quarta-feira, 2 de agosto de 2017

ARROGANCIA E HUMILDADE (1)




           ARROGANCIA E HUMILDADE (1)

Contrapondo a Arrogância com a Humildade.

Muitos ainda confundem humildade com a falta de bens e recursos materiais. Porém, humildade não tem nada a ver com os bens materiais que uma pessoa possui. Ser humilde é ser consciente das fraquezas, falhas, erros, imperfeições. Humildade também não é complexo de inferioridade. Muitos não têm uma auto- estima saudável e acabam adoecendo e confundido humildade com baixa autoestima. Quando uma pessoa não tem uma visão correta de si mesma, ela corre o perigo de desenvolver um complexo de inferioridade ou de se tornar uma pessoa altiva, arrogante, soberba. Deus pode e quer curar a forma como nos vemos.
A humildade nas Sagradas Escrituras está associada a uma atitude mental de que tudo que temos ou somos vem do Senhor. O apóstolo Pedro exorta-nos a que venhamos nos revestir de humildade (1 Pe 5.5). O livro de Provérbios exorta-nos a trilhar o caminho da humildade (Pv 15.33; 18.12; 22.4). Jesus, enquanto homem perfeito, é nosso maior exemplo de humildade (Mt 11.29). O Mestre não apenas falou, ensinou a respeito do assunto. Ele deu uma lição prática aos discípulos e a nós a respeito do que é ser humilde (Jo 13.3-16). Outra importante passagem cristológica que trata do assunto em o Novo Testamento é encontrada em Filipenses 2.5-11.
A soberba é o antônimo da humildade, e segundo o livro de Provérbios a arrogância evidencia a insensatez de uma pessoa. O temor ao Senhor é o princípio da sabedoria (Pv 1.7), logo quem teme a Deus aborrece o mal; a soberba e a arrogância (Pv 8.13). O temor ao Senhor é um antídoto contra o mal (Pv 16.6). Sem o reverente temor, nos tornamos vulneráveis ao mal, ao pecado.
A soberba não somente desagrada a Deus, mas ela destrói nossos relacionamentos e a nós mesmos. Salomão já era rei quando reconheceu que sem Deus não teria condição de governar o seu povo com justiça. Ele num gesto de humildade pede a Deus sabedoria, pois reconheceu suas limitações. O soberbo não consegue reconhecer suas deficiências.
Atualmente falamos muito a respeito de aviva- mento. Realmente precisamos de um, porém uma das condições para experimentarmos um avivamento genuíno é a humilhação. Isso mesmo. Observe o que nos diz 2 Crônicas 7.14: "E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face [...].
Que tenhamos consciência de que Deus resiste e continuará resistindo aos soberbos (Tg 4.6). Todavia, o Pai Celeste dá e dará graças àqueles que têm o coração quebrantado e contrito, que se chega a Ele com humildade.
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
No livro de minha autoria, Por que Caem os Valentes?, escrevi sobre as fontes da moralidade ocidental. Destaquei que esse fundamento se firma em um desses tripés: Deus, a natureza ou o homem. A construção da moralidade ocidental, portanto, oscila entre aquilo que é relativo e o que é absoluto. Muitos filósofos não pouparam nem tinta nem papel para discorrer sobre esse assunto. O mais impetuoso deles foi Friedrich Nietzsche.'
Na sua análise sobre os valores, Nietzsche atacou duramente os pensadores gregos Sócrates e Platão, acusando-os de “domesticar” o ser humano por meio de princípios morais. Para ele, antes desses dois pensadores, o homem primitivo não seguia a normas morais inventadas, mas agia de acordo com seus instintos. Prevalecia então o que ele denominava de “vontade de potência”. Nietzsche, para ilustrar o seu pensamento, recorreu a dois personagens da mitologia grega — os deuses Apoio e Dionísio. Na mitologia grega, Dionísio é a imagem da força instintiva, é a fonte dos prazeres e da paixão sensual. Por outro lado, Apoio é o deus da moderação, aquilo que faz as coisas seguirem o seu equilíbrio. Para ele, o que Sócrates e Platão fizeram foi “anular” o lado dionisíaco do homem, negando seus instintos e afirmando somente o seu lado racional. Essa “anulação” foi feita através de princípios morais ardilosamente inventados. Em seu famoso livro, A Genealogia da Moral, ele procura provar que todos os valores morais são criação do próprio homem. Nietzsche acusou também os cristãos de anular esse lado dionisíaco do homem, implantando aquilo que ele denominava de “moral de escravo”. Na sua fúria contra o cristianismo, esse pensador chegou a chamar o apóstolo Paulo de “o mais sanguinário dos apóstolos”. Mas o seu furor contra os valores morais cristãos está bem sintetizado nessa frase de sua autoria: “Sócrates foi um equívoco, toda a moral do aperfeiçoamento, inclusive a cristã, foi um equívoco”.
