sábado, 24 de dezembro de 2016

Subsidio central gospel ser uma benção n.1






                                         INTRODUÇÃO GERAL 
                                  professor Mauricio Berwald

“e não tivesse amor” ; pelo que não é significou dar esmolas aos pobres, pois em 1 Coríntios 13: 3 isto é suposto no mais alto grau, pode ser realizada, e ainda um homem ser destituído de caridade; Nem uma opinião de caridade dos homens como homens bons, que seus princípios e práticas sejam o que quiserem; Pois não se trata de caridade verdadeira, mas sim de carência, e de fazer a parte mais cruel de suas almas, considerá-las e acariciá-las como tais, quando a destruição ea ruína estão em todos os seus caminhos; Mas a graça do amor é aqui significada, mesmo amor a Deus, e amor a Cristo, e amor aos santos, que é uma graça implantada na regeneração pelo Espírito de Deus; E que, se uma pessoa é destituída de, como ele pode, que nunca tem tão grande parte de aprendizagem, ou conhecimento das línguas, ou mesmo o dom extraordinário de falar em diversas línguas; Toda a sua aprendizagem é apenas um som vazio, a sua eloquência, a sua diversidade de palavras, mas como o rouxinol do homem, "vox & praeterea nihil", uma voz e nada mais; Ou como o apóstolo aqui diz, supondo que fosse seu próprio caso,

Sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine ; ou melhor, "o alto", ou "prato alta sonoridade", como no Salmo 150: 5 , que a Septuaginta não rendem por κυμβαλοις αλαλαγμου , uma frase da mesma significação com isso: por não aquele pequeno instrumento tilintar usado pelos pagãos é Aqui significava; Embora o que aqui se diz do címbalo esteja de acordo com isso; Que fazia um ruído de tilintar quando agitado, ou batido com qualquer coisa, ou com um contra o outro; E era um recipiente oco de bronze, na forma da erva chamada "um mosto de umbigo"F21; Mas sim aquele instrumento musical que levava esse nome, usado no culto judaico sob o Antigo Testamento; E que, os judeusF23Digamos, era um instrumento que produzia um som muito grande; E que o som dela foi ouvido até JericóF24, Que estava a alguns quilômetros de Jerusalém; eles dizemF25, Que os címbalos eram dois instrumentos de bronze ou pedaços de bronze, que golpearam um contra o outro, e assim fez um som. O címbalo também era usado na adoração de divindades pagãs, ea alusão aqui em ambas as coisas mencionadas, é ou para o tilintar de bronze, eo som de címbalos no culto de ídolosF26; Que eram meros sons vazios, e de nenhum proveito, como é um homem falando em diversas línguas, destituído da graça do amor; ou para os clamores confusos e ruídos feitos em ir para a batalha, apenas sobre o início, por tambores e pratos, e χαλκοις ηχειοις , peças soam ocas de bronze; Como aparece de Polytenus, Plutarco, Appianus e outrosF1; Ao qual barulhos confusos o apóstolo compara o discurso mais eloqüente sem amor. Os gregos tinham uma peça que eles usavam em festas, eu não vou dizer a alusão é a ele aqui, mas deixá-lo de ser de, que eles chamam de "Cottabisis"; Quando, o licor que sobrou, lançaram em copos de bronze, e aqueles cujo licor fez o maior som no copo, se achou amado de novo, pela pessoa que ele amavaF2: O soar do bronze e os címbalos tilintadores são coisas inanimadas, coisas sem vida, como todas essas pessoas são destituídas de vida espiritual, que são desprovidas da graça do amor; E embora eles, por um dom extraordinário e sob um impulso divino, falem em diversas línguas, eles são apenas como oco vasos de latão e címbalos de som, que só fazem um barulho quando são atingidos, eo que eles dão é um mero O som vazio, que não tem nenhum lucro para si; Eles não podem ouvir, nem se deleitam com ele, mas são bastante ferido, sendo desgastado por isso; Nem de grande vantagem para os outros, a menos que eles dão um som musical, e que só delicia a orelha, mas não alimenta nem roupa do corpo; De tão pouco uso e lucro são os homens, falando em línguas destituídas da graça do amor, para si ou para os outros.


Verso 1

Ora, o Senhor disse a Abrão

1. Ora, o Senhor disse a Abrão . Que uma divisão absurda destes capítulos não pode incomodar os leitores, deixe-os conectar esta frase com os dois últimos versos do capítulo anterior. Moisés tinha dito antes que Tera e Abrão haviam partido de seu país para habitar na terra de Canaã. Ele agora explica que eles não tinham sido impelidos pela leviandade como erupções e homens volúveis costumam ser; Nem foram atraídos para outras regiões pelo desgosto com seu próprio país, como morose pessoas freqüentemente são; Nem fugitivos por causa do crime; Nem foram levados por qualquer esperança tola, ou por qualquer sedução, como muitos são apressados ​​de um lado para outro por seus próprios desejos; Mas que Abrão fora mandado divinamente a sair e não tinha movido um pé, mas como ele foi guiado pela palavra de Deus. Aqueles que explicam a passagem para significar que Deus falou a Abrão depois da morte de seu pai, são facilmente refutados pelas próprias palavras de Moisés: pois, se Abrão já não tivesse um país e permanecesse como estrangeiro em outros lugares, Deus teria sido supérfluo: "Sai da tua terra, da tua terra e da casa de teu pai". A autoridade de Estêvão também é acrescentada, que certamente merece ser considerada um intérprete adequado desta passagem: agora ele claramente testifica, que Deus apareceu a Abraão quando ele estava na Mesopotâmia, antes de morar em Charran; Ele então recita este oráculo que agora estamos explicando; E por fim conclui que, por esta razão, Abraão migrou da Caldéia. Nem se que deve ser esquecido que Deus depois repete, ( Gênesis 15: 7Gênesis 15: 7 ), "Eu sou o Senhor, que te tirei de Ur dos caldeus; ' Porque daí deduzimos que a Mão Divina não se estendeu pela primeira vez para ele depois de ter morado em Charran, mas ainda permaneceu em casa na Caldéia. (339) Verdadeiramente este comando dos deuses em relação às quais as dúvidas são tolamente entretido, deve ser considerado por nós suficientes para refutar o erro contrário. Pois Deus não poderia ter falado assim, exceto a um homem que, até aquele tempo, se havia estabelecido em seu ninho, tendo seus negócios sobressaltados, e vivendo tranqüilamente e tranqüilamente entre seus parentes, sem qualquer mudança em seu modo de vida; Caso contrário, a resposta seria prontamente pronta: "Saí do meu país, estou muito longe da minha parentela". Em suma, Moisés registra este oráculo, para que saibamos que essa longa jornada foi empreendida por Abrão e seu pai Tera, por ordem de Deus. De onde também parece que Terah não foi tão iludido por superstições quanto a ser destituído do temor de Deus. Era difícil para o velho, já quebrado e com problemas de saúde, se arrancar de seu próprio país. Alguma religião verdadeira, portanto, embora sufocada, ainda permanecia em sua mente. Por isso, quando ele soube que o lugar, de que seu filho foi ordenado a partir, era maldito, era seu desejo de não perecer lá, Mas ele juntou-se a si mesmo como um associado com aquele que o Senhor estava prestes a entregar. O que uma testemunha, eu exijo, ele vai provar, no último dia, para condenar a nossa indolência! Fácil e plausível era a desculpa que ele poderia ter alegado; Ou seja, que ele ficaria em casa em silêncio, porque não recebera comando. Mas ele, embora cego na escuridão da incredulidade, abriu os olhos para o raio de luz que atravessou o seu caminho; Enquanto permanecemos impassíveis quando a vocação divina brilha diretamente sobre nós. Além disso, este chamado de Abrão é um sinal exemplo da misericórdia gratuita de Deus. Abrão tinha estado antecipadamente com Deus por algum mérito de obras? Abrão tinha vindo a ele, ou conciliado seu favor? Não, devemos recordar sempre, (o que eu tenho aducionado antes da passagem em Joshua,) que foi mergulhado na sujeira da idolatria; E agora Deus estende a sua mão para trazer de volta o errante. Ele se digna a abrir sua boca sagrada, para mostrar a um, enganado pelas artimanhas de Satanás, o caminho da salvação. E é maravilhoso que um homem, miserável e perdido, tenha a preferência dada a ele, sobre tantos santos adoradores de Deus; Para que o pacto da vida seja posto em sua posse; Que a Igreja devia ser ressuscitada nele, e ele mesmo constituiu o pai de todos os fiéis. Mas isto é feito de modo a que a manifestação da graça de Deus se torne mais notável na sua pessoa. Pois ele é um exemplo da vocação de todos nós; Porque nele percebemos que, pela misericórdia de Deus, as coisas que não são são ressuscitadas do nada, para que elas possam começar a ser alguma coisa.

