sábado, 17 de dezembro de 2016

Subsidio juvenis menssagem de esperança n.13


                   SUBSIDIO JUVENIS A MENSSAGEM


                                 DE ESPERANÇA N.13  
                         Professor Mauricio Berwald


Específico de capítulo
Verso 1

Então o reino dos céus, ... O estado da igreja do Evangelho; Veja Gill em Mateus 13:24 seja como seria um pouco antes da vinda do filho do homem para vingar-se dos judeus; Ou como será um pouco antes de sua segunda vinda ao julgamento: porque a parábola está manifestamente ligada com, e se refere ao capítulo anterior, que trata principalmente da destruição de Jerusalém: mas embora os judeus estavam em grande segurança antes de sua ruína total, ainda Não parece que a igreja cristã estivesse então em uma condição tão morna, sonolenta e sonolenta, como esta parábola representa; E já que, na última parte do capítulo precedente, há alguns indícios da segunda e última vinda de Cristo; Quando o servo encontrou fazer a vontade de seu Senhor, será grandemente honrado, eo servo mau, cruel e licencioso será severamente punido; E uma vez que, ao término desta e da seguinte parábola, há uma descrição muito viva do último julgamento; Como também, porque aparece em outra parte, que tal será o estado formal, morno, frio, indiferente, seguro e sonolento da igreja, antes da segunda vinda de Cristo: parece correto e melhor compreender esta parábola e os seguintes , Como tendo respeito a isso: e que o desenho dele é mostrar, o que será o caso dos professores naquele tempo; A diferença entre cristãos nominais e reais; Até onde as pessoas podem ir em uma profissão de religião, e ainda, finalmente, ser fechado do céu: como também a súbita da vinda de Cristo; A necessidade de estar pronto para isso; E quão vigilantes os santos devem estar, para que não se surpreendam com ele. Agora, algum tempo antes disso, o estado da igreja do Evangelho, ou o corpo de cristãos professos,

Seja semelhante a dez virgens; A "virgens" pela qualidade; Sendo prometidos a Cristo, pelo menos na profissão; E por causa da unicidade do seu amor, e casta adesão a ele, no entanto, como eles vão declarar, e que, em alguns deles, será fato; E por sua beleza, beleza e traje gay, sendo, como eles professam, revestidos com a justiça de Cristo; Com o linho fino, limpo e branco, com um pano de ouro, com trajes de bordado, e tão perfeitamente elegante por sua beleza; e por sua pureza e corrupção de doutrina, adoração e conversação, pelo menos em aparência, e que será Verdadeiro de muitos deles; E todos, de sua profissão, terão o mesmo caráter: estes pela sua quantidade e número, são comparados a "dez" virgens; Que pode, talvez, denotar o pequeno número de professores neste momento; Ver Gênesis 18:32 que haverá poucos, que então chamarão o nome de Cristo, e menos ainda que não terão manchado suas vestes, e serão virgens. O número "dez" foi muito tomado em consideração e usado entre os judeus: uma congregação, com eles, consistia de dez pessoas, e menos do que aquele número não fazia um; e onde quer que havia dez pessoas em um lugar, eles eram Obrigado a construir uma sinagoga. Dez anciãos da cidade foram testemunhas de Boaz levando Rute para ser sua esposa, 4: 2. Agora pode ser em referência ao primeiro destes, que este número dez é aqui expressa, já que a parábola se refere às igrejas congregadas de Cristo, ou à igreja visível de Cristo na terra: além disso, eles dizem que

"Com menos de dez, eles não dividiram o" shema ", (ou seja," ouve O Israel ", e dizer qualquer parte das bênçãos que foram antes dele;) nem (o mensageiro da congregação) ir antes da arca Orar), nem os sacerdotes levantaram as mãos (para abençoar o povo), nem leram na lei (na congregação), nem despediram (o povo) com (uma passagem de um dos) Os profetas, nem se puseram de pé, e sentaram-se (quando levaram os mortos ao sepulcro, que costumava ser feito sete vezes, para chorar sobre os mortos), nem disseram a bênção dos enlutados, (Quando eles voltaram do sepulcro, e se puseram em uma fileira para consolar o lamentado, e não havia nenhuma fileira menos de dez), וברכת חתנים, "nem a bênção dos noivos", "

