terça-feira, 21 de julho de 2015

lições biblicas Betel o milagre 3 trim-2015 n.4 26/7/2015

 

                                      ESCOLA DOMINICAL - 

                 Conteúdo da Lição 4 - Revista da Editora Betel 



                               O Milagre da Filha de Jairo

                                     26 de julho de 2015 

Texto Áureo

“E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno”. Apocalipse 1.18 

Verdade Aplicada. 

Jesus entrou na casa de Jairo para ressuscitar o que estava morto. Essa é a proposta do Evangelho: dar vida com abundância a todo o que nEle crer. 

Textos de Referência.

 

Marcos 5.22-24, 35-36.

22 E eis que chegou um dos principais da sinagoga, por nome Jairo, e, vendo-o, prostrou-se aos seus pés,

23 E rogava-lhe muito, dizendo: Minha filha está moribunda; rogo-te que venhas e lhe imponhas as mãos para que sare, e viva.

24 E foi com ele, e seguia-o uma grande multidão, que o apertava.

35 Estando ele ainda falando, chegaram alguns do principal da sinagoga, a quem disseram: A tua filha está morta; para que enfadas mais o Mestre?

36 E Jesus, tendo ouvido essas palavras, disse ao principal da sinagoga: Não temas, crê somente.

 

INTRODUÇÃO

 

Jairo era líder de uma sinagoga. Foi um homem que abandonou tudo, até mesmo seus conceitos religiosos e se dispôs a ir até Jesus em busca de uma solução para a enfermidade de sua filha (Mc 5.22).

 

1. Jairo, o líder de uma sinagoga.

 

Ao chegar diante de Jesus, Jairo lhe faz um pedido de socorro que comove o coração de Jesus. Ele diz: “Minha filha está moribunda; rogo-te que venhas e lhe imponhas as mãos, para que sare, e viva” (Mc 5.23). Sua afirmação revela a fé pelo qual foi até Jesus em busca de um milagre.

 

1.1. Deixando de lado a religiosidade.

 

Pedir ajuda a Jesus publicamente não foi para Jairo uma fácil tarefa, visto que os líderes religiosos que se opunham a Cristo certamente não aprovariam essa atitude, nem mesmo os líderes da sinagoga. Aquilo que Jesus havia feito e ensinado na sinagoga havia provocado a ira dos escribas e fariseus, alguns dos quais provavelmente eram amigos de Jairo. Porém como tantas outras pessoas que se aproximaram de Jesus, Jairo estava desesperado. Preferia perder os amigos a perder sua filha (Mc 5.23).

 

1.2. Jairo, o principal da sinagoga.

 

Jairo era o chefe administrativo da sinagoga. Ele era responsável pela direção dos serviços, presidia a junta de anciãos e zelava pelo bom funcionamento da sinagoga. Era responsável pela atribuição de obrigações e de cuidar que fossem levados a cabo com toda correção e em ordem. O principal da sinagoga era um dos homens mais importantes e mais respeitados da comunidade (Lc 8.41). Jairo nos chama a atenção porque prostrar-se aos pés de Jesus diante de uma multidão representava um significativo ato de adoração e respeito. Era um público pedido de ajuda e uma declaração de que somente Jesus tinha a solução (Mt 21.22; Mc 1.15; 5.22, 23).

 

1.3. Duas grandes realidades.

Estes versículos nos ensinam duas grandes realidades. A primeira é que a posição de autoridade não isenta ninguém de ser atingido pela tristeza. Jairo era um “dos principais da sinagoga”. Mesmo assim, a enfermidade e a tristeza invadiram seu lar. Ele provavelmente tinha riquezas e toda ajuda médica que essas riquezas pudessem obter. No entanto, o dinheiro não pode manter a morte longe de sua filhinha. A morte chega tanto aos palácios quanto as comunidades; tanto aos ricos quanto aos pobres. A morte não tem a menor cerimônia. Fechaduras e barras de ferro não podem impedi-la de entrar (Hb 9.27). A segunda foi dita pelo próprio por Jairo em sua súplica: “Jesus pode dar vida, pois somente Ele tem a chave da morte” (Mc 5.23; Ap 1.18).

 

2. Alcançando milagres.

 

Enquanto Jairo se aproxima de Jesus e relata o que estava acontecendo com sua filha, a multidão começou a apertá-los e, durante o tempo em que Jesus socorria a mulher do fluxo de sangue, Jairo é informado que sua filha havia morrido e que deveria parar de incomodar o Mestre (Mc 5.35).