Por que essa análise sobre a construção do pensamento nietzschiano é importante quando estudamos a humildade no contexto dos Provérbios? Porque assim como a coragem é uma virtude, a humildade também o é. Se por um lado Nietzsche acaba por incentivar a arrogância, por outro lado Salomão exalta a humildade. “Antes da ruína, gaba-se o coração do homem, e diante da honra vai a humildade” (Pv 18.12); “A soberba precede a ruína e a altivez
de espírito a queda” (Pv 16.18). Como podemos observar, não há espaço para a virtude da humildade dentro da filosofia nietzschiana. Em vez disso ele exalta a “vontade de potência”, como um valor a ser cultivado por todos que querem viver com autenticidade. Dentro desse modelo distorcido, a arrogância e não a humildade seria o alvo a ser alcançado.
Por natureza, o homem que não conhece a Deus é arrogante. A arrogância é uma marca distintiva da natureza humana não regenerada. Na história bíblica há o registro de vários aconteci mentos em que a arrogância, a prepotência e a presunção estão presentes na vida de homens sem Deus.
GONÇALVES. José,. Sábios Conselhos para um Viver Vitorioso Sabedoria bíblica para quem quer vencer na vida. Editora CPAD. pag. 79-81.
O RELATIVISMO MORAL E A QUEDA DOS VALENTES
"Não há nenhum relativista que goste de ser tratado relativamente."
Josh MacDowell
Séculos após séculos o padrão moral da civilização ocidental vem sofrendo corrosão. O impacto provocado por essa relatividade da cultura têm surtido um efeito devastador. A linha divisória entre o moral e o imoral é cada vez mais tênue. Sem padrões morais bem definidos, o valente está à mercê das investidas do Diabo. Ainda me lembro de que quando fazia faculdade de filosofia em uma Universidade Federal, tínhamos uma professora de história da filosofia que era uma verdadeira sumidade. Todos gostavam das suas aulas, ela se destacava dos demais professores graças a sua erudição. Certa vez, durante uma de suas aulas, exaltava o pensamento de determinado filósofo. Quando eu e outros colegas nos posicionamos contrariamente àquele pensamento, ela esbravejou: "Eu não aceito juízo de valores". Podíamos tudo, menos emitir uma ideia contrária ao pensamento daquele filósofo a quem ela fizera referência. Por quê? Por que tudo era relativo, não havia verdades absolutas, ninguém segundo ela podia dizer que estava com a verdade.
Afinal, não há um certo e um errado? É impossível falarmos de valores que norteiam a vida do cristão, sem nos referirmos a problematicidade da ética e da moral.
Mas o que é moral? Ou em palavras mais simples: o que é certo e o que é errado? É possível estabelecermos um padrão que distinga o certo do errado?
A discussão em torno dos problemas éticos e morais não é nova. Aristóteles escreveu um volumoso tratado em dez volumes denominado de "Ética a Nicômaco", no qual trata em minúcias dos problemas éticos. Todavia, muito tempo antes do filósofo grego, Hamurabi (século XVIII a. C.) deu ao mundo o seu famoso "Código de Hamurabi", um tratado sobre problemas éticos, jurídicos e morais. No Antigo Testamento, encontramos o Pentateuco, obra escrita pelo legislador hebreu Moisés, onde nos seus cinco livros encontra-se uma vasta explanação acerca de problemas éticos e morais.
Adolfo Sanchez Vazquez faz distinção entre ética e moral. Para esse filósofo mexicano, a ética "é a teoria ou ciência do comportamento moral dos homens em sociedade", enquanto a moral "é um conjunto de normas, aceitas livre e conscientemente, que regulam o comportamento individual e social dos homens".
