sábado, 8 de julho de 2017

Subsidio adolescentes Betel os simbolos n.3




PAZ DO SENHOR PROFESSORES TODOS OS SIMBOLOS DA REVISTA ESTA AQUI, 
VEJAM MAIS ADIANTES. 
   
                  PEIXE SIMBOLO DA IGREJA MATEUS 4.18-19

                            Professor Escritor Mauricio Berwald

E Jesus andando pelo mar da Galiléia , ... Não por sua recreação e diversão, ou por acidente, mas com propósito para cuidar e chamar alguns, a quem ele escolheu para ser seus discípulos. E enquanto caminhava, de um lado para o outro, ele "viu duas pessoas"; E assim que os viu, ele sabia que eram aqueles que ele tinha determinado fazer seus apóstolos: e estes são descritos por sua relação uns com os outros, "irmãos"; Não apenas porque eram da mesma nação, ou da mesma religião, ou do mesmo emprego e negócios da vida, mas porque eram do mesmo sangue; E por seus nomes, "Simon chamou Pedro e Andrew, seu irmão". Simon é o mesmo nome com שמעון , "Simeon"; E assim ele é chamado, Atos 15:14 e que, no dialecto de Jerusalém, É lido סימון , "Simon". O apelido de "Pedro", que depois lhe foi dado por Cristo, Mateus 16:18 é grego, e responde a "Cefas", significando uma "rocha": embora este nome seja encontrado no Talmúdico Escritos, onde lemos sobre R. Jose, בר פיטרס , "bar Petros". Este é o seu sobrenome aqui, para distingui-lo de Simão, o cananeu. O nome de seu irmão Andrew é geralmente pensado para ser grego; Embora alguns tenham derivado de נדר , "para jurar", e também deve ser observado nos escritos dos judeus; Onde é feita menção de R. Chanina, בר אנדריי bar Andrei. Eles são descritos mais detalhadamente pelo trabalho em que estavam, ou negócios em que estavam empregados,

Lançando uma rede no mar ; Ou para pegar peixe nele, ou para lavá-lo, Lucas 5: 2 e o motivo do seu fazer é adicionado; "Para eles eram pescadores". Deste emprego significante foram as primeiras pessoas que Cristo teve prazer em chamar ao trabalho do ministério; Homens sem educação, que não faziam figura na vida, mas eram desprezíveis e desprezíveis: isto ele fez, para que pareça que não eram qualificados para tal serviço de si mesmos; Que todos os seus dons e qualificações eram dele; Para mostrar seu próprio poder; Confundir a sabedoria dos sábios; E para que os homens vejam, para que ninguém se glorie em si mesmo, mas nele. Os judeus têm uma noção da palavra de Deus e a profecia é recebida e abraçada somente por esse tipo de pessoas: diz R. Isaac Arama"Sua palavra veio para curar tudo, mas algumas pessoas particulares só o recebem, e quem de todos os homens é aborrecido sob os braços , דייגים עבדי הים ," pescadores, que fazem negócios no mar ": isto é o que está escrito"; Aqueles que descem ao mar em navios, que fazem negócios em grandes águas, vêem as obras do Senhor ": estas não parecem adequadas para receber qualquer coisa que pertence ao entendimento, por causa da sua dureza, e ainda assim recebem a A verdade da profecia e da visão, porque eles acreditam em sua palavra.

Não posso deixar de pensar que é necessário algum respeito a esses pescadores, em Ezequiel 47:10 "acontecerá que os pescadores ficarão sobre ele": isto é, sobre ou pelo rio das águas, disse em Ezequiel 47: 8 para "sair para o país do leste e descer no deserto": o que R. Jarchi e Kimchi entendem do mar de Tiberíades; O mesmo com o mar da Galiléia, pelo qual Cristo andou; E onde ele encontrou esses pescadores no trabalho e os chamou. Veja também Jeremias 16:16.

Eu vou fazer você. VERSO 19

Seu poder, e não a capacidade deles, tornaram-nos o que eles tornaram.
Pescadores de homens. "Os principais pontos de semelhança não podem ser confundidos, como o valor do objeto, a necessidade de habilidade e força, tanto de vigilância como de trabalho, com implicação, se não uma promessa explícita, de abundância e sucesso em suas Nova pescaria ". (JA Alexander.) Nosso Senhor usa agentes humanos; Mesmo ele não trabalhou sozinho. Deixe ninguém supor ser independente dos outros em qualquer bom trabalho.Pescadores de homensCristo veio sobre esses homens quando estavam ocupados em seu trabalho diário. Ele os viu lançando rede no mar. Seu olho está sobre nós em todo o trabalho que fazemos no mundo. E como: Ele nos olha, então Ele nos chama. É verdade que podemos estar tão absorvidos em outras atividades para não ouvir a chamada.I. Qual foi o chamado de Ele? Eles deveriam deixar seu trabalho para que eles pudessem participar de um trabalho superior.