 

2.1. Quando tudo parece contrário.

 

Ao recorrer a Jesus, a situação da filha de Jairo era descrita como uma grave enfermidade, mas a notícia de sua morte acontece no momento em que Jesus está prestes a atendê-lo. Primeiro, a multidão; depois o tempo gasto na cura da mulher; e, agora que parecia tudo caminhar para a solução, essa indesejável notícia. Os acontecimentos nos levam a crer que Jesus permitiu que o tempo acabasse para Jairo. Mas, por que o fez? O que esperava ver em Jairo? O mesmo que espera ver em nós para que milagres se tornem coisas normais em nossos dias: uma esperança que se estenda além dos portais da morte que ultrapasse o limite da desesperança (Rm 4.17, 18).

 

2.2. Ele tem a última palavra.

 

Jesus não era tão fácil como oferecemos hoje em dia para as pessoas. Não era qualquer pessoa que o convencia a entrar em sua vida (casa) e Jairo teve que ir até as últimas para alcançar o bem que desejava. Alguns teólogos afirmam que as palavras de Jairo soavam como uma ordem, visto que era um líder conceituado e, talvez, por isso, tenha chegado a tais circunstâncias (Mc 5.22, 23). Jairo era o contraste, um nobre em meio à plebe, porque não eram os nobres e afortunados que rodeavam Jesus em busca de um milagre. Quando se acabam as esperanças, Jairo não tem mais motivos para dirigir os passos de Jesus. Então, o Mestre é quem se oferece, dizendo: “Não tenha medo, apenas acredite. “ (Mc 5.39).

 

2.3. Ela apenas dorme.

 

Jairo recebeu uma notícia definitiva que acaba de vez com todas as suas esperanças: “Estando ele ainda falando, chegou um dos do príncipe da sinagoga, dizendo: A tua filha está morta, não incomode o Mestre” (Lc 8.49). Quantas vezes, quando estamos perto de Jesus e prestes a alcançar um milagre pelo qual tanto lutamos e nos humilhamos, não recebemos tristes notícias como essa? “O teu ministério morreu, acabou; o teu filho morreu; seu casamento acabou. Acabaram suas esperanças, foi melhor assim”. Entenda que Jesus nunca desiste das nossas vidas. Tenha em mente que todas essas palavras não significam absolutamente nada para Jesus. Ele é a vida ressurreta para tudo aquilo que achamos estar morto (Mc 5.36).

 

3. Desafiando o poder da morte.

 

Quando tudo parecia perdido, Jesus se dispõe a ir à casa de Jairo, dizendo-lhe que a menina apenas estava dormindo. Naquele dia, Jairo e toda sua família iriam presenciar algo maior que a cura da enfermidade de sua filha. Eles a veriam retornar de entre os mortos (Mc 5.41).

 

3.1. Ele ouviu toda a conversa.

 

“E Jesus, tendo ouvido estas palavras, disse ao principal da sinagoga: Não temas, crê somente.” (Mc 5.36). Jesus estava atento ao que acontecia com Jairo e, antes que a desesperança tomasse conta de todo o seu ser, Ele resolveu entrar em sua história e mudar todo o veredito contrário de sua vida. Isso também acontece em nossos dias. Nossa vida não difere muita da de Jairo, principalmente quando as coisas resolvem fugir do nosso controle, quando parece que Jesus ouve a todos, menos a nós. No entanto, devemos crer que Ele não mudou e que, com esse mesmo poder, vira em nosso auxílio (Sl 46.1).

 

3.2. Menina, a ti te digo, levanta-te.

 

Segundo o relato do Dr. Lightfoot, descrito por William Barclay, somos informados que era costume dos médicos, ao ministrarem remédios para alguém, dizer: “Levante-se desta doença”. Em outras palavras, era como se dissessem: “Nós desejamos que você consiga se levantar”. A diferença entre a medicina humana e a divina é que Jesus curava apenas pela palavra proferida. E, não somente isso, Sua autoridade era tão poderosa e efetiva que até dos mortos uma pessoa voltava à vida. Jairo esperou, mas não voltou para casa sem trazer consigo a solução (Mc 5.36-42).

 

3.3. Ação antes do milagre.

 

Jesus já havia preparado o espírito de Jairo para crer, quando expôs publicamente a cura da mulher do fluxo de sangue. O problema era convencer as pessoas que estavam na casa de Jairo. Aqueles homens e mulheres pensavam que Jesus não sabia o que estava fazendo, quando Ele lhes pediu calma, ao dizer que a situação estava sob controle (Mc 5.39). É preciso compreender que os risos representam a incredulidade. Por esta razão, Jesus expulsou a todos. O Mestre permitiu que ficasse no ambiente somente aqueles que estavam no mesmo nível de fé que Ele estava (Mc 5.40).

