sexta-feira, 28 de julho de 2017

Subsidio lição conectar fidelidade ao Senhor n.6


   ( Josué 23.1-6.)


1 - E sucedeu que, muitos dias depois que o SENHOR dera repouso a Israel de todos os seus inimigos em redor, e Josué já fosse velho e entrado em dias,
2 - chamou Josué a todo o Israel, aos seus anciãos, e aos seus cabeças, e aos seus juízes, e aos seus oficiais e disse-lhes: Eu já sou velho e entrado em dias;
3 - e vós já tendes visto tudo quanto o SENHOR, vosso Deus, fez a todas estas nações por causa de vós, porque o SENHOR, vosso Deus, é o que pelejou por vós.
4 - Vedes aqui que vos fiz cair em sorte às vossas tribos estas nações que ficam desde o Jordão, com todas as nações que tenho destruído, até ao mar Grande para o pôr-do-sol.
5 - E o SENHOR, vosso Deus, as impelirá de diante de vós e as expelirá de diante de vós; e vós possuireis a sua terra, como o SENHOR, vosso Deus, vos tem dito.
6 - Esforçai-vos, pois, muito para guardardes e para fazerdes tudo quanto está escrito no livro da Lei de Moisés, para que dela não vos aparteis, nem para a direita nem para a esquerda. 
Nesta lição estudaremos o discurso de Josué, o ancião (23.2). É uma exposição repleta de emoção e encorajamento, contendo as últimas instruções de um dos líderes mais amados da história de Israel. É difícil ler a despedida de Josué sem perceber o vigor de suas palavras e o seu amor pela Palavra do Senhor. Este belo discurso está dividido em três seções: 1) Declaração dos feitos do Senhor (vv.1-5); 2) Desafio à obediência (vv.6-11) e; 3) Advertências quanto ao futuro (vv.12-16). O ancião exorta o povo à “obedecer e praticar a Lei do Senhor” (v.6); “manter a comunhão com Deus” (v.8); e “amar somente ao Eterno” (vv.11,16). Essa tríade resume a vontade de Deus para a vida de cada um de nós. Apresente esta síntese aos alunos e boa aula! 
Professor, comente com os alunos que os dois últimos capítulos do livro de Josué (23; 24) são discursos de despedida. No primeiro, Josué se despede dos líderes e do povo (23). No segundo, o líder descreve a fidelidade de Deus (24.1-13), e exorta o povo a renovar o pacto com o Senhor (vv.14-25). Antes de “dormir no Senhor”, Josué edifica mais um memorial para ratificar a aliança (vv.26-28).

Israel não era zeloso em seguir tudo o que estava escrito no livro da Lei de Moisés. Por isso, antes de sua morte, Josué reuniu-se com os israelitas para dar-lhes as orientações que iriam ajudá-los a prosseguirem vitoriosos na conquista do restante da terra. Era o discurso de despedida de um líder que fora fiel ao seu Deus e à sua nação (Js 23.1-16).
 1. Paulo dá testemunho por Timóteo. O envio de Timóteo à Filipos tinha a finalidade de fortalecer a liderança local e, consequentemente, todo o Corpo de Cristo. Além de enviar notícias suas à igreja, Paulo também esperava consolar o seu coração com boas informações acerca daquela comunidade de fé. Assim, como Timóteo era uma pessoa de sua inteira confiança, considerado pelo apóstolo como um filho (1Tm 1.2), tratava-se da pessoa indicada para ir a Filipos, pois sua palavra à igreja seria íntegra, leal e no temor de Deus. Paulo estava seguro de que o jovem Timóteo teria a mesma atitude que ele, ou seja, além de ensinar amorosa e abnegadamente, pregaria o evangelho com total comprometimento a Cristo (v.20).
2. O modelo paulino de liderança. Timóteo, Epafrodito e Tito foram obreiros sob a liderança de Paulo. Eles aprenderam que o exercício do santo ministério é delineado pela dedicação, humildade, disposição e amor pela obra de Deus. Qualquer obreiro que queira honrar ao Senhor e sua Igreja precisa levar em conta os sofrimentos enfrentados pelo Corpo de Cristo na esperança de ser galardoado por Deus. Nessa perspectiva, o principal ensino de Paulo aos seus liderados era que o líder é o servidor da Igreja. O apóstolo aprendera com Jesus que o líder cristão deve servir à Igreja e jamais servir-se dela (Mt 20.28).
3. As qualidades de Timóteo (2.20-22). Timóteo aprendeu muito com Paulo em relação à finalidade da liderança. Ele se solidarizou com o apóstolo e dispôs-se a cuidar dos interesses dos filipenses como um autêntico líder. Paulo declarou aos filipenses que Timóteo, além de “um caráter aprovado”, estava devidamente preparado para exercer a liderança, pois tinha uma disposição de “servir” ao Senhor e à igreja. Todo líder cristão precisa desenvolver uma empatia com a igreja, tornando-se um marco referencial para toda a comunidade de fé (1Tm 4.6-16).

