quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Subsidio adolescentes vestir do que é bom n.7


                            SUBSIDIO ADOLOESCENTES N.7 
                  COMENTARIOCOLOSSENCES 3.1-16 
                            VESTIR DO OQUE É BOM



                                           Professor Mauricio Berwald

I. O apóstolo exorta-nos a definir nossos corações em cima do céu e levá-los fora deste mundo, Colossenses 3: 1-4 . II. Ele exorta à mortificação do pecado, nas várias instâncias dele, Colossenses 3: 5-11 . III. Ele sinceramente pressiona ao amor mútuo e compaixão, Colossenses 3: 12-17 . E conclui com exortações aos deveres relativos, dos maridos e esposas, pais e filhos, senhores e servos,
Colossenses 3: 18-25 .

versículos 1-4
A vida espiritual.  AD 62.

1 Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. 2 Pensai nas coisas do alto, não nas que são da terra. 3 porque morrestes, ea vossa vida está escondida com Cristo em Deus. 4 Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória.

O apóstolo, tendo descrito nossos privilégios por Cristo na primeira parte da epístola, e nossa descarga do jugo da lei cerimonial, vem aqui para pressionar em cima de nós o nosso dever como dali inferida. Embora nós são feitas livre da obrigação da lei cerimonial, não, portanto, seguir para que possamos viver como nós lista. Devemos caminhar mais perto de Deus em todas as instâncias de obediência evangélica. Ele começa com exortando-os a definir os seus corações no céu, e levá-los fora deste mundo: . Se você, em seguida, subiram com Cristo É nosso privilégio que temos já ressuscitastes com Cristo, isto é, ter o benefício pela ressurreição de Cristo, e em virtude de nossa união e comunhão com ele são justificados e santificados, e será glorificado. Por isso, ele infere que devemos buscai as coisas que são de cima. Temos de importar as preocupações de um outro mundo mais do que as preocupações deste. Temos de fazer o céu nosso escopo e objetivo, buscar o favor de Deus acima, manter a nossa comunhão com o mundo superior pela fé e esperança, e amor santo, e torná-lo nosso cuidado constante e de negócios para garantir o nosso título e qualificações para a bem-aventurança celestial. E a razão é porque Cristo está sentado à direita de Deus. Aquele que é o nosso melhor amigo e nossa cabeça é avançado para o maior dignidade e honra no céu, e tem ido antes para garantir-nos a felicidade celestial e, portanto, deve procurar e garantir que ele tenha comprado em tão vasto uma despesa, e está tomando tanto cuidado aproximadamente. Devemos viver uma vida como Cristo viveu aqui na terra e vive agora no céu, de acordo com as nossas capacidades.

I. Ele explica este dever ( Colossenses 3: 2 ): . Defina suas afeições nas coisas do alto, não nas que são da terra observar, procurar coisas celestiais é definir nossas afeições sobre eles, amá-los e deixar os nossos desejos ser no sentido de eles. Sobre as asas do afeto do coração sobe para cima, e é levada adiante em direção aos objetos espirituais e divinos. Devemos familiarizar-nos com eles, estima-los acima de todas as outras coisas, e colocar para fora de nós mesmos, em preparação para o gozo deles. David deu essa prova de sua amando a casa de Deus, que ele diligentemente procurou-se depois, e preparado para isso, o Salmo 27: 4 . Esta é a inclinação do Espírito ( Romanos 8: 6 ), e buscar e desejam uma pátria melhor, isto é, a celestial, Hebreus 11:14 , 16 . Coisas na Terra estão aqui colocadas em oposição . Coisas acima Não devemos dote sobre eles, nem esperar muito deles, para que possamos definir nossas afeições no céu o céu ea terra são um contrário ao outro, e uma suprema consideração a ambos é inconsistente e a prevalência de nossa afeição a um irá proporcionalmente enfraquecer e diminuir o nosso carinho para o outro.

II. Ele atribui três razões para isso, Colossenses 3: 3 , 4 .

1. Que estamos mortos ou seja, para apresentar as coisas, e como nossa porção. Estamos tão na profissão e obrigação de que estamos sepultados com Cristo, e plantou na semelhança da sua morte. Cada cristão é crucificado para o mundo, e o mundo está crucificado para ele, Gálatas 6:14 . E se estamos mortos para a terra, e renunciaram a ele como nossa felicidade, é absurdo para nós para definir nossas afeições sobre ela, e procuram -lo. Devemos ser como uma coisa morta para ele, impassível e não afetado em direção a ela.

2. Nossa verdadeira vida está no outro mundo: Você está morto, e sua vida está escondida com Cristo em Deus, Colossenses 3: 3 . O novo homem tem sua dali subsistência. Ela nasce e se alimenta de cima e na perfeição da sua vida é reservado para esse estado. Ele está escondida com Cristo não escondeu de nós somente, no ponto de sigilo, mas escondeu para nós, denotando segurança. A vida de um cristão está escondida com Cristo. Porque eu vivo vós vivereis, João 14:19 . Cristo é, actualmente, um Cristo escondido, ou uma a quem não vimos , mas este é o nosso conforto, que a nossa vida está escondida com ele, e pôs-se de forma segura com ele. Como temos razão para amá-lo a quem não vimos ( 1 Pedro 1: 8 ), para que possamos tomar o conforto de uma felicidade fora de vista, e reservada nos céus para nós.