Sai-te da tua terra . Essa acumulação de palavras pode parecer supérflua. A que também pode ser acrescentado, que Moisés, em outros lugares tão conciso, aqui expressa uma matéria simples e fácil em três diferentes formas de expressão. Mas o caso é completamente diferente. Pois, como o exílio é em si triste e a doçura do seu solo nativo mantém quase todos ligados a si mesmo, Deus persevera em seu comando para deixar o país, para penetrar completamente a mente de Abrão. Se ele tivesse dito em uma única palavra: "Deixa o teu país, isso de fato não teria afligido sua mente; Mas Abrão é ainda mais profundamente afetado, quando ele ouve que ele deve renunciar a sua parentela e casa de seu pai. Contudo, não se deve supor que Deus tem um prazer cruel na tribulação de seus servos; Mas ele assim tenta todas as suas afeições, para que ele não possa deixar nenhum lugar escondido em seu coração. Vemos muitas pessoas zelosas por um curto período de tempo, que depois se congelam; De onde vem isto, mas porque eles edificam sem fundamento? Portanto, Deus determinou, cuidadosamente, despertar todos os sentidos de Abrão, para que ele não fizesse nada precipitadamente ou inconsideradamente; Para que, arrependendo-se logo depois, ele vire com o vento e volte. Portanto, se desejamos seguir a Deus com constância, ela nos comporta cuidadosamente para meditar sobre todos os inconvenientes, todas as dificuldades, todos os perigos que nos esperam; Que não só um zelo apressado pode produzir flores desvanecidas, mas que a partir de uma profunda e bem fixa raiz de piedade, podemos produzir frutos em toda a nossa vida.

Para a terra que eu te mostrar . Este é outro teste para provar a fé de Abrão. Pois por que Deus não aponta imediatamente a terra, exceto para manter seu servo em suspenso, para que ele possa tentar a verdade de seu apego à Palavra de Deus? Como se dissesse: "Eu te ordeno que saias com os olhos fechados, e te proibires de perguntar para onde vou dirigir-te, até que, tendo renunciado à tua terra, te tenhas entregue inteiramente a mim". E esta é a verdadeira prova da nossa obediência, quando não somos sábios aos nossos próprios olhos, mas nos comprometemos inteiramente ao Senhor. Portanto, quando ele exige qualquer coisa de nós, não devemos ser tão solícitos em relação ao sucesso, a ponto de permitir que o medo ea ansiedade retardem nosso curso. Pois é melhor, com os olhos fechados, seguir a Deus como nosso guia, que, confiando na nossa própria prudência, passear pelos caminhos tortuosos que ele planeja para nós. Caso qualquer um objeto, que esta afirmação está em contradição com a frase anterior, em que Moisés declarou que Tera e Abrão partiu de seu próprio país, para que pudessem entrar na terra de Canaã: a solução é fácil, se admitirmos um  (que é, uma antecipação no futuro ainda algo) na expressão de Moses; Como segue neste mesmo capítulo, no uso do nome Betel; E como freqüentemente ocorre nas Escrituras. Eles não sabiam para onde iam; Mas por terem resolvido ir a qualquer lugar que Deus pudesse chamá-los, Moisés, falando em sua própria pessoa, menciona a terra, que, até então desconhecida de ambos, foi revelada mais tarde somente a Abrão. Por isso é verdade que partiram com o desígnio de vir à terra de Canaã; Porque, tendo recebido a promessa relativa a uma terra que era para ser mostrado-lhes, eles se submeteram a ser governado por Deus, até que ele realmente deve conceder o que tinha prometido. No entanto, pode ser, que Deus, tendo provado a devoção de Abrão, logo depois removido todas as dúvidas de sua mente. Pois não sabemos em que momento preciso o tempo, Deus lhe diria o que era a sua vontade de esconder apenas por um tempo. Basta que Abrão se declarasse verdadeiramente obediente a Deus, quando, tendo lançado todo o seu cuidado na providência de Deus e tendo descarregado, por assim dizer, em seu seio, o que poderia ter impedido, não hesitou em deixar o seu Seu próprio país, incerta em que, por fim, poderia plantar seu pé; Pois, por este método, a sabedoria da carne foi reduzida à ordem, e todas as suas afeições, ao mesmo tempo, foram subjugadas. Porém, pode-se perguntar por que Deus enviou seu servo para a terra de Canaã, e não para o Oriente, onde poderia ter vivido com algum outro dos santos pais? Alguns (para que a mudança não pareça ter sido feita para pior) terão, que ele foi levado para lá, com o propósito de morar com seu antepassado Shem, que eles imaginam ter sido Melquisedeque. Mas se tal era o conselho de Deus, é estranho que Abrão dobrou seus passos em uma direção diferente; Não, não lemos que ele se encontrou com Melquisedeque, até que ele estava voltando da batalha na planície de Sodoma. Mas, em seu devido lugar, veremos quão frívola é a imaginação, que Melquisedeque era Sem. Quanto ao assunto agora em mãos, deduzimos, a partir do resultado que se seguiu, que o desígnio de Deus era muito diferente do que esses homens supõem. As nações de Canaã, por causa de sua deplorável maldade, foram devotadas à destruição. Deus exigiu que seu servo peregrinasse entre eles por um tempo, para que, pela fé, pudesse perceber que era o herdeiro daquela terra cuja posse real estava reservada para a posteridade a um longo período após sua própria morte. Por isso foi-lhe ordenado que atravessasse aquele país, por este único motivo, para que fosse evacuado pelos seus habitantes, para ser dado à sua semente por possessão. E era de grande importância que Abrão, Isaque e Jacó fossem estrangeiros naquela terra, e pela fé abraçassem o domínio sobre ela, que lhes fora prometido por Deus, para que sua posteridade pudesse, com maior coragem , Cinge-se a tomar posse dela.

Em Ur dos caldeus, antes que ele foi habitar em Harã, como parece a partir de Atos 7: 2 e assim Aben Ezra interpreta; Mas Jarchi e outros pensam, que o que se segue lhe foi dito em Haran, e assim as palavras podem ser mais literalmente traduzidasF21, "E disse o Senhor a Abrão"; Depois da morte de Tera, que morreu em Harã; E, na verdade, é altamente provável que existissem duas aparições de Deus a Abrão, e que as mesmas palavras, ou muito próximas, lhe foram ditas em duas ocasiões, primeiramente em Ur dos Caldeus e depois em Harã:

vai-te da tua terra ; A terra de Caldeia ea cidade de Ur, que estava nele, ou fora da Mesopotâmia, em que, quando tomado em um sentido amplo, eram Ur e Haran; E este país tornou-se agora idólatra, pois, embora tenha sido habitado pela primeira vez e povoado pela posteridade de Sem na época de Arfaxade, estes, no curso do tempo, degeneraram da verdadeira religião e caíram na idolatria. O mesmo Chama, em cuja fé e religião, ele diz, Abram foi criado, e que afirmou que não havia outro Deus senão o sol, a lua e as estrelas; E estes Zabaeans, como ele relata a partir de seus livros e anais, dizer de Abram-se, que ele foi educado em Cuthia, e dissidente do povo comum; E afirmou que, além do sol, havia outro Criador; A quem eles se opuseram, e assim surgiram disputas entre eles sobre este assunto: agora Abrão, convencido da idolatria, é chamado dessas pessoas e não tem comunhão com elas; Está literalmente no texto hebraicoF24, "Vai para ti do teu país"; Para teu lucro e bom, como Jarchi interpreta isto; Como deve ser abandonar toda a sociedade com um povo tão idólatra e supersticioso:

e da tua parentela ; Como Naor seu irmão, e sua família, que não são mencionados, e parecem ser deixados para trás quando Tera, Abrão, Ló e Sarai, saiu de Ur dos Caldeus; Embora pareça que depois disso Naor os seguiu até Harã ou Padanaram, que são os mesmos, e onde ele continuou, e por isso é chamado de sua cidade; veja Gênesis 24:10 por isso com grande propriedade Abram poderia ser chamado de uma segunda vez para deixar sua parentela, bem como o seu país; e certo é, Haran, ou Padanaram, bem como Ur dos Caldeus, é chamado pelo próprio seu país, e Naor e sua família a sua parentela, Genesis 24: 4 .