Pela definição de Vazquez, a moral seria aquilo que está no campo da prática — normas sociais que regulam o nosso dia-a-dia — e a ética, uma reflexão acerca dessa prática moral. Em palavras mais simples, a ética e a moral se complementam, enquanto uma (a moral) regula as nossas ações em sociedade, a outra (ética) reflete sobre o significado dessa ação.
Pois bem, tudo que falamos até aqui nos leva a um outro questionamento não menos importante: qual a origem da ética e da moral? Em outras palavras, qual a origem ou a causa dos nossos valores?
A Fonte da Moral
Ao longo da história, três fontes são dadas como originadoras do comportamento moral: Deus, a natureza e o homem.
Deus - Se Deus é a origem de nosso comportamento moral, isso significa dizer que nesse caso a moral é algo exterior ao homem, isto é, a moral não é criação humana, mas algo que lhe é dado. A moral baseada na divindade é uma moral revelada, que transcende ao próprio homem. Podemos denominá-la de moral vertical. 
Natureza - A crença de que o homem em nada difere das outras coisas criadas gerou uma moralidade horizontalizada. O instinto biológico seria então o agente regulador do comportamento moral humano. Com o advento do pós-modernismo, corrente filosófica que ganhou força a partir das décadas de 60 e 70, esse pensamento ficou em evidência. Para os holístas, o homem deve estar em perfeita harmonia com a natureza, afinal é um todo harmônico, dizem.
O homem - Nesse caso os valores morais são criação do próprio homem. É o homem quem estabelece os valores. Mais adiante neste trabalho, veremos como essa forma de pensar influenciou drasticamente o pensamento ocidental.
Valores Absolutos e Relativos
Definir o que é absoluto e o que é relativo tem sido um desafio, tanto para a teologia como para a filosofia.
Podemos dizer que um valor é absoluto quando ele vale para todos os povos, em todas as épocas e em todos os lugares; por outro lado o valor relativo seria o oposto disso. Um valor absoluto tem validação universal, enquanto aquilo que se é relativo não goza dessa prerrogativa. É contingente ou circunstancial.
Na Grécia antiga, surgiu uma escola filosófica denominada "A Sofistica" (os sábios). O seu principal expoente foi Protágoras de Abdera (490-410 a. C). Não há como negar que Protágoras é o pai do relativismo ocidental. Ele negava que houvesse valores absolutos e eternos. Segundo ele, todos os valores são humanos. É conhecida a frase atribuída a ele: "O homem é a medida de todas as coisas". E interessante conhecermos melhor o pensamento desse filósofo grego, para entendermos o que acontece hoje em nossa cultura no que diz respeito aos valores morais.
Giovanni Reale, famoso historiador da filosofia, comenta sobre Protágoras:
A proposta basilar do pensamento de Protágoras era o axioma: "O homem é a medida de todas as coisas, daquelas que são por aquilo que são e daquelas que não são por aquilo que não são". Por medida, Protágoras entendia a "norma de juízo", enquanto por todas as coisas entendia todos os fatos e todas as experiências em geral. Tornando-se muito célebre, o axioma foi considerado — e efetivamente é — quase a magna carta do relativismo Ocidental. Com esse princípio, Protágoras pretendia negar a existência de um critério absoluto que discriminasse o verdadeiro e o falso.
O único critério é somente o homem, o homem individual: "Tal como cada coisa aparece para mim, tal ela é para mim; tal como aparece para ti, tal é para ti". Este vento que está soprando, por exemplo, é frio ou quente? Segundo o critério de Protágoras, a resposta é a seguinte: "Para quem está com frio, é frio; para quem não está, não é". Então, sendo assim, ninguém está no erro, mas todos estão com a verdade (a sua verdade).
A Genealogia da Moral
Esse relativismo radical de Protágoras influenciou muitos pensadores. O alemão Friedrich Nietzsch (1844 - 1900) absorveu profundamente a filosofia de Protágoras. Ele tornou-se um dos mais fortes inimigos da moral cristã. A sua filosofia influenciou e continua influenciando o mundo acadêmico.