Que consistia em sete bênçãos, e isso não foi dito, mas na presença de dez pessoas8: a que pode haver uma alusão aqui: pois o todo alude às solenidades de um casamento entre os judeus
Lucas 17.24-30.
 Quando o noivo trouxe para casa sua noiva da casa de seu pai, assistiu com seus amigos, os filhos da casa de convento, e que geralmente era feito à noite: e, ao mesmo tempo, a noiva o esperava, acompanhada de Virgens, ou bridemaids; Ver Salmos 45:14 que, vendo o esposo que estava chegando, saíam com lâmpadas ou tochas para encontrá-lo, e o conduziam a ela; Por isso segue, que tomou as suas lâmpadas, e saiu para encontrar o noivo. As versões Vulgata Latin, Syriac, e Persic, adicionam, "ea noiva", ao contrário das cópias "gregas", exceto a cópia de Cambridge de Beza. As versões árabe e etíope também não lêem; Nem o Evangelho Hebraico de Munster; Nem concorda com o costume acima. Por "o noivo" se entende Cristo, que está nesta relação com sua igreja e povo; Ele os viu no cálice dos propósitos e decretos de Deus, e os amou, e pediu-lhes que seu pai lhe fosse dado como seu cônjuge e noiva; E que os deu a ele, quando ele secretamente desposou-los a si mesmo, na aliança eterna, como ele faz suas pessoas particulares na conversão, e consumar o casamento de todos eles no último dia; E, enquanto isso, age como parte de um noivo para eles; Ele os ama como um noivo ama a sua noiva, com um amor antes do deles, livre e imerecido; Com um amor de complacência e prazer, que é único e casto, forte e afetuoso; Constante e perpétuo, maravilhoso, incomparável e inconcebível: simpatiza com eles, nutre-os e nutre-os como sua própria carne; Oferecendo comida espiritual e rica roupa para eles; E entregando-os com íntima comunhão consigo mesmo, e os interessa em tudo o que tem; E quando ele voltar uma segunda vez, ele aparecerá sob este caráter. Sua primeira aparição foi ruim, na forma de um servo, na semelhança de carne pecaminosa, em roupas roubadas em sangue; Mas quando ele vier uma segunda vez, ele aparecerá como um noivo em suas vestes nupciais; Todos os seus eleitos serão preparados para ele, embelezados e adornados como uma noiva para seu marido; Quando ele vir e levá-los para casa para si mesmo, e vai confessá-los a ser seu antes de seu Pai, e seus santos anjos: e que será um tempo de grande glória e grande alegria. Ora, diz-se que estas virgens tomaram as suas lâmpadas e saíram ao seu encontro; por suas lâmpadas se entendeu a Palavra de Deus, as Escrituras da verdade, particularmente o Evangelho, e as suas doutrinas; Que, como uma lâmpada, foram iluminados na noite da dispensação judaica, e brilharão os mais brilhantes até o fim do mundo: estes são como lâmpadas tanto para andar por, e trabalhar por, e foram uma luz para todas estas virgens; Alguns foram iluminados salvadoramente neles, e por eles; E outros apenas nocionalmente, mas foram assumidos, possuídos e professados, como regra de fé e prática, por todos eles; E que, para encontrar e encontrar o noivo, pois eles testemunham dele: ou melhor, uma profissão externa de religião é projetada pelas lâmpadas, que é distinto do óleo da graça, eo vaso do coração, no qual isso é ; E é aquele em que o óleo é colocado e queima, de modo a tornar-se visível: e deve ser recrutado diariamente, e aparado com novas fontes de graça de Cristo, sem o qual não pode ser mantido, nem será de qualquer uso e serviço ; E é o que pode sair, ou ser caiu e perdeu, como algumas dessas lâmpadas. Agora, isso era o que todos os outros haviam tomado; Todos fizeram uma profissão de Cristo, e seu Evangelho: alguns deles o tomaram corretamente, em uma experiência da graça de Deus, e princípios de graça operados em suas almas; Outros, sem qualquer experiência e sem considerar a natureza, a importância e as conseqüências de uma profissão; e todos saíram ao encontro do noivo; alguns no exercício da fé nele e na sua vinda; Em amor a ele, e sua aparência; Desejando e desejando vê-lo; Esperando e esperando por ele: outros somente em uma maneira de uma profissão visível de religião, e um atendimento exterior em ordenanças. O costume aqui aludido ao encontro com o noivo, e assistir a noiva casa para sua casa na noite, com tochas acesas, ou lâmpadas, e um número deles como aqui mencionado, não era apenas o costume dos judeus, mas de Outras nações orientais9. Jarchi diz: "Era o costume dos ismaelitas; Suas palavras são estas: "era costume na terra de Ismael levar a noiva da casa de seu pai para a casa de seu marido, בלילה," à noite ", antes de entrar na câmara nupcial, e levar diante dela כעשר קונדסין, "cerca de dez bastões", e sobre o cume havia a forma de um prato de bronze, e no meio dela pedaços de azeite e de azeite, que acendiam e acendiam diante dela. "Algo como isto é o costume dos índios do leste agora, que é assim relacionado com" no dia de seu casamento, o marido ea esposa que estão ambos no mesmo "palki", ou "palanquin", (que é a maneira ordinária De carria No país, e é carregado por quatro homens sobre seus ombros,) saem entre sete e oito horas "à noite", acompanhado com todos os seus parentes e amigos; As trombetas e os tambores vão adiante deles; E são "iluminados" por uma multidão de "massals", que são uma espécie de flambeaux; Imediatamente atrás do "palanquim" do casal recém-casado, caminham muitas "mulheres", cujo negócio é cantar versos, em que lhes desejam todo tipo de prosperidade. - Os recém-casados ​​vão para o estrangeiro neste equipamento, pelo espaço de Algumas horas; Após o que retornam à sua própria casa, onde as "mulheres" e os domésticos esperam por eles: toda a casa é iluminada com pequenas lâmpadas e muitos destes "massais", já mencionados, são mantidos prontos para a sua chegada, além dos que Acompanhá-los, e ir antes de seu "palanquin". Este tipo de luzes são nada mais, mas muitos pedaços de linho velho apertou fortemente um contra o outro, em uma figura redonda, e forçosamente empurrado para baixo em um molde de cobre; Aqueles que os têm em uma mão, têm, na outra, uma garrafa do mesmo metal, com o molde cobre, que é cheio de óleo; E tomam cuidado de derramar dela, de vez em quando, sobre o linho, que de outro modo não dá luz. "Verse 2 E cinco deles eram sábios ... A ordem destas palavras é invertida em algumas versões, Como na Vulgata latina, árabe e etíope, e no Evangelho hebreu de Munster, que dizia: "E cinco deles eram insensatos, e cinco deles eram sábios"; Mas isto não tem grande consequência. Há uma parábola de R. Jochanan ben Zaccai, que viveu antes, e depois da destruição do segundo templo, que tem alguma semelhança com esta parte da parábola, e outros nela, e é isto: "um certo rei convidou sua Servos, mas não fixaram tempo algum para eles, os que eram פקהים, "sábios", se adornaram, e sentaram-se à porta da casa do rei, e disseram, há alguma necessidade na casa do rei? Os que eram tontos, foram e fizeram a sua obra, e disseram: Há alguma festa sem problemas? De repente, o rei perguntou a seus servos: os sábios entraram diante dele, como estavam, adornados; Os insensatos entraram antes dele, como estavam, imundos: o rei se alegrou ao encontrar o sábio, e ficou irado com os insensatos, e ordenou que os que se adornassem para a festa se sentassem e comessem, Não se adornam para a festa. "As virgens sábias são tais, que são sábias, não em seus próprios conceitos, o que é o caso dos homens naturais e professores vazios; Nem nas coisas da natureza, nem nas coisas do mundo, das quais os santos são muitas vezes menos conhecidos do que outros; Nem no conhecimento teórico e especulativo, muito menos no que é mau; mas são os que são sábios para a salvação; Que não só conhecem o esquema dele, mas são sensíveis à sua necessidade dele; Aplicar-se a Cristo por isso; Arriscam suas almas sobre ele, e as confiam a ele: confiam na sua justiça para justificação; Em seu sangue por perdão; Em seu sacrifício para expiação; Em sua plenitude por provisões diárias; Em sua graça e força para executar cada dever; E esperam a vida eterna, e dele: o conhecem, o valorizam e o valorizam como seu Salvador; Regozijai-vos nele e dai-lhe toda a glória; E eles são os que são sábios também no negócio de uma profissão, bem como no caso da salvação; São aqueles que tomam uma profissão de religião corretamente, com base em princípios de graça, e depois de pensamento maduro e deliberação; E quando o fizerem, agüenta-o sem vacilar, anda tornando-o em suas vidas e conversas; E ainda não dependem dele, nem confiem nele; e cinco foram insensatos; Não em sua própria apreensão, em que eles podem ser sábios o suficiente; Nem no julgamento dos outros; Nem no conhecimento natural; Ou com respeito às coisas do mundo; Nem em noções especulativas do Evangelho; Nem meramente chamados, porque não convertidos; Todo homem não convertido era um homem insensato; mas eles eram assim no negócio da salvação; Como todos são que constroem suas esperanças de que em privilégios de nascimento; Em uma descida carnal de homens bons; Sobre uma educação religiosa; Na sua própria justiça; Ou na misericórdia absoluta de Deus; E não em Cristo, o único e seguro fundamento: são aqueles que não conhecem a si mesmos; A impureza de seus corações e da natureza; Sua impotência para o que é espiritualmente bom; E a imperfeição e insuficiência de sua própria justiça; não conhecem a Cristo, nem a sua salvação, nem o valor, nem a falta dele, ou aquilo; E são completamente estranhos ao poder da piedade e da experiência espiritual; e também são tão tolos no assunto de uma profissão que eles levam sem uma obra do Espírito de Deus sobre suas almas e sem considerar o custo ea carga de isto; E, em pouco tempo, largá-la completamente, ou, se a segurarem, dependem tolamente dela, ou levam vidas impróprias para ela. O número de virgens sábias e tolasS ser igual, não implica que haverá apenas o mesmo número de crentes nominais, como de verdadeiros nas igrejas, nos últimos dias, um pouco antes da vinda de Cristo; Só que haverá um grande número de tais entre eles. Verse 3 Os que eram tolos tomaram as suas lâmpadas, .... A Vulgata Latina e Evangelho Hebraico de Munster, ler, "os cinco insensatos", cuja loucura está aqui exposto; E que não se limitavam a levantar as lâmpadas de uma profissão de maneira errada, nem sobre um fundo errado, mas principalmente sobre o que se segue, e não levaram óleo com elas; por petróleo se entendem, não bênçãos temporais, nem Espirituais, nem o Evangelho, nem os dons do Espírito, todos os quais são às vezes significados pelo óleo; Mas o Espírito do próprio Deus, que é o óleo da alegria, ea unção que ensina todas as coisas; Ou a graça regeneradora e santificadora do Espírito, mesmo todas as graças que são implantadas por ele na conversão: isto é assim chamado, em alusão ao óleo da unção sob a lei, na sua natureza excelente, na sua matéria cara, E aplicação específica; E no uso dela para ungir ambas as coisas, o tabernáculo e seus vasos, e pessoas, profetas, sacerdotes e reis; Ver Êxodo 30:23, etc. A graça do Espírito é de uma natureza santa e santificante, excedendo valioso e precioso, e uma obra curiosa de obra, eo que só é aplicado e concedido aos eleitos de Deus; E com que todos os navios de misericórdia, pequenos e grandes, são ungidos, e são feitos profetas, sacerdotes e reis, e é o que é, como que era, duradoura e permanente: ou então com respeito ao óleo precioso, ou pomada Derramado sobre a cabeça de Arão, que era emblemática da graça do Espírito, que foi derramado, sem medida, em Cristo, e dele desce a todos os seus membros: ou à lâmpada óleo para o candelabro no tabernáculo, que era óleo Azeitona, pura, batida, e era para luz, para fazer a lâmpada queimar sempre; E graça bem representada, que vem de Cristo, a verdadeira oliveira; É pura e de natureza purificadora; E vem através de um Cristo ferido e crucificado; E, sendo posto no coração, faz brilhar a luz das boas obras e a conversa, ou então o óleo em comum, que é de uma natureza animadora e refrescante; Está embelezando e adornando, fornecendo e curando, alimentando e engordando, procurando e penetrando, e não se misturará com qualquer outra coisa; Sobre todas as contas que a graça pode ser comparada a ele. Ora, estas virgens insensatas, embora tomassem