sábado, 20 de agosto de 2016

Lição BETEL adultos jovens tesouros do reino n.8



ESCOLADOMINICAL BETEL - Conteúdo da Lição 8 - Revista da  Betel



Os tesouros do Reino de Deus
21 de agosto de 2016


Texto Áureo
“Assim é aquele que para si ajunta tesouros e não é rico para com Deus.” Lucas 12.21

Verdade Aplicada
Há dois tipos de tesouros que podem ser buscados e cultivados pelos homens: os materiais e os espirituais.

Textos de Referência.


Mateus 6.19-21 e 24

19 Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam.
20 Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam, nem roubam.
21 Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.
24 Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar um e amar o outro ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom.

Introdução
Os tesouros materiais podem ser dinheiro, joias, bens, pedras e metais preciosos, etc. Os tesouros espirituais e eternos são a nossa entrada pela fé no Reino dos Céus e as boas obras da fé (Mt 13.45-46; 16.26; 1Tm 6.18).

1. Os tesouros para com Deus.

Os cristãos são ensinados a considerar as riquezas materiais do ponto de vista de sua transitoriedade. Elas passam, acabam e podem ser roubadas. Porém, devemos lembrar que Jesus jamais condenou alguém pelo fato de ser rico, mas sim por servir as riquezas, e, assim, tornar-se miserável para com Deus (Lc 12.21).

1.1. O lugar de se ajuntar tesouros.

O conceito de verdadeira riqueza para com Deus é ensinado pelo Senhor Jesus na parábola do tesouro e da pérola escondida (Mt 13.45-46). Em ambos os casos, o homem vai e vende tudo quanto tem para adquirir o campo com ricos tesouros escondidos, bem como a pérola de grande valor. Uma vez achado o verdadeiro tesouro para com Deus é lá mesmo que devemos investir toda a nossa vida, ajuntando tesouros no céu. Podemos até sermos ricos nesse mundo, mas a nossa prioridade não está aqui e sim lá, onde não há perigo algum dessa riqueza acabar ou transferir-se para outro.

1.2. Qual tesouro devemos olhar?

Sobre os olhos, caso eles sejam bons, são duplas candeias que iluminam o corpo. Mas, se eles forem maus, o corpo jazerá em grandes trevas espirituais. Percebe os contrastes? Luz e trevas, bons e maus? O olhar que é luz refere-se ao olhar banhado no amor de Deus, que ilumina todos os cômodos da alma humana. Esse olhar tem como resultado a bondade e generosidade para com o próximo, pois ele está fixado em ter um tesouro no céu. Enquanto que a s trevas se referem ao olhar voltado à avareza, o amor ao dinheiro, que faz com que a alma jaz em trevas. Para qual tesouro estamos olhando?

1.3. O modo correto de servir a Deus.

O coração do homem repousa sobre algum tipo de tesouro. Este tesouro pode ser material ou imaterial e eterno. Acerca disso, não há qualquer neutralidade (Mt 6.21). Talvez alguém pense que seja capaz de servir a Mamom, que são as riquezas, e, simultaneamente, pense que seja possível servir ao Deus verdadeiro. Tal coisa é impossível, pois, quando nos dirigimos à luz damos as costas às trevas, mas quando dirigimos às trevas damos as costas para a luz. Não há nenhum problema em ser rico neste mundo, desde que não se torne escravo das riquezas. Lembremos de que mulheres serviam a Jesus com seus bens (Lc 8.3).

2. O tesouro da fé versus ansiedade.

Oponente à fé em Deus, a ansiedade trata-se de um receio do que virá acontecer. É o medo do amanhã e das necessidades que ainda não aconteceram. Também é chamado de preocupação, que significa ocupação prévia. Muitos acham que se dedicando às riquezas poderão escapar da ansiedade.

2.1. A proibição da ansiedade.

A ansiedade é contrária a fé na providência divina. Dessa maneira, a ansiedade torna-se um sofrimento psicológico, um cuidado desnecessário por coisas que jamais aconteçam. A ansiedade pode atingir níveis que chegam a prejudicar a saúde, mas a ansiedade é uma enfermidade da alma por causa da falta de fé em Deus. Por isso, Jesus nos adverte quanto ao servir as coisas materiais e nelas pormos a nossa confiança (Mt 6.24). Ele nos proíbe definitivamente a que sejamos ansiosos, quando diz: “não andeis cuidadosos quanto à vossa vida”. Ao estarmos dentro dos limites fixados por Cristo temos saúde e liberdade reais.

2.2. A cura da ansiedade.

O fato de a ansiedade ser uma enfermidade da alma significa que está precisa de tratamento e cura. A ansiedade pressupõe que a própria pessoa resolverá todos os problemas dos dias que ainda chegarão. A pessoa se esgota emocionalmente e tende à depressão. O tratamento que o Senhor Jesus oferece quanto a esse problema está em observar como tudo funciona. Não é preciso gastar somas de dinheiro com médicos ou turismo. Basta sair um pouco e olhar para os passarinhos e para as flores e perceber o cuidado divino com cada um deles. Assim, semelhantemente. Deus cuidará de cada um de nós quanto às nossas necessidades. Basta confiarmos nEle e em Sua providência.

2.3. O que priorizar nesta vida.

Devemos controlar a ansiedade através de uma linguagem de fé. Toda a inquietação nada acrescenta. Ao contrário, pode atrair ainda mais dificuldades. Ao invés de a pessoa inquirir sobre o dia que ainda virá, basta viver cada dia por vez. E que a cada dia tenha oração, louvor, bondade. Que seja um dia regado de palavras de fé por aquele que busca o reino de Deus e Sua justiça em primeiro lugar. Dessa maneira as pequenas coisas nos serão acrescentadas e teremos um tesouro no céu (2Co 4.17-18).

3. Atitudes de valor no Reino dos Céus.

Tendo o Senhor Jesus determinado acerca do modo correto de se servir a Deus e como fugir da ansiedade, agora Ele passa a descrever as atitudes corretas de um cidadão do Reino dos Céus. Ele ordena a fugir do juízo temerário, a saber com quem compartilhar as verdades da Palavra, e por fim, a como ser perseverante na oração.

3.1. Não julgar.

Juízo temerário significa o julgamento alheio, precipitado e inconsistente. Noutras palavras, é ser apressado para julgar alguém e dessa maneira colocar-se numa condição superior, mas, por falta de conhecimento dos fatos, o tal “juiz” acaba sendo injusto com os outros (Tg 4.11-12). Quantos foram humilhados e desprezados por precipitações? Mas, naquilo em que foram desprezados, revelaram-se de grande valor como pais, filhos, cônjuges, líderes, funcionários, etc.

3.2. Não dar aos cães as coisas santas.

Cães e porcos não entendem verdades. Essa terminologia não é uma maneira de desprezar pessoas, porém, assim como a nossa linguagem não faz o menor sentido para cães, porcos e os outros animais, semelhantemente, para algumas pessoas, não faz sentido as verdades do Evangelho e da Palavra de Deus. Tais pessoas não estão amadurecidas para receberem a Palavra de Deus, porque elas vivem no plano do “homem natural” (1Co 2.14). Seus corações estão impenetráveis como terra batida, aqueles por onde passavam pessoas, animais e carroças, aquelas cujas sementes só alimentavam os pássaros (Mt 13.4).

3.3. Perseverar.

Não há firmeza espiritual sem que haja oração perseverante, entre outras coisas que devem existir na vida de um cristão. Vimos na lição anterior que a oração do “Pai Nosso” é um modelo de assuntos de conversas com Deus a serem seguidos por cada um de nós. Esse modelo é constituído em sua maior parte de petição. Todavia, tais orações devem ser atendidos por Deus. Certas coisas, Deus logo nos atenderá. Outras coisas levarão algum tempo até amadurecermos o suficiente para recebê-las. Outras não serão atendidas, porque não é a vontade de Deus. Enquanto isso, devemos perseverar em oração com ações de graças. Quando o Senhor fala em “pedir, buscar e bater”, Ele nos incentiva à perseverança.

Conclusão.

