domingo, 23 de julho de 2017

Subsidio adultos Betel grupos a ser alcançados n.5




Professor, para a lição de hoje será necessário providenciar os mapas das viagens paulinas. É quase impossível falar das viagens missionárias sem o auxílio de mapas. Ao falar das cidades, localize-as no mapa mostrando aos alunos. Sugerimos também a reprodução do quadro abaixo. Utilize-o fazendo um resumo dos principais acontecimentos das viagens missionárias de Paulo.

Versos 1-10

ZAQUEU O PUBLICANO.

. O incidente é peculiar a Lucas

e é uma prova de independência. "A ideia fundamental do Evangelho de Lucas exigiu que o favor mostrado ao publicano rico não fosse omitido. Mateus e Marcos estão tão empenhados em retratar a grande procissão para a festa em sua unidade, que não podem permanecer em outro episódio, como o de Zacqueu, além da cura do cego. Matthew, de fato, sendo ele próprio publicitário, pode hesitar com o modéstimo para registrar de forma proeminente tantas instâncias de favor mostradas aos publicanos; E Mark, escrevendo principalmente para os cristãos romanos, provavelmente preferiria omitir uma nova lembrança do ódio amargo que subsistia entre os judeus e os romanos (Lange).
Verso 2
Lucas 19: 2. Zaccheus. O nome é a palavra hebraica que significa "puro", com um final grego ligado a ele. Ele era, portanto, de origem judaica (comp. Lucas 19: 9).
Um publicano-chefe. Provavelmente o superintendente dos coletores de impostos comuns. A prática de cultivar as receitas para os cavaleiros romanos encorajou a extorsão. Zaccheus provavelmente era o principal agente da pessoa que ocupava o privilégio do governo. A receita em Jericó era, sem dúvida, considerável, e principalmente derivada de impostos sobre o bálsamo tão abundantemente produzidos no bairro, ao longo das margens do Jordão.
E ele era rico. Isto é mencionado, para preparar o caminho para o idioma de Lucas 19: 8.
Verso 2 
Um homem chamado Zaqueu - O nome de Zaqueu é hebraico e mostra que este homem era um "judeu". O nome hebraico significa "puro", e é o mesmo que Zacchai em Ezra 2: 9 ; Neemias 7:14 . Os publicanos, portanto, não eram todos estrangeiros.
Chefe entre os publicanos - Quem presidiu outros coletores de impostos, ou quem "recebeu" suas coleções e as transmitiu ao governo romano.
Ele era rico - embora essa classe de pessoas fosse desprezada e muitas vezes infame, mas parece que às vezes eram ricas. Eles sustentaram, no entanto, o caráter geral dos "pecadores", porque eram particularmente odiosos aos olhos dos judeus. Veja Lucas 19: 7 . O evangelista achou digno de registro que ele era rico, talvez, porque era tão improvável que um "homem rico" devesse seguir tão pobre e desprezado uma personagem como Jesus de Nazaré, e porque era uma coisa tão incomum durante o seu pessoal ministério. Não foram chamados muitos ricos, mas Deus escolheu principalmente os pobres deste mundo. Compare 1 Coríntios 1: 26-29 .
Verso 3
Lucas 19: 3. Quem era, ou "qual (da multidão) era Ele". Zaccheus tinha ouvido falar de Jesus, mas nunca o tinha visto. Sua única curiosidade é mencionada aqui; Mas algum motivo melhor, por mais ilimitado que fosse, indubitavelmente o influenciou.Não podia para a multidão. Ele tentou, mas falhou por causa da multidão, sua estatura tornando necessário chegar muito perto para ver.
Verso 3 
Quem ele era - Em vez disso, qual tipo de pessoa, ou ele era, ou como ele apareceu. Ele teve essa curiosidade que é natural para as pessoas verem uma das quais eles ouviram muito. Parece, também, que, neste caso, a mera "curiosidade" levou a sua conversão e a de sua família. Compare 1 Corinthians 14: 23-25 . Deus faz uso de todos os princípios - de curiosidade, ou simpatia, ou carinho, ou esperança, ou medo - para levar as pessoas no caminho da salvação e para impressionar a verdade nas mentes dos pecadores.
