sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Chamada ministerial (6)




A alegria acrescenta brilho a todas as virtudes cristãs, e ilumina toda experiência de vida, mas em nenhum momento brilha mais intensamente do que nas adversidades. Uma das primeiras lições que o novo crente deve aprender é que a alegria não depende das circunstâncias; pelo contrário, as provações são transformadas pela alegria. Não basta suportar ou até vencer as tribulações, pois sem alegria o triunfo está incompleto (cf. Cl 1.11). Não é surpresa que alegria e aflição estejam quase sempre juntas quando o homem de fé sofre alegremente por amor a Jesus.
Esta alegria cristã não é efervescência superficial, mas jorra de fontes profundas e interiores da vida cheia do Espírito. E um fruto do Espírito! A alegria é a manifestação externa da paz (eirene) interna. Esta paz não é mera ausência de dificuldade, ansiedade e preocupação. Trata-se de serenidade que é o resultado de viver numa relação certa com Deus, com os homens e consigo mesmo. Pela fé em Cristo, o homem encontra paz com Deus (cf. Rm 5.1), e esta nova relação se torna o fundamento para uma vida de paz nas outras duas dimensões.
Na saudação tipicamente cristã, havia paz: “Graça a vós e paz”. Embora a paz seja dom do “Deus de paz”, esta não deve ser mal-entendida. Não é questão de pouca monta viver em paz, sobretudo com certas pessoas! Paulo precisou exortar: “Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens” (Rm 12.18). O crente tem de procurar o prêmio da paz (cf. 1 Pe 3.11; Hb 12.14), a qual só será encontrada quando ele andar pelo Espírito, porque a paz é fruto de uma vida cheia do Espírito.
c) Longanimidade (5.22). A “paciência” (makrothumia, BV, CH, NTLH, NVT) é seguramente o fruto que torna o homem semelhante a Deus. Como ocorre com outros termos, esta é característica de Deus; e do homem, segundo Deus quer que ele seja. Como Deus é paciente com os homens, então eles são pacientes nele, tanto quanto em relação a seus semelhantes; pois as circunstâncias e os acontecimentos estão nas mãos de Deus.
Esta virtude bíblica vital não deve ser confundida com mera disposição tranqüila, que permanece impassível diante de toda e qualquer perturbação. Tal modo de vida é mais uma característica nativa da personalidade do que uma qualidade do espírito. Longanimidade é exatamente o que a palavra sugere: ânimo longo, firmeza de ânimo, constância de ânimo, alguém que permanece animado por muito tempo sem se deixar abater. Sua essência primária é a perseverança (Desistir? Nunca!), suportando as pessoas e as circunstâncias. Como Deus é longânimo para conosco (cf. 1 Tm 1.12-16), assim devemos ser longânimos para com nossos semelhantes (Ef 4.2), nunca admitindo a derrota por mais que os homens sejam irracionais e difíceis (cf. 1 Ts 5.4). E este tipo de paciência que reflete verdadeiramente o amor cristão (agape; cf. 1 Co 13.4). Tal amor paciente não é nossa realização. É o trabalho de Deus no coração dos homens, pois é o fruto do Espírito.
d) Benignidade (5.22). Os crentes não devem ser longânimos em um ambiente de isolamento moral. O homem de fé deve expressar benignidade (chrestotes), talvez mais bem traduzida por “amabilidade” (NVI). No Novo Testamento, a bondade de Deus não é uma qualidade moral apavorante que repele o homem; trata-se de amabilidade acompanhada de paciência (Rm 2.4). Mas quando é imposta, com esta benignidade há a severidade (Rm 11.22). A amabilidade de Deus tem o propósito de levar ao arrependimento, de forma a poder expressar-se em perdão (cf. Rm 2.4). Vemos melhor esta amabilidade nos homens quando perdoamos os outros assim como Cristo nos perdoou (cf. Ef 4.32). Esta é a maior bondade que o homem pode ter, contudo, poucos são perdoadores por natureza. E o fruto do Espírito.