3. Porque na segunda vinda de Cristo, esperança para a perfeição da nossa felicidade. Se vivemos uma vida de pureza e devoção cristã agora, quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, seremos também aparecem com ele em glória, Colossenses 3: 4 . Observe: (1) Cristo é a vida de um crente. Eu vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim, Gálatas 2:20 . Ele é o princípio eo fim da vida do cristão. Ele vive em nós pelo seu Espírito, e nós vivemos com ele em tudo que fazemos. Para mim o viver é Cristo, Filipenses 1:21 . (2.) Cristo aparecerá novamente. Ele agora está se escondeu e os céus deve conter , mas ele aparecerá em toda a pompa do mundo superior, com os seus anjos, e em sua própria glória e glória de seu Pai, Marcos 8:38 ; Lc 9:26 . (3.) Devemos então aparecer com ele em glória. Será a sua glória de ter a sua resgatadas com ele, ele virá para ser glorificado nos seus santos ( 2 Tessalonicenses 1:10 ) e será a sua glória para vir com ele, e estar com ele para sempre. Na segunda vinda de Cristo, haverá uma assembleia geral de todos os santos e aqueles cuja vida agora está escondida com Cristo deve então aparecer com Cristo em glória que ele mesmo gosta, João 17:24 . Nós olhamos para essa felicidade, e que não devemos definir nossas afeições sobre aquele mundo, e viver acima deste? O que há aqui para nos fazer apaixonado por ela? O que há não há desenhar nossos corações a ele? Nossa cabeça está lá, nossa casa está lá, o nosso tesouro está lá, e esperamos estar lá para sempre.

versículos 5-7
Necessidade de Mortifying Sin.       AD 62.

5 Mortificai, pois, os vossos membros que estão sobre a prostituição terra, impureza, a paixão, a vil concupiscência, ea avareza, que é idolatria: 6 Porque quais coisas a ira de Deus sobre os filhos da desobediência: 7 No que vós também andou algum tempo, quando vivíeis nelas.

O apóstolo exorta os colossenses a mortificação do pecado, o grande obstáculo para buscar as coisas que são de cima. Uma vez que é o nosso dever de definir nossas afeições nas coisas celestiais, é nosso dever para mortificar nossos membros que estão sobre a terra, e que, naturalmente, nos inclinam para as coisas do mundo: "Mortifique-los, isto é, subjugar os hábitos viciosos de espírito que prevaleceu em seu estado Gentile Matá-los, reprimi-los, como você faz ervas daninhas ou vermes que se espalhou e destroem tudo sobre eles, ou como você mata um inimigo que luta contra você e feridas vocês. "-. Os seus membros que são sobre a terra , quer os membros do corpo, que são a parte terrestre de nós, e foram esmeradamente tecido nas partes mais baixas da terra ( Salmo 139: 15 ), ou os afetos corruptos da mente, que nos levam às coisas terrenas , os membros do corpo de morte, Romanos 7:24 . Ele especifica,

I. Os desejos da carne, para o qual eles foram antes, então muito notável: fornicação, impureza, a paixão, a vil concupiscência --as várias funcionamento dos apetites carnais e impurezas da carne, que o espectáculo de seu antigo curso da vida, e que eram tão contrária ao estado cristão ea esperança celeste.

II. O amor do mundo: ea avareza, que é idolatria , isto é, um amor desordenado do bem presente e prazeres exteriores, que procede de um valor muito elevado na mente, coloca em cima de uma busca muito ansioso, dificulta o uso adequado e gozo de -los, e cria o medo ansioso e tristeza imoderada para a perda deles. Observe, cobiça é idolatria espiritual: é a doação de que o amor eo respeito à riqueza mundana que são devidos somente a Deus, e carrega um maior grau de malignidade nele, e é mais altamente provocando a Deus, do que normalmente se pensa. 
E é muito observável que, entre todas as instâncias do pecado que os homens bons são registrados na escritura ter caído (e não há praticamente nenhum, mas um ou outro, em uma ou outra parte de sua vida, ter caído), há nenhuma instância em toda a escritura de qualquer bom homem acusado de cobiça. Ele passa a mostrar como é necessário para mortificar pecados, Colossenses 3: 6 , 7 . 1. Porque, se não matá-los, eles vão matar-nos: Por que coisas 'causa a ira de Deus sobre os filhos da desobediência, Colossenses 3: 6 . Veja o que todos nós somos, por natureza, mais ou menos: somos filhos da desobediência: não só as crianças desobedientes, mas sob o poder do pecado e naturalmente propenso a desobedecer. A ímpios são afastados desde o ventre andam errados, logo que nascem, falando mentiras, Salmo 58: 3 . 
E, sendo filhos da desobediência, somos filhos da ira, Efésios 2: 3 . A ira de Deus vem sobre todos os filhos da desobediência. Aqueles que não obedecem aos preceitos da lei incorrer nas penalidades do mesmo. Os pecados que ele menciona foram os seus pecados em seu pagão e idólatra estado, e eles foram, então, especialmente os filhos da desobediência e mesmo assim esses pecados trouxe juízos sobre eles, e eles expostos à ira de Deus. 2. Devemos mortificar esses pecados, porque eles viveram em nós: Em que você também andou algum tempo, quando você viveu neles, Colossenses 3: 7 . Observe, a consideração que temos vivido anteriormente em pecado é um bom argumento por isso que agora deve abandoná-lo. Nós andamos em by-caminhos, portanto, vamos caminhar em si não mais. Se fiz alguma maldade, vou fazer mais nada, Jó 34:32 . O tempo passado a nossa vida pode nos bastar ter feito a vontade dos gentios, andando em dissoluções, 1 Pedro 4: 3 .-- Quando você viveu entre aqueles que fizeram essas coisas (por isso alguns compreendê-lo), então você caminhou nessas práticas malignas. É uma coisa difícil de viver entre aqueles que fazem as obras das trevas e não ter comunhão com eles, como é andar na lama e contrair nenhum solo. Vamos manter fora do caminho dos malfeitores.

versículos 8-11
Necessidade de Mortifying Sin.       AD 62.

8 Mas agora vos também de tudo isto ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca. 9 não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos 10 E puseram sobre o novo homem, que é renovado em conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou: 11 Onde há grego nem judeu , circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, escravo nem livre, mas Cristo é tudo em todos.