Devemos buscar o Reino de Deus e Sua justiça em primeiro lugar. O que valorizamos verdadeiramente nesta vida: bens materiais ou espirituais? Procuramos ajuntar algo de valor diante de Deus ou na terra? Andamos ansiosos pelo dia de amanhã? Desenvolvemos atitudes que agradam a Deus?

Questionário.
1. Uma vez verdadeiro tesouro para com Deus, o que devemos fazer?
2. O que é servir Mamom? 
3. A quem a ansiedade se opõe? 
4. Como podemos controlar a ansiedade? 

5. O que é juízo temerário?




quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Lição CPAD jovens as profecias mesianicas n.8








3º Trimestre de 2016
Título: Isaías — Eis-me aqui, envia-me a mim 
Lição 8: Primeiras profecias messiânicas
Data: 21 de Agosto de 2016



TEXTO DO DIA

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Is 9.6).

SÍNTESE

O profeta Isaías fala do Messias como uma grande luz que dissiparia as trevas.

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA — Is 7.14
O anúncio profético da vinda do Emanuel 
TERÇA — Is 9.1,2
O profeta mostra a linhagem do futuro Rei 
QUARTA — Is 9.6
Os adjetivos do Messias 
QUINTA — Is 53.4,5
O profeta descreve a missão do Messias 
SEXTA — Is 53.11
A promessa de um Messias de justiça 
SÁBADO — Is 12.6
O Messias trará alegria e júbilo

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
MOSTRAR que apesar da desobediência e castigo do povo de Deus, Ele não deixaria de praticar a justiça às nações que oprimiram os israelitas;
SABER que a vinda do Messias será acompanhada da quebra de todo jugo;
COMPREENDER que os nomes de Jesus seriam nomes divinos, assim como Ele é divino.

INTERAÇÃO

A partir do capítulo 7, Isaías começa a falar a respeito da vinda do Messias. Isso traz um tom mais ameno às profecias de castigo, repreensão e quase extermínio do povo de Deus. Explique aos alunos que apesar de Deus não tolerar o pecado e a injustiça, Ele enviou seu filho para que, por intermédio dEle, todos fossem justificados e santos. Aproveite para falar da falência humana em cumprir a lei. Fale também a respeito da provisão de Deus em Cristo para que fôssemos aceitos em amor. Cristo se doou a si mesmo na cruz para nos reconciliar com Deus.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Escreva no quadro o seguinte título: “Os nomes do Messias”. Em seguida, escreva os nomes apresentados no tópico III: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz. Então solicite aos alunos que falem o que significa cada nome. Lembre de provocar a reflexão acerca da forma como cada nome expressa uma aplicação para saciar os nossos anseios. Que sua aula possa ser produtiva, significativa e realmente transformadora para os seus jovens.

TEXTO BÍBLICO

Isaías 9.2-4,6; 10.12,15.

Isaías 9
2 — O povo que andava em trevas viu uma grande luz, e sobre os que habitavam na região da sombra de morte resplandeceu a luz.
3 — Tu multiplicaste este povo e a alegria lhe aumentaste; todos se alegrarão perante ti, como se alegram na ceifa e como exultam quando se repartem os despojos.
4 — Porque tu quebraste o jugo que pesava sobre ele, a vara que lhe feria os ombros e o cetro do seu opressor, como no dia dos midianitas.
6 — Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.

Isaías 10
12 — Por isso, acontecerá que, havendo o Senhor acabado toda a sua obra no monte Sião e em Jerusalém, então, visitarei o fruto do arrogante coração do rei da Assíria e a pompa da altivez dos seus olhos.
15 — Porventura, gloriar-se-á o machado contra o que corta com ele? Ou presumirá a serra contra o que puxa por ela? Como se o bordão movesse aos que o levantam ou a vara levantasse o que não é um pedaço de madeira!

COMENTÁRIO DA LIÇÃO

INTRODUÇÃO

Isaías é um profeta criativo e rico em suas colocações. Trabalha a questão da ameaça a Sião de forma amedrontadora, mas coloca ao lado dessas tragédias a esperança messiânica. Não fosse este último assunto estar presente, suas profecias seriam muito tristes. É o Messias que dá vida ao seu conteúdo profético e traz uma esperança que suplanta qualquer ameaça ou desobediência. Embora o povo de Israel fosse merecedor de todo o castigo de Deus por motivo de sua desobediência deliberada e claramente exposta pela rejeitada profecia de Isaías, Deus visitará a maldade do seu opressor, a Assíria. E também lhes dará um escape, por meio das qualidades divinas somente presentes no Messias encarnado, como sendo o próprio Deus. É o amor de Deus pelo seu povo que o faz enviar seu próprio filho, Jesus Cristo, como Salvador, não somente de Israel, mas de toda a humanidade.

I. CONSOLO AO POVO SOFREDOR

Deus não toleraria a desobediência de seu povo, que após várias advertências preferiu continuar no erro. Ele enviou reis e nações poderosas para corrigi-los. Eles foram quase que dizimados, mas Deus teve misericórdia do remanescente (Is 1.9; 6.13; 10.19; 11.1) e destruiu as nações opressoras, trazendo, mais tarde, uma pequena parte de Israel novamente para Jerusalém prometendo-lhes o Messias. Assim, trouxe consolo ao seu povo sofredor, embora profeticamente o escape final de Israel ainda está para acontecer.
1. O instrumento de Deus para corrigir o seu povo. A forma que Deus se utilizou para corrigir o seu povo desobediente foi a Assíria. Mais tarde, as profecias de Isaías indicarão que a Babilônia também fará parte desses castigos. Eles tinham exércitos poderosos e cruéis, que esmagaram o povo de Deus. O profeta diz que pelo povo ter rejeitado a tranquilidade do rio de Deus, eles seriam invadidos pela enchente de um rio caudaloso e devastador, a Assíria (Is 8.6,7).
2. A arrogância do instrumento de Deus. Os Assírios eram um povo arrogante. Embora nesse momento estivessem sendo instrumento de Deus, não reconheceram essa verdade e diziam que tinham muita força própria, sabedoria, inteligência; que tinham o poder de mover as nações e remover seus limites, de roubar riquezas e destronar reis (Is 10.13,14). O profeta afirma que jamais um instrumento poderá se gloriar contra aquele que o utiliza, como se o machado pudesse mover a mão do lenhador (Is 10.15).
3. Deus destruirá o inimigo cruel. Isaías diz que Deus fará definhar a Assíria. O próprio Senhor em um dia consumiria parte de seus exércitos (Is 10.16-19). Isso aconteceu quando de uma só vez morreram 185 mil soldados dizimados por uma peste, quando esse exército estava acampado ao redor de Jerusalém para a destruir, depois de já ter destruído todas as cidades em volta (2Rs 19.35). Mas a destruição final da Assíria viria com a invasão dos medos e dos babilônios em 612 a.C.. A magnífica civilização de ilimitada ambição e conquistas violentas e cruéis terminaria, conforme descrito por Isaías (10.24,25).



Pense!

Às vezes, algumas perdas e derrotas nos ajudam a relembrar os nossos erros e nossas decisões equivocadas. Esse processo de lembrança nos revela o lugar em que devemos retornar, a vontade de Deus.



Ponto Importante

A teologia do Messias é de conforto, esperança e restauração. O menino que nascerá é apresentado por Isaías como o novo rebento de Davi, o verdadeiro Rei e Senhor da história.