 

CONCLUSÃO


Aprendemos nesta lição que nosso Senhor Jesus entrou na casa de Jairo para dar vida. Quem sabe não estejamos precisando de uma visita como essa em nossos lares? Existem muitas coisas em nossas casas que morreram com o passar dos tempos e que precisam ressuscitar outra vez (Jo 11.25).

lições biblicas CPAD jovens 3 trim-2015 n.4

                               

        ESCOLA DOMINICAL - Conteúdo da Lição 4                                       Revista da CPAD - JOVENS 

A Era da Informação Instantânea
26 de julho de 2015




Texto do dia.
"Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento." (Pv 3.13)

Síntese.
A nossa opinião deve estar subordinada à Palavra de Deus, e não ao que é veiculado pela mídia

Texto bíblico

Êxodo 35.30-35

30. Depois, disse Moisés aos filhos de Israel: Eis que o SENHOR tem chamado por nome a Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá.
31. E o Espírito de Deus o encheu de sabedoria, entendimento e ciência em todo artifício,
32. e para inventar invenções, para trabalhar em ouro, e em prata, e em cobre,
33. e em artifício de pedras para engastar, e em artifício de madeira, para trabalhar em toda obra esmerada.
34. Também lhe tem disposto o coração para ensinar a outros, a ele e a Aoliabe, filho de Aisamaque, da tribo de Dã.
35. Encheu-os de sabedoria do coração, para fazer toda obra de mestre, e a mais engenhosa, e a do bordador, em pano azul, e em púrpura, e em carmesim, e em linho fino, e a do tecelão, fazendo toda obra e inventando invenções.

INTRODUÇÃO

A lição de hoje trata de um assunto atualíssimo que é o amplo acesso à informação. Tal realidade só se tornou possível por causa das novas tecnologias que proporcionam aos meios de comunicação uma maneira quase "onipresente" de informar. Reconhecer que o excesso de informação é um perigo não significa rejeitar o saber e apoiar o obscurantismo. Se o Criador dotou-nos de condições físicas e mentais para que conheçamos e produzamos conhecimento, obviamente que não iria condenar-nos por isso (Gn 1.26-28; 2.15,19,20; Dn 1.17). Contudo, é preciso preocupar-se com a qualidade da informação que recebemos, pois, a partir dela, acabamos formando nossa opinião acerca de praticamente tudo à nossa volta (Fp 4.8).

I - AS INVENÇÕES ANTES E DEPOIS DA QUEDA

1. O trabalho como forma de administração da terra. 
Dizer que o trabalho é uma consequência da Queda significa contrariar a Palavra de Deus, pois vemos explicitamente que o Criador, antes da desobediência de Adão e Eva (Gn 3.6), ordenou ao homem que cuidasse da terra (Gn 2.15). Ao obedecer à ordem divina, o homem glorificava o seu Criador, da mesma forma como tudo o mais que existe no Universo (Sl 148). Evidentemente que, para trabalhar, infere-se que o homem precisou inventar ferramentas, assim como será no período do reino milenial de Cristo (Mq 4.3).

2. Invenções que afrontam a Deus.
O saber dado ao homem deve proporcionar o bem a todos e igualmente refletir a imagem do Criador em nós (Mc 2.17; Gl 6.10; Tg 3.9). Contudo, a torre de Babel, por exemplo, proporciona-nos uma visão do que significa inventar ou produzir como forma de afrontar a Deus (Gn 11.1-6).

3. A arte divinamente inspirada.
Quando da elaboração do projeto divino do Tabernáculo, Deus, por intermédio do seu Espírito, inspirou dois homens - Bezalel e Aoliabe - enchendo-os de "sabedoria do coração, para fazer toda obra de mestre, e a mais engenhosa, e a do bordador, em pano azul, e em púrpura, e em carmesim, e em linho fino, e a do tecelão, fazendo toda obra e inventando invenções" (Êx 35.35).
O exemplo de ambos ensina-nos que Deus, mesmo após a Queda, continua permitindo que as pessoas projetem "invenções" e ensinem outras a fazerem o mesmo, porém, tal conhecimento não deve servir para manipulações, antes para engrandecer ao Altíssimo (1 Co 10.31).

Pense
Você acredita que, com o seu trabalho, pode tornar o mundo um lugar melhor?

II - O CONSUMISMO TECNOLÓGICO

1. A quase ilimitada capacidade humana de projetar invenções.
Já em seu tempo, Salomão reconheceu que "não há limite para fazer livros" (Ec 12.12). Em nossos dias, as invenções multiplicam-se em escala inimaginável. Uma vez que o Altíssimo faz com que "o seu sol se levante sobre maus e bons e a chuva desça sobre justos e injustos" (Mt 5.45), através da graça comum, que é a capacidade com a qual o Criador dotou-nos para que tenhamos conhecimento e assim projetemos invenções, não é difícil pressupor o que acontece em uma sociedade divorciada do temor de Deus. A produção tecnológica, muitas vezes, não é pensada com vistas a meramente facilitar a vida das pessoas, pois, muito mais que utilidade, os aparelhos e as tecnologias são símbolos de ascensão e inclusão sociais que distinguem as pessoas.