e) Bondade (5.22). O próximo fruto é bondade (agathosyne). Está estritamente ligada a benignidade; mas, da lista de Paulo, bondade é a que fornece a definição menos precisa. A conclusão de Barclay é que significa uma generosidade sincera que é imerecida, mais que uma justiça relutante ou até mesquinhamente conferida ainda que merecida e digna. E certo que tal generosidade amplia o significado de “amabilidade que perdoa”, e é realmente fruto do Espírito.
f) Fé (5.22). A fé (pistis) é o fruto mais mal-entendido de todos. Esta é uma das raras ocasiões em que o termo grego é mais ambíguo que o equivalente em nosso idioma. Ao longo do Novo Testamento, pistis refere-se principalmente à ação do crente depender totalmente da obra de Cristo. O fruto do Espírito são virtudes éticas que lidam primariamente com as relações interpessoais.80 Em poucos exemplos, o termo grego pistis tem o significado ético de “fidelidade”, que é obviamente como devemos entendê-lo aqui. Em si, descreve lealdade, probidade e confiança. Como se dá com bondade, o padrão humano da fidelidade é não menos que o próprio Deus (cf. Rm 3.3). Como Deus é fiel, assim seus mordomos devem ser (cf. 1 Co 4.2).
Fidelidade não diz respeito somente a manter-se fiel a Deus diante das provas e coações, mas também a ser leal ao próximo. O elogio de Paulo aos seus colaboradores fiéis (1 Co 4.17; Ef 6.21) e aos santos fiéis (Ef 1.1; Cl 1.2) certamente engloba tal confiança nas relações humanas. Muito corretamente, a fidelidade representa o nível mais alto de responsabilidade entre o marido e a mulher (cf. 1 Tm 3.11). “Não há igreja ou casamento que permaneça, a menos que esteja fundamentado na lealdade.” É mais que virtude humana, é fruto do Espírito!
g) Mansidão (5.22). Este fruto é um dos mais difíceis de definir, principalmente porque é impossível traduzir prautes (mansidão) por um único termo em nosso idioma. Ser manso não tem a conotação de ser “desalentado, desanimado, mole, fraco ou destituído de energia ou força moral”. Mansidão é a combinação de força e suavidade.84 “Quando temos prautes, tratamos todas as pessoas com cortesia perfeita, reprovamos sem rancor, argumentamos sem intolerância, enfrentamos a verdade sem ressentimento, iramos, mas não pecamos, somos gentis, mas não fracos.”
A mansidão tem de estar associada com a verdadeira humildade (cf. Mt 11.29; Cl 3.12), o contrário de orgulho e arrogância. Este é o melhor tipo de força, e inspira o enlevo de Deus. Mansidão é uma qualidade de Moisés (Nm 12.3), que de modo magnífico harmonizou força e suavidade em seu difícil papel. O maior exemplo é aquele que era maior que Moisés, Jesus Cristo. Mansidão é a própria essência do caráter daquele que é capaz de limpar o Templo e perdoar uma infeliz adúltera. E este “jugo” que o discípulo é convidado a tomar sobre si (cf. Mt 11.19), pois é supremamente característico da semelhança com Cristo. O crente possui mansidão apenas como fruto do Espírito.
h) Temperança (5.22). O último fruto é temperança (egkrateia), mais bem traduzida por “autocontrole”. Embora este fruto descreva a coibição de todas as paixões e desejos do homem (1 Co 9.25), também tem a aplicação específica de ser sexualmente moderado (1 Co 7.9). Isto é compreensível no mundo daquela época, como também no nosso. A pureza moral era virtude distintamente cristã, e tende a sê-lo hoje. O propósito de Deus é que seus filhos vivam no mundo, mas permaneçam puros da depravação moral que há no mundo. Isto é possível quando o crente anda pelo Espírito, porque autocontrole é fruto do Espírito. Este autocontrole, ou melhor,R. E. Howard. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 9. pag. 73-77 (estudalicao.blogspot.com)
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.