A imprensa - A multidão; A multidão que cercou Jesus. Os príncipes terrestres são freqüentemente carregados em equipamentos esplêndidos, ou mesmo transportados, como nas nações orientais, em palanquins nos ombros das pessoas. Jesus se misturou com a multidão, não buscando distinções desse tipo, e talvez "na aparência", não se distinguindo de milhares que o seguiram.
Verso 4
Lucas 19: 4. San antes. Uma evidência de grande desejo, especialmente em um homem de riqueza.
Uma árvore de sicômoros. A figueira egípcia, que se assemelha em muitos aspectos à amoreira. Não é idêntico ao 'sycamine' (cap. Lucas 17: 6), e completamente diferente do sicômoro moderno. A derivação da palavra favorece a ortografia: sycomore (fig-mulberry). Veja o corte que acompanha.
Foi para passar assim. Isso mostra que era conhecido o caminho que Jesus levaria. Daí a forte probabilidade de ele estar no caminho direto de Jerusalém.
Verso 5
Lucas 19: 5. Olhou, e disse. A leitura correta traz mais surpreendentemente o reconhecimento de Zaqueu pelo nosso Senhor. O conhecimento de seu nome é menos notável que o conhecimento de seu coração. O conhecimento anterior está fora de questão (comp. Lucas 19: 3). Alguns supõem que o homem conhecido em Jericó foi visto pela multidão nesta posição singular, e seu nome passou de boca em boca, às vezes com desprezo e desagrado, às vezes com alegria, foi ouvido pelo nosso Senhor. Isso se insere em grande parte na narrativa simples, apenas para depreciar isso.
Hoje, etc. Possivelmente durante a noite, mas é mais provável que fosse um descanso de meio dia, e que, à tarde (sexta-feira, como pensamos), nosso Senhor passou para o bairro de Betânia, onde Ele jantou na casa De Simon o leproso depois do pôr-do-sol no sábado. A distância não era ótima demais para a caminhada de uma tarde.
Eu devo. Na vida de nosso Senhor, especialmente nesta parte tão detalhada, cada evento foi ordenado de acordo com um plano Divino. Este descanso em Jericó serviu para consertar o tempo de outros eventos, como a ceia em Betânia, a entrada em Jerusalém (no dia em que o Cordeiro Pascal foi separado para o sacrifício), etc. Além disso, havia uma necessidade moral de Amor que constrange o Senhor a permanecer, a fim de buscar e salvar este publicano, em quem houve um anseio espiritual. Todos os eventos desenvolvem o propósito de Deus, mas Seu propósito é salvar os pecadores.
Verso 5 
Permaneça em sua casa - Permaneça lá, ou coloque com ele. Esta foi uma honra que Zaqueu não esperava. O máximo, ao que ele visava, era ver Jesus; Mas, em vez disso, Jesus propôs permanecer com ele e dar-lhe o benefício de suas instruções pessoais. É apenas um dos milhares de casos em que o Salvador é, ao conceder misericórdias, muito além do deserto, o desejo ou a expectativa dos homens; E não é inadequado aprender com esse exemplo que a solicitude de contemplar o Salvador não passará despercebida por ele, mas irá encontrar-se com sua aprovação calorosa e estar conectado com sua benção. Jesus estava disposto a encorajar os esforços para chegar a ele, e sua benevolência levou-o a satisfazer os desejos do homem que estava solícito ao vê-lo. Ele não despreza as mansões dos ricos mais do que as habitações dos pobres, desde que haja um coração humilde; E ele não supor que havia "menos" necessidade de sua presença para salvar na casa do homem rico do que entre os pobres. Ele deu um exemplo a todos os seus ministros, e não teve medo ou vergonha de proclamar o seu evangelho em meio à riqueza. Ele não estava impressionado com esplendor ou grandeza externa.