Nietzsch atacou duramente os pensadores gregos Sócrates e Platão, acusando-os de "domesticar" o ser humano através de princípios morais. Para ele, antes desses dois pensadores, o homem primitivo não seguia a normas morais inventadas, mas agia de acordo com seus instintos. Prevalecia então o que ele denominava de "vontade de potência". Nietzsch, para ilustrar o seu pensamento recorreu a duas personagens da mitologia grega — os deuses Apoio e Dionísio. Na mitologia grega, Dionísio é a imagem da força instintiva, é a fonte dos prazeres e da paixão sensual. Por outro lado, Apoio é o deus da moderação, aquilo que faz as coisas seguirem o seu equilíbrio. Para ele, o que Sócrates e Platão fizeram foi "anular" o lado dionisíaco do homem, negando seus instintos e afirmando somente o seu lado racional. Essa "anulação" foi feita através de princípios morais ardilosamente inventados. Em seu famoso livro: A Genealogia da Moral, ele procura provar que todos os valores morais são criação do próprio homem.
Nietzsch acusou também os cristãos de anular esse lado dionisíaco do homem, implantando aquilo que ele denominava de "moral de escravo". Na sua fúria contra o cristianismo, esse pensador chegou a chamar o apóstolo Paulo de "o mais sanguinário dos apóstolos". Mas o seu furor contra os valores morais cristãos está bem sintetizado nessa frase de sua autoria: "Sócrates foi um equívoco, toda a moral do aperfeiçoamento, inclusive a cristã, foi um equívoco".
O Existencialismo e o Relativismo
Um outro pensador que influenciou grandemente a nossa cultura foi Jean, Paul Sartre (1905-1980). Sartre sofreu influências diretamente de Heidegger e indiretamente de Nietzsch. Sartre afirmou:
Se Deus não existisse, tudo seria permitido. Ai se situa o ponto de partida do existencialismo. Com efeito, tudo é permitido se Deus não existe, fica o homem, por conseguinte, abandonado, já que não encontra em si, nem fora de si, uma possibilidade a que se apegar [...] Se por outro lado Deus não existe, não encontramos diante de nós valores ou imposições ou desculpas [...] o existencialismo não pensará que o homem pode encontrar auxílio num sinal dado sobre a terra, e que o há de orientar, porque pensa que o homem o decifra mesmo esse sinal como lhe aprouver.
A moral sartriana não necessita de um ser transcendente, ela é construída a partir da existência do próprio homem.
A Fonte da Moral Cristã
Vemos, pois, que a problemática ético e moral está centrada naquilo que a fundamenta, ou seja, em sua origem. Foi Schopenhauer (1788-1860) quem disse: "Pregar a moral é fácil, fundamentar a moral é difícil".
Como vimos, quando Deus não é a fonte ou origem dos valores morais, nós não temos uma base sólida para fundamentá-la. Para nós cristãos, o alicerce de nossos valores morais está em Deus, não em um deus qualquer, mas no Deus que se revelou ao longo da história (Gn 12.1-3; Êx 3.1-12). Essa revelação está codificada na Bíblia Sagrada, nossa única regra de fé e prática. Para o Cristão, há sim um modelo ou paradigma para as questões morais - Deus.
Assim sendo, o cristão pode falar de valores universais e eternos. Ele não está sujeito ao relativismo moral, pois o Deus a quem ele serve é universal e eterno.
Josh MacDowell, pensador cristão contemporâneo, ilustra a questão da universalidade e eternidade dos valores em sua regra dos três "P" - preceito, principio e pessoa. Por trás de todo preceito bíblico, quer seja uma norma quer um mandamento, há um princípio, que por sua vez se fundamenta em uma pessoa, que é Deus. Nesse caso, para o cristão a norma moral "não adulterarás" tem valor absoluto (universal), pois esse preceito (norma) traz o princípio de que ninguém quer ser traído, e que esse princípio tem sua origem em um Deus fiel e que não tolera a infidelidade. Da mesma forma, a norma "não matarás" trás em si o princípio de que todos têm direito à vida, e a pessoa que a fundamenta — Deus — é o originador da vida. Esse princípio de universalidade dos valores morais foi um dos pilares da filosofia kantiana: "Age de tal modo que a máxima de tua vontade possa valer-te sempre como princípio de uma legislação universal".