e da casa de teu pai ; Ou casa, sua família, que melhor concorda com a segunda chamada em Haran, do que com o primeiro em Ur; para, em primeira convocação, Tera e sua família veio junto com Abrão, e, portanto, esta frase é omitido por Stephen, que fala dessa chamada, Atos 7: 3 , mas Tera morrendo em Haran, a sua casa ou a família não foi adiante, mas Continuou lá com Nahor; Somente Abram e Ló, segundo este segundo chamado, saíram dali, como a seguinte história o faz aparecer; E assim Abram saiu, como ele foi oferecido, a casa de seu pai e família para ir, como se segue:

para a terra que eu te mostrarei ; Ou seja, a terra de Canaã, embora não mencionada, e parece ser omitida para o julgamento da fé de Abrão; daí o autor da Epístola aos Hebreus, Hebreus 11: 8 observa que "ele obedeceu e saiu, sem saber para onde ia"; e ainda assim diz-se, que, quando ele e Tera saiu de Ur dos caldeus ", eles saíram para ir à terra de Canaã", Gênesis 11:31 e, quando ele e Lot foi o primeiro de Haran, o mesmo é dito deles, Genesis 12: 5 é provável o caso era este; Não se fez menção a princípio de que terra era para ir, e quando se preparou para a sua viagem, não sabia onde devia ir, mas depois lhe foi revelado que Canaã era a terra e, portanto, estabeleceu em ordem Ir para lá; E ainda, embora ele pudesse saber o lugar pelo nome onde ele deveria ir, ele poderia nem saber o caminho para ele, nem que tipo de país era para qualidade ou quantidade; E, portanto, Deus prometeu mostrar-lhe o caminho, e direcionar o seu curso direito a ela, e dar-lhe uma visão de que, ele poderia ver que tipo de país, e quão grande era, que ele daria a sua posteridade. Este apelo de Abrão é um emblema do chamado dos homens pela graça de Deus do mundo, e de entre os homens da mesma, e para renunciar às suas coisas, e não ser conformado a ela, e esquecer os seus próprios Povo e casa de seu pai, e se unirem ao Senhor, e segui-lo aonde quer que ele os dirija.

Verso 2

E eu farei de ti uma grande nação.

2. E eu farei de ti uma grande nação . Até agora Moisés relatou o que Abram tinha sido ordenado fazer; Agora ele anexa a promessa de Deus ao comando; E isso por nenhuma causa leve. Pois, como somos indolentes em obedecer, o Senhor ordenaria em vão, a menos que estivéssemos animados por uma confiança superadicionada em sua graça e bênção. Embora eu já tenha aludido a isso, na história de Noé, não será inútil inculcá-lo novamente, pois a passagem em si requer algo a ser dito; E a repetição de uma doutrina de tão grande momento não deve parecer supérflua. Pois é certo que a fé não pode subsistir, a menos que se fundamente nas promessas de Deus. Mas somente a fé produz obediência. Portanto, para que nossas mentes estejam dispostas a seguir a Deus, não basta simplesmente comandar o que lhe agrada, a menos que também prometa sua bênção. Devemos marcar a promessa de que Abrão, cuja esposa ainda era estéril, se tornaria uma grande nação. Esta promessa poderia ter sido muito eficaz, se Deus, pelo estado real das coisas, tivesse oferecido um terreno de esperança respeitando a sua realização; Mas agora, visto que a esterilidade de sua esposa o ameaçava com perpétua privação de descendência, a própria promessa nua teria sido fria, se Abrão não dependesse totalmente da palavra de Deus; Portanto, embora perceba a esterilidade de sua esposa, ele ainda apreende, pela esperança, a grande nação que é prometida pela palavra de Deus. E Isaías exalta muito esse ato de favor, que Deus, por sua bênção, aumentou seu servo Abram quem ele encontrou sozinho e solitário para tão grande nações ( Isaías 2: 2Isaías 2: 2 ). O substantivo גוי ( goi ), "minha nação" ( Gênesis 12: 4Gênesis 12: 4 ), embora detestável para os judeus, (341) está neste lugar, e em muitos outros, tomado como um termo de honra. E é aqui usado enfaticamente, para mostrar que ele não só deve ter posteridade de sua própria semente em grande número, mas um povo peculiar, separado dos outros, que deve ser chamado pelo seu próprio nome.

Eu te abençoarei . Isto é parcialmente acrescentado, para explicar a frase anterior. Pois, para que Abram não desespere, Deus oferece sua própria bênção, que foi capaz de efetuar mais no modo de milagre, do que se vê ser efetuado, em outros casos, por meios naturais. A bênção, no entanto, aqui pronunciada, estende-se mais longe do que para descendência; E implica, que ele deve ter uma questão próspera e alegre de todos os seus negócios; Como se depreende do seguinte contexto: "E tornarás grande o teu nome, e tu serás uma bênção". Para tal felicidade é prometida a ele, como encherá todos os homens em todo lugar de admiração, de modo que eles introduzirão o nome de Abrão, como Um exemplo, em seus formulários de pronunciar a bênção. Outros usam o termo no sentido de aumento: "Tu serás uma bênção", isto é, "Todos te abençoarão". Mas o sentido anterior é o mais adequado. Alguns também o expõem ativamente, como se tivesse sido dito: 'Minha graça não residirá em ti, para que somente tu o desfrutes, mas fluirá para todas as nações. Portanto, agora o deposito com você, para que ele possa transbordar em todo o mundo. Mas Deus ainda não procede a essa comunicação, como mostrarei em breve.
 Em um sentido literal, como o povo dos judeus eram de que descende dele, e em crentes sentido espiritual em todas as idades e de todas as nações, que andam nas etapas Da fé de Abrão, que são seus filhos, e são abençoados com ele:

e te abençoarei ; Não só com as bênçãos temporais, mas principalmente com as espirituais, já que Abrão em pessoa não tinha participação na terra de Canaã; Mesmo com a adoção de filhos e amizade com Deus; Com justificação pela justiça imputada de Cristo, que a bênção veio sobre ele quando incircunciso; Com uma grande medida de fé, e toda outra graça; Com a santificação do Espírito, e um aumento dele até que seja levado à perfeição; E com glória eterna e felicidade, um direito, título e reunião para ele, ea plena posse dele:

e fazer o teu nome ; Como era entre os judeus seus descendentes, que se gabavam de ter Abrão para seu pai; E entre as várias nações do mundo; Seu nome é famoso na história profana, e está em alta estima com os mahometanos até hoje; E especialmente o seu nome é grande e famoso, ea memória dele precioso entre todos aqueles que têm obtido como preciosa fé com ele, em cada época e em cada nação:

e tu serás uma bênção ; A todos os que o conheceram e conversaram com ele, recebendo luz e conhecimento espiritual por meio de sua instrução, e a todos os que devem ouvir e ler de sua fé e piedade, sendo encorajados pelo seu exemplo: ou "será bênção"; A bênção em si, isto é, a mais abençoada, extremamente abençoada; Como um homem muito perverso pode ser chamado de maldade em si; Como "scelus" para "scelestus" com os latinos; Assim um homem bom pode ser chamado bênção em si, extremamente feliz.

Verso 3
E abençoarei os que te abençoarem ,

E abençoarei os que te abençoarem . Aqui se manifesta a extraordinária bondade de Deus, na medida em que faz uma aliança familiar com Abrão, como os homens costumam fazer com seus companheiros e iguais. Pois esta é a forma costumeira de convênios entre reis e outros, que prometem mutuamente ter os mesmos inimigos e os mesmos amigos. Esta é certamente uma promessa inestimável de amor especial, que Deus deve condescender tanto por nós. Pois embora ele se dirija a um único homem, ele declara em outro lugar o mesmo afeto para com o seu povo fiel. Podemos, portanto, inferir esta doutrina geral, que Deus assim nos abraçou com seu favor, que ele vai abençoar nossos amigos e vingar-se de nossos inimigos. Somos, além disso, advertidos por esta passagem, que por mais desejosos que os filhos de Deus possam ser de paz, eles nunca irão querer inimigos. Certamente, de todas as pessoas que jamais se conduziram tão pacificamente entre os homens como para merecerem a estima de todos, Abrão poderia ser contado entre o chefe, mas mesmo ele não estava sem inimigos; Porque tinha o diabo para o seu adversário, que segura o ímpio na mão, a quem incessantemente impulsiona a molestar o bem. Não há, portanto, motivo algum para que a ingratidão do mundo nos desanimasse, ainda que muitos nos odeiem sem causa e, quando não nos provocam ferimentos, estudem para nos fazer mal; Mas contentamo-nos com este único consolo, que Deus se engaja do nosso lado na guerra. Além disso, Deus exorta o seu povo a cultivar a fidelidade e a humanidade com todos os homens bons, e, além disso, a abster-se de todo ferimento. Pois isto não é um incentivo comum para nos excitar para ajudar os fiéis, que se cumprimos qualquer dever para com eles, Deus o retribuirá; Nem deve menos alarmar-nos, que ele denuncia a guerra contra nós, se ferir alguém que lhe pertença.