Como estamos a mortificar apetites desordenados, por isso estamos a mortificar paixões desordenadas ( Colossenses 3: 8 ): Mas agora você também de tudo isto, a ira raiva, malícia e estes se opõem ao projeto do evangelho, bem como Grosser impurezas e, apesar de serem maldade mais espiritual, não menos maldade neles. A religião evangélica introduz uma alteração do superior, bem como os poderes inferiores da alma, e apoia o domínio da razão direita e consciência sobre o apetite e paixão. Raiva e ira são ruins, mas a malícia é pior, porque é mais arraigados e deliberada é a raiva aumentada e resolvido. 
E, como os princípios corruptos do coração deve ser cortado, assim que o produto deles na língua como a blasfêmia, que parece lá para dizer, não tanto falar mal de Deus como falar mal dos homens, dando a linguagem mal a eles, ou levantar relatórios mal deles, e ferindo o seu bom nome por quaisquer artes do mal, - das palavras torpes, isto é, todos lasciva e do discurso devassa, que vem de uma mente poluída no alto-falante e propaga as mesmas contaminações nos ouvintes, - -e mentir: not Lie uns aos outros ( Colossenses 3: 9 ), pois é contrário tanto à lei da verdade e da lei do amor, é tanto injusto e cruel, e, naturalmente, tende a destruir toda a fé e amizade entre os homens . Mentir faz de nós como o diabo (que é o pai da mentira ), e é uma parte principal da imagem do diabo em nossas almas e, portanto, somos advertidos contra este pecado por esta razão geral: Vendo já vos despistes do velho homem com a sua feitos, e vos vestistes do novo homem, Colossenses 3:10 . 
A consideração que temos por profissão aniquilar o pecado e abraçado a causa e juros de Cristo, para que tenham renunciado todo o pecado e ficar noiva de Cristo, devem fortificar-nos contra este pecado da mentira. Aqueles que já vos despistes do velho homem ter colocado-o com os seus atos e aqueles que se revestiram do novo homem deve colocar em todos os seus atos - não só defendem os bons princípios, mas representá-las em uma boa conversa. O novo homem é dito ser renovado em conhecimento, porque uma alma ignorante não pode ser uma boa alma. Sem o conhecimento do coração não pode ser bom, Provérbios 19: 2 . 
A graça de Deus trabalha sobre a vontade e afeições, renovando o entendimento. Luz é a primeira coisa na nova criação, como foi no primeiro: segundo a imagem daquele que o criou. Foi a honra do homem na inocência que ele foi feito à imagem de Deus, mas que a imagem foi desfigurado e perdeu pelo pecado, e é renovado pela graça santificante: para que uma alma renovada é algo parecido com o que Adão estava no dia em que ele foi criado. No privilégio e dever de santificação não há grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, escravo nem livre, Colossenses 3:11 . Agora não há diferença resultante de diferentes países ou diferentes condições e circunstâncias da vida: é tanto o dever de um como do outro para ser santo, e tanto o privilégio de um como do outro para receber de Deus a graça de ser assim. Cristo veio para derrubar todos os partição paredes, para que todos possam estar no mesmo nível diante de Deus, tanto no dever e privilégio. E por esta razão, porque Cristo é tudo em todos. Cristo é um cristão de tudo, o seu único Senhor e Salvador, e toda a sua esperança e felicidade. E para os que são santificados, tanto um como o outro, e tudo o que eles estão em outros aspectos, ele é tudo em todos, o Alpha e Omega, o princípio e o fim: ele é tudo em todas as coisas para eles.(Mathew Henrys, comentário do novo testamento).




Subsidio pre-adolescentes minhas tarefas n.7






Introdução

Falta de vontade de estudar, demora em fazer as tarefas, horas gastas na frente da televisão ou do computador e muita reclamação quando se pede para ajudar a fazer alguma coisa. Quando os filhos adolescentes se comportam dessa maneira, os pais precisam fazer uma avaliação para identificar as causas do problema e agir para incentiva-los a fugir da preguiça e da acomodação.


O primeiro passo é verificar se não há questões de saúde ou mesmo da rotina do jovem que podem estar comprometendo seu nível de disposição. Apatia e cansaço por vezes estão relacionados com enfermidades como anemia e disfunções da glândula tireoide. Em outros casos, são causadas pela falta de uma rotina adequada de vida: os jovens que trocam a noite pelo dia, que não têm alimentação saudável e que são sedentários tendem a ser menos ativos.



A falta de limites e de cobrança das responsabilidades dos filhos também pode gerar um adolescente acomodado. Desde pequenos os filhos devem ser ensinados, pouco a pouco, a cuidar de si mesmos, de suas coisas e a ajudar nas tarefas do lar. Os pais devem cobrar que as tarefas sejam feitas e não devem fazer por eles o que eles já têm capacidade para realizar sozinhos. Caso contrário, abre-se espaço para a acomodação: o jovem não deixa de arrumar seu quarto por preguiça, mas porque sabe que alguém virá arrumá-lo em algum momento. Veja abaixo as dicas dos especialistas para lidar com essas situações.


I- O dever de casa

Ensine seu filho a ser organizado em casa

 Toalha molhada em cima da cama, prato sujo de comida no sofá, pilhas de louças sujas na pia da cozinha, roupas sujas jogadas pelo quarto… ao menos que seu filho seja um primor em organização, essas cenas cotidianas são a realidade da maioria das famílias com filhos na pré-adolescência ou jovens. “Ensinar crianças e adolescentes a ter mais cuidado com a casa onde vivem os ajudam a desenvolver valores, ideias, competências e habilidades para a vida”, explica Rosângela Aparecida Cemino Moura, doutora em Psicologia da Educação pela PUC-SP.



Muitas famílias, por terem empregada, acabam não ensinando aos filhos como cuidar da casa e de suas próprias coisas, o que pode ser muito ruim na vida adulta deles: eles podem se transformar em adultos que não conseguem assumir compromissos e responsabilidades, além de também não conseguirem planejar e perseguir objetivos.

