreja em geral é significada, e todo verdadeiro crente. Estas palavras não determinam a continuidade de qualquer igreja particular congregada, mas assegura a igreja universal, que continuará enquanto o sol ea lua perseverarem ea perseverança de todos os eleitos de Deus; E asseguram que a morte e a sepultura não terão sempre o domínio sobre os santos, mas que serão resgatados deles. Mais uma vez, este "ele" pode se referir a Cristo, a rocha, que, apesar de ter sido levado ao pó da morte, por meio de Satanás, e os poderes das trevas, ainda à ruína daquele que tinha o poder da morte ; E embora a morte eo sepulcro tivessem poder sobre ele por algum tempo, ainda assim não puderam segurá-lo; Ele se levantou vitorioso sobre eles, e vive sempre, tendo as chaves do inferno e da morte, para abrir as suas portas, e deixar o seu povo quando ele pensa que serve.

Versículo 19
E eu te darei as chaves do reino dos céus , .... por reino dos céus se entende o Evangelho, que vem do céu, diz o Rei Messias vir a ser, fala de coisas a respeito de seu reino, é o Meios de o montar, e de ampliá-lo, mostra as riquezas de sua graça, e dá um cliente do reino dos céus, e do direito das pessoas a ele, e do meetness para ele. "As chaves" dele são habilidades para abrir e explicar as verdades do Evangelho, e uma missão e comissão de Cristo para fazer uso delas; e sendo dito para ser dado a Pedro particularmente, denota o seu depois de qualificações, comissão, trabalho e utilidade em abrir a porta da fé, ou pregando o Evangelho primeiro aos judeus, Atos 2: 1 e depois para os gentios, Atos 10: 1 e que foi o primeiro que fez uso das chaves do conhecimento evangélico no que diz respeito a ambos, depois que ele, com o resto dos apóstolos, tinha recebido uma comissão alargada para pregar o Evangelho a todas as nações, começando por Jerusalém. Do contrário, essas chaves pertenciam a todas elas; Pois às mesmas pessoas pertenciam as chaves e o uso delas, a quem se conferia o poder de amarrar e afrouxar; e este último todos os discípulos tinham, como é manifesto Matthew 18:18 assim, esta não serve para estabelecer a primazia e poder de Peter sobre o resto dos apóstolos; Nem as chaves projetam qualquer dominação ou autoridade senhorial; Nem Cristo permitiu tal coisa entre os seus apóstolos; Nem é sua vontade que os ministros de sua palavra devem dominar sobre sua herança: ele só é rei de santos, e cabeça de sua igreja; Ele tem a chave de David, com a qual ele abre, e nenhum homem fecha e fecha, e ninguém abre; E isto ele guarda em sua própria mão, e não dá a ninguém. Pedro não é o porteiro do céu para deixar entrar, nem manter fora, quem ele quiser; Nem tem o seu pretendido sucessor as chaves do inferno e da morte; Estes também estão apenas nas mãos de Cristo: embora tenha sido dito do papa de Roma, que se ele envia milhões de homens para o inferno, ninguém deve dizer a ele, o que você faz? Mas as chaves aqui mencionadas são as chaves do reino dos céus; Ou do Evangelho, encerrado na nação judaica, por ignorância, malícia e calúnias dos escribas e fariseus, que não a abraçariam, nem entrariam no próprio reino de Deus, nem sofreriam outros que iam Entrar nele; E pela retirada da chave do conhecimento, ou a correta interpretação da palavra de Deus; E por meio de uma cegueira judicial, a qual essa nação em geral foi entregue: e isso foi encerrado aos gentios através da escuridão natural que se espalhou sobre eles, e por falta de uma revelação divina, e pessoas enviadas de Deus para instruí-los : Mas agora Cristo estava prestes, e em pouco tempo ele (pois estas palavras, com o que se segue, estão no tempo futuro) dão aos seus apóstolos uma comissão e dons, qualificando-os para abrir o livro selado do Evangelho, e Desvendar os mistérios dele, tanto para judeus e gentios, especialmente o último. As chaves são as insígnias dos tesoureiros e dos mordomos, e tais são os ministros do Evangelho; Eles têm o rico tesouro da palavra sob seu cuidado, colocados em seus vasos de barro para abrir e colocar diante dos outros; E são mordomos dos mistérios e multiforme graça de Deus, e destas coisas têm as chaves. De modo que essas palavras não têm nada a ver com o poder e o governo da igreja em Pedro, nem no papa, nem em qualquer outro homem ou grupo de homens; Nem ser entendido de censuras de igreja, excomunhões, admissões ou exclusões de membros: nem de fato são chaves de tal uso semelhante; Eles servem para trancar e destrancar portas, e assim para manter fora aqueles que estão fora, e retendo aqueles que estão dentro, mas não para a expulsão de qualquer: mas aqui eles são usados ​​em um sentido figurativo, para a abertura e explicar as verdades Do Evangelho, para o qual Pedro tinha excelentes dons e habilidades.