Missão: Transmissão consciente e planejada das Boas Novas de Cristo além fronteiras nacionais e culturais.
A Igreja Primitiva evangelizou o mundo gentio em aproximadamente trinta anos. O imperativo missionário de Atos 1.8 era, e sempre será, uma demanda que não admite contestação ou indolência. Movidos pelo Espírito Santo, os discípulos saíram a evangelizar e a discipular a todos os povos. Nenhuma nação deixou de ser contemplada.

I. A PRIMEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA (At 13 — 14)

1. De Antioquia a Chipre (At 13.1-12). A primeira viagem missionária de Paulo ocorre logo após ter sido ele comissionado pelo Espírito Santo (vv.2,3). Orientado pelo mesmo Espírito, o apóstolo, juntamente com Barnabé, embarca em Selêucia, porto marítimo de Antioquia, em direção à Ásia Menor (v.4). Com isto, Lucas demonstra ser o Espírito de Cristo o verdadeiro protagonista de Atos dos Apóstolos (v.9).
Já em Chipre, cidade natal de Barnabé (At 4.36), desembarcam em Salamina, onde havia uma considerável população judaica. Ali anunciam a Palavra do Senhor à sinagoga local. Depois, viajando em direção à ilha de Pafos, proclamam o Evangelho de Cristo às suas aldeias e povoados.
2. De Chipre a Antioquia da Pisídia (At 13.13-52). De Pafos, subindo o rio Cestro, Paulo chega a Perge, região da Panfília, cuja população era devota de Diana (Ártemis). Após uma viagem de 160 quilômetros, o apóstolo chega a Antioquia da Pisídia, onde havia uma grande comunidade judaica e um posto militar romano.
Na sinagoga local, Paulo proclama o evangelho aos judeus da Diáspora, conduzindo muitos à conversão. Não poucos prosélitos também aderem à fé. No sábado seguinte, uma grande multidão congrega-se, a fim de ouvir a Palavra de Deus. Os judeus incrédulos, porém, saem a blasfemar e a incitar a cidade contra o apóstolo.
3. De Icônio ao regresso a Antioquia (At 14.1-28). Localizada no entroncamento de Éfeso, Tarso e Antioquia, era Icônio uma cidade mui estratégica à difusão do evangelho. Como de costume, Paulo põe-se a evangelizar os judeus da dispersão. Muitos crêem. Outros, porfiando em sua incredulidade, incitam as gentes contra os apóstolos.
Temendo por suas vidas, Paulo e Barnabé deixam Icônio e dirigem-se a Listra e a Derbe, cidades da Licaônia.
Em Listra, que tinha como padroeiro a Zeus, o maioral dos deuses gregos, os apóstolos pregam e restauram a saúde a um coxo de nascença. Abismados pelo milagre, os licaônios atribuíram o prodígio à manifestação de Zeus e Hermes (At 14.11,12). E já completamente fora de si, puseram-se a oferecer sacrifícios aos apóstolos que, energicamente, impediram-nos (At 14.15).
Logo em seguida, os que eram adorados como deuses são tratados como a escória da humanidade. Uma multidão, procedente de Antioquia e Icônio, incita as pessoas a apedrejarem a Paulo, que é dado como morto (At 14.19). No entanto, a semente ali plantada haveria de florescer e frutificar.Logo depois de serem comissionados pelo Espírito Santo, a igreja de Antioquia enviou Paulo e Barnabé em sua primeira viagem missionária.  
II. A SECUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA (At 15.36 — 18.28)

1. Em direção à Ásia (15.36 — 16.8). Após a ruptura com Barnabé, prossegue Paulo na companhia de Silas, que também era profeta (At 15.32). Em Listra, une-se a eles um jovem greco-hebreu — Timóteo, a quem o apóstolo escreveria duas epístolas.
Deixando Antioquia, passaram pela Síria e Cilicia. Confortando as igrejas na fé, informando-as acerca da resolução do Concílio de Jerusalém (16.4,5). Em ato contínuo, atravessam a região da Frígia e da Galácia. Mas o Espírito Santo, sempre na direção dos atos de seus apóstolos, interrompe-lhes a jornada, conduzindo-os por um itinerário que haveria de mostrar-se vital à expansão do Cristianismo.
2. Em direção à Europa (16.12 — 18.18). Em Trôade, Paulo é orientado, numa visão, a seguir para a Macedônia. Rumo a Filipos, passa pela Samotrácia e por Neápolis, até chegar a Filipos. Esta foi a primeira cidade da Europa a receber o evangelho. E Lídia, a primeira européia a receber a Cristo, constrange os apóstolos a hospedarem-se em sua casa.
Nessa cidade, Paulo expulsa o espírito de adivinhação de uma jovem que, por intermédio desse artifício, dava grandes lucros a seus senhores (At 16.16-18). Vendo estes que a fonte de seu ganho secara, incitaram a cidade contra os apóstolos que, levados ao tribunal, foram postos em prisão.
No cárcere, Paulo e Silas adoravam a Deus quando um terremoto abriu-lhes as portas da cadeia. O episódio constrangeu o carcereiro e toda a sua família a converterem-se a Cristo (At 16.31). Já libertos, seguiram eles a Tessalônica, passando por Anfípolis e Apolônia. E dali, prosseguiram a pé por 64 quilômetros até a cidade.
3. Regresso (18.18-22). De Atenas, dirigiu-se Paulo a Corinto, a mais importante metrópole da Grécia. Na cidade, fez contatos com Áquila e Priscila. Aos sábados, consagrava-se ele a proclamar o evangelho aos judeus e gentios ali residentes. Seu grande esforço resultou na conversão do principal da sinagoga — o irmão Crispo. A permanência de Paulo em Corinto foi de um ano e seis meses. Despedindo-se da igreja ali estabelecida, dirigiu-se a Éfeso, na província da Lídia. Em seguida, retorna a Antioquia via Jerusalém. 


III. TERCEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA (At 18.23 — 28.31) 
1. De Antioquia a Macedônia (18.23 — 20.3). De Antioquia, Paulo dirigiu-se a Éfeso, objetivando confirmar a igreja local. Como alguns discípulos nada sabiam sobre o Espírito Santo, pôs-se o apóstolo a doutriná-los acerca da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade. Em seguida, orou para que o Espírito de Deus sobre eles viesse. Imediatamente, começaram a falar noutras línguas e a profetizar.
Como resultado de seu trabalho, a superstição é vencida na cidade.
2. De Filipos a Jerusalém (20.6 — 21.17). Nessa seção de Atos, Paulo encerra a sua terceira viagem missionária. Visita a Macedônia e a Grécia. Logo a seguir, retorna a Ásia (20.1-6). Alguns fatos marcaram-lhe o regresso: seu longo discurso, a ressurreição de Êutico e o comovente discurso aos anciãos de Éfeso. Apesar de alertado divinamente sobre os perigos que o aguardavam em Jerusalém, chega à Cidade Santa.
3. Paulo em Jerusalém. Em Jerusalém, Paulo reúne os anciãos da Igreja em casa de Tiago e narra o que Deus fizera aos gentios através de seu ministério. Ante o relato, os presbíteros preocupam-se com a reação dos judeus a respeito de Paulo. O temor não era infundado: Paulo é acuado e agredido pela multidão. Todavia, o Senhor preserva-lhe a vida, providenciando para que seja levada a Roma, onde era mister que proclamasse o evangelho.Nas viagens missionárias de Paulo, vemos clara e meridianamente os Atos do Espírito Santo. Sim, o Espírito Santo continua a operar maravilhas no campo missionário, fazendo o evangelho chegar aos confins da terra. Quando intimado pelo Senhor, não se furte. Responda: “Eis-me aqui, envia-me a mim”.

                                 A Primeira Viagem Missionária
“[...] como pôde o apóstolo Paulo, em tão pouco tempo, evangelizar os principais centros do Império Romano e, finalmente, instalar-se em Roma com a irresistível mensagem do Evangelho? Ou melhor: como pôde um único homem revolucionar toda a sua época? A resposta não exige muita abstração. Em primeiro lugar, era Paulo um mensageiro extraordinário do Senhor, através do qual foi o evangelho universalizado. Além disso, utilizou-se ele da infra-estrutura do império para viajar de cidade em cidade, de província em província e de reino em reino. Providencialmente, não precisava de nenhum passaporte especial: era um cidadão romano. Somente um Deus, que é a mesma sabedoria, haveria de predispor todas as coisas a fim de que a mensagem da cruz chegasse aos confins da terra. [...] Em Antioquia, o apóstolo Paulo desempenhou uma importante etapa de seu ministério. E daqui, partiu ele para a sua primeira viagem missionária. Após o Concílio de Jerusalém, retornou à cidade com as resoluções tomadas pelos apóstolos e anciãos (At 15.23). Sua segunda viagem missionária também teria Antioquia como ponto de partida. Atualmente, Antioquia não passa de uma modesta povoação. Para nós, no entanto, será conhecida sempre como a igreja missionária por excelência” (ANDRADE, C. Geografia Bíblica. 11.ed. RJ: CPAD, 2001, pp.227-29).
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.