Mas para fazer o pimpolho ser mais organizado e responsável em casa não é preciso assumir a postura de mãe ou pai carrasco – com jogo de cintura e seguindo essas dicas, tudo vai dar certo:



Estabeleça limites

Saiba o quanto cobrar do seu filho, e até onde permitir. É importante que seu filho tenha um mínimo de organização e disciplina no seu quarto, com as suas coisas da escola, e também, com as coisas do restante da família. Mas todos os excessos não são bons, então, pegar muito no pé dele com um perfeccionismo exagerado não é o melhor caminho.



Ajude a planejar a organização

Uma boa dica de organização é planejar antes que tipos de materiais e objetos serão necessários para cada tipo de tarefa. Por exemplo, se a ideia é organizar a bagunça do quarto, sugira que seu filho use caixas organizadoras para guardar livros, brinquedos e miudezas. Assim a tarefa fica bem mais fácil!



Mostre como arrumar

A partir dos dois anos de idade, as crianças já podem ajudar em algumas tarefas domésticas. Já com oito anos, elas são capazes de fazer tudo sozinhas. Então, incentive seu filho desde cedo a criar hábitos responsáveis dentro de casa. Ensine a dobrar suas próprias roupas, a arrumar a cama, como organizar o armário. Assim, ajudar em casa não será uma obrigação para ele, será algo natural e prazeroso.



Estabeleça uma rotina

É importante que os limites estabelecidos sejam bem claros, e que isso faça parte da rotina diária. Assim, estabeleça o horário de dormir, tempo do banho, tempo para ficar no telefone, ver TV, ficar no computador, jogar videogame – e no caso de filhos adolescentes, o horário que eles tem que chegar em casa das baladas e festinhas.



Você é o modelo

Se você não é organizado e deixa tudo jogado pela casa, não vai adiantar nada pegar no pé do seu filho para que ele faça as coisas de um jeito diferente – pois tanto crianças quanto adolescentes vêem nos pais como principal exemplo para suas vidas. Faça também a sua parte que seu filho se espelhará em você!



II- Ordem e progresso

Ter uma casa em ordem exige tempo e esforço, além de ser uma exigência diária que não pode ser adiada – se for, aumenta como uma bola de neve. Só quem vivencia essa grande responsabilidade sabe o que significam as demandas de toda uma família. Por isso, ainda que pareça um tema simples, quase trivial, é de grande importância pelas implicações que tem na vida pessoal e familiar.

Independentemente do fato de trabalhar fora ou de contar com ajuda profissional para cuidar da casa, em geral é a mulher que se encarrega de fazer da casa um verdadeiro lar, tomando providências para que tudo ande nos trilhos. Mas essa responsabilidade não deve ser exclusiva delas. Se todo o peso recai sobre as mulheres, elas terminam esgotadas e o mais provável é que também se altere a harmonia familiar.

É por isso que as tarefas que surgem em casa devem ser assumidas por todos: marido, filhos e demais pessoas que convivem sob o mesmo teto. “O trabalho doméstico é uma responsabilidade geral. Todos devem contribuir para construir a família e as tarefas domésticas fazem parte desse cuidado. A família é um espaço de relacionamento em que o amor está presente através da ação e não apenas como sentimento”, destaca Jaime García, especialista em inteligência relacional e professor da Escola de Negócios da Universidade Adolfo Ibáñez, no Chile. É importante que os filhos, especialmente os homens, entendam que as tarefas de casa não são coisa de mulher e por isso é que se deve integrá-los também.



Valorizar do esforço

Quando se sente a participação de cada membro da família, se respira também um ambiente de maior união. E cada integrante do grupo, por mais jovem que seja, pode dar sua pequena contribuição para ajudar nas tarefas que diariamente precisam ser realizadas em casa.

Mas não é apenas questão de trabalhar em equipe e de promover uma convivência saudável. A realização dos afazeres domésticos ensina as crianças a valorizar o esforço que os pais e irmãos fazem por elas, a exercitar a responsabilidade, a vontade, a autoestima, a disciplina, a solidariedade, a gratidão e o sentido de pertencimento, pois faz com que se sintam membros ativos da família, uma vez que depende delas, ainda que em parte, o funcionamento do lar. Parte dessas lições serão determinantes para formar uma personalidade autônoma, baseada no esforço e na capacidade de agirem por si mesmos.

“É em casa, no meio dos pratos por lavar, das camas por serem arrumadas e da pilha de roupas para passar, que se aprendem virtudes, modelos de conduta, boa comunicação, disciplina, táticas de negociação. Também ali se desenvolve a empatia, a capacidade de resolver problemas, a criatividade para enfrentar desafios e tantas outras habilidades que constituem nossa humanidade”, diz o professor Jaime García.

Tanto sociólogos quanto orientadores familiares insistem em dizer aos pais que fazer pelos filhos as tarefas pelas quais eles são responsáveis e plenamente capazes é um grande erro. Essa atitude superprotetora impede o desenvolvimento de certas virtudes necessárias para a formação humana.



Quando começar

As tarefas, claro, devem ser escolhidas em função da idade e precisam ser ensinadas de forma envolvente. Não é preciso esperar que os filhos tenham 12 anos para começar, pois pode ser tarde e é provável que já não tenham a mesma disposição.Com os menores a adesão é imediata. A criança se sente aceita, útil e querida diante de uma responsabilidade simples. O que para um adulto é ato rotineiro, para eles se apresenta como algo novo e próprio dos mais crescidos. Uma boa abordagem é propor metas e evitar ordens. Por exemplo, dizer: “Você seria capaz de preparar seu café da manhã?”. Também é importante celebrar os sucessos da criança em cada nova tarefa.

Deve-se começar com tarefas básicas, como recolher os brinquedos, organizar o quarto, recolher a roupa suja, pôr a mesa ou alimentar o animal de estimação da casa. Gradualmente, os pais devem ir aumentando o grau de dificuldade e o número de atividades. No caso dos adolescentes, as tarefas devem ser mais complexas, como preparar refeições simples e lavar roupas.