2. O assombroso crescimento tecnológico.
As modernas invenções tecnológicas deste novo século denotam que chegamos a um período sem precedente (Dn 12.4). Como exemplo, temos: laptops cada vez menores e mais leves, porém, com mais capacidade de armazenamento de informações; smartphones; palmtops; ipads; ipods; TVs de plasma, LED e de LCD, convencionais e também em 2, 3 e já se fala em até 4 Ds; MP 15; GPS; etc.
Quem se lembra de disquete, disco de vinil, fita cassete e VHS ou ainda retroprojetor? Todas essas tecnologias faziam parte do nosso cotidiano, porém, foram substituídas por outras mídias que não apenas têm a mesma função das anteriores, mas as suplantam e transcendem.

3. O perigo do consumismo tecnológico.
A Palavra de Deus em Isaías 55.2a, adverte-nos: "Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão, e o vosso suor, naquilo que não satisfaz?" (ARA). Infelizmente, não poucos servos do Senhor encontram-se endividados por atenderem aos apelos da mídia. O celular ainda não foi utilizado e já se torna obsoleto com o novo modelo que acabou de ser lançado. O computador mal foi tirado da embalagem, quando uma nova propaganda surge dando conta de que o mais "inteligente" é o que sairá no mês que vem. Assim, em um ritmo cada vez mais frenético, se não tivermos cuidado, tornamo-nos reféns de um consumismo eletrônico que não se justifica.

Pense
Existe forma de prevenção contra o consumismo tecnológico?

Ponto Importante
É imprescindível que, em termos de consumo eletrônico, saibamos administrar os impulsos para não sermos compelidos a comprar desnecessariamente.

III - A MANIPULAÇÃO MIDIÁTICA DA MENTE

1. Analfabetismo digital.
O aumento do acesso à informação é algo que vem em ritmo crescente desde os últimos vinte anos. Contudo, foi mesmo nesta primeira década do século 21 que a internet deixou de ser algo apenas remoto e limitado aos aparelhos de "fax-modem" com acesso discado, para acesso irrestrito através das "redes sem fio" (Wi-Fi e Wireless).
Já não é mais preciso estar em casa para acessar a grande rede e verificar o e-mail ou conferir as notícias. É por isso que, constantemente, ouve-se afirmar que o analfabeto do século 21 não é quem não sabe ler, e sim a pessoa que não sabe lidar com as novas tecnologias.
O tempo passa a ser completa e totalmente roubado com o excesso de envolvimento com as tecnologias, trazendo até mesmo problemas profissionais e familiares. Na realidade, pesquisas já apontam que o tempo que as pessoas passam conectadas à internet ultrapassa o período dedicado à vida normal. Nestes tempos trabalhosos, até mesmo a infidelidade conjugal tornou-se facilitada (2 Tm 3.1). É preciso redobrar a vigilância com o uso da tecnologia.

2. O excesso de informação na era digital.
Sabe-se que atualmente a quantidade de informação que recebemos em apenas um dia é a mesma que uma pessoa levaria a vida inteira para obter na Idade Média! É preciso que submetamos tais informações ao crivo da Bíblia, pois senão corremos o risco de nos tornarmos secularizados (Fp 4.8).
Além disso, é preciso cuidar-se para não formar opiniões unilaterais baseadas unicamente no que é veiculado pelas agências de notícias (1 Ts 5.21). Por falta de esclarecimento, muitos passam a defender coisas erradas, inverídicas ou até mesmo certas, mas de forma equivocada.

3. A mentalidade atual formada pela mídia. 
A mentalidade do povo é formada pela mídia. Ela dita-lhe as modas e os pensamentos. Entretanto, a Bíblia recomenda-nos que não nos amoldemos ou tomemos a forma do sistema pecaminoso, mas que nos transformemos pela renovação do entendimento (Rm 12.2). O nosso padrão e modelo de vida é Jesus Cristo (Ef 4.13), e também as palavras que são consoantes à sã doutrina (1 Tm 6.3; 2 Tm 1.13), e não o que pensa determinado político, artista, pensador e até mesmo obreiro que não falar conforme a Palavra do Evangelho (Gl 1.8,9,13).

Pense
É possível utilizar as novas tecnologias de forma racional e cristã?

Ponto Importante
Uma vez que a nossa opinião é formada com base nas informações que absorvemos nos diversos meios, precisamos desenvolver uma atitude crítica na triagem de tais conteúdos.

IV - AS REDES SOCIAIS E OS RELACIONAMENTOS

1. Comunicação humana.
Sendo um ser social, o ser humano depende de outros para sobreviver. Desde o Éden, o próprio Criador disse: "Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele" (Gn 2.18b). Ora, se a própria Palavra de Deus diz que o Criador "visitava" o homem na "viração do dia" (Gn 3.8), como poderia este estar só? A única explicação é o fato de que o ser humano foi criado como um ser gregário e sociável, tendo necessidade de comunicar-se (Gn 2.20-25).