O Ichthys ou peixe estilizado(a palavra Ichthys significa peixe em grego,sendo também um acrônimo de Iesus Christus Theou Yicus Soter, "Jesus Cristo filho de Deus Salvador"), hoje sempre visto no protestantismo. Outros símbolos do cristianismo primitivo, por vezes ainda utilizados, eram o Alfa e o Ômega (primeira e última letras do alfabeto grego, em referência ao fato de Cristo ser o princípio e o fim de todas as coisas), a âncora (representando a salvação da alma chegada ao bom porto) e o "Bom Pastor", a representação de Cristo como um pastor com as suas ovelhas. O símbolo do peixe foi adotado .O simbolo peixe (Ichthys),doi adotado pelos primeiros cristãos para poderem se identificar pelo fato de manterem reuniões às escondidas por serem perseguidos nos primeiros dias da Igreja ,ou seja nos primeiros seculos. Cristianismo, do grego Xριστός, "Cristo", é uma religião monoteísta centrada na vida e nos ensinamentos de Jesus de Nazaré, tais como são apresentados no Novo Testamento. A fé cristã acredita essencialmente em Jesus como o Cristo, Filho de Deus, Salvador e Senhor. Segundo a religião judaica,o Messias, um descendente do Rei Davi, iria um dia aparecer e restaurar o Reino de Israel. 
Na Palestina, por volta de 26 d.C., Jesus Cristo, nascido na cidade de Belém na Galileia começou a pregar uma nova doutrina e atrair seguidores, sendo aclamado por alguns como o Messias. Jesus foi rejeitado, tido por apóstata pelas autoridades judaicas. Foi condenado por blasfêmia e executado pelos romanos como um líder rebelde. Seus seguidores enfrentaram dura oposição político-religiosa, tendo sido perseguidos e martirizados, pelos líderes religiosos judeus, e, mais tarde, pelo Estado Romano. 

Com a morte e ressurreição de Jesus,os apóstolos, principais testemunhas da sua vida, reúnem-se numa comunidade religiosa composta essencialmente por judeus e centrada na cidade de Jerusalém. Esta comunidade praticava a comunhão dos bens, celebrava a "partilha do pão" em memória da última refeição tomada por Jesus e administrava o batismo aos novos convertidos. A partir de Jerusalém, os apóstolos partiram para pregar a nova mensagem, anunciando a nova religião inclusive aos que eram rejeitados pelo judaísmo oficial. Assim, Filipe prega aos Samaritanos, o eunuco da rainha da Etiópia é batizado, bem como o centurião Cornélio. Em Antioquia, os discípulos abordam pela primeira vez os pagãos e passam a ser conhecidos como cristãos. Paulo de Tarso não se contava entre os apóstolos originais, ele era um judeu fariseu que perseguiu inicialmente os primeiros cristãos. No entanto, ele tornou-se depois um cristão e um dos seus maiores, senão o maior missionário depois de Jesus Cristo. 

Boa parte do Novo Testamento foi escrito ou por ele (as epístolas) ou por seus cooperadores (o evangelho de Lucas e os atos dos apóstolos). Paulo afirmou que a salvação dependia da fé em Cristo. Entre 44 e 58 ele fez três grandes viagens missionárias que levaram a nova doutrina aos gentios e judeus da Ásia Menor e de vários pontos da Europa, entre eles Roma. Nas primeiras comunidades cristãs .a coabitação entre os cristãos oriundos do paganismo e os oriundos do judaísmo gerava por vezes conflitos. Alguns dos últimos permaneciam fiéis às restrições alimentares e recusavam-se a sentar-se à mesa com os primeiros. Na Assembléia de Jerusalém, em 48, decide-se que os cristãos ex-pagãos não serão sujeitos à circuncisão, mas para se sentarem à mesa com os cristãos de origem judaica devem abster-se de comer carne com sangue ou carne sacrificada aos ídolos. Consagra-se assim a primeira ruptura com o judaísmo. 

Na época, a visão de mundo monoteísta do judaísmo era atrativa para alguns dos cidadãos do mundo romano, mas costumes como a circuncisão, as regras de alimentação incômodas, e a forte identificação dos judeus como um grupo étnico (e não apenas religioso) funcionavam como barreiras dificultando a conversão dos homens. Através da influência de Paulo, o cristianismo simplificou os costumes judaicos aos quais os gentios não se habituavam enquanto manteve os motivos de atração. Alguns autores defendem que essa mudança pode ter sido um dos grandes motivos da rápida expansão do cristianismo. Outros autores entendem a ruptura com os ritos judaicos mais como uma conseqüência da expansão do cristianismo entre os não-judeus do que como sua causa.

 Estes invocam outros fatores e características como causa da expansão cristã, por exemplo: a natureza da fé cristã que propõe que a mensagem de Deus destina-se a toda a humanidade e não apenas ao seu povo escolhido; a fuga da perseguição religiosa empreendida inicialmente por judeus conservadores, e posteriormente pelo Estado Romano; o espírito missionário dos primeiros cristãos com sua determinação em divulgar o que Cristo havia ensinado a tantas pessoas quantas conseguissem. A narrativa da perseguição religiosa, da dispersão dela decorrente, da expansão do cristianismo entre não-judeus e da subseqüente abolição da obrigatoriedade dos ritos judaicos pode ser lida no livro de Atos dos Apóstolos. De resto, os cristãos adotam as regras e os princípios do Antigo Testamento, livro sagrado dos Judeus. Em Junho do ano 66 inicia-se a revolta judaica.Em Setembro do mesmo ano a comunidade cristã de Jerusalém decide separar-se dos judeus insurrectos, seguindo a advertência dada por Jesus de que quando Jerusalém fosse cercada por exércitos a desolação dela estaria próxima, e exila-se em Pela, na Transjordânia, o que representa o segundo momento de ruptura com o judaísmo. 