É importante que os pais mostrem a seus filhos como se realiza cada atividade, pois as crianças precisam saber com exatidão o que se espera delas. Por isso mesmo, é recomendável ensinar-lhes uma tarefa de cada vez, para não confundi-las, sobretudo quando são pequenas.Por último, é preciso explicar às crianças por que ajudar é importante para si mesmos e para toda a família.                                                                                                                        


III- Tudo em seu devido lugar

O verdadeiro cristão deve ser uma pessoa disciplinada, no genuíno sentido do termo. No meio eclesiástico a visão do que é disciplina tem sido distorcida, a ponto de se entender que uma pessoa disciplinada é alguém que cometeu algum pecado ou erro, e que necessita de punição.

 Na verdade, porém, uma pessoa disciplinada é uma pessoa correta, que obedece a princípios e normas, de modo consciente. O universitário cristão precisa ser, antes de tudo, autodisciplinado, para que dê bom testemunho em qualquer lugar, ocasião ou situação, visto que a universidade é ambiente relativista, liberalista e materialista, dominado por filosofias humanas que se opõem à revelação bíblica.



CONCEITOS

0 termo disciplina vem do latim, disciplina, e tem o sentido de "instrução", "treinamento", "disciplina" propriamente dita. A palavra pode indicar um modus vivendi, de acordo com a observância de normas, conduta, requisitos; pode indicar tipos de vida ascética, mortificação; a vida monástica, na Idade Média, exigia um tipo de disciplina que usava açoites para disciplinar a carne, a vontade; tem o sentido de punição aos que deixam de cumprir certas normas; na vida militar, indica o preparo do indivíduo para a execução correta das atividades da caserna; no meio acadêmico, disciplina eqüivale a uma matéria a ser estudada.



AUTODISCIPLINA

Indica a disciplina aplicada ao indivíduo por ele próprio, de modo consciente e voluntário, com a finalidade de atender a determina padrão de conduta, aceito como válido. No presente trabalho, aceitamos o conceito de autodisciplina como a disposição pessoal do jovem universitário de viver os princípios cristãos, como "sal da terra" e "luz do mundo", de modo consciente e voluntário, sem que haja a necessidade da interferência de terceiros. É a obediência à Palavra de Deus em qualquer lugar ou situação, principalmente no meio acadêmico.



 NO ANTIGO TESTAMENTO

No AT, a disciplina era vista como meio de correção ou de instrução. A palavra musar, no hebraico, em correlação com moser, significa "laços" ou "algemas". A lei mosaica era parte integrante da "disciplina do Senhor" (Dt 11.2). O sistema de punições no AT visava o cumprimento dos mandamentos de Deus (ver Dt 4.36; Ex 20.20). O homem ímpio não valorizava a disciplina (Sl 50. 16,17); enquanto o filho fiel não rejeita a repreensão (disciplina) do Senhor (Pv 3.11). O que ama a correção (disciplina) ama o conhecimento (Pv 12.1). A disciplina tem por base o amor de Deus (Pv 3.12).



NO NOVO TESTAMENTO

No NT, o sentido de disciplina é mais positivo, pois está mais associado á instrução, ao ensino, mas também à punição. No grego, a palavra disciplina épaidia, que está ligada ao treinamento e instrução de crianças, e também à correção para que se imponha uma conduta correta. A palavra paideo significa educar, instruir, disciplinar ou punir de alguma maneira. Em Hb 12.6-11, vemos que Deus corrige (disciplina) aquele a quem ama, indicando que por trás da disciplina está o amor de Deus, dirigindo a pessoa para o bem, para a salvação (Ap 3.19).



A AUTODISCIPLINA DO JOVEM CRISTÃO

Com base no que vimos acima, a disciplina deve ser entendida no sentido positivo. Uma pessoa disciplinada deve ser vista como uma pessoa bem instruída, educada, treinada, tendo em vista os propósitos da vida cristã. A autodisciplina deve ser exercida dentro de uma visão positiva da vida cristã e não como um mero cumprimento de normas sem sentido e sem razão. O universitário cristão vive todo o tempo, na academia, a ter sua fé e conduta desafiados pelos conceitos materialistas. Precisa adotar por si próprio uma disciplina que fortaleça o seu testemunho no meio universitário, entre colegas e professores.


Deus é organizado

O profeta Isaias quando falou a cerca de Deus, ele fez uma referencia interessante sobre essa verdade de que de fato Deus é um organizado. Isaías 45.18 “Porque assim diz o SENHOR, que criou os céus, o Deus que formou a terra, que a fez e a estabeleceu; que não a criou para ser um caos, mas para ser habitada: Eu sou o SENHOR, e não há outro.”

O profeta Isaias ao dizer que Deus virou os céus e formou a terra está se referindo ao Gênesis. E quando ele decidiu criar todas as coisas ele o fez de modo organizado. O profeta Isaias asseverou: “Que não a criou para ser um caos”. Ou seja... Deus não criou o Universo, as coisas visíveis e invisíveis para confusão, desordem e caos. Pelo contrário Deus criou tudo em perfeita ordem e harmonia

Quando Moisés disse: Gênesis 1:2 “A terra, porém, estava sem forma e vazia”. O termo “Sem forma” se refere exatamente a isso “Caos”. Quando Deus fez a terra ela estava desorganizada (Informe, Sem forma, Espaço Vazio, Deserto e Lugar de caos)

Entretanto quando Deus começou a expressar verbalmente sua vontade naquilo que estava sendo criado. O Caos tomou forma e ordem. O Espaço vazio ganhou forma e realidade. Deserto, foi coberto e se tornou um planeta habitável.

Mas, será que existe alguma relação entre esse Deus organizado com a nossa vida cristã? Será que devemos viver de modo confuso? Informe, Sem forma, Espaço Vazio, Deserto e Lugar de Caos.

