quarta-feira, 27 de maio de 2015

Lições Bíblicas CPAD 4º Trimestre de 2010 O Ministério da Intercessão

 



       Lições Bíblicas CPAD  4º Trimestre de 2010


Título: O Poder e o Ministério da Oração — O relacionamento do cristão com Deus
Comentarista: Eliezer de Lira e Silva


Lição 10: O Ministério da Intercessão
Data: 05 de Dezembro de 2010

TEXTO ÁUREO


Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos (Ef 6.18).

VERDADE PRÁTICA


Através de Cristo e sob o poder do Espírito Santo, somos impulsionados e capacitados a interceder uns pelos outros.

LEITURA DIÁRIA


Segunda - Mt 15.22-28
A intercessão da mulher siro-fenícia


Terça - Jó 42.10
A intercessão altruísta de Jó


Quarta - Lc 23.34
A intercessão compassiva


Quinta - Rm 8.34; Hb 7.25
Cristo intercede pelo seu povo


Sexta - Rm 8.26
O Espírito Santo intercede pelo crente


Sábado - 1 Tm 2.1-4
Devemos interceder por todos os homens

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE


Gênesis 18.23-29,32,33.

23 - E chegou-se Abraão, dizendo: Destruirás também o justo com o ímpio?
24 - Se porventura houver cinquenta justos na cidade, destruí-lo-ás também, e não pouparás o lugar por causa dos cinquenta justos que estão dentro dela?
25 - Longe de ti que faças tal coisa, que mates o justo com o ímpio; que o justo seja como o ímpio, longe de ti seja. Não faria justiça o Juiz de toda a terra?
26 - Então disse o SENHOR: Se eu em Sodoma achar cinquenta justos dentro da cidade, pouparei todo o lugar por amor deles.
27 - E respondeu Abraão dizendo: Eis que agora me atrevi a falar ao Senhor, ainda que sou pó e cinza.
28 - Se, porventura, faltarem de cinquenta justos cinco, destruirás por aqueles cinco toda a cidade? E disse: Não a destruirei, se eu achar ali quarenta e cinco.
29 - E continuou ainda a falar-lhe, e disse: Se porventura se acharem ali quarenta? E disse: Não o farei por amor dos quarenta.
32 - Disse mais: Ora, não se ire o Senhor, que ainda só mais esta vez falo: Se, porventura, se acharem ali dez? E disse: Não a destruirei por amor dos dez.
33 - E foi-se o SENHOR, quando acabou de falar a Abraão; e Abraão tornou ao seu lugar.

INTERAÇÃO


Intimidade! Quando olhamos para a vida de Abraão e a sua apaixonada intercessão em favor de Sodoma e Gomorra percebemos que ele mantinha uma relação tão vital com Deus que Este compartilhou com Abraão uma intimidade do seu próprio coração no tocante àquelas duas cidades: “E disse o Senhor: Ocultarei eu a Abraão o que faço?” (Gn 18.7). Por causa dessa intimidade Abraão foi um grande intercessor. Suas intercessões não chegaram impedir a ira de Deus sobre as duas cidades, mas serviram para livrar a Ló e sua família daquela destruição (Gn 19.29). Com Abraão entendemos que toda intercessão significativa só pode se originar de um coração que esteja em perfeita intimidade com a compaixão e os propósitos do coração de Deus.

OBJETIVOS


Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
·        Explicar a oração intercessória no Antigo Testamento e em o Novo Testamento.
·        Compreender as características de um intercessor.
·        Conscientizar-se que a compaixão e o amor são características marcantes do cristão.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA


Professor, sugerimos que você utilize o quadro abaixo ao introduzir o segundo tópico. Isso pode ser feito através de PowerPoint, retroprojetor, lousa ou distribuição de cópias. Procure enfatizar o ministério da intercessão exercido por Abraão, Moisés e Paulo como exemplos de amor ao próximo, porém, cite Jesus Cristo como o exemplo supremo de compaixão e amor pelo próximo. Conclua explicando que a vida de oração intercessória passa pelas características cristãs de perseverança, altruísmo e empatia conforme o quadro abaixo. Boa aula!