Após a derrota dos judeus em 70,cristãos e outros grupos judeus trilham caminhos cada vez mais separados. Para o cristianismo o período que se abre em 70 e que segue até aproximadamente 135 caracteriza-se pela definição da moral e fé cristã, bem como de organização da hierarquia e da liturgia. No Oriente, estabelece-se o episcopado monárquico: a comunidade é chefiada por um bispo, rodeado pelo seu presbitério e assistido por diáconos. Gradualmente, o sucesso do cristianismo junto das elites romanas fez deste um rival da religião estabelecida. Embora desde 64, quando Nero mandou supliciar os cristãos de Roma, se tivessem verificado perseguições ao cristianismo, estas eram irregulares. As perseguições organizadas contra os cristãos surgem a partir do século II: em 112 Trajano fixa o procedimento contra os cristãos. Para além de Trajano, as principais perseguições foram ordenadas pelos imperadores Marco Aurélio, Décio, Valeriano e Diocleciano. 

Os cristãos eram acusados de superstição e de ódio ao gênero humano. Se fossem cidadãos romanos eram decapitados; se não, podiam ser atirados às feras ou enviados para trabalhar nas minas. Durante a segunda metade do século II.assiste-se também ao desenvolvimento das primeiras heresias. Tatiano, um cristão de origem síria convertido em Roma, cria uma seita gnóstica que reprova o casamento e que celebrava a eucaristia com água em vez de vinho. Marcião rejeitava o Antigo Testamento, opondo o Deus vingador dos judeus, ao Deus bondoso do Novo Testamento, apresentado por Cristo; ele elaborou um Livro Sagrado feito a partir de passagens retiradas do Evangelho de Lucas e das epístolas de Paulo. À medida que o cristianismo criava raízes mais fortes na parte ocidental do Império Romano, o latim passa a ser usado como língua sagrada (nas comunidades do Oriente usava-se o grego). Durante o século III,com o relaxamento da intolerância aos cristãos, a Igreja havia conseguido muitos donativos e bens. Porém com o fortalecimento da perseguição pelo imperador Diocleciano, esses bens foram confiscados. 

Posteriormente com a derrota de Diocleciano e a ascensão do imperador romano Constantino, o cristianismo foi legalizado pelo Édito de Milão de 313, e os bens da Igreja devolvidos. A questão da conversão de Constantino ao Cristianismo.é uma teima de profundo debate entre os historiadores, mas em geral se aceita que a sua conversão ocorreu gradualmente. Como maneira de fazer penitência, Constantino ordenou a construção de diversas basílicas e outros templos e as doou à Igreja. Dentre elas, uma basílica em Roma no local onde, segundo a Tradição, o apóstolo Pedro estava sepultado e, influenciado pela sua mãe, a imperatriz Helena, ordena a construção em Jerusalém da Basílica do Santo Sepulcro e da Igreja da Natividade em Belém. Para evitar mais divisões na Igreja,Constantino convocou o Primeiro Concílio de Nicéia em 325, onde se definiu o Credo Niceno, uma manifestação mínima da crença partilhada pelos bispos cristãos. Mais tarde, nos anos de 391 e 392,o imperador Teodósio I combate o paganismo, proibindo o seu culto e proclamando o cristianismo religião oficial do Império Romano. O lado ocidental do Império cairia em 476, ano da deposição do último imperador romano pelo "bárbaro" germânico Odoacro, mas o cristianismo permaneceria triunfante em grande parte da Europa, até porque alguns bárbaros já estavam convertidos ao cristianismo ou viriam a converter-se nas décadas seguintes.

 O Império Romano teve desta forma um papel instrumental na expansão do cristianismo. Do mesmo modo, o cristianismo teve um papel proeminente na manutenção da civilização européia. A Igreja, única organização que não se desintegrou no processo de dissolução da parte ocidental do império, começou lentamente a tomar o lugar das instituições romanas ocidentais, chegando mesmo a negociar a segurança de Roma durante as invasões do século V. A Igreja também manteve o que restou de força intelectual, especialmente através da vida monástica. Embora fosse unida linguisticamente, a parte ocidental do Império Romano jamais obtivera a mesma coesão da parte oriental (grega). Havia nele um grande número de culturas diferentes que haviam sido assimiladas apenas de maneira incompleta pela cultura romana. 

Mas enquanto os bárbaros invadiam, muitos passaram a comungar da fé cristã. Por volta dos séculos IV e X, todo o território que antes pertencera ao ocidente romano havia se convertido ao cristianismo e era liderado pelo Papa. Missionários cristãos avançaram ainda mais ao norte da Europa, chegando a terras jamais conquistadas por Roma, obtendo a integração definitiva dos povos germânicos e eslavos. A religião cristã tem três vertentes principais:o Catolicismo, a Ortodoxia Oriental (separada do catolicismo em 1054) e o protestantismo (que surgiu durante a Reforma Protestante do século XIV). O protestantismo é dividido em grupos menores chamados de denominações. Os cristãos acreditam que Jesus Cristo é o Filho de Deus que se tornou homem e o Salvador da humanidade, morrendo pelos pecados do mundo. Geralmente, os cristãos se referem a Jesus como o Cristo ou o Messias. A religião nasceu no berço da doutrina judaica e se firmou no Império Romano, de onde ganhou o mundo. Os adeptos da fé cristã acreditam que Jesus é o Messias profetizado na Bíblia hebraica (a parte da Escritura comum ao cristianismo e ao judaísmo, e conhecida entre os cristãos como Antigo Testamento).· Igreja Católica Apostólica e que hoje congrega o maior número de fiéis; · Ortodoxia: originária do grande Cisma do Oriente (séc. XI) e é constituída por duas grandes Igrejas ortodoxas - a grega e a russa - que apresentam algumas diferenças entre si, nomeadamente a língua usada na liturgia; Protestantismo: originária da segunda grande cisma cristã (Reforma Protestante) de Martinho Lutero, no século XVI, e engloba grande número de movimentos e denominações distintas. 