II. O PODER DO MESSIAS

O Messias para Israel seria o grande libertador que finalmente tiraria do seu povo a vergonha de ser escravizado e subjugado por outros povos, como no caso da Assíria e Babilônia. Somente Ele teria poder para trazer libertação total e completa. Todos os demais reis frustraram a esperança do povo, mas este seria vencedor. Essa mesma importância Jesus assumiu para o povo da nova aliança, a Igreja.
1. A grande luz do menino que nasceu. A importância da luz na Bíblia se dá pelo fato de simbolizar e estar ligada à vida e à felicidade. Por isso Deus é comparado à luz, pois dEle emana a vida e a felicidade (Tg 1.17). Nenhuma vida seria possível na Terra se não houvesse abundância de luz; nenhuma vida espiritual teriam as pessoas que conhecem a Deus se Ele não as alimentasse com sua luz poderosa. Desta forma se diz do Messias que virá, que Ele irradiará uma grande luz, iluminando os que andavam na escuridão (Is 9.2). Agora não haverá mais desorientação nem confusão, pois o Messias, o Cristo, já proporcionou abundante luz para os seus filhos, pois diante dessa luz há clareza no caminho (Jo 14.6). Aqueles que moravam em regiões de morte têm agora lugar permanente na vida abundante (Jo 5.24).
2. A imensa alegria (Is 9.3). Isaías compara a alegria que o Messias traria à mesma que havia na época das colheitas (dia de pagamento com aumento de salário) ou como num despojo de guerra em que conseguissem muitas riquezas. A vinda de Cristo à Terra representa uma boa nova, expressa nos Evangelhos, tão extraordinária que o anjo que apareceu aos pastores em muita glória, a ponto de eles ficarem aterrorizados, disse: “[...]vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo” (Lc 2.10). A alegria de Cristo consiste no fato de Ele ter poder para perdoar pecados, salvar, curar e batizar no Espírito Santo, mas além disso, estar com Cristo é estar com a fonte permanente de alegria. Assim, mesmo em meio a tribulações e angústias, podemos experimentar sua alegria em nossa alma.
3. A quebra do jugo (Is 9.4). Jugo designa na Bíblia uma peça de ferro ou madeira que era colocada no pescoço do boi para controlá-lo, ou seja, um instrumento de opressão e submissão. Não existe nada pior para o ser humano do que ser aprisionado por algum jugo. Existem muitas pessoas aprisionadas pelo pecado, por outras pessoas ou mesmo por situações da vida que as oprimem e subjugam, mas Cristo, o Messias, veio para estraçalhar qualquer jugo e tornar todos os que o reconhecem como Cristo completamente livres.



Pense!

Fomos feitos para ser pessoas livres, e não escravas. Por isso, o evangelho do Messias é para libertar, transformar e livrar os homens do jugo do Maligno.



Ponto Importante

O profeta Isaías leva o povo a fixar sua esperança somente em Deus. Aceitar que somente Ele tem o verdadeiro poder de trazer a alegria, o consolo e conduzir o povo a um novo momento de sua história. 


III. OS NOMES DO MESSIAS

1. Maravilhoso Conselheiro. Contrapondo a confusão do povo que não sabia o que deveria fazer, pois preferiram conselhos errados (Is 3.4,12), agora essa realidade muda com o Messias; os rumos serão corretos porque os conselhos serão corretos. Nada melhor do que seguir na luz dos conselhos de Cristo, descritos nos Evangelhos, para ter uma vida bem-sucedida. As principais escolhas da sua vida precisam ser estabelecidas a partir dos maravilhosos conselhos daquEle que foi chamado de Deus Forte.
2. Deus Forte. Conselho e força precisam andar juntos; se faltar um, o outro qualificativo perde sua importância. Contrapondo a fraqueza dos governantes que oprimiram os fracos e desvalidos, mas também se sobrepondo aos países que oprimiram Israel, como Assíria e Babilônia, agora o Deus Forte assume o controle. Ele tem todo o poder e pode governar (Is 10.1,2). Deus é infinitamente mais forte que todos os inimigos e vai dar descanso ao seu povo. Além disso, é na força de Deus que o Messias, também sendo Deus, imporá a justiça e o direito, ninguém mais oprimirá seu próximo, pois a equidade é estabelecida. Ele é forte o suficiente para estabelecer a tão esperada paz.
3. Pai da Eternidade. Ele contrapõe a efemeridade de tudo que é humano, “e ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” (Cl 1.17). Exatamente por Ele ser eterno, sem começo nem fim, é que é o Deus Forte que controla e mantém todas as coisas em seu devido lugar, com todas as leis da natureza por Ele criadas e sustentadas. Antes que houvessem sido criados céus e terra Ele já existia (Jo 1.1), pois Ele criou a própria eternidade. Além disso, Ele existirá para todo o sempre, numa perpetuidade de poder, glória e majestade.
4. Príncipe da Paz. em hebraico é mais do que estado de tranquilidade, mas também sugere prosperidade, espaço, riqueza, saúde, bem-estar, felicidade e contentamento. Contrapondo o ambiente de guerra, desolação, violência e injustiça, o Messias traria uma paz perpétua que nenhum poder ou inconveniente poderia tirar. A paz do Príncipe seria muito mais do que ausência de guerras e violência, mas também de provisão inesgotável de salvação e bênçãos para o povo de Deus, pois somente onde há completa libertação e abundância da bondade de Deus é que se estabelece a paz. O mundo inteiro anseia por paz. Hoje existem mais conflitos do que jamais houve na terra, não somente bélicos, mas também na sociedade violenta e nas famílias disfuncionais. Mas o Príncipe da Paz estabelece sua paz àqueles que hoje se entregam ao seu governo e num futuro próximo dará paz completa para toda a sociedade e todos os povos e nações da terra, conforme diz o salmista em Salmos 72.12-14.


Pense! 
As principais escolhas da sua vida precisam ser estabelecidas a partir dos maravilhosos conselhos daquEle que foi chamado de Deus Forte. 
Ponto Importante

Os nomes atribuídos ao Messias são o contraponto de toda a situação histórica que o povo estava vivendo nos dias do profeta Isaías. No entanto, esses nomes de Deus ainda podem ser considerados nos dias atuais da Igreja. 


CONCLUSÃO

O profeta Isaías é poético ao falar da vinda do Messias. Ele aborda o assunto falando da grande luz que dissiparia as trevas, da imensa alegria, da quebra de todo jugo e lhe atribui nomes que somente cabem para Ele. Com isso, revela como Deus é compassivo e perdoador para com o desobediente arrependido. Embora o profeta utilize abundante linguagem simbólica, a realidade que a mesma aponta é concreta, real e no tempo oportuno cumprir-se-á. 


HORA DA REVISÃO

1. Qual foi o instrumento que Deus usou para repreender seu povo?
A Assíria. 
2. Que metáfora Isaías utiliza para se referir à arrogância da Assíria?
De que jamais um instrumento poderá se gloriar contra aquele que o utiliza. 
3. Qual o símbolo que a luz tem na Bíblia?
Simboliza a vida e a felicidade, por isso Deus é comparado à luz. 
4. O que significa Pai da Eternidade?
Que Jesus é eterno, sem começo nem fim. 
5. Por que Isaías chama de Jesus de o Príncipe da Paz?
Porque estabelece sua paz àqueles que hoje se entregam ao seu governo e num futuro próximo dará paz completa para toda a sociedade e todos os povos e nações da terra.

SUBSÍDIO I

“Maravilhoso Conselheiro deveria ser hifenizado. [...] Jesus foi uma maravilha pessoal. Ele foi alguém Maravilhoso que deu conselhos Maravilhosos. Isaías está expressando o atributo divino do Onisciente, mas exprimindo-o em forma verdadeiramente hebraica.
Deus Forte sugere o guerreiro divino ou o herói divino. Ele tem valor sobre-humano, não simplesmente porque o Espírito do Deus Todo-Poderoso está sobre Ele com unção, mas porque a natureza da deidade essencial habita nEle.
Pai da Eternidade é melhor entendido como Pai Eterno, ou Pai perpetuamente. Designar alguém como ‘o Pai de’ é uma maneira hebraica e arábica de dizer que Ele é propriamente a fonte da coisa designada como seu atributo.
Príncipe da Paz é um nome que indica um governo bem-sucedido com prosperidade abençoada e verdadeira. Paz pertence ao reino ideal. Mas R.B.Y. Scott está correto em sugerir ‘Príncipe Beneficente’ como um significado mais correto. O termo hebraico Shalom indica não somente uma ausência de guerra, mas uma condição de bem-estar rica, harmoniosa e positiva” (Comentário Bíblico Beacon. Volume 4: Isaías e Daniel. 2ª Edição. RJ: CPAD, 2005. p.51).