a lâmpada de uma profissão, não se preocupavam com o óleo da graça, para encher, conservar e aparar a lâmpada; ignoravam a natureza e o uso da verdadeira graça; Eles não viram necessidade dela, e, portanto, não pediram, ou sobre ela; Negligenciaram-no, fizeram-lhe a luz, e negaram-no como inútil; E sendo destituído dele, assumiu a sua profissão sem ela; 4 Mas os sábios tomaram azeite, ... Eles estavam preocupados com a verdadeira graça de Deus, sendo iluminados pelo Espírito de Deus; Eles viram sua necessidade da graça de Deus, e sendo dirigidos por ele onde era para ser tido, foi a Cristo para ele; E tendo recebido dele, pelo poder do Espírito Santo, exerceu sobre ele; E nela depositam a sua sabedoria; porque um estoque desta no coração, renovado diariamente por Cristo, suprirá bem a lâmpada de uma profissão. Isso eles tinham em seus vasos, seus vasos de óleo; Pelo qual significam seus corações; Assim chamados em alusão aos vasos em que o óleo foi colocado, quando pressionado para fora das azeitonas, Jeremias 40:10 ou para os vasos de óleo do candelabro, Números 4: 9. Estes são vasos de Deus que fazem, embora através do pecado se tornem impuros e vazios de todo bem espiritual: eles são de fato grandes e espaçosos; Aqui há espaço para Pai, Filho e Espírito, e para abundância de graça; Eles são capazes de compreender muito do amor de Deus, e além de natural, um grande conhecimento espiritual: aqui, nestes vasos, santificados pelo Espírito de Deus, as virgens sábias tinham o óleo da graça, que é uma coisa interna : Não é nada na cabeça, na língua ou na mão, mas algo no coração: não está na noção, no falar, nem no fazer; Um homem pode saber muito, dizer muito, e fazer muitas obras externas, e ainda ser destituído da graça de Deus; Nada externo é que: não é uma mera reforma externa da vida, uma humilhação externa para o pecado, uma abstinência dos pecados grosseiros da vida, ou uma conformidade com as ordenanças do Evangelho, ou uma profissão de religião: é um princípio Da luz, da vida, do amor e da santidade operados no coração de um homem; Tem seu lugar na mente, na compreensão e no juízo, na vontade, na consciência e nos afetos. Este óleo de graça não estava naturalmente neles; Nem foi obtido pelo poder de seu livre arbítrio; Mas foi livremente dado a eles, e fortemente forjado neles: o caso é este; Toda graça foi posta nas mãos de Cristo para eles; O Espírito de GOd foi enviado para aplicá-lo a eles, e trabalhar neles; O que é geralmente feito por meios, que eles usaram por sua direção e assistência, e assim pode-se dizer para levá-lo: com as suas lâmpadas, de uma profissão externa; Eles não tomaram uma profissão antes que tivessem graça, ou sem ela; Mas quando receberam o um, tomaram o outro; E que estava agindo a parte sábia.Verse 5 Enquanto o noivo demorava, .... O espaço de tempo aqui referido, é tanto da ascensão de Cristo, à sua vinda para se vingar dos judeus; Ou daí para a sua segunda vinda; Ou melhor, do tempo de alguma expectativa geral dos santos, da aproximação de Cristo, até que ele venha, pois como havia uma expectativa geral da vinda de Cristo antes que ele viesse na carne, então haverá Uma expectativa geral de que Cristo estaria próximo um pouco antes da sua segunda vinda; E porque tal expectativa não será respondida, ou Cristo não virá tão cedo como era esperado e esperado, uma sonolência geral, e segurança, e despreocupação, especialmente sobre a vinda de Cristo, cairão sobre as igrejas. Assim, no século passado, havia entre o povo de Deus, nestes reinos, uma expectativa geral da rápida vinda de Cristo; Mas estando nessa decepção, professores de todas as sortes adormecem, e não se preocupam muito, muito pouco, pelo menos muito poucos, em uma palavra: esse intervalo de tempo parece considerar esse período que é apontado Fora pelo estado da igreja de Laodicean, que introduzirá na vinda de Christ, eo último julgamento. Ora, pode-se dizer que Cristo, o noivo, demora-se, não com respeito ao tempo fixado pelo Pai e por si mesmo; Pois, como isto é resolvido, embora desconhecido do homem, não será passado por ele; Ele não o fará, nem se demorará além do tempo determinado; mas seja com relação ao tempo fixado pelos homens; Ou com respeito à declaração de Cristo, e seus apóstolos, que ele viria "rapidamente", e o tempo decorrido desde então; Ou melhor, com respeito às expectativas dos santos, e sua impaciência. A razão pela qual ele se demora é porque seu tempo não chegou, e há muitas coisas a serem feitas primeiro; Haverá uma gloriosa propagação do Evangelho em todo o mundo; Todos os eleitos devem ser reunidos, tanto entre judeus como gentios; E o homem do pecado deve ser destruído; E os ímpios devem encher a medida das suas iniqüidades; E Cristo se demora a provar as graças do seu povo, que deve exercer fé na sua vinda, olhando, observando e esperando por ela, desejando-a e apressando-se para ela; Estando pronto para ele, preparado para recebê-lo, e ir com ele para a câmara nupcial; Mas em vez de todos eles adormeceram e dormiram: o que não deve ser entendido como se aquele só dormisse, eo outro dormisse; Isto é, que as virgens sábias adormeceram, e as virgens insensatas dormiram; Para as virgens sábias, ou verdadeiros crentes, são dito em outra parte para dormir, e professores formais para dormir; Mas ambos são falados de todos eles: e por este sono, e sono, não se significa uma morte natural; Embora isso às vezes seja chamado de sono, e ao qual os verdadeiros crentes estão sujeitos, assim como outros; Contudo, todos na vinda de Cristo não estarão dormindo nesse sentido: e se isso fosse planejado, sua ressurreição seria projetada por seu "surgimento", no sétimo versículo; E assim a ressurreição dos santos, e dos outros, estariam juntos, o que não é verdade, pois os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; E seria também antes da vinda de Cristo, enquanto que a ressurreição dos santos não é até à sua vinda; E, pelo relato de alguns versículos seguintes, seria como se a graça pudesse ser tida, ou, pelo menos, ser pensada como tendo, depois da ressurreição: e isso não deve ser entendido do sono morto do pecado: uma morte No pecado pode ser significada pelo sono, e ser assim chamado, ea convicção ser um despertar dele; Mas as virgens insensatas estavam sempre dormindo nesse sentido, e nunca foram verdadeiramente e completamente acordadas; E as virgens sábias nunca fazem, nem podem cair neste sono; Para serem vivificados por Cristo, eles nunca mais morrerão; nem de um sono e sono judiciais, aos quais os santos nunca são entregues; Mas um quadro de espírito morto, sem vida e sonolento nas virgens sábias: que está na graça não estando em exercício; Em uma preguiça para executar deveres religiosos; Em aceitar uma satisfação com as partes exteriores da religião; Em uma indiferença sobre o interesse de Cristo; Em uma indiferença pela omissão de dever, ou comissão de pecado; E em toda uma facilidade de mente em relação a tal quadro e estado: as causas disso são um corpo de pecado; Um cuidado ansioso do mundo; Um ser cansado de exercícios espirituais, e um deixá-los fora; Abstendo-se de um ministério de despertar, e uma conversa espiritual; E mantendo companhia com professores sonolentos e preguiçosos, ou os homens do mundo: e muitas vezes surge de facilidade, paz e liberdade; E às vezes de La Vigilância e espera pela vinda do noivo; Em que, sendo decepcionado, tal quadro de espírito segue: e também nas virgens insensatas pretende uma grande segurança carnal em si mesmos; Um repouso e confiança na sua profissão externa; E um afastamento de todos os pensamentos de Cristo, e sua vinda ao julgamento: pois há uma diferença entre o sono eo sono de um e do outro; As virgens sábias são filhos do dia, e não da noite; Embora dormem, seus corações acordam, e dormem com graça em seus corações; Nenhuma das quais pode ser dita das virgens insensatas, ou professores formais: quanto à fraseologia aqui usada, os judeus iriam distingui-lo, pois fazem a diferença entre o sono e o sono: "eles não despedem (a companhia) A páscoa com as doces: se alguns deles dormirem, comerão, mas se todos eles não comerem, R. José diz: נתנמנמו, "se adormecerem, comerão; נרדמו", se dormirem Eles não podem comer ", que Maimônides assim explica", se eles dormem ", isto é, se eles começam a dormir, mas ainda não estão sobrecarregados com o sono, mas suportar quando os outros falam com eles, e responder imediatamente a eles que chamam Se eles são oprimidos com um sono profundo. "Embora a frase ניים ושכיב, que eu deveria escolher para tornar," ele adormeceu e dormiu ", é muitas vezes dito da mesma pessoa, sem qualquer distinção, Como aqui. 6 E à meia-noite houve um grito feito: ... Que não é senão a seguinte observação da vinda do noivo, expressa nestas palavras: eis que o noivo vem, saia ao seu encontro; o que supõe Que todas as coisas estarão prontas para a sua vinda: todas as coisas respeitando este mundo; Todos os acontecimentos estranhos e surpreendentes que haviam de acontecer, antes da vinda de Cristo, serão agora realizados; Um fim posto a todas as monarquias da terra; E todos os preparativos na natureza, para a queima do mundo acabado: tudo quanto respeita aos ímpios do mundo: eles terão encheu a medida das suas iniqüidades, e terminou a perseguição dos santos; Deus, eles serão todos nascidos, e nascidos de novo; Terão passado por todos os seus sofrimentos por Cristo, e terão todas as suas graças experimentadas e aperfeiçoadas; Porque, quando vier o noivo, virá abraçá-los abertamente para si mesmo, para o qual devem ser preparados e adornados, e levá-los consigo, para que sejam para sempre com ele. Também supõe que sua vinda estará muito próxima; Foi assim representado há muito tempo; É muito desejado pelos santos para ser rapidamente; E será em um tempo muito curto depois deste aviso: e significa que haverá algum aviso dado dele, um pouco antes que ele venha; E isso em parte para a glória de sua majestade; E que o seu próprio povo, as virgens sábias, esteja pronto; E que os tolos podem ser deixados sem desculpa: e este sendo prefaciado com um "behold", mostra a certeza de sua vinda, do que nada é mais certo, e para ser dependido; Como aparece da profecia de Enoque, e outros do Antigo Testamento; Da própria promessa de Cristo; Do testemunho dos anjos: das palavras dos apóstolos; E da ordenança da ceia do Senhor; e também a sua importância; Pois coisas do maior momento se seguirão; Tais como a ressurreição dos mortos, o julgamento do mundo inteiro, a felicidade completa dos santos ea destruição dos ímpios; e também, que será maravilhoso e surpreendente; Cristo virá em glória incrível, no seu próprio, em seu Pai, e na glória dos santos anjos, e de seu poder e autoridade, como o juiz dos vivos e mortos. E neste aviso dá-se conselho às virgens, saí a encontrá-lo; Ver Cântico de Salomão 3:11, e pode pretender ou um ir adiante internamente, como fizeram as virgens sábias no exercício da graça, da fé na vinda de Cristo, do amor de sua aparência, e do desejo fervoroso depois dele; Ou uma saída externa, como todas as virgens fizeram em uma maneira de profissão visível, tomando e aparando suas lâmpadas; Ou literalmente e corporealmente, como os santos, que serão encontrados vivos na vinda de Cristo. Agora esse aviso é chamado "um grito"; E não se refere à voz de Cristo ao ressuscitar os mortos, pois isto será antes da vinda de Cristo, enquanto isso acontecerá quando ele vier; E pela mesma razão, não para a voz do arcanjo, se ele pode ser pensado para ser distinto de Cristo. Alguns pensam que se trata de um impulso geral secreto, que será sobre os espíritos do povo de Deus, com respeito à vinda do noivo, mas isso não parece responder a um grito; Ao contrário, deve ter uma providência notável, como o terremoto em Apocalipse 11:13 quando uma décima parte da cidade cair, sete mil homens de nota ser morto, eo resto assustado; Ou o som do sétimo anjo, Apocalipse 11:15, ou, o que é mais provável, a voz de Uma grande multidão, como de muitas águas, e de poderosos trovões, declarando que o casamento do Cordeiro havia chegado, ea noiva pronta, Apocalipse 19: 6, e será muito alta: despertará todas as virgens, E será o