Perseverança

   Em súplicas a Deus;
   Em meio às adversidades;
   Em seu pedido.


Altruísmo

   Renúncia de si mesmo;
   Colocar-se no lugar do outro;
   Amor ao outro.


Empatia

   Identificar-se com o outro;
   Harmonizar-se com o diferente;
   Disponibilidade para aprender com o próximo.

COMENTÁRIO


introdução

Palavra Chave
Intercessão: [Do lat. intercessionem]. Súplica em favor de outrem. A intercessão pressupõe sofrer com os que sofrem; chorar com os que choram.

O amor é a característica mais marcante do cristão (Jo 13.35). Esse amor deve ser demonstrado em todo o seu viver, inclusive em suas orações intercessórias. Intercessão quer dizer orar a Deus em favor de outra pessoa. A Palavra ordena aos filhos de Deus a orar por seus irmãos (Ef 6.18,19), pela obra de Deus (Mt 9.38), pelas autoridades constituídas (1 Tm 2.1,2) e até pelos inimigos (Mt 5.44). Se você, meu irmão, não é um intercessor, está perdendo a bênção de Deus. Portanto, entre na esfera da intercessão agora!

I. A ORAÇÃO INTERCESSÓRIA

1. No Antigo Testamento. Entre o povo de Israel havia muitos homens fiéis, amorosos e dedicados, que perseveraram em oração a Deus por seus irmãos e pela nação inteira. Samuel (1 Sm 7.8,9; 12.19-25), Moisés (Êx 32.11-14, 30-32; Dt 9.13-19), Jeremias (14.19-22), Esdras (Ed 9.6-15), Daniel (Dn 9.3-19) e tantos outros servem como exemplo. O próprio Deus menciona nominalmente homens como Samuel e Moisés como intercessores (Jr 15.1). Estes homens santos se afligiam com o pecado do povo, sentiam a necessidade do perdão divino e choravam diante de Deus, suplicando-lhe uma solução.
2. Em o Novo Testamento. O ministério da intercessão perante Deus continuou, sendo o Senhor Jesus o nosso supremo exemplo (Jo 17). Pessoas vinham ao Mestre pedindo por seus parentes, amigos e servos (Mc 5.22-43; 10.13; Jo 4.46-53). Jesus demonstrou a prática da intercessão muitas vezes orando pelos perdidos (Lc 19.10), por Jerusalém e seus discípulos (Jo 17.6-26). Na igreja, a partir do livro de Atos e das Epístolas há muitos e variados exemplos de intercessões em oração, nos quais há grandes lições para a nossa vida cristã. A igreja é incentivada a orar uns pelos outros (Tg 5.16; Ef 6.18). Ela deve habituar-se a interceder pelas necessidades dos irmãos (At 12.5; 13.3). Na igreja, às vezes há grupos que se organizam e se intitulam “Os Intercessores”, mas não perduram. O verdadeiro intercessor não gosta de aparecer. Ele em si mesmo se compraz em ver, mediante sua intercessão, o nome de Deus ser glorificado pelas bênçãos concedidas.
3. Nos dias atuais. A Bíblia nos ensina que é dever do crente orar pelos outros (1 Jo 5.16; 1 Tm 2.1,8; Ef 6.18; Tg 5.16). Contudo, não é só um dever, mas principalmente um privilégio e um canal de bênção. Aquele que persevera em orar pelos outros, Deus levanta intercessores para orar por ele e, assim, todos são abençoados. A oração intercessória enquadra-se na verdade bíblica: “Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (At 20.35). Quem ora, se coloca diante de Deus, entra em sua presença e nunca sai deste encontro da mesma forma que entrou. Ser alvo de uma oração é gratificante; orar é glorioso. A prática de estar com Deus em oração, muda o homem (Gn 32.22-32). As pessoas conseguem perceber a diferença daquele que cultiva a comunhão com Deus (Êx 34.29-35). Dentre os discípulos de Jesus, três conviveram mais com Ele; e dentre os três, um era-lhe ainda mais chegado.


