sábado, 1 de julho de 2017

Subsidio adolescentes servindo ao Senhor n.2






Introdução

Base 
Líder-servidor: Indivíduo que, na moderna administração, é visto como o modelo ideal de liderança, pois, em vez de chefiar friamente, serve aos liderados de modo que constrange-os a trabalhar em prol do bem coletivo.Neste capítulo, Paulo ainda continua sua defesa, dando provas e descrevendo seu ministério de reconciliação, no qual ele atuava como embaixador de Cristo, representando os interesses do Reino de Deus na terra. Sua liderança é demonstrada em serviço, e ele até se identifica em algumas de suas cartas como servo (Rm 1.1; 2 Co 4.5; Tt 1.1). Seu modelo de líder-servidor era o próprio Jesus, que nos deixou um grande exemplo (Jo 13.1-17; Fp 2.5-8). Por isso, Paulo exortou aos coríntios que o imitassem assim como ele imitava ao Senhor (1 Co 11.1). 

I. PAULO SE IDENTIFICA COMO SERVIDOR DE CRISTO (6.1,2) 

1. Paulo se descreve como cooperador de Deus no ministério da reconciliação (v.1). A organização dos capítulos da Bíblia (não somente das epístolas paulinas) muitas vezes não obedece à estrutura lógica dos versículos. Os dois primeiros versículos do capítulo 6 são um complemento do capítulo cinco. Quando Paulo usa o plural e “nós, cooperando também com ele”, refere-se ao Senhor Jesus que realizou a obra expiatória, pois o Pai o fez pecado por nós (5.21), a fim de pagar a dívida da humanidade, reconciliando-nos com o Criador.
Ao tornar conhecida a obra da redenção, Paulo afirma que estamos cooperando com Jesus Cristo. Deus não depende de ninguém para fazer o que precisa ser feito, mas Ele deseja uma relação de comunhão e serviço em conjunto com o homem, para que este tenha o privilégio de participar do ministério da reconciliação.2. Paulo, um modelo de líder-servidor. Paulo aprendeu com Jesus que o serviço é a postura ideal para quem deseja liderar, pois o Mestre mesmo disse que não tinha vindo ao mundo para ser servido, mas para servir (Mt 20.26-28). O apóstolo dedicou, pois, sua vida e personificou sua liderança como um líder-servidor. Ele procurou imitar o Mestre em tudo, servindo apenas aos interesses da Igreja de Cristo (2 Co 12.15; Fp 2.17; 1 Ts 2.8).
3. Paulo desperta os coríntios para a chegada do tempo aceitável (v.2). O versículo dois é uma citação de Isaías 49.8. Neste vaticínio do profeta messiânico, surge o Servo do Senhor (que é o Cristo profetizado), com a promessa de ajuda no dia em que a salvação for manifestada aos gentios. Paulo usa a profecia para anunciar que o tempo aceitável (favorável) é agora, o dia da salvação é hoje, e a proclamação do Evangelho que pregava está no presente. O tempo aceitável por Deus e pelos homens é agora, e todos podem participar livremente da reconciliação oferecida em Cristo. A parte final do versículo dois evidencia a preocupação paulina com os coríntios em relação à graça de Deus. A graça salvadora é para “agora”, porque este é o momento oportuno de sua aceitação.Paulo aprendeu com Jesus que o serviço é a postura ideal para quem deseja liderar na vida eclesiástica, pois o Mestre mesmo disse que não tinha vindo ao mundo para ser servido, mas para servir.