I. AS RECOMENDAÇÕES DE UM HOMEM DE DEUS 

1. Josué convoca o povo. Josué estava próximo da morte quando decidiu reunir o povo e toda a liderança de Israel para pronunciar suas palavras finais de encorajamento e instrução. Aquele grande líder começou a lembrá-los que aquelas vitórias alcançadas ao longo de suas jornadas, não eram resultados de seus esforços e competência, mas, sim, da abundante graça e misericórdia do Senhor.“... porque o SENHOR, vosso Deus, é o que pelejou por vós” (v.3). Pelas palavras de Josué podemos perceber o quanto ele era grato a Deus pelas bênçãos recebidas. Você sempre agradece ao Senhor por suas vitórias? Pense no que o Todo-Poderoso tem feito por você e sua família, e agradeça-o por cada dádiva: “Que darei eu ao SENHOR por todos os benefícios que me tem feito?” (Sl 116.12).

2. O temor ao Senhor. Josué conhecia os pontos fortes e fracos do povo que liderava. Sabia do desleixo dos israelitas em guardar toda a Lei do Senhor, pois ainda faltava-lhes mais temor de Deus, que nos faz cumprir os mandamentos divinos. Quem teme e obedece a Deus não erra, porque aborrece o mal (Pv 8.13). Nas Escrituras, encontramos várias promessas de bênçãos aos que temem ao Senhor e guardam a sua Palavra (Sl 25.12; Pv 1.7). É através do temor que somos santificados e aperfeiçoados (2 Co 7.1). Deus promete uma vida feliz aos que o temem: “... Eu sei com certeza que bem sucede aos que temem a Deus, aos que temerem diante dele” (Ec 8.12).