SINOPSE DO TÓPICO (I)

A oração intercessória no AT (como as de Moisés e Samuel) e em o NT (o supremo exemplo de Jesus) serve de modelo para os dias hodiernos.


II. CARACTERÍSTICAS DE UM INTERCESSOR

1. Perseverança. Abraão foi um homem perseverante. Sua súplica a Deus por Sodoma e Gomorra demonstra sua diligência. Ele intercedeu diante de Deus e nisso perseverou até obter a resposta (Gn 18.22-33). O intercessor não pode se deixar levar pelas dificuldades e aparentes “impossibilidades”. Foi o caso da mulher siro-fenícia perante Jesus. Apesar de ser ignorada e receber inicialmente um “não” do Senhor, como teste da sua fé, ela insistiu em seu pedido, humilhando-se diante dEle, até que foi atendida em sua petição (Mt 15.22-28).
2. Altruísmo. Em um autêntico intercessor não pode haver egoísmo, mesmo porque, se alguém é egoísta, não é intercessor. O oposto do egoísmo é o altruísmo. A pessoa esquece de si mesma e cuida do outro por amor. O caso de Moisés é emblemático. O Senhor falou em acabar com o povo de Israel e iniciar, a partir dele (Moisés), outro povo (Êx 32.7-14). O amor que Moisés tinha por aquelas pessoas, que com tanto zelo e devoção eram conduzidas por ele, dominava o seu ser. Esse amor o levou a rejeitar a proposta e interceder pelo povo que havia desprezado a Deus e ao próprio Moisés (Êx 32.1,4). Na mesma ocasião, esse servo de Deus pediu para ser riscado do livro divino, caso o Senhor não perdoasse aos israelitas (Êx 32.30-32). Um fato semelhante é o de Jó, que em meio a severas provações, grande necessidade e graves problemas de saúde, intercedia diante de Deus por seus “amigos” (Jó 42.10). O apóstolo Paulo, com profundo amor pelo seu povo e anseio por sua salvação, afirmou que abriria mão de sua própria salvação em favor deles (Rm 9.3). Jesus, cravado no madeiro, sofrendo grandes dores, intercedeu por seus algozes (Lc 23.33,34), e pelo ladrão arrependido crucificado ao seu lado (vv.40-43).
3. Empatia. Empatia é, no campo natural, a capacidade de uma pessoa identificar-se com outra; harmonizar-se, combinar com outra pessoa, sentir o que ela sente, desejar o que ela quer, apreender do modo como ela apreende. Interceder, no campo espiritual, é mais do que simplesmente apresentar pedidos em favor de outros diante de Deus. É ter a capacidade de se colocar no lugar daquela pessoa ou pessoas, sentir suas misérias, sua dor, seu estado, sua necessidade e, por conseguinte, implorar a Deus por sua resposta. Esdras e Jeremias foram exemplos nesta área. Eles mesmos não haviam pecado contra Deus, cometendo as abominações que o povo cometia em sua época. No entanto, em oração apresentaram o povo a Deus, rogando-lhe o seu perdão e implorando por salvação (Jr 14.18-22; Ed 9.6-15). Neemias, o governador, fez a mesma coisa (Ne 9.33,37). Em Jesus esta característica é notória; Ele sentia a dor das pessoas, o que o levava à compaixão (Lc 7.11-13; Mt 9.36; 14.14). Quando viu a dor de Maria ao perder seu irmão, chorou (Jo 11.32-35). O cristão deve sempre ter em si esta virtude (Rm 12.15) ao interceder diante de Deus por outro.


SINOPSE DO TÓPICO (II)

As principais características bíblicas do intercessor são: perseverança, altruísmo e empatia.