II. A ABNEGAÇÃO DE UM LÍDER-SERVIDOR (6.3-10) 

1. O cuidado de um líder-servidor. Paulo volta a descrever as agruras do seu ministério apostólico, a fim de fortalecer o fato de que o líder na Igreja de Cristo precisa estar pronto para enfrentar as dificuldades inerentes ao ministério. O apóstolo afirma essa verdade, com as seguintes palavras: “não dando nós escândalo em coisa alguma” (v.3). Em outras palavras, ele estava dizendo que evitava dar qualquer “mau testemunho”, para que o seu ministério em particular e o de seus companheiros não fossem desacreditados.
2. Experiências de um líder-servidor (vv.4-6). Nos versículos 4 a 6, Paulo descreve seu ministério apostólico apresentando uma série de seis tribulações e aflições experimentadas por ele. Didaticamente, ele separa esses acontecimentos em três conjuntos, contendo três “experiências” cada. Nos versículos 4 e 5, ele menciona: “aflições, necessidades e angústias” e “açoites, prisões e tumultos”. O primeiro e segundo conjuntos descrevem as várias situações de sofrimento, que causaram danos físicos e materiais ao apóstolo Paulo. Ainda no versículo cinco, ele menciona “trabalhos, vigílias e jejuns”, referindo-se às dificuldades enfrentadas em seu ministério. Porém, apesar de tudo isso, Paulo não se envergonha do Evangelho de Cristo nem desiste de continuar seu trabalho.
3. Os elementos da graça que o sustentaram nestas experiências (vv.7-10). Em contraposição às seis dificuldades mencionadas acima, no versículo seis, Paulo apresenta outros seis “elementos” que lhe deram força interior, resultantes da graça, e que o sustentaram, bem como a seus companheiros, naquelas tribulações: “pureza, ciência (conhecimento), longanimidade, benignidade, a presença do Espírito Santo e o amor não fingido (verdadeiro)”.
A “pureza”, que é o primeiro elemento, tem a ver com a atitude de um coração íntegro e mãos limpas para realizar a obra de Deus. Ao citar “ciência”, Paulo referia-se ao conhecimento da Palavra de Deus. “Longanimidade” fala da capacidade de suportar injúrias e desprezos, sem nutrir ressentimentos. A “benignidade”, traduzida às vezes por bondade, possibilita o líder cristão a não agir com revanche ou desforra. Fazer algo no Espírito Santo significa reconhecer a sua direção em todas as decisões da nossa vida. Por último, Paulo fala do “amor”, que deve este ser a nossa maior motivação para o exercício ministerial. Todos esses elementos positivos têm sua fonte no Espírito Santo (v.6), o qual produz o amor não fingido.
“Agora é o Dia da Salvação 6.1,2. Como cooperadores de Deus, que pertencem a Ele, como também trabalham para Ele, e como embaixadores de Cristo (2 Co 5.20), Paulo e sua equipe exortavam os coríntios a não receber a graça de Deus sem resultado algum. Os coríntios tinham recebido a graça de Deus, inclusive a salvação por Cristo, mas eles não deviam supor que a salvação é mantida automaticamente.
 É possível ‘deixá-la ir por nada’ (2 Co 6.1, NEB). Isto aconteceria se eles voltassem à antiga maneira de viver ou se dessem ouvidos aos críticos ‘superespirituais’ ou aos falsos apóstolos que estavam ensinando um evangelho diferente (cf. 2 Co 11.4; Gl 2.21). Precisamos viver de acordo com a nova vida que nos foi dada (cf. Jo 15.2; Deus tira os ramos que não dão frutos). A seguir, Paulo cita Isaías 49.8 e o aplica aos coríntios. Eles estavam vivendo nos dias em que a profecia estava sendo cumprida. É o dia de Deus, o tempo de Deus. Paulo não diminui a importância da era futura ou as últimas coisas. Mas eles têm de reconhecer que esta é a era final antes da era milenar. Agora é o dia em que Deus torna possível a reconciliação a Ele por Cristo. Hoje é o dia da salvação (cf. Hb 3.12-15). À medida que nos aproximamos do fim dos tempos também temos de aplicar as observações de Paulo à nossa época, de forma que não recebamos a graça de Deus ‘em vão’ [...]. Nada seria mais triste que ter recebido a graça de Deus e, no fim, se perder”.(HORTON, S. M. I & II Coríntios: Os Problemas da Igreja e Suas Soluções. 1.ed. RJ, CPAD, 2003, pp.213-14.)


A escolha do cristão

Josué 24:15 E, se lhe parece mal servir ao Senhor, escolhe-o neste dia a quem servirá; Se os deuses que seus pais serviram que estavam do outro lado do dilúvio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitam; mas quanto a mim e à minha casa, serviremos ao Senhor.
Ver. 15. Escolha você neste dia a quem você servirá. ] Ele não os deixa não para sua própria escolha livre, mas para fazer prova de sua sujeição voluntária e professada à verdadeira religião, o que os envolverá para constância na sua aliança.

Mas quanto a mim e à minha casa. ] 

Josué não era da mente da maioria dos chefes de família nestes dias, que não fazem nenhum outro uso de seus servos do que os seus animais; Enquanto eles podem ter seus corpos para fazer o seu serviço, eles não se importam se suas almas servem o diabo: estes esquecem que devem responder por essas almas e dar uma conta de seu sangue.

Josué 24:15 . Parece maligno - injusto, irracional ou inconveniente. 
Escolha
 Não que ele os deixe à liberdade, quer eles sirvam a Deus ou a ídolos; Porque Josué não tinha esse poder, nem poderia dar a nenhum outro; E ele e eles foram obrigados pela lei de Moisés a dar sua adoração somente a Deus, e a tolerar toda idolatria em si mesmos, e severamente puni-lo nos outros; Mas suas palavras são uma poderosa insinuação, o que implica que a adoração de Deus é tão razoável, necessária e benéfica, e o serviço dos ídolos é tão absurdo, vaidoso e pernicioso que, se fosse deixado livre para todos os homens tomarem seus Escolha, cada homem em seus sentidos certos deve escolher o serviço de Deus antes dos ídolos.
 E ele provoca que eles se liguem mais rápido a Deus por sua própria escolha. Serviremos ao Senhor - Mas conheça isso, se você deve ser tão básico e brutal que prefira ídolos insensatos e impotentes diante do Deus verdadeiro e vivo, é meu propósito firme que eu farei, e meus filhos e criados (até agora). Como eu possa influenciá-los) deve ser, constante e fiel ao Senhor.

 E se isso parecer malvado para você, etc. 