clamor, não de um, mas de muitos; E será muito repentino e surpreendente, embora alegre para os santos: este grito será feito, não pelas virgens, porque eles vão dormir; Nem pelo próprio Cristo, porque ele não virá; Nem pelos anjos, porque virão com ele, e não antes; Antes pelos ministros do Evangelho, que são os anjos tantas vezes falados no livro das Revelações, que soam as trombetas em diferentes momentos e em diferentes ocasiões; Que também tocará esta trombeta, e dará este último e geral aviso da vinda de Cristo; Que serão todos de uma vez apercebidos disto, e dar um alarmar universal dele junto em todas as igrejas: assim, como o anúncio da primeira vinda de Cristo foi feito pelos profetas, a notificação de sua segunda vinda será feita pelos ministros Do Evangelho: e isto será na "meia-noite", que expressa o estado da igreja um pouco antes da vinda de Cristo: será uma noite com ele, um tempo de escuridão tanto com relação à luz do Evangelho, Presença de Deus com seu povo; Um tempo de frieza e mornidão, quanto ao zelo por Deus, amor ao seu povo e preocupação pelo interesse de Cristo; Um tempo de sonolência e sono, de insensibilidade e segurança, de indolência e inatividade; assim como a vinda de Cristo será mais tardia do que se esperava; Será repentina, e de improviso, e como um ladrão na noite; Mas se será literalmente na noite, como sua primeira vinda, não é certo. Os judeus esperam que, no fim do mundo, Moisés e o Messias venham à noite, o do deserto e o outro de Roma; e eles mencionam freqüentemente que Deus entrará no jardim do Éden ou no paraíso, Meia-noite, e ali alegrando-se com os homens bons. É dito F18, que R. Eliezer e R. José "estavam sentados uma noite, e estudando na lei, e sobre a meia-noite, um homem chorou (ou o galo cantou), abençoe a bênção", diz R. Eliezer, agora é , O tempo em que o Deus santo e abençoado entra no jardim do Éden, para se alegrar com os justos. "7 Então todas estas virgens se levantaram, ... Não fora de suas sepulturas, porque os justos e os ímpios não se levantarão juntos , Os mortos em Cristo ressuscitarão em primeiro lugar, e esta primeira ressurreição não será até que Cristo venha, nem a graça será para ser tida, ou será pensada para ser depois da ressurreição, nem haverá qualquer corte de lâmpadas então A fim de encontrar o noivo, porque ele vai chegar, nem das sepulturas do pecado, porque as virgens sábias não estavam em tal estado, e as virgens insensatas nunca foram tiradas dela, mas o significado é que eles surgiram Fora de seu quadro sonolento e adormecido.Versionários verdadeiros podem cair em uma condição muito baixa, com respeito ao exercício da graça, eo cumprimento do dever; Mas eles ressuscitarão, porque eles são mantidos e sustentados pela mão direita de Deus. Às vezes é meia-noite com eles, e eles adormecem profundamente, mas despertarão e se levantarão; Que, ao respeitá-los, significa que eles estavam completamente despertos, que abandonaram o seu antigo lugar e postura, estavam sobre os seus pés e prontos para encontrar o noivo. As virgens insensatas também se levantaram; Que pode pretender alguns despertares de consciência, e reforma da vida, e um atendimento mais diligente em deveres e ordenanças; Tudo o que eles fizeram para fazê-los encontrar-se para Cristo, e para obter a salvação; Mas, afinal de contas, eles ficaram destituídos do azeite da graça, e enxugaram as suas lâmpadas, tanto sábias como insensatas; as primeiras, removendo o que impedia a clara queima delas; Ao lançar fora as obras das trevas, e fazer brilhar diante dos homens, através da libertação, a luz de boas obras, a partir de um princípio de graça; E, principalmente, aplicando a Cristo novas fontes do óleo da graça, para encher as suas lâmpadas, reavivar a sua luz e calor, e mantê-los queimando: eo último, apenas por algumas decorações externas e desempenhos externos; Para que a sua profissão exterior de religião parecesse tão brilhante quanto possivelmente pudessem. 8 E o insensato disse aos sábios: Dá-nos do teu azeite. ... Uma pessoa sem graça pode ver a graça de Deus nos outros, Convencê-lo e reconhecê-lo, como fizeram estas virgens insensatas: viram que as virgens sábias tinham óleo, isto é, graça; Isto eles sabiam pela queimadura brilhante de suas lâmpadas, por sua prontidão em cortá-las, e isso em um modo diferente deles; Por sua compostura tranqüila de mente, e confiança de alma, não obstante o grito de meia-noite; E pelo seu ardente e afectuoso desejo de encontrar o noivo. Uma pessoa sem graça pode também ver uma necessidade de graça: essas virgens insensatas não tinham tal sentido, quando iniciaram sua profissão; Eles foram em um longo tempo em um curso de religião, sem quaisquer pensamentos de iT; E o sentido que tinham agora não era de sua necessidade, nos vasos de seus corações, mas somente em suas lâmpadas; Nem foi do Espírito de Deus, mas pela surpresa e terror do grito da meia-noite. Tais pessoas também podem desejar a graça de Deus; Não por causa da natureza intrínseca e valor dela, nem pelo serviço e glória de Deus, mas por um mero princípio do amor próprio; E quando puderem continuar não mais com a lâmpada da profissão; E então eles desejam tê-la em qualquer lugar, ao invés de partir de Cristo, como fizeram estas virgens tolas; E que traiu sua loucura aplicando a santos para ela. Se eles tivessem pedido seu conselho nessa sua angústia, teria sido sabiamente feito; Ou teriam desejado suas orações por eles; Ou que lhes transmitiriam algumas instruções espirituais; Mas pedir a sua graça era excessivamente insensato; Quando a graça só vem de Deus, que é o Deus de toda a graça, através de Cristo como mediador, em quem habita a plenitude, e pelo Espírito, que é Espírito de graça e de súplica; Mas nunca será obtido dos homens, nem dos melhores homens da terra, nem dos anjos no céu. A razão de seu pedido segue, pois nossas lâmpadas estão apagadas; Que se pode dizer quando os professores negligenciam os deveres da religião, abandonam ou negam as doutrinas do Evangelho anteriormente professo por eles, se tornam maus em seus princípios e escandalosos em suas vidas ou se retiram das igrejas de Cristo; Embora nenhum deles pareça ser o caso aqui: por que esta saída de suas lâmpadas parece pretender a insuficiência de uma profissão externa de religião para encontrar o noivo, e apoiar uma pessoa com confiança e intrepidez em sua presença: essas virgens tolas agora Viu, quando tarde demais, que suas lâmpadas não aproveitaram nada; Eles saíram e tornaram-se inúteis e inúteis, porque não tinham o óleo da graça com eles; Ou o que eles tinham era apenas graça falsa, ou apenas uma aparência dela; Uma mera forma de piedade, sem seu poder; Ou apenas os dons que são perecíveis, e agora falharam, cessaram e desapareceram; Por isso não é exemplo da perda da verdadeira graça, nem milita contra a perseverança dos santos. 9 Mas os sábios responderam, dizendo: Não é assim. E que não brotaram da miséria ou da compaixão; Porque os santos são ensinados não apenas a compadecer-se uns aos outros, e a compadecer-se dos professores caídos, mas também a considerar seus próprios inimigos em perigo, nem de um espírito estreito e mesquinho, uma vez que tais são dirigidos e exortados a comunicar livremente, E espirituais, são capazes de, para aqueles que estão em necessidade, e até mesmo dar a sua vida para os irmãos, Nem de uma disposição incivil, morosa e grosseira; Ou de um descuidado e indolente, como sendo despreocupado o que se tornou dessas pessoas; Mas de uma indignação com a honra que lhes foi dada, e o pouco de Deus e Cristo e do Espírito de graça: os santos sabem que toda a graça vem do Pai, do Filho e do Espírito; E francamente próprio, que o que eles têm é de lá; E eles dão a Deus toda a glória dela, e não podem suportar qualquer aplicação a eles por isso, como este; Mas mostrar o mesmo espírito, como Paulo e Barnabé fez, quando os Lystrians iriam sacrificar a eles. Além disso, esta negação surgiu de uma consciência de insuficiência para ajudá-los a este respeito: é a misericórdia dos santos que eles não podem perder a graça que têm, nem pode levá-lo longe deles, e não está em seu poder para dar Afastado Nem pode ser santificado, justificado ou salvo, pela graça de outro homem: a razão alegada por eles é, para que não haja o suficiente para nós e para você; Os santos têm uma grande abundância de graça comunicada a eles; Alguns têm mais, outros menos; Pelo menos assim parece, quanto ao exercício; Mas aqueles que têm mais, não têm nenhum de sobra, e ver a sua necessidade de mais; E pedir mais, sendo sensível que a graça presente neles, não é suficiente para o tempo vir, mas graça em Cristo apenas; Por isso a sua resposta, ea sua razão, eram semelhantes a eles, sábios; E isto destrói a noção de supererrogação, mas vede antes para aqueles que vendem, e compram para si mesmos. Alguns pensam que esse conselho é irônico e sarcástico; Mas parece ser sério, e com toda a seriedade; Dirigindo-os a ir à pessoa adequada para a graça; Não aos homens, nem aos ministros do Evangelho, nem aos anjos; Mas a Deus Pai, Pai das misericórdias, e Deus de toda a consolação, que está assentado sobre um trono de graça, e dá-o liberalmente aos que por ele se chegam para ele, e pedem-no; E a Cristo, o mediador, que é cheio de graça e de verdade, e aconselha pessoas a comprar dele o ouro provado no fogo, a graça mais preciosa do que o ouro mais puro; E ao Espírito da graça, que o dá a todos segundo a sua vontade: quem se diz que "vende", e "homens" para comprar; Não em um sentido próprio, dando qualquer consideração valiosa para a graça de Deus, que é impoPossível fazer; Mas em um sentido impróprio, sem dinheiro e sem preço; 10 E enquanto eles foram comprar, .... As virgens tolas até agora tomaram o conselho dos sábios, como para sair para comprar o óleo para eles: eles não só tinham Alguns pensamentos sobre isso, e resoluções para fazê-lo, mas eles realmente sair para comprar; Que podem designar a sua presença na palavra e ordenanças, onde eles pararam: eles não foram a Cristo por graça, pois se eles tivessem ido diretamente a ele, eles o encontraram; Mas eles seguiram outro caminho, e sentiram falta dele; Eles tomaram a compra em um sentido próprio, e pensaram ter obtido a graça por suas próprias obras: por isso, embora eles foram comprar, eles não fizeram, nem eles poderiam, suas tentativas foram vão e infrutíferas; E enquanto eles estavam empregando-se desta forma, para nenhum propósito, o noivo veio; Em pessoa, para levantar os santos que estavam mortos, para mudar os vivos, para abraçá-los abertamente, e levá-los todos a si mesmo, e para julgar o mundo; Para isso deve ser entendido de sua segunda e pessoal vinda: e os que estavam prontos; Não por uma mera profissão de religião, ou submissão às ordenanças do Evangelho, ou por uma justiça externa, ou santidade negativa, e abstinência dos pecados grosseiros da vida, ou uma humilhação externa para eles, ou por uma dependência da misericórdia absoluta de Deus ; Mas por estarem vestidos com a veste de casamento, lavados no sangue de Cristo, sendo regenerados e santificados, e tendo o óleo da graça em seus corações, um conhecimento espiritual de Cristo, fé nele e interesse nele: tais estão prontos para Toda boa obra, e dar uma razão de sua fé e esperança, confessar Cristo e sofrer por causa dele; E estão prontos para a morte e eternidade, e para encontrar o noivo, e para o casamento do Cordeiro, para entrar na nova Jerusalém. Os judeus dizem que "a Jerusalém do mundo vindouro não é como a Jerusalém deste mundo: a Jerusalém deste mundo, todos podem entrar naquele que quiser, mas a Jerusalém do mundo vindouro, ninguém pode entrar Mas, המזומנין לה, "aqueles que estão preparados para isso." E estes entraram com ele para o casamento: o siríaco lê-lo, "na casa do casamento", eo Persic, "a sala nupcial" , Onde o noivo e a noiva celebraram seu casamento, mantiveram o seu banquete de casamento, e onde foram recebidos os bridemaids, e os amigos do noivo, chamado em língua talmúdica, בני עלייה, "os filhos do bridechamber" F20. E o casamento pode aqui denotar, quer o céu, a casa do Pai de Cristo, e as mansões de glória nele, que os santos entrarão com