sábado, 30 de agosto de 2014

DIDATICA OS METODOS E AS TECNICAS DE ENSINO


A DIDÁTICA, OS MÉTODOS E AS TÉCNICAS DE ENSINO NA IGREJA

 

1. MÉTODOS DE ENSINO

A palavra método vem do grego, méthodos, com o significado de "caminho para chegar a um fim"; ... "processo ou técnica de ensino" ; "modo de proceder; maneira de agir" . (Dic. Aurélio) . Na prática, os métodos envolvem as técnicas, como forma de operacionalizá-los.

Nas igrejas, de modo geral, os métodos de ensino da Palavra de Deus continuam sendo os mais tradicionais, predominando do MÉTODO EXPOSITIVO. Este, com a unção de Deus, tem efeitos extraordinários no aprendizado. Contudo, outros métodos e técnicas podem ser utilizados nas igrejas, desde que haja condições para isso (pessoal qualificado, recursos materiais, espaço , etc..).

 

De acordo com a Didática, podemos resumir os métodos de ensino em três tipos:

 

Métodos de ensino individualizado:

"A ênfase está na necessidade de se atender às diferenças individuais, como por exemplo ritmo de trabalho, interesses, necessidades, aptidões, etc.". Predominam as atividades individuais (de estudo e pesquisa).

 

Como exemplo, temos as seguintes técnicas: 

Instrução programada (precisa de objetivos definidos, apresentação em pequenas etapas e em seqüência lógica, participação ativa do aluno, o aluno estuda em seu próprio ritmo; bom para um curso bíblico básico.

O estudo dirigido: leva o aluno a aprender a estudar, Ter bons hábitos de estudo, explora o pensamento reflexivo; bom método para estudo da lição da EBD, quando o professor pode trabalhar com a turma, passando exercícios para o Domingo seguinte. 

O ensino por fichas: exige muito trabalho, pois há pelo menos 5 (cinco) tipos de fichas (Ficha de informação, ficha de exercício, ficha de controle, ficha de recuperação e ficha de desenvolvimento) . Na EBD pode ser simplificado, com a distribuição de fichas, com tópicos da lição, numa classe pequena: ficha de informação, com o assunto a ser estudado, ficha de exercício e ficha de avaliação (exige mais trabalho do professor), ou uma ficha única, com informação, exercício e avaliação ; 

O ensino por módulos: nesse método são definidos três elementos; 1) Objetivos educacionais; 2) ensino individualizado e 3) avaliação baseada nos objetivos definidos. 

Métodos de ensino socializado. 

Fundamentam-se na chamada "Dinâmica de Grupos". Visa fortalecer a personalidade do aluno, no trabalho em grupo, dando-lhe capacidade para se integrar na comunidade, na vida coletiva. Os grupos não devem ser muito grandes. (4 a 7 alunos). Os alunos recebem uma tarefa de estudo, e o professor exerce o papel de orientador e supervisor. 

 

- Técnicas de trabalho em grupo:

 

Algumas técnicas grupais podem ser bem aproveitadas nas classes da EBD:

Discussão em pequenos grupos: troca de idéias e opiniões sobre um tema em função da doutrina bíblica: ex. o pecado é o mesmo em todos os países? ; o aborto é justificável em algum caso? (de estupro, por exemplo?).

Discussão dirigida: um problema pode ser apresentado pelo professor e todos os alunos o discutem, sob sua orientação. Ex. Qual o papel das obras para em relação à salvação? Os usos e costumes devem ser preservados? A participação do crente na política, etc.

Dramatização. Tem grande efeito na EBD. Uma classe pode preparar uma dramatização sobre o assunto da lição. Por ex. O clamor dos povos não-alcançados (missões); o valor do perdão; o bom Samaritano, etc.

Seminário. Uma vez a cada período, para jovens e adultos, ao invés de haver classes separadas, pode haver um seminário para o grupo maior, permitindo-se exposição, seguida de perguntas e respostas sobre o assunto da lição;

Painel de debates. Um assunto polêmico pode ser apresentado por pessoas que conheçam bem o tema, e , depois, os alunos podem emitir suas opiniões, sob a coordenação do superintendente da EBD ou de outra pessoa apta para o uso dessa técnica. 

Nas igrejas, é comum o ensino tradicional, embora já existam iniciativas e práticas do ensino moderno. Interessante é notar que JESUS usava métodos e técnicas avançados de ensino. Ele levava o discípulo a aprender a resolver problemas. Na multiplicação dos pães, Ele disse: "Dai-lhes vós de comer..." ( Mt 14.16b). Ele não trabalhava só. Valorizava o GRUPO. Formou um grupo de 12 discípulos para fazer o trabalho com Ele. Incentivava os discípulos a praticar o aprendizado. Enviou 12, de dois em dois; depois, enviou 70, de dois em dois (Lc 10.1).

  

1.3. Métodos de ensino sócio-individualizado

 

Os estudiosos entenderam que o método individualizado e o socializado, utilizados com freqüência, poderiam levar à monotonia. 

Os métodos sócio-individualizados procuram usar com equilíbrio o ensino individualizado e o socializado, visando "balancear a ação grupal e o esforço individual no sentido de promover a adaptação do ensino ao educando e o ajustamento desta ao meio social" (Vilarinho, p. 79). 

As técnicas desse método são, basicamente: a) Método de projetos; b) método de problemas; c) unidades didáticas; d) unidades de experiências e) a pesquisa como atividade discente.