Atualmente a Igreja Protestante (também chamada Igreja Evangélica) pode ser dividida em três vertentes: Denominações históricas: resultado direto da reforma protestante. Destacam-se nesta vertente os luteranos, anglicanos, presbiterianos, metodistas e batistas. · Denominações pentecostais: originárias em movimento do início do século XX é baseando na crença na presença do Espírito Santo na vida do crente através de sinais, denominados por estes como dons do Espírito Santo, tais como falar em línguas estranhas (glossolalia), curas, milagres, visões etc. Destacam-se nesta vertente Assembléia de Deus, Igreja Presbiteriana Renovada, O Brasil para Cristo, Congregação Cristã, Igreja Cristã Maranata e a Igreja do Evangelho Quadrangular. · Denominações neopentecostais:originárias na segunda metade do século XX de avanço das igrejas pentecostais, não configuram uma categoria homogênea possuindo muita variedade nesse meio. Algumas possuem aceitação de músicas de vários estilos, outras adquiriram o formato G-12. 

Destacam-se nesta vertente a Igreja Universal do Reino de Deus, Igreja Apostólica Renascer em Cristo, Igreja Apostólica Fonte da Vida, Igreja Internacional da Graça de Deus, Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra, Igreja Evangélica Cristo Vive, Ministério Internacional da Restauração, Igreja de Nova Vida, Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo, Igreja Bola de Neve e a Igreja Unida. O grande crescimento deste segmento religioso deve-se principalmente pela pregação do Paraíso na terra, como a satisfação por bens materiais. Nesta linha, podemos citar principalmente a Igreja Universal do Reino de Deus onde ensina que Deus é obrigado a dar conforto material e não somente conforto espiritual. · Além desses três ramos majoritários,ainda existem outros segmentos minoritários do cristianismo. 

Em geral se enquadram em uma das seguintes categorias: Restauracionismo - são doutrinas surgidas após a Reforma Protestante cujas bases derrogam as de todas as outras tradições cristãs, basicamente tendo como ponto em comum apenas a crença em Jesus Cristo. A maioria deles não se considera propriamente "protestante" ou "evangélico" por possuírem grandes divergências teológicas. Nesta categoria estão enquadradas a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, a Igreja Adventista do Sétimo Dia e as Testemunhas de Jeová, entre outras denominações. Quanto às Testemunhas de Jeová, embora afirmem ser cristãs, também não se consideram parte do protestantismo. 

As Testemunhas aceitam a Jesus como criatura, de natureza divina, seu líder e resgatador, rejeitando, no entanto a crença na Trindade e ensinando que Cristo é o filho do único Deus, Jeová, não crendo que Jesus é Deus. Cristianismo não-calcedoniano - são as Igrejas que negam as decisões do Concílio de Calcedônia (realizado em 451), por exemplo, a Igreja Ortodoxa Copta, Igreja Ortodoxa Armênia; e a Igreja Assíria do Oriente (Nestoriana). Cristianismo esotérico - é a parte mística do cristianismo, e compreende as escolas cristãs de mistérios e sincretismo religioso. A este ramo pertence o Gnosticismo que é uma crença com raízes antecedentes ao próprio cristianismo e que tem características da ciência egípcia e da filosofia grega. 

O Rosacrucianismo também se enquadra nessa vertente sendo uma ciência oculta cristã que ressalta as boas ações por meio da fraternidade. Espiritismo: algumas vezes é contestado como sendo uma vertente do cristianismo.Os espíritas não acreditam que uma pessoa ou ser, como Jesus Cristo, pode redimir "os pecados" de uma outra, contudo para a maior parte dos adeptos do espiritismo a obra de Allan Kardec constitui uma nova forma de cristianismo, ou então um resgate do cristianismo primitivo, que não inclui os dogmas adicionados pela Igreja Católica em seus diversos Concílios. Inclusive, um dos seus livros fundantes é denominado de O Evangelho Segundo o Espiritismo. Esse livro apresenta uma reinterpretação de aspectos da filosofia e moral cristã, crendo em parte na Bíblia Sagrada. 

O Cristianismo começou como uma seita judaica e é classificada como uma religião abraâmica. Originária do Leste do Mediterrâneo cresceu rapidamente em tamanho e influência dentro de poucas décadas. Pelo século IV, havia se tornado a religião oficial do Império Romano. Durante a Idade Média, grande parte da Europa foi cristianizada. Entretanto, os cristãos ainda eram uma minoria religiosa no Oriente Médio, Norte da África e em partes da Índia. Após a Era dos Descobrimentos, através da obra missionária e das colonizações, o Cristianismo se espalhou para a América, Austrália e no resto do mundo. Por isso, o cristianismo é a filosofia de vida que mais fortemente caracteriza a sociedade ocidental. O Cristianismo conta atualmente com cerca de mais de 2,2 bilhões de seguidores.Os cristãos representam cerca de um quarto a um terço da população mundial, sendo assim a maior religião do mundo. Além disso, o cristianismo é a religião oficial de Estado em vários países. A doutrina das denominações cristãs difere do monoteísmo judaico visto que no judaísmo não existem três pessoas da Divindade, há apenas um único Deus, e o Messias que virá será um homem, descendente do rei David O cristianismo acredita na Igreja (ekklesia), palavra de origem grega que significa "assembléia", entendida como a comunidade de todos os cristãos e como corpo místico de Cristo presente na Terra e sua continuidade.