Por ti todas as famílias da terra serão abençoados . Se alguém quiser entender esta passagem em um sentido restrito, como se, por um modo proverbial de fala, aqueles que abençoarem seus filhos ou seus amigos, sejam chamados segundo o nome de Abrão, que ele desfrute sua opinião; Pois a frase hebraica suportará a interpretação, de que Abrão será chamado um sinal exemplo de felicidade. Mas estenderei o significado ainda mais; porque eu suponho que a mesma coisa a ser prometido neste lugar, que Deus depois repete de forma mais clara, ( Gênesis 22:18Gênesis 22:18 ). E a autoridade de Paulo me traz a este ponto; que diz que a promessa de descendência de Abraão, isto é, a Cristo, foi dada quatrocentos e trinta anos antes da lei, ( Gálatas 3:17Gálatas 3:17 ). Mas o cálculo de anos obriga-nos a entender, que a bênção era Prometeu-o em Cristo, quando ele estava vindo para a terra de Canaã. Portanto, Deus (em meu julgamento) pronuncia que todas as nações devem ser abençoadas em seu servo Abram porque Cristo foi incluído em seus lombos. Deste modo, não só se dá a entender que Abram seria um exemplo , mas uma causa de benção; De modo que deveria haver uma antítese compreendida entre Adão e Cristo. Porquanto, desde o momento em que o primeiro homem se alienou de Deus, todos nós nascemos amaldiçoados, aqui um novo remédio é oferecido a nós. Nem há nada contrário a isso na afirmação de que, de modo algum, devemos procurar uma bênção no próprio Abram, na medida em que a expressão é usada em referência a Cristo. Aqui os judeus petulância objeto, e amontoar em conjunto muitos testemunhos da Escritura, a partir do qual parece que para abençoar ou amaldiçoar em qualquer uma , não é nada mais do que para desejar bom ou mau para outro, de acordo com ele como um padrão. Mas seu cavil pode ser posto de lado sem dificuldade. Eu reconheço, que o que eles dizem é muitas vezes, mas nem sempre é verdade. Para quando é dito, que a tribo de Levi devem abençoe em nome de Deus, em Deuteronômio 10: 8Deuteronômio 10: 8 , Isaías 65:16Isaías 65:16 , e em passagens semelhantes, é suficientemente evidente, que Deus é declarado ser a fonte de toda Bom, para que Israel não busque qualquer porção de bem em outro lugar. Vendo, portanto, que a linguagem é ambígua, que conceda a necessidade de escolher este ou o outro sentido, como pode ser mais adequado ao assunto e à ocasião. Paulo assume-a como um axioma que é recebido entre todos os piedosos, e que deve ser dado como certo, que todo o gênero humano é desagradável a uma maldição e, portanto, que o povo santo são abençoados apenas através da graça do Mediador . De onde conclui que o pacto de salvação que Deus fez com Abrão, não é estável nem firme senão em Cristo. Assim, assim, interpreto o lugar presente; Que Deus promete ao seu servo Abrão aquela bênção que depois fluirá para todo o povo. Mas porque este assunto será mais amplamente explicado em outro lugar, agora eu apenas brevemente toque sobre ele.

Nem os sacerdotes só isso deve abençoar seus filhos, os filhos de Israel, como o Targum de Jonathan, mas todos os homens de todas as nações e de todas as idades, que falam bem -lo, elogiá-lo por sua fé e santidade, e seguir seu exemplo, estes são abençoados com o crente Abraão, Gálatas 3: 7 .

E amaldiçoarei os que te amaldiçoarem ; Aqui está uma mudança de números, antes do plural, aqui o singular, denotando, pode ser, que muitos o abençoassem, e poucos o amaldiçoam, e que cada indivíduo que o amaldiçoasse deveria ser amaldiçoado a si mesmo: o Targum de Jônatas, por engano, conteve isso aos filhos de Abraão, amaldiçoados por Balaão, e foi amaldiçoado por Deus; Pensa, não há dúvida de ser feita dele, que o Zabaeans, o povo idólatra Abram foi levantado com, quando ele contradisse os, carregou-o com maldições e reprovações; E, porquanto os levou a todos com paciência para a glória de Deus, como se fez com ele, por isso estas palavras são ditas; Mas eles, sem dúvida, respeitam o futuro, assim como os tempos atuais, e consideram todos esses, em todas as épocas e em todas as nações, que desaprovam ou rejeitam e censuram o Deus de Abrão, sua fé, sua religião e seu povo.

E abençoados em ti todas as famílias da terra ser ; isto é, em sua semente, como em Gênesis 22:18 e que é interpretado de Cristo, Atos 3:25 significando nem todos os indivíduos de todas as famílias ou nações da terra; Mas que todos os que crêem em Cristo, de todas as nações, são abençoados nele; E que todos aqueles que são abençoados, são abençoados e somente abençoados nele, e que são abençoados por causa dele com todas as bênçãos espirituais; veja Efésios 1: 3 , como redenção, justificação, a remissão dos pecados, a santificação, a adoção ea vida eterna.(notas coment. Jhon Gil).


                                   

Subsidio adolescentes a biblia a bussula n.1


               SUBSIDION.1 ADOLESCENTES A BUSSOLA                                                 



   
                                    Professor Mauricio Berwald

 A Bíblia é a Palavra de Deus para nossa vida, nela contém a mente e o desejo de Deus para cada um de nós. Na Bíblia encontramos o estado do homem sem Deus, o caminho da salvação, a ruína dos pecadores, a felicidade e vítoria dos crentes. A sua doutrina é santa, os seus preceitos são firmes e fundamentais e as suas decisões e orientações imutáveis.

Leia-a para crer, creia nela para sua segurança, pratique-a para ser forte, firme, reto, integro, conquistador e santo. A Palavra de Deus contém luz para nos guiar, alimento para nos nutrir, bálsamo para nos curar, verdade e poder para nos libertar e consolo para nos alegrar. É o mapa que precisamos para andarmos nesta terra pelo caminho certo e assim chegarmos ao céu.

A Bíblia é o cajado que precisamos nesta caminhada como peregrino neste mundo, é a bússola para nos trazer segurança na nossa viagem, é a espada que usamos como soldado nesta guerra espiritual, ela é a nossa carta régia, pois foi o nosso Rei quem a escreveu com a finalidade de gerar em nós o Seu carater.

Quando a lemos com o coração, restaura-se o paraíso, abre-se o céu e revelam-se também as portas do inferno. Jesus Cristo é o grande tópico dela, o nosso bem é o seu objetivo, e a glória de Deus o seu fim. Ela deve ocupar nossa mente e coração, deve  governar a nossa vida e guiar os nossos passos. Hebreus 1:14; João 14:6; Rom 12:2

Leia-a lenta e diariamente em atitude de oração e meditação. E mina de grandes tesouros, um paraíso e glória, um rio de prazer. Envolve a mais alta responsabilidade, pois nela descobrimos quem somos em Cristo e qual é a vontade dEle para nossa vida. Nela vemos a recompensa do nosso trabalho no Senhor e vemos também a condenação àqueles que lhe minimizam o conteúdo ou alteram suas verdades.

A Bíblia tem sido o alvo de grandes controvérsias durante séculos; muitos tentaram destruí-la, tem sido temida por muitos, alguns dos quais chegam ao absurdo de afirmar que sua leitura torna o homem louco, mas na realidade torna o homem livre. Outros se refugiam no engano de que ela pode ser interpretada de muitas formas diferentes. Mas aqueles que a lêem com o coração em oração, perceberão o quanto ela é importante e fundamental para cada ser humano sobre a face da terra.