2. Comunicação antiga.
Em seus primórdios, certamente a comunicação só se fazia de forma presencial. Posteriormente, a humanidade foi desenvolvendo outras maneiras, mas o fato incontestável é que o ser humano tem essa necessidade de relacionar-se.

3. Comunicação atual. 
Nada pode ser comparado aos modelos de comunicação criados no século 21. É uma verdadeira revolução no âmbito comunicativo. Através das chamadas redes sociais, primeiramente com o extinto Orkut, suplantado pelo Facebook. Atualmente, existem muitos outros canais (Twitter, por exemplo), sendo o WhatsApp a sensação do momento. Entretanto, curiosamente, as pessoas tornaram-se mais distantes. As redes sociais "aproximam" os distantes e "distanciam" os próximos! Eis um dos grandes desafios da Igreja nesse século 21.

Pense
Como comunicar-se com os de "fora" sem perder o contato com os de "dentro"?

Ponto Importante
A utilização consciente das redes sociais é um fator importantíssimo nos dias atuais.

CONCLUSÃO

O que objetivou a presente lição não foi demonizar a tecnologia, a mídia ou o saber. A advertência caminha apenas no sentido de alertar o povo de Deus para a verdade de que devemos, assim como Daniel e seus três amigos, influenciar, mas não sermos influenciados (Dn 3.29; 6.26). O excesso de informação ameaça mudar a nossa forma de pensar, porém devemos levar "cativo todo pensamento à obediência de Cristo" (2 Co 10.5 - ARA). Eis o nosso desafio.

Escola dominical lições CPAD 3 trim-2015 n.4



                                              Lições Bíblicas CPAD                                                 Adultos    3º Trimestre de 2015


                                              
                                

Título: A Igreja e o seu Testemunho — As ordenanças de Cristo nas cartas pastorais
Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima 

Lição 4: Pastores e Diáconos
Data: 26 de Julho de 2015

TEXTO ÁUREO

Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar (1Tm 3.2).

VERDADE PRÁTICA

Os pastores e os diáconos são líderes, escolhidos por Deus, através do ministério, para cuidarem do serviço cristão na igreja local.

LEITURA DIÁRIA

Segunda — Fp 1.1
Saudação a todos os servos de Jesus Cristo


Terça — Mt 20.28
Jesus veio não para ser servido, mas para servir


Quarta — Mt 27.55,56
Mulheres que serviam a Jesus com dedicação


Quinta — Jo 12.26
Deus honra a quem serve a Jesus com sinceridade


Sexta — 1Tm 2.10
Mulheres que servem a Deus com boas obras


Sábado — At 20.28
Constituídos para apascentar o rebanho de Deus

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

1 Timóteo 3.1-4,8-13.

1 — Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja.
2 — Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;
3 — não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento;
4 — que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia.
8 — Da mesma sorte os diáconos sejam honestos, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância,
9 — guardando o mistério da fé em uma pura consciência.
10 — E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis.
11 — Da mesma sorte as mulheres sejam honestas, não maldizentes, sóbrias e fiéis em tudo.
12 — Os diáconos sejam maridos de uma mulher e governem bem seus filhos e suas próprias casas.
13 — Porque os que servirem bem como diáconos adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.

HINOS SUGERIDOS

337, 363, 600 da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL

Promover a conscientização de que o pastorado e a diaconia são ministérios dados por Deus.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

  • I. Tratar a respeito do episcopado.
  • II. Apresentar as qualificações e atribuições de um líder.
  • III. Refletir a respeito do diaconato.
  • IV. Conscientizar-se de que o serviço é a razão de ser do ministério.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Na lição de hoje estudaremos a respeito dos pastores e diáconos. A palavra grega usada para bispo no capítulo três de 1 Timóteo é episkopos. Esta mesma palavra é utilizada como sinônimo de presbítero e ancião. Paulo mostra que aqueles que desejam o episcopado, excelente obra desejam. Porém, logo a seguir ele apresenta as qualificações morais e espirituais que este ministério exige. Paulo relaciona quinze qualificações que podem ser vistas dos versículos 2 a 7 do capítulo três. Estas qualificações não são obtidas nos seminários ou nos bancos das universidades, mas são resultados de um caráter transformado e regenerado pelo Senhor Jesus. O líder é alguém que influencia as pessoas, por isso, precisa ser exemplo. É necessário que ele tenha uma vida ilibada e esteja disposto a servir, pois ser líder é acima de tudo ser servo.