SUBSÍDIO II

“Emanuel (7.14)
O nome significa ‘Deus conosco’. Mas a comum e enfática posição das palavras compondo o nome mostra que devia ser entendido como ‘Conosco está Deus!’. Assim, o nome Emanuel capta a admiração e maravilha da encarnação e o inimaginável fato de que o Deus do Universo entrou na corrente do tempo para tornar-se um conosco.

Nascimento virginal (7.14). A palavra hebraica traduzida por virgem significa ‘jovem mulher em idade casadora’. O ideal hebraico de casamento faz uma tradução como ‘virgem’ igualmente. Entretanto, a intenção é absolutamente clara em Mateus 1.23 que cita Isaías e usa palavra grega, parthenos que inequivocadamente significa ‘virgem’. De fato, o conceito de nascimento viriginal é um fundamento básico do cristianismo bíblico” (RICHARS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10ª Edição. RJ: CPAD, 2012, p.415).

domingo, 14 de agosto de 2016

Subsidio adolescentes a reforma protestante n.8


     

         SUBSIDIO ADOLESCENTES A REFORMA PROTESTANTE N.8



 Enquanto os precursores da Reforma difundido na Igreja o desejo de uma purificação radical do cristianismo, e enquanto os humanistas foram educar uma corrida muito melhor equipada para serem os porta-estandartes de uma reforma profunda do que eram os reformadores dos séculos anteriores, uma série de outros grandes eventos cooperou para trazer a história medieval da humanidade a um fim, e para inaugurar uma nova soros. Descobertas marítimas de magnitude incomparável alargou o horizonte das nações europeias e levou a um rápido crescimento do comércio, a um aumento de fabrica, e um maior e mais geral de difusão da riqueza.

 A invenção da arte de imprimir conhecimento difundido entre as massas do povo de uma forma que as gerações anteriores teriam relação ed como impossível. Feudalismo e cavalaria medieval ruiu antes do surgimento do burgherdom mais rico e mais inteligente das cidades e vilas, por um lado, ea consolidação de Estados poderosos sob governos centralizados, por outro. As novas forças que obtiveram uma influência dominante sobre a sociedade moderna nem sempre foram, e não por necessidade, hostil à Igreja rulling; mas ao mesmo tempo é evidente que, quando em aliança com os movimentos reformatórios Igreja eram uma ajuda considerável ao levantar oposições mais formidáveis ​​para os papas e sua Igreja do que aquelas que já tinha sido derrotada na Idade Média.

Logo após o início da ': 6 º século, na Alemanha, em seguida, o solo mais favorável à reforma religiosa, produziu o homem que conseguiu fazer aprovar as reformas que os séculos anteriores tinha tantas vezes em vão tentou, que lidou com o papado uma pesada soprar do que tinha recebido desde a separação da Igreja do Oriente, e cujo nome, para sempre associado a "A Reforma", está no portal da história moderna como um dos seus maiores pilares. Ninguém contesta a posição eminente que Martim Luther ocupa na história, nem as qualidades extraordinárias que o elevaram a ele. 

O Manual de História da Igreja, pelo Dr. Alzog, que foi traduzido em quase todas as línguas da Europa, e é muito usado extensivamente nas escolas teológicas da Igreja Católica Romana, de Lutero diz: "Se olharmos para o agitado, vida agitada, é preciso contá-lo entre os homens mais notáveis ​​de todos os séculos, althrough ele não compreendeu sua missão como um reformador da Igreja Também temos de reconhecer sua coragem, embora frequentemente degenerou em desafio. - sua atividade incansável, seu popular , eloqüência irresistível, sagacidade espumante, e desinteresse. Ele não falta um sentimento religioso profundo, que ansiava por satisfação, e que constitui o caráter fundamental ea característica mais brilhante do seu sistema ".

 Um historiador da Igreja Protestante (Kurtz) justamente chama Luther um gênio religioso, que foi chamado para o seu grande trabalho pela união mais rara das qualificações e dons necessários do intelecto, sentimento, caráter e vontade; que foi treinado e educado por uma orientação providencial da sua vida; que, em sua própria vida, tinha passado por todo o curso essencial da reforma, tinha testado em si mesmo o seu poder divino, e, em seguida, não podia deixar de fazer a experiência de mais sagrado e mais caro de sua vida útil a todo o mundo. 

                       A origem da Reforma alemã era 
            muito humilde e por tempo indeterminado.

Papa Leão X, dos quais escritores católicos romanos mesmo que dizer que "ele não parece ter experimentado a bênção e o poder da fé cristã", e que "a religião não era para ele o maior caso da vida", tinha organizado para um muito extensa venda de indulgências. Não foi considerado que vale a pena atribuir para tal ultraje sobre o sentimento religioso dos cristãos piedosos um pretexto mais capcioso do que o produto da venda foram destinados para uma guerra contra os turcos e a construção da igreja de São Pedro.

 O destino real do dinheiro, ele foi muito comumente acreditava, era para custear as despesas exorbitantes da corte do papa e para servir como um dote de casamento de sua irmã. Arcebispo Albert de Mentz, de cuja crença cristã como pouco se sabe a partir de que do papa, autorizou a venda na Alemanha, na condição de cinquenta por cento. da renda bruta deve fluir em seu próprio bolso. Um frade dominicano (Tetzel) realizada sobre o comércio com um descaramento que indignou os sentimentos de milhares de cristãos sinceros. Entre aqueles que foram convidados por sua consciência a se levantar contra esta profanação do Cristianismo era Lutero, em seguida, um jovem monge em um convento agostiniano.

Quando um jovem estudante, ele havia sido impulsionado por sua ansiedade para a salvação de sua alma para a aposentadoria de um convento. Após longos dúvidas e problemas mentais, ele havia obtido a partir de um estudo profundo das Escrituras, e dos escritos de Agostinho e Tauler, a crença consoladora de que o homem deve ser salvo, não por suas próprias obras, mas pela fé na misericórdia de Deus em Cristo. 

Quando ele se tornou um médico das Sagradas Escrituras, ele ficou profundamente impressionado com a obrigação imposta a ele pelo juramento ele teve que tomar por ocasião de ensinar e dar a conhecer ao mundo as verdades do cristianismo. Tanto como uma cristã fervorosa, que sinceramente acreditava no cristianismo das Escrituras, e como professor consciente da teologia, Lutero sentiu-se impelido a entrar em um enérgico protesto contra as obras de Tetzel. De acordo com os princípios da Igreja de Roma, ele escreveu para vários bispos vizinhos para impedir a venda de indulgências, e somente quando este apelo permaneceu despercebido, ele decidiu agir sozinho. Na véspera do Dia de Todos-os-Santos, 31 de outubro de 1517, ele aposta no igreja do castelo de Wittenberg as comemorado noventa e cinco proposições, que são geralmente encarado como o início da reforma de Lutero. Tanto protestantes e católicos romanos escritores estão de acordo que estas teses envolvidas de modo algum por parte de Lutero uma renúncia consciente da fé católica romana. 

O próprio Lutero mostrou isso claramente por seu apelo subsequente ao papa; mas o Dr. Hase justamente observa que Lutero certamente deve ter tido conhecimento de que ele tinha jogado fora um desafio para os prelados mais poderosos e monges. Por outro lado, a oposição a Roma era tão difundida de que as palavras de Lutero trabalhou sobre a opinião pública como a faísca gravetos em um powdermagazine. Até mesmo o papa, que parecia a princípio sobre o assunto como uma outra briga monacal, ficou assustado com o choque elétrico que produziu todo o mundo cristão. Medidas sérias para deter o avanço do movimento foram resolvidas em cima. No início, o papa citou Lutero a Roma, mas a pedido da Universidade de Wittenberg eo eleitor da Saxônia a concessão foi feita de que o legado papal, Thomas de Vio, de Gaeta (mais conhecido na história sob o nome Cajetanus), deve Luther examinar de um modo paterno. 