Quem conhecer a Bíblia alem da letra, conhecerá seu autor, para ter um encontro verdadeiro com Deus, é preciso primeiro ter um encontro com Sua Palavra. Nela conhecemos os segredos da vida e da morte, o destino daquele que crê e pratica suas verdades e daquele que a ignora. Tudo que precisamos está escrito na bíblia, ela traz respostas para nossos anseios e necessidades, sejam espirituais, sentimentais, familiares, ministeriais, profissionais, etc.

Tudo foi criado pela Palavra de Deus, o Espírito Santo se move quando Esta Palavra é liberada, os demônios recuam, cadeias são quebradas e vidas são salvas. Ela está viva e continua agindo e gerando como no princípio, agora imagine esta Palavra em teu coração sendo liberada pela sua boca no dia a dia, com perseverança e fé? Hebreus 11:2,3; 1023
Deus nos desafia a verificarmos, por nós mesmos os tesouros escondidos nas páginas deste livro maravilhoso com a finalidade de que as observemos e pratiquemos para uma vida de vitória. Dt 28:1-14.


A Bíblia é a bússola do cristão. É ela que norteia nossa vida e nos orienta qual direção tomar.Aparentemente, a bússola é um instrumento muito simples: uma pequena caixa com uma agulha magnetizada que aponta para o norte magnético da terra. Já se tentou substituir a bússola, ou torná-la mais moderna, como nos GPS, porem esses equipamentos podem falhar ou não dar uma orientação precisa!

Mas esse simples instrumento é ao mesmo tempo muito complexo. Não se aprende a ler uma bússola sozinho. É necessária a orientação de alguém, além disso, não se aprende sua leitura da noite para o dia. É indispensável todo um processo para entender a lógica desse instrumento.

Lembro-me de uma vez em que me colocaram uma búsola nas mãos. Para mim foi fantástico esse momento. Só que depois de uns minutos a ficha caiu: “o que vai mudar na minha vida ao saber de que lado fica o norte?” Só tempos mais tarde, tive a oportunidade de entender o funcionamento deste equipamento, mas para isso precisou que alguém me ensinasse...

Algo semelhante (mas muito superior) acontece com a palavra de Deus. Ela é que dá a orientação para o cristão. Ela que não nos deixa ficar perdidos pelo mundo afora. Mas retorno ao exemplo do fato que aconteceu comigo, do meu primeiro contato com a bússola. Era tudo lindo, assim como quando ganhamos ou compramos uma Bíblia, mas ai surge uma questão: “o que vai mudar na minha vida ao ler esse livro?”

Ler a Bíblia, qualquer um pode fazer isso. Historiadores, arqueólogos, geógrafos, antropólogos, poetas, lingüistas lêem a Bíblia, retiram e comprovam preciosas informações cientificas desse livro, todavia é como se entendêssemos dos materiais em que a bussola é constituído, toda sua historia e seus principais componentes mas não soubéssemos aplicá-los se estivéssemos perdidos em um deserto ou em alto mar.

Para entender a Bíblia precisamos de um orientador. E esse orientador existe! É o Espírito Santo que nos ensina a compreender a mensagem bíblica.

Já falaram que a Bíblia é algo ultrapassado e até mesmo a tentaram substituir por teorias e outros livros. Mas assim como o GPS, apesar de ser mais avançado que a bússola e até mesmo conter a bussola, este está sujeito a falhas, pane no sistema ou nos satélites e não apresenta uma precisão 100%. A bússola e a Bíblia não erram! Quem esta sujeito ao erro, é quem as interpreta.Assim, só conseguiremos chegar a Nova Jerusalém (aos céus) quando nosso orientador (o Espírito Santo) nos ensinar como usar a bússola que temos em mãos ( a Palavra de Deus) e percorrermos O caminho mais estreito que nos levará ao nosso destino. Bíblia é a bússola que aponta para O Caminho mais estreito. Ela nos aponta para Cristo!

Versículo 14
Mas continuam tu nas coisas , .... Ou seja, nas doutrinas do Evangelho, e não ser movido longe deles, seja através da malícia ou perseguições, ou engano astúcia de homens que estão à espreita para enganar; E que é uma exortação adequada aos piedosos em todas as idades: e o que se segue são tantas razões para impô-lo:

que tu aprendeu : não apenas de forma teórica, como artes e ciências são aprendidas, mas de uma forma espiritual e experimental; Um conhecimento confortável e experiência de que ele tinha alcançado; e não eram como aqueles em 2 Timóteo 3: 7 , que tinha sido sempre aprendendo, mas ainda não conseguiu chegar ao conhecimento da verdade: e desde que, portanto, ele tinha aprendido as verdades do Evangelho, e tinha alcançado a um bom entendimento de Eles, era seu dever, como é dever de todos os tais, para cumpri-los:

e tens sido a garantia de : as doutrinas do Evangelho são certas coisas; São verdades sem controvérsia; Há uma plena certeza de compreensão deles, a qual os homens podem chegar, e quais ministros deveriam, já que eles devem afirmá-los com certeza. O ceticismo é muito inconveniente que se chama ministro do Evangelho; E quando um homem é assegurado da verdade e realidade das doutrinas do Evangelho, seria vergonhoso em ele para deixá-los, ou se afastar deles:

sabendo de quem o tens aprendido . O apóstolo significa a si mesmo, embora ele modestamente se abstenha de mencionar a si mesmo: e é outro argumento por que Timóteo deve continuar firmemente nas doutrinas do Evangelho, visto que ele as aprendeu de tão grande apóstolo de Cristo; Cuja missão, como tal, foi abundantemente confirmada por milagres e sucesso, e que recebera essas doutrinas por revelação imediata de Cristo; De modo que tudo era como se Timóteo os tivesse aprendido do próprio Cristo. A cópia Alexandrina lê a palavra "quem", no plural, como se o apóstolo se referisse a mais professores de Timóteo do que a si mesmo; No entanto, ele sem dúvida era o principal.

Versículo 15
E que desde a infância sabes as sagradas letras , .... e, portanto, deve saber que as doutrinas que tinha aprendido eram agradáveis para eles; E assim é outra razão pela qual ele deve continuar neles. Os judeus muito cedo aprenderam seus filhos a Sagrada Escritura. Philo o judeu dizF23, Εκ πρωτης ηλικιας "desde a infância"; Uma frase praticamente o mesmo com este aqui usado. É uma máxima com os judeusF24, Que quando uma criança tinha cinco anos de idade, era apropriado ensinar-lhe as Escrituras. A mãe de Timóteo, sendo judia, treinou-o cedo no conhecimento desses escritos, com o qual ficou muito familiarizado e, sob influência divina e assistência, chegou a um grande entendimento deles; E é uma prática que se torna altamente pais cristãos; é uma parte da doutrina e admoestação do Senhor eles devem educar os seus filhos em: o conselho do sábio em Provérbios 22: 6 é muito bom. Daí o apóstolo aproveitar a ocasião para entrar em uma recomendação dos escritos sagrados; E aqui, pela natureza e caráter deles, os chama de

Sagradas Escrituras ; Para distingui-los dos escritos profanos; E que porque o autor deles é o Espírito Santo de Deus; E até mesmo os amanuenses dele, e os penmen deles, eram homens santos de Deus; O assunto deles é santo, tanto a lei quanto o Evangelho; E o fim de escrevê-los é promover a santidade; Os preceitos, promessas e doutrinas neles contidos são calculados para esse fim; E até mesmo o relato que dão dos pecados e falhas dos outros, são para a admoestação dos homens. E a seguir estas Escrituras são elogiadas pela eficácia deles:

que são capazes de fazer-te sábio para a salvação . Os homens não são sábios de si mesmos; Eles são naturalmente sem uma compreensão de coisas espirituais; E as coisas do Espírito de Deus não podem ser conhecidas pelos homens naturais, porque são discernidos espiritualmente; Particularmente eles não são sábios no negócio da salvação, de que ou eles são insensíveis, e negligente; Ou tolamente construir suas esperanças de que sobre a sua civilidade, moralidade, justiça legal, ou uma profissão exterior de religião: mas as Escrituras são capazes de fazer homens sábio e sabendo a este respeito, Pois o Evangelho é uma parte das Escrituras, que é o Evangelho da salvação, e mostra aos homens o caminho da salvação. As Escrituras testificam em grande parte de Cristo, o Salvador; E dê um amplo relato tanto dele, que é o Salvador capaz, disposto, adequado, completo e único, e da salvação que é operado por ele; E descrever as pessoas que o fazem, e devem gozá-lo: não que a simples leitura das Escrituras, ou a audição delas expostas, sejam capazes de tornar os homens sábios desta maneira; Mas estes, quando acompanhados com o espírito de sabedoria e revelação no conhecimento de Cristo, são; Quando aquele que terminou as Escrituras remove o véu de seus olhos, abre seus entendimentos, e lhes dá luz e conhecimento neles: e então pode-se dizer que as pessoas são sábias para a salvação, quando não só têm um esquema dele na cabeça , Mas estão em seus corações sensíveis à necessidade deles, e sabem que não há salvação em nenhum outro senão em Cristo; E, quando o olharem para ele, para a sua justiça para justificação, para o seu sangue para a paz, o perdão e a purificação, para o seu sacrifício pela expiação, e para a sua plenitude de graça para um suprimento contínuo e para ele para a vida eterna e glória; Quando se alegram com ele e com a sua salvação, e lhe dão toda a glória: o apóstolo acrescenta:

pela fé que há em Cristo Jesus : sabedoria para salvação não está no conhecimento da lei, o judeu se gabava de; Nem nas obras dele, pelo menos não em uma confiança e confiança neles para a salvação; Porque por eles não há justificação diante de Deus, nem aceitação com ele, nem salvação; mas a verdadeira sabedoria para a salvação está na fé, que é o conhecimento espiritual de Cristo e uma santa confiança nele; E aquela salvação que as Escrituras fazem sábios aos homens, é recebida e desfrutada por meio dessa fé, que tem Cristo por seu autor e objeto; Que vem dele, e centra-se nele, e é um olhar para ele para a vida eterna.

Versículo 16
Toda a Escritura é inspirada por Deus , .... Ou seja, todos Sagrada Escritura; Pois do que só o apóstolo está falando; E ele significa a totalidade dela; Não só os livros do Antigo Testamento, mas do Novo, cuja maior parte estava agora escrita; Pois esta segunda epístola a Timóteo é, por algum pensamento, a última das epístolas de Paulo; E isso também guardará bem do que estava para ser escrito; Pois tudo é inspirado por Deus ou soprado por ele: as Escrituras são o sopro de Deus, a palavra de Deus e não os homens; Eles são "escritos pelo Espírito", como a versão siríaca o torna; Ou "pelo Espírito de Deus", como a versão Etíope. As Escrituras são aqui elogiadas, da autoridade divina delas; E que é atestada e confirmada por vários argumentos; Como a majestade e altivez de seu estilo, que em muitos lugares é inimitável pelos homens; A sublimidade da matéria contida neles, que transcende toda compreensão e capacidade humana que alguma vez alcançaram e descobriram; Como a trindade das pessoas na Divindade, a encarnação de Cristo, a ressurreição dos mortos, etc. A pureza ea santidade deles antes observados, mostram que eles são a palavra daquele que é de olhos mais puros do que para contemplar a iniqüidade; Como também a sua harmonia e concordância, embora escrito por pessoas diferentes, em diferentes lugares e idades, e em diversas vezes, e em diversas maneiras; As aparentes incoerências neles observadas podem, com o trabalho e a indústria, com a ajuda divina, ser reconciliadas. As predições de eventos futuros neles, particularmente sobre Josias e Ciro, por nome, muito antes de eles nascerem, e especialmente sobre Jesus Cristo, e que tiveram sua realização, e muitos outros no Novo Testamento, tanto por Cristo e seus apóstolos , São uma prova de que eles não poderiam ser os escritos dos homens, mas deve ter o Deus onisciente para seu autor; A imparcialidade dos escritores deles, em não esconder o extracto médio de alguns deles, os pecados de outros antes da conversão, e mesmo os seus pecados e falhas depois, bem como os dos seus mais próximos parentes e amigos mais queridos, reforça a prova de Sua autoridade divina; A que se pode acrescentar, a maravilhosa preservação deles, através de todas as mudanças e declinações da igreja e do Estado judeus, a quem os livros do Antigo Testamento foram cometidos; E não obstante a violência e a malícia dos perseguidores pagãos, particularmente Dioclesian, que procurou destruir cada cópia das Escrituras, e publicou um édito para esse propósito, e não obstante o número de hereges, e que estiveram no poder, como também a apostasia de A igreja de Roma; E, no entanto, esses escritos foram preservados e mantidos puros e incorruptos, o que não é o caso de outros escritos; Nem há qualquer antiguidade como a mais antiga: a que se pode subordinar o testemunho do próprio Deus; Seu testemunho exterior por milagres, operados por Moisés e os profetas, preocupados nos escritos do Antigo Testamento e pelos apóstolos no Novo; E seu testemunho interno, que é a eficácia dessas Escrituras nos corações dos homens; A leitura e audição de que, tendo sido possuído para a conversão, conforto e edificação de milhares e milhares, e dez mil vezes dez mil; e

proveitosa para ensinar ; Para descobrir, ilustrar e confirmar qualquer doutrina concernente a Deus, o ser, as pessoas e as perfeições de Deus; Sobre a criação ea queda do homem; Sobre a pessoa e os ofícios de Cristo, redenção por ele, justificação pela sua justiça, perdão pelo seu sangue, reconciliação e expiação pelo seu sacrifício e vida eterna por meio dele, com muitos outros. A Escritura é proveitosa para os ministros buscarem doutrina e estabelecê-la; E para os ouvintes tentarem prová-la:

para a repreensão ; De erros e heresias; Esta é a espada do Espírito, que corta tudo para baixo. Nunca houve, nem é, nem pode haver qualquer erro ou heresia abordada no mundo, mas há uma suficiente refutação dele nas Escrituras; Que pode ser lucrativamente usado para esse fim, como tem sido muitas vezes por Cristo e seus apóstolos, e outros desde em todas as idades:

para a correção ; Do vício; Não havendo pecado, mas a sua natureza perversa é mostrada, sua tendência perversa é exposta, e os tristes efeitos e consequências dela são apontados nestes escritos: para instrução em justiça; Em cada ramo de dever que incumbe aos homens; Quer com respeito a Deus, quer uns aos outros; Pois não há obrigação a que os homens são obrigados, mas a natureza, o uso e a excelência dela, são aqui mostrados: as Escrituras são uma regra perfeita de fé e prática; E assim eles são elogiados da utilidade e lucratividade deles.

Versículo 17
Que o homem de Deus seja perfeito , .... Por que o homem de Deus seja destinado a todos que em uma relação especial pertence a Deus; Que é escolhido por Deus, o Pai, redimido pelo Filho e chamado pelo Espírito; Mas mais especialmente um ministro do Evangelho; de como era de costume para chamar um profeta sob o Antigo Testamento por este nome, parece ser transferido dali a um ministro do Novo Testamento, veja 1 Timóteo 6:11 eo design das Escrituras eo fim de escrevê-las São, que ambos os pregadores da palavra, e os ouvintes dele, poderiam ter um perfeito conhecimento da vontade de Deus; Que o primeiro poderia ser um ministro completo do Evangelho, e que nada poderia estar faltando para a informação do último:

perfeitamente habilitado para toda boa obra , ou "toda boa obra"; Particularmente para o trabalho do ministério, que é bom; E para cada parte e ramo dele, um mobiliário cuidadoso para o qual está nas Sagradas Escrituras; De onde, como os escribas bem instruídos no reino dos céus, os ministros do evangelho produzem coisas novas e velhas, tanto para o deleite quanto para o proveito: embora isso também possa ser aplicado a todas as boas obras em comum que as Escrituras apontam Sobre, bem como mostrar onde a força deve ser tido para realizá-los.(comentário bíblico Jhon Gil).


Lição adultos obras da carne e fruto n.1 2017




                                  lição adulto n.1 2017



Texto Áureo

"Digo, porém: Andai em Espírito e não cumpríreis a concupiscência da carne." (G15.16)

Verdade Prática

          Paro vencer as obras da carne precisamos andar em Espirito.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Rm 8.4: O crente não pode mais andar segundo a carne, mas segundo o Espírito.
Terça - Ef 5.18: Para vencermos as obras da carne precisamos ser cheios do Espírito.
Quarta – Rm 8.1,2: Não existe condenação para aqueles que estão em Cristo.
Quinta – Gl 5.25: Precisamos andar e viver no Espírito.
Sexta- Gl 5.21: Os que andam segundo a carne não herdarão o Reino de Deus.
Sábado – Gl 5.24: Os que são de Cristo precisam crucificar a carne.