Ou será que essa qualidade divina, também deve ser observada por nós? A reposta é sim!

                               

O mundo atual tem várias características bem definidas, que o distinguem do que foi nos tempos passados. Uma delas é a indisciplina, principalmente no meio da juventude em geral. Embora não seja característica do jovem, ele assimila a indisciplina como um modo de viver, para se expressar. Exemplo disso é a música jovem, caracterizada pela falta de ordem, principalmente no Rock, na lambada, no reggae, etc.

O jovem cristão precisa ser exemplo de autodisciplina nesse mundo escorregadio da indisciplina. Hoje, garotas e meninos de 12 anos já se prostituem, já fumam maconha , cocaína, e isso em escolas e ambientes das chamadas classes média e alta. É a indisciplina moral e falta de valores espirituais.

O jovem cristão precisa enfrentar de pé a onda de falta de Deus, de moralidade e seriedade, como o fizeram José, Daniel, Sadraque, Mesaque, Abdênego, Ester, Débora, Eunice, Loide, Maria e tantos outros.

Notas Portal Escola Dominical


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Lição jovens o legalismo na adoração n.7


  




                               4 trimestre 2016

TEXTO DO DIA

‘Porque o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim e. com a boca e com os seus Lábios, me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim [...]."(Is 29.13).
SÍNTESE
A adoração nasce de um coração que ama a Deus e não de uma relação jurídica (legal) com o Criador.



                                        AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA -  Tg 4.11 : A natureza soberba dos legalistas
TERÇA - Am 5.21: Festas solenes sem pureza de coração são rituais vazios
QUARTA - Is 58.5: Fórmulas religiosas que para nada servem
QUINTA - Jr 7.4: O legalismo faz o lugar sagrado virar um amuleto
SEXTA - Mt 23.4: Os legalistas do período de Jesus
SÁBADO - Cl 2.21: As regras dos legalistas no tempo de Paulo

OBJETIVOS

• DISCUTIR as origens e manifestações do legalismo no Antigo Testamento.
• DEMONSTRAR que o Legalismo era um desafio constante para a Igreja Primitiva.

• REFLETIR a respeito das atitudes a serem tomadas para evitar o legalismo.

INTERAÇÃO

Prezado (a) professor (a), chegamos à metade de nosso trimestre Momentos como este são sempre propícios para realizarmos avaliações, autocríticas e, se necessário, mudanças de atitudes. Por isso, faça a si mesmo perguntas como:
Minhas aulas são motivacionais ou monótonas?
Minha linguagem e didática são adequadas para o nível de meus educandos?
Sou um ótimo educador para o tipo de jovens do século passado ou consigo transmitir os princípios da Palavra de Deus de maneira clara para os jovens de hoje?
Partindo das respostas, que você também pode obter por meio de uma consulta aos próprios educandos, desde que seja algo feito com naturalidade e espontaneidade por eles - numa conversa informal antes ou depois da exposição do conteúdo, por meio de uma pesquisa por escrito -,continue as ministrações das aulas tendo como foco principal fazer dos instantes destes encontros momentos de crescimento pessoal e espiritual para cada jovem.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Providencie papel ofício e lápis de cor. Entregue a cada aluno uma folha de papel e lápis de cor Dê a eles um comando para desenhar algo (objeto, paisagem) o mais caprichado possível que eles conseguirem, todavia, informe-os que terão de seguir algumas regras, pois não será um desenho livre. Abuse no uso das regras, faça com que os alunos sintam-se 'sufocados’ com o excesso de controle que você terá sobre a tentativa de desenho deles. Não os permita usar determinadas cores, diga que é proibido desenhar certas formas ou objetos. Encerre a dinâmica indagando-os sobre como eles sentiram-se na elaboração dos desenhos. Partindo da fala deles, leve-os a refletir a respeito dos perigos e prejuízos do legalismo.
Leia também:   


TEXTO BÍBLICO

Atos 51-6; 8-10

1 Mas um certo varão chamado Ananias. com Safira, sua mulher, vendeu uma propriedade
2 e reteve parte do preço, sabendo-o também sua mulher; e. levando uma parte, a depositou aos pés dos apóstolos.
3 Disse, então. Pedro Ananias. por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espirito Santo e retivesses parte do preço da herdade?
4 Guardando-a, não ficava para ti? E. vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus.
5 E Ananias, ouvindo estas palavras, caiu e expirou. E um grande temor veio sobre todos os que isto ouviram.
6 E. levantando-se os jovens, cobriram o morto e. transportando-o para fora o sepultaram
8 E disse-lhe Pedro: Dize-me, vendestes por tanto aquela herdade? E ela disse; Sim, por tanto.
9 Então, Pedro lhe disse: Por que é que entre vós vos concertastes para tentar o Espirito do Senhor? Eis ai à porta os pés dos que sepultaram o teu marido, e também te levarão a ti.
10 E logo caiu aos seus pés e expirou. E, entrando os jovens, acharam-na morta e a sepultaram junto de seu marido.

INTRODUÇÃO

O que é legalismo? Pode-se definir legalismo como sendo a postura religiosa que privilegia o cumprimento de regras e normas como caminho para a obtenção de bênçãos divina, inclusive a salvação. Dentre os perigos de uma religiosidade legalista está a ilusão de tornar-se uma pessoa melhor, isto é, alguém superior aos outros pelo simples fato de obedecer rigidamente um determinado conjunto de ordenamentos religiosos. É a respeito dos riscos e consequências de uma fé genuína tornar-se legalista que discutiremos na aula de hoje, partindo de alguns exemplos bíblicos.