3. Preceitos essenciais. Josué instruiu aos israelitas sobre o que deveriam evitar para não se afastarem do Senhor: não deveriam associar-se às nações idólatras que estavam ao seu redor, e muito menos servirem aos seus deuses (v.7; Êx 23.13). Como nação escolhida, Israel tinha a responsabilidade de fazer com que todos os povos da terra conhecessem ao Todo-Poderoso. Esta sublime missão jamais poderia ser realizada se eles se envolvessem com os povos pagãos. Eles foram chamados para serem santos, ou seja, separados do mundo e dedicados a Deus. Deveriam viver de modo a agradar ao Senhor em todos os sentidos. Assim deve ser o crente. Não devemos apenas obedecer ao Senhor, mas também agradá-Lo em tudo o que fizermos. Só agradaremos a Deus se o amarmos de todo o coração. E quem ama a Deus cumpre prazerosamente toda a sua vontade.Josué exortou o povo a temer e amar a Deus como também a se afastar da idolatria.
 “Quando a Igreja nasceu, no Dia de Pentecoste, Deus começou a chamar ‘pastores’ para apascentar os rebanhos de fiéis que se levantariam ao redor do mundo. Os pastores devem ser responsáveis pelo cuidado, direção e ensinamentos que uma congregação recebe. Eles são dons para a igreja (Ef 4.11), líderes necessários que devem ter vidas exemplares. Seu chamado ao ministério é de procedência divina (At 20.28); seu exemplo é Jesus Cristo, e o poder para fazerem esta incrível obra vem do Espírito Santo.
Julgo que os pastores têm de ser pentecostais para que apascentem igrejas também pentecostais. Essa é ordem de Deus. Visto que vivemos num dos tempos mais complicados e plenos de avanços tecnológicos que este mundo jamais viu, é crucial que os líderes da Igreja do Senhor sejam não só cheios mas também guiados pelo Espírito Santo. As pessoas são complexas; suas dificuldades e problemas, também. Somente Deus pode capacitar-nos a entendê-las e ajudá-las. À medida que os pastores empenham-se em auxiliar os que se acham nas garras do alcoolismo, das drogas, do divórcio e de outras incontáveis tragédias, precisam urgentemente de poder e discernimento do Espírito para ministrar. Os métodos para se alcançar as pessoas mudam; entretanto, nossa mensagem não pode mudar” (CARLSON, R.; TRASK, T. (et all.). Manual Pastor Pentecostal: Teologia e Práticas Pastorais. 3 ed., RJ: CPAD, 2005, p.7).

A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR 

Certa feita escrevendo a Timóteo Paulo disse: “os homens maus e enganadores irão de mal a pior, enganando e sendo enganado” (2Tm 3.13). Mas o conselho do apóstolo a Timóteo foi bem contemporâneo: “Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido” (2Tm 3.14). Este era o grande desafio para os obreiros de Filipos. Por ser uma igreja nova na fé o perigo de os seus obreiros desviarem-se do alvo era iminente. Falsos ensinadores, os gnósticos e judaizantes, se multiplicavam nas cercanias da igreja filipense.
O apóstolo Paulo apesar de estar longe tinha o seu coração inclinado para comunidade de Filipos. Ele era um verdadeiro pastor. O seu coração era voltado para as ovelhas. Um líder que amava a Igreja. Aqui, salta aos olhos as características basilares de um verdadeiro pastor. É a mesma que pronunciou Jesus de Nazaré: “O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas” (Jo 10.11). Não há dúvidas que esta era à disposição do apóstolo. Somente dá a vida por alguém, aquele que compreende o real valor do outro. Para o apóstolo o valor de uma vida era incalculável. Por isso, mesmo preso, Paulo informa o seu plano de enviar Timóteo à Filipos e a ida de Epafrodito.
O que nos chama atenção é que estes obreiros são pessoas da maior confiança de Paulo. Eles haviam aprendido o modelo paulino de liderança. Eles sabiam que o exercício do ministério de serviço (pastorado) deve levar em conta a humildade, a disposição e o amor pelas pessoas que constituem o rebanho. O ministério pastoral nunca pode ser encarado numa perspectiva dominadora; mas servidora, espontânea e voluntária. É naquele “espírito” de Pedro: “apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente [...] nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho” (1Pe 5.2,3).
Nesta lição cabe uma reflexão do pastorado contemporâneo à luz do contexto evangélico atual. A cada ano a igreja evangélica se torna mais forte, midiática, política e numerosa. A tentação de homens desejarem o “episcopado” pela motivação errada é enorme. Não há outro caminho a ser feito para evitar as motivações erradas que o da humilhação, voluntariedade e simplicidade. Por isso todo candidato ao Santo Ministério precisa beber muito dos Evangelhos e dos Apóstolos.