 O Credo de Nicéia, formulado nos concílios de Nicéia e Constantinopla, foi ratificado como credo universal da Cristandade no Concílio de Éfeso de 431. Os cristãos ortodoxos orientais não incluem no credo a cláusula filioque, que foi acrescentada pela Igreja Católica mais tarde. A crença na Trindade; Jesus é simultaneamente divino e humano; A salvação é possível através da pessoa, vida e obra de Jesus; Jesus Cristo foi concebido de forma virginal, foi crucificado, ressuscitou, ascendeu ao céu e virá de novo a Terra; A remissão dos pecados é possível através do batismo (br-batismo); Os mortos ressuscitarão. Na altura em que foi formulado, o Credo de Nicéia procurou lidar diretamente com crenças que seriam consideradas heréticas, como o arianismo, que negava que o Pai e Filho eram da mesma substância, ou o gnosticismo. A maior parte das igrejas protestantes partilham com a Igreja Católica a crença no Credo de Nicéia.    FONTE BLOG ADALIA).



CORDEIRO DE DEUS SIMBOLO DA IGREJA JOÃO 1.29. 

disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo . A tradução desta cláusula foi contestada (veja a margem da Versão Autorizada), mas sem motivo válido. A idéia de "tomar" ou "carregar" o pecado é, de fato, uma ocorrência muito comum no Antigo Testamento; Mas não é expressa pela palavra aqui usada, o que denota retirada, remoção. No entanto, no significado, as duas renderizações quase coincidem, uma vez que a metáfora do versículo é sacrificial: no pensamento de carregar o pecado como um sacrifício expiatório envolveu a remoção do castigo merecido e do próprio pecado. Há apenas uma outra passagem do Novo Testamento em que esta expressão é encontrada, 1 João 3: 51 João 3: 5 , e o significado é muito claro. 
Continua uma questão muito mais difícil: qual é o significado do Batista quando fala de " o Cordeiro de Goa"? A resposta que talvez agora encontre mais favor com os comentaristas é que essa imagem particular foi sugerida diretamente a sua mente pela profecia memorável de Isaías 53, em um verso de que ( João 1: 7João 1: 7 ) há uma alusão a "um cordeiro". ' Mas há dificuldades sérias no caminho dessa explicação. Uma referência ao capítulo mostrará que, nesse versículo, o profeta fala do "cordeiro" como um exemplo de falta de paciência, e não em conexão com a remoção do pecado. "Ele foi oprimido, apesar de se submeter, e não abriu a boca; Como um cordeiro que é levado ao abate, e como uma ovelha muda diante de seus tosquiadores; E ele não abriu a boca dele. Novamente, Se a profecia deste capítulo fosse definitivamente a fonte das palavras do Batista, certamente teríamos procurado algumas semelhanças de linguagem. 
Mas tais coincidências não podem ser encontradas em nenhuma parte do capítulo: as idéias de tomar e carregar o pecado são proeminentes, mas são expressas por palavras completamente diferentes daquela usada aqui. Se somos obrigados a desviar a atenção da profecia do Messias de Isaías, voltamos naturalmente para o ritual mosaico do sacrifício. Novamente nos encontramos com dificuldades. Parece impossível trazer aqui o pensamento de qualquer outro que não seja a oferta pelo pecado , e, no entanto, foi apenas ocasionalmente, e quase como uma exceção, que uma oferta pelo pecado consistiu em um cordeiro ( Levítico 4:32Levítico 4:32 ). 
O cordeiro dos sacrifícios da manhã e da noite era um holocausto. Resta apenas duas outras explicações da frase. É possível que "o cordeiro" simplesmente indique uma vítima sacrificial, a gentileza e a inofensividade desse animal tornando-se especialmente adequado como um tipo. No entanto, é muito mais provável que o Batista falou do cordeiro pascal. 
A especificidade peculiar da expressão ( "o Cordeiro de Deus") não precisará neste caso nenhuma explicação: nenhum pensamento era mais familiar para o israelita do que o do cordeiro para a Páscoa; E, podemos acrescentar, poucos pensamentos são apresentados neste Evangelho com maior distinção do que a relação do Senhor Jesus com o sacrifício e festa pascal (ver notas sobre chaps, 6 e 19). Como a instituição da Páscoa precedeu a legislação geral do mosaico, Suas leis e arranjos se encontram sem o círculo do ritual comum dos sacrifícios e combinam ideias que de outra forma foram mantidas distintas. Levítico 5:15A ceia pascal assemelha-se às ofertas pacíficas, cuja característica foi a festa sagrada que sucedeu a apresentação da vítima ( Levítico 5:15 ), - um emblema da comunhão entre o adorador aceito e seu Deus. Mas a oferta pelo pecado também está incluída, pois uma referência à instituição original da Páscoa será mostrada imediatamente.
 A cuidadosa aspersão do sangue sobre os postes da porta pretendia ser mais do que um sinal para o anjo destruidor a quem poupar. O cordeiro foi morto e o sangue foi pulverizado para que a expiação fosse feita pelo pecado: quando Israel é consagrado de novo a Deus, o pecado e o merecido castigo removido, a festa sagrada é celebrada. João 2:13Sugeriu-se que a proximidade da Páscoa (ver cap. João 2:13 ) pode ter apresentado esses pensamentos à mente do Batista. Ainda é mais provável que alguém que tenha sido capaz de discernir tão claramente o significado do Antigo Testamento quanto a reconhecer a remoção de "o pecado do mundo" como objeto da vinda do Messias, veria desde o primeiro modo com que tal ordenança, Em que a redenção de Israel começou, associou-se à redenção do mundo. É a Páscoa do mundo, tanto o sacrifício quanto a festa, que João vê estar à mão. Com este versículo, compare especialmente 1 Pedro 1: 18-191 Pedro 1: 18-19 ; Apocalipse 5: 6Apocalipse 5: 6 ; Apocalipse 5: 9Apocalipse 5: 9 .