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Paulo dá início ao capítulo três da Primeira Epístola de Timóteo, falando a respeito do trabalho pastoral. Ser pastor não é abraçar uma profissão, mas um ministério divino cuja função primordial é cuidar das ovelhas do Senhor. Nenhum pastor tem condições de cuidar do rebanho sozinho. São necessários ajudantes, por isso, neste mesmo capítulo, o apóstolo Paulo fala a respeito do diaconato.
Na lição de hoje estudaremos a respeito do pastorado e do diaconato, duas funções de extrema importância para o crescimento do Reino de Deus.


PONTO CENTRAL

Deus vocaciona e separa homens para o diaconato e para o ministério pastoral.


I. QUEM DESEJA O EPISCOPADO

1. “Excelente obra deseja”. “Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja” (v.1). Em sua carta a Timóteo, Paulo assevera que almejar o episcopado, ou seja, o pastorado é aspirar uma obra excelente. Contudo, é importante ressaltar que a função pastoral não é uma profissão ou um meio para ascender social e economicamente.
2. A chamada. O ministério pastoral vem de Deus. É Ele que escolhe. Muitos são escolhidos e separados apenas pelos homens, mas não por Deus. Paulo afirma que foi chamado pelo Senhor desde o ventre de sua mãe (Gl 1.15). Deus também vocacionou Jeremias para ser profeta antes do seu nascimento (Jr 1.5). Quem é chamado não só tem a convicção do convite, mas apresenta um perfil que agrada a Deus.
3. O preparo. Deus chama, porém, o preparo cabe aos seus servos. O pastor precisa ter conhecimento bíblico (o que deve saber), teológico e habilidades ministeriais (o que deve ser capaz de fazer). Seu preparo não termina quando conclui um seminário teológico, mas se dá durante toda a sua jornada. Em o Novo Testamento vemos que os apóstolos foram chamados, mas só foram enviados após algum tempo de aprendizado com Jesus (Mc 6.7; Mt 10.16; Lc 10.1). O exemplo de Paulo também é bem significativo. Ele foi chamado, já possuía o conhecimento da Lei, pois teve como professor o renomado Gamaliel, mas partiu para a Arábia e ali ficou três anos se preparando para exercer seu ministério junto aos gentios (Gl 1.17,18). Paulo foi enviado pelo Espírito Santo (At 13.4).


SÍNTESE DO TÓPICO (I)

Almejar o episcopado é aspirar uma obra excelente.


SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO

“Se algum homem deseja ser ‘bispo’, deseja um encargo nobre e importante. É necessário, porém, que essa aspiração seja confirmada pela Palavra de Deus (1Tm 3.1-10; 4.12) e pela igreja, porque Deus estabeleceu para a igreja certos requisitos específicos. Quem se disser chamado por Deus para o trabalho pastoral deve ser aprovado pela igreja segundo os padrões bíblicos. Isso significa que a igreja não deve aceitar pessoa alguma para a obra ministerial tendo por base apenas seu desejo, sua escolaridade, sua espiritualidade, ou porque essa pessoa acha que tem uma visão ou chamada. A igreja da atualidade não tem o direito de reduzir esses preceitos que Deus estabeleceu mediante o Espírito Santo. Eles estão plenamente em vigor e devem ser observados por amor ao nome de Deus, ao seu reino e da honra e credibilidade da elevada posição de ministro.
Os padrões bíblicos do pastor, são principalmente morais e espirituais. O caráter íntegro de quem aspira ser pastor de uma igreja é mais importante do que personalidade influente, dotes de pregação, capacidade administrativa ou graus acadêmicos. O enfoque das qualificações ministeriais concentra-se no comportamento daqueles que perseveram na sabedoria divina, nas decisões acertadas e na santidade devida. Os que aspiram ao pastorado sejam primeiro provados quanto à sua trajetória espiritual (cf. 3.10). Partindo daí, o Espírito Santo estabelece o elevado padrão para o candidato, [isto é] que ele precisa ser um crente que se tenha mantido firme e fiel a Jesus Cristo e aos seus princípios de retidão, e que por isso pode servir como exemplo de fidelidade, veracidade, honestidade e pureza. Noutras palavras, seu caráter deve demonstrar o ensino de Cristo em Mateus 25.21 de que ser ‘fiel sobre o pouco’ conduz à posição de governar ‘sobre o muito’” (Bíblia de Estudo Pentecostal. RJ: CPAD, p.1867).