Cristo, ou o ato de celebrar o casamento entre Cristo eo Cordeiro, Todo o corpo dos eleitos, quando estas virgens não serão espectadores e testemunhas desprotegidos, mas partidos interessados; E que será apenas uma publicação diante de seu Pai e dos santos anjos, do que já foi feito; pois estes foram secretamente prometidos a ele desde a eternidade, e foram particularmente casados ​​com ele, um por um, na conversão; Mas agora será declarado de todos eles, que eles são sua esposa e noiva: ou o banquete de casamento, ou jantar, é aqui pretendido; E que não projeta a provisão do Evangelho na casa de Cristo, nem a igreja na terra em geral, nem a ordenança da ceia do Senhor em particular, nem a festa no último dia, mas a glória celestial; E felizes são aqueles que são chamados à ceia de casamento do Cordeiro, e que estará pronto quando ele vier; Estes participarão dele: entrarão com Cristo, e estarão para sempre com ele, e nunca mais voltarão. E a porta estava fechada, o que expressa tanto o feliz e confortável caso das virgens sábias quanto o triste e miserável estado Dos insensatos. A porta sendo fechada, as virgens sábias serão imediatamente libertadas da companhia desagradável de pecadores profanos, e professores formais; Seu estado e condição serão eternamente estabelecidos, sua comunhão com Cristo será livre e ininterrupta, e que, para sempre; Nenhum inimigo de suas almas pode segui-los, para lhes dar qualquer perturbação; E nunca mais voltarão a um estado de pecado, tristeza e imperfeição; e também representa a condição lamentável e miserável das virgens insensatas, em qualquer sentido que a palavra "porta" seja tomada. A igreja é uma porta, Canto de Salomão 8: 9, e uma aberta, para receber em pessoas adequadas, e será mais especialmente no último dia; Mas isto será fechado, quando todos os eleitos de Deus forem chamados e reunidos; Não haverá mais um estado de igreja na terra, ou ordenanças. O próprio Cristo é chamado de porta, João 10: 7, ele é a porta para a igreja e para as bênçãos da graça e para o próprio céu; E que está aberto no ministério da palavra, para receber pecadores, mas agora será fechado; Cristo não será mais pregado, e manifestado na palavra, como a salvação de Deus: e há a porta De fé, Atos 14:27, que é o Evangelho, assim chamado, porque a fé é por isso deixada na alma, e as almas são por ela deixada na doutrina da fé; E esta é às vezes uma porta aberta, quando os ministros têm uma oportunidade justa de preaching o, e têm a liberdade ea liberdade nela; Quando a atenção é dada a ela, e muitas almas são recolhidas dentro por ela; E isto será fechado quando Cristo vier; Não haverá mais pregação; E há também a porta da esperança, Oséias 2:15, que agora está aberta, enquanto o estado da igreja do Evangelho dura: enquanto Cristo é pregado, a palavra e as ordenanças administradas, e enquanto há vida, e Cristo ainda não chegou, lá É esperança de salvação, perdão e vida eterna; Mas quando Cristo vem, pela morte ou pelo julgamento, e encontra pessoas em um estado sem graça, então não há esperança: acrescentar a tudo isso, que a porta do coração de Cristo está agora aberta, para receber todos os pecadores vindouros; Mas, em seguida, será fechado, contra todos os seus gritos, súplicas e importunidades: ele será fechado por si mesmo, que abre e nenhum homem fecha, fecha e ninguém abre; E que contra todos os perversos e profanos pecadores, todos os hipócritas e professores formais; Mesmo sem a sua justiça ea graça do Espírito de Deus.Verse 11 Depois vieram também as outras virgens, ... As "outras cinco virgens", como lê a versão Persa. O outro"; Que eram apenas virgens no nome, não na realidade; Eram diferentes dos sábios, eram insensatos; Eles eram diferentes dos que estavam prontos, eles eram despreparados; E em outra situação diferente daqueles que entraram; Estavam fora, estavam agora separados da companhia das virgens sábias, com quem tinham sido tão longos; E o pior de tudo, eles seriam para sempre. Estes "também vieram"; Da compra de petróleo: eles andavam, e vinham como não tinham; Eles chegaram à porta da casa de convento, desejando ser deixados entrar, e esperando para participar da festa de casamento, e juntar-se na solenidade: mas, infelizmente! Eles chegaram tarde demais, vieram "depois"; Depois que o noivo chegou, depois que os que estavam prontos entraram, e depois que a porta se fechou, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos. Eles não o chamam de seu Senhor, porque não tinham interesse nele, nem podiam reivindicar qualquer; Embora a versão siríaca a leia, "nosso Senhor, nosso Senhor": eles lhe dão o título eo título nus, sem ter cedido a essa obediência, que lhe era devido. Eles dobram a palavra, para mostrar a sua importunidade, seriedade, senso de perigo e confusão: este título ou personagem é o mais usado, porque Cristo aparecerá mais claramente para ser Senhor e Deus, e toda língua confessará que ele seja tal : O seu pedido a ele é que ele lhes "abriria" a porta e os deixasse entrar; eles sentiam que a porta estava fechada, e que ninguém senão Cristo podia abri-la; Eles não concluíram imediatamente que seu caso era desesperado, mas estavam dispostos a esperar que a porta pudesse ser aberta, através de suas súplicas, eo que eles tinham a dizer por si mesmos; Pois, embora não existam argumentos ou argumentos aqui mencionados, contudo, como em outros lugares, tais como estas serão feitas pelas virgens insensatas; Isto é, profetizando em nome de Cristo, expulsando demônios em seu nome, fazendo muitas obras maravilhosas em seu nome, ouvindo sua palavra pregada, e comendo e bebendo na sua presença; Mas tudo em vão e sem propósito.Verse 12 Mas ele respondeu e disse: "O Senhor eo noivo de dentro pensaram em dar-lhes uma resposta, mas uma inesperada e terrível para eles: em verdade eu digo a Você, eu não o conheço; Que deve ser entendido em consistência com a onisciência de Cristo: ele conhecia suas pessoas, conduta e estado; Ele sabia que eram virgens tolas, professores sem graça, que não haviam dado conta dele e de sua justiça; Mas tinham confiado e dependido da sua profissão externa de religião: não eram do povo que ele conheceu de antemão, ou sabia como o seu próprio, e amou com um amor eterno; Ele nunca os conheceu como a escolha de seu pai nele, ou como presente deste pai para ele; Ele nunca os conheceu na aliança eterna, ou como as suas ovelhas, por quem ele morreu; Ele nunca soube que eles acreditassem nele, ou o amassem; Nem exaltará a sua pessoa, sangue e sacrifício, à sua mesa, nem fará qualquer obra boa com um único olho para a sua glória; Ele nunca as aprovou, gostou de suas pessoas ou de sua conduta; Ou nunca os possuíram como verdadeiros companheiros, quer de sua noiva, quer de si mesmo: o que implica a resposta, que como a porta estava fechada, assim deve permanecer; Não havia entrada para eles, nem qualquer coisa a ser esperada; E é tudo como se ele tivesse dito, se foi e partiu daqui. A versão Persa acrescenta uma cláusula como esta: "saia da minha porta" .Versão 13 Observe, portanto, ... Em ordenanças, em oração pública e privada, ao ouvir a palavra, na ceia do Senhor e em todo exercício religioso; Sobre o coração, os pensamentos e afeições dele; Sobre palavras, ações, vida e conversação; E contra todo pecado e incredulidade, as tentações de Satanás, O mundo, seus encantos e armadilhas, falsos mestres e suas doutrinas, e para a vinda do noivo. Este é o uso e aplicação de toda a parábola, e mostra o seu desenho geral; Segue-se a razão de vigiar: porque não sabeis nem o dia nem a hora; Da morte, ou do juízo, ou da vinda do filho do homem, de um ou de outro; Porque é acrescentado, em que o filho do homem vem: que ele virá é certo, e que rapidamente, O tempo é fixo, mas quando será será desconhecido; E, portanto, torna-nos ser o nosso relógio e guarda. Esta última cláusula não está na Vulgata latina, nem nas versões siríaca, árabe, persa e etíope, e estava faltando em três cópias de Beza, mas está na maioria das cópias gregas e no Evangelho hebreu de Munster, e parece ser necessário .Versão 14 Porque o reino dos céus é como um homem que viaja ... Nosso Senhor acrescenta outra parábola para ilustrar a dispensação do Evangelho, ou seu estado visível da igreja; Ou o estado de coisas que respeita a igreja de Cristo, antes e na sua segunda vinda, e durante o intervalo entre a sua ascensão e que: porque pelo homem aqui, significa Cristo, que na aliança eterna concordou em tornar-se homem, foi Profetizado como tal, apareceu freqüentemente em forma humana, sob a dispensação do Antigo Testamento; E na plenitude dos tempos, realmente se tornou homem; Embora não fosse um mero homem, mas era Deus assim como o homem; Tendo todas as perfeições e plenitude da Divindade habitando nele: este homem é dito viajar para um país distante; Por que o céu é projetado, e é assim chamado, não só por causa de sua grande distância da terra, e que é muito grande, de fato; Mas porque o melhor país e terra longe, está fora da vista; E as visões que temos dela, são muito distantes; E está longe, em relação ao nosso estado de peregrinação neste mundo, no qual, enquanto Cristo estava aqui, ele era um peregrino e um estranho também; Que poderia ser dito como um "homem viajando", enquanto ele estava nele, e ao sair dela, e subindo para o céu: ele veio de lá, e ficou aqui um tempo, andando para cima e para baixo, e fazendo o bem ; E quando terminou o que veio, ele subiu ao alto, foi para o seu Deus e Pai, entrou no céu, onde é recebido até os tempos da restituição de todas as coisas: que chamou seus próprios servos; Antes de tomar a sua viagem, a confiar algumas coisas à sua confiança e gestão; E dar-lhes algumas instruções de como se comportar durante a sua ausência: pois, de acordo com os cânones judaicos, "um mestre que tinha a intenção de sair da terra (de Israel) não podia levar seu servo com ele, a menos que quisesse; E esta é uma regra em todos os momentos, mesmo neste momento, que a terra está na mão dos gentios. "E aqui não se faz menção de qualquer ir com ele, apenas como eles deveriam ser empregados enquanto ele tinha ido embora: Por "seus próprios servos" se entende, não toda a humanidade, pois embora sejam todos em certo sentido seus servos, ou deveriam ser, ainda assim não são assim chamados nas Escrituras, muito menos com tal ênfase, seus próprios servos; Além disso, mais do que o que está no reino dos céus, ou estado da igreja do Evangelho, não pode ser pretendido, pois a parábola atinge e não diz respeito a nenhum outro: nem todos os eleitos de Deus, nem todos são os eleitos de Deus que são Porque, embora estes sejam os servos de Cristo, e os seus próprios peculiarmente, contudo todos os dotados de talentos, não são tais, um deles era perverso, indolente, sem graça, e por fim foi eternamente perdido e pereceu; O que não é verdade para qualquer um dos eleitos; mas aqui chamam-se ministros da palavra, que são eminentemente os servos de Cristo, os seus, a quem chamou, qualificou, encomendou e enviou; Porque os ministros da palavra, sejam fiéis ou preguiçosos, bons ou maus, estão muito vivamente descritos nesta parábola, que é distinta da primeira; Pois enquanto isso dá conta dos diferentes membros da igreja visível, isto descreve os vários ministros disto: nem pode ser qualquer objeção a este sentido de que, esses servos são todos eles dizem ser seus próprios servos, e Chamado, encomendado e dotado por ele; Judas, assim como o resto, foi chamado, ordenado, qualificado e enviado por Cristo, como um apóstolo. E entregou-lhes os seus bens; O Evangelho, o rico tesouro das verdades divinas, a sua dispensação, e dons para pregá-lo; Todos os quais são bens de Cristo e seus dons, e não os do homem; E que foi feito de modo muito eminente, quando Cristo subiu ao alto, e recebeu dons e deu-os aos homens. Pouco antes disso, quando estava pronto para ir, reuniu seus discípulos; Renovou e ampliou sua comissão para pregar o Evangelho; E rapidamente depois dele, deu-lhes maiores e maiores dons do Espírito do que antes; E desde então deu presentes ministeriais aos homens, a alguns mais, a outros menos, e que são significados pelos talentos seguintes.(comentário Jhon Gil)