   
BOMBA SIMBOLO DO ESPIRITO SANTO JOÃO 1.32-33.
   32. Eu vi o Espírito, descendo como uma pomba.

 Este não é um modo de expressão literal, mas figurativo; Pois com que olhos ele poderia ver o Espírito ? Mas como a pomba era um sinal certo e infalível da presença do Espírito, é chamado de Espírito, por uma figura de fala em que um nome é substituído por outro; Não que ele seja, na realidade, o Espírito , mas que ele o aponta, tanto quanto a capacidade humana pode admitir. E esta linguagem metafórica é freqüentemente empregada nos sacramentos; Por que Cristo chama o pão de seu corpo , mas porque o nome da coisa é devidamente transferido para o sinal? Especialmente quando o sinal é, ao mesmo tempo, uma promessa verdadeira e eficaz, Pelo qual nos asseguramos de que a própria coisa que é significada é concedida a nós. No entanto, não deve ser entendido que a pomba continha o Espírito que preenche o céu e a terra ( Jeremias 23:24 ), mas que ele estava presente por seu poder, de modo que João sabia que tal exposição não era apresentada aos seus olhos em vão .
 Da mesma forma, sabemos que o corpo de Cristo não está conectado com o pão, e ainda somos participantes de seu corpo. ), Mas que ele estava presente por seu poder, de modo que João sabia que tal exibição não era apresentada aos olhos dele em vão. Da mesma forma, sabemos que o corpo de Cristo não está conectado com o pão, e ainda somos participantes de seu corpo. ), Mas que ele estava presente por seu poder, de modo que João sabia que tal exibição não era apresentada aos olhos dele em vão. Da mesma forma, sabemos que o corpo de Cristo não está conectado com o pão, e ainda somos participantes de seu corpo.

Surge agora uma questão, por que o Espírito , naquele momento, aparece na forma de uma pomba ? Devemos sempre sustentar que há uma correspondência entre o sinal e a realidade. Quando o Espírito foi dado aos apóstolos, eles viram línguas de fogo seguras , ( Atos 2: 3 ), porque a pregação do evangelho deveria ser difundida em todas as línguas e possuir o poder do fogo. Mas, nesta passagem, Deus pretendia fazer uma representação pública daquela mansidão de Cristo, da qual Isaías fala em termos elevados,O linho fumegante ele não vai apagar, e a cana quebrada ele não vai quebrar, ( Isaías 42: 3 ).
Foi então, pela primeira vez, que o Espírito foi visto descendo sobre ele; Não que antes tivesse sido destituído dele, mas porque ele poderia ser dito ser então consagrado por um rito solene. Pois sabemos que ele permaneceu em ocultação, durante trinta anos, como um particular, porque o tempo para a manifestação ainda não chegou; Mas quando pretendia se dar conta do mundo, ele começou com seu batismo. Naquele tempo, portanto, ele recebeu o Espírito não só para si mesmo, mas para o seu povo; E por isso a sua descendência era visível, para que possamos saber que habita nele uma abundância de todos os dons de que estamos vazios e destituídos. Isso pode ser facilmente inferido das palavras do Batista; Pois quando ele diz, sobre quem você verá o Espírito descer, E permanecendo nele, é aquele que batiza com o Espírito , seu significado é que a razão pela qual o Espírito foi contemplado em uma forma visível, e permaneceu em Cristo, foi, para que ele abele todo o seu povo com a plenitude dele. 
O que é batizar com o Espírito já percebi em poucas palavras; A saber, que ele confere sua eficácia ao batismo, para que não seja inútil ou inútil, e isso ele realiza pelo poder de seu Espírito. O que é batizar com o Espírito já percebi em poucas palavras; A saber, que ele confere sua eficácia ao batismo, para que não seja inútil ou inútil, e isso ele realiza pelo poder de seu Espírito. O que é batizar com o Espírito já percebi em poucas palavras; A saber, que ele confere sua eficácia ao batismo, para que não seja inútil ou inútil, e isso ele realiza pelo poder de seu Espírito.

Verso 33 
33. Sobre quem você verá o Espírito descendo. 