                                 LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Gálatas 5.16 - 26
16 Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne.
17 Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis.
18 Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei.
19 Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia,
20 Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias,
21 Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.
22 Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.
23 Contra estas coisas não há lei.
24 E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.
25 Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito.
26 Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros.



HINOS SUGERIDOS: 75, 354,440 DA HARPA CRISTÃ

OBJETIVO GERAL

Mostrar que as obras da carne só podem ser vencidas mediante o Espírito Santo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

        EXPLICAR o que é carne e espírito no contexto bíblico;
        SABER que ou o crente vive de acordo como a carne, ou de acordo como o Espírito;

        ENTENDER que o verdadeiro crente é reconhecido pelo seu caráter e suas ações.

 INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Prezado professor, mais um ano se inicia para a glória do Senhor! Anelamos pelo glorioso dia em que O veremos face a face no seu Reino de Glória! Você está preparado?

Sua classe está preparada?

Enquanto vivemos neste mundo, devemos a cada dia aperfeiçoar as nossas vidas para estarmos mais perto do céu. Neste trimestre, teremos a oportunidade de nos aprofundar num assunto que nunca se esgota: obras da carne versus fruto do Espírito.
O comentarista do trimestre é o pastor Osiel Gomes - escritor, conferencista, bacharel em Teologia, Direito e graduado em Filosofia; líder da AD em Tirirical, São Luís - Maranhão.
As lições que serão estudadas servirão de despertamento para os crentes afim de que possamos alimentar, em nossas vidas, o fruto do Espírito e não ceder às obras da carne.
Clique e acesse

INTRODUÇÃO

Neste trimestre, estudaremos a respeito das obras da carne e o fruto do Espírito. Na Epístola aos Gálatas, o apóstolo Paulo, de maneira brilhante e contundente, trata do assunto, mostrando o embate existente entre a carne e o Espírito. Ele faz uma exposição da luta que se inicia, internamente, quando aceitamos Jesus como Salvador e procuramos viver segundo a sua vontade.
Como poderemos vencer esse embate entre a carne e o Espírito? Veremos que não é possível vencer a natureza carnal mediante o autoflagelo.
Para vencermos as obras da carne, precisamos, em primeiro Lugar, deixar-nos dominar pelo Espírito Santo de Deus. É preciso ser cheio do Espírito Santo diariamente (Ef 5.18). Se o crente tiver uma vida controlada pelo Consolador, terá plena condição de resistir à sua natureza pecaminosa. Se permitirmos que o Espírito nos domine e nos guie vamos então produzir o fruto que nos leva a agir como discípulos de Cristo (Gl 5.16).

PONTO CENTRAL

O cristão deve andar em Espírito para vencer as obras da carne, pois sozinho jamais conseguirá.

I. ANDAR NA CARNE X ANDAR NO ESPÍRITO

1. O que é a carne?

Dentro do contexto neotestamentário, o vocábulo carne é sarx. Essa palavra é utilizada para designar a natureza adâmica que domina o velho homem e o leva a praticar as obras da carne relacionadas em Gálatas 5.19-21.
 Edward Robinson, no seu dicionário de grego do Novo Testamento, utiliza a palavra sarx para descrever a natureza exterior que difere do homem interior (Lc 24.39). A palavra carne, no aspecto teológico, denota a fragilidade humana e a sua tendência ao pecado. Ela é a sede dos apetites carnais (Mt 26.41). O homem somente poderá viver em novidade de vida e no poder do Espírito Santo se, pela fé, receber Jesus Cristo como Salvador.

Homem algum tem o poder de controlar ou transformar a natureza de outra pessoa, somente Deus tem esse poder.

2. O que é o espirito?

A palavra espírito no grego é pneuma, Esse termo significa sopro, vento, respiração e principio da vida. Esse vocábulo também descreve o espírito que habita no homem o qual foi soprado por Deus (Gn 2.7). Logo, percebemos que esta palavra tem diferentes significados, É segundo o pastor Claudionor de Andrade. O seu significado teológico vai multo além: "Espirito é a parte imaterial que Deus insuflou no ser humano, transmitindo-lhe a vida". Essa palavra também é aplicada, no Evangelho de tolo, em referência a Deus (Jo 4.24). A Terceira Pessoa da Santíssima Trindade é Identificada no Novo Testamento como o Espírito Santo (Lc 4.1; Hb 3.7), e, uma vez mais é importante frisar que o Espírito Santo é uma pessoa.

3. Andar na carne x andar no Espírito.

Paulo adverte os crentes mostrando que os que vivem segundo a carne, ou seja, uma vida dominada pelo pecado, jamais agradarão a Deus: "Portanto, os que estio na carne não podem agradar a Deus"(Rm 8.8).

O viver na carne opera morte (espiritual e física), mas o viver no Espírito conduz o crente à felicidade, à vida eterna (Rm 8.11; 1Co 6.14). Paulo foi enfático ao afirmar: "Andai em Espírito" (Cl 5.16). O Espírito Santo nos ajuda a viver em santidade e de maneira que o nome do Senhor seja exaltado.  Sem Ele não poderíamos agradar a Deus.
Quem pode nos ajudar e nos conduzir de modo a agradar a Deus? Somente o Espírito Santo.

O doutor Stanley Horton diz que andar no Espírito e ser guiado por Ele significa obter vitória sobre os desejos e os impulsos carnais. Significa desenvolver o fruto do Espírito, o melhor antídoto às concupiscências carnais. Jamais tente viver a vida cristã pelos seus próprios esforços, tomando atalhos, buscando desvios, mas renda-se constantemente ao Espírito Santo, pois Ele lhe ensinará a maneira certa de vivera vida cristã.
Quando o Espírito Santo tem o controle do nosso espírito, Ele faz com que o nosso homem interior tenha forças e condições para opor-se às obras da carne. Andar na carne, ou seja, ser dominado pela velha natureza adâmica. Leva a pessoa a portar-se de modo pecaminoso. Infelizmente, muitos crentes, como os de Corinto, estão se deixando dominar petas obras da carne (1 Co 3.3).

SÍNTESE DO TÓPICO l

A diferença entre a carne e o espírito, é que a carne foge de Deus e o espirito tem sede do Senhor.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

Professor, elabore um cartaz de acordo com o quadro da página a baixo. Utilize-o para fazer um contraponto Espírito X Natureza pecadora.

Ao descrever este conjunto de opostos, Paulo nos lembra de verdades vitais e maravilhosas. O que não conseguimos fazer. Deus consegue e fará, tanto em nós quanto para nós.
Nunca nos tornaremos as pessoas verdadeiramente boas que desejamos ser, tentando obedecer à Lei de Deus. Mas, nos trornamos gradativamente mais justas à medida que confiarmos no Espírito de Deus para nos orientar e capacitar" (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento, 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p. 414).

GÁLATAS 5

O ESPÍRITONATUREZA PECADORA

- amor
- lei
- em conflito com a natureza pecadora
- em conflito com o Espírito
- se conduzido pelo Espírito, não está sob a Lei
- a Lei é 'contra' seus atos
- o Espírito produz frutos bons e justos
- a natureza pecadora produz atos óbvios de pecado

II. OBRAS DA CARNE, UM CONVITE AO PECADO

1. A cobiça.

Quem anda no Espírito resiste às obras da carne, pois somente cheios dEle teremos condições de viver de modo a exaltar e a glorificar o nome do Senhor. Quem de fato deve controlar a vida do crente é o Espírito Santo. Homem algum tem o poder de controlar ou transformar a natureza de outra pessoa, somente Deus tem esse poder. A natureza pecaminosa nos incentiva a viver em concupiscência, luxúria, desejos descontrolados e paixões impuras (2 Pé 2.10).
A Bíblia nos ensina que a concupiscência da carne não procede de Deus (1Jo 2.16). Eva cobiçou o fruto da árvore que Deus havia ordenado que não comesse. Seu desejo trouxe terríveis consequências para sua vida e para a humanidade (Gn 3-6). A cobiça de Acã o levou à morte Os 7.21). Portanto, não permita que o desejo da carne, da velha natureza, domine você. Atente para o que Paulo ensinou às igrejas da Gálacia a respeito da cobiça da carne contra o Espírito (Gl 5.17). Os desejos da carne serão sempre contrários à vontade de Deus.