A principal característica na linha de defesa de Lutero foi a rejeição dos argumentos tirados dos pais e os escolásticos, ea demanda a ser refutada por argumentos tiradas da Bíblia. Também foi notável que logo depois de apelar do tratamento do cardeal ao papa quando bem informados, ele foi instigado, por uma bula papal fresco em nome das indulgências, para mudar o seu apelo e de dirigi-lo a um conselho ecumênico. Logo depois, o tribunal romano achou oportuno para mudar sua política com Lutero, e esforçar-se para trazê-lo de volta por meio de compromisso e bondade. O camareiro papal, Karl von Miltiz, natural da Saxônia, foi até agora bem-sucedida que Lutero prometeu escrever cartas nas quais ele iria admoestar todas as pessoas a serem obedientes e respeitosos com a Igreja Romana, e escrever ao papa para assegurar-lhe que ele nunca tinha pensado em infringir os privilégios da Igreja Romana. 

A carta foi prometido realmente ditada; sua linguagem é cheia de expressões de humildade e exalta a Igreja Romana acima de tudo, mas o próprio Cristo. Ele também prometeu interromper a controvérsia se os seus adversários fariam o mesmo. Mas logo ele foi arrastado para a Disputa de Leipsic (27 de junho to 15 de julho de 1519), que o vão-glorioso Dr. Eck (até mesmo escritores católicos romanos, assim, caracterizá-lo) tinha originalmente organizado com Carlstadt. Prêmios da história para o Dr. Eck a glória de ter sido o contendor mais inteligente, mas a causa de Lutero foi, no entanto, grandemente beneficiado por ela. Os argumentos dos seus adversários levou Lutero a frente a uma rejeição mais explícita de inovações romanistas. Ele foi levado a afirmar que o papa não era por direito divino o bispo universal da Igreja, a admitir a dúvida sobre a infalibilidade dos conselhos, e para ser convencido de que nem todas as doutrinas hussitas eram heréticos. 
Ao mesmo tempo, o movimento de reforma foi muito fortalecida pela simpatia universal, que começou a ser expressa com Lutero, pela aliança com os humanistas liberais e cavaleiros da Alemanha, e especialmente pela adesão aberta a sua causa de um dos maiores estudiosos do a idade, o Dr. Melancthon. O conflito entre Roma e Lutero tornou-se agora um para a vida ea morte. Dr. Eck de voltar de uma viagem a Roma com um touro que declarou Lutero um herege e ordenou a queima de seus escritos. Lutero, por outro lado, sistematizou seus pontos de vista em três obras, todas elas apareceram em 1520: a Sua Majestade Imperial e à Nobreza Cristã da Nação Alemã; No Cativeiro Babilônico da Igreja; e Sermão da liberdade de um homem cristão. Finalmente, ele se separou da última ponte do retiro, queimando publicamente (10 de dezembro de 1520) a bula papal com a lei papal canon.

O papa conseguiu prevalecendo sobre o imperador alemão e o alemão Dieta de Worms (1521) para proceder contra Lutero; e quando esta firmemente se recusou a se retratar, e confesso que ele poderia render nada, mas para as Sagradas Escrituras e argumento razoável, ele foi colocado sob a proibição do império; mas tão grande era o descontentamento na Alemanha com Roma, que a mesma montagem que condenou Lutero por se opor a fé de seus ancestrais apresentados 101 artigos de denúncia contra a Sé Romana. 

A proibição do império envolvido graves perigos para Lutero, pois deu permissão para qualquer um que ataque a sua pessoa e apoderar-se de sua propriedade; mas ele foi salvo desses perigos por sua vida reclusa no Castelo de Wartburg, em que cavaleiros disfarçados, de acordo com um entendimento prévio com o eleitor, mas contra seu próprio desejo, ele havia realizado. Longe da agitação da agitação política, ele encontrou tempo não só para emitir vários ensaios polêmicos poderosos (contra a confissão auricular, contra os votos monásticos, contra massas para os mortos, e contra o novo ídolo do arcebispo de Mentz), que refutou o boato que ele estava morto, mas de conceber e executar parcialmente o plano de traduzir a Bíblia para a língua nativa. Durante a ausência de Lutero de Wittenberg, a Reforma, sob a liderança de homens que eram mais impetuoso e prático, mas menos prudente e theplogical, assumiu uma vez mais agressiva contra Roma. 

Vários padres renunciaram celibato e eram casados; Carlstadt administrado a Ceia do Senhor, em ambos os tipos, e na língua alemã. Para essas mudanças Lutero não fez nenhuma objeção; mas quando Carlstadt começou a cometer atos de violência aberta em perturbar o culto público da Igreja de Roma - quando profetas entusiastas apareceu de Zwickau, que se gabava de revelações divinas imediatos, rejeitou o batismo infantil, e denunciou Igreja, Estado e ciência - ele saiu uma vez mais de sua reclusão, silenciada por poderosos sermões seus adversários em Wittenberg, e mais uma vez se colocou à frente do movimento. Em íntima união com. Melanchton, agora ele trabalhou para a conclusão do sistema teológico da Igreja, que começou a se traseira com base em seu movimento reformatório. 

O próprio Lutero deu o seu chefe atenção para continuar a tradução da Bíblia em alemão, que foi concluída em 1534, e constitui em todos os aspectos um dos mestres-produções da época reformatório; enquanto Melanchton, em sua célebre obra sobre a ciência teológica (Loci Comunas Rerum Theologicarum), deu aos líderes teológicos da nova Igreja uma mão-book da doutrina que, como uma produção literária, classificada com o melhor obras que a Igreja de Roma tinha produzido até aquele momento. 

Em Roma, Leão X tinha entretanto (1521) foi sucedido por Adrian VI, filho de um mecânico de Utrecht, que, apesar de fortemente ligado à continuidade da Igreja externo e se opôs à separação já produzido por Lutero, foi ao mesmo tempo sincera e honestamente dedicados à causa de uma reforma religiosa. A energia apresentada por ele e os êxitos obtidos foram, no entanto, de forma alguma compatível com a honestidade de suas convicções. Em seu curto governo (1521-1523), ele não era nem capaz de, prender a reforma anti-Igreja de Lutero, nem para facilitar o caminho para a introdução de qualquer reforma no seio da Igreja. Os últimos foram odiados em Roma nada menos do que o primeiro, e quando Adrian morreu, ele foi sucedido por um humanista, Clemente VII, que, como Leão X, estava ansioso para preservar o esplendor eo poder da corte papal, e não o mostrou menos interesse na pureza da religião. 
Na Alemanha, durante este intervalo, a ausência prolongada do imperador tinha impedido a adoção de quaisquer medidas rigorosas para a supressão da Reforma, e permitiu que o último a atacar as raízes mais profundas no país.

 A maioria dos príncipes, é verdade, mas não estavam dispostos a participar com a religião de seus pais, e que se identificam com o movimento que eles achavam que representavam seus ancestrais amados como hereges. Eles desconfiavam Roma, no entanto; persistiu em reformas exigentes; contentou-se com a resolução em várias dietas sucessivas que o Édito de Worms devem ser realizadas, tanto quanto possível, e, assim, permitiu que os príncipes e cidades livres, que eram simpáticos à Reforma para consolidá-la dentro dos limites de seus estados.

 Quando o legado papal Campeggio sucedeu na Dieta de Ratisbona, em 1524, na concretização de uma aliança entre Ferdinand da Áustria, os duques da Baviera, ea maioria dos bispos do sul da Alemanha para a preservação da antiga fé e para a realização do Édito de Worms, landgrave Filipe de Hesse e eleitor João da Saxônia, em reunião realizada em Gotha, tomou o passo inicial para uma contra-aliança dos amigos da Reforma. Lutero e Melanchton foram inicialmente contrário à celebração de qualquer aliança ofensiva e defensiva, com o fundamento de que a causa de Deus não deve ser defendida por armas carnais. Quando, no entanto, o perigo parece aumentar, uma aliança defensiva entre a landgrave eo eleitor foi concluído em 1526 em Torgau, e logo foi acompanhado por uma série de outros príncipes. 

Como o imperador se envolveu em uma nova guerra estrangeira em que o papa estava do lado de seus inimigos, a Dieta de Spire acordado por unanimidade o decreto que até a reunião de um conselho geral livre todos os Estados devem agir em relação ao Edital de Worms como poderia aventurar a responder a Deus e sua majestade imperial. Este decreto deu aos estados que eram simpáticos ao tempo da Reforma de reorganizar as igrejas de seus territórios, com base na Reforma. 