24 — porque, como o relâmpago ilumina desde uma extremidade inferior do céu até à outra extremidade, assim será também o Filho do Homem no seu dia.
25 — Mas primeiro convém que ele padeça muito e seja reprovado por esta geração.
26 — E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do Homem.
27 — Comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e consumiu a todos.
28 — Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam.
29 — Mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre, consumindo a todos.
30 — Assim será no dia em que o Filho do Homem se há de manifestar.




Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I. Saber que a vinda de Jesus será repentina;
II. Explicar que semelhante aos dias de Noé será a vinda de Jesus;
III. Compreender que toda a Terra está corrompida pelo pecado;
IV. Fazer um paralelo entre os dias de Ló e os nossos dias.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Professor, o texto bíblico da Leitura Bíblica em Classe se encontra em Lucas 17. Neste capítulo o Senhor Jesus dá uma série de orientações aos seus discípulos. O Mestre ensina a respeito das preocupações que os discípulos precisam ter com as suas atitudes. Precisamos evitar tudo que leve os nossos irmãos a pecarem (Lc 17.1,2). Estamos sujeitos a errar, mas o Mestre mostra que na comunidade os pecados devem ser enfrentados (não acobertados), confessados e perdoados (vv.3-10). No decorrer da lição, procure dar ênfase a esta verdade, pois sabemos que a vinda de Jesus será repentina, não dando tempo para arrependimento e preparo de última hora. Que possamos viver uma vida íntegra, orando a Deus e vigiando para que não venhamos a ficar para trás no grande e glorioso Dia do Senhor.