Parece aqui como se Josué estivesse prestando pouca atenção ao que se tornou um líder honesto e de coração. Se as pessoas haviam abandonado Deus e tivessem ido após os ídolos, era seu dever infligir punição sobre a sua revolta impia e abominável. Mas agora, dando-lhes a opção de servir a Deus ou não, assim como eles escolhem, afrouxa as rédeas e dá-lhes uma licença para se precipitar com audácia no pecado. O que se segue é ainda mais absurdo, quando ele lhes diz que eles não podem servir o Senhor, como se ele realmente estivesse desejando um propósito definido para impedi-los de sacudir o jugo. 
Mas não há dúvida de que sua língua foi guiada pela inspiração do Espírito, em agitar e divulgar seus sentimentos. Pois quando o Senhor traz os homens sob sua autoridade, Eles geralmente estão dispostos o suficiente para professar o zelo pela piedade, embora eles instantaneamente se afastem disto. Assim, eles constroem sem uma base. Isso acontece porque eles não desconfiam da sua própria fraqueza tanto quanto eles deveriam, nem consideram a dificuldade de se unir completamente ao Senhor. Há necessidade, portanto, de um exame sério, para que não sejamos carregados por algum movimento vertiginoso e, portanto, falhamos de sucesso em nossas primeiras tentativas. 
 Com este projeto, Josué, por meio de liberdade condicional, emancipa os judeus, tornando-os, por assim dizer, seus próprios mestres, e livre para escolher o que Deus eles estão dispostos a servir, não com a visão de retirá-los do Verdadeira religião, já que eles já estavam muito inclinados a fazer, mas para impedir que eles fizessem promessas desconsideradas, o que pouco depois violariam. Pois o verdadeiro objeto de Josué era, como veremos, renovar e confirmar a aliança que já havia sido feita com Deus. Não é sem causa, portanto, ele lhes dá liberdade de escolha, para que eles não possam depois fingir ter estado sob compulsão, quando se ligaram por seu próprio consentimento. Enquanto isso, para impressioná-los com um sentimento de vergonha, ele declara que ele e sua casa perseverarão no culto a Deus.

 E aquilo, qualquer outro que seja.

 Os que decidem servir a Deus não devem começar a ser singulares nele. Os que estão ligados ao céu devem estar dispostos a nadar contra o fluxo, e devem fazer, não como a maioria, mas como o melhor . É meu propósito firme que eu farei, e meus filhos e servos (tanto quanto eu possa influenciá-los) devem ser, constantes e fiéis ao Senhor. E aquilo, qualquer outro que seja. Os que decidem servir a Deus não devem começar a ser singulares nele. Os que estão ligados ao céu devem estar dispostos a nadar contra o fluxo, e devem fazer, não como a maioria, mas como o melhor . É meu propósito firme que eu farei, e meus filhos e servos (tanto quanto eu possa influenciá-los) devem ser, constantes e fiéis ao Senhor. E aquilo, qualquer outro que seja. Os que decidem servir a Deus não devem começar a ser singulares nele. Os que estão ligados ao céu devem estar dispostos a nadar contra o fluxo, e devem fazer, não como a maioria, mas como o melhor .

Como o serviço do Senhor pode parecer malvado para alguém que não está nem completamente inconsciente nem completamente endurecido contra as impressões religiosas? O serviço de Deus é exclusivo. Não admite interferência, nem competição, nem homenagem dividida. Deve ter todo o homem. Ele exige todo o seu coração - com todos os seus princípios, disposições e sensibilidades. E se o seu coração for assim entregado a Ele, a conduta, que é apenas uma demonstração de sua influência e atuação, exibirá, em todos os seus departamentos e em todos os seus sentimentos, uma única consideração à Sua vontade e glória. Agora, aplique este teste para vocês mesmos. Não há dúvida de que é estrito e procurando. Mas é bíblico e verdadeiro.

I. Escolha quem você servirá - o Senhor, ou aqueles ídolos que um coração maligno de incredulidade substituiu em seu lugar. Você pode alegar que não lhe parece mal servir ao Senhor. E, especulativamente, isso pode ser verdade; Mas, praticamente, é falso. Você pensa, você sente, você age, como se lhe parecesse mal servir ao Senhor. Há uma repugnância latente em suas mentes para o Seu serviço. Existe uma verdadeira devoção àqueles a quem você não deve servir, o que é essencial e irreconciliadamente inconsistente com uma devoção real a Ele a quem você deve servir. E a idéia de que você está se submetiendo a Sua influência, quando você é, de fato, seus escravos, simplesmente porque você rejeita a afirmação atroz de que é "maligno servir o Senhor" e não está desentorado de fazer muitas coisas incluídas em Esse serviço, é uma delusão, o que, Por muito tempo que possa durar nesta terra de auto-engano e sombras, inevitavelmente deve ser quebrado. Agora, é nosso desejo que esta delusão, tão triste e tão fatal, sob a qual você trabalha, deve ser quebrada antes do dia da retribuição. Você "parou entre duas opiniões"; Abrace um deles e respeite-o. Você está tentando unir dois sistemas: abandone o um e fique com o outro.