II. EXORTAÇÕES À PERSEVERANÇA

1. Guardar tudo quanto está escrito. “Esforçai-vos, pois, para guardardes e para fazerdes tudo quanto está escrito no livro da Lei de Moisés...” (v.6). Se os israelitas quisessem continuar recebendo as bênçãos de Deus, deveriam observar e guardar tudo aquilo que Deus lhes revelara acerca da maneira correta de viver. Conforme destacou Josué, deveriam ser leais ao Altíssimo (v.8). O contínuo progresso da nação israelita dependia, fundamentalmente, da observância dos mandamentos divinos. Se realmente desejamos progredir em nossa vida cristã, devemos obedecer aos preceitos e mandamentos da Palavra de Deus. Precisamos "andar" nos caminhos do Senhor, a fim de agradar-lhe em todo o nosso agir. Esse “andar”, segundo a Bíblia, denota modo de viver, atitudes, ações, obras, e comportamento em geral (Sl 128.1; Fp 1.27; 1 Jo 2.6).
2. Guardar a alma e amar a Deus. “Portanto, guardai muito a vossa alma, para amardes ao SENHOR, vosso Deus” (v.11). A alma é a sede das emoções, dos sentimentos. Podemos dizer que é o centro da personalidade humana. Ela representa a nossa vida pessoal, moral e espiritual. Guardar a alma significa protegê-la de toda forma de corrupção moral que pode torná-la doente.
Como podemos guardar a nossa alma de modo que permaneça sempre saudável? Não há outra maneira senão através da leitura diária da Palavra de Deus, da oração, e sendo cheio do Espírito Santo (Sl 119.97; Ef 6.18; 1 Pe 1.22). As concupiscências da carne combatem constantemente contra a nossa alma, buscando impedir nossa comunhão com o Senhor (1 Pe 2.11). A alma humana é um bem precioso que necessita ser preservado dos pecados que mutilam e destroem a possibilidade de vida eterna com Deus.
Se Israel realmente desejava ter o Senhor como aquEle que peleja por nós, (v.10), deveria manter um relacionamento com Ele a todo custo. Era preciso amá-Lo com todas as forças, isto é, de todo o coração (Mt 22.37). E isso exige esforço espiritual, pessoal, emocional, e, muitas vezes, até físico, voltado para a adoração a Deus.Josué exortou o povo a guardar tudo quanto está escrito na Lei, guardar a alma e amar a Deus.

III. EVITANDO PROBLEMAS FUTUROS

1. A advertência de um líder. “Quando traspassardes o concerto do SENHOR, vosso Deus, que vos tem ordenado, e fordes, e servirdes a outros deuses, e a eles vos inclinardes, então, a ira do SENHOR sobre vós se acenderá, e logo perecereis de sobre a boa terra que vos deu” (Js 23.16). Josué advertiu aos israelitas sobre o que lhes aconteceria caso deixassem a lealdade a Deus e mantivessem um relacionamento íntimo com aquelas nações. O Senhor certamente não mais os ajudaria em suas pelejas (v.13). As consequências seriam drásticas para eles, pois aqueles povos tornar-se-iam em laço, rede e açoites (Nm 33.55).
2. Um instrumento nas mãos de Deus. Josué foi um instrumento utilizado por Deus para orientar o povo a viver e servir somente ao Senhor. Durante seu ministério junto aos israelitas, pôde testemunhar inúmeras e extraordinárias vitórias, pois era fiel ao seu supremo Senhor. Deus requer fidelidade dos seus servos (Lc 16.10; 1 Co 4.2). Portanto, devemos ser-Lhe fiéis porque Ele é fiel e justo em todos seus caminhos (Dt 32.4).

Josué sabia que seus dias aqui na terra estavam chegando ao fim, por isso exortou o povo à fidelidade a Deus. Os israelitas jamais poderiam se esquecer de que foi o Senhor quem os havia livrado da servidão do Egito. Nós também precisamos reconhecer que foi o Senhor quem nos libertou da servidão do pecado, do jugo de Satanás e da condenação eterna (Ef 1.7; 2.1,2).