Aqui surge uma pergunta difícil; Pois se João não conhecesse Cristo , por que ele se recusa a admitir-lhe o batismo? Para uma pessoa que ele não sabia, ele não diria, eu deveria ser batizado por você , ( Mateus 3:14Mateus 3:14 .) Algumas respostas, que ele o conhecia até o ponto de considerá-lo com reverência devido a um Distinto Profeta, mas não sabia que ele era o Filho de Deus . Mas esta é uma solução fraca da dificuldade, pois todo homem deve obedecer ao chamado de Deus sem qualquer respeito às pessoas. Nenhuma posição ou excelência do homem deve nos impedir de cumprir nosso dever e, portanto, João teria demonstrado desrespeito a Deus e ao seu batismo, Se ele tivesse falado dessa maneira com qualquer outra pessoa além do Filho de Deus. Segue-se que ele deve ter conhecido anteriormente a Cristo.
Em primeiro lugar, deve-se observar que o conhecimento aqui mencionado é o que decorre do conhecimento pessoal e longo. Embora ele reconheça Cristo sempre que ele o vê, ainda não deixa de ser verdade que não se conheciam de acordo com o costume comum dos homens, pois o início de seu conhecimento procede de Deus. Mas a questão ainda não foi totalmente respondida; Pois ele diz que a visão do Espírito Santo foi a marca pela qual ele foi apontado para ele. Agora ele ainda não tinha visto o Espírito , quando ele se dirigiu a Cristo como o Filho de Deus. Por minha parte, aceito de bom grado a opinião daqueles que pensam que este sinal foi adicionado para a confirmação, e que não era tanto por causa de João como por todos nós. John realmente viu isso, Mas era mais para os outros do que para si próprio. Bucer cita adequadamente essa frase de Moisés,
Isto será um sinal para você, que depois de três dias de viagem, você me sacrificará no monte ( Êxodo 3:12Êxodo 3:12 ).
Sem dúvida, quando eles saíam, eles já sabiam que Deus iria conduzir e vigiar sua libertação; Mas esta foi uma confirmação a posteriori , como a frase é; Isto é, do evento, depois de ter ocorrido. Da mesma forma, isso veio como uma adição à revelação anterior que tinha sido dada a John.

1 Timóteo 3:15 1 Timóteo 3:15 . O lar de Deus, COLUNA DA VERDADE SIMBOLO

O verdadeiro Betel, no qual através do Espírito. Deus manifesta sua presença. O título, inicialmente aplicado localmente, como em Gênesis 28:17Gênesis 28:17 ; Gênesis 28:19Gênesis 28:19 , e continuou tão aplicado durante todo o período do Antigo Testamento, recebeu um novo significado no ensino de nosso Senhor. A promessa a Pedro conduziu naturalmente à inferência de que a ecclesia que devia ser "construída" sobre a rocha era a casa de Deus em um senso superior ao que o nome tinha sido dado ao Templo em Jerusalém. São Paulo nunca está cansado de se dedicar ao pensamento de todos os pontos de vista ( 1 Coríntios 3: 91 Coríntios 3: 9 ; 1 Coríntios 3:161 Coríntios 3:16 ; 2 Coríntios 6:162 Coríntios 6:16 ; Efésios 2:22Efésios 2:22 ), e a Epístola aos hebreus retrata a mesma imagem ( 1 Timóteo 3: 21 Timóteo 3: 2 ; 1 Timóteo 3: 5-61 Timóteo 3: 5-6 ). A palavra "Igreja", obviamente, ainda não havia nenhuma imagem local ou material relacionada a ela, e era simplesmente equivalente a "congregação".


                      A IGREJA COLUNA DA VERDADE (1)

 As palavras admitem gramaticalmente três possíveis construções.
 (1) Eles podem ser tomados, com uma mudança de pontuação, em conexão com o que se segue. 
(2) Eles podem estar em aposição com a "Igreja do Deus vivo" como o substantivo mais próximo.
 (3) Eles podem estar conectados com o pronome implícito nas palavras de abertura, 'que você pode saber', e assim ser aplicado ao próprio Timóteo. 
Destes (1) podem ser rejeitados como tendo pouca autoridade, envolvendo um anti-clímax incômodo, e deixando a frase a partir da qual as palavras são assim separadas para fechar abruptamente. 
(2) tem o maior peso da autoridade, tanto patrística quanto moderna, a seu favor. Contra isso, há a confusão da metáfora assim introduzida, a "casa" da cláusula anterior sendo usada como um "pilar" em um tecido maior. 
(3) tem em seu favor alguns grandes nomes (Gregory of Nyssa, Gregory of Nazianzen e Basil), o consenso dos três implicando algo como a interpretação de uma escola de teólogos, e ainda mais o fato de que em outro lugar a metáfora do O "pilar" está em outro lugar, como em Gálatas 2: 9Gálatas 2: 9 , Apocalipse 3:12Apocalipse 3:12 , aplicado a pessoas individuais. Em geral, portanto, parece haver motivos para adotá-lo. Mesmo aqui, no entanto, há uma certa mistura de imagens, o "pilar" sendo também o "chão" ou "fundação". Possivelmente, a palavra assim prestada pode ser tomada no sentido mais amplo de "suporte" ou "suporte". Em Apocalipse 21:14Apocalipse 21:14 e Efésios 2:20Efésios 2:20 , no entanto, o "fundamento" é identificado com "profetas e apóstolos". 
O consenso dos três implicando algo como a interpretação de uma escola de teólogos, e ainda mais o fato de que em outro lugar a metáfora do "pilar" está em outro lugar, como em Gálatas 2: 9 , Apocalipse 3:12 , aplicada a pessoas individuais. Em geral, portanto, parece haver motivos para adotá-lo. Mesmo aqui, no entanto, há uma certa mistura de imagens, o "pilar" sendo também o "chão" ou "fundação". Possivelmente, a palavra assim prestada pode ser tomada no sentido mais amplo de "suporte" ou "suporte". Em Apocalipse 21:14 e Efésios 2:20 , no entanto, o "fundamento" é identificado com "profetas e apóstolos". 
O consenso dos três implicando algo como a interpretação de uma escola de teólogos, e ainda mais o fato de que em outro lugar a metáfora do "pilar" está em outro lugar, como em Gálatas 2: 9 , Apocalipse 3:12 , aplicada a pessoas individuais. Em geral, portanto, parece haver motivos para adotá-lo. Mesmo aqui, no entanto, há uma certa mistura de imagens, o "pilar" sendo também o "chão" ou "fundação". Possivelmente, a palavra assim prestada pode ser tomada no sentido mais amplo de "suporte" ou "suporte". Em Apocalipse 21:14 e Efésios 2:20 , no entanto, o "fundamento" é identificado com "profetas e apóstolos". E ainda mais o fato de que em outro lugar a metáfora do "pilar" está em outro lugar, como em Gálatas 2: 9 , Apocalipse 3:12 , aplicada a pessoas individuais. Em geral, portanto, parece haver motivos para adotá-lo. 
Mesmo aqui, no entanto, há uma certa mistura de imagens, o "pilar" sendo também o "chão" ou "fundação". Possivelmente, a palavra assim prestada pode ser tomada no sentido mais amplo de "suporte" ou "suporte". Em Apocalipse 21:14 e Efésios 2:20 , no entanto, o "fundamento" é identificado com "profetas e apóstolos". E ainda mais o fato de que em outro lugar a metáfora do "pilar" está em outro lugar, como em Gálatas 2: 9 , Apocalipse 3:12 , aplicada a pessoas individuais. Em geral, portanto, parece haver motivos para adotá-lo. Mesmo aqui, no entanto, há uma certa mistura de imagens, o "pilar" sendo também o "chão" ou "fundação". Possivelmente, a palavra assim prestada pode ser tomada no sentido mais amplo de "suporte" ou "suporte".
 Em Apocalipse 21:14 e Efésios 2:20 , no entanto, o "fundamento" é identificado com "profetas e apóstolos". Mesmo aqui, no entanto, há uma certa mistura de imagens, o "pilar" sendo também o "chão" ou "fundação". Possivelmente, a palavra assim prestada pode ser tomada no sentido mais amplo de "suporte" ou "suporte". Em Apocalipse 21:14 e Efésios 2:20 , no entanto, o "fundamento" é identificado com "profetas e apóstolos". Mesmo aqui, no entanto, há uma certa mistura de imagens, o "pilar" sendo também o "chão" ou "fundação". Possivelmente, a palavra assim prestada pode ser tomada no sentido mais amplo de "suporte" ou "suporte". Em Apocalipse 21:14 e Efésios 2:20 , no entanto, o "fundamento" é identificado com "profetas e apóstolos".