II. "Escolha você neste dia a quem você servirá". Tendo reconhecido que você cometeu um erro - erro grave e perigoso - por que você deve demorar a abandonar? Isso não é para desconsiderar suas próprias convicções professadas? "Escolha você neste dia a quem você servirá"; E em vez de hesitar, como se você ainda pudesse arrebatar um outro prazer antes de renunciar à sua conexão com o mundo, considere o tempo transcorrido o suficiente para ter feito a vontade da carne. Maravilha-se com a tolerância de Deus ao não fazer você passar por um monumento de Sua ira justa contra o profano e impenitente. "Escolha você neste dia a quem você servirá"; Porque quanto mais cedo você entrar no serviço de Deus, em sua total importança, mais cedo você irá consultar a dignidade dessa natureza racional que Ele lhe deu, e que você tem sido até então degradante. "Escolha você neste dia a quem você servirá"; Porque atrasar a mudança que uma escolha certa implica será o meio de torná-lo mais difícil no final. "Escolha você neste dia a quem você servirá"; Pois se você não abraçar a oportunidade existente de se dedicar inteiramente e de coração a Deus, que é o seu serviço razoável e vinculativo, uma outra oportunidade pode nunca ser concedida. ( A. Thomson, DD )

Promptibilidade de escolha recomendada
I. O ato de escolha.

1. Nossa escolha deve ser Divina em seu objeto. Devemos escolher o Senhor para o nosso Deus.
2. Nossa escolha deve ser racional em seu caráter. Deixe-nos sabiamente considerar o que estamos fazendo.
3. Nossa escolha deve ser decisiva em sua natureza.
4. Nossa escolha deve ser prática em suas operações. Tendo escolhido Deus, sirva-o -

II. O período de escolha.
1. Devemos fazer nossa escolha neste dia, por causa da negligência criminal de que fomos culpados.
2. De uma visão da falta e incerteza do nosso tempo.
3. Porque o presente é o único momento em que Deus prometeu o auxílio do Seu Espírito.
4. Porque a dificuldade de escolha aumentará em proporção à nossa negligência.

III. Os motivos de escolha.

1. A capacidade que temos para escolher é uma razão para o seu exercício. Deus não dá nada em vão.
2. O estado perigoso em que estamos sem essa escolha é outro motivo.
3. A felicidade que resulta da nossa escolha de Deus deve nos levar a cumprir a requisição no texto. Aquele que escolheu Deus está em estado de segurança e tranquilidade. ( Sketches of Sermons. )

Religião voluntária, pessoal, poderosa
I. A é voluntária.
1. A escolha. O homem é um ser religioso.

 A é tão necessária para a sua alma como a respiração é para o seu corpo. Ser religioso é uma necessidade, mas o tipo de religião adotado é uma questão de escolha. Ao selecionar a religião, deve-se ter cuidado para entender plenamente os méritos de cada um. A antiguidade e a popularidade de um sistema, embora mostrem que esse sistema deve ser examinado, não são, em si mesmos, argumentos a favor da sua verdade. A verdade é bonita, embora odiada e expulso pela maioria dos homens. O diamante brilha, no entanto, significa a configuração. Como o diamante e a estrela, a verdade é bonita em todos os lugares e sempre.
2. A escolha  é limitada quanto ao tempo: "Escolha você neste dia". O tempo presente é o tempo de Deus e o nosso: "Agora é o momento aceitável." Nós sabemos disso; Mas a respeito de amanhã, quanto ao futuro, não sabemos nada.
II. A pessoal. Ele diz: "Escolha você". Não pode ser feito por proxy. Todo homem deve vir a Deus mesmo.
III. A  é poderosa. A  é a vida; A vida é exemplo; E o exemplo é quase omnipotente. O menor cascalho lançado na piscina tranquila causa uma série de ondulações, e a menor delas deixa sua impressão, por milhões de idades, na costa; Assim como a alma mais fraca do homem, renovada pela graça, faz uma série de impressões morais sobre o mundo - impressões cujo registro será legível durante toda a eternidade. ( Evan Lewis, BA )

Ao escolher o serviço de Deus

É um ato de escolha, de preferência, ao qual você é chamado; Um dos atos de mente mais familiares, todos os dias. Você é chamado para mudar mestres; Renunciar ao mundo como sua porção e escolher Deus como sua porção; Para submeter-se à Sua autoridade e controle, e de agora em diante, não para você, mas para Aquele que morreu por você e ressuscitou. E este ato de escolha ou preferência é da natureza de um propósito supremo e governante da mente - tal propósito que dá direção à corrente de sentimento e desejo na alma.
1. Não é certo que você deva escolher Deus como sua porção e Seu serviço como aquele que deve envolver seus supremos cumprimentos? Ele é um ser de infinita excelência e glória; Seu criador, preservador, benfeitor e governante.

2. O dever em questão é ordenado pelo comando expresso de Deus.
3. Este é um dever que está perfeitamente de acordo com a natureza e o destino da mente inteligente e imortal com a qual o Criador o fez.
4. A escolha de Deus, como o ser a quem você serve, é a soma e substância ; E você deve ser . Amigos de Deus e seguidores do Salvador.
5. Todo homem deve escolher Deus ou o mundo como sua porção; E segundo ele escolhe um ou outro, assim é o seu caráter à vista de Deus, e a sua condição na eternidade.
6. Não há nada dentro ou fora de você que precise impedir que você escolha o serviço de Deus. Aquele que conhece perfeitamente seu quadro, suas faculdades intelectuais e morais e todas as circunstâncias da sua condição. Ele, o Deus que o fez e o mantém em seu ser, o convida a entrar no Seu serviço, a escolhê-lo como seu Senhor e porção .
7. O serviço de Deus é a maior glória de sua natureza, a mais perfeita liberdade de seres morais racionais; A fonte mais segura e abundante de conforto interior e prosperidade externa. Exalta aqueles que se dedicam a isso a uma aliança com os seres mais puros e nobres do universo, com profetas e apóstolos, e espíritos glorificados no céu; Com os anjos ministradores no alto, e com Deus mesmo, o bem supremo. Estabelece a alma em uma interminável carreira de melhoria em tudo o que é digno e bom, abre diante de visões brilhantes da glória celestial, assegura a presença de Deus e favorece por seu apoio e orientação ao passar por este mundo; Traz confortos divinos no peito na hora da morte e, finalmente, exalta as recompensas eternas no céu. ( J. Hawes, DD )