Fica, pois, estabelecido que a origem dos valores morais para o cristão, bem como a sua fundamentação, está em Deus, e que a sua forma codificada é a Bíblia Sagrada.
Como se comportam aqueles que não têm um padrão que distinga o certo do errado? A filósofa Maria Lúcia de Arruda Aranha, ao falar dos "jeitinhos brasileiros", traz uma revelação interessante sobre o assunto:
Todo mundo já ouviu falar do "jeitinho brasileiro". Poder, não pode, mas sempre se dá um jeito... Muitos até chegam a achar que se trata de virtude a complacência com a qual as pessoas "fecham os olhos" para certas irregularidades e ainda favorecem outras tantas.
Certos "jeitinhos" parecem inocentes ou engraçados, e às vezes até são vistos como sinal de vivacidade e esperteza; por exemplo, quando se fura a fila do banco. Ou então pegar o filho na escola, que mal há em pararem fila dupla?
Outros "jeitinhos" não aparecem tão às claras, mas nem por isso são menos tolerados: notas fiscais com valor declarado acima do preço para o comprador levar sua comissão, compras sem emissão de nota fiscal para sonegar impostos, concorrências públicas com "cartas marcadas".
O que intriga nessa história toda é que as pessoas que estão sempre "dando um jeitinho" sabem, na maioria das vezes, que transgridem padrões de comportamento. Mas raciocinam como se isso fosse absolutamente normal, visto que é comum; só eu? e os outros? Todo mundo age assim, quem não fizer o mesmo é trouxa. Quem não gosta de levar vantagem em tudo?
É esse relativismo que enfraquece a vida espiritual de muitos valentes. Certo dia recebi em minha casa a visita de um amado irmão. A nossa amizade permitia-nos compartilhar nossas alegrias e tristezas. Pois bem, aquele irmão trazia em mãos uma folha de papel escrita, e pediu para que eu a lesse. Lendo-a, logo nas primeiras linhas percebi que se tratava de uma carta de amor, havia frases como: "Meu bem, eu te amo", "Não posso viver sem você", etc. Contou-me que uma jovem da sua igreja havia endereçando-lhe aquela carta. O mesmo filme de sempre — ele estava dando uma de "conselheiro" para aquela jovem. Após uma longa conversa, mostrando-lhe os perigos que ele estava correndo, aconselhei-o a tomar imediatamente uma decisão radical a respeito daquilo, peguei a carta e rasguei na sua frente. Disse-lhe que da mesma forma ele deveria tratar com aquela situação. Todavia, procurou relativizar o problema. Disse que não era tão grave como eu pensava, e que estava no controle da situação. Afinal, estava ajudando alguém. Estava equivocado. A última vez que o vi, estava afastado dos caminhos do Senhor.
Quando lemos as Escrituras somos informados do alto padrão moral exigido para os valentes de Deus. Paulo deixou isso bem claro na sua carta endereçada a Tito: "Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei: aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes. Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de Deus, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância; mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante, retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes"(1.5-9). Acredito que esse texto que o apóstolo escreveu a Tito é uma das mais belas exposições bíblicas acerca dos valores cristãos.
No versículo 5, Paulo usa a expressão: epidiorthosê que vem do verbo grego epidiorthoô, significando "colocar em linha reta, colocar em ordem, endireitar". Para Paulo, os valores que ele iria exigir daqueles que viessem a ser líderes tinham o poder de "endireitar, corrigir e colocar em linha reta". Lembramos que a palavra epidiorthoô é formada pela junção de três palavras gregas: epi, que é uma preposição significando "sobre, acima de"; dia, uma outra preposição significando "através de" e orthós cujo significado é "direito, correto" etc, esta última aparece em Atos 14.10, onde Paulo disse ao paralítico: "Levanta-te direito sobre teus pés" (grifo do autor). O verbo grego na sua forma composta tem seu significado intensificado. Em outras palavras, o propósito do apóstolo era que Tito seguisse as suas recomendações, e seguindo-as com certeza estava colocando os valentes de Deus em uma linha reta. Analisemos alguns desses valores:

FONTE WWW.MAURICIOBERWALDOFICIAL.BLOGSPOT.COM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.