E tudo o que se ligam te na terra, será ligado nos céus, e tudo tu desligares na terra será desligado no céu . Isto também não deve ser entendido de vinculação, ou perder os pecados dos homens, por colocar, ou tirar as censuras e excomunhões; Mas apenas de doutrinas ou declarações do que é lícito e ilícito, livre ou proibido de ser recebido ou praticado; em que sentido as palavras, אסור ומותר , "ligado ou desligado", são usadas nos escritos talmúdicos, vezes sem conta, para o que é proibido e declarou ser ilegal, e por isso que é livre de uso, e pronunciado para ser assim: em multidões de lugares, lemos sobre um rabino אוסר , "obrigatório", e de outro מתיר , "perder"; Milhares, e dez milhares de exemplos deste tipo poderiam ser produzidos; Um volume inteiro de extratos nesta cabeça poderia ser compilado. Dr. Lightfoot transcreveu um grande número, suficiente para satisfazer qualquer homem, e dar-lhe o verdadeiro sentido dessas frases; E depois dele mencionar qualquer outro é desnecessário; ainda deixar-me para produzir um, como é curto e cheio, e explica essas frases, e aponta para as pessoas que tinham esse poder, explicando Eclesiastes 0:11 e essa cláusula nele, "mestres das assembléias".

Estes dizemF20) São os discípulos dos sábios, que se sentam em diferentes coleções, e estudam na lei; estas coisas pronunciadas ou pessoas contaminado, e essas coisas pronunciadas ou pessoas limpo, אוסרין והללן מתירין הללו , "estes se ligam, e estes solta"; Estes rejeitam, ou pronunciam pessoas ou coisas profanas, e estes os declaram corretos.

E um pouco depois,

"ficar-te um coração para ouvir as palavras dos que pronunciar imundo, e as palavras dos que pronunciar limpa, as palavras deles אוסרין , que" ligar ", e as palavras deles מתירין , que" solta "; as palavras de Os que rejeitam, e as palavras dos que o declaram certo "


Mas Cristo deu um poder maior de amarrar e perder, aos seus discípulos, do que estes homens tinham, e que eles usaram para melhor propósito. O sentido das palavras é que Pedro, e assim o resto dos apóstolos, deve ser autorizado com autoridade dele, e assim dirigido por seu Espírito Santo, que tudo o que eles ligados, ou seja, declarado para ser proibido, e ilegal , Deve ser assim: e que tudo o que soltou, ou seja, declarado como legal, e livre de uso, deve ser assim; E por isso ligaram algumas coisas que antes estavam soltas, e soltaram algumas coisas que antes estavam presas; Por exemplo, obrigaram, ou proibiram, ou declararam ilegais, o uso da circuncisão, que antes, e até a morte de Cristo, foi ordenada a semente natural de Abraão; Mas que, e todas as cerimônias, sendo abolidas pela morte de Cristo, declararam que ela não era nada, e em vão, sim, dolorosa e perniciosa; Que todo aquele que foi circuncidado, Cristo nada lhe aproveitou, e que era devedor de fazer toda a lei; afirmaram que os gentios crentes não deviam ser incomodados com ele; que era um jugo se encaixa para ser colocado em cima de seus pescoços, que eles e seus pais, não foram capazes de suportar, Gálatas 5: 1 . Eles obrigam, ou proíbem a observância de dias, meses, tempos e anos; A guarda de dias santos, luas novas e sabbaths, que tinha sido usado na igreja judaica para idades passadas; como o primeiro dia do novo ano, e de cada mês, o dia da expiação, as festas da Páscoa, Pentecostes e Tabernáculos, o ano do jubileu, o ano sabático, e sétimo sábado, dia, Gálatas 4: 9 . Liberaram ou declararam legal e livre, conversas civis e religiosas entre judeus e gentios; Visto que, antes, os judeus não tinham relações com os gentios, nem entrariam em suas casas, nem se manteriam em companhia deles, não teriam conversa com eles; Nem comem nem bebam com eles; Mas agora foi determinado e declarado, que nenhum homem deve ser chamado comum, ou imundo; e que, em Cristo Jesus, e em sua igreja, não há distinção de judeus e gentios, Atos 10:28 . Eles também soltaram, ou pronunciado legal, o consumo de qualquer tipo de alimento, sem distinção, até o que foi antes contadas comum e imunda, sendo certo no Senhor Jesus Cristo, pelas palavras que ele disse, Mateus 15:11 . Eles afirmaram, que não há nada impuro de si mesmo; E que o reino de Deus não é carne e bebida; Ou que a verdadeira religião não está na observância dessas coisas; que toda criatura de Deus é boa, e apto para o alimento, e nada deve ser rejeitado, ou se abstiveram de, em uma conta religiosa, desde que ser recebido com ações de graças, Romanos 14:14 . E estas coisas agora por elas ligadas ou soltas, declaradas ilegais ou legais, são confirmadas como tais pela autoridade de Deus, e devem ser consideradas por nós.(notas comentário bíblico Jhon Gil).
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.