Nossa escolha

I. Sirva ao Senhor por causa de Deus.
II. Sirva ao Senhor por causa da sua maravilhosa misericórdia.
III. Sirva o Senhor por causa do Seu amor. Deixe o Seu amor em morrer por nós nos faz servir ao Senhor.
IV. Sirva-o por causa de Sua providência.V. Sirva ao Senhor também por causa da Sua salvação. ( W. Birch. )

Servindo ao Senhor
Eu . A verdadeira serrviço para o senhor. 

Quão bem isso foi entendido sob a antiga dispensação por homens verdadeiramente bons! O Senhor foi estabelecido como o objetivo de toda piedade, não homem. Se você estiver no serviço de outro, você não segue seus próprios desejos, mas o dele; Você não pretende agradar a si mesmo, mas a ele; Seu negócio é ajudá-lo e promover seus interesses.

II. O início  no coração é com a escolha desse serviço. Cristo terá domínio sobre você ou o mundo? Quem tem o primeiro direito? O que diz motivo? O que diz consciência? O que diz a voz dos seus interesses imortais? Assim, deliberou a alma nas crises de sua história. Todas as pessoas devem ser abordadas nesta matéria como agentes morais livres.

III. Para algumas pessoas, parece uma coisa má escolher o serviço do Senhor.
1. Uma razão é aquilo que Josué dá na lição: "Não podes servir ao Senhor, pois Ele é um Deus santo". Escolher Seu serviço é renunciar ao pecado. Este é o segredo de muitas vidas irreligiosas.
2. Parece maligno desistir da adoração dos ídolos.
3. Há uma mortificação de orgulho na escolha do serviço de Deus que muitas vezes parece mal.

IV. Se parece bom ou mal escolher o serviço do Senhor, é necessário escolher e escolher agora.
1. Aqueles israelitas deveriam pesar o fato de que eles fizeram naquele dia fazer alguma escolha. Esse é o dilema sério de toda alma despertada. Você está sob a necessidade de preferir o serviço de Deus ou algum outro.
2. Quanto mais importante, então, observar que a escolha de hoje é provavelmente a de amanhã e de todos os tempos.
3. Por último, mas não menos importante, sua escolha terá um efeito de controle sobre os outros. "Quanto a mim e à minha casa, serviremos ao Senhor". Que lição para todos os que estão em lugares altos! Que exemplo para homens de proeminência em cada comunidade! Que admoestação a todos os pais de uma família! Quão abrangente é a influência de tais pessoas sobre a decisão de outros! ( WE Knox, DD )

A única alternativa

Há poucas ilusões mais fatais, e ainda mais comuns, do que as pessoas que trabalham para negociar um tratado entre o serviço do pecado e o serviço da santidade, buscando conciliar as reivindicações do cristianismo com as reivindicações do mundo. Em muitos casos de vida cotidiana, a neutralidade não é apenas legal, mas louvável. Mas está longe, de outro modo, em matéria de religião e de interesses elevados da imortalidade. Aqui não pode ser admitida nenhuma reserva - sem demora ou debate sancionado - sem cautela discreta.

I. Os dois lados da alternativa proposta.

1. O primeiro particularizado é o lado trágico ou fatal. Se você escolher este dia para entregar-se à escuridão de suas turbulentas paixões e tornar-se escravos de toda impiedade, então afogar toda convicção crescente, estrangular no nascimento todas as apreensões corporais e todas as previsões sombrias do futuro.
2. Mas, se você escolher um curso oposto, se você preferir o serviço de Jeová ao serviço de Satanás, os prazeres da santidade para os prazeres da injustiça, não fique por um momento com hesitações fatais, mas se ajude imediatamente Padrão da Cruz e se resignar, sem reserva e sem condição, à fé e obediência do evangelho, ao amor e ao serviço de Cristo. Que tudo dê testemunho do fato de que você considera que você tem um trabalho para executar de grande dificuldade e de importância infinita, sobre a questão da qual todo o fardo dos destinos de estágios eternos está empatado e, portanto, você não pode permitir que sua atenção seja Por um momento desviou-se desse negócio grandioso e absorto de sua existência, ou suas faculdades para serem absorvidas por um objeto inferior.