O chumbo foi feita pelo eleitor João Constante da Saxônia. Melanchton elaborou os artigos de visitação, de acordo com o qual, em 1529, uma visitação geral Igreja de eclesiásticos e leigos cotmcillors ocorreu. Entre os resultados desta visita foram a compilação de dois catecismos por Lutero para o ensino mais eficiente das crianças nos elementos da religião, a nomeação de superintendentes de exercer fiscalização espiritual, bem como a introdução de uma constituição eclesiástica, que se tornou o modelo comum para as igrejas em outros estados alemães. Lutero, entretanto (1525), seguiu o exemplo de muitos de seus amigos de escritório e casado. Como o centro contínuo de todo o movimento, Lutero exerceu uma influência poderosa em muitos sentidos como professor e autor de uma extensa correspondência muito além das fronteiras da Alemanha, e fornecendo as igrejas com um grande número de excelentes hinos da Igreja na língua nativa. Por esses hinos da Igreja, bem como pela sua tradução da Bíblia, Lutero, ao mesmo tempo ocupou uma posição tão proeminente na história da literatura alemã que a Alemanha como uma nação parecia estar sob o maior endividamento para ele, e seu maior progresso estar intimamente ligado ao sucesso da Reforma. Uma série de controvérsias teológicas em que Lutero foi elaborado, e de que as pessoas com o rei Henrique VIII da Inglaterra, com Erasmus, com Carlstadt, Zwingli e foram os mais importantes, pertencem mais à história pessoal de Lutero do que a da Reforma. 

Notas fonte www.historiadareformaprotestante.blogspot.com 


                    
        A Reforma na  Alemanha Lutero  

   Nunca faltaram na história da igreja,e ainda estão por ai,heresias oferecendo um caminho mais curto para o céu.Se,por um lado,os que pregam a salvação pelo legalismo,há ,por outro lado outros,alguns que vem pavimentando a estrada estreita que Jesus ensinou ,a ponto de torna-lo razoavelmente confortável ,quando não extremamente fácil.Na idade média ,foi criado um sistema que incluía as indulgencias,é hoje extremamente criticado como uma espécie de extorsão que a igreja impunha sobre as pessoas simples.Apesar disso ser verdade,é também verdade que as próprias pessoas se agarram ás indulgencias como uma espécie de caminho mais fácil para o céu.
(notas rev.expressão p.76,cult.cristã).

  O sistema das indulgencias se apoiava no processo de absolvição da idade média.Para se obter o perdão dos pecados era necessário seguir uma ordem.  1°).o arrependimento interno,depois ,a confissão perante um sacerdote ,que era uma espécie de reparação pelo erro cometido e que da gravidade da fala.Entretanto ,o perdão se estendia apenas ás consequencias eternas do pecado ,ou seja a única coisa que ele conseguia era libertar o culpado do inferno.

 A absolvição não eliminava as consequencias terrenas dos pecados.Isso dizia a respeito ao sofrimento que alguém poderia receber como retribuição por seus erros.Acreditavas se que aqueles que não recebessem todas essas consequencias nessa vida,haveriam de receber no purgatório.Assim  o purgatório era um local intermediario entre o céu e o inferno,onde aqueles que não haviam sido maus o suficiente para ir para o inferno ,nem bons o bastante para ir diretamente para o céu ,ficavam algum tempo até terem sofrido ou "purgado"os seus pecados.

   Mas era ensinado que a igreja tinha poder sobre        essas penas e que havia uma espécie de depósito de "méritos'conquistados por Cristo e pelos"santos",e que o papa ,como depositário desses tesouros ,poderia liberta-los para os que deles necessitassem.As indulgencias foram muito usadas no tempo das cruzadas ,quando os soldados lutavam em torca da remissão para si e para seus familiares.Mas ,com o tempo ,achou-se uma forma ainda mais lucrativa;o trafico de indulgencias.Começou a vender ,por uma boa quantia de dinheiro,o alivio das santas penas do purgatório.
(notasrev. Expressão,  ibid p.77).

 Na verdade as indulgencias foram um dos maiores motivos para o inicio da própia Reforma Protestantes .Foi contra elas,especialmente ,que Martinho Lutero fixou suas 95 teses na Catedral de Witternbergem 31 de outubro de 1517.Naqueles dias ,um arcebispo chamado Albrecht,endividado com alguns nobres ,conseguiu do papa o direito de vender indulgencias na alemanha.Ele enviou um dominicano chamado Tetzel ,que ficou conhecido como um dos mais habeis vendedores de indulgencias.
 Esse homem andava pelas ruas das cidades anunciando que,quando se ouvia o tilintar da moeda em seu cofre,naquele exato momento saía do purgatório a alma em favor de quem se havia comprado a indulgencia.Também vendiam-se indulgencias para pessoas vivias,que eram entregues certificados ,os quais eram guardados como uma espécie de passaporte para o céu.(notasrev expressão, ibib p.77).

   O povo via aquilo como uma rara oportunidade de salvação.Num tempo em que a igreja ocultava dos seus fiéis o evangelho ,não é por acaso que multidões se arrastavam atrás dos vendedores de indulgencias.Afinal ,comprar com um pouco de dinheiro algo que não tinha preço,parecia  ser um excelente  negócio.(notas,ibib p.77).
  EM agosto de 1518 ,Lutero foi chamado para comparecer em Roma para responder a uma denuncia de heresia.Contudo ,o eleitor Frederico não consentiu que fosse levado para fora do país;assim Lutero foi intimado a apresentar-se em Ausburgo.'eles te queimarão vivo"insistiam seus amigos.Lutero ,porem respondeu resolutamente:"se Deus sustenta a causa ,ele seŕa sustentada".A ordem do nuncio do papa em Augsburg foi:"retrata-se ou não voltara mais daqui".
 Contudo Lutero conseguiu fugir,passando por um pequena cancela no muro da cidade,na escuridão da noite.Ao chegar de novo em Wittenberg,um ano depois de fixar as tesses ,era o homem mais popular em toda a alemanha.Não havia jornais nesse tempo,mas fluiam da pena de Lutero respostas a todos os seus críticos para serem publicadas em folhetos.O que escreveu dessa forma ,hoje seriam 100 volumes.(notas herois da fé,p.32,cpad).
 O celebre  ERASMO ,da Holanda,assim escreveu a Lutero:"seus livros estão despertando todo o país...os eminentes da Inglaterra gostam de seus escritor....."Quando a bula de excomungão ,enviada pelo papa,chegou em Wittenberg,Lutero respondeu com um tratado chegou ao papa leão 10,exortando ,no nome do Senhor,A QUE SE ARREPENDESSE .a BULA DP PAPA FOI QUEIMADA FORA DO MURO DA CIDADEDE WITTEMBERG,PERANTE GRANDE AJUNTAMENTO DO POVO.ASSIM ESCREVEU LUTERO AO VIGARIO GERAL:"NO MOMENTO DE QUEIMAR A BULA ,ESTAVA TREMENDO E ORANDO,MAS AGORA ESTOU SATISFEITO DE TER PRATICADO ESTE ATO ENERGICO".Lutero não esperou até que o papa o excomungasse,mas deu logo o pulo da igreja romana para a igreja do Deus vivo.(notas re. Expressão ,ibid p.32-33).
  Apesar de os papistas não conseguirem influenciar o imperador a violar o salvo conduto ,para que pudessem queimar numa fogueira o assim chamado de herege.Lutero teve de enfrentar outro grave problema.O edito de excomunhão enfrentaria imediatamente em vigor;Lutero por causa da excomunhão ,era criminoso para eles,ao findar o prazo de salvo conduto,devia ser entregue ao imperador ;para todos os seus livros deviam ser apreendidos e queimados ,ato de ajuda-lo em qualquer maneira era crime capital.Mas para DEUS é facil cuidar dos seus filhos .Lutero ,regressando a Wittenberg ,foi repentinamente rodeado num bosque por um bando de cavaleiros mascarados que ,depois de despedirem as pessoas que o acompanhava,conduziram -no alta noite ,ao castelo de Wittenberg,perto de Eisenach.Isto foi um estratagema do principe de Saxonia para salvar Lutero dos inimigos que planejavam assasina-lo antes de chegar em casa.(notas ver. Expressão, ibid p.35).
 No castelo ,Lutero passou muitos meses disfarçado,tomou o nome de cavaleiro jorge eo mundo o considerava morto.Contudo no seu retiro ,livre de seus inimigos ,foi lhe concedida a liberdade de literatura ,que essa obra da sua pena de fato ,Lutero vivia .O reformador conhecia bem o hebraico eo grego e em 3 meses tinha vertido todo o novo testamento para o alemão- em poucos meses mais a obra estava impressa e nas suas mãos do povo.Cem mil exemplares foram vendidas em 40 anos ,alem das 52 edições em outras cidades.Era circulação imenssa para aquele tempo,mas Lutero não aceitou um centavo de direitos autorais.(notas re. Expressão, ibid p.35-36).
   A maior obra de toda a sua vida ,sem duvida ,foi a de dar ao povo alemão na sua própio idioma-depois de volta a wittenberg ,já havia outras traduções latinizado que o povo não compreendia.O idioma alemão desse tempo era um agregado de dialetos,mas Lutero ,ao traduzir a bilbia deu ao povo a lingua que servia depois a homens como Goethe e Shiler para escreverem as suas obras.O exito em traduzir as Escrituras Sagradas para o uso dos humildes,verefica-se no fato de que depois de 4 seculos a sua tradução permanece como principal.(notas , ver. Expressão, ibid p.36).O outra coisa que contribuiu para o exito da tradução de lutero ,é que ele era erudito em hebraico e grego e traduziu das linguas originais.Contudo ,o valor da sua obra não se baseie tão somente sobre seus indiscutiveis dotes literarios.O que lhe deu realidade é que ele conhecia a bilbia ,como ninguem podia conhece-la ,sem primeiro sentir a angustia eterna e achar nas escrituras a verdadeira e profunda consolação.Lutero conhecia intimamente e amava sinceramente o autor do livro.O resultado foi que o seu coração abrasou-se com avivamento e poder do ESPIRITO SANTO.Foi esse o segredo de ele traduzir tudo para o alemão em tão pouco tempo.(ibidp.36).
 Como todo mundo sabe ,a fortaleza de Lutero e da reforma foi a bilbia.Escreveu de warburgo para o seu povo em wittenberg;"jamais em todo mundo se escreveu um livro mais facil de compreender do o que a bilbia.Comparada aos outros livros,é como o sol em contras ter com todas as demais luzes.Não vos deixeis levar a abandona-la sob qualquer pretexto da parte deles.SE vos afastardes dela por um momento estará perdido;podem levar-vos para onde quer que desejem.Se pernanecerdes com as escrituras ,sereis vitoriosos".
 Depois de abandonar o habito monastico Lutero resolveu deixar por completo a vida monastica,casando-se com catarina von bora,freira que também saira do clausto ,por ver que tal vida é contra a vontade de Deus.O vulto de Lutero sentado ao lume com a esposa e 6 filhos que amava ternamente,inspira os homens mais que o grande heroi ao apresentar-se parante o legado em Augsburg.(ibid p.37).