“O discurso de Josué

O livro de Josué termina com dois discursos de despedida. No primeiro, uma palavra de despedida aos líderes, é no último o testemunho de Josué sobre a fidelidade de Deus. Mas, é também uma terrível advertência dos perigos em abandonar a Deus (23). O Todo-Poderoso foi, é, e será fiel à Sua promessa, e expulsará os cananeus remanescentes — se Israel obedecer (23.1-11). Porém, Deus será também fiel às Suas palavras de advertência. Se Israel voltar-se para outros deuses, o Senhor trará sobre Seu povo todo o mal com que o ameaçou (vv.12-16). Como Deuteronômio 28, Josué 23 apresenta uma teologia da história do Antigo Testamento, na qual todos os eventos estão unidos à resposta de Israel para Deus e Sua Lei”.(RICHARDS, L. O. Guia do leitor da Bíblia. RJ: CPAD, 2005, p.156.) 
“E guardarás os seus estatutos e os seus mandamentos, que te ordeno hoje, para que bem te vá a ti e a teus filhos depois de ti e para que prolongues os dias na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá para todo o sempre” (Dt 4.39,40). Essa inaudita promessa é estendida a todos os que amam a Palavra de Deus. Longevidade, conforto, segurança, prosperidade, saúde e paz traduzem os frutos do temor e obediência ao Senhor.
Faça, hoje mesmo, uma aliança com Deus! Obedeça aos mandamentos divinos e “A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos, como plantas de oliveira, à roda da tua mesa. Eis que assim será abençoado o homem que teme ao SENHOR” (Sl 128.2-4).

   EXEMPLO DE DANIEL NA FIDELIDADE

O capítulo seis do livro de Daniel, objeto de estudo desta lição, destaca o valor da integridade moral e espiritual de Daniel e seus amigos durante o reinado de Dario. Daniel agora era um homem idoso, todavia, sua fé em Deus e sua fidelidade permaneceram inabaláveis, mesmo diante das falsas acusações e da condenação que fizeram com que ele enfrentasse a cova dos leões. 

I. DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO EM UM MEIO POLÍTICO CORRUPTO (Dn 6.1-6).

Mais de sessenta anos já haviam se passado desde que Daniel e seus companheiros foram levados para o palácio babilônio. Apesar disso, eles permaneceram íntegros, e mantiveram a fé inabalável no Deus vivo, mesmo vivendo em meio à idolatria e corrupção. Eles não se corromperam com as ofertas palacianas.
1. Dario reorganiza o governo e delega autoridade administrativa (Dn 6.1-3). Pareceu bem ao rei nomear 120 príncipes para presidirem sobre todo o reino. Dentre estes, três seriam os principais. Os outros teriam que prestar contas a esses. Daniel estava entre os três e, dentre eles, logo se destacou e chamou a atenção do rei Dario, pois tinha “um espírito excelente” (v.3). Assim, não demorou muito para que o rei, devido à aptidão de Daniel, o constituísse sobre todo o reino (v.3). Tal decisão despertou ciúme e inveja nos outros líderes, os quais logo se tornaram inimigos de Daniel (vv.4,5).
2. Daniel se torna alvo de uma conspiração (Dn 6.4,5). A inveja e o ciúme fizeram com que homens malignos, sedentos de poder, tentassem derrubar Daniel. O problema era que por mais que os inimigos de Daniel procurassem um motivo, político ou moral, para acusá-lo, nada encontravam que pudesse manchar sua reputação. A integridade e a lealdade de Daniel eram tão imbatíveis que seus inimigos resolveram armar uma situação ardilosa contra ele, utilizando a própria fidelidade de Daniel a Deus (v.5).
3. O perigo das confabulações políticas. A intenção do rei, de promover Daniel ao posto de maior destaque no governo, suscitou raiva nos outros príncipes, pois um estrangeiro teria poder sobre eles. Os príncipes se utilizaram da vaidade e do ego do próprio monarca para estabelecer uma trama que prejudicasse Daniel. Invejosos se uniram e foram até o rei e propuseram que fosse feito um edito real determinando que, durante o período de trinta dias, ninguém fizesse oração a outro deus, ou homem, que não fosse ao rei Dario. Tal edito agradou o vaidoso monarca que desejava ser adorado como um deus (vv.6-9). Daniel não fora consultado sobre tal decreto, mas certamente sabia que o objetivo era atingir a sua vida devocional e prejudicar sua comunhão com Deus.
Depois que o rei aprovou o edito, os inimigos de Daniel ficaram na espreita, esperando o momento em que ele estaria orando ao Senhor. Daniel seria apanhado em flagrante. Entretanto, Daniel não ficou abalado ou preocupado com tal edito (v.10). Ele não permitiria que nada viesse atrapalhar sua comunhão com Deus e suas orações.Mesmo vivendo em uma sociedade pagã, corrompida pelo pecado, Daniel se manteve íntegro.

II. DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO QUE NÃO TRANSIGIU COM SUA FÉ EM DEUS (Dn 6.10-16)

1. Nenhuma trama política mudaria em Daniel o seu hábito devocional de oração (Dn 6.10). A palavra integridade pode ser definida como “solidez, ou estado de ser inteiro, isto é, completo”. Ainda muito jovem Daniel entendera que sua vida dependia de sua relação com Deus. A oração era a maneira de ele ser orientado em suas decisões pessoais e políticas. Da mesma forma, Deus nos orienta e revela a sua vontade por intermédio das nossas orações.
2. A momentânea vitória dos conspiradores. Daniel soube do edito real, mas não abriria mão da sua fé, mesmo que tal resistência lhe custasse a vida (v.10). Cientes da integridade de Daniel, os inimigos apenas esperaram o horário costumeiro para fazer o flagrante do “infrator” (v.11). De posse das provas, foram ao rei e reivindicaram que a lei dos medos e dos persas fosse cumprida (vv.12,13). Só então Dario percebeu que havia sido usado para que os inimigos de Daniel conseguissem o seu intento (vv.13-15)
3. Preservando a integridade (Dn 6.18-22). Daniel nos deixou o exemplo de que é possível permanecer íntegro mesmo vivendo em meio a corrupção. Os servos de Deus são chamados para que sejam luz em meio às trevas. Uma pessoa íntegra não é dividida, não age com duplicidade, não finge, não faz de conta e, mesmo diante do perigo, não nega a sua fé. Daniel nunca escondeu sua fé e o fato de que orava a Deus, pois segundo o texto bíblico, ele orava em seu quarto com as janelas abertas (v.10). As pessoas íntegras não escondem nada de ninguém. Suas vidas são transparentes.A fé de Daniel contribuiu para que ele tivesse uma vida devocional bem-sucedida.

III. DANIEL NA COVA DOS LEÕES (Dn 6.16-24)

1. Daniel preferiu morrer a se dobrar diante de um edito maligno (Dn 6.16,17). Daniel não discutiu nem questionou com o rei o seu edito. Quando soube da lei real, foi para o seu quarto e, como de costume, orou a Deus (v.10). Na verdade, Daniel tinha certeza de que Deus poderia livrá-lo se assim o quisesse. A grande lição é que sua integridade não o livrou da maldade e da inveja dos seus inimigos, pois foi denunciado, preso e lançado na cova dos leões (vv.16,17).
2. Daniel foi protegido da morte pelo anjo de Deus (Dn 6.22,23). A firmeza de Daniel estava acima de qualquer trama diabólica. Com essa confiança, resignadamente aceitou a sua arbitrária condenação (vv.16,17). Porém, na cova, Daniel constatou o livramento do Senhor, que enviou o seu anjo e fechou a boca dos leões, os quais não puderam devorá-lo (v.22).
O rei Dario ficou temeroso e triste ao ver que não poderia livrar seu fiel súdito daquela situação (v.14). Porém, no seu íntimo, o rei sabia que o Deus de Daniel poderia operar um milagre. Por isso, foi à cova para constatar o livramento (vv.18-20). Ali, o monarca foi surpreendido pelos feitos do Todo-Poderoso. Daniel foi retirado da cova sem nenhum ferimento (vv.22,23). Então, o rei ordenou que todos aqueles que haviam tramado contra Daniel fossem lançados na cova (v.24). Os inimigos experimentaram o castigo que eles mesmos haviam preparado.
3. Deus mais uma vez foi glorificado através da vida de Daniel (Dn 6.22,23,25-28). Daniel não saiu da cova esbravejando e amaldiçoando os conspiradores. Ao contrário, ele reafirmou sua inocência e disse que Deus havia enviado o seu anjo para livrá-lo (v.22). Mediante a fidelidade de Daniel, o rei Dario aprendeu uma importante lição e, por isso, decidiu honrar o Deus de Daniel com um edito. Este decretava que todos os habitantes do império babilônico temessem ao Deus de Daniel “porque ele é o Deus vivo e para sempre permanente, e o seu reino não se pode destruir; o seu domínio é até ao fim. Ele livra, e salva, e opera sinais e maravilhas no céu e na terra; ele livrou Daniel do poder dos leões” (vv.26,27). Portanto, não há e nem houve um Deus como o da Igreja.