I - O SURGIMENTO DO LEGAUSMO NO ANTIGO TESTAMENTO

1. Da institucionalização ao legalismo.

Como estudamos na última aula, com o enorme crescimento do povo de Israel e com o inicio de sua jornada de retorno à Canaã. a adoração e o louvor dos judeus tiveram que passar por um processo de organização para melhor desenvolvimento (Êx 19.3-6). Todavia, rapidamente propagou-se a prática legalista, ou seja, ao invés do povo cumprir as ordenanças divinas por amor e obediência ao Senhor, parte do povo passou a executar os mandamentos de maneira mecânica e vazia de intencionalidade ou, pior ainda, por puro interesse (Nm 141-37). Nem toda institucionalização causa legalismo, mas todo legalismo é destruidor em qualquer tipo de relacionamento, especialmente entre os adoradores e Deus.

2. O legalismo como causa da tragédia na família de Eli.

Um dos primeiros exemplos bíblicos de como o legalismo pode destruir uma família inteira é o caso da família de Eli (1 Sm 2-4). Os filhos de Eli não respeitavam as ofertas e espaços sagrados em Israel (1 Sm 2.12-17: 22- 25), eram homens de Belial (1 Sm 2.12). Diante desta situação Deus usa tanto um profeta anônimo (1 Sm 2.27-36), como o adolescente Samuel (1 Sm 315-18) para declarar aos ouvidos do próprio Eli a indignação de Deus com a situação, todavia, nada mudou.

O momento mais patente do legalismo da casa de Eli foi quando seus filhos transportaram a arca da aliança do Senhor para o meio do campo de batalhas com a intenção de vencerem uma guerra contra os filisteus (43-5). Houve uma comoção geral entre os guerreiros, isto. entretanto era pura ilusão. Deus não era a arca. muito menos estava preso dentro dela! Acreditar que venceriam a guerra simplesmente por terem trazido o objeto sagrado era puro legalismo; o resultado não podia ser outro: derrota, extermínio do povo, morte da família sacerdotal e rapto da arca (4.11-22).

3. A denúncia do legalismo nos discursos dos profetas.

O Antigo Testamento está repleto de discursos denunciando esta prática de uma religiosidade de fachada. Logo no primeiro capitulo de sua profecia. Isaias denuncia a hipocrisia religiosa daquele povo (Is 1.11 - 23) e apesar deles cumprirem várias ações cerimoniais, nenhuma delas era agradável ao Senhor. Já em Ezequiel 8.1-18. Deus revela ao profeta, através de uma visão cheia de símbolos, a espiritualidade decadente travestida de piedade daquela geração. Em Amós 5.21-23, o profeta, que há pouco denominou ironicamente a classe opressora de 'vacas de ‘Basã’, declara que o simples cumprimento de cerimónias religiosas não isentava o povo de Deus de sua responsabilidade social com os pobres e oprimidos. Religião que declara servir a Deus, mas é incapaz de servir ao próximo, é puro legalismo.

O Pense!
O excesso de cuidado no conhecimento e cumprimento de determinadas normas e regras religiosas pode nos levara esquecer qual deve ser a finalidade maior destas: auxiliar-nos a diariamente tornarmo-nos a imagem e semelhança do Pai.

O Ponto Importante

Se sua fé tem se reduzido a mera observância de regras, de tal forma que sua relação com Deus já abandonou um caráter filial, por meio de seu amor integral e desinteressado ao Pai. e tem se tomado algo legal - onde você exige dEle as recompensas de sua suposta obediência - você tomou-se legalista.

II - A LUTA CONTRA O LEGALIS- MO NA IGREJA PRIMITIVA
1. O legalismo como herança do farisaísmo na Igreja Primitiva.
O cristianismo, apesar de ter rapidamente atingido o mundo gentio, especialmente através de Paulo, teve em seu surgimento forte adesão de judeus. Uma das mais tradicionais seitas judaicas daquele momento histórico eram os fariseus (literalmente, 'separados’).

A característica marcante deste grupo era a rigidez com que eles cumpriam a Lei (Mt 23.23) chegavam até a exceder-se no cumprimento de alguns pontos dela (Lc 18.12). Quando esse conjunto de pessoas ingressou no cristianismo, trouxe junto suas tradições legalistas, dentre as quais estava a circuncisão para os cristãos não-judeus, assim como o cumprimento de todo o restante da Lei. É claro que o conjunto de exigências deste grupo de novos convertidos colidia diretamente com o discurso da graça, do amore da misericórdia, proposto e vivenciado por Jesus e os seus discípulos (Mt 9.13).

2. A rejeição do legalismo entre os primeiros cristãos.

Não houve negociação entre os líderes da Igreja Primitiva. O legalismo deveria ser radicalmente rejeitado. Os apóstolos ratificaram que a salvação é obra exclusiva da morte vicária de Jesus e que por isso nenhum fardo deveria ser posto sobre os irmãos gentios. O Cristianismo já nasceu com a pretensão de acolher toda a humanidade: deste modo não era simplesmente mais uma seita judaica e por isso não necessitava submeter-se às tradições culturais daquele povo. Paulo, em vários momentos de seu ministério, denunciou a inutilidade do legalismo dos judaizantes - judeus convertidos ao cristianismo que exigiam dos gentios o cumprimento de práticas culturais e cerimoniais do judaísmo para garantir-lhes a salvação (Gl 2.14-17: Fp 3.1-3; Cl 2.16-23: Tt 1.10-16).

3. As distorções teológicas do legalismo.

O legalismo. no intuito de desenvolver uma piedade comprometida, cria sérios problemas doutrinários. Por exemplo, se alguém condiciona a salvação a algo além do sacrifício de Jesus - rituais (Mt 151-9), obediência a normas humanas (Gl 5.1-6), boas obras (Ef 2.8-10) - essa pessoa está usurpando a centralidade de Cristo na obra salvífica. O legalista, arrogantemente, entende-se como alguém apto para julgar a espiritualidade dos outros (Tg 4.12). Não devemos ser juízes de ninguém (Lc 6.37). só há um Juiz (Is 33.22: Jr 1120). nossa missão é ser suporte para os mais fracos (Rm 141-23). O legalismo transforma a ética cristã, encarnação histórica do amor (Mt 712). em um conjunto vazio de cumprimento de regras que para nada serve (Mc 77-9)

O Pense!
Você é um legalista? O legalista, arrogantemente, entende-se como alguém apto para julgara espiritualidade dos outros.
O Ponto Importante
Misericórdia para com os doentes espiritualmente não significa conivência com seus atos.