III. A FORÇA DA ORAÇÃO COLETIVA

1. Nínive. O Senhor havia determinado a destruição de Nínive. Seus habitantes, no entanto, decidiram arrepender-se e humilhar-se diante de Deus, como um só homem, apregoando um jejum que incluía até os animais, clamando a Deus por misericórdia e pela revogação da sentença destruidora que fora motivada por eles mesmos. Apesar dos protestos do profeta Jonas, tiveram sua petição atendida, e todo o povo foi salvo da destruição (Jn 3.5-10).
2. Israel. Quando Ester tomou conhecimento do terrível e destruidor edito real que decretava a morte de todos os judeus, ela e suas auxiliares decidiram orar e jejuar para que o Senhor preservasse a vida dos descendentes de Abraão e desse vitória sobre seus inimigos. Mais uma vez, Deus respondeu à oração (Et 4.15-17; 8.1-17).
3. Igreja Primitiva. A igreja começou em plena atmosfera de oração (At 2.42). Eles apresentavam seus pedidos a Deus de forma unânime. Quando Pedro foi preso, a igreja reuniu-se para interceder a Deus por ele (At 12.1-17). Aquela reunião de súplica foi certamente transformada em reunião de louvor e agradecimento a Deus pela oração respondida.


SINOPSE DO TÓPICO (III)

A oração coletiva é eficaz na perseverança e unanimidade da igreja, assim como o exemplo em Nínive, Israel e na Igreja Primitiva.


CONCLUSÃO

Orar pelos outros é um dever e uma prova de que o amor de Deus está derramado no coração do intercessor. Buscar a Deus com fé é o modo correto de começar. Todos os cristãos devem desenvolver uma vida de oração e intercessão, buscando ter em si virtudes como altruísmo, perseverança e empatia espiritual. Assim fazendo, além de aprimorar sua vida de comunhão com Deus, o cristão estará cumprindo o mandato divino de amar ao próximo como a si mesmo.

VOCABULÁRIO


Altruísmo: Amor ao próximo.
Emblemático: Significativo, exemplar.
Empatia: Sentir o que o outro sente.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA


HUGHES, R. K. Disciplinas do Homem Cristão. 3.ed. RJ: CPAD, 2004.
SOUZA, E. Â. Guia Básico de Oração. Como orar com eficácia no seu dia-a-dia. 1.ed. RJ: CPAD, 2002.

EXERCÍCIOS


1. O que é intercessão?
R. Orar a Deus em favor de outra pessoa.

2. Cite três exemplos de homens fiéis que perseveraram em oração a Deus no Antigo Testamento.
R. Abraão, Moisés e Samuel.

3. Em qual verdade bíblica se enquadra a oração intercessória?
R. “Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (At 20.35).

4. Quem é o nosso supremo exemplo no ministério da intercessão?
R. O Senhor Jesus.

5. De acordo com a lição, quais as principais características de um intercessor?
R. Perseverança, altruísmo e empatia.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO


Subsídio Bibliográfico

Intercessão
“O vocábulo hebraico ‘paga’ ocorre 46 vezes no Antigo Testamento. Sua forma verbal significa ‘encontrar-se’, ‘pôr pressão sobre’ e, finalmente, ‘pleitear’. Já sua forma causativa, com le (‘para’), significa ‘interceder diante de’. O texto a seguir é um exemplo de seu uso no Antigo Testamento.
‘Pelo que lhe darei a parte de muitos, e, com os poderosos, repartirá ele o despojo; porquanto derramou a sua alma na morte e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu [fez intercessão]’ (Is 53.12).
Em o Novo Testamento, a palavra ‘intercessão’ vem do termo grego entugchano, que significa ‘apelar a’, ‘pleitear’, ‘fazer intercessão’, ‘orar’. Duas bem familiares e preciosas passagens incluem este vocábulo:
‘E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito; e é ele que segundo Deus intercede pelos santos’ (Rm 8.26,27).
‘Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens’ (1 Tm 2.1).
[...] A ‘intercessão’ representa ‘o ato de uma ou mais pessoas, humanas ou divinas, que fazem intercessão a Deus em favor de outrem’”.

(BRANDI, R. L.; BICKET, Z. J. Teologia Bíblica da Oração. RJ: CPAD, 4.ed., 2007, p.29)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.