Daniel não se dobrou diante de um edito maligno. Ele foi fiel e o Senhor o livrou dos leões.Daniel foi próspero e abençoado durante todo o reinado de Dario e no reinado de Ciro, o persa (v.28). Deus honrou a fé do seu servo. Ele também vai honrar a sua fé e o livrará de todo o mal. Confie! Atualmente, os inimigos dos servos de Deus também procuram, mediante articulações ardilosas, caluniar e mentir contra aqueles que servem ao Senhor fielmente e se destacam no cenário político e eclesiástico. Estes lançam calúnias a fim de denegrir a integridade daqueles que legislam e realizam seu trabalho com excelência. Muitas vezes os íntegros também padecem diante de leis injustas. A fé do profeta fez com que ele mantivesse sua comunhão com Deus mesmo em tempo de crise. A fé em Deus nos dá paz e convicção interior para enfrentar as situações adversas da vida. Como crentes, estaríamos dispostos a sacrificar nossa vida e até morrer pelo nome de Jesus? O Mestre declarou que no final dos tempos os verdadeiros discípulos seriam odiados, atormentados e levados à morte. Temos pessoas como Daniel? Oremos a Deus para que sejamos como este profeta.

“Os males da inveja (6.4)

Os companheiros de cargo de Daniel, movidos por amarga inveja, tinham más intenções contra o servo de Deus.
Todos têm de vigiar contra este mostro destruidor: a inveja. Ainda neste versículo vemos outra virtude de Daniel: integridade de caráter ‘nenhum erro nem culpa’. O plano diabólico de matar Daniel seria executado através dos dirigentes do povo, e da vaidade do rei. Em Daniel 2.12, o Diabo, em seu plano anterior de matar Daniel, agiu através da ira do rei Nabucodonosor. Agora ele usou outro rei e outras armas: a presunção, a vaidade, o orgulho, a vanglória pessoal.O Diabo percebeu que Daniel seria o homem que intercederia junto a Deus, com oração e jejum, para que os cativos de Israel retornassem à sua terra.O rei seria um deus por trinta dias (v.7). Assim, movido por orgulho e vaidade, assinaria o decreto de morte (v.9). Ainda hoje, muitos decretos, leis, estatutos, resoluções, decisões, votações e reuniões são feitas para prejudicar os outros” (GILBERTO, Antônio. Daniel & Apocalipse: Como entender o plano de Deus para os últimos dias. RJ: CPAD, 2006, p.38).