III - COMO SUPERAR O LEGALISMO

1. Retornando a centralidade de Cristo em nossa fé.

Não existem amuletos mágicos (sal, copo com água. arca da aliança) ou rituais de invocação da divindade (sete vigílias, sete salmos, sete hinos de sangue) no Cristianismo. O centro de nossa fé é Cristo Jesus (Cl 127).
O legalismo somente será superado quando, sem medo algum, voltarmos a pregar e viver a mais simples verdade do Evangelho: a morte e ressurreição de Cristo é a garantia da nossa salvação (Rm 8.31-39). Se for salvo, vivo para Ele (Fp 121): se congrego numa Igreja é para aperfeiçoamento do "corpo” dEle (do qual eu faço parte - Ef 412.13); se pratico boas ações é para que o nome dEle seja glorificado (1 Pe 2.11.12). Não devemos ter medo de supostas maldições ou ‘retaliações divinas’. Cristo não é Baal - um deus melindroso - Ele nos ama e tudo que Ele faz é para abençoar-nos (Ef 13-10).

2. Amando mais as pessoas que a religião.

Cristianismo não é religião - cheia de protocolos e cerimónias - antes é relacionamento puro, direto e genuíno com Deus. Se em alguma circunstância da vida você estiver diante de um suposto dilema entre salvar a vida de alguém ou cumprir uma regra religiosa, não pense duas vezes, salve a vida desta pessoa. Porque alguém deve fazer isso?

1) Por que em seu lugar Cristo faria o mesmo, na verdade Ele já fez (Jo 5.1-15; 8.1-11);
2) Porque o cerne do cristianismo não é cumprir regras, mas amar a Deus, amando a si mesmo e as pessoas ao nosso redor; 3) Algumas religiões fazem guerra e matam pessoas. Jesus veio para dar a sua vida e ninguém foi capaz de convencê-lo do contrário (Jo 10.17.18).

3. Vivenciando a liberdade proporcionada pelo Espirito de Deus.

A Bíblia é clara: onde está o Espirito do Senhor, ai há liberdade (2 Co 3.17). Somos livres do pecado, livres para adorar a Deus e para ter uma vida santa, e servir de exemplo ao mundo daquilo que Deus pode fazer na vida de um ser humano.

O Pense!
Adoração não é reprodução mecânica de palavras ou ações.
O Ponto Importante
Adoração não produz ódio. Alguém por ignorância pode não gostar de nossa fé ou até mesmo de nós, todavia, nosso louvor a Deus nunca pode ser fonte de discriminação ou maldade.

SUBSÍDIO

Judeus cristãos eram chamados 'judaizantes'. porque eles criam que todo aquele que recebesse o evangelho deveria se converter ao judaísmo e guardar a lei de Moisés, particularmente a circuncisão. O ensino dos judaizantes cria divisão na Igreja. Eles entram num espirito de exclusivismo judaico e pronunciam que os crentes gentios incircuncisos não são salvos, e que a fé em Cristo não é o bastante para a salvação. Estes agitadores dogmaticamente insistem que a circuncisão deve ser acrescentada á fé no Salvador.

O esforço para judaizar a Igreja cria acalorado debate e tem o potencial de dividir a Igreja em duas facções. uma com sede em Jerusalém e outra. em Antioquia. A integridade do evangelho e a unidade da Igreja estão em jogo.
A palavra traduzida por 'não pequena discussão' (stasis) significa literalmente 'insurreição, facção. discórdia', ao passo que a palavra traduzida por 'contenda' (zetesis) quer dizer 'disputa, discussão’. Estas duas palavras descrevem uma situação dominada por conflito que é provocada por raiva, desunião e discussão" (ARRINGTON. F. L; STRONSTAD. R Comentário Bíblico Pentecostal. 4 ed. Rio de Janeiro: CPAD. 2006. p.709).

CONCLUSÃO

O legalismo é uma antiga doença que tenta atacar o povo de Deus. Desde o Antigo Testamento até nossos dias a sedução de fazer da fé um aglomerado de proibições, prescrições e juízos é algo tanto real quanto perigoso. Por isso, devemos cada vez mais nos empenharmos para desenvolver um relacionamento vivo, íntimo e pessoal com Deus, livre o suficiente para expressarmos a sinceridade de nossos corações.

HORA DA REVISÃO
1. A partir dos seus conhecimentos e das discussões em sala de aula defina o que é legalismo.
Pode-se definir legalismo como sendo a postura religiosa que privilegia o cumprimento de regras e normas como caminho para a obtenção de bênçãos da divindade, inclusive a salvação.

2. Apresente episódios bíblicos onde fica bastarte claro a manifestação de uma religiosidade legalista (No minimo dois no AT e outros dois no NT).
AT - Precipitação dos Filhos de Eli (I Sm 2-4); Contemporâneos de Amós (Am 5). NT - Discussões no Concilio de Jerusalém (At 15): Judaizantes nas igrejas da Galácia (Gl 2).

3. Oue tipos de problemas ou contradições de natureza teológica o legalismo pode trazer.
Defesa da salvação a partir da obediência a regras humanas: distorção dos princípios éticos, divisão das pessoas entre puros e impuros segundo as normas da religião.

4. Como podemos superar o legalismo?
Resposta Pessoal (Sugestão criação de regras quanto a tipos específicos de ritmos ou canções na igreja).
5. Que ações podem ser tomadas para combatera espiritualidade legalista?
Retornando a centralidade de Cristo em nossa fé; Amando mais as pessoas que a religião: Vivenciando a liberdade proporcionada pelo Espirito de Deus
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com