II. QUALIFICAÇÕES E ATRIBUIÇÕES DOS PASTORES E DIÁCONOS (3.1-13)

1. Atribuições dos pastores (vv.1-7). Os que almejam o pastorado necessitam conhecer as atribuições e qualificações que tal atividade exige. Na hora da escolha de um candidato ao santo ministério da Palavra, o líder e a igreja de um modo geral precisam ver no aspirante algumas características.
2. Qualificações espirituais e ministeriais. Paulo apresenta uma lista de 15 qualificações. A primeira, como não poderia deixar de ser, é ter uma vida irrepreensível (v.2), ou seja, santa. Viver em santidade não é fácil, mas é possível, pois o Espírito que no crente habita quer operar a santificação. O pastor é o exemplo para o rebanho, por isso, precisa ter uma vida ilibada. O pastor também precisa ter conhecimento bíblico, sendo “apto a ensinar” (3.2); ter bom testemunho diante da igreja e dos descrentes (3.7); não ser neófito, inexperiente (3.6).
3. Qualificações familiares. Ser casado e ter uma vida conjugal saudável (3.2). O pastor deve amar sua esposa “como Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela” (Ef 5.25). Precisa governar bem toda a sua família, seus filhos precisam ser crentes e darem bom testemunho (3.4). Se o pastor não cuida da sua família, que é seu primeiro rebanho, como cuidará do rebanho do Senhor?
4. Qualificações morais. Ser honesto, sincero, verdadeiro (3.2); hospitaleiro, ou acolhedor, sabendo tratar bem as pessoas (3.2); não dado ao vinho, não usuário de bebidas alcoólicas (3.3); não espancador, ou seja não violento, agressivo (3.3; Gl 5.22); não cobiçoso nem ganancioso (3.3); ser sóbrio (3.2), simples, moderado (3.3); não contencioso (3.2; 2Tm 2.24); não avarento (3.3; 6.10). Infelizmente, há igrejas que desprezam esses aspectos na hora de separar pessoas ao ministério pastoral.


SÍNTESE DO TÓPICO (II)

A Palavra de Deus mostra as qualificações que os que almejam o diaconato e o pastorado precisam ter.


SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO

Quinze qualificações (3.2-7). Os versículos relacionam 15 qualidades a serem consideradas quando da seleção de bispos. Observe que entre as qualificações, não aparece a capacitação em seminário ou a posse de algum dom espiritual em particular. Observe o breve esboço do caráter do bispo (3.2-7).
• Irrepreensível: inteiramente fiel à sua esposa;
• Esposo de uma só mulher: inteiramente fiel à sua mulher;
• Temperante: sóbrio, solícito e modesto;
• Domínio próprio: discipulado, moderado;
• Respeitável: modesto, honrado, bem-comportado;
• Hospitaleiro: que recebe bem os visitantes;
• Apto para ensinar: capacitado a explicar e aplicar os ensinamentos;
• Não dado à embriaguez: não dado ao vinho;
• Não violento: não dado à hostilidade, ao antagonismo;
• Gentil: bondoso, razoável, de boa família;
• Não contencioso: não combativo, inimigo de contendas;
• Não avarento: preocupado com as pessoas, não com as finanças;
• Bom governante de sua família: administra a vida familiar;
•Não seja um recém-convertido: maduro e humilde;
• Reputação imaculada: admitido pelos de fora”
(RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10ª Edição. RJ: CPAD, 2012, p.835).


III. O DIACONATO (8-13)

1. Os diáconos. A palavra diácono significa “aquele que serve”. Assim como o pastor, eles são chamados para servir à Igreja do Senhor. Os diáconos tiveram e têm um papel muito importante no crescimento da Igreja. Infelizmente, hoje em algumas igrejas, o ofício de diácono parece ter perdido sua importância. Em geral, são chamados para essa função os novos crentes, todavia, esse não é o padrão do Novo Testamento.
2. Chamado para servir. Assim como os pastores, aqueles que almejam o diaconato precisam ter o desejo de servir a Deus e aos irmãos. Hoje muitos querem ser servidos, mas poucos seguem o exemplo de Jesus e querem servir.
Em Atos 6.1-7 encontramos várias qualificações que foram exigidas dos primeiros diáconos. Porém, na sua carta a Timóteo, Paulo indica outros importantes requisitos para o diaconato.
3. Qualificações. Aqueles que exercem a função de diácono necessitam ser honestos, não de língua dobre (mentiroso, fofoqueiro), não dado ao vinho (que não tenha nenhum tipo de vício), não cobiçoso, ganancioso, tendo uma boa consciência, que governem bem sua família (vv.8,9,12). Você tem estas qualificações? O ministério cristão é algo muito sério.


SÍNTESE DO TÓPICO (III)

Cabe ao diácono servir a Igreja do Senhor.