“Avanço Político de Daniel (6.1-3)

Na reorganização do governo, Dario seguiu a política liberal de Ciro e logo dividiu a responsabilidade da administração. A nomeação de 120 presidentes, sobre os quais foram colocados três príncipes, pode ter sido um arranjo temporário para assegurar a coleta regular dos impostos e manter um sistema de arrecadação e contabilidade. A breve explicação do versículo 2 parece indicar isso: aos quais esses presidentes dessem conta, para que o rei não sofresse dano.
Dos três presidentes, Daniel se distinguiu. E Dario encontrou nele um espírito excelente e planejava estender sua autoridade sobre todo o reino.
Daniel devia ter em torno de 85 anos ou talvez se aproximasse dos 90 anos. Ele tinha passado diversas crises políticas. Agora, a sua reputação de homem íntegro e honesto chegara ao conhecimento dos novos governantes. Talvez informantes tenham aconselhado os novos governantes acerca da posição de Daniel na noite fatal da queda de Belsazar. Quaisquer que fossem as circunstâncias, o homem de Deus estava pronto para servir onde fosse necessário.
Um homem de fidelidade e honestidade é desconcertante para maquinadores desonestos. Ver Daniel prestes a receber uma promoção que o colocaria acima deles era mais do que os príncipes e os presidentes podiam tolerar. Eles precisavam destruir Daniel a qualquer custo. O fracasso em encontrar falhas na administração de Daniel os fez buscar uma maneira de atacá-lo no seu ponto mais forte sua religião e a lei do seu Deus.
O rei foi ingênuo no que tange à sugestão dos inimigos de Daniel. Era bastante comum para os governantes dos medos e persas colocar-se no lugar de um dos seus deuses e requerer a adoração do povo. Dario sentiu-se lisonjeado em ser o centro da devoção religiosa por um mês, assim, assinou esta escritura e edito” (PRICE, Ross E.; GRAY, Paul C. (Eds.). Comentário Bíblico Beacon. Volume 4. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2005, pp.518-9).

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO 

Integridade em tempos de crise 

É possível ser íntegro em meio à corrupção? É possível sujeitar-se a Deus quando ao nosso redor estamos cercados de exemplos contrários ao ideal divino? Estas são as perguntas norteadoras desta sétima lição.

A história

O capítulo seis de Daniel revela que o profeta fora colocado como um alto oficial do Império de Babilônia no governo de Nabucodonosor e, posteriormente, Dario o assentara como líder de governo do império Medo-Persa. Dario dividiu a escala de poder do império Medo-Persa da seguinte maneira: três príncipes supervisionavam os 120 presidentes constituídos nas províncias do império (vv.1,2). Daniel era um dos príncipes. Mas entre os três o profeta se destacara.
Os príncipes e os presidentes armaram uma cilada política envolvendo a religião do império. Não podiam sujar o caráter de Daniel nas esferas sociais, morais e políticas, então os príncipes e presidentes do império usaram a religião para atingir a vida de Daniel. O plano: durante trinta dias quem dirigisse uma prece a Deus ou a um homem seria lançado na cova dos leões. Ainda assim, o profeta Daniel não alterou a sua rotina. Todos os dias, Daniel dirigia-se para uma sala no andar superior da sua casa, onde se punha de joelhos para orar (além de ajoelhar-se, os judeus ficavam de pé com as mãos erguidas para o céu e também prostravam-se como diante de Deus). Até que foi denunciado pelos seus colegas de governo e Daniel condenado a cova dos leões. 
Política e Religião
A história da humanidade registra testemunhos contundentes acerca da mistura entre a religião e a política. A exemplo dos inimigos de Daniel, muitos usaram a religião para se beneficiarem politicamente. Eles não criam em nada: no culto que praticavam e no deus que diziam servir. Apenas usavam e abusavam desses expedientes da religião com o fim de colocar os seus interesses políticos em primeiro lugar. A história da igreja confirma a tragédia do Corpo Institucional de Cristo quando se misturou o poder temporal e o espiritual. “O meu Reino não é deste mundo” disse Jesus. A Igreja Católica Romana perdeu-se no caminho por se achar detentora do poder temporal do “Sacro Império Romano”. Algumas Igrejas Protestantes se amalgamaram com o Estado. Vide a divisão da Anglicana, Luterana e Reformada na Europa! O que dizer das igrejas brasileiras envolvidas com a política partidária?
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.