II. O momento especial em que esta opção deve ser feita e esta decisão vem: "Escolha esse dia em que você servirá". Em todas as relações e condições da vida humana, muito depende do cultivo de encontros favoráveis ​​e da melhoria de momentos propícios. As maiores revoluções que ocorreram, as conquistas mais esplêndidas conquistadas e as conquistas mais permanentes alcançadas, dependeram de uma estimativa criteriosa e de uma aplicação crítica do tempo. Se é verdade o que um escritor observou, "que é possível viver mil anos em um quarto de hora", é ainda mais verdade, que alguns minutos perdidos ou melhorados podem decidir a tez de todo o nosso destino por toda a eternidade . Vendo, então, que o risco e a criminalidade são iguais em todos os momentos, Em um negócio tão crítico e tão importante como a restauração da alma para o favor e a imagem de Deus, e o seguro de seu bem-estar eterno, nós, com toda a seriedade, o pressionaremos sobre você como o seu primeiro, o seu principal e o seu interesse final , Para entregar-se a Deus agora, entregar-se a Deus inteiramente, e entregar-se a Deus para sempre. ( Joseph Sommerville. )

O serviço de Deus como uma escolha

"Escolha". Deus fala esta palavra a todo homem em meio aos trovões do Sinai e os argumentos do Calvário.
1. O cristianismo é uma religião da razão, da inteligência, não da autoridade e da força; Apela a motivos; Ele define o certo e o errado, a vida ea morte, diante da mente de cada homem e o convida a escolher entre eles.
2. A escolha é voluntária. Nenhum engano é usado, e nenhuma compulsão de qualquer tipo. Deus nunca coagiu a vontade de uma criatura, e Ele nunca vai, mesmo para salvá-lo!
3. A escolha em todos os casos é pessoal, tendo em vista os motivos: "Escolha você", & c. Cada alma decidirá seu curso e destino e será obrigada a dar conta de si mesmo no julgamento.
4. Todo mundo tem a liberdade de recusar o serviço de Deus exatamente como ele deve entrar; Mas recusar é escolher. Não servir a Cristo é servir o diabo.
5. Portanto, toda a responsabilidade de escolher depende da mente de cada indivíduo. ( JM Sherwood, DD )

Razões para escolher o serviço de Deus
1 . A justiça e a equidade exigem nossa exigência.
2. As reivindicações de gratidão se juntam para fazer cumprir
3. Os mistérios da redenção.
4. Nossos melhores interesses estão necessariamente envolvidos nisso. ( O púlpito. )

Permissão e determinação de JOSUÉ

1 . Primeiro quanto à permissão. Não há permissão - e isso desejamos ser bem observados - para a religião renunciante, mas apenas de escolher entre o verdadeiro e o falso. Josué não diz: "Escolha se você terá o Senhor ou nenhum Deus"; Mas, "Se você terá o Senhor ou os deuses dos idólatras". Não possamos supor que Josué aqui distingue o ateísmo da idolatria, como se as pessoas escolhessem a idolatria com menos graça de culpa do que o ateísmo. Ele apenas assume um princípio amplo, que a experiência da humanidade já verificou, a saber, que uma nação deve ter alguma religião, e que eles adorarão deuses falsos se eles não adorarem o verdadeiro. E, em seguida, observe, em relação a essa permissão, Que não discute a indiferença por parte de Josué quanto à religião que o povo pode adotar. Ele os deixa de fato livres para fazer sua eleição; Mas ainda assim ele toma o mais eficaz de recomendar a verdade para sua aceitação. 
A sua declaração sobre a religião que ele mesmo sustentaria era dar toda a sua influência ao lado da justiça; E não era fácil imaginar um método mais habilidoso e, ao mesmo tempo, mais poderoso, de levar os israelitas à fidelidade de Deus a Deus, do que deixando a escolha deles, enquanto ele deu o peso de seu próprio exemplo à causa que Ele desejava apoiar. 
E, no entanto, há mais do que isso a avançar em relação à aparente recusa de Joshua de interferir senão por exemplo com a religião nacional. Seria fácil deturpar a permissão em questão - interpretá-la em uma indicação de que, em matéria de religião, os governantes deveriam deixar um povo completamente para si mesmos; Mas se você considerar as circunstâncias da nação judaica quando Josué entregou o endereço, você perceberá que a tolerância é o único proposto, e não a não interferência de governantes com religião. Os judeus não estavam sem uma religião estabelecida quando Josué pediu que escolhessem entre verdade e erro. Seus governantes, agindo sob a direção direta de Deus, teceram um sistema de adoração em todas as instituições nacionais e providenciaram, por todos os meios possíveis, a instrução do povo no medo do Senhor. Os governantes não podem interferir com a consciência, e ter estabelecido o que sabem ser a verdadeira religião, E a determinação de sustentá-lo pelo seu exemplo, tolerância e não perseguição, é o seu negócio. Portanto, "escolhe-o neste dia a quem você servirá"; Decidir se serão adoradores de Jeová ou idólatras com os amorreus. 
O intrépido líder dos milhares de Israel resolveu, mesmo que deserta ou se opusesse por seus compatriotas, que continuasse firme em sua lealdade a Jeová. Ele se tinha satisfeito quanto à natureza e exigências da verdadeira religião; E se ninguém tivesse abraçado o mesmo lado, seu propósito foi resolvido - permanecer sozinho no campeonato da verdade. Isso foi sublime, porque o heroísmo moral; E Josué não era uma milésima parte tão gloriosa ao cruzar o Jordão como o capitão do hospedeiro do Senhor, ou pedindo que o sol fique preso no firmamento como quando, contemplando a possibilidade de apostasia nacional, Com a imagem diante dele das tribos a quem ele conduziu à vitória abandonando o Deus que lutou todas as suas batalhas, proferiu a permissão e a resolução: "Escolha-te neste dia a quem servireis; Mas quanto a mim e à minha casa, serviremos ao Senhor ".