INTRODUÇÃO

Jesus alertou várias vezes para a natureza súbita de sua vinda. Mesmo assim, pode-se observar, sem muito esforço, que grande parte dos crentes está descuidada, envolvida com os afazeres da vida e não se prepara para aquele grande momento em que Jesus voltará. É o que veremos no estudo desta lição. Deus tem falado, não só pela sua Palavra, mas através dos sinais da vinda de Jesus, que está chegando a hora. Você está preparado?



I. A VINDA DE JESUS SERÁ REPENTINA

1. Como um relâmpago. Jesus não declarou qual seria a hora, ou o momento exato, em que a sua Igreja será arrebatada. Mas Ele afirmou: “E dir-vos-ão: Ei-lo aqui! Ou: Ei-lo ali! Não vades, nem os sigais!” (Lc 17.23). Diante dessa advertência, só nos resta orar a Deus e vigiar, para que não fiquemos para trás na volta de Jesus e para que não sejamos confundidos, pois muitos falsos cristos vão surgir, tentando enganar os crentes e mesmo os ímpios. Precisamos ter discernimento para não ser enganados, pois vivemos tempos difíceis, onde muitos estão pregando um pseudo-evangelho.
2. Como um ladrão. “Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a sua casa” (Mt 24.43). Para que sua residência não seja furtada e a sua família esteja em segurança, você mantém os portões e as portas bem fechados, principalmente durante a noite. Algumas pessoas também colocam grades de proteção nas janelas. Muitos fazem altos investimentos utilizando sistemas sofisticados de alarmes e câmeras. Tudo porque não sabemos a que horas o ladrão pode atacar nossa família e roubar nossos bens, ou até mesmo tirar nossa vida ou de um ente querido nosso. Assim como protegemos nossa casa com câmeras e alarmes contra meliantes, precisamos proteger a nossa vida espiritual contra os ataques do Inimigo. Como podemos proteger-nos espiritualmente? Lendo, meditando e obedecendo à Palavra de Deus, orando, buscando a santificação e participando da comunhão com os santos. Esteja preparado e em segurança para a vinda de Jesus, não descuide de sua “casa espiritual”.


SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO

“O Reino e a Vinda do Filho do Homem (Lc 17.20-30)

O Jesus inspirado pelo Espírito fala profeticamente sobre a vinda do Reino de Deus, incluindo sua própria vinda e o julgamento final. Lucas registra dois dos maiores discursos de Jesus sobre os acontecimentos do tempo do fim (Lc 17.20-37). O Reino, o governo de Deus, é uma realidade presente. A vida e ministério de Jesus declaram de modo veemente e novo a presença do reinado régio de Deus. Mas a vinda desse Reino também é um acontecimento futuro. Jesus se refere a ambos os lados do reinado soberano de Deus aqui. Nos versículos 20 e 21, em resposta a uma pergunta feita pelos fariseus, Ele explica a natureza futura do Reino. Depois, nos versículos 22 a 37, Ele explica aos discípulos a futura vinda do Reino.
Alguns fariseus perguntaram a Jesus quando Deus vai estabelecer o seu Reino na terra. Não há que duvidar que eles ficaram impressionados com os dons proféticos de Jesus, então agora eles desejam saber o momento quando Deus começará a exercer seu governo sobre a humanidade. Eles querem um horário e presumem que sinais visíveis precederão a vinda do Reino. Jesus explica que o Reino de Deus é distinto dos reinos com os quais os fariseus estão familiarizados. Sua vinda não corresponderá com sinais visíveis para que ninguém possa predizer o tempo exato de sua chegada. As pessoas entendem mal o caráter do Reino de Deus, quando dizem ‘Ei-lo aqui! Ou: Ei-lo ali!’. Tais predições são arrogantes e mostram-se falsas e decepcionantes a pessoas persuadidas por elas (cf. At 1.6,7)” (Comentário Bíblico Pentecostal. 4ª Edição. RJ: CPAD, 2009, p.432).







II. COMO FOI NOS DIAS DE NOÉ

1. “Comiam e bebiam” (Lc 17.27). Comer e beber são instintos concedidos por Deus. Ninguém sobrevive sem alimento ou água. Não há nada de errado em comer e beber, porém o erro está em deixar que as coisas desse mundo tomem o primeiro lugar em nosso coração, esquecendo-se de Deus e não estando apercebidos quanto à vinda de Jesus Cristo. Ao se referir aos tempos de Noé, Jesus estava mostrando que no dia da sua vinda a vida transcorrerá normalmente, sem qualquer aviso prévio. Neste glorioso dia, as pessoas estarão realizando seus afazeres diários, trabalhando, estudando, indo à igreja, comprando, negociando, etc, quando serão surpreendidas pela volta de Jesus, assim como nos dias que antecederam o Dilúvio. Noé, durante anos, pregou que o Dilúvio viria. Ele falava de dilúvio em um tempo onde as pessoas ainda não conheciam a chuva, por isso, muitos não creram e zombaram dele, mas o dia do Dilúvio chegou. Os ímpios foram destruídos e somente Noé e sua família foram salvos das águas do Dilúvio (Gn 6.13-8.22). Façamos como Noé, apregoando a justiça e o juízo divino, pois em breve Jesus virá.
2. “Casavam e davam-se em casamento” (Lc 17.27). Casar e formar uma família são projetos de Deus para o ser humano. Ele disse: “Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” (Gn 2.24). Deus deseja o bem-estar do homem e o casamento contribui para isso. Porém, muitos estão de tal maneira envolvidos com seus cônjuges e filhos que se esquecem que estamos neste mundo de passagem e que o Dia do Senhor virá. Mais uma vez Jesus está afirmando que no dia da sua vinda, as pessoas estarão realizando seus afazeres diários quando serão surpreendidas, assim como nos dias que antecederam o Dilúvio.



SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO

“Jesus compara o dia da sua volta com os dias de Noé e de Ló. Antes do dilúvio, as pessoas viviam a vida normalmente. Elas continuavam comendo, bebendo e casando-se. Não levaram a sério as palavras de julgamento que Noé apregoava. Quando chegou o dilúvio, elas estavam desprevenidas, e todo o mundo pereceu (Gn 7.11-23).
Algo semelhante aconteceu nos dias de Ló. As pessoas eram dedicadas a interesses terrenos. Elas comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e construíam. Estes indivíduos estavam preocupados com interesses próprios, não tendo consciência de que estavam a caminho do julgamento. Eles também estavam desprevenidos quando Deus fez chover do céu fogo e enxofre (Gn 19.23-25). A oportunidade de salvação passou por eles e o julgamento divino os colheu. Quando Cristo voltar, essa mesma indiferença e desvanecimento predominarão (Lc 17.30). As pessoas não discernirão os tempos nos quais vivem por estarem sobrecarregadas com os cuidados da vida.
Quando o julgamento vier, será rápido e decisivo. No dia da gloriosa aparição de Cristo, os seres humanos têm de se precaver contra a devoção às próprias preocupações. Um homem que esteja no telhado descansando ou se encontre no campo trabalhando, pode pensar que tem um tempo para voltar para casa e recolher suas posses. Isso será impossível.
Todos devem ser livres de ligações com as coisas terrenas e estar comprometidos de coração com o Reino de Deus. A vinda do Filho do Homem requer devoção sincera a Ele. Interesses mundanos e amor às posses materiais têm consequências fatais” (Comentário Bíblico Pentecostal. 4ª Edição. RJ: CPAD, 2009, p.433).