A carne não pode ter vez na vida do crente, posto que a força do Espírito Santo é maior.

2. A oposição da carne.

O seu espírito deseja orar, jejuar e buscar a Deus, mas a sua carne vai preferir ver televisão, comer bem e ficar no conforto da sua casa. Precisamos ter cuidado, pois a oposição da carne contra o Espírito é algo contínuo. Essa oposição somente será vencida se procurarmos viver cheios do Espírito Santo. A carne não pode ter vez na vida do crente, posto que a força do Espírito Santo é maior, porém o embate entre a carne e o Espírito vai perdurar até o dia que receberemos do Senhor um corpo glorificado (Fp 3.21).

O crente que realmente deseja fazer oposição às obras da carne precisa andar pelo Espírito, porque Ele não deixa que as paixões infames o domine. Para o crente existem duas maneiras pelas quais ele pode viver: na carne ou no Espírito. Ou você serve a Deus e permite que Ele domine sua natureza adâmica ou vive na prática das obras da carne. O que você escolhe?

O Espírito Santo desenvolve o seu fruto em nós à medida que nos aproximamos de Deus e procuramos ter uma vida de comunhão e santidade.

SÍNTESE DO TÓPICO II

A carne não tem mais poder sobre o crente quando este entrega a direção da sua vida ao Espírito Santo.

SUBSÍDIO DEVOCIONAL

Não cumprireis a concupiscência da carne
Quando nos tornamos crentes, a nossa natureza pecadora continua existindo. Mas Deus nos pede que coloquemos a nossa natureza pecadora sob o controle do Espírito Santo de modo que Ele possa transformá-la. Este é um processo sobrenatural. Nunca devemos subestimar o poder da nossa natureza pecadora, e nunca devemos tentar combatê-la com as nossas próprias forças. Satanás é um tentador ardiloso, e nós temos uma capacidade ilimitada de inventar desculpas. Em lugar de tentar superar o pecado com a nossa própria força de vontade, devemos aproveitar o tremendo poder de Cristo. Deus permite a vitória sobre a nossa natureza pecadora — Ele envia o Espírito Santo para residir em nós e nos capacitar. Mas a nossa capacidade de resistir aos desejos da natureza pecadora irá depender do quanto estamos dispostos a 'viver de acordo' com o Espírito Santo. Para cada crente, este processo diário requer decisões constantes (Comentário do Novo Testamento: Aplicação pessoal. Vol.2. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p. 294).

III. FRUTO DO ESPÍRITO, UM CHAMADO PARA SANTIDADE

1. O que é o fruto do Espírito?

Segundo o  "o fruto do Espírito são os hábitos e princípios misericordiosos que o Espírito Santo produz em cada cristão". Esses hábitos e princípios são o resultado de uma vida de comunhão com Deus. De acordo com Romanos 6.22, depois de liberto do pecado, o crente precisa desenvolver o fruto do Espírito. Os dons espirituais são dádivas divinas, mas o fruto precisa ser desenvolvido, cultivado. O Espírito Santo desenvolve o seu fruto em nós à medida que nos aproximamos de Deus e procuramos ter uma vida de comunhão e santidade.

2. Os frutos provam a nossa verdadeira santidade.

Quando vivíamos no pecado, nossos frutos, ações, eram as obras da carne, mas libertos do seu poder e domínio, tendo uma nova natureza implantada em nosso ser, nos tornamos uma pessoa melhor. João Batista falou a respeito da importância de produzirmos frutos dignos de arrependimento (Mt 3.8). João estava dizendo que o arrependimento genuíno será acompanhado pelo fruto da justiça. O arrependimento genuíno é evidenciado pelos nossos frutos, ou seja, nossas ações. Como conhecemos uma árvore? Por seus frutos. Logo, o verdadeiro crente é reconhecido por seu caráter e suas ações.

3. A santidade que o Espírito Santo gera em nós.

O Espírito Santo nos molda e nos ensina o que é certo e o que é errado à medida que buscamos a Deus em oração, leitura da Palavra e jejuns. Por meio da Palavra de Deus, o Espírito Santo vai trabalhando paulatinamente em nós, até que alcancemos a estatura de homem perfeito (Ef 4.13). Quando deixamos de ser meninos, estamos prontos para produzir bons frutos (Lc 8.8).  O crente precisa andar em novidade de vida, em santidade.
Segundo os pressupostos bíblicos, a santificação do crente é:

a) Posicional.

 Quando, por meio da fé, aceitamos Jesus Cristo como nosso único e suficiente Salvador, nossos pecados são apagados, recebemos o perdão divino e passamos a desfrutar de uma nova vida em Cristo (2 Co 5.17). A natureza adâmica já não tem mais domínio sobre nós, e por meio da ação do Espírito Santo podemos experimentar o novo nascimento (Jo 3.3). Mediante a fé passamos a desfrutar de uma nova posição espiritual em Jesus Cristo.

b) Progressiva.

A santificação é um processo que vai se desenvolvendo ao longo da nossa vida. Depois do novo nascimento, o crente precisa crescer na graça e no conhecimento de Cristo Jesus (1Pe 3.18). A santificação é gradual, progressiva e nos leva para mais perto de Deus.

c) Final.

Em Filipenses 3.12.13, Paulo mostra que ele estava buscando uma transformação maior e final. Essa transformação somente acontecerá quando recebermos um corpo glorificado e nos tornarmos semelhantes a Jesus (1Jo 3.2).

Quando deixamos de ser meninos, estamos prontos para produzir bons frutos.

SÍNTESE DO TÓPICO III

O fruto do Espirito produz a santificação na vida do crente que se manifesta de forma posicional, progressiva e final.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne (Cl 5.16)
O texto original apresenta 'andai (peripateite) em Espírito'. Esta frase reflete uma expressão idiomática comum em hebraico, na qual 'andar' significa 'conduzir a própria vida'.
Os judaizantes disseram aos gálatas que conduzissem as suas vidas Observando a Lei. Mas Paulo argumentou que a lei não tem papel algum na vida do cristão. A pessoa que procura ser 'justificada pela lei' (5.4) cal da graça, e se separa de Cristo como a fonte da vida justa.
Em Romanos 7.4-6, Paulo vai ainda mais adiante, e diz que a natureza pecadora (sarx, a carne) na verdade é energizada (ou estimulada) pela Lei.
Então, o que o cristão deve fazer? O cristão deve conduzir sua vidi observando não a Lei, mas o Espirito de Deus. Pois, Paulo promete, a pessoa que olhar para o Espírito (confiar nEle) 'não cumprirá a concupiscência da carne [sarx]" (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histôrico-CuUural do Novo Testamento. Rio de Janeiro; CPAD, 2012, p. 412).

CONHEÇAMAIS

O Espírito... contra a carne (Cl 5.17)
O conflito espiritual interiormente no crente envolve a totalidade da sua pessoa. Este conflito resulta ou numa completa submissão às más inclinações da 'carne', o que significa voltar ao domínio do pecado; ou numa plena submissão à vontade do Espírito Santo, continuando o crente sob o senhorio de Cristo (Rm 8.4-14). O campo de batalha está no próprio cristão, e o conflito continuará por toda a vida terrena, visto que o crente por fim reinará com Cristo (Rm 7.7-25; 2 Tm 2.12; Ap 12.11)." Para conhecer mais, leia Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, p.1801.

CONCLUSÃO

Para vencermos o conflito existente entre a carne e o Espírito, precisamos tão somente nos encher do Espírito Santo e crucificar a nossa carne com suas paixões e concupiscências (Gl 5.24; Ef 5.18). Permita que o Espírito Santo guie você pelo caminho certo e que Ele controle os seus desejos de modo que o fruto seja evidenciado| em sua vida.

PARA REFLETIR

A respeito das obras da carne e o fruto do Espírito, responda:
 De acordo com a Lição, defina carne.
Essa palavra é utilizada para designar a natureza adâmica que domina o velho homem e o leva a praticar as obras da carne relacionadas em Gaiatas 5.19-21.

 O que é o espírito?
Esse termo significa sopro, vento, respiração e princípio da vida. Esse vocábulo também descreve o espírito que habita no homem o qual foi soprado por Deus (Gn 2.7).
 Quais são as obras da carne relacionadas em Gaiatas 5.19-21?
Prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias.
 Segundo Gaiatas 5.22, relacione o fruto do Espírito.
Amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.
 Segundo os pressupostos bíblicos, quais são os três tipos de santificação?
Posicional, progressiva e final.