II. Agora, tenhamos a intenção de falar longamente sobre a determinação de Josué, como fizemos com sua permissão; Mas, ao lidar com o mesmo, tocamos na maioria dos pontos sugeridos pelo outro. A sabedoria, por exemplo, da escolha de Josué é demonstrada pela insuficiência das razões que provavelmente produzirão uma escolha diferente nos israelitas. Nem a antiguidade nem a extensão da idolatria poderiam justificar sua adoção; E se, portanto, as fileiras dos idólatras fossem inchadas por acessos das pessoas professas de Deus, não haveria nada para justificar uma mudança de propósito em Josué; E ainda seria sua sabedoria, embora pedisse grande coragem para agir de acordo com o princípio de que o próprio Senhor deveria ser adorado. Daí a sabedoria da determinação não requer nenhuma prova, enquanto a ousadia pode nos colocar no rubor, Quando dissuadido, como costuma ser, por meio de uma careta ou de um sussurro, de nos amparar os servos resolvidos de Deus. ( H. Melvill, BD )

O mal e o perigo de infelicidade 

Eu . Uma indicação sobre o perigo é que uma grande parte do mundo se cansa da religião, mesmo que seja ensinado com simplicidade e verdade.
II. Uma admoestação de que, tal como estão dispostos a eliminar os vínculos do dever para com seus criadores, pensariam seriamente sobre qual tipo de mudança eles estão prestes a arriscar, e como eles esperam ser ganhadores por isso.
III. A resolução que os homens prudentes farão, independentemente de outros, para continuar na própria prática, e preservar uma consideração consciente entre todos os que são colocados sob sua inspeção. ( Archbp. Secker. )

Religião nacional

1 . É aqui que se supõe que uma nação deve ser de alguma religião ou outra. Joshua não coloca isso à sua escolha, mas dá por certo.
2. Que, embora a religião seja uma questão de escolha, ainda não é uma coisa indiferente em si nem um bom governador, de que religião é o seu povo.
3. Que a verdadeira o pode ter vários preconceitos e objeções contra ela: "Se parecer-lhe malvado servir ao Senhor"; Indicando que, em algumas contas, e para algumas pessoas, pode parecer assim.
4. Que a verdadeira  tenha essas vantagens reais do seu lado, para que possa ser encaminhada com segurança para a escolha de qualquer homem considerado.
5. O exemplo dos príncipes e dos governadores tem uma grande influência sobre as pessoas em matéria de religião. ( Archbp. Tillotson. )
Escolha Deus agora - um sermão para crianças

I. Escolha. 
A melancólica maioria dos homens nunca escolheu o curso da vida, mas se contentou em tirar as circunstâncias, do acidente, dos professores, das influências externas em que eles se encontraram. E, embora possam, passo a passo, terem escolhido medidas imediatas para resultados imediatos, o que há muitas pessoas que nunca definiram claramente diante deles o objetivo definitivo para o qual eles estavam vivendo. Escolher. Parado como você faz na separação dos caminhos, tenha uma noção clara do que você está apontando, e não se deixe moldar por simples acidente; Não se deixem ser meros filhos de impulso; Não deve a forma de suas vidas à pressão das circunstâncias; Não se deixem governar pela inclinação do momento; Não seja como as ervas daninhas no fluxo, que se movem apenas à medida que flui. Não seja como os medusas no mar, que não têm locomoção, ou ao lado de nenhum, que são carregados impotentes na corrente. "Seja um martelo, e não uma bigorna." Escolha! Não deixe o mundo moldá-lo. Exercise sua vontade, sua razão, sua consciência. 

Formule seus propósitos, diga a si mesmo o que significa ser e fazer; E diga com força, pois este mundo não é um lugar para os fracos; E desejos e inclinações e boas intenções estão muito bem, mas não são suficientes. Will and choose, e em nome de Deus, escolha o direito. Diga a si mesmo o que significa ser e fazer; E diga com força, pois este mundo não é um lugar para os fracos; E desejos e inclinações e boas intenções estão muito bem, mas não são suficientes. Will and choose, e em nome de Deus, escolha o direito. Diga a si mesmo o que significa ser e fazer; E diga com força, pois este mundo não é um lugar para os fracos; E desejos e inclinações e boas intenções estão muito bem, mas não são suficientes. Will and choose, e em nome de Deus, escolha o direito.

II. Escolha Deus. 

Eu quero dizer escolher o Deus que se aproximou de você no Salvador que o amou e viveu por você e morreu por você; E dê seus corações a Ele para ser cuidadoso, ser abençoado e seu espírito para Ele ser purificado e ser salvo; E então, cedendo a Cristo, você terá tomado Deus por sua porção. Contraste por um momento os objetos que estão definidos antes de você para o seu amor, confiança e serviço. E o oposto: que povo de divindades bestiais! Certamente, não há dúvida de que o coração de um homem pode dobrar suas asas, como uma pomba cansada, e descansar para sempre. Não só existe um contraste entre os objetos, mas também há um contraste entre os resultados.