 

Na EBD, os métodos de problemas e pesquisa como atividade discente são os mais aplicáveis.

 

Vale salientar que há diversas técnicas de ensino que podem ser utilizadas, na EBD, sem que sejam necessários gastos excessivos. O mais importante é a "DEDICAÇÃO AO ENSINO" (Rm 12.7b) sob a unção do Espírito Santo. As carências e deficiências podem ser compensada com a graça de Deus.

 

3. OS MATERIAIS (MEIOS) AUXILIARES DE ENSINO

 

São recursos utilizados pelo professor, na execução de um método ou técnica de ensino, visando "auxiliar o educando a realizar sua aprendizagem de modo mais efetivo"... "um instrumento para a consecução dos objetivos traçados" no plano de aula. São os recursos audiovisuais. 

Nas igrejas, o ensino é preponderantemente expositivo. O professor fala e os alunos escutam. Há obreiros que não admitem o uso de audiovisual no templo. De modo geral, pouco uso se faz dos meios ou materiais auxiliares do ensino. Com isso, a qualidade do ensino tende a ficar aquém do desejável, pois a mensagem é transmitida de modo inadequado. A pregação pode ser somente expositiva e alcançar o objetivo, pela unção do Espírito Santo. O ensino, no entanto, deveria valorizar mais os meios materiais. 

Os materiais auxiliares são variados, e podem ser utilizados de acordo com as condições de cada igreja local. Dentre esses, temos

 

régua, lápis, borracha, giz, pincéis, massas, tesouras, cartolina , agulha, tecido;

 

cartazes, álbum seriado, slides, filmes, fotografias, fluxogramas; 

livros, revistas, dicionários, textos; 

discos, CD´s, fitas cassete, gravadores, rádio, globos, flanelógrafo, quadro de pregas, transparências, retroprojetores, monitor de vídeo, projetor de multimídia, computador, etc. 

Os meios auxiliares de ensino podem ajudar na transmissão didática do ensino, com as seguintes vantagens (EETAD, p. 87):

 

- Ajudam a captar a atenção; 

- Ajudam a manter o interesse; 

- Ajudam a aclarar as idéias; 

- Ajudam a reter a aprendizagem. 

Um provérbio chinês diz: "O que eu ouço, esqueço; o que eu vejo, lembro; se eu faço, aprendo". 

Estudiosos afirmam que a aprendizagem ocorre por meio dos cinco sentidos: 

1 % pelo paladar;

1,5% pelo tato

3,5% pelo cheiro

11 % pela audição

83% pela visão

 

Outros estudos mostram o valor da combinação entre o ouvir e o ver: 

Métodos de comunicação

Lembrança três

horas depois

Lembrança três

dias depois

Quando o professor só fala

70%

10%

Quando o professor só mostra

72%

20%

Quando o professor fala e mostra

85%

65% 

 

         4. O ASPECTO ESPIRITUAL DA DIDÁTICA CRISTÃ

 

Jesus disse: "Sem mim, nada podeis fazer" (Jo 15.5) . Com essa afirmação, o Senhor quer dizer-nos que, sem seu poder, sua direção, sua unção, nada podemos fazer de real, efetivo e eficaz. S. Paulo, um excelente mestre nas Escrituras, tinha a convicção disso, quando afirmou: "Ele é o que opera em vós tanto o querer quanto o efetuar" (Fp 2.13) . 

O professor, na igreja, pode ser formado, com curso de graduação, especialização, mestrado e até doutorado em Educação. Entretanto, se não tiver a unção do Espírito Santo, seu ensino não atingirá os objetivos. O Espírito Santo é o Professor invisível da igreja. Jesus disse: "Mas aquele consolador...esse vos ensinará todas as coisas.... (Jo 14.26)  

O professor da EBD é um obreiro a serviço do ensino na igreja local. Diante disso, deve ser pessoa de oração, dedicada ao ensino, sendo exemplo para os alunos. Sua conduta, diante da classe, e na vida pessoal, é fundamental para que os alunos se interessem em ir à igreja, para ouvir a ministração das lições a serem ensinadas. O maior desafio ao professor está contido em Rm 12.7: "...se é ensinar, que haja dedicação ao ensino". No novo milênio, que se prenuncia cheio de desafios culturais, éticos e educacionais, é necessário que o professor da EBD procure, dentro da realidade da igreja local, preparar-se melhor para desincumbir-se da abençoada e difícil tarefa de ensinar a Palavra de Deus a seus alunos. 

BIBLIOGRAFIA 

- BÍBLIA SAGRADA, Ed. Revista e Corrigida. Editora VIDA, S. Paulo, 1982.

- CGADB. Diretrizes e Bases da Educação Religiosa nas Assembléias de Deus no Brasil. CPAD, Rio, 1988.

- EETAD, A Educação Cristã. Campinas, SP. 

- GANGEL, Keneth & HENDRICKS, Howard G. Manual do Ensino, CPAD, Rio, 1999. 

- GILBERTO, Antônio. Manual da Escola Dominical. CPAD, Rio, 17a. Ed, 1997. 

- GREGORY, John Milton. As sete leis do ensino. JUERP, Rio , 1977. 

- GRIGGS, Donald L. Ensinando professores a ensinar. Ed. Presbiteriana, S. Paulo, 1987. 

- VILARINHO, Lúcia Regina Goulart. Didática. LTC, S. Paulo, 1979. 

 

 FONTE euvoupraebd.blogspot

Nenhum comentário:

Postar um comentário