IV. SERVIÇO — RAZÃO DE SER DO MINISTÉRIO

1. O exemplo do Mestre. Para cumprir sua missão sacrificial em favor dos homens, Jesus despojou-se temporariamente de sua glória plena (Jo 17.14; Fp 2.5-10). Paulo diz que Ele assumiu a forma de servo, mais que isso, a forma de escravo (Fp 2.6-8). Jesus lavou os pés dos discípulos para lhes ensinar uma importante lição. Sendo Ele Senhor e Salvador, deu prova de que se comportava como servo (Jo 13.4,5).
2. O exemplo de Paulo. Paulo era um servo fiel. Após seu encontro com Jesus sua vida foi utilizada em prol da Igreja. Ele não mediu esforços para servir. Sua pregação foi sempre autêntica. Ele jamais usou de fraudulência. Hoje há muitos falsos obreiros que se aproveitam dos fiéis e da Igreja para obter ganho financeiro. Um dos requisitos recomendados por Paulo a quem deseja ser pastor é ser obreiro “não cobiçoso de torpe ganância” (1Tm 3.3). No mesmo espírito, Pedro escreveu que o obreiro deve apascentar o rebanho do Senhor “tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância” (1Pe 5.2).
3. O exemplo de Timóteo. Timóteo foi um pastor exemplar, que demonstrou ter um caráter imaculado. Sua mãe Eunice e sua avó Loide eram crentes judias que muito contribuíram para sua formação espiritual e moral.
Ele cuidou da Igreja com zelo e não teve medo de se opor aos falsos mestres que estavam tentando seduzir os crentes em relação à salvação pela fé em Jesus. O líder de uma Igreja precisa ser corajoso e plenamente comprometido com Jesus Cristo. Ele também demonstrou não buscar a glória para si. Infelizmente, há líderes que são movidos a elogios, ou mesmo por lisonjas. Isso é perigoso para o ministério pastoral de qualquer pessoa.


SÍNTESE DO TÓPICO (IV)

A razão de ser do ministério pastoral e do diaconato é o serviço a Deus.


CONCLUSÃO

Os pastores e diáconos são obreiros, instituídos pelo Senhor, para auxiliar os servos de Deus. Não importa a função que você exerça na Igreja de Cristo, seja você um pastor ou um diácono, o importante é que “todos sejam um” para a glória de Deus (Jo 17.21), sabendo que para Ele todo serviço tem a sua importância e valor.

PARA REFLETIR

A respeito das Cartas Pastorais:

Paulo inicia o capítulo três falando a respeito de que assunto?
Ele fala a respeito da função do pastor.

Qual a função primordial do pastor?
Cuidar das ovelhas do Senhor.

Quem separa e escolhe o homem para o ministério pastoral?
Deus.

Quais as principais qualificações morais de um pastor?
Ele deve ser: honesto, sincero, verdadeiro, etc.

Qual o significado da palavra “diácono”?
Significa “aquele que serve”.

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

Pastores e Diáconos

Um dos problemas quanto a intelectualidade da liderança das igrejas evangélicas são os homens de frente viverem uma preguiça mental não dada aos estudos sérios e sistemáticos da Bíblia e dos grandes temas culturais do século XXI. O pastor de uma igreja local não precisa ser um psicólogo ou um psiquiatra para auxiliar um crente depressivo na igreja. Mas ele precisa saber de informações precisas para discernir, por exemplo, uma possessão ou opressão demoníaca da depressão. Em seguida, indicar o crente para um tratamento psicológico com um profissional da área de saúde. Estas são as demandas atuais de qualquer trabalho pastoral. Mas para isso é preciso ler, se informar e conhecer o assunto.
Sabe-se que a maioria das pessoas que exerce voluntariamente o magistério cristão, ou a direção de congregações ou a liderança de departamentos, faz um enorme esforço para prestar esses serviços à igreja local. Antes, tais pessoas precisam trabalhar para sobreviver. Às vezes, a urgência do trabalho leva esses irmãos a assumir responsabilidades na igreja local sem o devido preparo. Mas hoje a distância já não é tanto um problema para nos atualizarmos. Podemos procurar pessoas que saibam mais do que nós. Temos os livros, a internet e tantas outras formas de nos reciclarmos, além, é claro, das instituições formais de ensino, tanto secular quanto religiosa.
Caro professor, aproveite a aula desta semana para trabalhar esses princípios na vida dos seus alunos. É possível que o seu aluno de hoje, seja o pastor de amanhã; que o seu aluno de hoje, seja o pregador de amanhã; que a sua aluna de hoje, seja a missionária de amanhã; que a sua aluna de hoje, seja a líder de amanhã. É urgente formarmos um ambiente de interesse pelo enriquecimento intelectual a fim de que a nossa igreja, a comunidade pela qual servimos a Deus e as pessoas, seja edificada e cresça mais e mais na graça e no conhecimento do Senhor Jesus.

Portanto, tanto os candidatos a pastor quanto ao diaconato precisam fazer esse compromisso: se preparar mais, tanto intelectual quanto espiritualmente. Nisto, o apóstolo Paulo, autor das cartas pastorais, é o nosso grande exemplo. O apóstolo dos gentios, como poucos, soube coadunar espiritualidade e conhecimento; piedade e intelectualidade; poder de Deus e explicação coerente da fé.