Havia entre Lutero e sua esposa profundo amor de um para com outro.nos cultos domesticos ,a familia rodeava um harmonia.,com o qual louvavam a Deus juntos,o reformador lia o livro que traduzia para o povo e depois louvavam a Deus e oravam até sentirem a presença divina entre eles.Os homens geralmente querem atribuir  o grande exito de Lutero a sua extraordinaria inteligencia aos seus destacados dons.Ofato é que Lutero também tinha o costume de orar horas direto.    Dizia que não passasse 2 horas de manhã orando,recearia que satanas ganhasse a vitória sobre ele durante o dia.Certo biógrafo seu escreveu"o tempo ele passa em oração produz  o tempo para tudo que faz.O tempo que passa com a Palavra vivificante enche o coração até transbordar em sermões ,correspondencia e ensinamentos".(notas ver. Expressão, ibib p.38).

 Encontra-se o seguinte na história da igreja cristã,por sour vol 3,p.406"Lutero profetizava,evangelizava ,falava em linguas e interpretava ,revestido de todos os donde do Espirito Santo'.LUTERO  pregava diariamente em certas ocasiões pregava até três vezes ao dia,conforme ele mesmo conta "o que pasto é seguro o rebanho ,a casa para o homem ,o ninho para passarinho ,a penha ára a cabra montes,o arroi para o peixe ,a biblia é para as almas fiéis".A luz do evangelho ,por fim ,tomara o lugar das trevas e a alma de Lutero avivada por condizir os seus ouvintes ao Cordeiro que tira o pecado do mundo.notas ver. (notas , ver. Expressão, IBID .p31).
  Lutero fez o sermão a parte principal do culto.Ele  mesmo serviu de exemplo para acentuar esse costume :era pregador de grande porte.Considerava-se como sendo nada ,a menssagem saia-lhe do coração;o povo sentia a presença de Deus.Em  Zwiekau pregou a um auditório de 25 mil pessoas na praça pública.Calcula-se que escreveu 180 volumes de obras evangélicas no idioma materno e quase um numero igual no latim.Apesar de sofrer de varias enfermidades sempre se esforçava.(notas ibid p.38).
 Embora negado  por alguns historiadores,Lutero era um homem cheio do ESPIRITO SANTO ,foi ele batizado com ESPIRITO SANTO,ELE FOI UM AUTENTICO PENTECOSTAL,com a presença dos dons do ESPIRITO SANTO,ENTÃO QUE AVIVAMENTO a Alemanha na igreja luterana estava vivendo.Imaginemos Lutero pregando e pessoas sendo batizados e revestidas de poder conforme atos 2?A unção que Lutero pregava era autentica como foi com os lideres dos avivamentos no passado,ex  Charles Finey,D.L.Moodi,Jhon Weslei,Jorge Whitefield,Daniel Berg ,Jonathan Edwards.
  Realmente os dons do Espirito Santo estava sobra as igreja luteranas na Alemanha,Lutero foi um reformador,escritor ,tradutor,compositor de hinos,poeta.comenterista do antigo e novo testamento,mas não podemos deixar de analizar que foi alguém que DEUS o levantou também com poder na Alemanha e que nunca havia acontecido algo semelhante avivamento.Imagine o poder de Deus sendo manifesto em uma multidão de 25 mil pessoas?sem duvida algo muito grandiosos Deus fez na vida de Lutero,e acredito que na Alemanha talvez não houve um avivamento tão extraordinario como o que ocorreu.Imaginemos quantas milhares de pessoas se entregavam a Jesus na praça onde Lutero pregava e em outros lugares na Alemanha.
  O evangelismo  forte em praça publica deveria ser notório.O poder de DEUS deveria ser algo glorioso ,os dons presentes,pessoas levantas ao ministério,aumento da construção de igrejas ,os ministros recebiam instrução.Sim Lutero é alguem em que  Deus o levantou com avivamento e muito poder na Alemanha.Na verdade poucos consegue ver Lutero como um homem em que foi levantado com poder na missão de avivamento.
  Mas na verdade ele foi um homem levantado por Deus não só para reformar ,mas também no avivamento para o pais naquele período.Sua vida de oração prova que realmente   Lutero viveu em sua vida um despertamento pessoal e também com poder do Espirito Santo também pode despertar milhares e milhares a viverem cheios do Espirito Santo,tudo isso a mão de Deus agindo sobre ele e todos quantos ouviam  a pregação do evangelho puro e verdadeiro e seus ensinamentos e nas literaturas atravessaram fronteiras e foram para outros paises da Europa naquela época.Vale a pena lembrar que Lutero rejeitou os livros apócrifos,os escritos apócrifos não são considerados como canônicos(a palavra canônicos,canônicos tem seu significado de regra,preceito,decisão de conflito concilio sobre a matéria de fé ou de disciplina eclesiastica.Seja quantos forem os livros apócrifos do antigo e novo testamento,estão fora do canon sagrado,esses livros apócrifos estão rejeitados e não conhecidos de inspiração divina.