                            IGREJA COLUNA DA VERDADE (2)

O pilar e o fundamento da verdade ; Que sustenta a verdade para ser vista e lida de tudo, como pilares que possuem inscrições; E que apoia e mantém a verdade, como toda a verdadeira igreja de Cristo, enquanto permanecer assim; Embora a verdade seja o pilar e o solo da igreja; Pois se, uma vez que a verdade se foi, uma igreja não é mais assim: antes, o próprio Timóteo é aqui projetado; E o sentido é que o que lhe foi escrito era com essa visão, para que ele pudesse saber melhor se comportar na igreja de Deus, como um pilar e terreno da verdade, para mantê-lo e garantir: ministros Do Evangelho são chamados de pilares, Gálatas 2: 9Gálatas 2: 9 e que, com maior propriedade do que a própria igreja, que é antes chamada de casa: embora seja melhor entender isso de Cristo como encarnado, O grande mistério da piedade; Quem, como ele é o fundamento e a fundação da igreja, e todos os crentes, ele é o fundamento de toda doutrina verdadeira; E, em particular, a doutrina de sua pessoa, como verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, é o pilar e o terreno que suporta todas as outras verdades, e sem as quais elas caem no chão: e assim esta cláusula pode ser lida em relação às seguintes palavras, assim ; "O pilar e o solo da verdade, e sem controvérsia, é o grande mistério da piedade". E esta maneira de falar é usada pelos judeus, tanto as pessoas como as coisas; Então disse Zebulun É o pilar e o solo que suporta todas as outras verdades, e sem as quais eles caem no chão: assim, esta cláusula pode ser lida em conexão com as seguintes palavras, portanto; "O pilar e o solo da verdade, e sem controvérsia, é o grande mistério da piedade". E esta maneira de falar é usada pelos judeus, tanto as pessoas como as coisas; Então disse Zebulun É o pilar e o solo que suporta todas as outras verdades, e sem as quais eles caem no chão: assim, esta cláusula pode ser lida em conexão com as seguintes palavras, portanto; "O pilar e o solo da verdade, e sem controvérsia, é o grande mistério da piedade". E esta maneira de falar é usada pelos judeus, tanto as pessoas como as coisas; Então disse ZebulunF3Para ser עמוד התורה , "o pilar da lei"; E é dito"O grande sanedrim em Jerusalém, eles são a raiz da lei oral, e eles são עמודי ההוראה ," as colunas da doutrina ", e deles saem os estatutos e os juízos para Israel";
E o mesmo é dito sobre coisas como de pessoas. Maimonides diz"O fundamento das fundações e o pilar da sabedoria, é saber que existe um primeiro Ser, que dá ser a todos os seres";E R. Sangari, outro de seus escritores, diz:"Há duas coisas que são עמודי התורה ," os pilares da lei ": a única é que a lei é de Deus, a outra é que ela é recebida com um coração fiel (ou sincero), da congregação: 'Para o qual pode ser adicionado, que é dito aquele"O mistério da fé é" ampedamente arqe ", a raiz e a terra" do mundo ";Tudo o que pode servir para ilustrar esta passagem.
FONTE WWW.MAURICIOBERWALDOFICIAL.BLOGSPOT.COM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.