III. A CORRUPÇÃO GERAL NA TERRA

1. Toda a terra estava corrompida e violenta. “A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra” (Gn 6.11,12). Não havia uma cidade, na Terra, em que a maldade e a depravação não houvessem chegado. Nos dias atuais, como nos dias de Noé, a violência tem alcançado níveis assustadores. Segundo órgãos de pesquisas, o Brasil tem 10% dos homicídios no mundo; a cada ano, morrem 50.000 pessoas assassinadas, sendo a maior parte jovens de 15 a 24 anos; 45.000 morrem pela violência no trânsito. Certamente a violência e a corrupção moral são sinais da volta de Jesus. A Igreja precisa orar mais por nosso país e pelas nações (2Cr 7.14). Diante da volta iminente de Jesus, não podemos ficar parados, esperando, de braços cruzados que tudo aconteça e que as pessoas morram e sofram sem salvação. Precisamos, como cristãos, fazer a nossa parte, levando a mensagem da salvação e vivendo como “sal” e “luz” em meio ao mundo que está “agonizando”.
2. O juízo de Deus sobre a corrupção geral. Deus resolveu destruir toda a humanidade através do dilúvio (Gn 6.5-7). Por sua misericórdia, Deus preservou Noé, sua família e os animais, salvando-os na Arca. Depois da volta de Jesus, haverá terrível juízo sobre os ímpios (2Ts 1.8,9). Hoje, muitos crentes não oram nem vigiam. É sinal de que o principal, na vida do crente, está sendo desprezado. Mas as Escrituras alertam: “Orai sem cessar” (1Ts 5.17; Mt 25.13; 24.42).


SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO

“A esposa de Ló serve de advertência contra apegar-se à busca de posses materiais. Ela quase escapou da cidade condenada de Sodoma; mas ela olhou para trás, desejando os deleites que ela estava deixando. Em consequência, ela foi pega no julgamento de Sodoma e pereceu (Gn 19.26). Hoje é o tempo de fixar nossos corações em Cristo e nos tesouros eternos. Corremos alto risco se esperamos até a última hora (cf. Lc 12.35-40). Tentar preservar a vida é perdê-la, mas perder a vida é ganhá-la. Em outras palavras, buscar a plenitude da vida em coisas terrenas tem consequências fatais. Devoção a Cristo e abnegação trazem a verdadeira felicidade e vida. Seguir a Cristo agora e perseverar na fé garantem-nos a vida no mais glorioso sentido da palavra. Na visão do mundo, estamos desperdiçando a vida, mas Deus vindicará seu povo. Na sua vinda, diz Jesus, haverá uma divisão entre os salvos e não salvos. Naquele dia, duas pessoas, o marido e a esposa, estarão na mesma cama. Uma será levada; outra ficará para trás. Novamente, duas mulheres estarão moendo grãos juntas; elas também serão separadas. Jesus não explica o que significa ‘tomado’, mas Noé foi salvo sendo levado na arca (v.27). Evidentemente as pessoas deixadas para trás são incrédulas, que enfrentarão julgamento. Cristo levará os crentes da terra, a cena de julgamento, para estarem com Ele no céu” (Comentário Bíblico Pentecostal. 4ª Edição. RJ: CPAD, 2009, p.434).



IV. COMO FOI NOS DIAS DE LÓ

1. Dias de intensa corrupção. “Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam” (Lc 17.28). Ló era um homem justo (2Pe 2.7,8) que viveu em uma cidade perversa, chamada Sodoma. Em Sodoma, e nas cidades vizinhas, o homossexualismo era uma prática comum. Certa vez, a Bíblia conta que os homens da cidade atacaram a casa de Ló desejando abusar dos anjos que ali foram enviados pelo Senhor. Aqueles homens pervertidos acharam que os anjos estivessem fazendo parte de uma festa (Gn 19.15; 13.13; 18.20,21). O pecado seria castigado, mas Deus não destruiria os ímpios e os justos. O Senhor demonstrou grande paciência com Ló e sua família, ajudando-os a saírem da cidade antes da destruição. O dia do juízo de Deus veio para os habitantes de Sodoma e Gomorra em um momento que eles não esperavam. A vida seguia seu curso normal, quando Deus fez chover enxofre e fogo destruindo aquelas cidades de modo fulminante e para sempre (Gn 18.20,21; 19.24; Dt 29.23; 2Pe 2.6). A mulher de Ló, durante a fuga, resolveu olhar para trás e ficou petrificada (Gn 19.26). Jesus certa vez alertou: “Lembrai-vos da mulher de Ló” (Lc 17.32). O coração da mulher de Ló estava na sua cidade, em seus bens materiais. Que nossos corações não estejam nas coisas deste mundo — casas, carros, conquistas, etc. — mas nas coisas do alto, de Deus, pois no grande Dia do Senhor não vamos levar nada desse mundo.
2. A corrupção mundial. Os “dias de Ló” são emblemáticos e um sinal para os dias em que vivemos. Recentemente, a Suprema Corte dos Estados Unidos, uma nação onde a maioria das pessoas se diz cristã, aprovou o “casamento gay”, e igrejas ditas evangélicas, concordando com tal prática, dão total apoio a esse tipo de união considerada “abominação ao Senhor” (Lv 18.22; 20.13). No Brasil, o Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3) quer assegurar “os direitos trabalhistas e previdenciários de profissionais do sexo”. Isso significa que, no programa oficial, o governo considerará a prostituição uma atividade profissional.
3. A destruição da família. No Brasil, temos visto vários projetos cujo objetivo é dar fim ao modelo bíblico, cristão de família. Quem está por trás desses projetos é o Diabo, pois seu objetivo é destruir a família tradicional, constituída de pai, mãe e filhos, como Deus instituiu: “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou [....]. Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” (Gn 1.27; 2.24). A diabólica “ideologia de gênero”, que tem sido disseminada em nossa nação, ensina que o ser humano quando nasce não tem sexo definido, ou seja, nem é homem ou mulher. Eles dizem, erroneamente, ser “gênero neutro”. É uma prova inequívoca de que a iniquidade está se multiplicando de forma avassaladora, o que faz soar “a contagem regressiva” para o Apocalipse.

Nunca na História, a humanidade esteve tão longe de Deus. Mesmo com tantas religiões, a maioria dos sete bilhões de habitantes do mundo não apenas descreem de Deus, mas o afrontam em rebelião aberta contra sua Lei e seus princípios. A tendência não é melhorar, mas piorar, a ponto de superar em intensidade, a corrupção moral dos tempos de Noé e de Ló. Que Deus nos guarde debaixo de sua poderosa mão, preservando-nos em santidade para a vinda de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

Esteja alerta e vigilante, Jesus voltará

A nação brasileira nunca esteve mergulhada num vale de corrupção como se encontra hoje. As manchetes são vastas. A corrupção está entranhada nas esferas pública e privada. E as notícias do aumento da violência?! E o confronto entre as pessoas, o desejo de fazer “justiçamento” com as próprias mãos?! De um lado, um poder público acuado, atordoado; do outro, menores e adultos, agentes do crime galgando os “louros” para suas próprias vantagens. A sensação é de total insegurança: a polícia prende, mas a justiça solta.
Há a agenda do doutrinamento do homossexualismo na tentativa de promovê-lo à normalidade, como se a heterossexualidade fosse exceção. Igualmente, a agenda da Ideologia de Gênero empurrada à força para dentro das escolas pelos intelectuais das secretarias estaduais e municipais de educação — e claro, sob a tutela do Ministério da Educação, o MEC.
O mundo está perplexo com a crise dos refugiados na Síria, o avanço do Estado Islâmico e os desentendimentos diplomáticos entre EUA, Rússia, Irã e Israel, as ditaduras na América Latina, as ameaças de invasão da Venezuela à Guiana e a busca do confronto com a Colômbia. Cada vez mais os acordos diplomáticos são ignorados e o respeito aos pactos internacionais são completamente ignorados. Este é o quadro nada positivo do mundo hoje.
A Bíblia relata que nos dias de Ló e de Noé os acontecimentos estavam assim. Índices altíssimos de corrupção, a violência praticada em números desproporcionais, as ameaças contra os mais fracos e o predomínio da imoralidade daquelas sociedades. Como elemento surpresa, ambas as sociedades foram julgadas e destruídas pelos juízos de Deus.
O Altíssimo é justo e o ato da sua justiça se mostra contra toda a injustiça. A primeira vinda de Jesus Cristo foi um “brado” da justiça de Deus contra a injustiça dos homens (Jo 1.4,5). Desde muito tempo, o ser humano se aprofunda em suas mazelas e pecados (Rm 1.18-32). A condenação injusta da pessoa de Jesus de Nazaré demonstra o quanto o ser humano é mau e capaz de cometer as maiores atrocidades — principalmente em nome de Deus.

Portanto, haverá um dia em que o nosso Senhor julgará grandes e pequenos, ricos e pobres (Mt 25.31-46). O Filho retribuirá cada um conforme a verdade das suas ações. A Segunda Vinda de Jesus Cristo demonstrará a sua grandiosa justiça. Embora, ninguém saiba dia e hora! (notas Exposição de John Gill de toda a Bíblia).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.