Os alemães sempre foram um povo viril e inteligente, mas a fraqueza política do país era devida ao fato de até no século passado estar dividido em estados independentes: reinos, ducados, e eleitorados, possuindo o imperador um poder restrito. Ele era eleito pela "Dieta", que era uma conferência dos chefes dos vários estados. Ao tempo da Reforma, Carlos V era imperador. Era também rei da Espanha e dos Países Baixos, e um homem prudente e ambicioso. De todo o coração queria castigar Martinho Lutero pela pusadia em se opor ao papa. Felizmente os estados eram independentes e seus governadores ciosos dos seus direitos.

Lutero morava na Saxônia, e o Eleitor Frederico apoiava o reformador. A Reforma espalhou-se para outros Estados, mas muitos estados alemães conservaram-se católicos. As vezes a Reforma e a vida dos reformadores pareciam estar em perigo, mas Deus guardava o seu povo, e as invejas e contendas políticas serviam para conservar a fé e a vida dos reformadores.

Lutero era conservador, e queria, tanto quanto possível conservar da antiga religião certas cerimônias, vestimentas, etc, que considerava como a casca para conservar as novas doutrinas. A Igreja Luterana na Alemanha era ligada ao Estado e controlada pelo governo secular. Em outros países a mesma igreja é governada por bispos. Uma separação entre a Igreja e o mundo nunca entrou no pensamento dos reformadores principais em qualquer país, muito menos na Alemanha: Lutero era mais um grande pregador do que um cuidadoso teólogo. Como outros reformadores, emergindo das trevas e superstições da Igreja de Roma, ele recebeu a luz gradualmente, e seus escritos mostraram um certo progresso no seu entendimento das Escrituras. Uma grande dificuldade surgiu quando Lutero morreu, devido ao fato de um partido na Igreja Luterana querer aderir rigorosamente às crenças e escritos do Reformador, embora em alguns pontos não fosse muito claro o que ele cria.

Depois da morte de Lutero, e durante o século seguinte, houve muitas contendas a fim de obter-se uniformidade no ritual da Igreja Luterana, e para fazê-la mais conforme aos credos das igrejas de outros países. O fanatismo dos padres luteranos pelo seu ritual e pormenores de doutrinas sem importância prejudicou a espiritualidade da igreja. Depressa a Igreja Luterana entrou no estado descrito na carta a Sardo (Ap 3.1): "Tens nome de que vives, e estás morto". De vez em quando Deus levantava testemunhas no meio deste estado morto. Uma destas foi Jacó Spener, um fiel pregador, e outros foram associados com ele. Toda a sua vida foi atacada pelos teólogos e padres luteranos.
 A alcunha "Pietistas" (piedosos) foi dada a estas testemunhas, porque pregavam contra os prazeres mundanos e levianos, e praticavam o que pregavam. Outro homem de Deus foi Augusto Hermann Franck. Ele fundou um orfanato na cidade de Hale no ano de 1691, um posto médico para os pobres, e uma sociedade bíblica. Mais tarde o conde de Zinzendorf começou seu grande serviço. Pertencia a uma família rica, nobre e piedosa. Seu padrinho foi Jacó Spener, e cresceu com o conhecimento do Evangelho. Mas quando era jovem crente, o conde visitava as cidades da Europa (como muitos ricos costumavam fazer, a fim de completar a sua educação) e chegou a Dusseldorf, e, entrando numa galeria de arte, ficou muito impressionado com uma pintura de Cristo crucificado feita no século anterior, e com as seguintes palavras embaixo: "Tudo isto Eu fiz por ti! - Que fazes tu por mim?" Isto produziu uma crise na vida de Zinzendorf, e voltou para casa com desejo ardente de servir ao Senhor.

 O conde interessava-se pelos crentes na Morávia perseguidos pelos governadores da Áustria. Muitos eram descendentes dos seguidores de João Huss: outros elementos foram espalhados pela perseguição no tempo da Reforma. O conde convidou alguns para sua propriedade para fazer uma aldeia modelo, onde houvesse liberdade. No princípio havia brigas e contendas. Séculos de perseguição tornaram estes crentes como fanáticos em defesa de suas doutrinas, e confundiram as questões sem importância com doutrinas fundamentais.
 Alguns concluíram que o bom Conde era mesmo a "Besta" do Apocalipse, e foram visitá-lo para anunciar-lhe este descobrimento. Zinzendorf tratou-os com muita paciência e consideração e, depois de muito ensino, tudo foi harmonizado, e em vez de contenderem, os moravianos começaram a se amarem uns aos outros e a trabalharem juntos. O Conde, com sua família, morava com eles, dando assim bom exemplo de vida cristã em casa. Os moravianos tomaram o nome de "Irmãos Unidos". Zinzendorf queria que eles se associassem à Igreja Luterana e aceitassem seu ritual, mas os irmãos não queriam, e a sua congregação tomou uma forma mais calvinista. Os irmãos tornaram-se em uma sociedade missionária, e muitos deles foram evangelizar como missionários pioneiros em diversas partes do mundo. As despesas eram pagas pelo conde, até que veio a ficar empobrecido.

Zinzendorf também foi perseguido pelas autoridades da Igreja Luterana, mas sofreu tudo com paciência. Foi banido de Saxônia pelas autoridades durante algum tempo, mas sua liberdade depois foi restaurada, e até pediram-lhe que arranjasse mais aldeias modelos como a de Hernhut, onde morava. João Wesley encontrou os missionários moravianos em viagem para a América, e ficou impressionado com o procedimento deste povo, especialmente com a calma que eles mostraram durante uma tempestade.
 No seu regresso à Inglaterra, Wesley assistiu às reuniões dos moravianos em Londres, e ali foi convertido. Wesley visitou Hernhut, a aldeia dos Irmãos Unidos na Alemanha e ficou muito impressionado; mas mais tarde encontrando alguns deles com idéias extravagantes, separou-se deste povo. A doutrina principal que os dividiu foi a da predestinação, pois Zinzendorf era calvinista e Wesley armeniano. Um grande pregador contemporâneo de Zinzendorf foi Hochmann von Hochenau. Sua pregação produziu uma revivificação e muita gente foi convertida, e foi iniciado um movimento espiritual chamado "A Sociedade de Filadélfia". Espalhou-se para outros países e "igrejas de Filadélfia" foram fundadas em muitos lugares, separadas da Igreja estabelecida. A pregação de Hochmann foi o meio da conversão de um jovem estudante chamado Hoffmann, que tornou-se um grande pregador do evangelho, e foi usado na conversão de Gerhard Tersteegen, um escritor de muitos hinos na língua alemã.

A Alemanha sofreu terrivelmente na guerra dos "Trinta Anos", no século XVII (1618-1648) e muito do seu território foi devastado. No século seguinte, as lutas de Frederico, o Grande, chamadas a "Guerra dos Sete Anos", produziram muitos sofrimentos e privações. Durante o século XVIII, o ateísmo espalhava-se pela Alemanha, e o Rei da Prússia (Frederico, o Grande) era amigo de Voltaire, cujos escritos espalhavam sua impiedade.No século seguinte, as guerras de Napoleão impediram o progresso da Alemanha, porque o imperador da França dominava o país. No século XIX, os vários estados da Alemanha ficaram unidos, e o Rei da Prússia foi declarado imperador da Alemanha. Os alemães têm feito grande progresso na indústria, no comércio e na ciência. As leis e a administração eram justas, sem a corrupção que desmoraliza muitos outros países.


Durante a Segunda Grande Guerra, o mundo todo e os melhores elementos na Alemanha protestaram contra a injustiça e a brutalidade da perseguição dos judeus e de alemães que não concordavam com o sistema de opressão. O espírito militar era muito forte na Alemanha, confundindo-se com o patriotismo, e a Igreja Luterana não manifestou poder espiritual para combater esse espírito militarista. A tentativa de Adolfo Hitler de converter a Igreja às suas idéias pagãs produziu resistência da parte de muitos pastores e do povo fiel. Alguns sofreram até a morte para manter o testemunho do Evangelho. A guerra começada no ano 1939 produziu muita miséria no mundo, especialmente na própria Alemanha.


(notas historia do cristianismo, A.Knight e W.Anglin,cpad,2009)