III. Escolha Deus agora.

 Nunca pode ser muito breve para fazer o que é certo e nobre; Nunca pode ser tão cedo para fazer o que é dever e segurança. E deixe-me dizer-lhe quatro razões pelas quais eu rezo para você. Primeiro, o perigo da demora. Não é provável que muitos de vocês sejam colocados em seus túmulos antes deste dia no próximo ano; É certo que alguns de vocês irão. 
E porque nenhuma mão pode apontar para o que quiser, vamos todos ouvir o suplicante: "Escolha você neste dia a quem você servirá". Em segundo lugar, devido à dificuldade cada vez maior de fazer uma escolha, que é uma mudança. Quando a argila está na roda do oleiro, o toque mais leve do dedo pode impressioná-lo com qualquer forma que ele desejar; Quando é retirado e endurecido, nada irá mudar a forma do vaso, mas esmagando-o em fragmentos. Em terceiro lugar, Por causa da perda que você sofre por atraso. Por que você deveria ser outro dia sem a melhor benção que um homem pode ter? Por que você deveria ser outro dia mais pobre do que você precisa ser? Em quarto lugar, por causa dos frutos amargos que você está deitando por si mesmo por atraso, se alguma vez você vier a Cristo. 
Eu gostaria de você "inocente de muita transgressão". Eu gostaria que você "crescesse na educação e admoestação do Senhor", para que nunca mais tenha que olhar para trás, no caso de um retorno tardio para Ele, em um Vida dada aos ídolos, consumida por si mesma e desperdiçada pelo pecado. ( A. Maclaren, DD ) Por causa dos frutos amargos que você está deitando por si mesmo por atraso, se alguma vez você vier a Cristo. Eu gostaria de você "inocente de muita transgressão". Eu gostaria que você "crescesse na educação e admoestação do Senhor", para que nunca mais tenha que olhar para trás, no caso de um retorno tardio para Ele, em um Vida dada aos ídolos, consumida por si mesma e desperdiçada pelo pecado. ( A. Maclaren, DD ) Por causa dos frutos amargos que você está deitando por si mesmo por atraso, se alguma vez você vier a Cristo. Eu gostaria de você "inocente de muita transgressão". Eu gostaria que você "crescesse na educação e admoestação do Senhor", para que nunca mais tenha que olhar para trás, no caso de um retorno tardio para Ele, em um Vida dada aos ídolos, consumida por si mesma e desperdiçada pelo pecado.( A. Maclaren, DD )

III. Deveríamos aprender, a partir do exemplo de Josué, a ser fiel à causa de Deus e ao interesse da religião e da virtude, mesmo em tempos de corrupção e depravação mais gerais. A singularidade nas coisas indiferentes geralmente pode ser um argumento de fraqueza e loucura, ou de rigidez e obstinação inconvenientes ; Mas os homens levaram o argumento muito longe quando pagaram um elogio tão grande ao costume para impedi-lo contra a prática da própria virtude. Pois as obrigações da virtude não são imputadas a qualquer problema, muito menos por uma complacência fofa e aduladora, e um homem de razão nunca consentiria em fazer algo que fosse realmente desonroso para evitar a censura imerecida. Novamente,

IV. Devo concluir tudo com a observação de que o design de Josué, para usar seu maior crédito e influência com seus dependentes mais imediatos para o apoio e manutenção da religião, foi verdadeiramente nobre e generoso, e o que será altamente para a honra de cada um De nós para imitar. ( James Foster ) .

Proposição e resolução de Josué

Primeiro, Josué deu por certo que uma nação deve ter uma religião de um tipo ou outro. Todo o seu endereço é construído sobre este princípio; E se houvesse um meio caminho entre servir o Deus de Israel e servir outros deuses, seu discurso não teria sido inconclusivo. 
Alguns alegaram que uma sociedade de ateus poderia ser razoavelmente boa e regulada por motivos humanos, por recompensas e punições presentes, por vergonha, desgraça, medo, honra, boa-natureza, reputação e interesse próprio. Mas isso não pode ser. Retire a religião, e você tira com ela a influência da consciência e os motivos mais fortes para os deveres sociais. Não existe nada sobre o qual a confiança mútua pode ser firmemente fundamentada. Tudo será feito de acordo com o poder externo, e todas as leis serão desconsideradas, Quando pode ser feito com segredo ou impunidade e com prazer presente ou lucro. A religião, portanto, é uma questão de deliberação e escolha. Em meio à diversidade de opiniões e de adoração que dividem o mundo, percorrer o percurso no primeiro caminho que nos precede, e para o qual o nascimento e a educação nos direcionam e para continuar com ousadia sem qualquer convicção de que seja o Direito, este não é o comportamento do agente racional. 

Deus será amado livremente e sem restrições, e servido por escolha e preferência. Ele exige um serviço razoável, e o homem sendo um agente racional, um agente livre, deve poder dar algum relato e algum motivo para sua crença e suas ações, e ter medo de comparar a verdade e a falsidade, Deus e um ídolo, e Para examinar o que merece a preferência, está fazendo errado para Deus e para a verdade de Deus. Uma terceira observação é sobre o tempo em que isso deve ser feito. Há uma certa vida, e há ocasiões, quando cada um deve resolver e fazer sua escolha. "Escolha você neste dia", diz Joshua. 
FONTE WWW.MAURICIOBERWALDOFICIAL.BLOGSPOT.COM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.